Junta-te ao nosso grupo de Facebook: "Fãs de Wrestling"!

Cutting Edge #61 – WWE Money In The Bank

Uff, que semana esta! No último domingo, teve lugar o Money In The Bank 2016. Um PPV que correspondeu às (minhas) expectativas, sobretudo no que diz respeito aos três combates principais. É em dois deles que me foco no artigo desta semana.

O grande protagonista da noite foi, como é óbvio, Dean Ambrose. Ao fim de três anos e meio no plantel principal da WWE, o “Lunatic Fringe” chegou finalmente ao topo. Para mim, já foi tarde.

A WWE andou demasiado preocupada em tentar tornar Roman Reigns numa enorme estrela, quando tinha ali um potencial top babyface pronto a assumir essa posição até o primeiro conseguir convencer os fãs do seu talento. Devido a essa construção precipitada de Reigns, o seu ex-parceiro andou em banho-maria durante demasiado tempo.

No ano passado, foi penoso ver Roman Reigns e Seth Rollins em combates de grande destaque na WrestleMania enquanto Dean Ambrose esteve no combate de escadote pelo Título Intercontinental, sem qualquer destaque digno do seu talento.

No resto do ano, Ambrose foi o ajudante de Reigns na rivalidade entre este e a Wyatt Family, perdeu a final do torneio pelo Título da WWE no Survivor Series e ganhou o Título Intercontinental numa boa feud de mid-card com Kevin Owens, que acabou no Royal Rumble.

Foi precisamente nesta noite que Dean Ambrose começou a subir de estatuto. Depois de vencer Kevin Owens num brutal “Last Man Standing”, acabou a noite como o último eliminado no combate Royal Rumble. É verdade que isso serviu apenas para tentar que Triple H ganhasse algum heat como heel – e consequentemente para Roman Reigns ser mais apoiado -, o que significa que ele não era a prioridade, mas um lutador que numa noite vence um combate “Last Man Standing” e chega ao final do combate Royal Rumble não pode ser considerado um simples mid-carder.

Umas semanas depois perdeu o Título Intercontinental sem ser derrotado e no Fast Lane esteve num combate em que o vencedor ia à WrestleMania lutar contra Triple H pelo título. Mais uma vez, esteve no combate apenas para levar o pinfall decisivo. Ainda assim, a diferença para o resto do mid-card estava lá.

Na WrestleMania, Dean Ambrose foi o escolhido para defrontar Brock Lesnar, confirmando o estatuto que já vinha a conquistar nos meses anteriores. A construção do combate entre eles foi a melhor na fraca construção geral do PPV, mas a qualidade do combate não correspondeu às expectativas.

Dean Ambrose devia ter sido bookado como um desfavorecido que, mesmo perdendo, tinha dado luta à grande besta. Nada disso aconteceu e o resultado foi um combate dececionante.

Depois da WrestleMania, felizmente, as coisas mudaram para melhor. Desde essa altura que Ambrose tem estado quase todas as semanas no main-event da Raw, mesmo não sendo o campeão. A sua rivalidade com Chris Jericho foi tudo aquilo que ele precisava para dar mais um passo rumo ao topo. Chegado o Money In The Bank, era ele o candidato mais forte a ganhar a mala, o que se confirmou (ao contrário do que aconteceu noutros anos, em que o vencedor da mala não era o favorito à partida).

No final da noite, Dean Ambrose tornou-se Campeão da WWE. Finalmente.

Pessoalmente, fiquei muito feliz por ele. Não é novidade para ninguém que ele e Bray Wyatt (“Welcome back! Welcome back! Welcome back!”) são os meus favoritos, pelo que, como fã, foi mais uma grande experiência vê-lo a conquistar o título.

Porém, mesmo sem a vertente emocional, considero que esta conquista chega em boa hora (embora já pudesse ter sido campeão antes). Dean Ambrose é o babyface mais over na WWE atualmente, ao contrário de Roman Reigns.

Falando em Roman Reigns, esta semana ficou também marcada pela suspensão do ex-Campeão da WWE. Foi uma enorme surpresa, tendo em conta a aposta que a companhia tem vindo a fazer nele.

Ainda assim, não considero esta situação alarmante. É verdade que fica nos registos e a publicidade não é boa, mas uma suspensão não é algo propriamente grave, sobretudo se a substância que ele tomou não for considerada grave. Não sei qual foi, mas acredito que tenha tomado um comprimido qualquer com uma substância proibida pela WWE, tal como aconteceu com Rey Mysterio no passado.

A grande questão neste momento é: será que a WWE já sabia do que aconteceu com Roman Reigns aquando do PPV e por isso lhe tirou o título? Ou estava mesmo nos planos que Dean Ambrose ganhasse o título, justificando mais facilmente o Triple Threat entre os três ex-Shield?

Confesso que, quando soube da suspensão de Roman Reigns, não achei que a WWE já soubesse do seu deslize. A WWE costuma suspender os lutadores assim que sabe o resultado dos testes. Lembro-me de Jeff Hardy ser Campeão Intercontinental e estar na calha para vencer a mala na WrestleMania, mas um chumbo na Wellness Policy fez com que perdesse o título para Chris Jericho numa Raw e não voltasse a aparecer nos dois meses seguintes.

No caso de Reigns, compreende-se que aparecesse no PPV – onde teria que perder o título -, mas não vejo o sentido de aparecer na Raw do dia seguinte. Já não era campeão, logo, já não tinha que aparecer.

Por isso, continuo a acreditar que a WWE só soube dos resultados dos exames na terça-feira, ou, no limite, na segunda-feira antes da Raw, demasiado tarde para reescrever o programa sem ele.

No entanto, há algo que, confesso, me fez confusão logo na noite do PPV. Roman Reigns perdeu limpo.

O estranho não é ter sido Seth Rollins a vencê-lo de forma limpa. Rollins tem sido tratado como uma estrela e é evidente que a WWE quer aproveitar o ímpeto que ele ganhou no ano passado como campeão. Não estava nos planos a sua vitória na WrestleMania 31, mas, já que isso aconteceu, a WWE pegou nesse acontecimento e criou uma estrela.

O que é estranho é o facto de Roman Reigns nunca ter perdido de forma limpa antes e isso ter acontecido quando menos se esperava. É esse fator que me faz não ficar chocado que a WWE já soubesse do seu deslize antes do PPV. Não acho que soubesse, mas não me surpreendia se soubesse.

Além disso, o facto de ter perdido limpo pode ter sido um castigo. Se o cash-in fosse feito em Reigns, este não perderia de forma limpa. Por isso, a WWE pode ter usado Seth Rollins para vencer Reigns de forma limpa, apenas para que Dean Ambrose pudesse fazer o cash-in de seguida.

Talvez estivesse nos planos Dean Ambrose ser campeão sem a parte de Seth Rollins vencer Roman Reigns. Mas, lá está, é de crer que isto estava tudo planeado, porque fez todo o sentido em termos de história ser Rollins a sofrer o cash-in.

E agora? Irá Roman Reigns sofrer grandes consequências devido a este deslize?

Sinceramente, não me parece. A WWE apostou demasiado nele para simplesmente desistir a meio. Acredito, isso sim, que alterem algumas coisas.

Desde logo, acredito nesta altura em algo que não acreditava há uma semana atrás: o tão falado heel-turn.

No Money In The Bank, Roman Reigns pareceu ser o vilão do combate. Não só as suas expressões faciais evidenciavam um certo nojo por Rollins (e até pelos fãs), como a própria construção do combate parecia a de um vilão a dominar um herói, que por sua vez conseguiu vencer no final.

Na Raw do dia seguinte, Roman Reigns mandou calar os fãs. Nunca vi John Cena a mandar calar os fãs desde o seu face-turn em 2003, por mais adverso que fosse o ambiente.

As respostas a estas perguntas chegarão nos próximos meses. Será Dean Ambrose um campeão de transição? Irá Roman Reigns continuar a ser a aposta primordial da WWE, ignorando-se assim que há lutadores mais apoiados pelos fãs e a vender mais merchandise?

Por agora, resta-nos saber que teremos – salvo mudanças de planos – o tão aguardado Triple Threat. Não me incomoda especialmente que o combate ocorra no Battleground, mas com a suspensão de Reigns faltará um terço dos participantes do embate na construção do mesmo. Por isso, preferia que o combate fosse adiado para o SummerSlam, mas acredito que aí os planos sejam outros (talvez um Seth Rollins vs Triple H, por exemplo).

Seja como for, esta semana foi de grandes mudanças na WWE. Resta saber se são mudanças temporárias ou se terão impacto no futuro próximo da companhia. De uma coisa, porém, não tenho dúvidas: Dean Ambrose é dinheiro.

Desejo-vos um bom fim de semana a todos e cá nos encontraremos na próxima sexta-feira.

Sobre o Autor

- Autor do espaço "Cutting Edge".

22 Comentários

  1. Doughc - há 1 ano

    Bom artigo!

    Vejo que você mesmo fã do Roman escreve sendo imparcial, não acho que vai ter grandes mudanças com essa suspensão, mas espero que ocorra uma que o Roman seja confirmado como o top heel do raw e o Rollins e o Ambrose como top faces, então uma pergunta se o Rollins enfrentar o Triple H no summerslam, quem você que deve ser o adversário do Ambrose pelo titulo no PPV? o Roman ou um outro superstar.

    • ricardo - há 1 ano

      doughc vc mesmo respondeu a sua pergunta fazendo outra . no caso a luta pelo titulo seria seth rollins vs triple h

    • danielLP21 - há 1 ano

      Obrigado.

      Sou fã do Roman, mas sou ainda mais fã do Ambrose 😛

      Eu veria com bons olhos um Dean Ambrose vs Roman Reigns, Seth Rollins vs HHH e AJ Styles vs John Cena. Seriam 3 main events fortíssimos, sem esquecer o possível Brock Lesnar vs Bray Wyatt.

  2. TREVOR - há 1 ano

    Bom artigo Daniel,também fiquei feliz pelo Ambrose,ele merecia isso a tempo.Só que ele tem mim deixado um pouco desapontado e com receio de que esse reinado não seja bom. Falo isso porque desde a WM ele tem sido limitado,usando poucos moves e fazendo combates que deveriam ser bons,mas não eram.
    Na maioria da vezes estava no main-event dos shows, mas nem se quer lutava,claro que as promos dele são incríveis,os seus segmentos,suas rivalidades,mas eu quero ver grandes lutas,um campeão tem que mostrar que é bom o suficiente para ter o título.Espero que ele volte a lutar nos shows e que de bons combates,não quero ver o Ambrose limitado a usar DDT ou ser carregado nas lutas.

    Mas falando do PPV que foi incrível.Grande parte das lutas foram muito boas.Quando o Dean venceu a maleta ficou bem óbvio que ele iria usar na mesma noite,mas graças a Deus foi no Seth e não no Roman.

    • danielLP21 - há 1 ano

      Obrigado.

      Talvez o facto de ele estar a ser limitado seja explicado pela maior aposta de que está a ser alvo. A WWE não deve querer que ele se lesione.

  3. ricardo - há 1 ano

    daniel achas que um dia o brock voltara a competir pelo titulo ou ate mesmo vence lo

  4. Best in the World - há 1 ano

    Excelente artigo Daniel. Não sei se já alguma vez te disse mas o Cutting Edge é o meu artigo preferido aqui do site xD
    Não achaste o cash in um bocado de heel por o Ambrose ter atacado o Rollins por trás? Depois do combate que teve com o Reigns e o cash in a seguir o Rollins pareceu-me sempre bookado como babyface. Acho que o tão aguardado face turn está próximo! Em contrapartida o Reigns também me parece próximo do Heel turn, possivelmente quando regressar de suspensão atacar o Ambrose ou mesmo os dois.

    • danielLP21 - há 1 ano

      Obrigado.

      Acho que já tinhas dito, sim 😛

      Não achei uma manobra heel porque a história contada foi a de que o Rollins pagou pelos seus pecados do passado da mesma forma que os cometeu.

  5. LegendkIller - há 1 ano

    Dean Ambrose finalmente atingiu o topo da companhia e tal como os seus companheiros conquistou o titulo máximo. No entanto a imagem de midcarder e de elemento com menos sucesso dos The Shield apos a separação no main-roster ninguem lho tira. Nao teve culpa nenhuma disso é certo mas enquanto os outros dois elementos andavam constantemente no main-event a conquistar grandes titulos e com grandes vitorias Ambrose sempre foi posto de parte para tapar buracos quando fosse preciso e sem nunca gozar do mesmo estatuto dos seus companheiros. É logico que para os fãs que percebem muito disto nao é algo chocante e que tenha grande significado mas para a generalidade do publico Ambrose vai ser sempre o ultimo a chegar ao topo e aquele que menos se destacou e chamou a atençao para la chegar. Apesar de tudo estou muito satisfeito com esta conquista e espero que a partir de agora o Dean recupere o avanço em termos de sucesso que os seus dois companheiros lhe dão neste momento. Porque ele merece.

  6. Artur - há 1 ano

    Bom artigo Daniel. Realmente como já disse gostei muito do MITB, especialmente o Main Event. Como bem dizes, o que mais me surpreendeu foi a derrota limpa por parte do Reigns. Um elogio a WWE por estarem dando vitórias limpas ao Rollins nesse seu pós retorno. O homem já é estrela e isso só lhe ajuda. No SmackDown já venceu o Zayn limpinho.

    Uma pergunta Daniel: o que achaste da volta dos Wyatts?

    • danielLP21 - há 1 ano

      Obrigado.

      Achei estranho. Não esperava nada que fossem rivalizar com os New Day e nem percebi se são faces ou heels.

  7. Ambrose543 - há 1 ano

    eu digo e repito o ambrose é dos lutadores da wwe com mais personalidade e isso é super importante, para quem quiser ser campeão… o Roman luta bem mas não tem carisma algum…

    • danielLP21 - há 1 ano

      Concordo com a primeira parte, discordo da segunda. O Roman Reigns como heel ia soltar-se muito mais. Faz-me lembrar o Batista como face, a diferença é que este teve um booking perfeito, enquanto o Reigns foi o que se viu. Mas tanto um como o outro são muito melhores como heels.

  8. Dan Lannister - há 1 ano

    Ótimo artigo Daniel.

    Tivemos um momento épico no domingo, momento esse que ficará por muito tempo na memoria dos fãs, estou realmente feliz pelo Ambrose, entretanto, acho que a WWE poderia ter ir por outro caminho. Durante toda a construção para o PPV Ambrose foi tido como o grande favorito (pelo menos para os fãs casuais), não saiu totalmente por baixo em nenhum programa e acumulou vitórias durante as semanas, isto foi ótimo se olharmos individualmente para ele, uma construção fortíssima e eficaz digna de uma grande estrela, mas em contra-partida tivemos outros cinco grandes wrestlers trocando vitórias e derrotas e sendo tratados como meros coadjuvantes, a vitima mais evidente foi Kevin Owens, que ao longo das semanas sofreu vários pins pelas mãos de Ambrose, e não foi retratado como uma ameaça real, coisa que devia ter sido já que de longe era o heel mais credível e com maior possibilidade de pegar a mala. Ambrose já era visto como o grande favorito, a WWE devia ter perdido mais tempo em credibilizar os derrotados, mas fez justamente o contrário. Com isto não quero dizer que o Ambrose devia ser bookado como um underdog, ou ter saído por baixo em todos os segmentos que participasse, mas sim que dividisse um pouco desse protagonismo com os outros participantes.

    Particularmente optaria por uma vitória do Owens, seria brutal ver suas promos com a briefcase e traria uma certa imprevisibilidade ao produto, quando enfim chegasse a hora do cash-in ele poderia optar pelo titulo mundial do Smackdown. Quanto ao Ambrose, este continuaria tendo destaque em rivalidades de topo e venceria o Royal Rumble, então finalmente a WWE começaria a bookar a triple threat para o maior evento do ano (é uma ideia estupida terem pensado nisto para o Battleground, mesmo que faça mais sentido assim). Na Wrestlemania, teríamos o Ambrose como o vencedor do combate, em 2015 tivemos o Rollins, 2016 o Reigns e 2017 o Ambrose, criando assim uma trilogia perfeita, seria orgânico, natural e realmente faria muito mais sentido para mim.

    • danielLP21 - há 1 ano

      Obrigado.

      Gostei dessa ideia da trilogia. Se calhar vamos tê-la na mesma, mas por outros caminhos que não um Triple Threat na WrestleMania.

  9. RFBM - há 1 ano

    Excelente artigo Daniel.

  10. Reigns one versus all - há 1 ano

    Bom artigo,Daniel

Comentar

Login com Facebook

Editar avatar »

Newsletter Wrestling.PT

Subscreve a nossa Newsletter receberás conteúdos exclusivos no teu email!