Bammer: “Os vários estilos do lutador”

A pouco e pouco, caminhamos para os capítulos finais deste manual do (aprendiz a) lutador. Por esta altura, calculo que já saibas que os golpes são palavras, que é importante estar sempre em forma e que todos têm o seu lugar no Wrestling.

Também saberás que nesta viagem há pessoas que ficam pelo caminho e que os erros fazem parte.

Wrestling é, no fundo, comunicação. Tu apresentas o teu produto (o teu lutador) e procuras estabelecer uma relação com a audiência. Perceberes quem és é importantíssimo – e, para definir a personagem, ajuda encontrar um estilo.

Existe uma enorme relação entre quem és e o que fazes dentro do ringue – ambos procuram comunicar uma única mensagem, pelo que tens de demonstrar coerência nos 2 departamentos. Os estilos ajudam as pessoas a perceber em que “saco” te encontras, portanto a aula de hoje será sobre isso.

Os estilos do lutador versus Os estilos dos territórios

Antes de avançar, é importante diferenciarmos os estilos disponíveis, enquanto lutador, dos territórios em que irás trabalhar. Há um impacto directo entre os 2.

Os estilos de lutador são os seguintes:

  • o Technical Wrestler
  • o Brawler
  • O High-Flyer
  • O Powerhouse
  • O Hardcore Wrestler
  • O Entertainer

No entanto, estes são afectados consoante o local onde te encontras. Esta distinção será óbvia para ti se fores um verdadeiro fã de Wrestling – não aquele que só vê o Raw e o Smackdown, mas aquele que estuda não só o que se faz pelo mundo fora, como o que já se fez. O tal connoisseur, basicamente.

Um Hardcore Wrestler que se encontre no Japão pode esperar arame farpado, ringues que explodem, piranhas e todo o tipo de maluqueiras que acompanham os Death Matches. Mas se estiver na WWE, dificilmente terá de pensar em mais do que mesas, cadeiras e escadas.

Por sua vez, um Technical Wrestler na Ring of Honor não apresentará o mesmo estilo na WWE – basta veres um combate do Daniel Bryan/Bryan Danielson na Ring of Honor e o que faz hoje em dia.

Em cada local existem pequenas nuances e cada golpe tem um significado ligeiramente diferente, dependendo do público, de quem se encontra no balneário, das leis da federaão e até da cultura do próprio país.

Enquanto lutador, terás sempre de te adaptar a estas condições e encontrar uma forma de preservar a tua identidade, ao mesmo tempo que procuras agradar às massas.

Explicadas as diferenças, é tempo de passar para o tema propriamente dito. Aqui, não vou definir cada estilo em forma de dicionário, porque calculo que se estás a ler isto, já deverás saber o mínimo sobre cada um.

Lembra-te ainda de 3 coisas:

  • Não é por fazeres uma Anklelock que és um lutador técnico ou por fazeres um Moonsault que és um high-flyer;
  • Podes misturar manobras características de qualquer estilo, mas o mais provável é acabares por ficar com um estilo dominante;
  • Não há um estilo melhor do que outro. Não é por seres um high-flyer que nunca estarás no main-event. Dependerá sempre da tua personagem, do teu look e do que fazes no ringue. Não tenhas medo de experimentar!

Aqui, a ideia será mesmo relacioná-lo com quem deves ser no ringue, para que todas as peças da tua performance façam sentido.

O Technical Wrestler

Quando vamos para uma escola de Wrestling, a maior parte dos alunos quer enveredar por este caminho. Ser o novo Bret Hart. O novo Dean Malenko. O novo Kurt Angle. Eu próprio segui este trajecto, inspirado pelos meus heróis, como o meu mentor Lance Storm.

Lance Storm antes de enfrentar Bryan Danielson na ROH

Lance Storm antes de enfrentar Bryan Danielson na ROH

Infelizmente nem todos poderemos ser esse lutador. Há 2 grandes razões para isso:

  • se assim fosse, o Wrestling não seria um espectáculo para todos;
  • alguns lutadores simplesmente não brilham pela técnica.

Geralmente, um lutador técnico fala no ringue. Não é dado a grandes conversas e prefere um combate épico de 20 minutos a uma promo de 5. É aquele lutador que nos lembra o que aconteceria se o Wrestling fosse um desporto. Por esse motivo, terá forçosamente de ser tecnicamente muito dotado e de ter uma grande capacidade de contar uma história com as tais palavras que são os golpes.

Vai depender sobretudo da sua capacidade de ter consistentemente bons combates para ganhar o respeito do público e dos seus colegas, pelo que terá constantamente de ser criativo no que faz dentro do ringue e alcançar um lugar de destaque no balneário pelo suor que deixa na arena noite após noite.

Nunca chegarás a um lugar de respeito se te limitares a olhar para baixo e despejares todos os golpes que saibas ou tentes combinar todos os detalhes de cada combate teu. Terás de treinar bastante e entender como ter um bom combate com qualquer tipo de adversário, sem obrigar o outro lutador a subir muito o seu nível ou aborrecer o público que não é fã deste estilo.

A tua personagem será geralmente competitiva e alguém que gosta sobretudo de estar no ringue. Um atleta, mais do que um entertainer. Alguém que quer provar ao mundo que, no ringue, não tem igual. Seria estranho se personagens como o Bray Wyatt quisessem trocar hammerlocks ou waistlocks com os seus adversários, certo?

Talvez tenha sido por isso que personagens como Leo Kruger ou DJ Gabriel não tivessem funcionado – o estilo era totalmente diferente da personagem. Novamente, lembra-te da consistência da mensagem aqui.

Não escolhas este estilo apenas por não te sentires confiante com um microfone ou por achares que te falta carisma. Se as tuas referências são todas elas lutadores incrivelmente técnicos, talvez faça sentido passar por aqui.

Se o teu professor elogiar as tuas capacidades técnicas com frequência, sem dúvida que deves explorar este estilo. Mas mentaliza-te que terás de ser um dos 5 ou 10 melhores lutadores técnicos do mundo para chegar à WWE – o que significa que terás de ser igual ou superior a lutadores como o Daniel Bryan ou o Cesaro.

O Brawler

O Brawler é destemido. Não gosta de perder tempo com pormenores e não quer saber do desporto para nada – vai à guerra e não se importa de receber uma tareia pelo meio.

Brawls são complicadas de fazer, especialmente se forem longas. Muitas pessoas não se apercebem disso, mas se tivermos um combate de 30 minutos pela frente em que as armdrags ou as headlock takedowns não farão parte, já estamos a deitar fora muita coisa que pode acontecer num combate – começamos a acção de imediato no 2º capítulo e temos que esticá-lo.

Uma boa brawl raramente conta uma história épica, como acontece num combate entre 2 lutadores técnicos. No entanto, pode ser igualmente interessante de ver, como o Stone Cold Steve Austin ou o Bully Ray te provarão.

Bully Ray após mais uma vitória quando ainda era campeão

Bully Ray após mais uma vitória quando ainda era campeão

Se não és particularmente dotado em aplicar manobras de submissão e se passagens de anklelocks para crossfaces não te entusiasmam particularmente, talvez brawling seja para ti. Combinado com uma personagem agressiva que não olha a meios para atingir fins, este estilo poderá dar-te o teu posicionamento único num espectáculo.

Naturalmente, terás de ter um bom murro e uma grande capacidade de criar combates longos e emocionantes (recorrendo a poucas manobras de Wrestling tradicionais) se pretendes um dia estar no WrestleMania.

O High-Flyer

A definição de High-Flyer é bastante simples desde que surgiu um lutador no mundo: Rey Mysterio Jr. Se este é o teu estilo preferido, sem dúvida que este senhor terá de ser uma das tuas maiores inspirações.

Com Rey Mysterio Jr, uma enorme inspiração pessoal

Com Rey Mysterio Jr, uma enorme inspiração pessoal

O High-Flyer é, geralmente, um lutador de porte pouco impressionante mas que compensa pelo que consegue fazer no ar. Portugal tem um lutador de enorme qualidade que incorporou brilhantemente este estilo: David “Cougar” Batista.

Aqui, tudo o que fazes no ringue deve passar por mostrar ao mundo as tuas evidentes limitações de força e a forma como as contornas utilizando o teu corpo como uma arma. Aceitas correr riscos e dás espectáculo constantemente.

Se não consegues fazer uma cambalhota para a frente, dificilmente conseguirás passar por um high-flyer. Ser um high-flyer é muito mais do que fazer um Moonsault ou um Suicide Dive – terás de mostrar frequentemente a tua agilidade e o teu gosto por voar, ao mesmo tempo que lembras o público que o teu adversário é claramente mais forte (se for caso disso).

Na sua época de ouro, Rey Mysterio Jr foi um inovador neste departamento porque conseguiu dar sentido a tudo o que fazia e trazia sempre algo refrescante que nunca tinha sido visto antes. Se conseguires combinar esse talento com uma personagem credível, certamente darás razões a que uma companhia aposte em ti.

Se queres chegar à WWE lembra-te que já lá estão nomes como Evan Bourne ou Adrian Neville – terás de trazer algo de único para que haja espaço também para ti.

O Powerhouse

Se tens 150 Kg e as tuas inspirações são lutadores como o Bam Bam Bigelow ou o Vader, será natural que este estilo esteja no topo da tua lista. E em princípio fará sentido, se tiveres a imponência física a combinar.

Ser um Powerhouse não é a desculpa que arranjas por seres gordo. Não é suposto apareceres numa forma física péssima e depender da habilidade dos teus adversários para aparentar que és um atleta. E também não significa que não possas subir à 3ª corda ou dar meia-dúzia de quedas em cada combate.

Bam Bam Bigelow, o meu big man preferido e que deu origem ao nome Bammer

Bam Bam Bigelow, o meu “big man” preferido e que deu origem ao nome Bammer

O Powerhouse tem por hábito dominar os seus combates e surpreender a audiência com a sua força. São geralmente vilões temíveis ou heróis imponentes que têm os seus pontos fracos (como a velocidade) mas que compensam em cada golpe que acertam. Não são propriamente imóveis (basta ver combates dos 2 senhores que referi) mas devem naturalmente imprimir um ritmo mais lento nos seus combates do que um duelo entre 2 high-flyers.

Por outro lado, devem ter perfeita noção do que representam no ringue. Não devem caír por tudo e por nada, mesmo que tenham bom coração, porque estarão a desvalorizar a sua (suposta) imponência e a proeza do adversário quando tal acontece.

Os Powerhouse são bastante requisitados, até porque os bookers adoram recriar o efeito “David contra Golias”. Mas lembra-te que dificilmente serás um Powerhouse à escala mundial se não tiveres o físico a combinar – não bastará ter mais 10 kg do que todos os teus adversários para te qualificares como tal.

O Hardcore Wrestler

O meu problema com este estilo é simples: o objectivo do Wrestling (para mim) é contar uma história emocionante entre 2 guerreiros, com o máximo de segurança – obviamente este estilo não respeita esta premissa.

Apesar de o desprezar, tem o seu lugar no Wrestling e como tal deve ser referido aqui. O Hardcore Wrestling é muito mais do que pegar numa mesa e fazer uma powerbomb ou dar uma cadeirada nas costas do árbitro antes de fazer o pin.

Neste estilo será frequente seres pareado com outro lutador do género, visto que poucos lutadores estão dispostos a fazer maluqueiras em que correm sérios riscos de ficar lesionados todas as noites.

Se o teu lutador preferido é o Mick Foley ou o Abyss e não tens qualquer respeito pela tua integridade física, faz sentido que tenhas interesse por este estilo. Nem todas as federações o praticam pelas razões relacionadas com a segurança, visto que ninguém quer ter metade do balneário lesionado após meia-dúzia de shows. Por esse motivo, as vagas para este tipo de combate são frequentemente limitadas.

Respeito pela integridade física? Nah.

Respeito pela integridade física? Nah.

Fará sentido que pratiques este estilo se a tua personagem for aquela de um lutador avariado, que não se preocupa em sofrer e que vive cada dia como se fosse o último. Ou, como o próprio Foley admite, se não tiveres algo de melhor a trazer no ringue. Lembra-te é que terás de ter uma boa relação com o Booking porque nem todos quererão trabalhar contigo e não é tua missão convencer alguém de que esfregar a cabeça em arame farpado fará maravilhas pela sua carreira.

O Entertainer

Todas as audiências gostam de uma pausa. Já viram 2 ou 3 bons combates, já viram armbars, shooting stars e powerbombs e agora querem respirar um pouco de toda a acção. É aí que entra o entertainer: o Santino, o Colt Cabana, aquele lutador que te vai distrair de uma outra forma enquanto está no ringue.

Colt Cabana, sempre bem-disposto

Colt Cabana, sempre bem-disposto

Os entertainers têm muitas vezes a missão de agradar as pessoas que não gostam forçosamente de Wrestling: os pais das crianças, as namoradas dos fãs, etc. Têm também a função de fazer uma espécie de intervalo no espectáculo, o que não significa que tenham um trabalho mais fácil do que os outros.

Se não és uma pessoa divertida ou se a tua personagem é uma máquina de guerra que não sabe rir, dificilmente este estilo é para ti. Mas se reparas que o público aprecia o teu sentido de humor e que até retiras gratificação de ter esse posicionamento no espectáculo, porque não explorar esse caminho?

Em quase todos os espectáculos (incluindo o circuito independente) há este tipo de combate. As “dance offs” são populares nas indies e, consoante a federação, terás de combinar mais ou menos Wrestling com outras habilidades (comédia, dança, etc) para realçar e ficar na memória da audiência mesmo sem uma troca épica de brainbusters.

Conclusão

Apesar dos estilos… cada combate é diferente. Adoptar e trabalhar um estilo será uma boa ideia para que as pessoas fiquem familiarizadas com o teu trabalho e associem o que fazes no ringue ao lutador que representas, mas é importante que te adaptes à situação.

Aqui voltamos à importância do improviso e de como ser um bom worker. Nunca poderás fazer a mesma rotina toda a tua vida e esperar que a audiência esteja lá, semana após semana, ansiosa por ver a repetição. Lá por seres um powerhouse não significa que não possas tirar os pés do chão. E não é por seres um lutador incrivelmente técnico que não podes ter sentido de humor e te divertir.

Acima de tudo, procura elementos que funcionem para a persongem que representas e aperfeiçoa-os o melhor possível. Em tudo o que fazes, procurar tornar-te num lutador ímpar, pois só isso garantirá que terás uma carreira longa e interessante no Wrestling!

Até para a semana malta. Venham daí esses comentários/mensagens/tweets!

Sobre o Autor

- Bruno “Bammer” Brito é português, treinou em Calgary, Alberta, Canadá e foi durante 6 anos treinador principal da academia do WrestlingPortugal. Durante esse período, foi responsável por formar alguns dos mais conhecidos e talentosos lutadores nacionais da actualidade e está agora a partilhar as suas experiências com a comunidade do Wrestling PT.

27 Comentários

  1. CM Punk 4EVER - há 3 anos

    Gostaria que na próxima edição você explicasse como saber que estilo é cada wrestler, como mesmo disse, não é por fazer um ankle lock que você é um technical. Se possível, ficaria grato.

  2. Jardel - há 3 anos

    Se Eu For Wrestler,Eu Quero Combinar Tres Estilos o High-Flyer Com Tecnico e Um Pouco De Brawler.Pq Gosto Muito Dos Tres Estilos e Seria Um Estilo Original Meu Msm.Vc Conheçe Alguem Que Tem Essas Tres Tecnicas?

  3. WWE DIVAS NAKED - há 3 anos

    Artigo da treta BAMMER !!!!!! Deves-te achar q por praticares Wrestling no WP pensas q es melhor q os outros !!!!!!!!!!!!!!! FDP

    • GonRodri, para quê que comentas com outro nick para “dizer mal”? Enfim… Também és muito bom. Deve ser o chocolate das férias da Páscoa que te está a fazer mal :)

      • GonRodri - há 3 anos

        Juro pela minha familia q eu n tenho nada a ver com essa conta !!!

    • rodrigomcb99 - há 3 anos

      Que comentário infeliz o teu
      Aqui ninguém ninguém se acha melhor que os outros, o Bammer fez um excelente artigo como de costume
      Tu és livre de dares a tua opinião desde que a deias de uma forma correta e SEM INSULTAR os outros
      Um pouco mais de educação e bom senso faziam-te bem

    • Hildo - há 3 anos

      A intenção dele é essa…. Chamar atenção.

  4. Miguel Costa - há 3 anos

    Great to read! Uma das coisas que me surpreendeu foi o facto de não falares sobre o Taker. Apesar de ser um gigante ele tem a capacidade de incorporar todos os estilos que mencionaste.

    Sem dúvida que é um powerhouse.” Lá por seres um powerhouse não significa que não possas tirar os pés do chão.” Tantas vezes que vimos o Taker a fazer as clothestlines da 3ª corda. Os Dives para fora por cima da terceira corda (ás vezes até com uma rotação). É o melhor brawler da história da WWE a par de SCSA, como referiste. Na altura de American Bad-Ass, incorporou o hardcore no seu “jogo”. E é um entertainer, (não do modo que referes no artigo) mas as entradas, os caixões, os raios(como o Sting xD), fazem dele um entertainer.

    Apenas mais uma coisa. Tu também és um excelente exemplo, visto que és um powerhouse (em Portugal), na minha opinião és extremamente técnico e também incorporas moves da 3ª corda e suicide dives no teu repertório.

    • ddRay - há 3 anos

      só falta o wrestler tecnico com o Hell’s Gate xd

    • Obrigado por leres :)

      Sim, o Undertaker é um excelente exemplo de alguém versátil – aliás, se recuarmos no tempo alguns anos vemos lutadores que contavam histórias bastante diferentes consoante a ocasião, talvez pela tal passagem pelos diferentes territórios.

      No meu caso pessoal, considero-me um lutador que cai para a técnica a maior parte das vezes. Se o combate exigir, adapto-me para outros estilos e como sempre quis ser versátil também a nível de repertório, acabei por aprender muitas manobras de high-flying e suplexes. O aspecto de Powerhouse acaba por acontecer apenas por ter mais 20 kg do que a maioria dos meus adversários :)

      • Miguel Costa - há 3 anos

        Pois, apenas referi o powerhouse por lutares em Portugal. Se não estou em erro, baseado em coisas que vi tuas quando eras full-timer, dizias que estavas na casa dos 100 kg e com 1,83 m +/-. Se formos ver wrestlers “pequenos” na WWE, como o Shawn Michaels, Punk, Bret Hart, todos ultrapassam os 100 kg e têm mais de 185 cm. E são “pequenos”!
        Não se acha pessoas na indústria, em Portugal, com essa constituição todos os dias.

      • Yep, spot on! :)

  5. THE_WOLVERINE - há 3 anos

    Se eu fosse wrestler, coisa q aqui no brasil não tem escola ou qualquer lugar q te ensine, já tenho 21 anos e esta possibilidade é bem difícil de ocorrer, mas tipo se eu fosse ser um wrestler eu iria querer ser como SANDMAN acho q daria certo, não me encaixaria em nenhum dos quesitos citados, embora as pessoas me achem engraçado mas eu não acho isso, eu me arriscaria no ring como SANDMAN FAZIA :)

    http://www.allwrestlingsuperstars.com/wp-content/uploads/2292/The-Sandman-WWE-Superstar-2.jpg

  6. Dantlast - há 3 anos

    Ótima coluna Bammer. Baseado no que li, descobri que sou um amontoado de cada. Diria um hibrido. Acho que a única com qual não me relacionei muito foi “Powerhouse e entertainers”. Mas digo isso, não por que faço meia dúzia de Moonsaults com uma cadeira em cima do oponentes e logo passo para um Crippler Crossface por exemplo e sim realmente pelo meu estilo de combate… Posso estar errado, mas Bammer, diga-me, isso é mesmo possível, ou estou falando bobeira? E se realmente existirem “hibridos” como eu chamei, pessoas assim costumam ter futuro no PW?

  7. THE_WOLVERINE - há 3 anos

    BWF é muito difícil de achar cara, ninguém do Brasil fala dela e poucas pessoas sabem de sua existência, me pergunto como a mesma faz pra existir até hoje

  8. Há vários lutadores que estão confortáveis em vários estilos distintos, geralmente são esses os que se adaptam a qualquer tipo de combate. Por exemplo, lutadores versáteis como AJ Styles ou Davey Richards podem estar inclinados para um estilo ou outro consoante o que o combate necessita.

  9. Obrigado pela sugestão, mas vou acabar por responder aqui – os estilos de cada lutador acabam por ser revelados quando assistimos a vários combates de um lutador, consoante a sua capacidade de mudar (ou não) o que faz consoante a luta.

    Se reparamos que o Bully Ray, por exemplo, procura constantemente levar os seus combates para brawls, não é por um dia fazer uma Texas Cloverleaf que de repente se tornou um wrestler altamente técnico.

  10. Podes combinar vários estilos é claro, mas convém ter algo que acabe por ser o tipo de estilo mais frequente em ti.

    Pensa no caso da música: uma banda pode ter algumas músicas rock, outras house e outras hip-hop, mas convém perceber se comprarmos um álbum qual é o género “principal” para entendermos o que esperar desse produto. É o mesmo com um wrestler.

  11. PANK JAMAICA - há 3 anos

    A minha baixa estatura,tanto meu peso quanto altura,me limita a ser somente um high-flyer ou um Technical Wrestler ?

    • Sim a estatura limita um pouco as opções, bem como o que há no resto do balneário (até podes ter 120 kg, mas se todo o balneário tiver o teu tamanho dificilmente serás um powerhouse, por exemplo).

  12. Anónimo - há 2 anos

    Bruno com 1,85 e 85 kg da para ser um wrestler tipo chris jericho

  13. Anónimo - há 5 meses

    O MELHOR E MAIOR WRESTLER DE TODOS OS TEMPOS EM UM CONTEXTO GERAL É THE UNDERTAKER.

Comentar

Login com Facebook

Editar avatar »

Notificações por email:

Wrestling.PT © 2006-2016 / Política de Privacidade / Disclaimer / Sobre Nós / Contactos / RSS Feed / Desenvolvido por Luís Salvador