Onde Andas Tu? #31 – Crimson

Isto hoje, supostamente era para ser uma sessão dupla de “Onde Andas Tu?”, mas para ser sincero comigo mesmo, e até com vocês, este senhor surpreendeu-me tanto que vou deixa-lo brilhar sozinho. Não se esqueçam de deixar a vossa sugestão do wrestler que querem ver aqui na próxima edição.

Be kind to one another,

joaop

Domingo, o dia do Senhor para alguns, o dia da rubrica dos desaparecidos para outros.

Hoje, teremos a junção destes dois dilemas, o vosso senhor a ressuscitar um desaparecido, modéstia á parte é claro.

Em sentido camaradas.

Daqui fala o vosso pseudo-cronista que nunca escreveu qualquer tipo de crónica, chamado de JoãoRkNO.

Desde já agradeço esta oportunidade de falar da vida alheia, mais propriamente da vida de uma das minhas superstars favoritas, de nome Tommy Mercer.

Pronto, vou deixar de me armar, please stand up for your former TNA Superstar, Crimson.

Nascido em 21 de Fevereiro de 1985, Tommy Mercer começou como a maioria dos wrestlers, escola, equipa de futebol, graduação. Após ingressar no exército, e tendo duas breves aventuras pelo Iraque, Mercer decidiu dar outro rumo á sua vida.

Pensando bem quem não daria, numa altura que os corpos dos soldados americanos vinham empacotados com as caixas de mini´s, e sem dúvida que a decisão não poderia ter sido melhor.

Estreando-se em ringue no ano de 2007 na escola NWA Main Event, teve como treinador Jeff Daniels, no qual teria a sua primeira verdadeira rivalidade com o mesmo no ano de 2009. Neste período de dois anos trabalhou para várias promoções independentes na zona Nashville, Tennessee. No mesmo ano, teve uma esporádica aparição num evento da nossa tão conhecida ROH, num six–way pre-show match, no qual não sairia vencedor.

Antes de se estrear pela TNA, Mercer teve uma breve passagem pela Show-time All-Star Wrestling , onde regressaria em 2011 e 2013 para algumas aparições.

No final do ano de 2010, Crimson teve duas tryout´s  dark match´s, a primeira perdendo contra Jay Lethal, e a segunda derrotando Stevie Richards. Em meados de Dezembro do mesmo ano recebeu o melhor presente de Natal que alguém poderia receber. Angelina Jolie, uma moradia de luxo e uns quantos milhões de dólares.Ups, estava a pensar na minha prenda de Natal, desculpem tal erro.

Continuando, recebeu o que qualquer wrestler ambiciona, um contrato vindo de uma empresa de topo, algo que com a sua idade não era muito frequente.

No dia 30 de dezembro faria a sua estreia no Impact, sendo anunciado como o irmão mais novo do Amazing Red.

Jeff Jarrett lançara um desafio a Red para lutar com o então denominado “ Little Red “, um combate com a estipulação de artes marciais.

Para quem sofre de miopia ou estigmatismo, sim, ele até poderá parecer pequeno, mas para Jarrett não parecia, de todo. Um combate curto, com uma brawl á mistura, um belo debut a meu ver.

A estreia com o seu in ring name que todos conhecemos, essa sim, chamemos-lhe, o segundo debut, foi a verdadeira prova de que nem sempre quem tem as costas largas, como diz a vizinha do 3º Esquerdo, é impune a tudo e a todos. Mensagem clara de quem seria o Crimson daqui para a frente. E melhor impacto era impossível ter.

Abyss, que na altura pertencia á stable Immortal, andava com algo encravado, não sabia era o quê. Ora, o Crimson, como bom rapaz que é, deu-lhe umas dicas, aconselhou-o a cantar a tão conhecida música “Ajoelhou vai ter que rezar”, algo que não foi muito benéfico para a saúde dele não.

Daqui para a frente é “vira o disco e toca o mesmo”. Crimson juntamente com Angle enfrentam uma guerra pesada com os Immortal, com brawls week after week e até um 2 vs 7 tiveram, sendo salvos mais tarde por Mr. Scott Steiner.

Crimson teve o seu primeiro 1 vs 1 match contra Magnus, vencendo após usar o “Red Alert”.

– Fugindo ligeiramente ao tema principal, é de notar a evolução que o Magnus teve ano após ano, e uma feud entre eles pelo World Title seria algo de genial a meu ver. –

O inicio da “streak” começaria. Ganharia combates a tudo o que fosse wrestler. Teve uma ligeira feud a três (deixem a mente perversa de lado por favor), com Samoa Joe e mais tarde Abyss.

Em meados de Junho, entrou para a Bound For Glory Series, derrotando nomes como o Ângelo do dinheiro, just kidding, D´Angelo Dinero,  Bully Ray, ou até mesmo Bobby Roode.  A sua liderança era uma verdadeira ameaça para o na altura World Champ, Kurt Angle.

No dia 25 de Agosto tiveram um one on one match, terminando em No Disqualification, causado por um ataque por parte do Samoan Submission Machine. Este mesmo ataque levaria-o a retirar-se da Bound For Glory Series, devido à suposta lesão originada pelo ataque do Joe, afastando-o também dos ringues durante algum tempo.

No seu regresso, em finais de Setembro do mesmo ano, Crimson manteve-se na feud com Joe, que mais tarde se juntaria também Matt Morgan. Foi com este Big Guy que se tornaria pela primeira e única vez campeão de Tag Team. Tal acontecimento sucedeu-se no Impact seguinte ao PPV Turning Point do mesmo ano, derrotando Hernadez e Anarquia pelos títulos.

Defesas após defesas, vitórias após vitórias, fogo, pareciam o raio dos alemães, foram de PPV em PPV defendendo os títulos, sendo os seus principais opositores, Magnus e Joe, que no Against All Odds de 2012 lhes tirariam os títulos.

Com uma sequência de rematch´s pela frente, foi no Victory Road PPV que Crimson teve o seu heel turn no seu parceiro de equipa, perdendo o combate e começando uma nova feud com Morgan.

No Turning Point tiveram um Steel Cage Match, do qual Crimson sairia vencedor.

A sua streak parecia inquebrável, vencendo também Eric Young no PPV conseguinte, no Sacrifice.

Tudo terminaria no Slammiversary, quando abriu o chamado Open Challenge, e James Storm regressaria para acabar de uma vez por todas com a streak, que duraria nada mais nada menos que 470 dias.

O começo do fim.

Crimson realizou alguma aparições nos TNA Only Night´s, regressando, de forma curta, num Impact para um lugar no Bound For Glory Series, na qual sairia perdedor novamente.

Depois de passar mais de um mês sem aparecer no Impact Wrestling, Tommy pediu a Al Snow para ingressar no território de desenvolvimento da TNA, a OVW, no qual se tornaria campeão de Tag Team por duas vezes com Jason Wayne.

Venceu o NightMare Rumble em 2012 para se tornar no number one contender ao OVW Heavyweight Championship. Crimson conseguiu então sagrar-se OVW World Champion derrotando o atual campeão, Johnny Spade.

Durante o ano de 2013, Tommy ainda formou uma stable chamada “Coalition Forces” e teve dois reinados como OVW Southern Tag Team Champion.

Apesar de ter sido despedido a 3 de Julho, Crimson ainda fez mais um combate 3 dias depois juntamente com o seu parceiro Wayne na tentativa de voltar a ganhar o OVW Southern Tag Team Championship contra Hayes and Vaez. A unica coisa que ele ganhou, depois de ter sido despedido e ter perdido o combate, foi uma lesão no joelho direito.

A 16 de Maio do corrente ano, formou equipa com Amazing Red para se tornar campeão de Tag Team na promoção independente House of Glory, derrotando os Young Buck´s, ou como vocês os conhecem… Generation Me.

Atualmente, para além de estudar gestão de negócios na universidade de Clarksville no Tennessee, Crimson é personal trainer e anda também de promoção em promoção, em busca de novos horizontes que o levem a tempos de glória.

Um bem-haja camaradas por lerem esta crónica, um muito obrigado ao joaop, até mais ver!

Sobre o Autor

- Criador do artigo "Onde Andas Tu?" e actual apresentador da rubrica "The Five Count". Publico parte das noticias, modero o Chat e sou hater assumido da divisão de Divas da WWE.

30 Comentários

  1. José Sousa - há 2 anos

    Excelente surpresa, e début João ;). Sempre achei o Crimson alguém com potencial, mas talvez nunca vamos saber o verdadeiro impacto dele numa companhia importante.

    • JoãoRkNO ® - há 2 anos

      Muito obrigado caro José . As minhas esperanças no Crimson acabaram precisamente quando ele perdeu o combate com o Joseph Park .

  2. MR Perfection André Santos - há 2 anos

    Parabéns! grande estreia!

    O crimson tinha e tem tanto potencial! Algo de extraordinário (para o mau) aconteceu…

    • JoãoRkNO ® - há 2 anos

      Muito obrigado Vintage Man, ainda bem que gostaste . Sempre achei e sempre irei achar que foi material de Main Event desperdiçado .

  3. JoãoRkNO ® - há 2 anos

    João , pela milésima e uma vez um muito obrigado . Nunca tinha em mente escrever qualquer tipo de artigo , mas se o fizesse , só poderia ser sobre este senhor .

  4. MR Perfection André Santos - há 2 anos

    Ah ! Voto no Konnan!

  5. therocker77 - há 2 anos

    se bem me lembro ele até chegou a ter uma streak não foi?

  6. José Sousa - há 2 anos

    Sim. Ele com as devidas diferenças tinha algumas parecenças com o Plano C da WWE( C de Cliente claro) se me fiz entender.

  7. FranciscoAP - há 2 anos

    O Crimson, para mim, é o maior erro que a TNA cometeu nos últimos anos. Ainda estou à espera que alguém me diga o que lhe faltava. Era um main-eventer garantido… Infelizmente, a TNA parece que só vai lá com ex-WWE/ECW/QualquermerdaquetenhaumWnasigla.

    • joaop - há 2 anos

      Eu não o conhecia e so pelo que vi aqui.. Compartilho do que disseste. Ele era muito bom! Porque raio é que nao o aproveitaram? Este homem tinha tudo..

    • JoãoRkNO ® - há 2 anos

      Muitas vezes penso o brilhante que seria uma feud Crimson/Magnus . Eles apenas poderiam precisar de ex-WWE na altura de se afirmarem como promoção , agora é uma péssima jogada estar sempre a bater no cego .

  8. Don_Ricardo_Corleone - há 2 anos

    Mais um daqueles absurdos da TNA que me afastaram de vez da companhia.

    O Crimson tem um dos maiores pushes do Wrestling, com uma invencibilidade muito maior do que o desejável mas assim que perde um combate desaparece da TV por um ano. Regressa com grande pompa e circunstânica, com uma promo muito confiante, só para perder dois ou três combates e ser despedido…Está tudo dito.

    Para a próxima edição sugiro o Ezekiel Jackson, lembrei-me dele não sei porquê.

    • JoãoRkNO ® - há 2 anos

      O pior mesmo é a ver o percurso todo dele na TNA . Começa como um astro , termina como um desprezível wrestler comum .

  9. joaop - há 2 anos

    Já te disse em privado e digo em publico. Surpreendeste me bastante. Nao és pseudo nada. Este artigo foi muito bom mesmo! Parabéns.

  10. Julio - há 2 anos

    Belo artigo JoãoRkNO parabéns pelo artigo realmente muito bom

  11. danielLP21 - há 2 anos

    Não sei se estás a gozar ou não em relação ao “Big Zeke”, mas espera pelas próximas semanas… LOOL.

  12. TheManWhoGravityForgot - há 2 anos

    Grande artigo.
    Muito bem.
    Fico triste com o que aconteceu com o crimson, eu não acompanhei a carreira dele porque só comecei a ver a TNA em 2013 mas gostava de ter visto mais para além do combate épico com joseph park.

  13. João Paulo - há 2 anos

    Esperava um grande futuro para o Crimson na TNA, embora acompanhasse pouco na época (hj menos ainda) era um wrestler que me agradava bastante, uma pena. Mas parabéns pelo artigo, comento pouco aqui, porém gosto muito dessa sessão.

    E já pegando o bonde dos talentos desperdiçados quero sugerir um wrestler do qual eu acreditava ser um futuro main eventer de certeza: Sean O’Haire. A WWE lhe deu uma gimmick incrível de “advogado do diabo”, ele fazia ótimas promos antes do seu debut, enfim, desempenhava muito bem seu papel e por qual motivo eu não sei foi simplesmente deixado de lado até ser demitido. Enfim, fica aqui minha sugestão e parabéns novamente.

  14. Hildo - há 2 anos

    O Joaop estava com preguiça de fazer o artigo que eu sei!
    Brincadeira a parte, muito bom artigo, João eu particularmente acho que a TNA desperdiçou ele, principalmente por não saber usar a sua ”streak” há seu favor, eu gosto da Feud dele com o Matt Morgan, penso que ele merecia um titulo mundia.

  15. 123456789 - há 2 anos

    Vladimir Kozlov tou curioso pa saber o que é feito desse “dançarino” russo ahahah

Comentar

Login com Facebook

Editar avatar »

Notificações por email:

Wrestling.PT © 2006-2016 / Política de Privacidade / Disclaimer / Sobre Nós / Contactos / RSS Feed / Desenvolvido por Luís Salvador