Post da Comunidade do Wrestling.PT

One on One #102 – Trish Stratus vs AJ Lee

Olá, leitores do Wrestling.PT, sejam bem-vindos à 102ª edição do One on One, o artigo semanal em que pomos em confronto duas coisas relacionadas com o wrestling – sejam elas wrestlers, Tag Teams, PPV’s, tipos de combates, e afins.

E esta semana, a escolha foi do povo, a quem eu na semana passada dei poder de voto para seleccionar qual seria o confronto esta semana. O povo votou (via comentários), e o confronto mais desejado punha frente-a-frente dois grandes nomes do wrestling feminino: Trish Stratus e AJ Lee. A ícone das Divas durante a Ruthless Aggression Era vs. a ícone das Divas na PG Era. Qual das duas é a melhor?

Trish Stratus

Nascida em Richmond Hill, Ontario, Canadá a 18 de Dezembro de 1975, Trish Stratus cresceu como fã de wrestling, e atraíu a atenção da WWF em 1998 devido ao trabalho dela como modelo. Até esse ponto, ela tinha estudado na Universidade de York (de onde saiu depois), e juntando-se a um podcast local de wrestling. Após ter sido contratada, Trish foi treinada por Ron Hutchinson em 1999, e apareceu pela 1ª vez a 18 de Março de 2000 no Raw, onde iniciou a sua carreira no ecrã como manager de Test e Albert (T&A).

Mas se ao princípio, Trish era apenas um bombom para os olhos com pouca ou nenhuma experiência no ringue, rapidamente ela começou a desenvolver capacidades de lutadora. A sua primeira feud (e talvez a sua maior feud de sempre) foi com Lita, que era, em termos de personagem, uma antítese total de Trish. Os confrontos delas iniciaram pouco depois da estreia de Trish, durante o Verão de 2000, e expandiram-se por toda a carreira das senhoras, incluíndo um combate na WrestleMania 18 em 2002 (apesar de ser uma Ameaça Tripla com Jazz pelo meio). Mas o primeiro grande combate de Trish foi contra Stephanie McMahon no No Way Out 2001, durante uma storyline em que Trish era, literalmente, a “cadela de brincadeiras” de Vince McMahon. O combate surpreendeu toda a gente por ter muito mais qualidade do que esperado, qualidade essa que ainda hoje se mantém.

Trish venceu o seu primeiro Título Feminino da WWF no Survivor Series em 2001, e acabou a sua carreira como uma vencedora desse título por 7 vezes, um recorde que ainda não foi quebrado (e provavelmente nunca o será). Trish lentamente conquistou os fãs ao transitar de simples manager para uma storyteller bastante capaz no ringue, sendo a sua feud com Lita a mais celebrada. Ambas chegaram a ser o Main Event do Raw em Dezembro de 2004! E o último combate delas, o combate de aposamento de Trish no Unforgiven 2006, foi uma das maiores atrações desse PPV (e sem dúvida um dos seus melhores combates tb). Para além disso, ela participou naquele que eu pessoalmente considero como o melhor combate feminino de sempre na WWE – sem contar com o NXT – contra Mickie James na WrestleMania 22 (uma ótima feud em si também).

A dona da Stratusfaction foi homenageada no Hall Of Fame em 2013, e ainda hoje é vista como uma das wrestlers femininas mais célebres de sempre na WWE. E assim o era. Sexy, irreverente, adorável como babyface, detestável como heel, Trish Stratus estava sempre no ponto em qualquer personagem ou storyline alguma vez lhe atribuída!

Conquistas:

  • Campeã Feminina da WWE (7 vezes)
  • Campeã Hardcore da WWE (1 vez)
  • Babe do Ano da WWE (3 vezes)
  • Diva da Década da WWE (década de 2000)
  • Diva do Ano do PWI (4 vezes)
  • Diva da Década do PWI (década de 2000)
  • Membra do WWE Hall Of Fame (2013)

AJ Lee

April Jeanette (AJ) Mendez nasceu em Union City, Nova Jérsia a 19 de Março de 1987. Tem descendência de Puerto Rico, e cresceu influenciada pelo interesse do irmão durante a infância deles: a WWF. Era uma grande fã de Lita (que, curiosamente, era a rival principal de Trish Stratus), e decidiu tornar-se como ela, uma wrestler profissional, quando tinha apenas 12 anos. Antes disso, entrou na Escola de Artes da Universidade de Nova Iorque, mas teve de sair apenas 6 meses depois.

AJ iniciou a sua carreira de wrestling em 2007, treinada por Jay Lethal. Estreiou-se nas indys locais de NJ sobre o nome Miss April, e em 2008, juntou-se à Women Superstars Uncensored (WSU), onde se consagrou como uma das Campeãs Tag Team da WSU inagurais juntamente a Brooke Carter em 2009. Nesse ano, também ganhou um Torneio King & Queen Of The Ring entre a WSU e a National Wrestling Superstars (NWS) com Lethal. Em Maio de 2009, ela assinou um contrato com a WWE. Andou pela FCW com o nome de April Lee, mais tarde mudado para AJ Lee, durante um ano, até aparecer em TV pela 1ª vez na 3ª temporada do NXT, onde era a rookie de Primo Colon. Acabou em 3º lugar, e desapareceu por um bocadinho, até regressar em princípios de 2011 juntamente de Kaitlyn (a vencedora da temporada) numa Tag Team chamada The Chickbusters.

Mas AJ, até esses momentos, se por um lado era algo popular com os fãs mais hardcore, por outro não passava de uma miúdita que era mais ou menos uma jobber para as maiores Divas. A sua relevância apenas se mostrou quando ela se tornou na namorada kayfabe de Daniel Bryan, que na altura, era o Campeão Mundial de Pesos-Pesados. O estrelato dela iniciou após a WrestleMania 28 (onde Bryan perdeu o Título Mundial para Sheamus em 18 segundos) quando Bryan a culpou do incidente e acabou o namoro com ela. AJ ficou louca, ficou bastante over com o público… e também ficou o centro das storylines principais da companhia, desde um quadrado amoroso com Bryan, Kane e CM Punk, até se tornar na GM do Raw durante vários meses, até outro triângulo amoroso com John Cena e Dolph Ziggler (que resultou nela se tornar na namorada deste último). Finalmente, venceu o Título das Divas no Payback 2013 contra a sua ex-amiga Kaitlyn, e manteve-o por quase um ano até perdê-lo para Paige na Raw após a WrestleMania 30. Mas voltou a ganhar o título 2 vezes mais tarde nesse ano.

AJ reformou-se no ano passado, após ter competido e vencido num combate Tag Team contra as Bella Twins juntamente de Paige na WrestleMania 31. Casou com o namorado na vida real CM Punk, e o resto é história pouco sabida. Mas a história mesmo sabida é que AJ foi provavelmente a Diva mais popular e mais reconhecida por todo o público desde pelo menos a Trish. E apesar dela ter muitos críticos e muitas pessoas não apreciativas do seu sucesso, uma coisa é inegável: AJ Lee foi, pura e simplesmente, a maior Diva da WWE desde que a PG Era iniciou, e quem sabe, talvez uma das mais significativas de sempre!

Conquistas:

  • Campeã das Divas da WWE (3 vezes)
  • Prémio Slammy da WWE (3 vezes)
  • Campeã das Mulheres da FCW (1 vez)
  • Rainha do FCW (1 vez)
  • Campeã de Tag Team da WSU (1 vez)
  • Vencedora do Torneio King & Queen Of The Ring NWS/WSU (1 vez)
  • Mulher do Ano do PWI (3 vezes)

As combatentes estão prontas, portanto acabemos com este debate de uma vez por todas!

One on One!

Mic Skills/Promos: Começa bem. Este ponto é difícil de atribuír. Pois ambas têm um argumento legítimo para ganharem. Por um lado, eu sempre achei que, das duas, Trish era mais natural e mais confortável no microfone, e que mesmo com conteúdo mais básico e medíocre, ela sempre fazia um bom trabalho, o que não posso dizer de AJ que, por vezes, parecia-me forçada e que estava tentar demasiado para soar ameaçadora. Por outro, não me lembro de nenhuma promo que a Trish tenha feito que chegue aos calcanhares da famosa “Pipebombshell” que AJ lançou após o SummerSlam 2013 contra as Total Divas. E no geral, creio que as melhores promos da AJ são mais fortes que as melhores da Trish por alguma distância. Tentei decidir isto ao imaginar a Trish a fazer as promos da AJ e vice-versa. E sinceramente, não consegui denotar grandes diferenças – o impacto seria praticamente idêntico, pois o estilo de falar das duas é também bastante semelhante, apenas com a diferença de Trish soar mais sexy, e AJ mais imponente. No fim, senti que a escolha mais sensata era atribuir um empate, e dar o ponto a ambas as senhoras. Trish 1-1 AJ

Carisma: Aqui já é mais evidente. AJ tem carisma, e aliás, se não tivesse, muito mal dela já que a sua gimmick obriga a performer a demonstrar personalidade e um poder chamativo para o público (o que é basicamente o que carisma é, para mim). Porém, não só era Trish menos acanhada para atraír a atenção (e não digo isto porque ela se despia ou assim, mas sim porque ela tinha mesmo conforto à frente do público), como fazia qualquer pessoa meter os olhos nela, seja pelas suas excentricidades, a vibração que ela trazia ou pela sua capacidade de controlar um público. AJ, exceptuando os últimos tempos da sua personalidade “louca”, nunca teve muito dessa capacidade. Ponto para a dona da Stratusfaction. Trish 2-1 AJ

Gimmick(s): Este também é fácil. A Trish teve várias personalidades com os anos, desde a manager dos T&A, à marioneta do Vince McMahon, à vaca que traíu Chris Jericho com Christian. Todas elas bastante bem interpretadas, mas se nos fixarmos bem, veremos que Trish não passava de duas coisas: badass e/ou querida como babyface, cabra sexy como heel. Não havia complexidade nenhuma nas gimmicks dela. E apesar de Trish fazer de ambas um ótimo trabalho – e também, sejamos honestos: o simples é muitas vezes o melhor – não neguemos que a personagem da AJ (a louca, que levou grande parte da sua carreira profissional, mesmo antes da WWE) era bastante mais complexa e mais interessante. E se AJ por vezes era forçada a interpretar essa personagem com as suas expressões faciais, por outras, ela parecia mesmo que estava em estado psicótico. E a mistura disso com a pseudo-CM Punk feminina em que ela se tinha tornado nos seus últimos anos só fez da personagem dela mais forte. Ponto para a Viúva Negra. Trish 2-2 AJ

Momentos: Apesar de AJ ter participado nas storylines principais por mais tempo do que Trish, eu não diria que ela teve uma carreira totalmente repleta de momentos memoráveis. Eu destaco de longe a “Pipebombshell” como o momento mais forte da carreira dela, seguido da sua 1ª vitória do Título das Divas frente a Kaitlyn no Payback 2013, naquele que tinha sido o melhor combate de mulheres no roster principal em muitos anos. Tirando isso, temos mais o quê… talvez os segmentos dela com CM Punk e Daniel Bryan durante o Verão de 2012, o regresso dela no Verão de 2014 contra a Paige… momentos sólidos, mas nenhum deles muito grandes nem nada assim. Por outro lado, Trish esteve num Main Event de wrestling no Raw em 2004. AJ foi parte das storylines principais, mas nunca esteve num combate singular de mulheres que fechasse o programa. Muito menos num com uma história tão rica como a feud entre Trish e Lita. Feud essa que proporcionou vários grandes momentos – o casamento entre Lita e Kane que Trish interrompeu, o combate no Unforgiven 2006 que acabou com Trish a retirar-se após submeter Lita ao Sharpshooter para um pop do caraças… já para não falar de Trish ter tido quase o dobro de celebrações por ter ganho títulos que AJ, incluíndo entre eles um título masculino (o Título Hardcore). Temos a storyline com os McMahon’s em 2001, a feud com as mulheres da WCW durante a Invasion… e isto sem mencionar a entrada (e discurso) no HOF. Trish ganha isto com pouca dificuldade. Trish 3-2 AJ

Wrestling Skills/Combates: Ok, para mim, o que importa neste ponto não são as manobras, nem os mortais que cada uma faz nem nada disso. Em vez de tal, o que importa é como um wrestler incorpora o seu moveset na história de um combate. Existem wrestlers que são incrivelmente atléticos mas que eu detesto e que acho fracos, como Davey Richards; por outro lado há wrestlers que pouco ou nada de atlético têm, mas sobressaiem por serem excelentes storytellers, como Mark Henry. Com isso dito, acho que ambas fazem um trabalho igualmente bom de incorporarem as suas manobras no ringue. Não as divido muito, acho que ambas estão ao mesmo nível nesse aspeto. Única diferença sendo que a Trish era menos sloppy no ringue. Pelo menos no geral. Se atribuísse o ponto nalguma coisa neste aspeto à AJ, é que o finisher dela (a submissão Black Widow) parece ter mais impacto que o Stratusfaction da Trish, que mesmo assim, era mais inovador que o Black Widow de qualquer maneira (o Black Widow é apenas a submissão Octopus, que a Gail Kim usava já há muito tempo). E depois, vendo a aura dos combates, AJ teve bons combates, como o já mencionado combate com Kaitlyn no Payback 2013 (e a maioria dos combates com Kaitlyn no geral), e também algumas pérolas como o combate com Naomi no NXT em 2010 e o confronto com Paige no SummerSlam 2014. Mas Trish vs Mickie no WrestleMania 22 é melhor que qualquer coisa que AJ fez no ringue. Em topo disso, Trish tem alguns outros ótimos combates com Mickie, e mais outros com Lita, Victoria e Jazz, por exemplo. Aqui não há sombra de dúvida sobre qual é a melhor. Trish 4-2 AJ

Vencedora

A Hall of Famer, Trish Stratus! AJ ainda deu alguma luta, mas por agora, é mais que evidente que vai durar o seu tempo para que Trish seja ultrapassada por qualquer uma!

Pergunta Bónus: Achas que AJ merece entrar no Hall Of Fame? Porquê?

PARA A SEMANA…

Até para a semana, pessoal! ;)

Sobre o Autor

15 Comentários

  1. paige jadbevis - há 11 meses

    Achas que AJ merece entrar no Hall Of Fame? Porquê?
    Acho que se ela entrar para o hall of fame, só se for daqui há alguns anos, depois que wrestlers como Sable, Mickie James, Chyna, michelle mccool… entrarem para o hall of fame. A Aj tinha um jeito doce e ao mesmo tempo perigosa, que ninguém tem, em 2012 ela se envolveu em vários relacionamentos e foi o principal fator para a rivalidade entre Daniel Bryan e Cm punk. Ganhou 3 vezes o divas championship e era boa como heel e como face(melhor como face), além de ter move-set e gimmick muito bons.

  2. eycki - há 11 meses

    Sim ,AJ merece ser homenageada pelo lindo trabalho que ela fez ,porém acho que essa homenagem não será tão cedo .

  3. Marco Túlio - há 11 meses

    Claro que ela merece entrar no HOF, até porque ela tem o maior reinado das Divas (porque só a WWE e a própria Nikkie levam a sério o seu reinado). Sem falar no que ela fez pra divisão. Se as wrestlers de hoje dizem que estão fazendo parte da “””revolução”””” todas devem agradecer a AJ.

    • BRUNOju - há 11 meses

      O que a Aj Lee tem haver com o que foi feito no NXT? Com ou sem ela, teria acontecido mesmo assim.

    • Victor - há 11 meses

      “Se as wrestlers de hoje dizem que estão fazendo parte da “””revolução”””” todas devem agradecer a AJ.”
      – LOL

    • Alessandra - há 11 meses

      Nikki passou o reinado da AJ e outra Diva mais cedo ou mais tarde vai passar o reinado da Nikki, recordes são feitos para serem quebrados e ultrapassados, e Aj não fez nada pelo NXT no seu novo formato até porque ela estava no MR não viaja. sim ela fez grandes coisas conquistou outras, mas e dai? ela se retirou pra fazer filmes,lançar livros e o caralh* a 4, ou seja ser tudo aquilo que ela abominava!

  4. the Real heater of all Reigns fans - há 11 meses

    Sinceramente, não. Aj teve uma carreira no mínimo boa, porém não considero suficiente para o HOF. Dentro de cinco anos ou menos o seu reinado recorde terá´sido ultrapassado umas duas ou três vezes banalizando a importância do mesmo assim como os feitos da mesma. Aj largou o osso quando poderia ajudar. CM Punk é seu marido, saiu brigado da companhia, a WWE não está desesperada por ela, não faz tanta falta. Enfim. Aj Lee sucks, mais do que qualquer outra wrestler feminina altamente ruim.HOF virou porta de entrada pra qualquer um, e no caso da Aj, ela é menos do que qualquer um, ela é ninguém, esquicível.

  5. The boss - há 11 meses

    AJ é uma boa wrestler com uma boa gimmick acho sim que ela merece ser homenageada no HOF.
    Foi sem sombra de dúvidas uma das,se não a maior perda de 2015.Certo que ela já teve bons momentos já foi 3x Divas Champion e um desses reinados já chegou a ser o maior da história do título,mas sinceramente AJ ainda tinha muito pra dar à companhia tem apenas 27 anos está em ótimo estado para continuar a lutar.Sinto muito a sua falta até porque das Divas AJ foi a única que realmente tentou fazer a famosa revolução na divisão feminina é certo que agora temos novas Divas,novas histórias mas sem dúvidas essa revolução ficaria mais perto de acontecer e é claro ficaria mais interessante com ela no roster principal
    OBS:Isso claro na minha humilde opinião,apesar de eu preferir a “Dona do Stratuafaction”.

  6. RFBM - há 11 meses

    Acabo por concordar com a tua prespectiva em relação a todas as categorias e concordo, sem sombra de dúvida, com a vitória da Trish. Sei que cada um tem a sua opinião, mas acho completamente um exagero apelidar o Davey Richards de wrestler fraco. A meu ver é um dos melhores wrestlers do plantel da TNA.

  7. Matt Biazin - há 11 meses

    Acho que AJ merece ser Hall of Famer, mas só depois de Mickie James, Beth Phoenix & Michelle McCool serem homenageadas. AJ teve uma boa passagem pela WWE, mas comparado as 3 citadas, acho que nem tanto.

    Acho que Lita vs Michelle daria uma boa próxima edição :)

  8. Anónimo - há 11 meses

    AJ Lee > Lita > Trish Stratus

Comentar

Login com Facebook

Editar avatar »

Notificações por email:

Wrestling.PT © 2006-2016 / Política de Privacidade / Disclaimer / Sobre Nós / Contactos / RSS Feed / Desenvolvido por Luís Salvador