Bammer: “Aula de Marketing”

Hoje saímos do ringue, direitinhos para a sala de aula (o equipamento pode ficar para lavar). Já te dei ensinamentos que cheguem no que toca a estilos, golpes e erros a evitar e a esta altura do campeonato já deverás saber que o Wrestling é algo que puxa mais pela mente do que pelo corpo.

Quando comecei no Wrestling, aos 18 anos, tinha um plano bastante concreto do que queria fazer: treinar enquanto tirava a licenciatura para depois rumar até ao Canadá.

Ter um plano B é sempre bom e é algo que não poderia recomendar mais – Wrestling é 100% compatível com a escola e não vejo nenhum motivo para não concluir os estudos primeiro (afinal de contas, nunca se sabe quando chegarão as inevitáveis lesões).

Terminado o Secundário, vi-me obrigado a escolher algo para estudar no ensino superior. Quando a altura chegou, não tive grandes dúvidas: optaria por uma licenciatura em Marketing. Porquê? Porque não conheço melhor escola de Marketing do que a WWE. Wrestling e Marketing têm muito a ver, como aliás já referi neste artigo do meu blog pessoal. Neste artigo, no entanto, cingir-me-ei aos conselhos que ajudarão o (aprendiz a) lutador a diferenciar-se.

Porque se fores mais um no circuito… serás um lutador a mais. (lembras-te?)

Se este for o teu sonho, compreendo que queiras passar o máximo de tempo possível dentro do ringue (ou num colchão). Mas se desejas ser campeão ou chegar à WWE, terás de entender alguns conceitos básicos de Marketing. Só assim poderás sobreviver.

As boas notícias é que tenho falado sobre isto praticamente desde que comecei. Enquanto licenciado em Marketing, vejo obviamente uma boa parte do mundo com uns óculos especiais; acho que tal acontece a qualquer pessoa que dedica 4 anos a estudar apenas um tema específico. Claro que não tenho só esses óculos – também consigo imaginar combates de Wrestling enquanto estou no supermercado, mas esse tópico não é pertinente hoje.

Estou constantemente a avaliar a forma como uma marca comunica comigo – e é um bom exercício que deves também começar a fazer. Todos nós somos consumidores, é certo, mas se fizeres o esforço de estar consciente quando as marcas interagem contigo (e se avaliares a qualidade das experiências), tirarás certamente muitas lições que vão para além do mundo dos negócios.

2 artigos bem úteis para este tema, disponíveis em brunobrito.pt

Vamos começar por responder a 2 questões que poderão estar na tua mente:

  1. O que é o Marketing?
  2. De que me serve esta aula, se só quero lutar?

Vamos começar pela #1: O Marketing tem muitas definições, mas vou-te poupar artigos da Wikipédia ou definições dos supostos “gurus” da temática. Em vez disso, vou-te dar o meu entendimento do que isto é, fruto de 4 anos de teoria intensiva, 7 ou 8 anos no mercado de trabalho e muitos livros, artigos, vídeos e podcasts pelo meio.

Marketing é toda a interacção que uma marca tem com o consumidor. O Serviço ao Cliente? É Marketing. Os anúncios que vês na televisão? Marketing. A experiência dentro da loja? Marketing. O design do site? A página do Facebook? O logotipo ou a cara que representa a companhia? Marketing, Marketing e Marketing. E as sensações que tens quando pensas numa marca? Sim, é Marketing também.

O Marketing é responsável por tudo isso. Não é a definição que vais encontrar nos livros, mas parece-me ser para lá que caminhamos. E é esta definição que deves encaixar enquanto wrestler.

O que me traz para o #2. Levas o Wrestling a sério ou queres ser só aquele rapaz que tenta imitar os seus heróis e emular os seus golpes e maneirismos? Nada de mal nisso, se as tuas aspirações não forem maiores que essas. Mas se queres ser aquilo que eu chamo de “Big Time Playa”, então terás de puxar pela massa cinzenta.

Vou tentar ajudar. Vamos a isto!

Tudo é comunicar

Provavelmente já leste algures que a tua comunicação começa antes de chegares ao ringue, assim que a tua música toque. Em parte, isso é verdade – mas para chegares lá, tiveste de arranjar uma forma de ser convocado.

Podes ter sido chamado por conheceres um amigo, por teres enviado um e-mail ao promotor ou por conhecerem o teu trabalho noutros territórios. Mas em qualquer um dos cenários, já tiveste de comunicar antes.

A comunicação começa antes do show

A comunicação começa antes do show

Na minha posição enquanto treinador da academia do Wrestling Portugal, já recebi várias dezenas de currículos e e-mails de lutadores a quererem fazer parte de um espectáculo. Claramente, a julgar pelos textos, pelas fotos e pela abordagem, uma boa parte deles não tiveram esta aula.

É importante lembrares-te que cada acção que fazes conta. Terás de estar consciente de tudo. A foto que envias tem de ter um aspecto profissional, portanto terás de procurar um fotógrafo (considera esse gesto um investimento em ti). A roupa terá de estar alinhada com o lutador que representas (e até com o teu estilo). O texto que produzes, seja ele um tweet, um post no Facebook ou um e-mail, terá de merecer mais atenção do que apenas o tempo que o demoras a digitar.

Sempre que falas com os fãs, pára e pensa no que estás a fazer. E se entrares em contacto com alguém que te possa dar trabalho também – é inacreditável a falta de atenção que alguns lutadores manifestam quando estão a enviar o seu “cartão de visita”. Sempre que estiveres a falar com o mundo, presta atenção.

Em tudo o que fazes, terás de mostrar profissionalismo. A diferença da actualidade face ao passado é que tudo o que fazes agora vive para sempre – é fácil ir ao YouTube ou ao Twitter e aceder ao histórico de praticamente qualquer acontecimento ou pessoa que é minimamente relevante no mundo.

Quando falo em profissionalismo, não quero com isto dizer que terás de ser sempre politicamente correcto. Terás, isso sim, de ser consistente na mensagem que passas e vender a tua personagem através de TUDO o que comunicas.

Em busca da diferenciação

Para além de estares consciente de que tudo o que estás a fazer está a ser gravado terás de entender como te podes tornar diferente de todos os outros. Um bom ponto de partida será este artigo, que frequentemente menciono: o teu lugar no Wrestling.

Apesar do Wrestling não ser para todos, acredito que quem não desiste acabe por ter hipótese se entender o seu lugar no espectáculo. Apesar de muitos desejarem ser o próximo Kurt Angle ou Dean Malenko ao início, com o tempo a maioria percebe que o Wrestling não poderá viver apenas de lutadores tecnicamente fantásticos. Há espaço para a comédia, para as brawls e para o high-flying, do mesmo modo que há espaço para os bodybuilders, os lutadores que lançam raios e apagam a luz ou para as modelos.

Para encontrares o teu lugar no Wrestling, precisarás sobretudo de 2 coisas: de perceber quem veio antes de ti (aqui ser fã ajuda) e de entender o que já está no balneário.

Como diria a Apple: Think Different

Como diria a Apple: “Think Different”

Depois, terás de perceber como podes trazer algo ao espectáculo que ninguém ainda trouxe. Certamente terás de pensar na roupa, nos golpes, no tipo de combate e no teu look. Mas terás de fazer um esforço maior que esse: o esforço por ser memorável em cada segmento que te dão e tentar mostrar a tua autenticidade e distinção em tudo o que fazes.

Aqui, claramente não deves ser a cópia do teu ídolo (ninguém quer isso) nem procurar ser alguém que não és, só para sobressair. E ser diferente não significa, obviamente, ser pior do que os outros. Terás de encontrar algo com que te identificas e que mais ninguém consegue recriar. Terás depois de levar essa combinação para a tua actuação e validar com a audiência se é algo que de facto funciona e aperfeiçoar a partir daí.

Nem todos vão gostar de ti e isso não tem qualquer problema. O Wrestling é um espectáculo de variedades. Em vez de te preocupares se gostam de ti ou não, preocupa-te em deixar a tua marca e a primar pela diferença.

Vestindo a camisola

Só te servirá apresentar uma mensagem diferenciada e coerente se acreditares no que estás a vender. Aqui, uma inspiração pessoal para mim vem de fora do ringue, de nome Paul Heyman. Este senhor é, para mim, o melhor vendedor possível – alguém que consegue vender na perfeição qualquer ideia e que acredita totalmente no que está a dizer.

Paul E, mestre a vender ideias e a vestir a camisola

Paul E, mestre a vender ideias e a vestir a camisola

Esta capacidade é em grande parte responsável pelo seu sucesso em tudo o que participou no Wrestling. Se observares o seu trabalho, seja com um microfone, a assistir os lutadores que representa ou na mesa de comentadores, testemunharás um senhor empenhado em mostrar à audiência que acredita cegamente no que está a promover e que nós devemos acreditar também.

Este é o teu trabalho todas as noites. Ir para o ringue, fazer as pessoas acreditar e entregar uma actuação honesta e sincera, que não deixará dúvidas às pessoas de que o teu lugar é no Wrestling. Portanto não te esqueças de vestir a camisola, em vez de pôr um chapéu de cowboy só porque mais ninguém no plantel vem do Texas.

Fora do ringue

Pensa no teu lutador como uma marca (porque é). As pessoas foram à arena ver-te, aplaudiram o teu combate e até compraram uma t-shirt tua. O teu trabalho terminou? Não.

Hoje em dia, muitas marcas já não se ficam pelos produtos que têm na loja. Enviam mensagens de parabéns aos clientes, fazem acções orientadas para a comunidade e tentam liderar um movimento em vez de impingir a toda a hora a compra dos seus produtos.

Terás de fazer o mesmo enquanto lutador. Com o Social Media, terás de interagir com as pessoas que vão aos teus espectáculos, responder a questões dos fãs, fazer com que eles sejam (no fundo) parte do espectáculo, mesmo quando a arena já apagou a luz. Poderás fazer vídeos a promover combates futuros (ou passados), enviar cartas de agradecimento personalizadas aos teus promotores preferidos, envolver outros colegas do balneário nos teus esforços, participar em podcasts e entrevistas, etc.

Certifica-te que em tudo o que fazes parte, dedicas de facto algum tempo a que fique bem feito (e com as pessoas certas) – não o faças só por estar na moda ou para tentares ser diferente, se não houver valor para a comunidade (nem para ti).

Não faças só para ser diferente

Não faças só para ser diferente

Quanto mais tempo dedicares à interacção com as pessoas que fazem com que o espectáculo aconteça, maiores serão as tuas chances de voltar a ser convidado. E não é isso que todos procuramos para maximizar o nosso tempo no Wrestling?


Até para a semana malta. O manual está a chegar ao fim, mas está a ser uma viagem bem divertida! Queres ver algum tema abordado aqui? Avisa-me! Fico à espera do vosso feedback, via comentários/tweets/mensagens, como sempre!

Sobre o Autor

- Bruno “Bammer” Brito é português, treinou em Calgary, Alberta, Canadá e foi durante 6 anos treinador principal da academia do WrestlingPortugal. Durante esse período, foi responsável por formar alguns dos mais conhecidos e talentosos lutadores nacionais da actualidade e está agora a partilhar as suas experiências com a comunidade do Wrestling PT.

15 Comentários

  1. henrique - há 3 anos

    Obrigado pelo artigo.
    Como foste para o Canadá e como foi ficar lá

  2. CM Punk - há 3 anos

    Excelente

  3. joao sergio - há 3 anos

    gostava que escrevesses um artigo sobre como treinar as mic skills…para alem disso gostava que tambem escrevesses um guia para quem quer ser wrestler mas nao tem por onde começar e nao tem dinheiro, sem apoio familiar…obrigado e mais um grande artigo…cumprimentos…

  4. Miguel Costa - há 3 anos

    Já tinha lido alguns artigos do teu blog pessoal. Os que li com mais atenção foram os que tinham o wrestling como base. Os outros, devido a serem relativos a assuntos muito específicos sobre marketing, não os li.

    Este está muito bom e acaba por ser diferente aos que escreveste anteriormente, mas é sempre bom uma mudança. Sem ter grandes conhecimentos relativos a marketing, tenho que dizer que apesar disso, consegui perceber a relação entre estes assuntos, que à primeira vista são muito distintos.
    Parabéns pelo (excelente) artigo e em relação à sugestão, a única que me ocorre é mesmo um artigo sobre “promos”.

    PS: Acho que escreves muito bem e os teus artigos são bastante interessantes pelo que queria dar aqui uma sugestão, que é seguinte:
    Estes artigos, são um género de guia para quem quer ser wrestler e acabam por abranger uma menor parte dos users do WPT. Não sei se já pensaste em fazer artigos no qual dás a tua opinião. Acho que seria bastante interessante :)

    • Obrigado por leres e claro, pelas tuas “ever so kind words”! Fico muito contente em ter conseguido explicar de forma simples um tema que adoro :)

      O das promos é o próximo, parece ser muito requisitado (ainda bem que é a minha especialidade, haha). Relativamente a escrever artigos de opinião, penso que o Wrestling.PT já tem artigos de qualidade que cheguem sobre isso e penso que (pelo menos por agora) os meus desabafos na minha página do Facebook cumprem a tarefa. Para algo mais abrangente, também temos agora os Hangouts ;)

  5. Italo (TheKing) - há 3 anos

    Exelente artigo, muito bom e com ‘conselhos’ que abordam o PW mas também pode ser usado na vida social/profissional como um todo. Parabéns.

  6. Adoro quando ligas Marketing a WWE/Wrestling ;)

  7. Kurt Rocker - há 3 anos

    Incrível.

  8. Obrigado eu, por leres.

    Para o Canadá foi relativamente “simples”. Depois da licenciatura, trabalhei cerca de 1 ano em que juntei cerca de 90% do salário de cada mês e fui pagando aos poucos cada coisa (o curso, o vôo, o alojamento, etc). Foi uma experiência inesquecível e que valeu bem a pena – passaria bem mais do que 1 ano a juntar se fosse necessário só para a viver! :)

  9. Obrigado pelas sugestões João – o treino de mic skills está sem dúvida no horizonte, o outro guia que referes não me tinha ocorrido mas faz todo o sentido e vou sem dúvida tratar disso :)

Comentar

Login com Facebook

Editar avatar »

Notificações por email:

Wrestling.PT © 2006-2016 / Política de Privacidade / Disclaimer / Sobre Nós / Contactos / RSS Feed / Desenvolvido por Luís Salvador