Existem 2 vagas na Equipa do Wrestling PT para publicar notícias. Contacta-nos!

Onde Andas Tu? #47 – David Hart Smith

Depois de ter rejuvenescido a sua carreira na WWE, hoje, Tyson Kidd poderá tornar-se novamente campeão de equipas. Se tal acontecer, não será a primeira vez mas alguém lembra-se do ex-parceiro de Kidd há uns anos atrás?

Hoje relembramos David Hart Smith.

Vindo de uma das mais importantes famílias do Wrestling – Os Hart – pela parte da sua mãe, Diana Hart e filho do falecido “The British Bulldog Davey Boy Smith, não é de admirar que desde cedo Harry não fosse encaminhado para o mundo do wrestling.  E quando digo cedo, é mesmo cedo. Aos 8 anos fez o seu debut acreditando-se que seja o lutador mais jovem de sempre a pisar um ringue. Três anos depois, pisava os ringues da WWE…num house-show no Canadá. Foi em 1996 que com 11anos, juntou-se a Ted Annis (que tinha 16) e ambos derrotaram TJ Wilson (Tyson Kidd) e Andrew Picarnia.

O seu debut profissional seria com 15 anos, depois de ser treinado pelo seu pai, o seu tio Bret Hart e Chris Benoit. Ainda antes de o seu pai falecer, chegou ainda a fazer tag-team com ele na Top Rope Championship Wrestling, no Canadá.

Depois de lutar profissionalmente desde os tempos de liceu, voltou a WWE em 2003 num dark match contra Randy Anderson e em 2004 a WWE ofereceu-lhe um contracto com a empresa, o qual, Harry recusou, optando por ir para a faculdade e lutar em outros sítios antes de juntar-se à companhia.

A determinação de Smith em tornar-se um bom wrestler sempre impressionou a WWE, tanto que a condição do seu contracto não era de desenvolvimento mas já no main roster. Ou seja Smith ingressaria na RAW sem passar pela OVW. Na altura foi criticado por rejeitar uma oferta tão grande mas Smith sabia que chegar a WWE não era uma questão de ‘se’ mas de ‘quando’ e preferia ter experiência internacional antes de ser modelado pela WWE.

Ainda em 2004, formaria com TJ Wilson os Stampede Bulldogs, uma referência em tributo aos British Bulldogs, tag-team composta pelo seu pai e Dynamite Kid. Mais tarde, no mesmo ano, Smith formaria a stable The Hart Foundation Version 2.0 com Wilson, Jack Evans e Teddy Hart. Inicialmente lutavam na Stampede Wrestling School mas com o tempo, foram expandido-se pelos Estados Unidos, até chegarem à Major League Wrestling.

Em 2005, embarcou na sua primeira tour internacional, pelo Japão, lutando na New Japan Pro Wrestling como “Black Assassin” mas durante o combate sofreu uma lesão na mão. O resto do ano, dividiu entre dark-matches para a WWE e outra tour pelos Japão. Regressou a Stampede em Outubro e em Novembro era derrotado por Wilson na final para determinar o campeão da North American Heavywight Championship, que possuía o título vago.

Em Abril de 2006, após a cerimónia que viu Bret Hart a ser honrado no Hall of Fame da WWE, Smith assinou (desta vez) um contracto de desenvolvimento com a WWE. Ainda antes de ser enviado para a OVW, teve dark-matches contra Rob Conway, Mike Knox e Randy Orton.

Estreou-se nos tappings da OVW a Fevereiro de 2007, fazendo equipa com Kofi Kingston e juntos até enfrentaram os La Résistance antes de se separarem. Smith foi recambiado para a Deep South Wrestling, outra promotora em contacto com a WWE e foi lá que reuniu-se com T.J. Wilson e voltaram os Stampede Bulldogs.

Após a relação da WWE e da DSW acabar, Smith mudou-se a Florida Championship Wrestling e ao vencer uma battle royal torno-se no primeiro FCW Souther Heavyweight Champion. Foi na FCW que reuniu-se com os seus primos Teddy e Nattie Neidhart (Natalya) e apelidaram-se de Next Generation Hart Foundation.

O seu debut já no main-roster deu-se como DH Smith e ocorreu a Outubro de 2007, num episódio da RAW, e onde derrotou Carlito.

Debut de DH Smith:

https://www.youtube.com/watch?v=UfhLuv_ZmQc

De Outubro a Dezembro, o ano seria um pouco mais complicado para este Hart. Em Novembro foi suspenso por 30 dias devido a ter violado a política da WWE contra as drogas e quando regressou em Dezembro, ficou-se pelo show Heat. A carreira de Smith não começava de todo da melhor forma.

Já no ano de 2008, foi mudado para a Smackdown mas nunca chegou a fazer o debut, isto porque David apercebeu-se que ainda não estava pronto para o main-roster e preferiu voltar à FCW a tempo inteiro, juntando-se novamente a Tyson Kidd que por ainda lá andava.

Um ano após permanecer na FCW, Smith juntamente com Natalya foram transferidos para a ECW e juntamente com Kidd formaram os The Hart Trilogy que depois passou a Destiny.

https://www.youtube.com/watch?v=543MjLEXKxg

Aquando da sua chegada à brand azul, entraram numa feud com os Cryme Tyme (#MissJTG) com ambas equipas a conseguirem vitórias pouco significantes. Apesar destas muitas vitórias, Os Hart não conseguiram tornar-se os principais contenders aos títulos de tag team que iriam ser unificados. Mesmo assim, e estreando-se nos PPVS integraram a equipa Smackdown no PPV Bragging Rights.

A primeira oportunidade pelos títulos, viria pela altura do Natal, contra os DX, mas sem sucesso.

Hart Dynasty vs DX

https://www.youtube.com/watch?v=xJOxjhMebX8

Com o início do ano de 2010, a equipa teve feuds esporádicas e mesmo a solo eram poucos utilizados. Após muitos anos a assistir a Wrestlemania a partir da bancada, o trio fez o seu debut em ringue na Wrestlemania 26, no dark-match do evento: uma battle royal ganha por Yoshi Tatsu. Contudo, mais tarde, apareceriam em apoio a Bret Hart, antes de virarem faces.

Wrestlemania 26:

http://www.dailymotion.com/video/xf886h_bret-hart-vs-vince-mcmahon-wrestlem_sport

Nas semanas seguintes apareceriam ao lado de Bret Hart em várias edições da RAW. O próximo passo seria mais uma vez tentar conquistar os títulos, que desta vez estavam na posse de Big Show e Miz. No PPV Extreme Rules tornaram-se os principais candidatos aos títulos que seriam ganhos na noite seguinte, na RAW de 26 de Abril.

ShoMiz vs Hart Dynasty

https://www.youtube.com/watch?v=9fULnVU9Rm0

Durante o seu reinado como equipa, defenderam com sucesso os títulos nos PPVS Over the Limit e Money in the bank contra equipas como Miz e Chris Jericho ou os Usos, respectivamente.

A equipa até teve direito a novos cintos mas mas infelizmente a divisão de tag-team já naquela altura andava em mau estado e durante vários meses, não houve nada de relevante sobre o reinado dos Dynasty. Com o PPV Night of Champions em que todos os títulos tinham de ser defendidos, supreendemente tivemos novos campeões quando Cody Rhodes e Drew McIntyre inesperadamente ganharam um combate com os títulos em jogo.

Após a derrota, a equipa falhou em reconquinstar os títulos e a onda de derrotas começou a criar atritos entre Kidd e Smith, com Natalya a tentar ser a pacificadora do grupo.

Depois do heel turn de Kidd, a dupla separou-se e feudaram e mesmo com vitórias um sob o outro, não houve nenhum combate se desse por encerrado a feud.

https://www.youtube.com/watch?v=g044AkzOURw

A partir daqui a carreira de Smith caiu a pique, sendo exclusivo do programa Superstars. A 28 de Abril de 2011 teria o seu último combate contra Zack Ryder e após meses sem ser visto, a 5 de Agosto foi oficialmente despedido da WWE.

When I was in WWE I lost the passion and when I left WWE, I thought that my career was done.

Depois de sair da WWE, Smith manteve-se activo dentro do ramo, regressando às tours internacionais. Lutou no Japão e na India para a companhia Ring Ka King. E não é exagero dizer que em poucos meses teve mais combates nas indies do que em toda a sua carreira na WWE. Para além do wrestling enveredou por outras actividades como o kickboxing e o jiu jitsu.

Foi campeão de Tag-team com Chavo Guerrero e para além dos Ring Ka King tag titles, Smith somou ao repertório o cinto de campeão da PWA, da All Star Wrestling e Big Time Wrestling.

Em 2012, a NJPW anunciou que Smith regressaria à empresa, como mebro da stable de Minoru Suzuki – Suzukigun – formando equipa de tag-team com outro membro da stable, Lance Archer.

Yuji Nagata & Manabu Nakanishi vs. Lance Archer & Davey Boy Smith Jr.

http://www.dailymotion.com/video/x2bduzy_yuji-nagata-manabu-nakanishi-vs-lance-archer-davey-boy-smith-jr-njpw_sport

Apesar de ter recebido outra oferta da All Japan Pro Wrestling, Smith escolheu a NJPW devido à relação que teve com a empresa no passado.

Com a entrada num novo mundo de wrestling, Smith também sentiu a necessidade de mudar de ring-name e escolheu o nome de Davey Boy Smith Jr.

Em Outubro de 2012, Archer e Smith formaram os K.E.S (Killer Elite Squad) e como equipa têm ganho vários títulos não só no Japão como nos Estados Unidos da América. A 8 de Outbro, ganharam os IWGP Tag Team Titles derrotando os Tencozy. A 18 de Janeiro de 2013, os K.E.S estrearam-se em solo americano, na companhia Hart Legacy Wrestling, em Calgary. Num combate de six-man, juntaram-se a Lance Storm derrotando Bobby Lashley, Chris Masters e Johnny Devine.

De volta ao Japão, em Maio perderam os títulos outra vez para os Tenconzy, acabando com o reinado de 207 dias. Depois de ganharem novamente os títulos, a 4 de Janeiro de 2014, os K.E.S foram novamente derrotados mas desta vez pelos Bullet Club e apesar da nova tentativa em recuperar os títulos em Fevereiro, foram novamente vencidos pelos campeões.

Nos Estados Unidos a dupla também sangrou-se campeã ganhando os NWA Word Tag Team Titles.

Davey ainda participou individualmente no G1 Climax 24 em diversos combates dos torneio.

Block A Match Davey Boy Smith Jr. vs. Hiroshi Tanahashi:

http://www.dailymotion.com/video/x236b4w_g1-climax-24-block-a-match-davey-boy-smith-jr-vs-hiroshi-tanahashi_sport

Block A Match Davey Boy Smith Jr. vs. Shinsuke Nakamura:

http://www.dailymotion.com/video/x21zbk8_g1-climax-2014-block-a-match-davey-boy-smith-jr-vs-shinsuke-nakamura_sport

Em 2015, David Hart continua pela NJPW e paralelamente em outras federações indie. Um regresso à WWE não é impossível mas muito improvável. Talvez num futuro ano, vejamos David Smith a induzir o pai no Hall Fame, desejo que já expressou que gostava de ver realizado.

Passo a palavra a vocês. Até ao próximo artigo!

Sobre o Autor

- Escritora do artigo "Onde andas tu?" Fã de Wrestling desde 2005.

11 Comentários

  1. MR Perfection André Santos - há 2 anos

    Excelente artigo. Tenho um carinho especial pelo pai de smith, o grande british bulldog. sabia mais ou menos onde ele anda, mas com o artigo aprendi muito…começou a lutar mesmo novo….

  2. daemon silva - há 2 anos

    escreva sobre evan bourne

  3. Anónimo - há 2 anos

    faça sobre o john morrison

  4. Roberto "The Viper" #PushCesaro - há 2 anos

    Boa escolha.
    Para o próximo OAT voto no Ezekiel Jackson.

  5. lmfcp2012 - há 2 anos

    excelente arigo pra semana evan bourne

  6. Don_Ricardo_Corleone - há 2 anos

    Boa escolha. Nesta altura a WWE estava muito mal no que às tag teams e ao mid card diz respeito (pior do que está hoje). Nesse trio vemos que a WWE estranhamente nunca levou a Natalya e o Tyson Kidd a sério, o que é um erro crasso. O Tyson Kidd já mostoru ter capacidade para o main event, a Natalya é de longe a melhor Diva, já o David Boy Smith sempre mostrou que dificilmente conseguiria melhor do que ter destaque numa tag team, aliás vejo que ele tem feito carreira disso. Muito bom no ringue mas falta-lhe o resto. É irónico que tenham perdido os títulos de tag team para a equipa do Cody Rhodes e do Drew McIntyre, outros enormes talentos desperdiçados.
    Defendo sempre que se não há planos para as superstars ou se estas não são capazes de mais, não separem as equipas. Desperdiçam demasiado talento dessa forma e nem há problemas em existir tag teams de longa duração. Afinal de contas os Demolition e os Road Warriors são lendários.

  7. D"FN"Z - há 2 anos

    Excelente artigo, Matt Sydal (Evan Bourne) para próxima semana .

  8. danielLP21 - há 2 anos

    Excelente artigo, Mafi.

    Eu gostava bastante dos Hart Dynasty e achei patético separá-los tão cedo. Se não tinham planos para eles, não os separavam e deixavam-nos brilhar na divisão de Tag Team.

Comentar

Login com Facebook

Editar avatar »

Notificações por email:

Wrestling.PT © 2006-2016 / Política de Privacidade / Disclaimer / Sobre Nós / Contactos / RSS Feed / Desenvolvido por Luís Salvador