Opinião Feminina #299 – Encher a barriga antes do prato principal

Vivemos numa nova Era. Não a que a WWE promove incessantemente associada ao regresso da separação do plantel, mas a que está associada à WWE Network. A existência da WWE Network e a necessidade da WWE em que esta seja um sucesso mudou drasticamente a forma como os eventos semanais, antigos pay-per-views, são encarados.

O seu valor desceu imenso desde o lançamento da WWE Network. Antes valiam entre cinquenta e setenta dólares, hoje valem muito menos que dez. Afinal, apenas por $9.99, os fãs conseguem ter acesso a muito, muito mais que apenas um evento de Wrestling por mês. Esta desvalorização dá à WWE uma maior liberdade para fazer o que entende. Hoje em dia, já não existe a obrigação de dar aos fãs algo que justifique as dezenas de dólares que pagam, porque com apenas dez estes têm acesso a muito mais que apenas este evento.

Olhemos para a série de pay-per-view que a WWE apresentou em 2013, depois do SummerSlam, poucos meses antes da implementação da WWE Network. Na altura, os eventos foram fortemente criticados pela forma como terminaram, não só pela forma como a história entre Daniel Bryan e Randy Orton estava a ser contada, mas porque os fãs estavam a pagar uma quantia considerável para ver eventos meramente aceitáveis com os combates principais a terminarem de forma inconclusiva. Hoje dia, isso já não é um problema, porque cada evento em si, quando tudo é posto em consideração, não passa de uns trocos.

No entanto, embora valha muito menos do que valia antes, estes eventos continuam a ser o principal motivo para os fãs adquirirem a WWE Network, o que também significa que são os mais vistos. É através destes eventos que a WWE tenta convencer os demais a comprar a Network e é através da restante oferta que os convence a ficar mais do que um mês.

Portanto, podemos concluir que embora tenha sofrido uma desvalorização, os antigos pay-per-views não se tornaram completamente irrelevantes. Podem não valer o mesmo de ontem, mas continuam a ser uma das formas principais de atrair novos subscritores. No Raw desta semana, a WWE mostrou um completo desinteresse em proteger o SummerSlam, contribuindo ainda mais para a sua desvalorização.

Podemos começar pelo anúncio da série de sete combates em que Cesaro e Sheamus irão competir com o primeiro a realizar-se no SummerSlam. Este não é um combate terrivelmente importante quando colocado em perspetiva com os restantes, mas acusa um padrão de desleixo e falta de planeamento por parte da WWE.

Uma série de sete combates entre duas pessoas que, juntas, têm sempre combates de elevada qualidade não é um problema. Provavelmente ficaria melhor no SmackDown que no Raw, mas a ideia em si não é má. O problema é que os fãs já viram dois combates recentemente envolvendo estes dois senhores e o herói venceu os dois de forma decisiva. Não existe qualquer motivo para os fãs assistirem aos próximos sete.

Se Cesaro tivesse vencido um e Sheamus tivesse vencido outro, podíamos então ter a série de sete, no entanto não foi isso que aconteceu. Com duas vitórias do herói para começar esta rivalidade, não existe qualquer motivo para os fãs se investirem nos combates. Qual é o objetivo dos mesmos senão a vitória do herói? Provar que se é fisicamente dominante? O que é que isso significa? Como  é que isso pode ser mais importante que vencer? Não interessa quem é mais fisicamente dominante, quem tem mais posse de bola ou passou a corrida toda em primeiro lugar, mas foi ultrapassado nos últimos segundos. O que interessa é vencer.

Falar em provar ser fisicamente dominante pode embelezar a promoção da série de combates, mas não é o suficiente para enganar os fãs e convencê-los que o que estão a ver não é vazio e sem qualquer significado. Não estão a lutar para subir no card ou lutar por um título – a forma como Cesaro foi descartado no seu combate com Rusev deixou isso bem claro. Simplesmente estão a lutar porque não há mais nada para nenhum dos dois e vencer não significa nada. Se significasse, Cesaro e Sami Zayn estavam melhor posicionados no SummerSlam. Se as vitórias significassem alguma coisa, também era mais fácil criar estrelas. Mas, assim é mais complicado.

Se fossem só os combates menos importantes do SummerSlam a tornarem-se irrelevantes e desinteressantes dias antes podíamos dizer que era um mal menor. Afinal, a percentagem de pessoas que paga para ver um evento pelos combates menos importantes é muito pequena. São os combates principais que precisam de ser mais protegidos. Infelizmente, dois desses combates tornaram-se algo irrelevantes no último Raw.

A começar pelo combate pelo título de Estados Unidos envolvendo Roman Reigns e Rusev. Se hoje, durante este o combate, a audiência de Brooklyn passar grande parte do combate a criticar e vaiar Roman Reigns – o que é sempre uma hipótese, visto que a WWE nunca resolveu o problema da apresentação deste – poderão estes fãs ser criticados? Que interesse podem eles ter no combate depois de Rusev e Roman Reigns terem lutado durante vinte minutos no main event do último Raw? Combate que Roman Reigns venceu, mas como não tinha o título em jogo, ainda não é campeão.

Qual é o raciocínio por detrás desta estratégia? Que interesse pode ter dar aos fãs um combate de vinte minutos com uma vitória do suposto herói em televisão, perante uma audiência de vários milhões, dias antes do mesmo combate voltar a acontecer num evento supostamente especial? Como é que isto pode convencer qualquer membro da audiência do Raw a comprar a Network para assistir aos eventos mensais? É que nem estamos a falar de um Battleground, Night of Champions ou Backlash. Estamos a falar de um dos principais eventos do ano da WWE – SummerSlam! Qual é a vantagem? De certo existe uma e apenas não a consigo detetar.

Este é um combate que devia ser especial, visto que ambos são novas estrelas que foram protegidas durante um longo período de tempo. Em 2014 este combate era especial e suscitou várias ovações quando foi promovido pela primeira vez. Infelizmente foi desperdiçado em repetidas edições do SmackDown e Raw até perder toda a sua aura. O que é estranho, porque para duas pessoas que ainda não tiveram uma rivalidade pessoal, Roman Reigns e Rusev deveriam ainda ter essa aura. Mas não só já a perderam, como não existe qualquer motivo para os fãs os continuarem a ver lutar e, no entanto, a rivalidade acabou de começar.

Se os fãs apoiarem Rusev ou apuparem ferozmente Reigns durante o combate, quem os pode culpar? Rusev está nesta rivalidade para vingar a esposa, depois de Reigns ter interrompido a celebração dos dois, ter feito insinuações insultuosas em relação a Lana e ter sido, indiretamente, responsável por esta ter acabado com a cara cheia de bolo.

As únicas caraterísticas que fazem de Rusev um vilão nesta rivalidade é a sua aversão ao país que o acolheu e o amor que sente pela esposa. E, tendo em conta que Rusev exigiu que Reigns pedisse desculpa a Lana, podemos concluir que isto não é uma rivalidade patriótica. Rusev é o vilão, porque ama a esposa e quer que esta seja respeitada? Nada do que Reigns faz se foca no título de Estados Unidos. Parece que é uma pura coincidência que este está em rivalidade com o campeão. Espero que os fãs não tenham prestado muito atenção a estes detalhes, senão a WWE arrisca-se a tornar Rusev num herói. Se nem histórias envolvendo casais heterossexuais a WWE consegue escrever, mal posso esperar para ver as histórias envolvendo membros da comunidade LGBT que a WWE vai arranjar.

Mas isso tudo não interessa – ironicamente. Meros dias antes de se enfrentar no SummerSlam, num combate que deveria ser importante, Roman Reigns venceu Rusev num combate longo e competitivo. Não foi um aperitivo de minutos que rapidamente se transformou numa cena de pancada que teve de ser parada pelos árbitros. Foi um combate longo, competitivo e satisfatório. Não sei se eles conseguem superar a qualidade deste combate no SummerSlam e os fãs não têm qualquer motivo para lhe dar oportunidade para o fazer.

Não é a primeira vez que a WWE arruína a atração de um combate dias antes do grande evento por razão nenhuma. Semanas antes da WrestleMania 31, Seth Rollins e Randy Orton protagonizaram uma cena de pancada tão satisfatória que deixou de haver razão para os dois lutarem na WrestleMania. Aliás, se não fosse pelo RKO histórico, o combate cairia no esquecimento.

No último Raw antes do Night of Champions 2014, Roman Reigns venceu Seth Rollins de forma limpa no Raw. Os dois estavam agendados para um combate no evento, só que o mesmo não aconteceu porque Reigns se lesionou. Mas o erro da WWE já estava feito. A sua tendência para arruinar os momentos que deveriam ser guardados para eventos especiais estava à mostra. Foi uma das razões que levou os fãs a virarem-se contra Reigns. Esperemos que o mesmo não aconteça hoje. Se bem que não podemos culpar os fãs se acontecer, não é verdade?

Roman Reigns venceu Rusev num longo e satisfatório combate, efetivamente pondo um fim à rivalidade. Sim, a rivalidade terminou. Como, perguntam vocês, se o título ainda está em Rusev? Tal como expliquei acima, esta rivalidade nunca foi pelo título. Também não foi pelo país. Foi pela vontade egoísta de Roman Reigns de arruinar uma (talvez irritante) celebração de amor e insultar a noiva.

Todavia, nada do que referi acima se compara à atrocidade que a WWE cometeu ao desperdiçar a primeira grande entrada de Finn Bálor num Raw que ninguém irá lembrar, dias antes do SummerSlam, em Corpus Christi, Texas.

Finn Bálor é uma estrela que veio para a WWE com toda a pompa e circunstância há dois anos. A sua contratação e reinado ajudaram imenso o NXT a tornar-se o que é hoje. Um dos aspetos que o torna tão especial – e que tornou a sua estreia num ringue da WWE tão antecipada – é a transformação que este faz nos dias de combates mais importantes e as entradas fantásticas que este protagoniza. Quem ouviu falar de Finn Bálor sabe isto sobre ele. Se não souberem, uma simples pesquisa no Google ou na WWE Network trata do assunto.

A ideia de promover um combate para um grande evento é aguçar o apetite de quem está a ver, de forma a convencê-los a comprar a Network. E, sendo Rollins vs Bálor um dos combates mais importantes do SummerSlam, envolvendo duas das grandes estrelas desta geração, apenas faz sentido que a WWE queira usar o “Demónio” de Bálor para aguçar o apetite dos fãs. Isso faz todo o sentido e teria sido mais do que fantástico se a WWE tivesse transmitido uma das antigas promos de Bálor no NXT ou até criado uma atmosfera, como fez tantas vezes para Undertaker e mostrado um pouco da pintura de Bálor nos bastidores. Um pouco!

Agora, dar a entrada completa, de graça, no Raw, dias antes do SummerSlam, em frente a uma audiência que há anos se sabe que não é boa, é algo que me deixa completamente estupefacta.  Abrir o apetite é uma coisa. Encher a barriga antes do jantar é outra completamente diferente.

Não só Bálor apareceu todo aperaltado como fez a sua entrada completa e até andou aos murros com Seth Rollins. Uma das principais atrações do SummerSlam esvaiu-se no ar. Claro que a entrada de Bálor hoje vai ser especial. Claro que a audiência de Brooklyn o vai tratar como um herói enorme e a ovação irá tornar o momento especial. Mas não teria sido mais grandioso, mais fantástico, se a surpresa não tivesse sido arruinada há seis dias? Como é que se pode convencer os fãs casuais a comprar a WWE Network e ver o SummerSlam, quando uma das atrações especiais do evento aconteceu de graça no último Raw?

A ideia que os fãs casuais precisavam de ver a entrada do “demónio” antes de tempo para estarem interessados no combate é uma parvoíce autêntica. Não se sabe o que é criar suspense e antecipação? A WWE certamente não sabe o que é, porque se soubesse o último Raw teria corrido de forma muito diferente.

A seguir a suspense e antecipação vem emoção. A seguir ao que aconteceu no Raw não vem nada. Foi anticlimático, foi simples e foi algo que simplesmente aconteceu. Um dos trunfos que a WWE tinha na manga, relativamente a Finn Bálor, foi desperdiçado num Raw, em Corpus Christi, Texas, que ninguém irá lembrar daqui a uns anos, a não ser para usar como exemplo do que não se deve fazer. Isto não é necessariamente o fim do mundo. A entrada de Bálor hoje vai ser tratada como um grande evento pelos fãs e este irá mostrar que é uma estrela. Mas o erro já foi feito e, pior ainda, a tendência da WWE para desvalorizar e estragar potenciais grandes momentos por nada continua viva e vai continuar a fazer estragos. Muitos estragos.

A entrada de Bálor com toda a pompa e circunstância era a cereja no topo do bolo e, no Raw antes do SummerSlam, a WWE deu a cereja aos fãs casuais que podiam facilmente ter comprado a Network para perceber quem era o “demónio”.

Divirtam-se mais logo com o SummerSlam e até à próxima edição!

Sobre o Autor

- Administradora. Publico parte das notícias, faço a gestão da League, dos Passatempos e ainda sou escritora do artigo “Opinião Feminina”.

18 Comentários

  1. The Awesome One - há 4 meses

    Desde que começou isso da network nunca precisei dela para ver nenhum ppv e vi-os quase todos!

  2. Salgado deveria mudar o nome pra “Amargo”. Nada presta, nada é bom… Por que continuas a assistir?

    • Anónimo - há 4 meses

      para poder continuar dizendo que nada presta.

    • Rafa Silva - há 4 meses

      Eu acho que so leio este artigo para enjoar um pouco e perder a vontade de ver algo que amo, wrestling
      A opiniao dos outros n me interessa, e a situaçao pode n ser a melhor, mas todos sabemos que ha muitos pontos positivos a apontar! Isto n devia ser “Opiniao Feminina”, mas sim “Azia Feminina”

  3. Foto de perfil de Facebook

    Afonso Quintela - há 4 meses

    Não gostei do artigo sinceramente.
    Atualmente, vivemos numa era cada vez mais digital. A wwe perde dinheiro aqui, mas em troca, ganha dinheiro ali…Os conteudos digitais representam atualmente 33 por cento dos ganhos da WWE…

    O valor dos PPVS desceram? SIM! Foi porque foram transferidos para a WWE network? Obvio que NÃO!
    Se pensarmos bem, combates para “encher chouriços” como estes do Cesaro e Sheamus, sempre houveram…com os PPV a serem transmitidos ou não na WWE Network! É impossível a WWE arranjar um card no qual todos os combates sejam tao interessantes como os principais! Claro que as coisas poderiam ter sido feitas de outra forma em relação as 2 vitorias do cesaro, mas isso é algo em que apenas os fãs mais atentos reparam! Os outros, não querem saber…e mesmo os que reparam, esquecem-se muitas vezes desses pormenores…nestas rivalidades pequenas e com “pouco tempo de antena”, aquilo que na maior parte dos casos mais interessa é saber se os lutadores protagonizaram ou não um bom combate…se sim, pode haver um push para um dessas lutadores. Se não, o combate cai no esquecimento, tal como muitos outros na historia da WWE.

    Em relação ao Rusev vs Reigns, concordo que o ultimo segmento entre ambos deixou algo a desejar, mas o resto da rivalidade até foi positivo a meu ver…o combate entre eles no raw era dispensavel, e foi um erro que não devia ter acontecido, mas acabou com a rivalidade?? obvio que não! O reigns está a ganhar confiança nas promos e nos combates, e já começa a ser um pouco mais ovacionado (eu sei que é contra Rusev…), e o rusev está a recuperar aos poucos o estatuto que tinha naquele seu 1 reinado como USA champion. Depois dizes que a rivalidade foi pela vontade egoísta do reigns em “arruinar uma (talvez irritante) celebração de amor e insultar a noiva”…mas de onde veio essa vontade? Foi natural? Não teve antecedentes? Os fãs da arena que apuparam esse segmento também foi apenas por um motivo egoísta? NÃO! O rusev tem uma personagem anti-america, acoes anti america…e é por isso que os fãs não gostam dele, e é por isso que personagens faces como o Roman Reigns entram em rivalidades com ele….É verdade que esta rivalidade não foi focada na questão patriótica, mas se fosse sempre assim, as rivalidades começariam a ser algo monótonas…sempre o mesmo! A lana está com rusev por alguma razão…ela também tem de ser usada para criar rivalidades…ela tambem faz parte da personagem do Rusev!

    Em relação ao Finn Balor…apenas te deixo uma simples pergunta: achas mesmo que alguem va subscrever à WWE Network apenas para ver a entrada do Balor como demon no summerslam? achas que agora os fãs que pensaram em subscrever a WWE network apenas já nao o vao fazer porque ja viram a entrada do balor? isso nao existe! A wwe, entre apresentar a personagem no Raw ou no Summerslam, preferiu apresentá lo no Raw!
    Com todos os segmentos, já dentro do prórpio Raw, a promoverem a estreia do balor como demon nesse mesmo raw, a WWE de certeza que criou expectativa e curiosidade para o programa, “obrigando” as pessoas a não mudarem o canal, de modo a aumentarem as audiencas, que nos ultimos tempos, têm sido como se sabe, uma grande dor de cabeça para a WWE! Ainda por cima agora com a Brand Split, a WWE está a tentar tornar o Raw e o Smackdown o mais interessante possivel, e a tentar criar alguns momentos historicos (estreia do demon) que acontecam nos 2 shows!

  4. Lucas - há 4 meses

    A rivalidade do Rollins e do balor só se salva com um grande combate hj, pois as promos foram muito aquém, especialmente por parte do balor, parecia engessado. O mais irônico do summerslam, foi que o as melhores promos são do combate para o título mundial do SmackDown, principalmente pelo versão heel do Ambrose, um turn o fará bem.

    • Rui Ribeiro - há 4 meses

      As promos ficaram muito aquem? Não deves ter visto as promos brutais do Seth Rollins semana após semana.

  5. alvaro - há 4 meses

    Alguem me pode dizer a que horas começa o sumerslam?

  6. Anónimo - há 4 meses

    realmente essa moça da opinião feminina só sabe criticar. para ela tudo está sempre errado. ela é muito repetitiva.

  7. Anónimo - há 4 meses

    nada contra salgado. respeito a opinião dela e de todos. mais gosto muito mais dos artigos do Luís Salvador.

  8. AwesomeChampion2016 - há 4 meses

    Salgado sempre batendo na mesma tecla e reclamando de tudo. Tudo tá ruim pra ela!

Comentar

Login com Facebook

Editar avatar »

Notificações por email:

Wrestling.PT © 2006-2016 / Política de Privacidade / Disclaimer / Sobre Nós / Contactos / RSS Feed / Desenvolvido por Luís Salvador