Existem 2 vagas na Equipa do Wrestling PT para publicar notícias. Contacta-nos!

Long Horn Peep Show #42 – Contratações de 2013

Concretizando aquilo que indiquei na semana passada, esta edição tem exatamente o mesmo formato que a última edição do ano passado. Este ano é numa casa diferente, por isso, para muitos de vós é a primeira vez. Para quem já acompanha, e tiro-lhes o chapéu, este espaço desde a altura em que deu os seus primeiros passos, então estarão recordados do que irei falar hoje.

Tendo em conta que só nos voltamos a ver em 2014, nada melhor do que eleger os dois melhores lutadores com mais potencial para o ano que esta aí à porta, entre todos que se estrearam no plantel principal da WWE em 2013. Os dois melhores lutadores são basicamente aqueles para os quais prevejo maior capacidade para se aguentarem a longo prazo nesta modalidade, ou seja, aqueles que irão ter mais futuro na companhia.

Em 2012, os dois nomes que apontei para 2013 não só ainda estão na WWE, como um deles esteve quase a tornar-se Campeão Mundial caso não tivesse sido cometido um atentado que tanta tinta fez correr. O outro não atingiu um nível tão alto, mas dentro do ringue saltou à vista por diversas vezes, embora tenha atravessado um período muito negativo onde pareceu que ia desaparecer do mapa. Deixo o desafio aos meus peeps de adivinharem os lutadores que falei por esta altura do ano passado.

Para quem segue este espaço regularmente, não será novidade quem irei eleger como dois talentos para o presente e futuro da WWE e como boas apostas para 2014. O primeiro cativou-me desde o dia da sua estreia em Março deste ano e nem foi preciso lutar para o fazer. Por algum motivo gostamos tanto da WWE e não é só pelo que vemos dentro de ringue. É pelo espetáculo, pelo glamour, pelo… Entretenimento.

Ora, este senhor já garantiu entretenimento por vários motivos e de variadas formas ao dito WWE Universe, sendo que só passado mais de um mês da primeira vez que apareceu em televisão no SmackDown é que teve o seu tão aguardado primeiro combate. Falo obviamente do mestre da dança, Fan… dan… go!

O momento alto deste lutador foi curiosamente no Raw a seguir à noite da sua vitória contra Jericho na passada WrestleMania, onde a multidão cheia de britânicos entusiastas cantou e dançou ao som do tema de entrada de Fandango, antes, durante e após o seu segmento, bem como no final do espetáculo. De facto, o tema de Fandango tornou-se uma sensação do Itunes, tendo pouco tempo depois chegado a ocupar o lugar nº 11 do UK chart. Assim surgiu a “Fandango Revolution” e o movimento denominado por “Fandangoeing” que perdura até aos dias de hoje.

Desde então Fandango esteve envolvido numa rivalidade com Miz, sofreu uma lesão que lhe retirou uma oportunidade pelo Intercontinental Championship e que viria a ser aproveitada ao máximo pelo seu substituto, Curtis Axel. No Raw desta semana Fandango conquistou finalmente a oportunidade que nunca teve por esse título, ao derrotar Dolph Ziggler. Claro que será apenas uma nova vítima de Big-E Langston, mas é importante que Fandango comece a ser visto como material para título secundário.

Isto, porque já merece há muito o reconhecimento do seu belo trabalho. Já foi abordado aqui o quanto difícil é de desempenhar aquela gimmick e o quanto ele tem brilhado desde que se estreou, nos mais diversos segmentos em que esteve envolvido. Vince, nos seus sonhos mais loucos, nunca imaginou que ele tivesse tanto sucesso como o que obteve.

Após ter encontrado em Summer Rae a parceira perfeita para a sua entrada e de ter visto o seu tempo ao microfone ter sido reduzido, Fandango não teve alternativa a não ser deixar as suas performances falarem por ele. Felizmente fez o seu trabalho e fê-lo exemplarmente, como cada manobra e cada passo que dá. Tudo que vemos semana após semana dele, parece treinado até à exaustão e isso é o que leva a que a sua personagem seja tão bem-conseguida.

Claro que ser constantemente bookado para enfrentar nomes como Kofi, Brodus e outros que tais, tendo a derrota como final comum não ajuda. Nesse sentido, a vitória contra Ziggler e o facto de ser Number One Contender pelo Intercontinental Championship dão-lhe uma energia renovada no quanto ele deve ser levado a sério.

Porém, o papel dele não é ser levado a sério. Realisticamente falando, ninguém olha para Fandango da mesma forma que olha para Ambrose ou Reigns: futuros Campeões Mundiais. É natural que assim seja. A questão é que a WWE, como ela está montada no presente e como está a ser construída para o futuro, irá sempre necessitar de alguém que possa fazer segmentos de dança e possa estar envolvido em outros atos de comédia. Digamos que tal é visto como… O melhor para o negócio.

Precisamente seguindo esta lógica Fandango e claro a bela Mrs. Fandango formam uma dupla que vende e irá continuar a vender muito para a WWE. Enquanto quando vemos nomes como Tons of Funk, The Great Khali, Santino, imediatamente pensamos que o que vem aí é apenas para rir, Fandango deixa-nos sempre na expetativa do que irá fazer. Esse fator surpresa é uma caraterística única da sua personagem, que certamente lhe irá ser muito útil no seu futuro dentro da WWE, caso seja devidamente preservada.

Eu próprio, embora assumido fã de Fandango, não olho para ele como um futuro campeão mundial. Nem sequer considero que ele deveria se tornar Intercontinental Champion, porque aquele título representa muito mais do que o valor que lhe atribuem. Resta-me agradecer a Cody Rhodes por ter feito um trabalho de recuperação do seu prestígio tão formidável, mesmo com uma interrupção de Big Show pelo meio, pois sente-se muito a diferença desse reinado para a atualidade.

Lamentavelmente, a verdade é que a WWE não sabe dar ao Intercontinental Championship a sua devida utilização. Até escolhem bem os Campeões (Barrett e Axel são dois grandes exemplos disso mesmo), mas acabam sempre por borrar a pintura seja com reinados ridículos pelo meio (Miz), seja com rivalidades sem sentido e/ou completamente desgastadas (Kofi).

No entanto, vejo Fandango como um mais que provável e merecedor candidato ao United States Championship em 2014. Por tudo o que fez neste ano, mesmo sem estar envolvido em nenhuma grande rivalidade, conseguiu se afirmar por completo ao ponto de ter presença constante no programa de cada episódio do Raw. Especialmente numa altura em que o US Championship não passa de um mero acessório para Ambrose – não me recordo da última vez que defendeu o título e o combate não terminou por DQ – o nome de Fandango não pode deixar de ser visto como um dos mais prováveis candidatos a US Champion em 2014.

O futuro dirá o quão longe poderá ir este lutador, com esta gimmick, mas confesso que estou curioso para ver o que lhe irá acontecer quando “abandonar a dança”, caso tal aconteça. Armas para ter sucesso não lhe faltam: tem o look, tem carisma, é extremamente ágil e habilidoso dentro do ringue (provavelmente o mais ágil do plantel a par de Rollins) e tem uma forma de combater particularmente elegante, tal como a sua personagem, que lhe é e vai continuar a ser muito útil na arte do storytelling.

Com ou sem Summer Rae, como Fandango ou Johnny Curtis, como low mid-carder ou main-eventer, este lutador tem qualquer coisa de especial. Acredito que ele vai ter muito sucesso a longo prazo, nem que seja na “mera” arte da comédia. Nem todos podem ser WWE Champion e Fandango, à semelhança de outros apaixonados por wrestling como Heath Slater, é um nome em quem aposto para 2014 e mais alguns anos.

Como grande contratação de 2013, como meu vencedor de “Rookie of The Year”, temos um nome que está longe de ser unânime. Está longe de ser uma atração, bem pelo contrário: é uma espécie de patinho feio entre os fãs. Uma espécie de ovelha negra, devido ao mau booking que foi vítima, aos efeitos negativos de uma grande rivalidade e de ter o pior parceiro tag-team possível à face da Terra.

Depois de um vencedor erudito em 2012, o vencedor de 2013 para Contratação do Ano por parte da WWE, right here in Long Horn Peep Show, é um vencedor simplesmente perfeito. Refiro-me a Curtis Axel, que é apontado por muita gente como uma aposta falhada de Paul Heyman. Caso ele se venha realmente a  perder, ninguém poderá culpar nem o lutador nem Heyman por esse falhanço, a não ser mesmo a WWE: que adianta teres um grande jovem jogador se o treinador aposta sempre nos mesmos?

Embora tenha noção das suas limitações no que diz respeito ao seu carisma, do trabalho que necessita ao microfone e mesmo quanto à (in)definição da sua personalidade, Axel é aos meus olhos um verdadeiro main event playa. Para tal, convém continuar a desenvolver outros aspetos do seu jogo, como alargar o seu porte físico. Estou curioso para ver o quanto ele pode ou não evoluir fisicamente, porque parece-me que ele não é daqueles que tem paixão pelo ginásio.

Axel é simplesmente aquele wrestler no sentido mais tradicional da palavra, pelo que deveria ter o devido aproveitamento, algo em que a WWE não é propriamente mestre e a prova disso são os vários lutadores com enorme potencial que estão a ser mal utilizados e correm o risco de vir a dar em nada, quando podiam ser estrelas e grandes fontes de entretenimento, leia-se rendimento. Axel é um desses casos. Para além da sua one million bucks catchphrase (Better than Perfect) que está a ser terrivelmente utilizada para vender t-shirts que ninguém vai comprar porque o lutador não está over nem sequer a diz ao microfone, Curtis tem um apelido que também dá várias ideias.

Tal como o que acontecia com Triple H e a sua sledgehammer, Axel também poderia ter o mesmo tipo de ligação com uma arma que se assemelhasse a um machado (ax em inglês) ou a qualquer outra arma típica de um durão e que lhe dê fama. No promo da Rumble deste ano Axel disse algo que contribuiu mais positivamente para a sua personagem do que tudo que fez desde que terminou a ligação com Heyman e se alinhou com Ryback: “Are you into… Hardcore?”.

A conotação da frase e do sentido em que foi proferida é evidente, mas o objetivo foi associar o lutador ao estilo de luta hardcore. Não se podia ter feito melhor associação. De repente passam-me pela cabeça mil e uma rivalidades que podiam acontecer com Axel, para que este construísse a sua reputação e fizesse um nome por ele. Em primeiro lugar, terminar a sua parceria e trair Ryback com a sua nova arma de eleição. Sair por cima da situação e vencer Ryback, que ficaria de novo como face. De seguida, colocar Axel numa rivalidade há moda antiga contra alguém como Sheamus, com muita agressividade e uma série de combates com que terminasse numa vitória num combate hardcore para Curtis.

A questão é que esta não passa de uma mera ideia de utilização para este lutador que tem muito para oferecer, mas ninguém sabe como extrair o melhor dele. Acabam sempre por deixar morrer por completo o ímpeto, até que o lutador desaparece do mapa e quando volta é para tocar sinos e estar na rua a recolher fundos. Valha-me Nossa Senhora Sir Barrett…

Quanto a Axel, esta minha escolha baseia-se naquilo que ele demonstrou desde que foi adotado por um dos melhores managers da história desta modalidade e conquistou o Intercontinental Championship, que defendeu com categoria nos primeiros tempos. Depois veio a rivalidade CM Punk vs Paul Heyman que demoliu por completo tudo de bom que tinha sido construído e alcançado com este lutador.

Eu acredito que 2014 será o ano de afirmação definitiva de Curtis Axel ao mais alto nível, simplesmente porque deposito nele uma grande confiança. Posso estar redondamente enganado, mas este é daqueles casos clássicos que vai dar um gosto especial quando o vir a triunfar no topo da montanha. Até lá, termina o ano com o reconhecimento deste espaço.

Obviamente que quando se compara o ano de estreia de Fandango ou mesmo de Axel com o de outros como de Big-E Langston, muitos terão tendência a escolher o atual Intercontinental Champion. Contudo, não consigo ver utilidade para Big-E a longo prazo. Não vejo carisma nele, não tem o look que tem Reigns, não tem mic-skills, não tem personalidade, não tem uma personagem minimamente interessante, não tem absolutamente nada que me leve a dizer que é “bom nisto” ou “faz bem aquilo”, a não ser mesmo um físico que deixa Paul Levesque e Vince McMahon de acordo. De resto, não vejo uma ponta de talento nele.

Aliás, a única coisa que vejo em que Big-E é deveras muito bom, para além de fazer amigos poderosos, trata-se de bodybuilding. Por isso, vejo-o somente como uma versão mais aceitável de Ryback e, como tal, tem prazo de validade definido, por muito grande que seja o push. Efetivamente, não é nada menos do que espantoso como Ryback ainda tem contrato com a WWE e aparece regularmente em TV. O nosso Snitsky da PG Era.

Para além de Big-E, nomes como os três elementos da Wyatt Family, RVD, Goldust, Xavier Woods também entram para a lista de contratações de 2013 da WWE. Goldust foi prontamente excluído não por falta de qualidade, mas por ser uma contratação a curto-prazo, tal como RVD, cujo auge da carreira já passou. Xavier Woods francamente não me cativou sequer para o levar em consideração e o único nome que esteve em dúvida para o lugar de Fandango foi o do líder da Wyatt Family, Bray Wyatt. Todavia, pareceu-me injusto destacar o líder de toda uma stable, por muito claro que seja que é o único com futuro dos três, da mesma forma que os Shield (outra stable) também foram riscados desta lista de contratações, já que se estrearam a combater no final do ano anterior e teriam roubado todos os prémios desta área destinada às melhores contratações.

Não se esqueçam de tentar adivinhar quem foram os dois escolhidos do ano passado, nem de deixar sugestões para que em 2014 o Long Horn Peep Show possa continuar a evoluir cada vez mais e que vá de encontro ao vosso agrado. Despeço-me na esperança que tenham passado um grande Natal e com votos de Boas Entradas para todos os meus leais peeps. Saudações carismáticas até 2014!

Sobre o Autor

- Já escrevi no espaço “Long Horn Peep Show”. Atualmente publico notícias, sou moderador do chat e ajudo no que puder o WPT a ficar cada vez melhor.

25 Comentários

  1. MR Perfection André Santos - há 3 anos

    Gostei muito do artigo Ricardo.Sinceramente não me lembro dos nomes, podia “rebobinar” a tua rubrica no tempo, mas vou acho que um deles foi Roman Reigns…

    Fiquei contente em saber que partilhas comigo a opinião acerca do Intercontinental Title e do seu valor.As tuas escolhas para o futuro ou contratações, como mencionas, deixa-me com uma “pulga atrás da orelha”.Vejo que temos algo em comum…gostamos de wrestlers que mostram trabalho e dedicação e Fandango e Axel são prova disso, mesmo quando o “booking” não lhes é favoravel.

    Em relação a Fandango acredito num USA title como tu também mencionas, já que o “mesmo de sempre” Big E, parece estar a ter toda atenção…ou será que os pops são editados…

    Axel…gostava de ter a tua opinião.Sinceramente receio que vai ser o Jobber do ano, e já começou…perdendo para Sin Cara(Hunico), lutador esse que o venceu umas 23334445565 vezes quando era campeão I.C.

    Um bom ano para ti e para os teus!

    • Ricardo Silva - há 3 anos

      André é bom ver que estás de volta aos comentários deste espaço, já fazia algum tempo :)

      É natural que não saibas, porque foi noutra casa. O primeiro LHPS aqui no Universo do WPT só aconteceu em 28 de Fevereiro de 2013.

      Os pops só são editados no Friday Nisse fella, de resto ouve-se pouco ou nenhum pop para o Big-E à semelhança da quantidade de talento que ele (não) tem.

      Um abraço e bom 2014.

  2. Catchphrase - há 3 anos

    Bom artigo!
    Ricardo,posso te fazer uma pergunta qual e o teu wrestler favorito (de sempre ou de agora).

    • Ricardo Silva - há 3 anos

      É sempre uma missão complicada responder a essa pergunta, porque tenho vários favoritos. Dito isto, o meu favorito de sempre é e será sempre o JBL.

  3. The Mentalist - há 3 anos

    Antonio Cesaro e Damien Sandow ?

    Sobre os dois que você citou no artigo, no Fandango eu ainda vejo alguma coisa. Agora, o Curtis Axel é muito boring e mesmo com o Heyman ao lado dele, não conseguiu me despertar interesse.

    • Ricardo Silva - há 3 anos

      Foram mesmo esses The Mentalist, Cesaro e Sandow, acertaste em cheio :)

      • The Mentalist - há 3 anos

        Bom … deduzi de acordo com as dicas que você deu e como já comentei em outra edição do Long Horn Peep Show a cada edição você melhora e com certeza esse é o melhor espaço do Universo

  4. Rubinho16@ - há 3 anos

    Epáh, isto vai sair “abixanado” como o caraças, mas acordo mais cedo todas as sextas para ler esta Bíblia xD

    É, para mim, o melhor espaço do Universo e mereçes sem dúvida a transferência. Parabéns!

    Quanto ao artigo, sempre fui fã de Fandango. Acho-o simplesmente brutal. Penso que caso esta gimmick não seja para ficar, deve aproveitar enquanto a tem para treinar o mic work, já que a sua personagem não o pede em demasia, e quando mudar para uma personagem mais ativa ao microfone já se sente mais à vontade!

    Quanto ao Axel, não lhe reconheço a mesma admiração do que tu, mas posso dizer que também gosto dele e penso que, à semelhança do Lesnar e do Cesaro, mais tarde ou mais cedo vai começar a impressionar com as suas perfomnces em ringue! O teu booking como o Axel a usar o “ax” (xD) está brilhante!

    • Ricardo Silva - há 3 anos

      Não é “abixanado” nada, é bonito de se ler! Todos deviam seguir o teu exemplo! eheh #Respect

      Engraçado como acordas mais cedo todas as sextas e o teu comment foi só às 14h20, dormes muito ahah xD

      Quanto ao resto, muito obrigado por todos os elogios, são o meu melhor pagamento possível. Conto contigo para continuares a marcar presença regular neste espaço!

      • Rubinho16@ - há 3 anos

        Epáh apanhaste-me! Não tou a gozar, apesar de comentar de tarde, lei os artigos todos de manhã, só deixo o Smack para a tarde e os respetivos comments.

        Por falar em pagamentos, bom mesmo bom era comentares o Shattered Dreams, já que a edição de hoje foi possivelmente a última ….

  5. Luiz Opportunist - há 3 anos

    Excelente artigo Ricardo ja acompanhava teu artigo de outro sitio e tambem continua a fazer um bom trabalho aqui no WPT.

    Sobre o artigo concordo com a parte do Fandango acho ele muito bom sendo que e na minha opiniao dos poucos heels do Mid Card que ainda pode puxar o publico tanto como heel ou ate num possivel face turn.

    Com o Axel acho que deveria ter sido melhor aproveitado e valorizado porque com a feud do Heyman eo Punk ele virou um Jobber do Punk e isso o desvalorizou demais e agora deve voltar a ser o antigo McGillicutty.

    Por fim acho que e bom saber q divide da mesma opiniao que eu sobre o Big E o mesmo e um zero total e tudo e pena ve lo com IC Title que tu escutem e seja so um Push momentaneo.

    Feliz ano novo pra voce.

  6. JoãoRkNO - há 3 anos

    Excelente artigo Ricardo. Apesar de não ser um leitor assíduo deste espaço, é de louvar os teus 42 artigos, uma boa marca com um bom futuro. Um feliz 2014.

  7. danielLP21 - há 3 anos

    Excelente artigo Ricardo.

    Acho que o Fandango e o Curtis Axel nunca vão passar do “mid-card” ou, até, do “low-card”…

  8. Diogo7 - há 3 anos

    Excelente artigo Ricardo.

    O Fandango é bom “wrestler”. Tem boas “ring-skills”, é bastante carismático e é decente no “mic”. No último campo, ele ainda poderá melhorar bastante, se mudar de personagem, já que com esta “gimmick” não é necessário falar muito ao microfone. Penso que teve um 2013 razoável, e se não fosse a sua lesão poderia ter sido IC Champion no Payback. Vai ter essa oportunidade na próxima Segunda, mas o mais certo é que perca para o Big E (infelizmente). Em 2014 poderá ter um melhor ano com um possível “face turn” e uma conquista do US/IC Championship.

    Quanto ao Curtis Axel, não concordo muito contigo. Ele é bom no ringue, mas no resto é zero, na minha opinião. O Axel não tem ponta de carisma e é muito fraquinho no microfone. Foi IC Champion e até teve 1 ou 2 meses de bom reinado, mas com a rivalidade entre o Heyman e o Punk, ficou um bocado perdido até que perdeu o Título para o Big E, que ainda pior que ele. Neste final de ano está numa Tag Team com o Ryback e até tiveram uma vitória contra os campeões, mas não parece que sejam Tag Champs. Vamos ver o que lhe reserva para 2014, nos primeiros meses deve continuar em Tag com Ryback, depois deve acontecer a separação com uma rivalidade entre eles, ou então não.

    Bom 2014 para ti também Ricardo. ;)

  9. FAlmeida_10 - há 3 anos

    Bom artigo Ricardo. Acho que desta vez apostaste em dois nomes que sinceramente não iram MUITO longe nas carreiras na minha opinião.

    Curtis Axel – O Axel não tem interesse nenhum, é completamente banal e não tem nada que o distinga dos outros, é mais um lutador simplesmente, mas verdade seja dita, a WWE nunca lhe deu nada para criar interesse e se diferenciar dos outros (nunca lhe deram uma Gimmick, ou mesmo um tal objeto carateristico como deram em outros tempo a outros lutadores, nem uma catchphrase). Meteram-lhe o Paul Heyman ao lado, mas o Paul Heyman não ia fazer tudo por ele. Não correspondeu em carisma. Não o vejo a ter um 2014 tão bom como o pintaste. Ninguém questiona as qualidades em ringue que tem, mas qualidades em ring só, não são todos os ingredientes para vingar na WWE. A única solução era a WWE dar lhe mesmo algo para ver como se safava e ver se realmente se aguentava, se é para continuar assim, o futuro não será tão bom como diseste

    O Fandango não é um Main Event Playa, mas é um bom enterteiner, é bastante competente em ring e o carisma advem da gimmick, mas não irá longe porque a gimmick nunca será levada a sério pelos fãs. Gostei de teres referido o tal fator surpresa que a personagem tem e o trabalho que lhe é dado. Futuro? Uma Tag Team com o Aiden English em que um canta e o outro dan… Não agora a sério, Pode conseguir um título de MidCard neste ano, mas não é Main Event Playa como tu referiste. Mas pode ser o gajo que está lá para valorizar os outros e subir uma vez ou outra a uma conquista de midcard, até porque as ring skills dele o permitem.

    • Ricardo Silva - há 3 anos

      Só para corrigir o teu raciocínio, o que eu disse foi “Axel é aos meus olhos um verdadeiro main event playa.” e não o Fandango.

      Cá estaremos para o ano que vem ;)

      • FAlmeida_10 - há 3 anos

        Sim eu entendi, eu quando disse “mas não é Main Event Playa como tu referiste” estava a concordar contigo, não a discordar xD.

        Um bom Ano novo para ti e para os teus Ricardo!

  10. Eugen3 - há 3 anos

    Eu até gosto do Fandango e penso que ele tem capacidades para ser um bom campeão, não por muito tempo óbvio.
    Creio que se ele não se tivesse lesionado, já poderia ter sido, e quem sabe ser, o Intercontinental Champion.
    Ele é capaz de proporcionar bons combates e sabe vender. É quase um Ziggler mas menos Show-Off e mais dançarino.
    Quanto ao Axel por mais talento que ele tenha tecnicamente só isso não chega, falta a comunicação com o público.

  11. Diogo_67 - há 3 anos

    Finalmente alguém que tem a mesma opinião que a minha em relação ao Curtis Axel. Acho que as mic skills podem ser melhoradas, ao contrário das ring skills que já não é tão fácil. Por isso o Axel como excelente wrestler que é, só necessita de melhorar as suas mic skills para ser um wrestler completo. Para mim este aspecto impede, não só o Axel, mas também o Tyson Kidd de virem a ser main-eventers.

    http://25.media.tumblr.com/a5988c1a29466704f1ba474246f21899/tumblr_msn6r13Cr71red1qio6_400.jpg

    http://www.wwe.com/f/styles/photo_large/public/photo/image/2010/07/15056880.jpg

    • danielLP21 - há 3 anos

      Há quem goste muito do Curtis Axel mas que, ao mesmo tempo, é da opinião que ele nunca vai passar disto porque a WWE não o permitirá. Não é por se dizer que ele não vai sair do “mid-card” que se deixa de considerá-lo muito bom. Mas sim, ele tem alguns “haters”.

  12. Dolph Ziggler - há 3 anos

    Bom artigo Ricardo. Acredito que tanto o fandango como o Axel não vão passar disto. Ou seja, acho que o Fandango vai continuar sem uma direção certa na WWE e o Axel por sua vez acredito que vai descer ainda mais do card.

  13. MicaelDuarte - há 3 anos

    Excelente artigo Ricardo.

  14. damv - há 3 anos

    Bom artigo Ricardo. Eu pessoalmente não tenho grande afeição pelo Fandango, ou o Axel. Pá ambos tem capacidade para se estabelecerem bem no mid card, mas dai nao vao sair, s gajos como o barret andam nas ruas da amargura entao estes dois, coitadinhos. Mas ambos vao ter futuro se nao for aqui, pode ser k as coisas melhorem pros lados da TNA, e dai s torne vantajoso a estes se mudarem para essa identidade. Pá mas a mim o gajo k me surpreendeu este ano, mais propriamente o final de ano foi o novo Sin Cara/Hunico. Pá a meu ver este jovem, inserido nesta personagem, poderá um dia chegar aos calcanhares do Rey, pois convêm que a WWE tenha um gajo mascarado no seu roster. O meu interesse nele é devido também a ter enterrado um o bocado o fala barato do Del Rio. Calou bem calado e ponto final. Abraços meus colegas, e continuação de um bom trabalho.

  15. Bad News Barrett - há 3 anos

    Estou totalmente de acordo em relação ao Fandango!! Mas nao podia discordar mais no que diz respeito ao Axel!! Tal como acima sao referidos todos e cada um dos pontos negativos do Big E de todos eles Axel só nao tem um em comum que sao as ring-skills!! Aí Axel é bom mas que faz mais ele de resto? Nao tem o look necessário e até menos do que Big E a meu ver, é pessimo no micro, nao tem carisma absolutamente nenhum, nao entertem, nao é minimamente interessante e acho que só com o Heyman é que o conseguiu ser minimamente!!

    Nao vejo o Big E com sucesso neste momento (longe disso) mas acho que devidamente trabalhado poderia oferecer-nos a longo prazo algo bem mais interessante que Axel, até porque no NxT o Big E recebe grande apoio e talvez aproveitar essa gimmick ao maximo fosse importante para ele e o alavancasse definitivamente a um grande rumo na wwe!! Quanto ao Axel nao vejo nada para ele, é um superstars do qual nao gosto minimamente (acho que só gosto menos do Ryback do que dele actualmente!!) e claro espero que nao continua no meu ecra!!

    Quanto ao Fandango para mim ele sim foi a contratação do ano por tudo o que representa, pelos seus excelentes combates, porque entretem, porque é interessante, sabe proporcionar bons segmentos e sabe falar como deve de ser, é carismático… ou seja tem praticamente tudo e muita margem de manobra!! Lembro-me que no ano passado dizia-se que o Bryan com a gimmick que tinha altura nao seria levado a serio no main-event… ora a mesma situação acontece com o Fandango que apenas deve tornar-se mais sério a meu ver e tem tudo para a pouco e pouco ir mostrando o seu valor, o que espero que aconteça!!

Comentar

Login com Facebook

Editar avatar »

Notificações por email:

Wrestling.PT © 2006-2016 / Política de Privacidade / Disclaimer / Sobre Nós / Contactos / RSS Feed / Desenvolvido por Luís Salvador