Existem 2 vagas na Equipa do Wrestling PT para publicar notícias. Candidata-te!

Cutting Edge #55 – Wasted potential

Durante a última semana aconteceu aquilo que não se verificava há algum tempo: vários lutadores da WWE chegaram ao fim das suas caminhadas na companhia em debandada, pelas mais variadas razões e provocando diferentes reações por parte dos fãs.

Uns deixarão mais saudades, outros menos. Outros nem eu sabia que ainda tinham contrato com a WWE, visto que não lutam há bastante tempo.

No artigo de hoje irei analisar a situação de cada um e, além disso, farei uma breve previsão daquelas que poderão ser as próximas saídas da WWE.

Começo por aqueles que, a meu ver, não farão falta e/ou cujas saídas não alteram em rigorosamente nada o panorama atual da WWE.

Nem sabia que ainda tinha contrato! Santino Marella é, para mim, o lutador mais engraçado da última década. Sabendo a tendência que a WWE tem para as piadas sem piada, o “italiano” era uma lufada de ar fresco nos segmentos de comédia e será porventura o meu jobber favorito de todo o sempre a par de Al Snow.

Com uma das estreias mais memoráveis de sempre, na qual conquistou o Título Intercontinental contra Umaga, Santino rapidamente se destacou pelo seu sotaque hilariante. Não nos podemos esquecer de que é um canadiano a falar inglês com um sotaque italiano. Merece crédito por todo o esforço realizado para entreter os fãs.

Para quem não sabe, Santino tinha excelentes qualidades em ringue e a sua personagem na Ohio Valley Wrestling (antigo território de desenvolvimento da WWE) nada tinha a ver com aquela pela qual ficou conhecido. Pelo contrário, era uma máquina de Wrestling chamada Boris Alexiev (haverá nome russo mais estereotipado do que este?) que se limitava a destruir os adversários. Um Rusev em versão mais magra. Fiquei sempre à espera que um dia usasse esta personagem caso os planos passassem por um push até ao topo, mas não se concretizou.

Ficam-me na memória a estreia dele, a run como heel em 2007/2008 (durante a qual esteve com Maria e com Beth Phoenix), a quase-vitória no Royal Rumble 2011 e a quase-vitória no Elimination Chamber 2012, na qual levou o público à loucura com a perspetiva de ganhar o Título Mundial.

De certeza que é um “até já” e aparecerá em segmentos de comédia de quando em vez.

Parece que foi ontem que o vi pela primeira vez, na SmackDown, mas já vão quase dez anos! Os primeiros anos de Hornswoggle na WWE foram muito positivos, sobretudo quando apareceu a ajudar Finlay a ganhar combates e quando recebeu um enorme destaque na história do filho ilegítimo de Vince McMahon, ainda que originalmente fosse Mr. Kennedy a estar nos planos para ser revelado como o bastardo, o que só não aconteceu porque resolveu armar-se em Mr. Suspension (só de pensar no que podia ter sido a carreira dele…).

Mais tarde descobriu-se que afinal era filho de Finlay e a história lá foi esquecida. Vintage WWE.

A partir daí, começou a servir apenas para momentos de comédia e para interações com El Torito. Ah!, e ainda foi revelado como o GM anónimo da Raw. Parece que quando o plano A não vai para a frente, a segunda escolha para revelação de identidades misteriosas é Hornswoggle. Vintage WWE.

Tal como Santino, já não aparecia há bastante tempo e por isso não afetará em nada o produto.

Alex Riley podia ter sido, no mínimo, um bom mid-carder, mas problemas com John Cena (segundo consta) atiraram-no para o fundo do card e nunca de lá saiu, até ir para o NXT como comentador e nos últimos tempos como jobber e com um heel-turn pelo meio.

Vai ficar conhecido, basicamente, por ser o ajudante de Miz durante o reinado deste Campeão da WWE e pela sua excelente música de entrada. Só de pensar que cheguei a ver nele um possível sucessor de John Cena…

Quanto ao futuro, talvez haja lugar para ele no plantel da TNA (embora duvide que passe do mid-card) e espero uma entrevista na qual esclareça melhor a sua falta de sucesso na WWE.

Aqui é que começa o desperdício. Que dizer sobre Wade Barrett?

Estreou-se com tudo em 2010, como líder dos Nexus e depois de ganhar a primeira temporada do NXT, pronto para ser algo grande na WWE. Até se dizia que seria com toda a certeza o primeiro inglês a vencer o Título Mundial na WWE. Era apenas uma questão de tempo.

Mas nunca se confirmou. Lesões e falta de planos da equipa criativa adiaram de forma constante o decisivo push de Barrett, até ao ponto de não-retorno em que se encontrava.

O curioso é que se notava que a WWE gostava dele, tentando sempre dar-lhe algum destaque: ora um título, ora uma mudança na gimmick, ora o “King of the Ring”. Infelizmente, não chegou para atingir o topo e os últimos anos chegaram a ser penosos.

Tal como no caso que irei abordar de seguida, também estava a ficar over com a personagem “Bad News Barrett” e a WWE cortou-lhe as pernas. Absolutamente lamentável.

Espero, sinceramente, que daqui a muitos anos chegue ao Hall of Fame. Pode ser que ainda o vejamos na WWE outra vez, de forma esporádica, até porque saiu em bons termos da companhia.

Quanto ao futuro próximo, vejo-o perfeitamente na TNA, embora ache que se vai retirar dos ringues durante algum tempo (ou mesmo de vez), visto que já não parece ter a mesma paixão.

Para mim, o caso mais gritante de desperdício nos últimos anos. Dolph Ziggler ainda pode dizer que foi Campeão Mundial; Wade Barrett ainda pode dizer que ganhou várias vezes o Título Intercontinental; mas Damien Sandow nem disso se pode orgulhar.

Uma personagem de vilão excelente e perfeitamente desempenhada. Ao fim de um ano, ganha a mala Money In The Bank (depois de uma Tag Team soberba com Cody Rhodes) e a ascensão parecia estar a ser natural. Parecia.

De repente, um cash-in vindo do nada com o único intuito de gastar a mala e deixar John Cena preocupado apenas com Randy Orton. Em menos de um mês, derrotas em meros segundos em pleno Monday Night Raw.

Porquê? Porquê? Esta questão ficará sempre no ar. Não há notícia nem rumores de mau comportamento, por isso o que é que levou a WWE a desistir assim de um talento destes?

O pior aconteceu um ano depois, quando Sandow voltou a conquistar os fãs, agora numa versão cómica e como babyface. A vitória na “Andre The Giant Memorial Battle Royal” parecia certa… mas não se confirmou. O jovem Big Show venceu o combate e recebeu um push que o catapultou para o estrelato.

Ainda assim, pensei que era desta. Um push até ao mid-card como babyface e um heel-turn de seguida, voltando à personagem original, pareciam-me perfeitamente possíveis de se concretizar. No entanto, e ainda mais estranhamente do que antes, Damien Sandow acabou a rivalidade com Miz em duas semanas, o ex-parceiro foi gravar um filme e Sandow pura e simplesmente desapareceu de televisão, até voltar com mais uma imitação e numa parceria com Curtis Axel, voltando a desaparecer depois do caso Hulk Hogan.

Por mais que as ovações nas arenas fossem audíveis, a WWE não quis saber. E está no seu direito. Tal como eu estou no direito de os mandar para aquele sítio por terem feito tanta porcaria com Sandow.

Tendo em conta a situação em que se encontrava, fiquei muito contente por vê-lo a sair da WWE. Para já, tem um combate marcado contra Colt Cobana na GFW, combate esse que eu não vou perder. Como fã acérrimo de Damien Sandow, vou acompanhar a sua carreira seja onde for.

O capítulo WWE parece estar definitivamente encerrado. Foram quase quinze anos na companhia, entre território de desenvolvimento e plantel principal, e não me parece que Sandow queira voltar para lá tão cedo. Já perdeu demasiado tempo.

Resta-me agradecer todos os momentos de entretenimento que nos proporcionou e imaginar um “You’re welcome” da parte dele.

Quanto a Zeb Colter, El Torito e Cameron, não há muito a dizer. O primeiro é um ótimo booker e manager, mas quando não há planos a única solução é a saída. El Torito proporcionou um ou outro momento engraçado, mas nada de relevante (embora tenha tido um bom combate com Hornswoggle). Julgo que tem futuro na Lucha Underground ou, claro, no México, numa promoção para anões.

Em relação a Cameron… Pois.

Os próximos lutadores a rescindirem contrato com a WWE deverão ser Adam Rose (quase certo), Ryback (muito provável), Konnor (com duas violações da Wellness Policy e com Viktor como membro dos Social Outcasts, parece ter o destino traçado) e, talvez, Jack Swagger.

Adam Rose podia ter chegado mais longe com a personagem de Leo Kruger, mas a WWE teve outras ideias. Ryback tem o seu nome na lista de Campeões Intercontinentais e tendo em conta o seu talento já é bom (destaco o seu profissionalismo e amor ao Wrestling). Konnor é o que é e Jack Swagger podia ter chegado mais longe, mas sempre pode dizer que foi Campeão Mundial e ainda teve algum destaque ao longo dos anos. Se não sair da WWE em breve, ficarei surpreendido.

Resumidamente, nenhuma destas saídas afeta o produto da WWE. Simplesmente há dois ou três talentos que podiam ter sido mais do que foram, o que é sempre de lamentar.

Mesmo com estas saídas, parece continuar a haver condições para o regresso da Brand Split, até porque quase nenhum deles era utilizado, mesmo em programas menores. Tenham um ótimo fim de semana (em Portugal, será melhor para uns do que para outros) e até ao próximo artigo.

Sobre o Autor

- Autor do espaço "Cutting Edge".

23 Comentários

  1. Ryback Rules - há 7 meses

    Viktor nos Social Outcasts?! Como assim???
    Isto definitivamente bateu todos os limites possíveis do cumulo do ridículo e da estupidez!!! Juntar uma personagem creepy com dois jobbers cómicos?!

    Fazia era todo o sentido terem-lo associado ao Finn Balor! Ser uma espécie de “assistente pessoal” ou guardião. Até quem sabe ser um membros do possível Balor Club. A lógica era juntar duas personagens creepy!

  2. TNA Best Wrestling - há 7 meses

    Bom espero que Sandow , Barrett é Rilley va para TNA , caso a TNA tenha preferência só por um nome espero que seja Sandow.
    Caso contrate Sandow e Rilley eu começaria o booking deles como uma tag team até por ter espaço nessa divisão para se destacar inicialmente dps subiria Sandow ao ME e posteriormente Rilley.

    • danielLP21 - há 7 meses

      Alex Riley no main event? Não sei, parece-me forçado.

      O Sandow e o Barrett sem dúvida que pertencem ao main-event de qualquer empresa.

      • TNA Best Wrestling - há 7 meses

        Vejo potencial nele trabalhado 2 anos no mid Card e na tag team division acho que pode após isso subir ao ME.
        Sandow e Barrett em 1 ano no máximo já vai estar no ME

  3. TNA Best Wrestling - há 7 meses

    Se swagger for demitido eu contrataria tbm .

  4. Sinceramente não os queria na TNA. Eles têm grandes wrestlers, conseguem bons combates, mas sabemos bem que acabam sempre por fazer asneira. Não sabem levar um storyline de forma decente até ao fim e aquela gestão é absurda.
    Gostava sim de os ver no Lucha Underground, pelo menos o Barrett e o Sandow.

    • TNA Best Wrestling - há 7 meses

      Se assistir a TNA esse ano vai ver que na parte de booking não está tendo nenhuma asneira muito pelo contrário.
      Mais para quem não assiste e vive comentado do passado da empresa não me admira ver esse tipo de comentário.

  5. SadisticAnarchist - há 7 meses

    e com isto tudo ainda andam Eva Maries,Darren Youngs e Otungas da vida, rídiculo o que fizeram ao Sandow e ao Barrett… acho que o Barrettt devia voltar a UK, talvez na Rev Pro mas nao me admirava que agora fosse contratado pela TNA, até aposto que faziam uso da gimmick do “Bad News Barrettt” mas com outro nome e rivalizavam com o Eli Drake naquele programa que ele agora que o Facts of Life e depois diz Dummy Yeah no fim….. acho que me ria um bocadinho ou então metam.lhe na ROH e sobre o Sandow, acho que vai se estrear na Tna como El Machismo HAHAHAHAHAH estou a gozar, espero que seja mesmo como aaron stevens. Nao falaste do Sandow ter la estado desde 2002 :v ter estado naquele equipa chamada Teachers Pets com a michelle mcCool… well tambem nao interessou muito

    • danielLP21 - há 7 meses

      Ele aí não era Damien Sandow :P Mas sim, esteve lá muitos anos. Daí achar que não volta mesmo, a não ser num Rumble ou algo do género.

  6. Ry XX - há 7 meses

    Bom artigo, e concordo no geral com tudo o disseste.

    Todos os anos, até 2014, pensava que o Barrett se ia tornar campeão mundial, mas acabava sempre por se lesionar ou a equipa criativa não tinha planos para ele tal como disseste. Acho que foi mesmo muito mau ele nunca ter vencido um título de topo na WWE, pois ele tinha todo o potencial para ser um excelente campeão. Gostava de o ver na NJPW, mas também acho que ele não vai voltar a lutar tão cedo.

    Quanto ao Sandow, também tenho muita pena que tenham desistido dele, e de o terem tornado num Jobber. A Gimmick de Intellectual Savior of the Masses era perfeita, e ele, tal como o Barrett, tinha tudo para ter muito sucesso na WWE. Tendo em conta que já não andava a fazer nada lá, ainda bem que saiu, e agora deve trabalhar como um Free Agent.

    Quanto aos outros, também não acho que façam muita falta, e em relação aos próximos, acredito que sejam aqueles que mencionaste, mais o Viktor. Gostava que se o Jack Swagger também fosse demitido, fosse para a TNA, juntamente com o Alex Riley.

  7. sobrinho do fofinho Kevin Owens e Sami Zayn - há 7 meses

    Ótimo artigo.

  8. Best in the World - há 7 meses

    Excelente artigo Daniel! Concordo com tudo o que disseste. Se o Leppan tivesse ficado com a personagem Leo Kruger provavelmente tinha tido um bom lugar no mid card, mas como Adam Rose sempre se viu que seria Jobber. Tenho muita pena do Barrett, para mim teria sempre lugar no upper mid card. A personagem Bad News foi a que mais gostei dele. Daniel quem achas que ganhará o MITB? Eu queria tanto que fosse o KO para o ver como campeão principal

  9. RFBM - há 7 meses

    Excelente artigo Daniel. Acabo por concordar com tudo o que disseste.

  10. Anónimo - há 7 meses

    Konnor é o Konnor? como assim?

Comentar

Login com Facebook

Editar avatar »

Notificações por email:

Wrestling.PT © 2006-2016 / Política de Privacidade / Disclaimer / Sobre Nós / Contactos / RSS Feed / Desenvolvido por Luís Salvador