Existem 2 vagas na Equipa do Wrestling PT para publicar notícias. Contacta-nos!

Bammer: “Treino de Promos” (Parte II)

Na semana passada expliquei-te como as promos são necessárias no mundo do Wrestling. Sem elas, seria bem mais difícil vender bilhetes e encontrar pontos de interesse para assistir cada combate. Ficaste também a entender em que consiste a promo mais básica e a saber o que deves fazer (e evitar) enquanto as treinas.

Esta semana aprofundaremos as técnicas e os processos para entregar boas promos. Quem conhece minimamente o meu trabalho, sabe que falar ao microfone é o meu calcanhar de aquiles – portanto faz todo o sentido convidar os melhores de Portugal a ajudarem-me a escrever este capítulo.

No artigo anterior, o Miguel Costa perguntou-me qual era, para mim, o melhor wrestler português ao microfone. Esta foi a minha resposta, que serve para introduzir de certa forma os convidados para o post de hoje.

Em Portugal, há 2 pessoas que estão a anos-luz de todos os outros: o João “Pégaso” Sena e o Rúben Branco.

Não consigo pôr um à frente do outro. Têm 2 estilos bem diferentes de passar a mensagem, mas entregam consistentemente grandes promos sobre qualquer tema. São muito versáteis: outros podem ser razoáveis se andarem sempre à volta do mesmo e fizerem a mesma rotina, mas estes 2 têm o luxo de falar sobre o que quiserem, que o público vai ouvir. Nos espectáculos e nas aulas de promos até “irrita” como conseguem criar com qualquer tópico algo interessante de se ouvir, com a “delivery” e duração certas, sem terem de pensar sequer muito sobre isso. Fazem com que tudo funcione.

Nesta introdução acabas por encontrar todos os requisitos essenciais para te destacares da concorrência. Se conseguires aliar a versatilidade (do tópico) à consistência (tanto no conteúdo como na entrega), terás todas as condições para te tornares um excelente contador de histórias.

Branco e Pégaso depois de uma aula de promos no WP

Branco e Pégaso depois de uma aula de promos no WP

O Rúben Branco é o actual treinador da academia do WP e o João “Pégaso” Sena é frequentemente convidado para os treinos de promos – nos dias que correm, está a obter formação de actor na Act -Escola de Actores.

Falar (não) é fácil

A cada um deles, pedi um pequeno texto para a comunidade do Wrestling.PT. A primeira grande conclusão a que cheguei é que este é um tópico muito especial para ambos, difícil de resumir num artigo como este.

Ambos estão de acordo: é um universo gigantesco, com muito a explorar e discutivelmente o elemento no Wrestling que levará um lutador ao sucesso (ou ao fracasso) numa companhia.

Este é um tópico delicado na academia do WP; a maior parte dos alunos diverte-se imenso nos treinos dedicados às promos mas levam bastante tempo até conseguirem entregar consistentemente bons resultados, o que leva a alguma frustração. Não é por acaso que o que se segue é uma lista de dicas e de processos que nos ajudarão a ser melhores a cada promo que passe.

Naturalmente, terás de treinar e de fazer muitas experiências até descobrires o que resulta contigo. Há inúmeros exercícios que poderás experimentar e certamente alguns serão eficazes para o teu caso.

Como diz o Rúben Branco:

Como em tudo, não existem duas pessoas iguais: cada um fará a promo à sua maneira. Tenta descobrir qual é a tua.

A minha experiência leva-me a crer que nós só descobrimos a nossa forma de cortar promos depois de fazermos umas 50. Só depois de muitas tentativas é que começamos a encontrar os pontos que nos deixam mais confortáveis, as nossas “bengalas” escondidas e as frases em que maior dificuldades temos para articular as nossas ideias.

Acima de tudo, não fujas ao exercício e continua a treinar! O teu processo pode demorar a surgir, mas acabarás por o encontrar se fores sempre tentando coisas novas.

Aqui ficam algumas dicas para maximizares as tuas hipóteses.

Dica #1: Fala apenas do que tu sabes

Nem todos seremos mestres do microfone, muito menos logo ao início. Mas poderás aumentar as tuas chances se te restringires a falar de coisas que dominas realmente.

Eis um exemplo, aqui trazido por Rúben Branco:

Se eu tentar fazer uma promo sobre Metal Music e falar apenas dos Metallica, os entendidos da matéria perceberão que não são grande espingarda neste assunto- correndo o risco de ser gozado por alguns elementos do público. Porém, se quiserem colocar-me num registo musical mais urbano, consigo dizer que “não preciso de uma coroa, porque me considero o Valete do Wrestling Nacional e os amantes do Hip-Hop português têm de reconhecer que tenho razão no que digo.”

Uma boa forma de começares a ter sucesso nas promos é falares apenas de coisas que te sejam fáceis e próximas. Só assim ganharás mais confiança frente ao microfone, que a longo prazo será super importante.

Dica #2: Descobre quem tu és (e o que não és)

No seguimento do 1º conselho, terás que descobrir quem és para saber o que a tua personagem pensa/diz e como reage em todos os momentos. Aqui, é importante que não inventes uma personagem com a qual não te identificas, apenas para te diferenciares no balneário.

Como desenvolve Rúben Branco:

Utilizem apenas assuntos que dominam na perfeição. Na minha vida pessoal não sou grande adepto de futebol, logo seria difícil fazer promos com analogias à gíria futebolística. Em contra-partida, sou um apaixonado pela vida política e tudo que a envolve, logo talvez por isso consiga fazer tão bem o meu papel quanto o dizem.

Rúben Branco é fã da política

Rúben Branco é fã da política

Dica #3: Pensa antes de começares a falar

Este conselho pode ser óbvio, mas é tremendamente útil e algo que muita gente subestima mesmo passado algum tempo de treino.

Eis a dica de João “Pégaso” Sena:

Se há algo que tira a credibilidade a quase qualquer lutador, é um fraco domínio da língua que fala. Frases com estruturas gramaticais erradas e palavras mal pronunciadas ou que nem sequer existem fazem parte dos erros comuns para o wrestler que pega no microfone e deixa fluir a voz sem pensamento.

Não custa nada respirar uns segundos antes de cada frase, durante os quais podemos pensar em todas as palavras que vamos dizer quando abrirmos a boca. Ou seja, o processo deve ser:

Passo 1 – Pegar no microfone
Passo 2 – Dizer a frase toda para ti próprio, em silêncio.
Passo 3 – Reproduzir o que acabaste de pensar.

Pensa antes de falares aconselha Pégaso

Pode parecer óbvio, mas a verdade é que o mais comum é não darmos o tempo necessário ao nosso cérebro para ele decidir o que vai dizer, e depois saem coisas como “Eu vou-te ganhar-te no show X, porque tu não eu sou mais forte que tu”, ou “combates já ganhei, torneios já ganhei, campeão ainda não ganhei”.

Isto até é algo que fazemos no dia a dia mas não reparamos, porque não temos um público e uma câmera focados em nós. Falar no wrestling é diferente de falar na “vida real”.

Rúben Branco vai mais longe e refere a importância de saber onde queremos chegar com cada promo.

No meu caso em particular, gosto de ter sempre uma ideia geral de toda a promo, da mensagem que quero passar e como a quero passar. Mas pensar só na mensagem em bruto só nos garante um bom texto, e um bom texto não faz uma boa promo. Existe muito para além do que é dito.

Se ‘cortar uma promo’ sobre um combate que perdi, todo o tom da mesma terá de ser bastante distinto do tom de uma promo em que estou feliz por ter alcançado uma vitória.

Pensem como a vossa personagem agiria perante aquela situação, reconheçam o sentimento que reinaria em vocês e levem-no ao extremo. Se estão irritados, é bom que essa irritação esteja latentes em todas as vossas ações, não só no que dizem e como dizem, mas também, como andam até ao ringue, como gesticulam etc.

Branco dá-nos depois as 7 questões que têm de ser respondidas em cada promo:

1- Porque existe esta promo;
2- Entender onde esta promo deve chegar;
3- Como eu reajo à situação da promo;
4- Como quero que o público me veja;
5- Como quero que o público se sinta perante a situação;
6- Como quero ficar visto no final;
7- Como quero que o meu adversário fique visto no final.

Dica #4: Como encontrar inspiração

Da mesma forma que um músico vai muitas vezes buscar inspiração a outros campos, um wrestler não se poderá restringir ao que acontece no Wrestling. Como diz Rúben Branco:

O Mundo está cheio de fontes de inspiração. Se vocês se prenderem apenas ao Wrestling, os fãs de Wrestling vão reconhecer o que estão a imitar e vão perder a consideração que têm por vocês. Se vocês vierem para um show de Wrestling a beber uma cerveja e a gritar ‘O QUÊ?’ sempre que falarem com vocês, é fácil perceber quem estão a imitar; mas quando fiz a minha promo de estreia no WP8 e trouxe uma pasta vazia para o interior do ringue, penso que ninguém se lembrou do debate entre o Dr. Paulo Portas e o Eng. José Sócrates nas eleições legislativas de 2011.

Claro que vocês podem ir buscar ideias/motes para promos a vários sítios, mas como trabalhar isso? Como passar cá para fora? Procurem uma forma de expor as coisas que vá de encontro como o que procuram.

Rúben Branco vai buscar a sua inspiração a vários locais. Estes são alguns exemplos:

– espetáculos de stand-up, principalmente de um senhor chamado George Carlin, que é um orador fantástico;
– o gosto de ler, que o ajudou a enriquecer o meu léxico, de forma a ter muito mais opções a nível de construção frásica;
– à música.

Para Branco, a inspiração encontra-se em todo o lado

Para Branco, a inspiração encontra-se em todo o lado

Muita gente não sabe que sou um grande fã de Hip-Hop nacional. Artistas como MC Xeg e Valete sempre foram uma inspiração para muitas promos e maneirismos de Rúben Branco, o político. Acham que não está relacionado? Procurem algumas músicas do Valete, e rapidamente verificarão que muitas têm uma mensagem política bem mais vincada que as campanhas de alguns partidos.

As inspirações podem vir de vários locais, basta estarem atentos a tudo o que vos rodeia.

Seguir ou não um guião?

Este é um campo polémico: devemos escrever as nossas promos ou apenas ter uma ideia geral do que queremos abordar? Qual resulta melhor? O actual professor da academia dá o seu parecer:

Este é um campo que é importante passar por ambas as situações para percebermos a nossa posição relativamente ao mesmo. Na minha opinião, não é melhor nem pior quem escreve as promos antes de ir para o ringue, pois existem pessoas que funcionam melhor com esse apoio, mas podem haver duas formas de desenhar o guião:

  • Escrever toda a promo, como se fosse uma deixa de uma peça de teatro;
  • Escrever ponto fulcrais a serem abordados na promo.

Caso tenham facilidade em memorizar textos, utilizem tudo isso a vosso favor. No meu caso, prefiro adaptar o meu texto à forma como estou a levar a promo em si. Cada promo é única; muitas podem ter o mesmo registo, mas nunca iremos conseguir repetir as mesmas emoções e expressões duas vezes, muito menos, se for frente a um público. Sejam únicos no que façam.

Sejam um, não mais um.

Caso se habituem a um script, correm também o risco de num show prepararem uma promo de apenas 2 minutos e surgir algum tipo de imprevisto (ex: alguém se lesionou e um combate vai ser 3 minutos mais curto e vocês terão a oportunidade de preencher esse tempo). Vão desperdiçar a oportunidade? Vão estragá-la porque estavam preparados para tudo, mas não estavam preparados para isso?

Podem usar um guião, mas tenham sempre presente que vai haver um dia que não vão conseguir usar nenhum back-up e ficarão apenas vocês e o público.

Na prática

Podemos escrever sobre isto todo o dia, mas às vezes o melhor é entregar um exemplo. O Rúben teve oportunidade de cortar uma promo para a comunidade do Wrestling.PT. A título de exemplo, pedi-lhe para responder ao lutador imaginário Paulão, que tinha cortado a promo elementar no artigo da semana passada, que recupero aqui:

Senhoras e senhores, estão a olhar para o futuro campeão do Wrestling.PT. Olhem bem para mim, porque no próximo sábado, no Centro Shotokai de Queluz, farei a minha estreia e mostrarei ao mundo o que sou capaz. Estou pronto para esmagar a minha competição, tal como esmaguei todos os que estiveram no meu caminho no campeonato mundial de halterofilismo, que venci durante 5 anos consecutivos. Balneário do Wrestling.PT, considerem-se avisados: o Paulão chegou e quer ser o próximo campeão nacional!

O resultado segue em baixo!


Por esta semana é tudo malta. Espero que após todas estas dicas tenham todas as condições para treinar (e melhorar) as vossas promos. Já sabes que estás sempre convidado a aparecer num treino em Queluz e mostrar o que vales, no ringue e no microfone!

Um especial obrigado ao João “Pégaso” Sena e o Rúben Branco pela valiosa contribuição neste artigo.

Até para a semana malta, aguardo o vosso feedback, seja via comentário, Twitter ou Facebook!

Sobre o Autor

- Bruno “Bammer” Brito é português, treinou em Calgary, Alberta, Canadá e foi durante 6 anos treinador principal da academia do WrestlingPortugal. Durante esse período, foi responsável por formar alguns dos mais conhecidos e talentosos lutadores nacionais da actualidade e está agora a partilhar as suas experiências com a comunidade do Wrestling PT.

12 Comentários

  1. Ri F - há 3 anos

    Gostei do artigo, concordo que o Branco seja dos melhores(se não o melhor) a nível nacional. Não é o meu estilo favorito de promos, vê-se que passa bem a mensagem e consegue captar o público.

      • Ri F - há 3 anos

        Eu é que agradeço pelos artigos, sempre textos limpos e interessantes que para alguém como eu que aspira um dia estar desse lado ajuda imenso.

        Já agora, uma questão. Tenho visto que muitos wrestlers no circuito independente precisam de lutar por várias companhias para viver do wrestling, até que ponto é bom ou mau manter a mesma personagem ou gimmick em todo o lado, em vez de ter uma gimmick em promotoras A e B e ter outra em C e D por exemplo?

      • É uma boa questão, porque se de facto por um lado convém ser versátil, por outro temos de começar a posicionar-nos enquanto “performer” para que as pessoas, à medida que nos conhecem, saberem o que esperar.

        Aqui, diria que é uma questão de experiência. Lutadores que estejam a começar podem e devem experimentar tudo o que lhes vai na alma, visto que nunca se sabe o que poderá “pegar” e como ao início o mais provável será tratarem-se de promotoras pequenas, o impacto será mínimo.

        Depois, à medida que se encontra o que resulta, o sucesso deverá ser maior pelo que (em teoria) será também a altura de limar arestas e seguir um caminho num registo mais consistente. Espero que faça sentido! :)

      • Ri F - há 3 anos

        Faz sentido, a menos que sejas um Matt Bloom que já começa a ser ridículo, depois de encontrar o nosso estilo é para manter até ao fim(ou até chegar a WWE xD).

  2. Miguel Costa - há 3 anos

    Great stuff!
    Primeiro, gostei que tivesses dividido este assunto em 2 partes, nas quais conseguiste-nos transmitir um pouco da tua experiência e opinião e também dares este espaço ao Pégaso e ao Rúben Branco, que como tu disseste, estão a anos-luz de todos os outros.

    Este artigo foi muito bem desenvolvido em termos de tópicos, pelo que foi bastante agradável lê-lo. Apesar de muitas dicas (todas elas muito boas), acho que quase toda a carreira de um wrestler, e as suas promos, ficam muito limitadas devido à personagem.
    Não sei se concordas, mas na minha opinião isto está divido em 3 grupos:

    1º-Há um grupo limitado à personagem:
    O Taker, por exemplo, nunca mudou muito o registo das promos. Nunca ninguém conseguiu ficar muito entusiasmado com as suas promos.

    2º- Há um grupo que conseguiu adaptar-se:
    O HHH é um bom exemplo. Conseguiu mudar de personagem e tirar proveito disso fazendo excelentes e cativantes promos.

    3º- E há o grupo que, simplesmente, tem talento e carisma. O grupo do It Factor:
    Jericho, Heyman, Orton, The Rock, SCSA, Shawn Michaels são exemplos perfeitos. Chegavam lá e pronto, magia. Para eles é um processo natural.

    Excelente artigo, novamente, e obrigado por nos teres trazido estes dois grandes entertainers portugueses e as suas opiniões e dicas aqui ao WPT :)

    • Thanks! :)

      É de facto uma boa forma de se ver as coisas. Acho que apesar das restrições que uma personagem pode impor, um lutador deve ser capaz de trazer mais profundidade/dimensões ao que representa, para que não fique limitado à mesma rotina durante toda a sua carreira. Felizmente o Taker sempre compensou noutros departamentos, pelo que nunca foi grave.

      Não colocava o Shawn e o Orton no grupo de elite, pelo menos não na consistência, mas entendo o que queres dizer. Há realmente personalidades que conseguem encontrar uma forma de nos manter SEMPRE interessados no que têm para nos dizer, seja num segmento no backstage de 30 segundos, seja 10 minutos sozinhos no ringue, como se fosse sempre tão fácil e instintivo. E não é por acaso que esses senhores têm sempre um lugar de destaque na companhia, o que só demonstra a importância das promos neste “business”! ;)

  3. Conspo - há 3 anos

    Bom artigo como sempre.

    Não percebi o que tinhas posto na promo do Rúben em resposta ao “Paulão”. Pode ser do Firefox mas não consegui ver nada.

  4. rodrigodobem - há 3 anos

    Mais uma vez Excelente. Adorei conhecer estes dois wrestlers porque de facto confesso que não conhecia ambos. Este tema como já referi na 1ªparte desperta-me muita curiosidade para ver onde aquela grande conversa vai dar, nomeadamente as conversas do Gigantesco Génio que é o Paul Heyman, adoro este tema e está muito bem aprofundado. Vou sem dúvida continuar a seguir o teu trabalho porque de facto nota-se que colocas toda a tua experiência e paixão pelo que fazes nos teus artigos. Um grande abraço e felicidades para o futuro. Mais uma vez, obrigado por este artigo.

Comentar

Login com Facebook

Editar avatar »

Notificações por email:

Wrestling.PT © 2006-2016 / Política de Privacidade / Disclaimer / Sobre Nós / Contactos / RSS Feed / Desenvolvido por Luís Salvador