Existem 2 vagas na Equipa do Wrestling PT para publicar notícias. Candidata-te!

Opinião Feminina #74 – Lord Tensai

Road to Wrestlemania, o período do ano em que mais compensa ser fã da WWE. Teoricamente, é o período do ano em que a WWE se esforça ao máximo para promover a Wrestlemania, conseguindo assim que milhões por toda a parte do mundo paguem para ver o evento. Nada de estranho, não fosse este evento o maior e mais importante do ano para a companhia.

Ora, por esta razão é que para a maioria dos fãs é também o período mais esgotante de Wrestling. Desde o início do ano, passando pelo Royal Rumble e Elimination Chamber, até chegar à Wrestlemania passam cerca de quase três meses completos, o que acaba por ser cansativo manter a atenção dos fãs presa de forma ininterrupta por tão longo período de tempo. Consequências disso? Após a Wrestlemania é normal surgir algum cansaço e desinteresse por parte dos fãs.

Ora, a WWE não surgiu ontem, logo estes problemas já são bem conhecidos por parte dos seus donos. Para combater isso, um regresso ou uma estreia de uma nova estrela fica, quase todos os anos, guardada para a noite após a Wrestlemania.

Porquê na noite após e não na própria noite do evento?

Porque, primeiro, tal como disse, a WWE precisa de algo que segure o máximo de atenção possível dos fãs depois de tão extenuante período de tempo. Segundo, porque a Wrestlemania é vista como o último evento do ano da WWE. Logo, é onde a maioria das histórias acabam, ou deviam acabar, para dar início a novos começos e a evoluções de outras histórias. Na Wrestlemania não se dão início a histórias, ou pelo menos, não deveriam. A Wrestlemania é o local ideal para consolidar e finalizar o que foi trabalhado ao longo do ano.

Depois do evento, mesmo as histórias que continuam precisam de sofrer alterações de forma a evoluírem para algo mais que volte a convencer os fãs a pagar para ver as verem.

Em terceiro lugar,  não faz sentido colocar um regresso que poderia originar picos de audiências num evento que já está mais que promovido e “vendido” aos fãs. A WWE pode usar alguns rumores e lançar uns seus para espicaçar a curiosidade dos fãs sobre o evento, mas não compensa chegar a vias de facto a colocar estreias ou regressos na Wrestlemania.

Enquanto no ano passado, por esta altura, os nomes que nos ocupavam o pensamento eram Sín Cara e Kharma, estrelas que nunca tinham estado na empresa até então, este ano pensávamos em três estrelas distintas já nossas conhecidas de outros tempos.

Batista, a antiga estrela de topo da WWE que segundo o mesmo, não planeia voltar tão cedo, pois acredita ter ocorrido uma decadência do produto. Ora, opiniões são opiniões e a PG Era certamente é um assunto que divide muitas pessoas, mas Batista era, a meu ver, aquele que mais acreditava que ia regressar na Raw após Wrestlemania. Brock Lesnar provou aquilo que já todos sabíamos, podem não gostar, podem até falar mal, mas se forem bem pagos quase todos estão dispostos a voltar. Duvido que Batista seja excepção. E também porque não sabia até que ponto o que Batista afirmava não seria uma forma de regressar e entrar em rivalidade. Afinal, foi o que Chris Jericho fez.

Tal como disse a semana passada, Brock Lesnar era de facto aquele que menos acreditava que aparecesse, por razões já discutidas.

E por fim, Matt Bloom, também conhecido como Prince Albert, A-Train e mais recentemente, Lord Tensai, estava anunciado para fazer o seu regresso. Quando? Não se sabia, as vignettes não eram claras. Se era mesmo ele? É certo que cada um terá a sua opinião, mas acabe por ser verdade ou não, no fim, nunca levei muito a sério negações feitas via redes sociais, logo desde o início que me convenci que era mesmo ele.

Embora nunca tivesse sido anunciado claramente quando, tinha um certo instinto que me dizia que seria na Raw, por todas as razões já apresentadas acima. E, até terminar de ver o seu regresso nesse episódio, cheguei a ponderar se não seria o único. Contudo, a sua estreia confirmou-me que não seria e uma hora mais tarde, confirmou-se.

Não sei se conseguirei explicar com clareza o porquê, mas a sua estreia não impressionou. Há lutadores que são conhecidos e famosos por conseguirem estabelecer e manter uma ligação com os fãs. Uma ligação que pode durar para sempre e que não é fácil de obter. Quando essa ligação ocorre, os lutadores chegam a garantir fãs para a vida. E nesse sentido, a estreia de Lord Tensai não teve qualquer efeito sobre mim.

Não quer dizer que estava à espera que ficasse a gostar instantaneamente dele. Muito pelo contrário, estou sim, a apontar a ausência de química e carisma no seu trabalho e apresentação que impossibilitou assim que os fãs se conseguissem conectar com ele. E isto não tem nada a ver com ser heel ou não. Isto é algo que não se finge e é muito difícil de atingir.

Ora, o que acabei de apontar, tal como indiquei, não é claro e é puramente subjectivo. O que atrai uns fãs, não é necessariamente o que conquista ou atrai outros. Certamente deverá haver alguém neste mundo que se conseguiu impressionar de uma forma diferente com esta nova estreia de Matt Bloom. Contudo, embora não haja oportunidade para estrear outra vez e começar do início, há várias agravantes que se devem ter em conta. E estas agravantes serão críticas que irei fazer a aspectos mais técnicos e concretos da sua estreia.

Então, indo agora numa direcção exacta e lógica, onde é que Lord Tensai falhou? O que é que faltou? Teria sido o seu devoto companheiro que tinha falhado? Fato pouco convincente? Ou teria sido o simples facto de que a audiência já o conhecia, sob outros nomes?

Há vários aspectos que terei que apontar nesta área, mas o mais importante penso mesmo que seja a séria desactualização temporal desta personagem. Matt Bloom pertence a esta Era, Lord Tensai não.

Os anos 80 e início dos 90 do Wrestling Profissional, na América do Norte, foram marcados pela criação e predominância de personagens coloridas, irrealistas e que mais pareciam tiradas de livros de banda desenhada. Personagens como Hulk Hogan, “Macho Man” Randy Savage e Ultimate Warrior, entre outros, eram tudo menos realistas. Para as crianças daquela geração, representavam aquilo que eles aspiravam ser, mas não conseguiam. Eram miragens impossíveis de alcanças, mas tão hipnotizantes de ver. Em nada estas personagens do Wrestling Profissioanl diferiam de outros heróis como Super-Homem, Homem Aranha ou Capitão América. Representações que diziam o mesmo, mas vindas de mundos diferentes.

Contudo, as crianças cresceram, os tempos mudaram e uma nova Era surgiu. Uma Era marcada pela irreverência, pelo atrevimento e acima de tudo, por uma Atitude diferente. De forma provocante e, talvez possa ser considerada infantil, esta Era conquistou multidões e definiu uma das mais importantes Eras desta indústria. A “Attitude Era”. Os Super-Heróis, as personagens espalhafatosas, irrealistas e coloridas deram então lugar a personagens construídas totalmente com base na realidade, ou só em grande parte. Histórias mais verdadeiras, representadas por pessoas que deixaram que as suas personagens fossem reflexos de si mesmos.

Vários factores podem ser considerados responsáveis por esta nova atitude. Penso que é consensual dizer que os principais culpados são a NWO, a ECW Original, “Stone Cold” Steve Austin e por consequente, a DX. A NWO, o famoso e controverso grupo da WCW formado por Scott Hall, Kevin Nash e Hulk Hogan foi uma das principais armas que a WCW usou para combater a WWF em audiências. Basicamente, este grupo é o exemplo claro do uso da realidade para criar e desenvolver histórias.

A ECW Original permitia aos lutadores serem eles mesmos e dava-lhes espaço de antena para se expressarem e no fim, proporcionava ao público combates verdadeiramente arrepiantes. Estrelas como Mick Foley e Steve Austin desenvolveram as suas capacidades lá, com base em frustrações reais. Steve Austin pode ser considerado um grande culpado, não só pela sua atitude na ECW, como principalmente pelo seu famoso discurso no King of the Ring em 1996.

A versão original da DX já veio por acréscimo e foi uma das armas, a início involuntárias, da WWF para rispostar nas “Monday Night Wars”. Contudo, não há qualquer dúvida que Shawn e Triple H estavam a fazer tudo, menos interpretar uma personagem. Tudo isto e muito mais deu origem e/ou cimentou esta Era. A Attitude Era foi o palco da guerra das guerras entre as duas maiores empresas norte-americanas de Wrestling e tudo era válido.

Poucos sobreviveram às mudanças impostas por esta guerra. Até Undertaker, uma das personagens mais icónicas de sempre e certamente, uma das mais irreais, aproximou-se mais de si mesmo quando surgiu como “American Badass”. a estas mudanças. Dos nomes mais conhecidos e de sucesso, Kane é o que mais se destaca, a meu ver.

A verdade é que desta guerra restou esta característica que impunha o uso da realidade nas histórias. Basicamente, um “Ultimate Warrior” dificilmente sobreviveria. Fornecer a uma audiência, que está habituada a assistir ao uso frequente da realidade para cimentar e construir histórias, algo completamente diferente e que acima de tudo é o oposto do que tem visto ultimamente, é arriscadíssimo.

Essa é uma das grandes falhas de Lord Tensai. É uma personagem demasiado complexa e detalhada, nas suas próprias características pouco reais, para a época que estamos.

Nem há um ano assistimos a um discurso de CM Punk que colocou o mundo a pensar se teria sido real ou não e agora apresentam-nos algo que não podia ser mais afastado da realidade possível.

Há aqui duas mentalidades que a WWE possui e usou ao longa sua história e neste momento, estão as duas em conflito. De um lado, temos personagens o mais próximas da realidade de quem as representa, como Daniel Bryan, CM Punk, Randy Orton, John Cena e Brock Lesnar. E do outro, temos alguém que está completamente deslocado deste mundo e que mais parece tirado de um filme de fantasia ou livros de banda desenhada.

Undertaker e Kane conseguem sobreviver a este escrutínio e exigência da audiência porque já ninguém se lembra deles noutros papéis. Em televisão, Mark Calaway foi sempre Undertaker e depois de tantos anos de consolidação, provas dadas e evolução, ele consegue sobreviver neste meio. Já Kane ninguém, ou praticamente ninguém, se lembra dele na sua personagem de dentista. O seu trabalho tem sido tão consistente ao longo destes anos, mesmo depois de ter sido desmascarado e tendo alguns deslizes desnecessários (ex: Dança do Trombone), que as pessoas não o conseguem/querem ver de outra forma.

Lord Tensai é uma personagem que encaixaria na perfeição antes da Attitude Era. Hoje em dia, não impressiona.

Matt Bloom teve que fazer algo impressionante no estrangeiro para a WWE o ir resgatar. Em algo, ele teve que ter sucesso. Caso contrário, não faz sentido este regresso. Uma última jornada para terminar carreira funciona em lutadores que as pessoas gostem e de quem se lembrem, e a verdade é que antes, Bloom não tinha sido marcante o suficiente para as pessoas gritarem o seu nome nas arenas.

Uma das coisas que distingue a WWE de outras companhias de Wrestling é a enorme audiência que possuem semanalmente e/ou em dias de PPV. Isto acaba por se tornar em mais uma exigência a que os lutadores precisam de conseguir corresponder. Basicamente, os lutadores precisam de se saber comportar neste ambiente. Uma pessoa sentada no último lugar, na última fila, lá bem no topo, precisa de conseguir perceber o que está a acontecer em ringue. Óbvio que não terá a qualidade de uma pessoa na primeira fila e óbvio, que precisará da ajuda dos ecrãs, mas acima de tudo, a percepção do que se está a passar em ringue precisa de ser clara para a imagem correcta também ser passada pelos ecrãs.

Os movimentos dos lutadores precisam de ser projectados para a audiência, para que, de facto eles estejam a lutar para os fãs e não para eles mesmos. Logo, alguns aspectos que Lord Tensai usava nos seus primeiros combates, como eles terminarem por ordem do árbitro e o uso daquela substância que ele projecta na face dos seus adversários não facilitava o cumprimento desta exigência que lhe é imposta.

Primeiro, aquela substância, que nos primeiros combates, era incolor precisava urgentemente de mudar. Não só a sua falta de cor tirava impacto ao movimento, como era visualmente menos atraente. A WWE, aparentemente, percebeu isto a tempo e fiquei bastante contente ao constatar que tinham remediado a situação na passada Raw, com John Cena. O facto da face dos seus adversários ficar com aquela cor dá outra dimensão e realismo ao que está a ser feito e, já agora, acho que foi de génio Cena ter insistido que precisava de água para lavar os olhos, depois do combate. Algo que fiquei surpreendida, pela positiva, de ver e que espero, que os seus sucessores continuem a fazer.

Outro aspecto que visualmente, não possuía impacto algum era a forma como os combates terminavam. Um pin, submissão ou até uma desqualificação (dependendo da forma como é feita) transmite uma mensagem muito mais violenta do que aquilo que fizeram nas primeiras vezes.

Em teoria, percebo a lógica de um lutador estar tão magoado que não consegue continuar o combate, logo o seu adversário é visto como um perigo muito maior. Mas na prática, visualmente, o efeito atingido não é esse. É sim, simplesmente anti climático e um pouco confuso, para quem está a assistir na arena. Acaba por ser também algo que não estávamos habituados a ver com tanta frequência, e do nada surge uma estrela que o usa em dois combates seguidos.

Basicamente, quase tudo nesta personagem era contraditório ou confuso. Felizmente, remediaram algumas destas falhas, pelo menos assim pareceu.

A sua vitória limpa contra John Cena foi bastante surpreendente. Pessoalmente, não estava à espera que Cena vencesse de forma limpa, mas contava com o uso de uma desqualificação.

Ao colocar esta personagem a vencer de forma tão decisiva dois lutadores como Yoshi Tatsu e Alex Riley, a WWE fez de Lord Tensai um monstro banal. Aliás, um dos problemas com que Brodus Clay teria que lidar (e que referi na altura) caso tivesse sido esse o seu caminho. Afinal, não é algo que não tenhamos visto já.

Contudo, ao ter Tensai a vencer John Cena, a cara da companhia, a WWE está a demonstrar que aposta que está a fazer nele é mais séria do que originalmente tínhamos pensado. Ou isso, ou vencer John Cena tornou-se uma banalidade e algo que todos podem fazer, o que não acredito.

Tal como tinha sugerido há umas semanas, eles estão a usar John Cena para elevar outras estrelas da companhia. É certo que quando sugeri isto, estava a pensar em lutadores da próxima geração e que fiquem cá a longo prazo, por exemplo, Dolph Ziggler. Nunca tinha pensado em Lord Tensai. Mas, consigo compreender a lógica, e no fundo, se bem feito, acaba por ser a coisa certa. O estatuto inabalável de John Cena tem que ser bem usado e de forma a favorecer a companhia. De resto, só falta mesmo a personagem de Tensai resultar com os fãs para ser um sucesso.

Percebo que ver John Cena na mó de baixo repetidamente possa ser confuso, mas, posso estar a ser ingénua, não acredito que a WWE arrisque a reputação e estatuto da pessoa mais rentável da companhia. Portanto, se John Cena está a passar por estas dificuldades, é porque a WWE já tem algo em mente, no qual está bastante confiante. Por isso, não estou preocupada. Atenção, isto refere-se apenas à história com Brock Lesnar e Lord Tensair. Continuo a não concordar com o resultado da Wrestlemania.

Em ringue, embora seja fisicamente impressionante, também Brodus Clay, Mark Henry, The Great Khali e Big Show o são. Tal como disse há meses, os “monstros” precisam de ser muito bem construídos e marcantes. Senão, não resultam. Não sou fã dele em ringue, pois penso que ele é demasiado lento e a fluidez é quase inexistente. Em parte, ele também me parece estar fora de forma e por fim, os combates dele são aborrecidos de se ver, o que é completamente ridículo, visto os mesmos não serem assim tão longos.

Esta personagem precisa de tempo para evoluir, mudar alguns aspectos para não ficar tão intensa. Pessoalmente, não estou impressionada e não me convence a ver a Raw. Penso que por isso a WWE deve começar a pensar em mudar ou aligeirar alguns pormenores que constituem esta personagem. Não digo que com o tempo esta personagem não resulte, pois nada é impossível, mas é preciso paciência e restringir julgamentos principitados. Afinal, também Brodus Clay não me convencia e agora até consigo tolerar a sua presença. Excepto quando vence o Dolph Ziggler em combates curtos.

Só espero que a WWE não marque um combate para Lord Tensai em cima da hora, no Extreme Rules. É das piores coisas que se podem fazer e atitude da audiência para com Lord Tensai, o truque não iria funcionar como eles pretendem. Enfim, por hoje é tudo, até para a semana!

Sobre o Autor

- Administradora. Publico parte das notícias, faço a gestão da League, dos Passatempos e ainda sou escritora do artigo “Opinião Feminina”.

9 Comentários

  1. João Macedo - há 5 anos

    Vale a pena esperar a semana toda para ler isto, sem dúvida.

    Lá está, Lord Tensai não é uma personagem bem enquadrada para esta Era, para este momento que se vive na WWE. Foi, como disseste, banal ele ter vencido lutadores como Riley e Tatsu, pois desta forma as pessoas não o encaram como um monstro digno, encaram-no como um tipo forte que venceu quem não costuma aparecer muito na Raw/SmackDown. Mas quando venceu Cena, as coisas mudaram completamente de figura, não é qualquer um que consegue vencer a cara actual da empresa e após este combate Tensai ganhou muita consideração. E também não quero que marquem um combate à ultima da hora para ele no Extreme Rules, não faz sentido algum.

    Fico então à espera de mais uma edição deste fantástico artigo.

  2. Frederico_WWE - há 5 anos

    Este homem está e vai ter um push gigantesco e não sei se merece!
    Há que planear o futuro e homems como Dolph Ziggler a serem derrotados com facilidade quase como por squash por Brodus Clay é algo intolerável na minha opinião.
    Sinceramente Tensai ter ganho a Cena eu não digo que não tenha gostado mas foi uma surpresa gigantesca o que só mostra que a WWE tem grandes planos para Tensai.
    Quem sabe se a WWE pretende fazer de Tensai o primeiro campeão japonês da WWE? Não me agradava nada…
    Tudo para abrir o mercado asiático vão vir charters do Japão LOOL
    E sim eu sei que ele não é do Japão xD

  3. danielLP21 - há 5 anos

    Mais um excelente artigo:)

    Não estava à espera que escolhesses este tema mas foi uma boa escolha.
    Eu não me senti muito impressionado depois de ver os dois primeiros combates do Lord Tensai e viu-se que ele não teve muito impacto no público presente em ambas as ocasiões.No entanto,acho que isso pode ter mudado depois do combate com o John Cena e só o tempo o dirá se isso se confirma.
    Concordo com o que dizes em relação à falta de actualização desta personagem.Já não faz muito sentido criarem-se personagens destas mas pode ser que a WWE tenha algum objectivo em mente com esta nova personagem e que não seja apenas mais uma no meio das outras todas.
    Realmente já quase ninguém se deve lembrar do Kane como o dentista do Jerry “The King” Lawler nem da sua passagem pela WCW.Infelizmente nos últimos anos o Kane mostrou ser humano,como se pôde ver na “Dança do Trombone” ou no “Kane-A-Roonie”.
    Mas voltando ao Tensai,estou curioso para ver o que está programado para ele e espero que não se confirme aquela história de ele ser o guarda-costas do Laurinaitis.
    Eu também preferia que os dois primeiros combates do Tensai terminassem de outra forma e não assim,mas pronto.
    Não quero que lhe marquem um combate em cima da hora no Extreme Rules e gostava de saber o que é que Superstars como o Dolph Ziggler,o Miz,o Mark Henry,o Kofi Kingston e por aí fora vão fazer no Extreme Rules e temo que a resposta seja: NADA!

  4. 619 D-generation X - há 5 anos

    com quem tensai lutara no Extreme Rules??

    • Rúben Rosa - há 5 anos

      Talvez contra o Santino pelo título us

    • João Macedo - há 5 anos

      Meu amigo, isso é uma incógnita, ainda não se sabe, por dois motivos: em primeiro lugar, não tem nenhum combate para lá marcado e em segundo lugar não está a rivalizar em ninguém de especial, portanto não deverá estrear-se a lutar no Extreme Rules com uma storyline. Mas quem sabe, quem sabe…

  5. Little Jimmy - há 5 anos

    O push q ele recebeu é imenso e pra mim ñ era algo q deve-se ser feito nesse momento deveria ser dado tal push a algum outro lutador q ja esta ai a mais tempo atuando nos shows do RAW

  6. Master of Chaos - há 5 anos

    Ótimo artigo, o Lord Tensai com toda a certeza terá um grande futuro pela frente, e será bom que ele fique como “guarda-costas” do Laurinnaittis, pelo menos ele terá um serviço na WWE a não ser um wrestler. rsrsrs.

    Gradne artigo Salgado.

  7. FábioVaz - há 5 anos

    Ual que artigo… longo e detalhado.

    Enfim, não acho de todo mal Lord Tensai ter começado vencendo Riley e Tatsu, até porque Brock Lesnar já estava chegando para confrontar John Cena, fazer Tensai chegar atacando alguem de grande porte seria algo que sobrecarregaria as re-estreias que estavam acontecendo, acho que a WWE soube montar aquilo que quer, embora não agrade muitas pessoas, a WWE está fazendo esse papel a Lord Tensai, e se querem assim, assim o farão.

Comentar

Login com Facebook

Editar avatar »

Notificações por email:

Wrestling.PT © 2006-2016 / Política de Privacidade / Disclaimer / Sobre Nós / Contactos / RSS Feed / Desenvolvido por Luís Salvador