Impacto! #102 – Onde a Acção Nunca Acaba!

Semanas de muitas novidades para a TNA e tanto para falar que irei dividir o impacto! desta semana em duas partes. O tema principal desta edição é a nova campanha “Where Action Never Ends” (Onde a acção nunca acaba), que propõe programação permanente – 24 horas por dias, 7 dias por semana, 365 dias por ano. Para a semana irei abordar a actualidade da TNA, em particular o Titulo Mundial, o regresso à Impact Zone e os rumores de uma possível venda da TNA.

Conforme foi anunciado aqui no Wrestling.pt, a TNA revelou o lançamento de uma nova iniciativa sob o lema “Where Action Never Ends” que inclui um grande número de diferentes componentes que merecem um olhar mais cuidado. No site da TNA pode ler-se que “Câmeras em todo o lado irão dar um acesso sem precedentes às vidas de todas as superstars da TNA, com conteúdos exclusivos divulgados 24/7”. Os conteúdos podem ser visualizados em diferentes plataformas, incluindo nos Pay-per-views, na Spike TV e no site da TNA, além das plataformas online Facebook, Twitter, Instagram e Youtube.

A Presidente da TNA Dixie Carter explica que a ideia é integrar parte destes conteúdos nos shows televisivos da TNA, dando oportunidade aos fãs de ver muitos dos seus wrestlers e das suas storylines favoritas a desenvolverem-se graças a conteúdos exclusivos gravados ao longo da semana e divulgados no YouTube, Twitter, Facebook e Instagram, entre outros canais de distribuição que serão divulgados nos próximos meses. Dixie Carter revela que é problemático para a TNA apenas ter 82 minutos de exposição semanal para um roster de grande qualidade e que merece mais tempo de antena. A TNA irá usar o regresso aos estúdios da Universal para lançar uma produção de conteúdos muito mais intensiva. A TNA vai igualmente reforçar a sua presença fora dos Estados Unidos, onde a força e o sucesso da organização estão em excelente forma. As audiências da TNA em mercados globais tem aumentado e é o produto líder de audiência em países como o Reino Unido e a Alemanha, além de ter reforçado a presença na Europa (Portugal e França) e na Oceânia (Nova Zelândia). Carter acredita que este novo projecto mudará a forma de ver wrestling e é uma evolução da indústria.

Para já e na prática o que temos assistido é um aumento exponencial de vídeos produzidos pela TNA e pelos próprios atletas e divulgados no Youtube e noutras plataformas TNA. Esses vídeos (ou os melhores da semana) poderão ser vistos aqui no WPT no espaço TNA ReAction. Mas este conceito parece ambicionar mais que apenas a publicação de vídeos e é por isso que irei falar um pouco mais sobre o tema.

Para já não me parece que a TNA consiga verdadeiramente manter programação 24 horas por dia, 7 dias por semana, 365 dias por ano. A ideia de programação permanente parece pouco razoável (pelo menos para já) e o mais certo é a TNA publicar e/ou transmitir conteúdos a uma escala mais razoável.

Será interessante perceber de que forma a TNA irá gerir os seus eventos ao vivo. Há alguns anos atrás a TNA tentou gravar um house show para mostrar na televisão, onde posteriormente inseriram os comentários de Don West e Mike Tenay por cima da gravação. A ideia não funcionou na sua plenitude, mas há agora a oportunidade de fazer melhor. Se a TNA for capaz de trazer a acção dos House Shows para a televisão é uma forma de cativar os fãs a assistir a esses eventos. Geralmente os house shows são uma forma de promoção local, capaz apenas de atrair os fãs que residentes na área visitada pela promoção e que vão assistir ao evento sabendo que nada de muito importante dali sairá (entenda-se – com implicações para o produto televisivo). Se a TNA encontrar uma fórmula de dar aos fãs bons combates enquanto mostra que as histórias têm importância e sobretudo que podem haver desenvolvimentos nesses mesmos shows, este pode ser um chamativo muito interessante para atrair pessoas a estes eventos.

Outro aspecto interessante da iniciativa #IMPACT365 é a possibilidade de se levanter o véu sobre os bastidores, dando oportunidade aos fãs de conhecer melhor os atletas. Nas vésperas do Bound For Glory, a TNA produziu uma série de episódios muito divertida chamada Road Trip to Bound For Glory e que consistiu numa viagem de carrinha de Joseph Park e Eric Young até San Diego (a cidade que acolheu o BFG). A TNA poderia filmar mais segmentos deste tipo, usando os lutadores fora da Impact Zone e porque não mostrá-los nas viagens para os shows, nos treinos, a passer tempo com as famílias…tudo isto sem comprometer a óbvia necessidade de privacidade e segurança dos seus atletas. Imaginem acompanhar um dia na vida de Dixie Carter ou ver como funciona uma reunião da equipa criativa. Esta ideia poderia trazer algo de diferente para a indústria, tal como a TNA fez com o TNA ReAction em 2010.

O que é igualmente interessante no comunicado official, é que a TNA parece estar a preparer a criação de um novo centro de treinos. Ou seja, o regresso à Impact Zone será usado como uma forma de estabilizar o quartel-general da organização e fortalecer a estrutura. A TNA tinha até então uma parceria com o OVW que servia de território de desenvolvimento aos talentos da TNA. Essa parceria foi terminada, pois a TNA pretende ter a sua própria academia em Orlando e essa é uma forma muito interessante de melhor o treino e o acompanhamento aos atletas, enquanto se criam novas oportunidade para esses talentos poderem igualmente se mostrar na nova iniciativa #IMPACT365. A verdade é que a Ohio Valley Wrestling nunca foi capaz de servir o seu verdadeiro propósito e talvez até nem tenha sido por culpa própria. Veja-se o caso de Crimson, que depois da falta de oportunidades no roster da TNA foi relegado para a OVW onde iniciou uma gimmick muito interessante – o Crimson’s Army – com forte inspiração militar. Contudo, exatamente na altura em que Crimson começou a ser novamente chamado ao roster principal da TNA, acabou por ser apanhado na onda de cortes orçamentais. Outro exemplo semelhante é Taelor Hendrix, que continua a impressionar no circuito independente, mas não recebeu uma séria oportunidade na TNA. Seja como for, esta parceria nunca deu à TNA os resultados esperados e a nova plataforma Impact365 pode ser o palco certo para desenvolver e mostrar futuros talentos, em contextos e situações muito diferentes dos habituais.

Por ultimo, há muito que a TNA reclama um segundo show no ar que basicamente se poderia traduzir em mais exposição para o seu produto. A ideia parece boa, mas infelizmente a Spike TV não permite que a TNA tenha conteúdos a serem transmitidos em qualquer outro canal (pelo menos dentro dos EUA), enquanto ao mesmo tempo não aposta em mais tempo de programação. A falta de compromisso da Spike TV pode ser contornada com esta nova iniciativa. A TNA pode muito bem usar os conteúdos online como uma espécie de segundo show e com algumas vantagens face à televisão. Desde logo é impossível perder um episódio online, dado que este está acessível 24 horas por dia, ao longo de todo o ano. Por outro lado, a obrigatória pausa para publicidade deixa de ser requisito, sendo que as receitas das visualizações de conteúdos podem ser uma interessante fonte de rendimentos para a TNA.

O mais inteligente desta iniciativa é que a TNA percebe claramente que a televisão já não é o único mercado disponível para a indústria do wrestling e os hábitos das pessoas estão a mudar. Provavelmente cada fã de wrestling passa mais tempo a assistir a vídeos no Youtube (mesmo que não sejam de wrestling) do que a assistir a televisão, verdade? Então porque não deslocar um show mais estruturado para as plataformas online?

Sabemos ainda pouco sobre este conceito e se há coisa que aprendi com as novas ideias da TNA é que nunca devemos ficar demasiado entusiasmados, pois geralmente são projectos que nunca atingem todo o seu potencial. Mas se a TNA jogar bem as suas cartas, teremos as múltiplas plataformas online a mostrar a acção dos house shows, a divulgar os lutadores em diferentes ambientes e situações e poderá ser uma forma diferente de contar uma história.

Para a semana irei trazer a segunda parte desta análise à actualidade da TNA e volto a lembrar que se quiserem ver algum tema abordado é uma questão de deixarem a vossa sugestão nos comentários.

Até ao próximo Impacto!

Sobre o Autor

- Colaborador do Wrestling.PT para os conteúdos da Total Nonstop Action!

4 Comentários

  1. Senshi - há 3 anos

    É questão de esperar para ver mas essa ideia dos 24/7, 365 dias por ano tem pinta de durar um mês…xD

  2. Roberto Barros - há 3 anos

    E esperar para ver se a TNA saberá aproveitar bem a ideia que parece ser interessante, na verdade com a saída de Hogan e Bischoff, talvez tenhamos um produto mais interessante, esperar para ver.

  3. José Sousa - há 3 anos

    Este conceito tem sido bem explorado pela TNA, e não é copia fazer o que a WWE também fez. Como dizes e muito bem é potenciar ao máximo as novas realidades de ver wrestling, que cada vez menos são as tradicionais.

    E as duas companhias começam a perceber que temos expectadores além da TV, e de compra de PPV´s como acontecia outrora. A internet veio mudar o jogo, e felizmente começa-se a perceber isso.

  4. MR Perfection André Santos - há 3 anos

    parece ser um conceito inovador.Vamos aguardar, porque realmente não é só a TV que pode promover e ganhar mais adeptos e por consequência mais receitas.
    Por isso vamos a isso TNA. Inovar pode ser o caminho para a diferença!

Comentar

Login com Facebook

Editar avatar »

Notificações por email:

Wrestling.PT © 2006-2016 / Política de Privacidade / Disclaimer / Sobre Nós / Contactos / RSS Feed / Desenvolvido por Luís Salvador