Davey Richards comenta a sua passagem pelo WWE NXT

Para promover o TNA Lockdown em entrevista com Newsday, Davey Richards mencionou a sua passagem pelo território de desenvolvimento da WWE. Aqui está um pequeno excerto da entrevista:

Mencionaste que, durante o curto espaço de tempo que tiveste na WWE, estiveste no Perfomance Center em Orlando durante uma semana e tiveste um combate no NXT. Como foi a experiência?

“Foi excelente. Fomos [Richards e Eddie Edwards] colocados nas aulas de Billy Gunn, que é quem dá as avançadas.  Foi divertido e não consigo elogiar o suficiente todos os que lá estavam. O sítio é, como seria de esperar, surreal. Passámos um bom bocado, mas foi um pouco assustador para mim ver toda a gente com receio. Todos estão verdadeiramente assustados com a ideia de perder o emprego.

O ambiente não dava a entender que as pessoas se estavam a divertir, ou então estavam apenas nervosos com a pressão existente. Como se pode ver, o que têm estado a fazer tem dado bom resultado. Nós fomos bem tratados, mas soube logo que aquele horário não é para mim. Fico feliz por ter tido a oportunidade de experimentar, mas estou feliz por ter encontrado uma casa na TNA.”

Estás surpreendido por não terem oferecido um contrato a ti e a Eddie?

“Não sei. Nunca sabemos bem o que estão a pensar. O plano original era fazer três semanas de NXT e depois ir para a Smackdown, mas depois acabamos por receber um email que dizia que o fizémos foi muito bom, mas a companhia já tinha “Daveys” e “Eddies” suficientes. No email dizia também que o mais provável era colocarem-nos no território de desenvolvimento para começar, mas não o queriam fazer porque já tinhamos viajado pelo mundo todo a lutar. Por isso, estávamos livres para perseguir outros objectivos.

A meu ver, ao menos foram honestos. Eles podiam ter mentido e afirmado que estávamos no território de desenvolvimento e iria correr tudo às mil maravilhas, enquanto ficávamos lá durante três anos. Achei que foi uma boa atitude da parte deles. Obviamente, eles estão satisfeitos com a sua situação e nós também. Ambas as partes estão felizes. Pessoalmente, não me surpreendeu. Agradeço que tal tenha acontecido.”

Mencionaste que a WWE pensa que já têm “Daveys” e “Eddies” suficientes. Estás surpreendido pelo facto do tamanho ainda ser um grande factor no Wrestling, nos dias que correm?

“Pois, é uma ideia antiquada. A meu ver, já se tornou absolutamente irrelevante. Exemplo de tal é Daniel Bryan e até CM Punk que, por sua vez, não é muito grande. Não estou a dizer que não existem lutadores de grande estatura populares e a fazer dinheiro, apenas não acho que o tamanho ainda seja relevante. Como é óbvio, se tiveres a aparência de um miúdo de 15 anos será difícil promover-te como alguém que irá vencer outro lutador com o dobro ou triplo do teu tamanho. No entanto, as pessoas conhecem reconhecer um atleta quando o vêem. Existem muitos lutadores diferentes que, não só lutam bastante bem, como são 100% atletas, e o tamanho não os impede de ter a capacidade de entreter as pessoas. E estas, por sua vez, vão assistir ao trabalho destes lutadores. A meu ver, é mesmo uma ideia antiquada.”

Fonte:Daily Wrestling News

Tens alguma notícia que não está publicada no site? Clica aqui e envia-nos!

Sobre o Autor

- Administradora. Publico parte das notícias, faço a gestão da League, dos Passatempos e ainda sou escritora do artigo “Opinião Feminina”.

7 Comentários

  1. Coisa - há 3 anos

    1,90m e 100kg+… Sim, o cm punk é pequenino, lol.

  2. MR Perfection André Santos - há 3 anos

    Respostas sensatas e inteligentes

  3. FAlmeida_10 - há 3 anos

    Gostei das respostas dele, ainda vou ver a entrevista na íntegra

  4. MicaelDuarte - há 3 anos

    Por acaso… sim senhor. Gostei das respostas e não podia concordar mais com algumas delas.

  5. Jorge Rebelo - há 3 anos

    Pareceram-me mais interessantes as observações sobre a ROH.

Comentar

Login com Facebook

Editar avatar »

Notificações por email:

Wrestling.PT © 2006-2016 / Política de Privacidade / Disclaimer / Sobre Nós / Contactos / RSS Feed / Desenvolvido por Luís Salvador