Cult of Justice #13 – “Extreme” isn´t the right word (…)

Meus caros, sejam bem-vindos a mais uma edição da vossa crónica favorita, onde incentivo a que vós, caríssimos leitores, troqueis impressões na caixa de comentários. E não, não estão enganados no calendário. Hoje, aqui ao Domingo, pois é semana de PPV na WWE. Extreme Rules.

Sinceramente, nem sei bem por onde começar a escrever este espaço de opinião. Depois de um desabafo na semana passada, gostava de trazer novas e boas noticias, sobre o mundo WWE. Aliás, á um mês atrás, se bem se lembram dizia neste mesmo espaço, que aguardava pacientemente por este PPV.

Porque? Porque nos últimos anos, o nível apresentado em termos de wrestling foi tão elevado, que eu, e como muitos de vós, tinha legitimas esperanças de poder vir a presenciar um grande espetaculo neste Domingo.

E apesar de conjugar o verbo”ter” a soar um pouco a desilusão, não tenho duvidas que posso vir a surpreender-me em relação aos combates em si, quando falo em qualidade presenciada. Porém, não terei a cometer muito erro, se mencionar o facto que este, Extreme Rules, não apresenta, em relação aos anos transatos, os mesmos níveis de emoção e de excitação, pré-PPV.

E muito sinceramente, após a Wrestlemania, e mais precisamente sensivelmente após duas Raw´s a seguir á WM 29, as minhas expectativas baixaram muito em relação a este PPV, devido às decisões tomadas pela WWE. E mesmo, no meu ponto de vista, o Card apesar de ser bom, não é excepcional.

Não digo que pudesse atingir patamares muito altos ao nível dos melhores PPV’s da história, mas podia apresentar uma qualidade superior. Bastava, no meu ponto de vista, tomar melhores decisões, mantendo o escalamento dos combates até agora verificados. Vamos a argumentos.

Primeiro gostaria de tocar no combate principal em relação aos títulos da WWE. Sim falo do combate que envolve John Cena e Ryback. Deixem-me dizer-vos que, muito sinceramente, apesar de ter sido uma construção de combate algo satisfatório, não me agrada nada ter que visualizar este combate. Por duas grandes razões.

Primeiro, porque no meu entender, não existe grande credibilidade de ambas as partes envolventes. Não estou a tentar dizer, que este combate não devesse acontecer, mas não foi planeado da melhor maneira, a fim de atrair as atenções de todos os elementos do universo WWE. No meu caso, é um dos combates que menos aguardo neste card do Extreme Rules.

Se por um lado John Cena, precisa de um adversário credível para defender o seu título da WWE, por outro, o líder da Cenation, no meu entender, devido em parte á WWE, não vendeu de forma correta o combate em si.

Não é preciso ser um génio, para se descobrir que John Cena vai vencer, no Extreme Rules, e até por isso a passagem de Ryback para Heel foi bastante mal calculada por parte da WWE.

Ryback é uma ameaça credível a John Cena? Claro que não, afinal de constas, ele ainda não conseguiu ter uma vitória relevante em PPV, perdendo constantemente. A própria promoção da WWE em relação a este combate, ao mencionar que “John Cena is the King of Extreme”, em nada ajuda a credibilizar este combate.

O que a WWE pensa fazer? Pôr frente-a-frente um combate do género David contra Golias? Enfim. Não consigo perceber, por muito que me esforça. Este combate não é credível, porque a WWE o fez assim. John Cena é o campeão que derrotou The Rock, por esse mesmo título, e apesar de Ryback apresentar uma história que podia resultar num outro espaço temporal futuramente, neste momento, todos sabemos que Cena irá ganhar.

John Cena, não é um campeão de transição. Nunca o foi, nem nunca será. E acho que pouca gente duvida disso.

Muito sinceramente, preferia muito mais, ver Mark Henry a lutar pelo título da WWE. Além de ser merecido, seria muito mais credível, não pondo em causa uma estrela que ainda esteja atualmente em construção, como é o caso de Ryback.

São estes conjuntos de fatos, que me fazem perder o interesse sobre este combate. Nem é tanto a vitória mais que previsível de John Cena, mas sim saber, que algo constituível, foi agendado apressadamente e mal colocado no card. E não vejo, como isto possa beneficiar Ryback.

Então se queriam manter um combate entre John Cena e Ryback, porque mudaram Ryback Heel? Vejamos, Cena aos olhos da WWE é um grande babyface, porém aos olhos do universo WWE, não é bem assim.

A WWE não precisava, de transformar Ryback num Heel logo após a Wrestlemania. Poderia fazer com que tal acontecesse progressivamente. Assim, na minha opinião, além de suscitar um maior interesse ao combate em si, poderíamos ver um combate mais emocionante no Extreme Rules, sem ter um lutador, como movimentos definidos como Face e o seu oponente, mostrando o oposto.

Isto tudo dá-nos conta de combate previsível, quer no resultado final, como no desenrolar do mesmo. Porque mais uma vez sublinho, estamos a falar da primeira defesa de Cena num PPV.

E nem está aqui, em causa o que Ryback tem vindo a fazer, como Heel. Estou apenas a constatar um facto de interesses. E não é á toa que muito dificilmente, o ultimo combate do PPV, será este. Porque não apresenta credibilidade para tal.

A juntar a tudo isto, não consigo olhar para esta rivalidade, como merecedora do carimbo “extremo”. Não sei se será birra minha, ou apenas estou a ver as partes de uma forma incorrecta, mas não gostei da estipulação. Lá está, talvez porque a construção do combate, foi tudo menos “extreme”, apesar de salientar que foi satisfatória.

Tudo isto não ajuda ao combate em si, e acho que a WWE já percebeu isso durante as últimas RAW. O público, não mostra interesse em Ryback, nem mesmo nas suas ações em atacar John Cena, e arrisco-me a dizer, que a WWE neste momento encontra-se um pouco receosa dos resultados extra-wrestling deste PPV para os seus intervenientes. Principalmente Ryback.

 Não é á toa que a WWE, nas últimas duas semana, tem dado muito mais atenção ao combate entre Brock Lesnar e Triple H. É necessário cobrir o interesse perdido por este combate. A WWE já sabe e já tem feedback do exterior, que prova que erraram na construção deste combate.

Quanto ao desempenho individual de cada um, muito sinceramente, a postura de John Cena é a esperada, sem oscilações na sua personagem. E assim será até ao fim dos seus dias na WWE.

Já Ryback, muito sinceramente, não lhe consigo achar muita piada a esta postura de Heel. Mas se tivesse que escolher uma posição preferida para ele, não seria nem Face, nem Heel, mas sim um Tweener. E aqui afirmo, devido ao que mencionei acima. Se queriam tornar este combate interessante, nunca poderia passar por tornar Ryback num Heel, e não quero entrar no campo das repetições, mas não á como fugir.

Se, tal como já mencionei muitas vezes, por um lado a WWE prima pela imprevisibilidade, neste caso, a falta dela é gritante. Eu cá vou esperar para ver no que isto vai dar, sabendo desde já que, as minhas expectativas são muito baixas.

Não considero que Ryback, tenha estado mal neste papel de Heel, ele melhorou um pouco as suas Mic-skills, mas só isso não chega. Pelo menos a mim, Ryback ainda não me conseguiu transmitir nada de relevante desde que se estreou na WWE. E nem querendo ir pelos caminhos de “Goldberg”, olhando para Ryback, considero que foi alvo de um Push bastante excessivo.

Mas são decisões, e apesar de não concordar com o que a WWE tem feito com Ryback desde o seu inicio no main event, espero sempre algo mais de alguém, que estará a “roubar”espaço a lutadores muito mais talentosos. Lembram-se de António Cesaro e da crónica da semana passada?

Pois é meus caros, Cesaro é muito melhor como lutador de Wrestling, e não apresenta muitas diferenças ao microfone em relação a Ryback. Ou seja, são pouco credíveis neste ponto.

E não tenho duvidas, que com Cesaro, além de valorizar o que de mais interessa, o Wrestling, teríamos, a valorização de ambos os lutadores. Pois não tenho duvidas nenhumas que Cesaro, levaria Cena a disputar um dos grandes combates do ano na WWE.

E são estas valorizações que faltam ao combate, que resulta numa falte de interesse.

Além disto tudo, o pior é que não consigo arranjar uma maneira de entender a justificação de Ryback para o seu Heel turn, pois acho um pouco forçado. E sobre este temas estamos conversados. Basta dizer que perdemos todos. Intervenientes, WWE e o universo WWE.

Agora e falando do resto do card, não tenho muitas perspectivas de um excelente Extreme Rules. Isto apesar de, poder assistir a grandes combates, com os intervenientes que se encontram envolvidos no mesmo.

Aqui, e quem tem seguido esta crónica ao longo dos últimos tempos, não será difícil de adivinhar o que penso em relação aos The Shield. E aguardo com ansiedade, os combates que envolvem estes intervenientes.

Espero muito sinceramente que eles acabem o PPV com o ouro á volta da cintura. Tal como já mencionei e previ, Rollins e Reigns irão combater pelos títulos de equipas, e Deam Ambrose lutar pelo título individual, neste caso o Americano.

Só gostaria de fazer uma pequena correcção/sugestão em relação ao combate em si. Porque não envolver Kofi Kingston com Kane e Daniel Bryan num com combate com a estipulação de que os vencedores levam tudo? Assim, além de manter os The Shield como equipa, permitiria, mostrar a força dos The Shield em conquistar títulos, mas totalmente unidos.

Eu sei, que mencionei anteriormente, que queria ver combates individuais, mas falava em relação a ver Ambrose, a lutar por um título de main event (não seria bom adversário para Cena em vez de Ryback?), e neste caso o título dos USA permitiria realizar este tipo de combate envolvendo também os títulos de equipas.

Não só ajudaria a tornar o combate mais emocionante e com mais interesse, como também poderia abrir uma vaga para lutadores que ficaram fora do card. E aqui falo outra vez, de Cesaro. Desculpem, mas é inevitável.

Outro combate que tenho bastante interesse em visualizar, é o de Sheamus contra Mark Henry. Sim, eu sei que muitas pessoas, não gostam de Sheamus, mas eu até simpatizo com ele. Vejo nele bastante potencial, para ambicionar um grande futuro na WWE, isto apesar de o seu presente já ser bastante bom, mas apenas aos olhos da WWE.

Falta conquistar um pouco a grande parte do universo WWE. E neste campo, fizeram muito bem, em afastar completamente Sheamus, da rota do título mundial, pois na minha opinião, foi um reinado que em nada contribuiu para a sua solidificação na empresa. Bem pelo contrário.

Lembram-se do seu face turn em 2011? Exatamente, foi contra Mark Henry, numa altura em que Henry, estava numa fase completamente dominadora, tal e qual como acontece agora. Coincidências?

Sinceramente não me acredito. Neste caso a WWE pensou bem. Já ninguém se lembra dessa rivalidade, mas se resultou na altura, apesar de esporadicamente, também pode resultar nesta ocasião. E nesse mesmo Summerslam, Sheamus apesar de ter perdido o combate, conseguiu ver o seu turn, completamente realizado. Porque? Porque a credibilidade de Henry é tanta, que mesmo com derrota, o seu oponente pode sair francamente valorizado.

A construção para este Extreme Rules, não foi espectacular, mas foi bastante eficiente, capaz de deixar interesse em visualizar o combate em si. Até pela estipulação do combate, uma escolha muito inteligente, uma vez que já não víamos este tipo de combate a acontecer á já algum tempo.

Mark Henry merece uma prenda maior por parte da WWE. E falo do titulo principal da companhia. É mais que justo para este lutador. É um exemplo de paixão e dedicação a este mundo do Wrestling profissional.

Os restantes combates não são nada que me cativem particularmente. Lesnar e HHH está a ser bem construído, mas não será nada de novo neste PPV. Orton e Big Show, apresentarão um combate com boa qualidade, mas até Orton fazer o Heel turn, os seus combates serão adjetivados de pouco interessantes. E por fim, salientar que o combate entre Alberto Del Rio e Jack Swagger, é um dos menos interessantes da noite, apesar do esforço da WWE em tornar a ausência de Ziggler esquecida. Tentativa falhada WWE. Mas sobre Ziggler e o seu reinado, falarei futuramente.

Muito sinceramente acho que posso apelidar este Extreme Rules, como inferior aos dos anos anteriores. Mas apesar disso, nada impede de assistirmos a um excelente espetaculo de Wrestling, e não tenho duvidas que iremos ter grandes momentos. Afinal de contas não é á toa que, apelida-se o Extreme Rules, como a “verdadeira Wrestlemania”.

De seguida deixo as minhas apostas para o PPV Extreme Rules:

  • Cody Rhodes vs. The Miz – The Miz
  • Randy Orton vs. Big Show – Randy Orton
  • Chris Jericho vs. Fandango – Fandango
  • Sheamus vs. Mark Henry – Mark Henry
  • Team Hell No (Daniel Bryan & Kane – campeões actuais) vs. Seth Rollins & Roman Reigns – Seth Rollins & Roman Reigns
  • Kofi Kingston (campeão actual) vs. Dean Ambrose – Dean Ambrose
  • Alberto Del Rio vs. Jack Swagger – Alberto Del Rio
  • Brock Lesnar vs. Triple H – Brock Lesnar
  • John Cena (campeão actual) vs. Ryback – John Cena

Aproveito para apelar a que deixem também comentários em relação a estas apostas. Por hoje é tudo, na próxima semana voltarei no dia do costume, a segunda-feira. Bom Extreme Rules a todos e uma boa semana :)

Sobre o Autor

1 Comentário

  1. gonçalo " the best in the world" - há 4 anos

    Estiveste perto de acertar todas xD
    Bom artigo como sempre :)

Comentar

Login com Facebook

Editar avatar »

Notificações por email:

Wrestling.PT © 2006-2016 / Política de Privacidade / Disclaimer / Sobre Nós / Contactos / RSS Feed / Desenvolvido por Luís Salvador