Existem 2 vagas na Equipa do Wrestling PT para publicar notícias. Candidata-te!

Opinião Feminina #97 – Pointless Numbers or Telling Signs?

Um dos aspectos mais importantes que um performer é obrigado a enfrentar, seja qual for a sua área de especialização, são as críticas e avaliações ao seu trabalho. Todas as críticas e avaliações terão sempre o seu quê de subjectividade, contudo tal não invalida ou anula o seu peso e importância, dependendo, claro, da importância que o performer atribui ao autor da mesma. É claro que neste campo há várias variáveis a considerar, como a justiça das críticas feitas e a forma como o performer as recebe e lida com as mesmas.

Embora não seja visto e entendido propriamente como uma crítica, as audiências que um determinado programa ou segmento recebe costuma ser usado como escala de avaliação de qualidade do mesmo. É claro que isto é feito por grande parte dos fãs de Wrestling e pela própria WWE.

Como será natural de prever, tendo em conta as responsabilidades que a WWE tem para com a USA Network – a sua estação televisiva que passa a Raw – e com a maioria dos seus patrocinadores, não será de estranhar que a WWE se preocupe com as audiências que o seu programa principal atinge.

Esta semana, a WWE apresentou um episódio da Raw consistente, com vários pontos de destaque e de grande qualidade onde acima de tudo, foi possível observar a progressão de várias histórias, ao invés de apenas a principal. Contudo, mesmo sendo uma Raw consistente e de boa qualidade, continuou a ser um dos episódios com as audiências mais baixas desde 4 de Julho do ano passado. A justificação que mais se ouve falar para tal descida abrupta das audiências é o jogo da NFL que decorreu também na passada segunda-feira, que parece ter sido bastante importante para as equipas em questão.

Perante esta situação, algumas das perguntas que se colocam agora são as seguintes: será que isto significa que este foi também um dos episódios menos vistos pelos fãs?; será que a culpa de grande parte dos fãs ter escolhido a NFL, ao invés da WWE, é da própria WWE e do produto que apresenta?; existirá alguma coisa que a WWE possa fazer para resolver este “problema”?; será a preocupação da WWE relativamente às audiências saudável e tomarão eles boas decisões com base nisso?; entre outras. E serão essas as questões que tentarei responder nesta edição do Opinião Feminina.

Já afirmei que é natural que a WWE se preocupe com as audiências que a Raw atinge, contudo preferia que a companhia se preocupasse igualmente com a qualidade do produto que apresenta e com o que pode fazer a longo prazo. A WWE é conhecida por não apostar definitivamente na maioria das suas estrelas, recuando e cedendo à pressão quando os valores descem um pouco. Sinal disso foi o que aconteceu com Alberto Del Rio o ano passado, após fazer o cash-in do Money in the Bank no Summerslam. As audiências desceram ligeiramente e, por coincidência ou não, John Cena recuperou o título no pay-per-view seguinte, dando assim origem a um dos grandes problemas da ainda curta carreira de Del Rio.

Aliás, isto não se resume apenas a audiências, mas a quase tudo. Muito à semelhança dos fãs, a WWE possui pouca paciência para ver se certas decisões resultam ou não, prejudicando assim os envolvidos. Algo que ambas as partes precisam de ter em mente, no que toca à construção de uma história, de uma personagem, do que quer que seja, é que raramente é do dia para a noite que as coisas se tornam um sucesso. Consistência é uma das maiores armas que a WWE pode usar a seu favor e não usa.

Embora o último episódio da Raw tenha sido, a meu ver, bom, a verdade é que os resultados de tal qualidade não o reflectiram. Existem várias possíveis explicações para tal, mas uma que raramente vejo alguém referir é o facto do produto da WWE ter perdido a urgência de ser assistido do início ao fim, àquela hora.

Não, não estou a dizer que a culpa é do produto actual e da sua qualidade e, certamente não estou a culpar a classificação do mesmo, estou a falar da forma como o produto é tratado pela companhia.

Hoje em dia a WWE apresenta a Raw, o NXT (que não é transmitido nos EUA), o Superstars, o Saturday Morning Slam, o Smackdown, os pay-per-views quando é semana de tal e, a partir da próxima semana, o Main-Event. Numa semana, os fãs da WWE, se o preferirem, podem chegar a ter seis programas para ver, onde um deles é o principal e nalguns dos outros certamente irá haver repetições e momentos para mostrar os destaques da semana. Já para não falar dos vídeos que são colocados no site oficial da WWE e da sua página oficial de Youtube com partes dos episódios pouco depois destes terem ido para o ar, e do novo acordo que a WWE estabeleceu com a Hulu, onde irá lá colocar os seus episódios na íntegra. É claro, estas são as formas legais que os fãs norte-americanos encontram para assistir ao produto da WWE, pois ainda existem as outras que alguns de nós também conhecem. Fora os meios para ver o produto, ainda existem as redes sociais que, seguindo as contas certas incluindo as da WWE, fazem análises e relatos dos programas no momento em que acontecem. Os fãs podem perfeitamente estar a acompanhar um jogo que consideram importante e, mesmo assim, estar minimamente conscientes do que estão a perder.

O que eu quero dizer com isto é que o produto da WWE é tão variado e pode ser acompanhado pelos fãs de tantas formas diferentes, que realmente a rapidez com um fã pode descobrir o que aconteceu na Raw pouco depois da transmissão do episódio ter terminado, ou até enquanto está a dar, é realmente absurda.

Outro pormenor que se deve ter em conta é que, mais que quaisquer outros fãs espalhados pelo mundo, os fãs norte-americanos sabem perfeitamente quando é que existem mais probabilidades da WWE transmitir os segmentos mais importantes e relevantes do programa, ou seja o segmento inicial, o segmento das 21h e das 22h (hora local) e o main-event são, obviamente, os momentos mais importantes de um episódio da Raw.

Por muito importante e por muita qualidade que os combates e segmentos que intercalam estes momentos tenham, se os fãs tiverem um jogo da NFL que precisam mesmo de ver, não lhes irá custar fazer essa escolha, pois assim que o jogo acabar, podem ir ver os outros segmentos que perderam com uma enorme facilidade e isso nem sequer implica que não saibam já o que aconteceu. Aliás, se de um momento para o outro, um momento chocante e importante acontecer a uma determinada altura da Raw, devido à comunicação através das redes sociais, rapidamente os fãs se apercebem disso e mudam de canal.

Com tudo isto dito, será que as audiências importam assim tanto quando nos deparamos com esta enorme acessibilidade que os fãs têm ao produto? Vejamos bem as coisas, isto não é a década de 90, onde os valores das audiências determinavam quem era o vencedor dessa semana das Monday Night Wars, pois embora o mundo do Wrestling na Internet estivesse a crescer durante esse período de tempo, a acessibilidade que os fãs têm ao produto hoje, certamente não existia naquela altura. A urgência de acompanhar o produto às horas definidas praticamente deixou de existir.

Por isso, repito a minha questão, as audiências significam mesmo alguma coisa? Será que este foi mesmo dos episódios menos vistos? Certamente, foi dos menos vistos àquela hora, mas não de todo no último ano. Especialmente, agora que CM Punk e Paul Heyman são o grande ponto de destaque do que se passa na programação da WWE e que a maioria dos fãs mais velhos, a faixa etária com mais probabilidades de ter preferido o jogo da NFL, venera CM Punk.

A enormidade de coisas que a WWE apresenta aos fãs, para que estes sigam, não só desvaloriza por completo os valores das audiências, como cansa o próprio fã. São demasiadas coisas para seguir e, embora não sejam assim tantos fãs a seguir tudo, o facto dos programas considerados principais (Raw e Smackdown) já apresentarem entre si um conjunto de cinco horas semanais (sete em semanas de pay-per-views) tornam algo que deveria ser divertido e relaxante em algo cansativo de acompanhar.

Isto leva-nos a falar novamente do facto da Raw ter passado a três horas. Não acho que o novo horário tenha influenciado a qualidade dos episódios, no sentido de tornar um episódio mau num bom ou vice-versa, mas acho que o novo horário simplesmente cansa os fãs que tentam acompanhar em tempo real ou ver tudo de uma vez. Mesmo que um episódio seja de boa qualidade, continua a ser demasiado tempo. E quando um episódio é mau, até pode não ser assim tão mau quanto uma pessoa crê ser, mas o facto de ser três horas, piora a noção que o fã tem do episódio.

Tal como comecei por referir no artigo, acredita-se que as audiências sejam uma das condicionantes e um dos factores de decisão que a WWE tem mais em conta. Ora, não só dei um exemplo e argumentos que, a meu ver, invalidam este factor que a WWE considera para tomar as suas decisões, como o facto de existir tanta programação semanal e tantas formas de acompanhar o produto (WWE.com; Youtube; Tout, etc) acelera o ritmo do produto.

Como os fãs possuem tantas formas de acompanhar o mesmo – uma noção também agravada pela ausência da Brand Split – a impaciência destes aumenta. Exemplo? A construção de Ryback. O facto deste estar a fazer o mesmo tipo de combate, com diferentes adversários, por tanto tempo irritou a maioria dos fãs que se mostraram exasperados e impacientes com esta construção. Porquê? Porque ao invés do estarem a assistir uma vez por semana, como era há décadas atrás, estavam a assisti-lo na Raw, na Smackdown e até em pay-per-views.

A construção de Ryback estava a ser feita de forma gradual, calma, paciente e cuidada. Estava a ser bem-feita. Mas o facto do produto estar tão saturado fez com que os fãs se revoltassem contra uma das poucas decisões inteligentes que a WWE teve nos últimos tempos. Esta impaciência dos fãs – que no fundo, não pode ser muito criticada dadas as circunstâncias – e a quantidade de programação acelera o ritmo da WWE levando-os a prejudicarem outras histórias e personagens porque estas não são construídas da mesma forma.

Poucas histórias ou rivalidades duram meses, aliás, recentemente, a história mais longa tem sido o turn de CM Punk. Este aumento de ritmo força a WWE a descredibilizar histórias antigas, como vários fãs fartam-se de apontar. John Cena mostrou-se pouco afectado pela sua derrota contra The Rock, Kane e John Cena, no mesmo ano em que rivalizaram, já formaram equipa, etc… Isto não faz com que os fãs acreditem na importância do que está a ser feito na actualidade da WWE. Afinal, porquê abdicar de um jogo importante para ver um programa em directo sobre uma história que daqui a uns meses provavelmente estará completamente anulada por algo que a WWE irá fazer? Tendo em conta estas circunstâncias, não se torna assim tão difícil escolher entre ver um jogo importante da NFL e perder alguns segmentos da Raw.

Além das hipóteses de terminar alguns dos programas mais supérfluos, como o Superstars e talvez o Main-Event (que ainda terá que ser avaliado, portanto a sua eliminação ainda é uma ideia que pode mudar) e a hora extra da Raw, volto a sugerir o regresso da Brand Split, por razões já explicadas noutros artigos e aqui subentendidas.

Uma das soluções, que não é só para este suposto problema, mas para praticamente todos os problemas que a WWE pode inventar é a consistência na construção de histórias e personagens. Se a WWE apresentar esta mesma consistência, mas com menos programação e mais cuidado (por exemplo, Ryback não precisava de fazer o mesmo em todos os programas, que tal pô-lo a aparecer em apenas um e talvez em pay-per-views?), não só convencem os fãs de que as histórias que estão a fazer são importantes e boas, como criam estrelas.

A WWE também não pode desistir de algo ou alguém só porque os valores desceram um pouco nesta semana, ou porque os fãs estão a ficar impacientes. Podem tentar organizar melhor o que estão a apresentar, mas nunca, nunca, desistir de uma estrela a não ser que esta prove que não está a fazer um bom trabalho. Desistir de estrelas e histórias, ou nunca apostar nelas a sério, só magoa a credibilidade das mesmas. Não só Ryback foi um exemplo de tudo isto o que estou a dizer, como Wade Barrett parece-me estar a seguir as suas pisadas, segundo algumas das críticas que já tenho lido desde o seu regresso. E, além destes dois, ainda temos que considerar Dolph Ziggler, que tem sido lidado de forma tão inconstante que a WWE corre o risco dos fãs já não acreditarem nele e lhe darem valor quando finalmente quiserem apostar nele a sério.

Histórias precisam de protagonistas, que por sua vez, se podem tornar estrelas. Contudo, as personagens precisam de ser bem construídas e as histórias precisam de ser bem contadas. Essa é fórmula. Só assim é que nascem e evoluem estrelas.

A meu ver, as audiências não devem ser levadas tão a sério. A WWE deve manter o balanço entre dar aos patrocinadores as garantias que estes precisam e certificar-se que a sua preocupação com estes números não prejudica o seu produto. Acho que a WWE devia também reavaliar o porquê das audiências nem sempre corresponderem às suas expectativas. Talvez tudo seja apenas uma teoria louca minha, mas a meu ver, não me parece que o problema seja mesmo do produto, mas sim da forma como é tratado. Wrestling é para ser divertido e relaxante, não algo saturante. Enfim, um resto de bom fim-de-semana a todos e até à próxima!

Sobre o Autor

- Administradora. Publico parte das notícias, faço a gestão da League, dos Passatempos e ainda sou escritora do artigo “Opinião Feminina”.

25 Comentários

  1. Linkin - há 4 anos

    Mais um artigo cinco estrelas. È só isto que digo porque a Salgado tirou me mais uma vez as palavras da boca. Parabéns :D

  2. @FelipeTravassos - há 4 anos

    Kane e John Cena Equipe ?

  3. danielLP21 - há 4 anos

    Artigo excelente e com um tema muito oportuno.

    Eu quando vejo uma Raw em directo chego à última hora sem me lembrar do que aconteceu na primeira e isso diz tudo sobre o cansaço que um show com uma duração semanal de 3 horas provoca.

    Já nem tenho vontade de ver o Superstars,não por falta de consideração pelos talentos que lá aparecem mas mesmo porque é muito cansativo ver uma Raw,uma SmackDown!,um NXT,um iMPACT e um PPV (seja da WWE ou da TNA) no espaço de uma semana.

    Na WWE,em concreto,é quase um show por dia,já para não falar das inúmeras formas que um fã tem de se informar,o que tira importância e preponderância às audiências.

    Basicamente,é tudo o que disseste no artigo,e tens que começar a deixar-nos algo para dizer porque tu dizes tudo nos artigos e assim não pode ser xD

    Não me vou alongar mais sobre o artigo senão iria repetir o que tu escreveste (e muito bem).

    Já agora Salgado,se puderes,podes dizer-me (ou a quem quiser “ouvir”) o que achaste daquele segmento entre o Ryback e o Punk na última Raw?

    • Salgado - há 4 anos

      O segmento em si foi bom. Rápido, sem precisar de muita conversa e certamente deixou curiosidade para o que pode acontecer no futuro. Para o bem, ou para o mal, deixou as pessoas a falar sobre o que tal poderia significar, por isso um dos objectivos já foi atingido.

      O único problema que tenho com esse segmento e com a mensagem que transmitiu é o facto de ser cedo demais para Ryback. Não digo cedo demais no sentido da construção contínua da sua personagem não estar a ser bem feita (pois, para quem prestou atenção, ele subiu degrau a degrau na escada do poder – passando por jobbers, lutadores de mid-card, campeão intercontinental, etc), digo sim cedo demais no sentido em que os fãs ainda não estão do lado dele. Pelo menos, não como deveriam estar.

      Os fãs ainda estão a apoiar demasiado CM Punk e ainda não se afeiçoaram a Ryback o suficiente para quererem que ele tire o título a Punk e tendo em conta a personagem que este possui, não vale a pena ir enfrentar o campeão sem qualquer ímpeto ou apoio, pois nesse caso a vitória ou derrota não significa nada e Ryback não ganha nada com isso.

      Gosto de acreditar que o segmento foi apenas usado como um “teaser” para o futuro, sem nenhum compromiso para o próximo pay-per-view ou para o outro a seguir. Nesse caso, então foi simplesmente excelente. É assim que a WWE deve fazer as coisas, deixando pequenas “migalhas” para aguçar a curiosidade e ansiedade dos fãs. É também com pequenos segmentos desses que as pessoas ficam interessadas em Ryback e no que este vai fazer, podendo até afeiçoar-se a ele. Certamente o caminho certo. Aliás, deviam fazer o mesmo com o Mr. MITB.

      • danielLP21 - há 4 anos

        Também fiquei com a impressão de que é cedo demais,não estava nada à espera de que fosse o Ryback a pessoa que assustou o CM Punk quando este último ficou com aquela expressão na cara.

        De facto,ainda há muita gente a apoiar o CM Punk,mesmo nas arenas isso tem-se notado,não só pelo número de camisolas do actual Campeão da WWE como também pelos cânticos de apoio por ele.

        Eu acredito que aquele segmento tenha servido apenas para deixar o CM Punk “ocupado” durante a ausência do John Cena,uma espécie de mini-feud semelhante à que o Punk teve com Jerry Lawler,e lembro-me de tu dizeres que a WWE devia criar esse tipo de feuds com mais frequência.

        Nem me fales do Mr.Money In The Bank,aquele segmento na SmackDown! ainda está muito fresco na minha memória. Em vez de deixarem o Dolph longe do Sheamus de modo a que o cash-in seja uma surpresa fazem exactamente o contrário…e ainda por cima o Campeão Mundial sai sempre por cima!

        Eu sei que,enquanto fãs,temos que ser pacientes e esperar por aquilo que a WWE vai fazer mas o que estam a fazer com o Dolph Ziggler está a tirar-me do sério,ainda por cima é completamente desnecessário.

        Queriam que ele aparecesse na SmackDown! e não sabiam como? Simples: punham-no num combate com o R-Truth numa tentativa deste último vingar a derrota do seu parceiro na Raw e como bónus ainda ganhávamos um bom combate. Preocupam-se demasiado com o “Raw Rebound” e outras situações que acontecem na Raw e depois é isto.

      • Salgado - há 4 anos

        Mas mesmo para uma mini-rivalidade, não serve. Ryback não é a pessoas certa para fazer isso com Punk. A forma como o Ryback foi construído exige que este tenha mais ímpeto e apoio ao entrar num combate pelo Título da WWE e, ou muito me engano, isso precisa de acontecer quando for para ele o ganhar. Ora, nem os fãs ainda estão a apoiar Ryback, como muito menos Punk iria perder o título para ele numa mini-rivalidade quando ainda tem assuntos com o Cena. A WWE treinou os fãs para acreditaram que os combates de Ryback estão a ficar cada vez mais importantes, à medida que o tempo passa, logo não se pode estragar esta construção gradual numa coisa para “entreter” Punk. Precisa de ser algo que beneficie o próprio Ryback!

        Quando falo de ter paciência, digo no que toca à consolidação de novas personagens, como foi o caso de Brodus Clay, Damien Sandow, Wade Barrett (nesta sua nova versão), Antonio Cesaro e Ryback… Dolph Ziggler, de forma alguma, que se encaixa nos parâmetros das outras estrelas mencionadas e nem sequer precisa de ser consolidado como estrela, mas sim como candidato ao Título. O que a WWE está a fazer com Ziggler é a repetição do que fez com Bryan o ano passado e está ERRADO, pelo menos a meu ver.

        Na preocupação louca de valorizar o Sheamus, descredibilizam o Ziggler à força toda e o que é que isto vai causar? Isto vai levar a que quando o Ziggler finalmente chega a algum lado, as pessoas não confiam no que a WWE está a fazer e já não querem saber do que ele faz. Ziggler tem estado a ser extremamente apoiado durante este ano, as pessoas já nem precisam de desculpas para o apoiar, portanto o trabalho da WWE está ridiculamente facilitado, a única coisa que tem de fazer é apostar nele! Estou mesmo é a ver a WWE a deixar passar este período de tempo em que os fãs estão interessados no que Ziggler faz e deixá-lo cair no esquecimento. Eu quero estar enganada, mas estou mesmo a ver que Ziggler como campeão WHC vai estar a meio gás e sem muita credibilidade. Na melhor das hipóteses, pode acontecer com ele o que aconteceu com Bryan: reinado razoável, pouca credibilidade, mas mesmo assim torna-se “over” como tudo.

        O problema é que nem precisam de magoar tanto a credibilidade de Ziggler para ajudar Sheamus. O reinado de Sheamus tem sido extremamente consistente e agora até têm o Big Show, cujo trabalho é mesmo esse: ajudar os mais novos! Metam o Sheamus a distribuir Brogue Kicks ao Show, deixem o Ziggler em paz!

      • danielLP21 - há 4 anos

        Para ser sincero,não acredito que o apoio que os fãs têm demonstrado pelo Dolph Ziggler desapareça assim de repente. Os próprios fãs estão ansiosos por verem o Dolph como Campeão Mundial e estão curiosos para ver o que a WWE quer fazer com ele. Talvez a WWE esteja mesmo a “jogar” com esse aspecto,mas lá está,para quê introduzi-lo em segmentos com o Sheamus quando têm um plantel tão grande com Superstars sem histórias e que se calhar mereciam mais tempo de antena?

        Quando oiço falar em credibilização de um “Mr. Money In The Bank” lembro-me sempre do Edge.

        Quando o Edge fez o cash-in já era uma das Supertars mais odiadas na WWE,e porquê? Porque teve duas rivalidades espectaculares com o Kane e o Matt Hardy (uma lenda e um lutador adorado),e isso devia acontecer com o Ziggler. Não tanto no aspecto de ser odiado mas na qualidade rivalidades que podia ter.

        A rivalidade com o Chris Jericho foi óptima e se o Jericho não tivesse que ir para a tour com a sua banda estou certo de que ainda veríamos mais grandes combates entre ambos.

        No entanto,o que aconteceu depois com o Ziggler? A rivalidade com o Orton ficou a meio caminho,eu pelo menos acho que devia ter continuado visto que o Orton ainda não foi gravar o filme.

        Ou seja,o Ziggler está desde o final de Agosto “à deriva”,sem histórias consistentes e apenas a levar “Brogue Kick’s” do Sheamus só porque sim.

        Para quê colocá-lo,na SmackDown!,a dizer que vai fazer o cash-in no Hell In A Cell? Para mim tornou-se óbvio que isso não vai acontecer.

      • Salgado - há 4 anos

        Também não disse de repente, mas esta situação em que a WWE o está a colocar, a longo prazo, pode fazer com que os fãs se deixem de preocupar com ele. Se estão curiosos e interessados agora? Sim. Mas se ele continua na corda bamba e a ser descredibilizado por um longo período de tempo, deixam de estar. A não ser que se torne uma nova versão do Daniel Bryan, onde tudo o que lhe fazem de mal só o torna mais popular. Mas essa é o melhor dos casos, porque geralmente os fãs só se preocupam com aquilo que a WWE os convence que é importante.

        Tal e qual, o Edge tornou-se alguém em quem os fãs acreditavam que era perigoso por causa dessas duas rivalidades. Contudo, olha para os dois últimos cash-in da Smackdown: Dolph Ziggler (ainda não fez) e Daniel bryan. Antes do cash-in, o Bryan até esteve numa loosing streak. Estas falhas e erros já não são de agora, o que ainda torna tudo mais rídiculo. Porquê estar a descredibilizá-los depois de ganharem a mala? Se acham que não são bons o suficiente, não lhas dêem! É que com esta brincadeira toda, é também o simbolismo da mala que paga, que cada vez parece mais um acessório do que algo importante e relevante.

        O Orton já está em gravações há dias, penso que agora é que ele se afastou de vez e o ataque de Big Show foi o que a WWE usou para explicar a sua ausência.

        Ele já anda a levar Brogue Kicks só porque sim desde Junho, o que torna esta situação insuportável e cada vez mais rídicula. Simplesmente não faz sentido nenhum.

      • danielLP21 - há 4 anos

        O que aconteceu com o Daniel Bryan foi,na minha opinião,um “Euromilhões” para a WWE. Mal a empresa sabia que ao fazerem o Bryan perder o Título Mundial em 18 segundos numa WrestleMania o tornariam num dos lutadores mais over dos últimos anos.

        Nada disso vai acontecer com o Dolph Ziggler,os erros que continuarem a cometer com ele vão fazer o Ziggler descridibilizar-se e não o vão tornar num fenónemo como o Bryan,infelizmente.

        Se queres que te diga,acho provável este ano termos visto o último “Money In The Bank”,para mim este conceito já perdeu muita da sua essência,desde o que aconteceu com o Bryan no ano passado até ao que se está a passar com o Ziggler,passando pela ridícula vitória do Cena no PPV e pela insucesso no cash-in. Que credibilidade tem agora a mala e que sentido tem fazerem mais combates deste tipo?

        Não sabia que o Orton já estava em gravações,mas mesmo assim a rivalidade com o Dolph Ziggler podia ter sido diferente,para melhor. Quem o atacou foi o Del Rio e não o Big Show xD

        Já nem sei há quantos meses é que ele anda a levar “Brogue Kicks”,só sei que 3 em cada 4 SmackDown’s isso acontece,já para não falar de PPV’s e Raw’s. Qualquer dia até no Superstars isso acontece xD

      • Salgado - há 4 anos

        Mas a questão é que antes do Euromilhões, a WWE não fez absolutamente nada para tornar Bryan um candidato legítimo. Derrotas sucessivas, chegaram a existir momentos em que era o próprio Big Show a “acordar” Bryan e a dizer-lhe para fazer o cash-in e depois Bryan teve muito poucas vitórias limpas sobre nomes consolidados. No TLC fez o cash-in, no Rumble fugiu da cela, no Elimination Chamber fez o pin no Santino marella, que por muito over que estivesse, não era uma ameaça ao título. A WWE não fez nada para que Bryan parecesse um candidato legítimo antes de fazer o cash-in e nada para que ele fosse um campeão credível depois do cash-in. E embora Bryan depois tenha tido sorte, estou a ver Ziggler a ir pelo mesmo caminho e temo que ele não tenha a mesma sorte, mesmo estando os fãs agora do seu lado.

        Sim, isso para mim já é considerado um facto. Estrelas mais que consolidadas no main-event, até veteranos, a participarem e ganharem o Money in the Bank (John Cena 2012 e Kane em 2010) são noções completamente rídiculas e que não me entram na cabeça. Aquele combate pela Raw MITB desde ano então foi mesmo rídiculo. De um lado, na SD MITB, tinhamos demasiadas estrelas a lutar por uma oportunidade e a merecerem-na e do outro, tinhamos um combate com 5 lutadores, onde 4 deles não precisavam da mala para nada. E como é natural, com tanta brincadeira à mistura, o conceito de Money in the Bank torna-se uma anedota e sem qualquer valor. Os da SD MITB e os dos anos anteriores tiveram que se qualificar para participar no combate, tornando-o importante, mas os main-eventers que não precisavam da oportunidade para nada apenas apareceram em ringue e disseram que iam participar e pronto (Chris Jericho e John Cena).

        Nisso estou completamente de acordo contigo, a deterioração do Money in the Bank começou quando existiram logo 3 MITB num ano só (2010) e onde só um desses cash-in é que resultou numa estrela de calibre de main-event, pelo menos na altura. A partir daí, tiraram o combate da WM, outra asneira – a meu ver -, fizeram daquilo um pay-per-view. Os combates estão assim mais prevísiveis, assim como os seus defechos. A magia do MITB perdeu-se e muito, mas isso já é um processo que começou há algum tempo.

        Também não sei ao certo há quanto tempo é que acontece, mas lembro-me de ter criticado a WWE por ter escolhido Ziggler como adversário de Sheamus no No Way Out, não porque Ziggler não merecia uma oportunidade ao título, mas porque não havia mistério nem dúvida nenhuma sobre o vencedor quando tinhamos visto Ziggler a levar um Brogue Kick na Smackdown nas últimas semanas. Se o No Way Out foi em Junho e isto já ocorria há semanas, vê lá bem xD Isso sim, era o escândalo total, mas vá lá, a WWE considera o Sheamus main-eventer demais para aparecer no Superstars.

      • danielLP21 - há 4 anos

        Exacto,o Bryan nunca foi propriamente o Campeão Mundial mais apoiado de sempre pela WWE,nem de perto nem de longe. Eu próprio não achei o reinado dele nada de especial,mas hoje percebo que a “culpa” não foi dele,nem de perto nem de longe. O final do combate no Elimination Chamber foi ridículo (na minha opinião),e só faria sentido se a partir daí o Santino Marella recebesse um grande push.

        Em 2010 só o Miz conseguiu fazer jus ao conceito do Money In The Bank,as vitórias do Jack Swagger e do Kane não fizeram sentido,embora depois da vitória deste último termos tido uma boa história,entre o Kane e o Undertaker que,apesar de ser muito repetida,conseguiu empolgar-me mais uma vez.

        Mas o Kane,de facto,não precisava daquela vitória para nada. Vejo a vitória dele como uma forma de a rivalidade entre ele e o irmão ser com o Título Mundial em jogo,mas para mim a história não tinha que ser à volta do título,podiam muito bem ter deixado isso de parte. Nem comento a vitória do Jack Swagger na WrestleMania,que por sinal foi o último combate deste tipo no Maior Evento do ano.

        Nunca gostei deste PPV e irei continuar a não gostar. Aliás,não gosto de nenhum Gimmick PPV à excepção do Royal Rumble e do Extreme Rules.

        Os únicos “grandes vencedores” do Money In The Bank para mim foram o Edge,o RVD,o CM Punk e o Miz,visto que quando o Daniel Bryan e o Dolph Ziggler ganharam os seus combates numa altura em que este combate já não é,de longe,o que era antigamente.

      • Salgado - há 4 anos

        Exacto.

        A questão é que o Kane e o Undertaker já tiveram uma história tão longa que não só foi repetitivo o que aconteceu em 2010, como de forma alguma precisavam da mala de MITB para despoletar aquilo tudo.Foi exactamente a mesma coisa que se passou com Cena este ano. Tudo bem, o facto de até um main-eventer precisar de uma mala de MITB torna a amala importante, mas quandot tens mais dois ou três lutadores que reunem todas as condições e estão a fazer de tudo para ascender no card, dar a mala aos main-eventers torna-se um desperdício. A importância que eles pudessem atribuir é assim ofuscada.

        Em teoria, o cash-in do Jack Swagger foi tudo o se idealizava. A questão é que não resultou. Há quem consiga e quem seja feito para aquilo e ele não é. No caso do Swagger não se pode dizer que a WWE não de lhe deu oportunidades. Ele simplesmente não convence ao microfone.

        A única reclamação que tenho contra os Gimmick PPVs (fora o Rumble) é o facto de por vezes numa rivalidade é demasiado cedo estar a acontecer um ladder match ou um combate mais extreme. Se começamos a usar as estipulações em qualquer momento de uma rivalidade, chegamos a um ponto que o próprio anúncio das estipulações não tem peso nenhum.

        Da lista que disseste, o Punk sim, mas depois do segundo cash-in. Depois do primeiro cash-in, o reinado não foi nada de especial e ele voltou à estaca zero, afinal voltou a ir a outro combate de MITB e não foi como main-eventer. Depois do segundo, sim, sem dúvida. Até ganhar a mala, o MIz estava em alta. Depois de ganhar a mala, continuou em alta. Depois de ganhar o título, ficou apenas a aguentar-se. Lutar com comentadores de 60 anos pode dar crédito aos olhos de alguém, mas não o dá aos meus. Principalmente quando era suposto ele estar-se a preparar para um combate na Wrestlemania contra o John Cena. Depois da WM, o Miz não foi nada de especial, perdendo apenas o título. Sinceramente, não sei se no caso a mala lhe fez alguma diferença. Temporária? Sim. Permanente? Não. A mala é suposto criar novos main-eventers, mas ainda assim depois do cash -in eles continuam a não sê-lo, ou porque são mal usados (que foi o caso de The Miz na WWE), ou porque simplesmente não conseguiram corresponder às expectativas.

      • danielLP21 - há 4 anos

        Sem dúvida,só a 2ª vitória do CM Punk no Money In The Bank é que o catapultou para o Main-Event. Não sei o que correu de mal na 1ª vez,talvez tenha sido falta de confiança da WWE nas capacidades dele. Aquele Heel-Turn mudou tudo,e caso esse turn não tivesse acontecido quem sabe o que teria acontecido com o Punk na WWE.

        Sinceramente,acho que no caso do Miz a mala mudou muita coisa. Se aos olhos da WWE ele não continuou no Main-Event,na ótica dos fãs isso não aconteceu. Há muita gente que não percebe a desistência na aposta no Miz,passou de Main-Eventer de uma WrestleMania a suposto culpado das fracas vendas da Survivor Series… Ou seja,o Miz antes de ganhar a mala estava em alta mas ainda havia muitas reticências em relação à capacidade de ele estar no Main-Event,e essas dúvidas desapareceram aos olhos dos fãs. Por isso,acho que a mala lhe fez alguma diferença.

      • Salgado - há 4 anos

        Não acho que tenha sido a falta de confiança, apenas CM Punk estava a trabalhar como face e o seu trabalho é sempre mais fraco com essa faceta. Além disso, ele participou num Summerslam bastante forte, em termos de card, e foi completamente ofuscado. Não só ele, como o título. E depois perdeu o título sem o defender, sendo um reinado completamente indiferente.

        Não sei se concordo a 100%, muitos fãs continuaram a não achar Miz um main-eventer e na altura, encontrei vários críticos à sua vitória contra Orton e à sua presença no Main-event da WM27. Já vi muitos fãs a dizer que o que aconteceu a Miz depois da WM foi merecido, por isso, não acho que a mala tenha convencido os fãs e sido suficiente. Não acredito que vás encontrar o mesmo número de fãs que achou que a mala de MITB fez bem a Edge e CM Punk, a dizer o mesmo de Miz. Simplesmente, o caso de The Miz não é consensual junto aos fãs.

      • José Sousa - há 4 anos

        Se me permitem introduzir no debate em parte concordo com ambos no caso do The Miz na altura da mala ele estava em alta mas até eu que admitia talento nele, tinha dúvidas que aguentava o reinado. Mas acho que actualmente ele melhorou bastante no ring e não tem comparação acho mais indescutivel esta evolução actual que naquela altura, se aquele reinado ajudou nisso nao sei, mas que Miz evoluiu é um facto.

        Sobre o Ziggler também tenho os mesmo receios que vocês tem porque o que resultou com o Bryan pode não acontecer com ele, e sobretudo é escusado porque o Ziggler merecia o main-event mesmo sem mala. Só espero que esta gestão da saída da companhia da Vickie seja em benefício do Ziggler, porque o talento para o topo, acho que sabemos que ele tem ao contrário do Swagger que pode ter talento no ring mas no micro é pavoroso, e ou dão-lhe um manager faça a papa ou é impossível, mesmo assim não o vejo main-eventer mesmo que hoje na Raw faça um Face-turn.

        O Bryan é tal como voces dizem resultou mas foi porque o público forçou a WWE a que ele resulta-se porque os planos da WWE era fazer cair no esquecimento depois da Wrestlemania. O que me surpreendeu mais na WWE com o Bryan foi o facto de ter sido a segunda vez que o menosprezaram, já no despedimento na altura dos Nexus eles recontrataram-lo por pressão dos fãs, porque achavam que as pessoas não queriam saber dele, e tentar uma segunda vez. Mas espero e tenho a certeza que aprenderam que desde que ele veio para o NXT que os fãs sabiam já do talento dele e dele esperam o topo e não deixaram que ele fosse deitadoao lixo felizmente. E sei que o Daniel não era fã dele mas com o tempo aprendeu a ver que ele tinha talento e que a culpa foi mais da forma como construiram o reinado dele do que do talento do Bryan no ring porque esse é brutal.

      • Salgado - há 4 anos

        Exacto, José. Mas na altura, muito poucos viam o cash-in do the Miz como viram o cash-in do Punk ou do Edge. Naquela altura, e ainda hoje por alguns, Miz era visto como a reality tv star, que um dia foi.

        Tal e qual. Cheguei mesmo a dizer que se a WWE queria mesmo desperdiçar uma mala com os main-eventers no combate da Raw MITB, podia perfeitamente ter dado a SD MITB ao Rhodes, que o Ziggler já estava tão perto do main-event que não precisava dela necessariamente. Mas tal acabou por não acontecer. Em relação à saída da Vickie, acho que precisa de acontecer, mas só quando Ziggler se tornar campeão. Antes disso, não faz qualquer sentido. O Swagger já teve um title reign, o cash-in do MITB e mesmo assim não se motivou a melhorar. Agora tem de partir dele, a culpa não é sempre da companhia. Ele continua igual aos tempos da ECW em 2009, por isso não sei se terá de ser a companhia a fazer algo por ele, ou o próprio Swagger a querer lutar.

        Pessoalmente, ao longo dos últimos anos, cada vez tenho mais a certeza que a WWE trouxe o Bryan, não para ser uma estrela, mas para tornar os outros estrelas ao fazer com que eles brilhassem. A WWE não foi SÓ buscar o bryan porque as pessoas gritaram por ele, mas porque também sabiam que ele era bom. Foi uma mistura das duas. O sucesso que o Bryan acabou por tirar das coisas mais simples foi, como o Daniel já disse, o Euromilhões que saiu à WWE.

  4. TWWE - há 4 anos

    Isso me leva a uma duvida:
    Será que a WWE está dando mais atenções a Tag Team e as Divas por causa das audiências?
    Pois se perceberam as Divas e Tag Team estão tendo storyline
    Tag Team: Aquele torneio pelo Tag Team Championship
    Divas: Aquela história de quem atacou Kaitlyn no NOC

  5. GJD - há 4 anos

    Excelente artigo
    Com a possibilidade de a pessoa ver o melhor do raw, ela assiste o jogo e no dia seguinte lê os resultados e vê a parte que quer , assim a pessoa evita de ver lutas como Tensai vs Brodus Clay, Zack Ryder vs David Otunga e vê a promo do Cm Punk os segmentos Kane e Daniel Bryan , o segmento com lenda , as lutas que interessam

  6. Vinícius BullyMiz Nunes - há 4 anos

    Esse artigo foi mesmo exclarecedor, não preciso ver os programas da WWE ao vivo ou em directo para saber o que está se passando, a rede de informações é tão rápida que isso não se faz necessário, eu vejo a raw em directo, porque eu sei que não verei mais o da semana, e algumas vezes nem vejo a smackdown por causa dos spoilers, mas eu acompanho os acontecimentos, e vejo os grandes momentos, não verei a Raw essa semana o Dallas Cowboys vai jogar, e eu não posso perder… mas certamente irei acompanhar os acontecimentos, e verei os momentos mais interessantes.

  7. Frederico_WWE - há 4 anos

    Artigo exelente e só digo isto: Lanço o desafio a qualquer comentador deste site a aguentar se vários dias/semanas/meses sem ver noticias nem spoilers um pouco há imagem do que faziamos em 2003/2004/2005 e vão ver se a paixão pelo desporto em si não voltaria a aumentar mais…

    • danielLP21 - há 4 anos

      Tu conseguias?

    • danielLP21 - há 4 anos

      A mim não me altera em nada a paixão pelo Wrestling o facto de ver notícias todos os dias porque muitas dessas notícias são rumores e,muitos deles,ou até quase todos,não se confirmam.

      Interessava-me mais ver uma Raw que não fosse tão cansativa e na qual eu chegasse ao fim e ainda me lembrava do que aconteceu no início e ver uma SmackDown! em que se preocupassem menos com os resumos da Raw e mostrassem um “Raw Rebound” de 3/4 minutos e o resto do show fosse dedicado à SmackDown!.

      • Frederico_WWE - há 4 anos

        Eu não conseguia e acredita que o facto de não olhar a noticias e a spoilers torna a coisa diferente porque já me disseram por experiência própria…

  8. PedroSWWE - há 4 anos

    A WWE tem que se preocupar mais mas é em não fazer os combates tão repetivos como por exemplo Alberto Del Rio vs Sheamus é muito repetitivo

Comentar

Login com Facebook

Editar avatar »

Notificações por email:

Wrestling.PT © 2006-2016 / Política de Privacidade / Disclaimer / Sobre Nós / Contactos / RSS Feed / Desenvolvido por Luís Salvador