Participa no sorteio do Battle Royal #200 e ganha uma cópia do jogo Fire Pro Wrestling World!

Cult of Justice #9 – Uma escala de valores

Sejam bem-vindos á nona edição do Cult of Justice. E hoje gostaria de vos transmitir uma serie de excelentes noticias acerca do que se tem passado no seio da WWE. Infelizmente tal não vai acontecer. E porque? Perguntam vocês caríssimos leitores. Simplesmente, porque considero que a Raw da segunda-feira passada foi desastrosa e completamente o oposto do que se verificou na noite após a Wrestlemania.

Tudo neste programa, no meu ver, foi mau e com decisões que eu considero questionáveis. Desde já peço desculpa pelo tom utilizado, porém tal incapacidade de prosseguir com o que se faz positivamente deixa-me completamente desagradado com a companhia em causa. Situação que já não é recorrente na WWE, infelizmente.

Já um tal sábio, que se encontra em parte desconhecida, afirma que, será tão ou mais difícil manter-se no topo, do que chegar propriamente a esse lugar. Desde já que quero salientar que tenho pouca coisa a retirar de positivo da Raw passada. Isto se de facto aconteceu algo de verdadeiramente satisfatório. Porém deixem-me salientar dois grandes pontos.

Primeiro gostaria de destacar o segmento que envolveu os 3MB com Brock Lesnar. Muito sinceramente, isto apesar de perceber o papel dos três roqueiros dentro da WWE, este segmento foi muito deplorável. É certo que os 3MB conseguem irritar um pouco o grande universo e muita gente desse mesmo denominado universo, terá ficado contente com a pancada que Lesnar lhes impingiu gratuitamente, mas sinceramente era escusado.

Tudo isto para mostrar que estava completamente recuperado da derrota com Triple H na Wrestlemania? O que sinceramente ou a WWE fica muito a dever á lógica, ou então eu é que ando um pouco com os fusíveis trocados.

Sejamos sinceros, Brock Lesnar pode ter perdido para Triple H no MetLife stadium, porém é mais que incontestável o seu estatuto dentro da WWE. Se queriam ter anunciado um outro combate entre Lesnar e Triple H, porque é que Lesnar tinha que massacrar três dos maiores jobbers dos últimos anos? Marcar posição? Não me parece que tal faça sentido.

Lesnar, além de não necessitar deste tipo de confrontos com malta sem credibilidade, não vejo como isto pode trazer alguma importância na decisão do “The Game” aceitar o combate com o antigo campeão mundial de MMA.

A WWE nunca fez para esconder que, apesar de Lesnar ter perdido o combate, quem saiu maltratado do combate entre ambos foi Triple H. Aliás, lesões essas, que foram tornadas públicas na própria noite da Wrestlemania.

Além de ter sido um segmento mal planeado, foi algo que não me convenceu. Porquê? Por foi tudo um pouco forçado. Qual o motivo de Lesnar ter vindo do nada e atacar os 3MB? Mostrar que apesar de ter perdido no dia 7 de Abril, ainda se encontrava “vivo” e pronto para lutar? Afinal não era este o tão famoso antigo campeão mundial da UFC?

Sinceramente, não gostei do segmento. Pode ser birra minha, pode ser um pouco até de ilusão a mais, mas não gostei. Não quero defender os 3MB, pois não tenho razões para tal. Mas para acabar com eles, estão lá outros elementos. Não necessitavam de um tratamento de choque, sujeito às mãos de uma besta.

Sinceramente, espero que a WWE acabe com esta espécie de stable, o mais rapidamente possível. Não sou a favor de uma união de três wreslters até então desaparecidos. Mas como disse, para usa-los em algo ao menos que seja com inteligência.

Quanto á segunda parte do segmento em si, não foi muito melhor. Em termos de emoção diga-se. Triple H vs Brock Lesnar 3? Ok, se o segundo combate até seria admissível, o terceiro nunca o poderá ser. Isto na vertente, única e exclusivamente do Wrestling e da história por de trás da mesma.

Afirmei no passado, e vou continuar a afirmar. Todos os recursos que vendem uma vez, podem vender duas ou três. Pelo simples facto que todos os elementos do universo WWE (isto na óptica da WWE) quererem ver quem leva a melhor, numa serie de três combates entre ambos.

Na minha opinião, este combate apenas se justifica pelo simples facto, de The Rock não vir a comparecer no próximo PPV, mais precisamente no Extreme Rules. Obviamente que a presença de The Rock é sinonimo de grandes vantagens lucrativas, e ao não estar presente, essa desvantagem financeira terá de ser combatida, com outros recursos.

Falo obviamente de algo que consiga suportar tal perda e aqui penso que a única solução passaria por interligar estes dois. Não, não queria mais nenhum combate entre ambos. Até porque penso que a história envolvida por ambos já se esgotou. Mas que posso eu fazer? Sinceramente, tal como já disse anteriormente, preferia que Lesnar se centrasse num wrestler com o qual nunca tenha trabalhado.

Devo confessar que tenho dois grandes desejos. Ver Lesnar enfrentar Sheamus e Dolph Ziggler. Não tenho duvidas que ambos podiam proporcionar a Lesnar grandes momentos, e que seriam seguidos com muito mais atenção. Afinal lutar com uma estrela perto da reforma, não enche de orgulho um grande campeão como Lesnar é. Pelo menos na teoria passada pela WWE.

Primeiro, porque penso que com Sheamus, além de se estar simplesmente a valorizar, uma das caras da companhia, podia-se assim valorizar muito Sheamus no que diz respeito aos olhos do público. Sem dúvida que Sheamus já é um babyface mais que solidificado, porém falta-lhe algo. Algo que o titulo mundial não conseguiu acrescentar. Bem pelo contrário, na minha opinião. Falta o grande clique de ligação entre o universo WWE e Sheamus. E ninguém melhor que Lesnar para lhe proporcionar tal.

Tal como se viu com John Cena, este após a sua feud com Lesnar conseguiu ver os cânticos negativos dirigidos a si, serem reduzidos. Pelo menos, foi algo que foi notório nos primeiros tempos. Se isto aconteceu com Cena, penso que com Sheamus aconteceria também. Onde arrisco a dizer com uma tónica ainda maior.

Quanto a Dolph Ziggler, além de valorizar um dito “work-horse”, permitia criar aquela atmosfera de David contra Golias, que é sempre entusiasmante de se ver. E todos nós sabemos o quão Ziggler é bom em termos de sell. Quer a combater, quer pelas suas atitudes fora de combate.

Sinceramente, destas duas hipóteses acredito apenas que uma irá acontecer. A de Sheamus, arrisco que irá acontecer. Depois da suposta história abortada com The Rock, irá ser necessário trazer algo de novo para a besta da WWE. E não, nem o maior iluminado neste planeta, consegue pensar num quarto duelo entre Lesnar e Triple H. Se acontecesse, conseguia superar tudo o que o campo de ridículo acarreta.

Sheamus consegue ser muito agressivo fisicamente e seria o adversário ideal para Lesnar. Onde sem The Rock, as possibilidades de acontecer este mesmo combate são muito maiores, depois de outras portas também já terem sido utilizadas. Assim acredito que este combate irá acontecer no Summerslam. Posso estar enganado, porém (…)

Quanto a Ziggler enfrentar Lesnar, gostava, mas gostar não basta. Iria ter que incluir um Face-turn algo que não acredito que irá acontecer tão cedo ao “Show Off”.Está perfeito na personagem em que se encontra, porém nem com o título mundial a WWE consegue mudar de posição em relação a este. Irritante! Mas isso são contas a falar num futuro próximo. Adiante.

Fechando o capítulo de Brock Lesnar e a salgalhada com Triple H, gostaria de me centrar num outro ponto que ainda não abordei muito neste espaço. A grande revelação da WWE atualmente. Já estão com a música na cabeça? Sim, parece que já adivinharam. Falo de Fandango.

Outro segmento que a me desagradou particularmente foi o de Fandango na Raw passada. Porque? Porque a WWE não soube ter paciência, contrariando o que se vinha sucedendo. Deixem-me explicar o meu ponto de vista

Fandango desde que começou a aparecer na Raw, foi evoluindo gradualmente. Começou por simplesmente anunciar o seu nome. Ou a dize-lo á sua maneira, mas em todo o caso, acho que foi uma atitude correcta.

Simplesmente porque o universo WWE não estava, nem está, habituado a visualizar personagens com este tipo de cariz. Onde este processo sobre o seu nome foi muito importante para que o público conseguisse assimilar tais características.

Se este lutasse na sua primeira Raw, acham que iria ser bem recebido? É certo que a ideia não é ser bem recebido pelo público sendo este Heel, porém á um trabalho de integração feito quando uma nova estrela chega. Integração para os olhos do público. E neste caso, a sua personagem não apresentava credibilidade suficiente para chegar, e vencer logo combates, como fez na Wrestlemania com Jericho.

Assim antes de combater desenvolveu-se a sua gimmick, não só deixando Johnny Curtis mais descontraído e mais á vontade com a mesma, mas também fazendo com que o Universo WWE consiga aceitar esta personagem.

Ocorreu uma evolução um pouco inversa, mas também tal como já descrevi acima, a sua personagem exigia isso. Não tinha credibilidade suficiente, aos olhos do público, para chegar e derrotar Jobbers. Porque o publico de Wrestling, não aceita bem uma personagem masculina dançarina. É o estereótipo oposto de um fã do mesmo. Isto na teoria diga-se.

É certo que os mais críticos afirmam que este nunca deveria ter tido o seu primeiro combate numa Wrestlemania, muito menos com Chris Jericho. Mas, pergunto eu, se o processo da personagem exigia o inverso, porque não acontecer?

Mais uma vez afirmo que apesar de conseguir perceber o ponto de vista destes ditos críticos, não concordo e penso que a WWE acertou na forma que utilizou Fandango. Foi tudo gradual, sem precipitações. Algo que nem todas as estrelas se podem gabar. Agora a bola estaria do lado de Fandango. Cabia a este, ser capaz de corresponder às espetativas, fossem elas altas, ou baixas.

Muito sinceramente, tal como já disse numa crónica anterior, o que se sucedeu na Wrestlemania em nada comprometeu, o desenvolvimento da personagem Fandango.

Agora deixem-me dizer-vos, caríssimos leitores. Eu estou satisfeito com Fandango e foi conquistando a minha atenção com o passar dos tempos. De inicio, tal como todo o grande público, estava muito reticente a esta personagem. Quem não estava?

Porém o grande clique dá-se na noite após a Wrestlemania. Mais precisamente na Raw. Em que, no meu ponto de vista, Fandango apresenta aquele factor que o pode fazer diferenciar de outras estrelas. O factor (e que me perdoem os seus fãs), que por exemplo Kofi Kingston, nos anos todos em que está na WWE nunca conseguiu atingir, devido às mais diversas razões. Não quero particular Kofi, pois como ele existem muitas outras estrelas na mesma situação.

Mas voltando ao Fandango, o segmento deste na última Raw foi particularmente infeliz. Sejamos francos, Fandango não obtém esta popularidade toda devido ao que vinha fazendo até então, mas sim pelo facto de o público da Raw, ter achado o segmento em que este se encontrou envolvido (combate com Kofi), um pouco inútil para a Raw em causa.

No meu entender, a WWE deveria ter deixado fluir esta Fandangomania. Não ter tomado a iniciativa de puxar pelo público. Porque como todos sabemos, o público detém grande parte do poder da companhia. É certo que foi um sucesso nessa semana, onde ninguém ficou indiferente. Mas teria a capacidade de se manter no topo?

Assim e tal como foi possível de se ver na Raw, o segmento não trouxe nada de novo. O público não puxou nem cantarolou a musica de Fandango. Porque? Porque ninguém gosta de ser impingido por tal. Tal como aconteceu com a primeira parte da etapa desta mesma personagem, estes cânticos deveriam de fluir normalmente. Lembram-se de Daniel Bryan? Só depois, de um certo tempo é que este começou a usar as suas t-shirts com as palavras “Yes” e “No”. A WWE não promoveu de inicio fortemente esta temática. Foi tudo conquistado pelo poder dos fãs.

Tudo foi feito com normalidade, sem pressas e resultou. Mais uma vez digo, se tudo tem o seu tempo, para que apressa-lo? Quantas vezes a WWE precisa de levar com este tipo de segmentos mal delineados para perceber isto?

Agora, na Raw de hoje, por ser em Londres, espero que estes cânticos do público sejam fortemente incendiados. Depois, quando voltarem as emissões regulares nos Estados Unidos, é uma questão de ter paciência, pois acredito que este Fandango, tem tudo para ser uma grande estrela da WWE. Apresenta carisma, tem uma certa qualidade dentro do ringue e neste momento, já apresenta também o tal factor que o permite distinguir de outras estrelas.

Gostaria de salientar que fiquei contente com a possível mudança de finisher de Fandango. Quem não viu a Smackdown desta semana, Fandango derrotou Santino Marella, com um finisher novo. Com um pequeno passo de dança á mistura. Gostei e representa muito bem a sua personagem, permitindo assim representar um pouco o seu carisma ao terminar o combate.

As minhas expetativas sobre este têm vindo a subir e acredito que como eu existem muito mais pessoas. Sinónimo de que o trabalho tem sido bem executado. Agora é uma questão de esperar pelo futuro.

Antes de terminar a crónica gostaria de deixar uma pequena nota solta em relação aos títulos e aos seus defensores. Tal como se viu Dolph Ziggler, Wade Barrett e António Cesaro perderam na ultima Raw. Tendo mesmo este último perdido o seu titulo para Kofi Kingston. As derrotas são admissíveis, quando por trás das mesmas existe algo que valorize os lutadores em questão. Tal como já disse, uma estrela é que apresenta a responsabilidade de elevar o prestígio de um titulo, e o contrário não é passível de ocorrer. Mas sobre isto irei discutir futuramente neste mesmo espaço, pois tenho receio que tal situação ainda se venha a agravar.

Como foi perceptível ao ler esta crónica, a semana da WWE deixou muito a desejar. Não diria que foi passar do 80 para o 8, mas seguramente que os valores apresentados não foram os mesmos. Decisões erradas são admissíveis, porém se a corda estica em demasia, pode não haver mais retorno. Espero que a WWE consiga utilizar todo o material disponível para produzir estrelas para o futuro. Pois mais importante do que o presente é construir o passo seguinte. E em relação á quantidade de talento, a WWE não pode ter razão de queixa.

Por hoje termino, voltarei para a próxima segunda-feira. Boa semana todos e boa Raw 🙂

Sobre o Autor

3 Comentários

  1. Evandro Monari - há 4 anos

    De fato seria interessante um combate Sheamus vs Lesnar

  2. gonçalo " the best in the world" - há 4 anos

    Eu acho que o segmento entre o 3MB e o Brock foi bom porque já não via um Brock tão demolidor como o da raw passada, mas compreendo a tua opinião.
    Acho que um Brock vs Sheamus ia ser um combate brutal, a nivel de intensidade.Um combate contra o Ziggler ia ser brutal, a nivel de wrestling.
    Para mim o Fandango esteve bem o publico é que não foi o melhor.
    O Fandango que continue com o bom trabalho.
    Bom Artigo 🙂

    • Luis Laranjeira - há 4 anos

      Concordo com o que dizes na diferenciação entre os dois combates. Mas a personagem de Lesnar, neste momento, não é de um simples Wrestler, mas sim de um antigo combatente de MMA. Assim esse possivel combate com Ziggler seria mais que simples Wrestling.

      Sim, Fandango esteve bem e fez o que estava previsto. Nada a apontar nesse campo. Na minha opinião, achei o segmento um pouco escusado, pelo que já mencionei na crónica.

      Obrigado 🙂

Comentar

Login com Facebook

Editar avatar »