Bammer: “O teu lugar no Wrestling”

As semanas vão passando e, a pouco e pouco, os hammerlocks e os bodyslams começam a surgir com maior naturalidade. A tua confiança nas técnicas básicas começa a subir e mal podes esperar pelo teu primeiro combate. Está então na hora de começar a trabalhar um pouco mais o elemento mental do Wrestling- a inteligência, salvo seja- a peça do puzzle que irá determinar se conseguirás passar de aprendiz a lutador.

Ao início, uma boa parte das pessoas que treinei passou pelo mesmo: os grandes desafios eram exercícios como conseguir fazer mais flexões, sair pela 3ª corda, realizar o moonsault ou executar um military press a um colega de tamanho considerável. A parte atlética começava a definir-se, mas algo curioso acontecia: quando chegava a altura de participar num evento, alguns eram chamados enquanto outros não.

“Mas porquê, se até sou melhor no aquecimento que o outro? Ele nem consegue subir à 3ª corda…” perguntavam-se alguns, enquanto viam numa cadeira da arena aquele colega menos atlético no ringue.

Se queres fazer parte do plantel e esperas que contem contigo para o próximo show, ter 120 kg de puro músculo não é a tua solução. O que tens de fazer é encontrar o teu lugar no Wrestling.

Mas como? Aqui ficam alguns conselhos!

Levanta-os todos os dias, mas não vai ser por isso que vais chegar lá

Levanta-os todos os dias, mas não vai ser por isso que vais chegar lá

O físico não é tudo

Muitos não acreditam, mas a verdade é que o aspecto físico no Wrestling é secundário. Apesar de ser um factor importante, não é de todo determinante para o teu sucesso: por muito bom atleta que sejas, será a tua mente a ditar o teu sucesso neste universo. Muitos ficam intimidados se não tiverem 100 kg de peso ou 2 metros de altura. Outros passam noites em branco por não conseguirem fazer a Shooting Star Press.

Quando estamos nos treinos, a competir com os nossos colegas, é fácil sermos absorvidos pela componente física- tentar fazer algo que mais ninguém consegue, para os impressionar ou conquistar respeito. Esses feitos podem passar por conseguir executar mais uma pirueta durante um salto do que os outros ou ficar no aquecimento a fazer flexões sozinho. Esses esforços são respeitáveis, mas não serão motivo para alguém pagar bilhete.

No entanto, há algo que tem de ficar claro: sem dúvida que terás de conseguir realizar todos os movimentos básicos- são manobras fundamentais que qualquer adversário/colega esperará que consigas efectuar. Este conselho não deve ser encarado como uma desculpa para ficares preguiçoso na parte física, mas sim para te focares mais naquilo que vem a seguir neste artigo.

Os 3 elementos-chave para o sucesso

São apenas 3 os factores que deves ter em mente. Idealmente, deves trabalhar todos eles o suficiente para seres facilmente distinguível de todos os teus concorrentes. Imagina estas 3 características como 3 disciplinas distintas: é possível que te consigas “safar” desde que tenhas 2 notas muito boas e apenas outra razoável, mas quanto mais perto do 20 a média estiver, maiores serão as tuas probabilidades de ir para a história como um grande wrestler.

Vamos então aos elementos- todos eles são igualmente importantes e até complementares, ou seja, devem ser trabalhados de forma harmoniosa.

São eles o look, a personalidade e a qualidade em ringue.

Os 3 elementos fundamentais para o sucesso

Os 3 elementos fundamentais para o sucesso

O Look

O look é fundamental para te diferenciares dos teus concorrentes. A partir do momento em que passas a cortina até ao regresso ao balneário, o teu look deve sobressair. Pensa num show de Wrestling que abre com uma battle royal com 10 lutadores, onde 9 têm cabeça rapada, calças pretas e botas brancas e 1 luta de cabelo comprido, veste um fato de palhaço e ténis rosa- quem é que sobressai de imediato? Apesar de não estar a aconselhar ninguém a vestir-se de palhaço para se distinguir, cada um deve reflectir um pouco no look que se adeque a si, combinando a personalidade e a qualidade em ringue. Este elemento contempla tudo, desde a barba, penteado, roupa, tipo de corpo, tamanho dos músculos, etc.

O wrestler com possivelmente melhor nota neste departamento é o Big Show– aquele wrestler que mesmo que tivesse pouca personalidade ou qualidade em ringue, leva nota 20 na facilidade com que é distinguido de todos os outros pelo seu óbvio tamanho e peso. Tal como acontecia no passado com Andre the Giant, é o mais próximo de um look que funciona como uma “atracção”- algo que faria com que as pessoas pagassem bilhete meramente para contemplar o seu raro tamanho.

A Personalidade

Este é, para muitos, o elemento mais complicado de trabalhar. Costuma-se dizer que a personalidade de um lutador é um exagero daquilo que ele é na realidade- e concordo totalmente com esta teoria. Os lutadores devem reflectir sobre as suas qualidades, defeitos e traços psicológicos até encontrarem algo que sobressaia e explorá-lo. Se é importante que os combates contem uma história e que os fãs se liguem emocionalmente aos combates, a personalidade é, em grande parte, responsável por isso. Saberes quem és vai ajudar-te a trabalhar o look, as promos e contribuirá para maior inteligência dentro do ringue.

Este elemento é aquele que possibilita a entrada de lutadores como Mick Foley para a lista de campeões mundiais da WWE.

A Qualidade em Ringue

Este é geralmente o elemento que os grandes fãs de Wrestling mais gostam e mais rapidamente conseguem adquirir numa boa academia: a capacidade de ter bons combates, com manobras empolgantes e seguras, contando uma história pelo caminho.

Se apenas este elemento fosse relevante, quanto mais perto estivesses de um Kurt Angle ou de um Davey Richards, mais perto estarias do 20. Deves ajustar o teu rendimento no ringue ao teu look e personalidade: se, por exemplo, fores um wrestler baixo e magro, que tem medo das alturas e não gosta de dar espectáculo, deves evitar golpes que demonstrem força ou manobras muito vistosas.

A maior parte das pessoas consegue desenvolver 1 destes 3 elementos- infelizmente, isso de pouco serve. É realmente necessário trabalhar os 3, até porque esse é um esforço que poucos estão dispostos a fazer- e se te recordares da aula de matemática da semana anterior, tens melhor hipóteses se tiveres menor concorrência.

Ser o melhor do mundo… na posição em que joga

Esta é uma frase mais associada ao futebol do que ao Wrestling, mas penso que faz sentido aplicá-la aqui. Muitos procuram ser o próximo Rock ou Steve Austin e apesar de achar óptimo que se mostre ambição e se estabeleçam objectivos elevados, por vezes o melhor é tentar perceber primeiro como se pode ser o melhor possível com o papel que nos é dado.

Cada um representa uma peça diferente no espectáculo

Cada um representa uma peça diferente no espectáculo

No Wrestling cada wrestler tem um papel diferente no show. Muitas vezes pensamos nos cabeça de cartaz como os lutadores mais importantes e subestimamos a importância do que vem antes. O Wrestling tem uma forma bastante justa de resolver as coisas: quanto mais cedo é o teu combate, mais limitado estás. Não podes utilizar os teus golpes mais vistosos, se calhar não te deram tempo de microfone e a finish não vai envolver cadeiras e managers ao barulho. Ainda assim, é esperado que tenhas um combate agradável, que mantenha as pessoas entretidas enquanto esperam pelo combate que, teoricamente, os fez ir ao show. Se fores o primeiro combate e tiveres um épico de 40 minutos que acaba com um brainbuster da 3ª corda em cima de 3 cadeiras, parabéns: vais ter um balneário muito descontente contigo (para dizer o mínimo) e o mais provável é não voltares a ser convidado pela federação.

Se conseguires ter um bom combate, onde consegues transmitir com pouco esforço a tua personagem e deixas o público claramente interessado em ti e em ver mais, então o mais provável é começares a subir a escada devagarinho até ao main-event.

O Wrestling é um espectáculo e nesse aspecto, não é diferente de qualquer outro show, seja um festival musical ou uma noite recheada de DJs; se um artista posicionado no início da festa quiser assumir o protagonismo, o mais provável é levar um puxão de orelhas e não voltar tão cedo.

Quanto mais inteligente fores, mais relevante serás

Se pensares nas grandes personalidades do Wrestling, verás que partilham algo em comum: são/eram tremendamente inteligentes, ao ponto de saberem sempre o que o público queria, mesmo com pouco esforço. Não foi preciso o Austin aprender o Corkscrew Moonsault para esgotar arenas, nem combates frequentes de uma hora, apesar de também os ter feito. Podíamos, isso sim, esperar dele segmentos consistentemente bons, com o público interessado, fossem eles combates ou promos. O mesmo acontece com o Paul Heyman– pode nem ser um lutador, mas a sua personalidade é tão forte que consegue um tempo de antena considerável semana após semana para espalhar a sua mensagem.

Se fores útil para a empresa ao ponto de conseguires pegar em tudo o que te dêem e fazer disso um segmento que tenha interesse para a audiência, mesmo se estiveres lesionado, velho ou simplesmente fora de forma poderás aparecer regularmente nos espectáculos pois ninguém ficará desiludido.

Cuidado com o ego- este é um trabalho de equipa

Se não ficou claro em cima, volto a frisar: aqui todos estamos a trabalhar para que aqueles que pagaram bilhete tenham sentido que valeu a pena. Isso pode por vezes ser difícil de engolir se o teu papel num evento for secundário, mas deves fazer o melhor possível para brilhar em qualquer segmento em que te colocam. Deves confiar na equipa criativa e aguardar a tua vez- às vezes estão apenas a testar-te. Muitas vezes, é aqui que aparecem as “prima donnas” e se vêem os verdadeiros jogadores de equipa. Expressa sempre a tua opinião, mas não dês um motivo para que a equipa que toma as decisões difíceis te coloque de castigo porque não queres fazer de Coelho da Páscoa para 50 pessoas.

Atenção às inspirações- não sejas uma cópia

Por fim, é importante referir a importância de ser original. Todos temos ídolos e inspirações e de certo modo a nossa extensão de lutador torna-se uma fusão de muita coisa que gostamos enquanto fãs. Mas sempre que penso nisto, lembro-me de uma frase (que vou tirar do contexto) que ouvi do AJ Styles depois de um combate contra o Matt Sydal (Evan Bourne na WWE): “Don’t be the second AJ Styles, be the first Matt Sydal!”. O único lutador que conseguiu copiar outro e conquistar o seu lugar na história foi o Chris Benoit, provavelmente por ter uma ética de trabalho e um talento acima de todos os outros (e talvez por isso, as infelizes consequências que todos conhecemos), que mesmo assim teve de carregar a associação ao Dynamite Kid toda a sua carreira.

Sê original e não uma imitação de alguém

Sê original e não uma imitação de alguém

Também tens de ser realista: se tens 2.30m e 200 kg, se calhar não é boa ideia emular o Rey Mysterio (mesmo que consigas), pelo que deves escolher as tuas referências tendo em conta o corpo que tens e o que consegues fazer com ele.

Como acontece em qualquer arte, para triunfar é muito mais fácil sermos originais e dar uma razão para as pessoas se lembrarem de nós do que tentar copiar outros. Para que é que a WWE te haverá de querer se fores igualzinho ao Randy Orton, quando já tem o original? Esse lugar (e tantos outros) já está ocupado, pelo que deves passar uma considerável quantidade de tempo (anos) a reflectir e a trabalhar até encontrares o teu lugar no Wrestling… por isso, começa já!

Até para a semana pessoal. Venham daí mais comentários, tweets e mensagens!

Sobre o Autor

- Bruno “Bammer” Brito é português, treinou em Calgary, Alberta, Canadá e foi durante 6 anos treinador principal da academia do WrestlingPortugal. Durante esse período, foi responsável por formar alguns dos mais conhecidos e talentosos lutadores nacionais da actualidade e está agora a partilhar as suas experiências com a comunidade do Wrestling PT.

24 Comentários

  1. EddyParera - há 3 anos

    a mensalidade tem de ser paga no primeiro treino ou da para pagar a mensalidade no segundo treino do mês?

  2. Conspo - há 3 anos

    Bom artigo Bammer. Uma sugestão: No próximo artigo podias falar sobre a arte do “selling”
    Já agora não te preocupes se tiveres menos comentários, as pessoas continuam a ver XD

  3. bernardo - há 3 anos

    como sempre,excelente artigo. Gostaria de algum dia ver um artigo sobre promos. Continua assim Bammer,os teus artigos,estão cada vez mais a ser uma parte essencial das minhas sextas-feiras.

  4. Miguel Costa - há 3 anos

    Bom artigo Bammer. Gostaria apenas de te perguntar como é ter sido treinado por Lance Storm e se chegaste a trabalhar em alguma Indy nos EUA.

    Novamente, bom artigo.

    • Nop, nos EUA não infelizmente. Sobre treinar naquela que para mim é a melhor escola do mundo com aquele que é o melhor treinador do mundo… foi uma enorme honra e uma das melhores experiências da minha vida, não poderia recomendar ou esperar mais :)

  5. 5dx - há 3 anos

    como e q se entra no mundo do wrestling

  6. Dan - há 3 anos

    Eu tenho 15 anos, e tenho o sonho de ser um wrestler, o mais triste de tudo é sabe que nem minha família me apoia em tal decisão, porém decidi pular esse obstáculo, pois apenas eu posso realizar esse sonho, esse texto, me ajudou imensamente no meu psicológico, uma vez que sei que posso conseguir. Bammer, obrigado pelo texto, assim como eu fiquei mais determinado do que nunca, sei que outros com mesmo sonho também ficaram!

    • Obrigado por leres e ainda bem que as palavras te inspiraram. De facto nem sempre temos o apoio de todos no que toca a seguir uma carreira no Wrestling, mas a verdade é que mais tarde ou mais cedo acabam por ficar felizes por nós, estão apenas (compreensivelmente) preocupados com o que pode acontecer ;)

  7. Coisa - há 3 anos

    Qual o tipo de wrestlers mais comum em Portugal? (Powehouses, highflyers, tecnicos, etc.)

  8. THFGPEREIRA - há 3 anos

    Hoje vou passar pelo sítio dos treinos mas como infelizmente estou lesionada não posso treinar mas vou tentar começar pro ano hoje vou lá com a minha mãe para a convencer que os wrestlers não são homens das cavernas não há problema pois não?

  9. Andre_ZiggyNation - há 3 anos

    Como normal, mais um excelente artigo.

    Uma vez vi uma reportagem algures sobre wrestling em Portugal, onde alguém dizia que para “triunfar” no wrestling, ter um bom corpo por vezes é meio caminho andado e compensa a falta de talento. Lembro-me, por exemplo, do Otunga na WWE e porque não, até do Hulk Hogan.

    Então..ser um “mister musculos” facilita muito as coisas ou é uma ideia errada?

    • Bom, a minha resposta está basicamente no artigo; claro que ter bom corpo ajuda, mas há elementos muito mais importantes que ditarão o sucesso a longo prazo.
      Em Portugal talvez o problema seja o facto de poucos wrestlers terem a preocupação de visitar com frequência o ginásio e ganharem algum tamanho- é difícil que o público português, por si já algo preconceituoso, leve a sério 2 pessoas de 75 kg no ringue. No entanto, essa não é a norma nos EUA, por exemplo, pelo que o tamanho perde importância num ambiente mais competitivo.

      • Andre_ZiggyNation - há 3 anos

        É verdade..aqueles grandes wrestlers que tem saído das Indy’s nos últimos tempos e destacado estão longe de serem portentos físicos..basta pensar no Cm Punk ou no Austin Auries.

        Enfim..obrigado pela resposta e continua com o bom trabalho!

      • Anytime :) obrigado!

  10. Jonas Paiva - há 4 meses

    Bammer , obviamente sou brasileiro , moro no ceará…Você acha que consigo chegar ao meu sonho que a WWE? Sendo que ja tenho 16 anos , Tenho que me informar..Fazer cursos de linguagens estrangeiras..fisico ja tenho..agora me adaptar em viajar para paises e conhecer estilos diferentes depende muito do financeiro…Resumindo tudo ficaras muito ”tarde” para eu cumprir todas as etapas. Você tem algum incentivo ou um discernimento para que eu possa ja me posicionar e atrás? tipo as primeiras etapas. Aguardo!!

Comentar

Login com Facebook

Editar avatar »

Notificações por email:

Wrestling.PT © 2006-2016 / Política de Privacidade / Disclaimer / Sobre Nós / Contactos / RSS Feed / Desenvolvido por Luís Salvador