Bammer: “Ser Campeão”

Para muitos, é o sonho. O objectivo máximo. O prémio de todo o “sangue, suor e lágrimas”. Há até quem diga que “se não estás no Wrestling para ser campeão, mais vale não estares”. Será realmente assim? Valerá a pena seguires carreira no Wrestling mesmo se não tiveres essa ambição? E o que acontece depois, se chegares lá?

Este é um artigo que poderia ser publicado mais tarde, mas visto que tanta gente entra no Wrestling já com esse objectivo pré-instalado, mais vale abordá-lo já. Como alguns saberão, apesar de estar de momento na Suíça, sou o (ainda) campeão nacional do WrestlingPortugal e o (ainda) campeão europeu da World Stars of Wrestling, pelo que poderás contar com o meu testemunho bem como com alguns conselhos que considero pertinentes para o tópico.

Tenho mesmo de querer ser campeão?

Vou começar por aqui. Muitos estão no Wrestling porque procuram o estrelato, porque gostam de ser o centro das atenções e de dar “show”. A pressão de um público dá-lhes adrenalina e, em troca, brindam a plateia com a melhor performance possível. Na verdade, se não estás minimamente confortável com o holofote na tua direcção terás dificuldade em vingar na indústria do entretenimento.

A boa notícia é que a grande maioria das pessoas está já habituada a esse tipo de ambientes- nos tempos da escola e universidade somos frequentemente colocados em situações como ir ao quadro ou apresentar trabalhos, por exemplo, pelo que estar num palco é uma sensação minimamente familiar (mesmo se desconfortável para alguns).

Pessoalmente, sempre me dei bem com essa “atenção”. Sempre gostei de fazer apresentações na escola (na verdade, mesmo depois de completar o curso continuo a dar apresentações sobre Marketing Digital todos os anos, em várias universidades), um dos meus principais hobbies, o DJing, também envolve plateias e claro, sempre me senti confortável no ringue. Mas será que sempre quis ser campeão? Sim e não.

Passo a explicar: sonhava em ser campeão intercontinental da WWE, mas o objectivo principal era apenas o de “treinar em Calgary, Alberta, Canadá”. O campeonato intercontinental era, para mim, o objectivo máximo que poderia alcançar, visto que sabia que conseguiria ter bons combates com qualquer adversário, teria um look decente mas a minha personalidade e capacidade de promos não levaria grande nota. O campeão intercontinental era geralmente visto como o worker e era essa a distinção que pretendia obter na minha carreira, visto que todos os lutadores que admirava geralmente tinham esse cinto. Nunca quis ser o principal protagonista, queria apenas ter bons combates.

Realisticamente, nos dias de hoje seria uma honra para um português estar no plantel da WWE um dia (com ou sem título ao ombro), visto que não é a decisão de marketing mais popular que a companhia de Stamford pode tomar.

Tendo isso em conta (e talvez por ter uma boa dose de realismo), tornar-me campeão nunca foi uma grande motivação.

O título de Campeão Nacional do Wrestling Portugal

O que significa ser campeão?

Quando temos 10 anos, é provável que para nós o campeão seja “o melhor”. À medida que a idade avança e começamos a perceber realmente como o Wrestling funciona, rapidamente chegamos à conclusão que nem sempre o melhor é aquele que tem o cinto ao ombro. No entanto, é inegável que para alcançarmos esse título precisamos de possuir um conjunto específico de qualidades- esses são, ao mesmo tempo, os requisitos que temos de preencher para sermos considerado por uma companhia de Wrestling para esse papel. Então e que qualidades são essas?

Tens de ser capaz de produzir bons combates

O campeão geralmente luta no fim. Se és aquele que vai fechar uma série de espectáculos de Wrestling, terás (em teoria) de conseguir fazer melhor ou igual a todos os outros que vieram antes de ti, visto que deverá ser o grande ponto alto da noite. O combate principal é geralmente um dos mais longos (muitas vezes o mais demorado), pelo que terás de ter habilidade suficiente para gerir o tempo e criar um duelo interessante com momentos empolgantes em, por exemplo, 30 minutos. Obviamente, este é apenas um dos requisitos, se não o Antonio Cesaro estaria provavelmente a fechar o próximo PPV.

Tens de criar uma enorme ligação com o público

E a construção da tua personagem será fundamental para tal- se fores uma “personagem de nicho”, dificilmente conseguirás ter uma arena a cantar por ti. É mais fácil uma pessoa identificar-se com alguém por mostrar valores como “coragem”, ou “simpatia” do que por segurar uma bandeira de um país e falar um idioma que ninguém entende.

Tens de ser um bom contador de histórias

Seja com um microfone seja no combate, este é aquele momento do espectáculo em que todas as pessoas devem ficar de pé ou em estado de euforia. Tens de saber explicar porque é que o combate é importante para ti, porque é que o teu adversário é uma ameaça mas tu tens de ganhar e, no ringue, tens de saber utilizar as tuas manobras para provocar grandes emoções no público.

Tens de saber representar a companhia

Jornais, rádios, podcasts, vídeos- quando só pode ir um, vai o campeão. Por esse motivo, o campeão torna-se frequentemente o porta-voz de uma marca. Se é alguém que dá que falar pelas piores razões com frequência ou coloca a companhia em situações embaraçosas, o mais provável é não chegar a esta posição. Se tiveres um discurso articulado, vestires a camisola e fores alguém que saiba (e goste!) de comunicar serás visto como alguém de confiança para esse tipo de situações.

Tens de ter o respeito no balneário

Os teus colegas devem respeitar-te e, idealmente, admirar-te, seja por apresentares segurança no ringue, por seres simpático e respeitador para todo o plantel ou por trazeres mais gente aos espectáculos (visto que todos ganham com isso). Se não te respeitarem dificilmente colocarão o título em ti, visto que tal irá gerar demasiado descontentamento no grupo e ninguém se esforçará a 100% para que fiques um grande herói (ou vilão) na fotografia.

Tens de ter algo que te torne “especial”

Para seres uma grande estrela no Wrestling é necessário dominar pelo menos 2 de 3 aspectos fundamentais, como vimos no passado. Para ser campeão, esses aspectos têm de ser ainda mais maximizados, especialmente o look devido à exposição mediática a que um campeão é frequentemente sujeito.

Tens de ter jeitinho para o Marketing

Quanto melhor te souberes promover, maior chance terás de cair nas boas graças de toda a gente. Por muito que esse esforço (também) deva partir da(s) companhia(s), é inegável que se souberes gerir a tua marca pessoal a tua audiência saberá mais de ti e terá mais vontade de te acompanhar. Hoje em dia, com o social media, interagir com os fãs a qualquer altura começa a ser praticamente obrigatório, apesar de haver inúmeras formas de dar nas vistas, online ou offline.

Tens de perceber muito bem como este negócio funciona

Talvez esteja demasiado mergulhado no mundo do Marketing, mas para mim os lutadores de Wrestling funcionam da mesma forma que uma matriz BCG. Há lutadores que estão “quentes” e precisam do título (“estrelas”, na matriz) e há aqueles que trazem muito dinheiro para a empresa de forma garantida (“vacas leiteiras”, na matriz), o que se traduz em não precisarem geralmente de ter um campeonato nesse momento.

Um verdadeiro campeão deve perceber em que posição se encontra no quadro e adaptar-se, mesmo se tal significa perder o título para alguém que está a ganhar balanço e precisa do título para ganhar credibilidade. Ao mesmo tempo, não é agradável que o campeão entre em modo mark e comece a acreditar que é realmente melhor do que qualquer outro, porque na verdade todos os wrestlers dependem uns dos outros para que o espectáculo seja um sucesso.

Mas se isto é “tudo combinado”, de que serve ser campeão?

Mesmo numa actividade em que o resultado é predeterminado, ser campeão não deixa de ser um grande prémio: é uma recompensa que geralmente une 3 partes fundamentais que fazem parte de cada espectáculo. Ser campeão significa que:

  • A companhia de Wrestling acredita que estás em condições de a representar em qualquer ocasião;
  • Os fãs de Wrestling não conseguem ficar indiferentes a ti e reagem a tudo o que fazes;
  • Os teus colegas respeitam-te e, de certa forma, querem ser como tu.

Se é verdade que devemos dar sempre 100% no ringue, com ou sem título, para 5 ou para 5.000 pessoas, pelas razões que referi não deixo de achar que existe o seu mérito em conseguir chegar “ao topo” de uma companhia.

O compromisso não te pode assustar

O sentido de responsabilidade é realmente importante- as pessoas à tua volta (sejam elas fãs, colegas ou pessoas de negócios) querem sentir que vais sempre cumprir a tua palavra e ser um bom profissional em qualquer situação. Essa confiança pode levar muito tempo até ser criada. Geralmente, por essa razão a maior parte dos campeões leva anos a chegar ao topo- ou já têm provas dadas noutro tipo de ambientes, como por exemplo Kurt Angle ao ganhar uma medalha de ouro.

Antes de mais um combate com o título do WP em jogo

Pessoalmente…

Como disse na minha introdução, já tive a oportunidade de fazer muitas coisas diferentes no Wrestling, coisas de que me orgulho bastante. E é sempre muito gratificante para mim saber que sou visto como a referência num país cheio de wrestlers tão talentosos como alguns dos meus colegas do WP.

Várias vezes fui posto à prova, fosse por lutar depois de combates que já tinham sido muito bons, fosse por ter de lutar inúmeras vezes no mesmo espectáculo (o meu recorde foi 4 combates numa noite). A minha condição física e mental foi testada todos os combates, visto que quem luta contra o campeão quer sempre ter “o combate da sua vida” e ao mesmo tempo mostrar ao mundo que também está à altura. Fora do ringue, já respondi a todo o tipo de perguntas para a rádio, televisão ou imprensa e nem sempre tinha disposição para tal- da mesma maneira que nem todos os dias há vontade para Meet & Greets. Já tive de dar a cara em muitas situações delicadas fora do Wrestling, que fogem claramente à “job description”, como fazer praticamente de segurança num festival de Verão. Estás magoado ou queres férias? Bem, se és campeão essas pausas também são bem mais raras.

Já dizia o Spiderman, quanto mais poder, mais responsabilidade tens e não podes desiludir ninguém- a todas as alturas, há todo um grupo a confiar em ti. Para muitos és, de certo modo, um líder que indica o caminho a seguir e serve de exemplo.

Nada do que mencionei é uma queixa: ser campeão não é para todos, mas sinceramente, couldn’t have it any other way.

Até para a semana pessoal! Fico à espera, como sempre, dos vossos comentários, mensagens e tweets!

Sobre o Autor

- Bruno “Bammer” Brito é português, treinou em Calgary, Alberta, Canadá e foi durante 6 anos treinador principal da academia do WrestlingPortugal. Durante esse período, foi responsável por formar alguns dos mais conhecidos e talentosos lutadores nacionais da actualidade e está agora a partilhar as suas experiências com a comunidade do Wrestling PT.

8 Comentários

  1. bernardo - há 3 anos

    eu tenho uma duvida,eu sei que é uma duvida um bocado estupida mas eu não compreendo.
    Se o wrestling é scripted então como é que o Angle ganhou uma medalha olimpica?

    • RPNR - há 3 anos

      talvez porque ele sabe luta olímpica??????

      • bernardo - há 3 anos

        a minha pergunta não era bem essa…
        o desporto olimpico denomina-se mesmo wrestling e não se denomina luta olimpica

      • ARCM - há 3 anos

        Porque nos Jogos Olímpicos o wrestling é “real”, como o boxe, e não entretenimento.

    • diogo - há 1 ano

      O wrestling olímpico é diferente deste wrestling. o Kurt Angle ganhou uma medalha olímpica para wrestling em si, uma espécie de luta greco-romana.

  2. Rúben Branco - há 3 anos

    O senhor Bernardo é genial.

  3. pod - há 3 anos

    “Luta Livre Americana e´ real”
    – Tarzan Taborda.

  4. PMB - há 3 anos

    Muito bom , gostei bastante do teu artigo =)

Comentar

Login com Facebook

Editar avatar »

Notificações por email:

Wrestling.PT © 2006-2016 / Política de Privacidade / Disclaimer / Sobre Nós / Contactos / RSS Feed / Desenvolvido por Luís Salvador