Existem 2 vagas na Equipa do Wrestling PT para publicar notícias. Candidata-te!

Opinião Feminina #37 – Nova Etapa

Qual foi um dos ingredientes essenciais do sucesso da Attitude Era?

A confusão entre a realidade e a ficção. Não a confusão realmente existente, mas a que se induz ao público. Quando o público não consegue perceber onde está a linha que separa essas duas noções, então é dinheiro ganho. Os fãs adoram as polémicas histórias que envolvem a realidade, pois atribui ao acontecimento em si uma dimensão maior do que a dada inicialmente.

Dá-se muito mais atenção e importância a uma história que aparenta ser real do que a uma história que se sabe à partida que é falsa. A realidade obriga os fãs a sentirem e a formarem uma opinião. Afinal, porque fariam o contrário se a história fosse falsa?

Triple H chegou à WWE em 1995, e em 2001 já era considerado um líder, por árbitros, lutadores, direcção, entre outros. Tanto no ringue, como no balneário, Triple H já começava a dar provas do seu sentido de liderança, que lhe garantiu o respeito de muitos e o ódio de outros tantos. O seu casamento com a filha do chefe, Stephanie McMahon, veio solidificar o estatuto que ele já vinha adquirindo ao longo dos tempos. Cada vez mais, Triple H participava nos bastidores a auxiliar no que podia.

Cada vez mais se tornava óbvio que quando Vince tivesse que se afastar, Stephanie e o marido iriam tomar conta de tudo, e o recente afastamento de Shane do negócio da família, reforça isso mesmo. Portanto, desde à um ano para cá que Triple H tem sido preparado pelo próprio Vince para isso mesmo: tomar rédea dos negócios. E durante esse ano, as suas responsabilidades têm aumentado, desde trazer novas estrelas para a companhia, como treinar outras já residentes, como tomar decisões por Vince quando o mesmo não está presente, entre outras.

E a história que vimos desenrolar na Raw de dia 18 de Julho, foi um reflexo de tudo isto. E foi também uma mistura de ficção e realidade. Foi Vince McMahon despedido, literalmente? Claro que não. É um absurdo pensar isso.

Então o que é que se passou? Esta pergunta possui duas respostas.

Na Realidade:

Sinceramente, acho que isto é mais uma das manobras de Vince para se afastar um pouco da acção. Já vimos limusinas a explodir, os Nexus a atacarem-no, o tecto a cair-lhe em cima, entre outras artimanhas, e esta é apenas a mais relacionada com a realidade.

Neste momento, ao dar Triple H mais poder, Vince tem a oportunidade de ver em primeira mão como as coisas vão correr no caso de uma ausência forçada. Caso as coisas não estejam bem ao agrado dele, Vince terá sempre a oportunidade de corrigir e ajudar, de forma a sentir-se mais descansado no futuro, visto que o que estamos a ver agora é o futuro: Triple H e Stephanie no comando. Vince continua a ser o dono, apenas se afastará das decisões importantes, e este é o tempo de adaptação até à sua verdadeira despedida. Portanto, o que vimos na Raw de dia 18, foi sem dúvida emocional e foi o passar da tocha para a geração seguinte, o que reforça o que eu disse acima.

Na Ficção:

Na ficção, as coisas ocorrem de forma ligeiramente diferente. E aqui podem investir em vários possíveis caminhos. Neste momento, Triple H está no poder e Vince está na rua. É tudo uma questão de ver o que vai mudar com Triple H a assumir o controlo. Porque sim, vai mudar. Vince e Triple H são de gerações diferentes, com funções diferentes. Vince foi o criador, e apesar de ter assumido diferentes papéis ao longo dos tempos (já lutou, já foi campeão, entre outros), continua a não ser um lutador, um performer.

E é isso que Triple H sempre foi. Logo, as perspectivas terão que obrigatoriamente ser diferentes.

E uma coisa que temos de ter todos em mente, é que o segmento que Punk teve na Raw de dia 27 de Junho, abanou a WWE e os fãs. Marcou uma mudança. Se anteriormente estávamos a ter reminiscências da Golden Era (com Hulk Hogan), neste momento estamos num período de transição. Não digo que seja para uma Attitude Era, mas estamos mais sérios. Se é para durar ou não, é uma questão de ver.

Ora, embora use fatos de um lado para o outro, Triple H continua fiel a si mesmo, sempre de bom humor e a fazer a piada fácil, que é já o seu habitual método discursivo. Trouxe algumas caras de volta, como JR, o que chocou muitos, eu incluída. E o já esperado regresso de John Morrison. Em relação a John Morrison, não há muito a dizer, irás atrás de Truth e a partir daí prosseguirá o seu caminho.

Enquanto, JR o caso já se torna mais complicado. Sem qualquer sombra de dúvida, um dos melhores, senão o melhor comentador da WWE. É um facto e um dado adquirido. O seu afastamento à uns anos, foi, parece-me, que com o intuito de dar oportunidades a outros comentadores de brilharem mais, como Michael Cole, que está em ambos os shows principais. No entanto, pergunto-me durante quanto tempo irá isto durar. Acredito que ainda têm algo a dar, mas já não está para novo, por isso não espero um regresso muito prolongado.

Devo acrescentar, que o segmento entre Triple H e R-Truth nessa noite foi hilariante. Mas, em relação aos campeões, ficámos com dois na Raw de dia 25, pois aparentemente Triple H conseguiu trazer de volta CM Punk. Por acaso, fui uma das que acreditou que Punk iria realmente ausentar-se, apesar de nunca ter posto em causa o seu regresso à WWE, e continuo a achar que essa tinha sido a solução mais correcta. Tal como disse noutro artigo, os fãs tinham que sentir a falta dele, a sua ausência era necessária para assim voltar em força e dar mais credibilidade a esta história. Como é óbvio, não aconteceu, mas isso não significa que a rivalidade não possa continuar a correr bem. Neste momento a única incógnita, é quando irá Del Rio fazer o tão desejado cash-in.

Na última Raw, Triple H marcou uma posição. Ele é o chefe, e mesmo resistindo às referências mordazes de CM Punk acerca de Stephanie, conseguiu não ficar por baixo e agendar o combate que já toda a gente esperava.

Na realidade, as coisas estão a mudar. Temporariamente ou não, isto é “history in the making”. Repito, muito dificilmente Triple H manterá uma linha de trabalho igual à de Vince, pois com perspectivas diferentes isso é difícil, mas não espero daqui um mau trabalho, muito pelo contrário. Estamos a caminhar, ao que parece, para uma época de mais seriedade mas ainda PG.

Só um pequeno aparte: em relação à tão falada “PG Era”. Continuo a dizer que culpar a classificação, pela qualidade ou decisões criativas do programa, é a saída mais fácil. É a desculpa cliché. Se existem diferenças entre a Atittude Era e a PG Era? Sim, claro que existem. Se era melhor? Nalguns aspectos, claro, porque não?

Mas não se esqueçam, que a decisão de tornar a WWE PG foi com o intuito de abranger mais fãs e obter mais audiências. Foi uma jogada estratégica e com os negócios em mente. Não se esqueçam que por causa dessas polémicas todas das criancinhas andarem a fazer manobras por tudo e por nada, fez com que a WWE fosse aos olhos de muitos, o bicho papão. Eles precisavam de desmistificar essa ideia e apresentar um produto que aparentemente é mais familiar, mas sem perder a sua essência. Foi apenas uma manobra do negócio sobreviver, para manter e ganhar mais patrocínios. “Nenhum homem é uma ilha”, é o que costumam dizer. Ora a WWE não sobreviverá sozinha no mundo.

Tudo o que veio por acréscimo à classificação PG foi decisão da WWE. E depois vejamos, precisávamos mesmo de tanto sangue? De Divas em roupas ainda mais curtas? Dos palavrões todos?

Lamento informar, mas a quantidade de sangue não determina a qualidade de um combate. Se existem bons combates com sangue envolvido? Sim, existem, mas não são propriedades mutuamente inclusivas ou exclusivas. E além disso, a WWE já provou que é possível fazer combates extreme sendo PG, basta ver o Extreme Rules deste ano, que foi dos melhores PPV deste ano, até agora.

Palavrões por tudo e por nada? A ideia de que para se ser irreverente, pouco convencional, e convincente passa por dizer vários palavrões é simplesmente degradante e ridícula. Se uma menção, ocasional bem usada não dá sucesso? Claro que dá. Basta olharem para algumas das melhores catch-phrases de sempre e para os mais recentes discursos entre Punk e Triple H. Mas, tal como a referência acima, não é algo obrigatório, e alguns lutadores já andam a usar.

Divas com roupa curta? Então? Os calções da Kelly Kelly não são já curtos o suficiente?

Compreendo que para a população masculina o facto das Divas serem usadas como objectos de atracção sexual (à falta de melhores termos) pode ser agradável. Mas eu como fã de Wrestling, quero ver combates. Quero ver boas storylines. Quero me empolgar. Quero ser entretida. E isso não passa por um grupo de modelos a desfilar pelo ringue. A divisão de divas não tem que ser um dos pontos fracos da WWE. Têm lá boas lutadoras, e se quiserem conseguem arranjar mais. Usem-nas! Em relação às outras que são fogo de vista? FCW ou rua. Tão simples quanto isso.

Uma das coisas que eu mais sentia falta da Attitude Era, e aí dou razão a quem aponta isto, está neste momento para acontecer nesta Era, segundo os rumores. Sempre gostei de histórias reais e com toques pessoais. A história do “quero esse título” não funciona sempre, daí estarmos sempre com a ideia da repetição. Por isso é que a história de Punk resultou, porque usaram um pouco dessa fórmula.

Neste momento, acredito que este período seja um período de transição. Tenho a maior confiança em Stephanie Mcmahon e Triple H. Ambos foram ensinados pelos melhores, e ambos são inteligentes no que toca ao negócio. Mas como qualquer ser humano, não são imunes a erros, tal como Vince não o era. É uma questão de esperar, ver e aproveitar, porque daqui a muitos anos vão falar disto, e nós vamos ter o privilégio de dizer que o vimos em primeira mão.

Sobre o Autor

- Administradora. Publico parte das notícias, faço a gestão da League, dos Passatempos e ainda sou escritora do artigo “Opinião Feminina”.

20 Comentários

  1. General Manager - há 5 anos

    Excelente artigo

    Acredito que com triple h no comando vao haver grandes mudanças

  2. Suicide - há 5 anos

    “precisávamos mesmo de tanto sangue? De Divas em roupas ainda mais curtas? Dos palavrões todos?”
    Em relação ao sangue, também não digo em todos os combates, mas há certos combates que ficaria um pouco mais realista, nem que sejam apenas umas gotas.
    Os palavrões, realmente acho que se consegue fazer um bom “discurso” sem os usar.
    A roupa das divas… realmente também é importante a sua qualidade no ringue, mas se tiverem umas roupas mais… apelativas ao olhar, é bem melhor. E acho que não fazia mal nenhum trazer de volta os Bra and panties match.

  3. Para começar digo que tens aqui um excelente artigo.

    Eu tenho a certeza que com Triple H a mandar vai haver coisas que vão mudar e basta ver o percurso de cada um. Triple H sabe o que é estar em ringue e tem a visão de um lutador enquanto Vince tem a visão de um executivo.

    Com a experiência que Triple H tem em ringue juntamente com a executiva que possui agora tem tudo para ser um sucesso.

    Quanto ao sangue num combate concordo que não é isso que vai tornar um combate fantastico mas acho que a presença de sangue em certas situações só ia trazer mais credibilidade.

    Quanto há divisão feminina cada fez mais se esta a tornar numa divisão de divas do que uma divisão de lutadoras. Para mim também é a capacidade em ringue, capacidade no micro e boas feuds que gosto de ver na divisão feminina mas também gosto de ve-las umas “bombas”.

    É verdade que há muito tempo que só da gosto ver a divisão feminina só mesmo pelo corpo delas porque em termos de combates e storys esta uma valente trampa.

    Lutadores temos duas Beth Pheonix e Natalya e mais tarde vira Kharma mas até lá vamos ficar por as duas iniciais, porque o resto da divisão é só meninas bonitos que não conseguem fazer um bom combate sequer.

    Para acabar não digo que Triple H trara a Atitude ERA de volta mas acredito que faça mudanças que vão ficar para a história.

  4. Tiago97 - há 5 anos

    Já disse e volto a dizer.

    Os combates de Divas hoje em dia são mais soft porn do que outra coisa.

  5. Joao Marcos - há 5 anos

    Eu tambem acho com Triple H agora no comando, vai haver mudanças. Prontos para mais um chat? LOOOL

    Mais um artigo com 100 comentarios :P

  6. gonçalo - há 5 anos

    excelente artigo concordo com todo

  7. Malamadre - há 5 anos

    eu sinceramente espero que triple h acabe com a pg

  8. Malamadre - há 5 anos

    A Stephanie podia ajudar muito na salvaçao da divisao de divas que apesar de boas esta uma merd*

  9. Chazz_Princeton - há 5 anos

    Ó Salgado, atão? Tás a falhar. Não te despediste com o já típico “até para a semana e comentem de forma construtiva :)” ahaha, anyway.

    Sangue. Tens razão, não é preciso assim tanto sangue. Mas eles levaram a coisa ao outro extremo, e eu sei porquê. Agora, combates sem sangue de todo, especialmente combates de ambiente digno de Extreme Rules, o sangue faz falta por várias razões. Primeiro, dar credibilidade ao “extreme” (que na minha opinião já não tem muita), pois o sangue mostra isso mesmo: ser ao extremo. Não quero sangue ao extremo, não é isso, apenas acho que ver um gajo a ficar a sangrar dá pica ao combate, dá realismo ao extreme e dá às vezes a dúvida “será que ele ainda se levanta depois disto?”. Agora, sangue por tudo e por nada não, claro que não. Além disso o sangue faz falta porque pela falta do mesmo, perdemos um dos combates que eu gostava de ver: First Blood Match.

    Divas de roupas curtas. Ahahaha, para quem acha que Bra & Panties faz falta: “Divas com roupa curta? Então? Os calções da Kelly Kelly não são já curtos o suficiente?” observação mais que pertinente xD.

    Palavrões por tudo e por nada? Isso é ridículo, julgar-se que um discurso só é bom se tiver 6 palavrões numa frase de 5 palavras, é irritante e ridículo. Agora, concordo que um ou outro palavrão de vez em quando e quando é pertinente não faz mal absolutamente nenhum, e por acaso acho que a WWE está bem nesse campo.

    De qualquer forma, bom texto, e como já sabes, nota-se uma evolução do teu último para este, por isso estás de parabéns e continua o bom trabalho, pode ser que um dia chegues a ser excelente ;).

    (estou a picar-te a dizer que podes um dia chegar a ser excelente, não para te deitar abaixo, mas para te esforçares mais ;) )

    • Salgado - há 5 anos

      ehm achei que acabava bem assim como estava :)

      Essa do construtivo não vale a pena, só poucos me ouvem xD

      • Chazz_Princeton - há 5 anos

        Sinceramente, não acho que acabe bem assim xD porque eu acabo de ler isso, e dá a entender que te cortaram o microfone a meio da promo xD se é que me entendes.

        Uma despedida cai sempre bem…mesmo que não te ouçam. Passa a fazer assim:
        “Até à próxima, COMENTEM DE FORMA CONSTRUTIVA :)” pode ser que ouçam.

      • Salgado - há 5 anos

        Uma despedida não é sempre necessária para dar a entender que acabou. Basta um tom de finalização.

      • Chazz_Princeton - há 5 anos

        É verdade, okay. Ganhaste

  10. Chazz_Princeton - há 5 anos

    Btw,

    Só gostava de salientar uns pequenos erros, ou seja, existe uma diferença entre “à” e “há”, e não “utilizas-te” com um H; mas isso também não é grande e não é suficiente para tirar a excelente qualidade deste texto! Bom trabalho!

    (não resisti xD)

    P.S.: para quem não sabe, este comentário é a gozar com um outro comentário que foi feito há umas edições atrás, e que eu achei imensa piada xD por isso agora vão-me ouvir a dizer isto muitas vezes xD (ou não).

  11. franciscoxb - há 5 anos

    quem me dera que o hhh acaba-se com a pg

  12. Salgado - há 5 anos

    Suicide & Chazz

    Em relação ao sangue, eu não digo que sangue não contribua para o realismo da situação, só disse que a presença de sangue não é um factor determinante para a classificação de um combate, ou seja, a sua presença não torna um combate bom, e a sua ausência não torna um combate mau.

  13. johnymeister - há 5 anos

    Tens aqui um excelente artigo sem dúvida.

  14. 35antonio - há 5 anos

    Querem que eu vos dê a minha opinião? Desde o 1º dia da PG Era que isto foi tudo propositado para causar um grande impacto na entrada de Triple H para a chefia, passo a explicar:

    Vince McMahon tem “desaparecido” dos shows da WWE desde praticamente 2008, e por “coincidência” a PG Era começou em 2008.

    Eu acho que Vince McMahon estava se a aperceber que o dia de passar a “tocha” para a próxima geração estava a aproximar-se então ele trouxe-nos a PG Era não só com o objectivo de atrair crianças mas sim desagradar os fãs da Attittude Era para quando finalmente for embora, o seu sucessor (Triple H) fazer um grande impacto e assim como consequência, a WWE acaba por não só atrair crianças mas acaba também por atrair os fãs da Attittude Era porque pensam que a PG Era vai acabar de vez.

    Isto tudo é um esquema de longo prazo (que tem tido sucesso até agora) para ter mais audiências.

    • Chazz_Princeton - há 5 anos

      LOL eu já pensei nessa hipótese. Basicamente o que tu estás a dizer é que a WWE faz de propósito para a PG era se mostrar uma merda na opinião dos fãs da Attitude Era, e ao mesmo tempo para atrair os putos. Portanto a WWE fez de propósito para se tornar pior do que antigamente (na opinião de muitos) para depois, quando o Triple H se apoderasse da empresa, fizesse todas as melhorias que pudesse, para a WWE melhorar aos olhos daqueles que desiludiu, e assim recuperar o pessoal de antes, continuando a ter os putos.

      Parece-me uma boa estratégia, e é um “calculated risk” (como diz o Vince) que parece estar a dar resultado… afinal a WWE não é governada por parvos.

Comentar

Login com Facebook

Editar avatar »

Notificações por email:

Wrestling.PT © 2006-2016 / Política de Privacidade / Disclaimer / Sobre Nós / Contactos / RSS Feed / Desenvolvido por Luís Salvador