Junta-te ao nosso grupo de Facebook: "Fãs de Wrestling"!

Lariato #2 – Porquê tanto Tag Match?

O Lariato regressa para a sua 2ª edição, depois de uma bem sucedida estreia do espaço. Desta feita com um tema que pode ser uma dúvida de muitos de vocês em relação à New Japan Pro Wrestling, a “loucura” dos Tag Match.

Com excepção aos grandes shows como o Wrestle Kingdom ou o Dominion, estamos habituados a ver muitos dos shows da NJPW repletos de tag matches nos cards, não sendo sequer difícil de encontrar vários shows ao longo do ano cujos cards são apenas tag matches sem títulos em jogo (ainda que não se tratem de PPV’s.)

A maioria desses shows recheados de tag matches são os “Road To”, onde se pretende construir as feuds que culminarão no PPV que se segue. Por exemplo, na imagem abaixo está o card do “Road To Dominion” de 9 de Junho, 100% composto por tag matches sem qualquer título em jogo.

E este é um cenário que se repete várias vezes ao longo do ano, como disse anteriormente e faz muito parte do ADN da New Japan Pro Wrestling.

Mas afinal, porquê tanto Tag Match?

Os combates de Tag Team podem ter várias finalidades, seja a de guardar os combates individuais para os PPV’s, manter os talentos mais frescos, entre muitas outras. Vamos então a cada uma das vantagens deste modelo, explicando a sua razão:

Guardar os combates de singles para os PPV’s

Ao incluir duas pessoas que se vão enfrentar num PPV em diversos tag matches, a NJPW evita que se caia num “vazio” que pudesse obrigar a que os wrestlers em questão tivessem de se enfrentar várias vezes 1-on-1 antes da derradeira data, bem como esses tag matches pretendem poupar (e poupam de facto) esses talentos de combates de média ou longa duração, que podem levar a lesões. Tudo isto é válido para tag teams também. Isto acaba por ser um modelo sustentável dado que toda a gente na NJPW pertence a algum grupo, sendo relativamente fácil emparelhar os diferentes talentos.

Construção dos combates do PPV

Ao guardar os confrontos individuais, seja 1-on-1 ou em equipa (conforme o combate marcado para o PPV), consegue-se construir a rivalidade em questão de forma mais gradual tendo em vista o PPV. Por exemplo, o ano passado Kenny Omega e Kazuchika Okada encontraram-se diversas vezes em combates de tag team nos 2 meses anteriores ao derradeiro embate em Janeiro deste ano.

Na imagem abaixo é possível ver o exemplo do caminho que levou até ao Wrestling Dontaku deste ano, entre Bad Luck Fale e Kazuchika Okada pelo IWGP Heavyweight Championship. Combates de tag team não faltaram, com Bullet Club e CHAOS a colidirem como forma de construção do que viria por aí no passado dia 3 de Maio no Dontaku.

Wrestlers menos tempo em “acção”

Os tag matches acabam por obrigar a um menor tempo “activo” de cada wrestler no combate e portanto poupar fisicamente os atletas. Neste caso, quanto mais membros em cada equipa, mais em teoria se pode poupar cada participante. Se pegarmos num combate de por exemplo 15 minutos, facilmente se divide a acção por um tempo razoável para cada participante, mantendo a frescura física e potencialmente evitar lesões.

Tag matches são mais seguros

Quando vemos combates individuais ou até combates com estipulações noutras empresas, podemos facilmente assumir que para além da duração e do facto de se estar a dar algo que é de certa forma “um gostinho” do que vai ser apresentado no PPV, tag matches podem permitir períodos descanso onde se pode estar a vender “desgaste” do combate, bem como estão longe de terem a exigência física de um Street Fight, Tables ou Steel Cage match que muitas vezes fazem parte do “menu” de house shows da WWE, por exemplo. Tudo isto permite que os talentos cheguem mais frescos e aptos a darem o seu melhor no dia que mais importa.

Dão experiência aos Young Lions

Os “Young Lions”, no fundo os wrestlers em formação do dojo da New Japan, normalmente percorrem um longo caminho até terem “direito” à sua própria personagem e move-set. Despojados de qualquer individualidade como uma theme personalizada ou personagem definida, a única maneira de realmente sobressaírem é mostrarem o seu valor e o seu crescimento enquanto atletas no ringue. Apesar de quase sempre saírem derrotados nos combates onde estão envolvidos, os Young Lions conseguem através de diversos tag matches ter a oportunidade de lutar ao lado e contra várias caras da NJPW, desde os mais veteranos como Jushin Thunder Liger ou Yuji Nagata, aos principais nomes como Hiroshi Tanahashi e confrontos com grupos já estabelecidos como os Suzuki-gun ou o Bullet Club. Isto pode acontecer tanto em house shows como pre-shows dos PPV’s, bem como os shows “Lions Gate”, shows dedicados em exclusivo ao destaque nos Young Lions.

Construção lenta de futuras rivalidades ou mudanças em grupos

Esta é uma categoria onde podem cair futuras rivalidades dentro de grupos ou entre grupos. Ou seja, muito se fala, por exemplo, das tensões dentro do Bullet Club e como tag matches são por vezes os primeiros passos onde se dá a entender aos fãs que algo pode acontecer no futuro. Pode também servir para fazer deliberadamente dois talentos interagirem, de modo a deixar no ar a ideia de que apesar de não se enfrentarem naquela altura, é algo que pode gerar interesse futuro. Ainda este ano, uma tensão entre Kenny Omega e Adam Cole deu início a todo um filme que acabou com a saída do ex-ROH World Champion do grupo. O mesmo tipo de tensão parece agora iniciar-se entre Omega e Tama Tonga.

Podem servir como oportunidade para desafiar um campeão

Uma vitória num tag match de um wrestler sobre um campeão pode facilmente garantir-lhe uma oportunidade pelo título mais tarde, pelo que nunca é de descartar podermos assistir a um novo adversário para um qualquer campeão a chegar-se à frente por via de uma vitória num combate de tag team. Juice Robinson assegurou o direito de desafiar pelo IWGP Intercontinental Champion, na altura em posse de Tetsuya Naito, depois de o ter derrotado num tag match em Abril no Sakura Genesis.

Dito isto, os tag matches podem parecer aborrecidos à partida quando se olha para um card mas têm imensos pontos positivos, tal como podem surpreender com o ritmo a aumentar rapidamente a qualquer altura e termos corpos espalhados por todo o lado. É nitidamente uma forma diferente de proteger e construir talentos e rivalidades, bem como de dar experiência a quem está ainda a aprender e a dar provas à empresa da sua evolução.

Ficam então algumas perguntas finais para os comentários ao artigo:

  • Concordas com o modelo de apostar em tag matches para construir feuds?
  • Os Young Lions beneficiam em termos de experiência mais de tag matches ou de combates individuais?
  • Será demasiado “monótono” apostar tanto em tag matches na altura de chamar interesse para um show?

Espero que tenha sido informativo e que tenha esclarecido algumas dúvidas a quem já assista ou até a quem só veja vídeos de “melhores momentos” e não esteja seguro sobre se deve começar a acompanhar mais o produto.

Caso desejes contribuir para o espaço mais directamente, podes ainda deixar sugestões para próximos temas a abordar nos comentários e caso o tema seja utilizado terás uma menção no início do artigo. Obrigado por leres e até ao próximo Lariato!

Artigo anterior: Lariato #1 – O menos especial do G1 Special in USA

Podes seguir ainda o Canto New Japan, podcast semanal onde neste momento se fala do G1 Climax.

Sobre o Autor

Foto de perfil de Facebook
- Autor do podcast Canto New Japan.

5 Comentários

  1. RFBM - há 3 semanas

    Excelente artigo Miguel, sem nada mesmo com que discordar, penso que disseste tudo em relação ao estilo da NJPW de construir combates, estilo esse com o qual concordo a 100% e que permite a nós enquanto fãs desfrutar-mos dos combates mais importantes, porque raramente os vemos, dando-lhes um toque especial.

    E tal como referiste, permite ao lutadores repousarem para os grandes combates, o que explica muito o porquê de os combates na NJPW serão tão bons, se calhar porque os lutadores estão mais frescos e dão tudo porque sabem que poderão repousar até ao próximo grande combate que tiverem.

    • Foto de perfil de Facebook

      Miguel Gonçaves - há 3 semanas

      Obrigado pelo comentário!

      A maioria das pessoas muitas vezes fica “de pé atrás” quando vê só tag matches e acha que vai ter um show aborrecido pela frente. Sinceramente, é raro o caso em que um show desses é realmente desinteressante.

      Claro que nem sempre podemos aplicar a fórmula de forma tão eficaz, quando por exemplo no G1 os combates de singles são praticamente dia sim, dia não, mas sempre é melhor que um “overkill” de singles matches todos os dias.

      Lembro-me de ver pelo Twitter aí há coisa de um mês um quadro estatístico dos combates de toda a gente da NJPW até essa altura e era notório que os “top guys” pouco combatiam em combates individuais, uma vez mais acentuando a questão da frescura física.

  2. KILL OWENS KILL - há 3 semanas

    Finalmente voltou com os artigos hein 😀 Artigo muito bom.

    As Tag matches são um problema mesmo pra mim com a NJPW, concordo com muito das coisas que você disse, porém acho que a empresa abusa MUITO desse recurso. Em todo show em tag match, tag match, tag match, até no G1 temos que aguentar isso. Chega uma hora que cansa né, mano. Eu acho que há outras maneiras de desenvolver as características dos lutadores, não me entendam mal, gosto das lutas de duplas até certo ponto, só que na minha visão é uma baita preguiça dos bookers da New Japan só apelarem pra esse recurso para dar hype às lutas principais.

    Por fim, tenho pena por Omega VS Cole, a dream match do cenário indy que pelo visto nunca acontecerá.

    • Foto de perfil de Facebook

      Miguel Gonçaves - há 2 semanas

      Voltei e para a semana sai mais um!

      Os tag matches para mim normalmente têm sempre alguma finalidade e os que não me derem mesmo qualquer interesse acabo por passar à frente se não estiver a ver em directo. Mas como eu sigo tudo desde os Young Lions ao pessoal mais veterano como o Kojima, Nagata e Liger, acabo por ver sempre quase tudo.

      Eu acho que apostar tanto nos tag matches acaba por dar mais camadas às histórias e permite desenvolver mais gradualmente as personagens. Evita também a exposição excessiva dos talentos, algo que para mim é um problema na WWE.

      Omega vs Cole se acontecer, infelizmente, não será mesmo na NJPW ou no circuito independente. Gostava de ter visto o Cole a adiar um pouco a ida para a WWE e ter um combate com o Kenny Omega pelo novo IWGP US Championship, mas é assim a vida. Por outro lado, não me admirava mais tarde ou mais cedo haver Omega vs Cody ou Omega vs Tama Tonga.

      Obrigado pelo comentário!

Comentar

Login com Facebook

Editar avatar »

Newsletter Wrestling.PT

Subscreve a nossa Newsletter receberás conteúdos exclusivos no teu email!