Existem 2 vagas na Equipa do Wrestling PT para publicar notícias. Candidata-te!

Pensamentos #111 – 10 Lições de Negócio por Vince Russo

Numa altura em que a polémica entre o acordo televisivo entra a TNA e a Spike continua bastante activa, muito por culpa de um certo senhor, hoje trago-vos um artigo escrito inteiramente por esse mesmo senhor. Sim, hoje trago-vos um artigo de Vince Russo. Vince colabora com o site whatculture.com e achei interessante, nesta altura de polémica, traduzir-vos este artigo. Lembrem-se, este artigo vai ser uma tradução, ou seja, tudo o que vão ler é a opinião de Vince Russo. Enjoy…

Vince Russo’s 10 Life Lessons In The Wrestling Business

Aqueles fora da indústria do wrestling podem escrever o quanto quiserem, no entanto, quem nunca esteve lá, não sabe nada nem nunca vai saber.

Para alguém ter uma carreira no wrestling, seja na televisão ou nos bastidores, existem duas coisas a fazer logo ao principio: estar calado e ouvir. A última coisa que se deve fazer é ser demasiado apressado e querer ultrapassar os limites com opiniões. Caso contráiro, ficará imediatamente conhecido como Mark e nunca, mas nunca, vai ter o respeito das pessoas.

Mas esta pequena regra é apenas o inicio. Para se ter uma posição cimentada na indústria, temos de ter noção dos pequenos “segredos do wrestling” que vão permitir que sobrevivamos durante muito tempo.

vincerusso

10. Aprender com toda a gente

Um dos segredos que eu aprendi no wrestling profissional é que a tua maneira de fazer coisas não é a única maneira correcta de fazer as coisas. De maneira a termos sucesso na indústria, temos de ser uma esponja – temos de absorver todo o conhecimento possivel. É absolutamente vital ouvir a opinião dos outros no que toca a ideias de como tornar uma empresa num sucesso.

Quando eu faço uma retrospectiva da minha carreira e penso no conhecimento que tive á minha disposição, eu apenas posso concluir que fui abençoado. Deixe-me só deixar aqui alguns dos meus “professores”:

Vince McMahon
Bill Watts
Jim Ross
Jerry Jarrett
Eric Bischoff
Bruce Prichard
Hulk Hogan
Jim Cornette

Para não falar dos talentos – Jeff Jarrett, Steve Austin, Kurt Angle, The Rock, Michaels, Triple H, Foley – eu conseguia encher uma página inteira. Eu tive o privilégio de trabalhar e de aprender com todas estas pessoas. Mesmo não concordando com algumas opiniões deles, o que importa é que a cada conversa, eu ficava mais experiente e com mais conhecimento.

9. Nunca transformar as diferenças profissionais em diferenças pessoais

Eu posso estar aqui sentado e dizer que nunca fiz isto em toda a minha carreira. Houve muitas ideias de mentes criativas com as quais eu nunca concordei, mas nunca deixei que isso influenciasse a minha opinião sobre a pessoa para lá do criativo. Nunca deixei que uma opinião contrária se tornasse em ódio ou em desdém pelas pessoas. Eu percebi muito cedo que todos temos um passado no negócio que é diferente dos outros e é dai que aprendemos, é dai que tiramos as nossas filosofias. Não existem maneiras certas ou erradas de fazerem as coisas no wrestling, existem maneiras diferentes.

Se quiseres ser o melhor no que fazes, não podes deixar que uma opinião profissional diferente da tua te influencie sobre a opinião pessoal que tens da pessoa.

8. Tentar não repetir as coisas

Isto é muito dificil, mas é extremamente importante se quisermos que as pessoas vejam o nosso produto. Temos de fazer tudo para não repetir o que os fãs possam ter visto noutro espectáculo de wrestling. Claro que isso parece impossivel, porque nós já vimos de tudo em shows de wrestling, mas é imperativo que consigamos pensar para lá do básico, a fim de apresentarmos um produto fresco, de vanguarda e relevante. Não podemos estar sempre a fazer a mesma coisa e esperar que as pessoas estejam lá para ver, porque isso não vai acontecer. Desafia-te a ti mesmo, PENSA por ti mesmo.

Destaca-te dos demais, ousa ser diferente.

7. Mantêm-te fiel a ti próprio

Eu sinto que estou aqui a dar lições de vida em vez de dar lições de como se comportar na indústria do wrestling e sabem porquê? Porque não existem mais segredos de como se comportar. A Internet expôs tudo. O que é que vos posso dizer do que se passa nos bastidores que vocês já não saibam? O quê? Já foi tudo dito. Assim, em vez de eu ensinar como se comportar, estou a ensinar como ter sucesso.

Existem tantos “ass kissers” e bajuladores no wrestling profissional, que fazem trinta por uma linha para serem bem vistos e ganharem estatuto na empresa através do elogio aos patrões. Pois bem, eu posso dizer-vos uma coisa em primeira mão sobre o Vince McMahon: Ele sabe quem são estes individuos, consegue cheirá-los a milhas de distância e no final, ele tem ZERO de respeito por eles. Em qualquer indústria, temos de nos manter fieis a nós mesmos. Não podemos ter medo de expor as nossas ideias. Se elas forem recusadas, foram recusadas, paciência. Pensamos em ideias diferents e seguimos em frente. Não podemos andar atrás de alguém sempre a dizer sim a tudo.

Sê lider, sê sempre lider, nunca um seguidor. Seguidores vendem-se à dúzia por poucos cêntimos, mesmo no wrestling profissional.

6. Nunca sabes quem são os teus verdadeiros amigos

Aqui está um segredo: Se estás na indústria do wrestling, nunca confies em ninguém. Um dia, as pessoas são os teus melhores amigos e tu estás a ajudá-los com a carreira e no outro, PUMBA, eles deixam de te seguir no Twitter (isto refere-se ao facto de Taz ter deixado de seguir Russo no Twitter).

Tem cuidado, tem muito cuidado. Quando nadas num mar de piranhas como o wrestling, essas piranhas vão virar-se contra ti como o André fez com o Hogan. E se não estiveres preparado, estás completamente lixado. Eles são bons o suficiente para te empurrarem para fora do barco.

No mundo do wrestling, és um sortudo, muito sortudo, se tiveres uma pessoa em quem possas verdadeiramente confiar. O pequeno mundo deles é feito de empreiteiros independentes, sempre foi assim, e as regras do jogo estão bem explicitas: Não existem regras. É cada um por si na guerra pelo lugar mais alto. Sem moral, sem vergonha. Não caias nessa armadilha. Olha para todos o lados antes de dar um passo. Ninguém te vai “proteger as costas” a não seres tu próprio.

5. Compreender a Paranoia

Pelo o que eu disse no ponto anterior, agora digo: O mundo do wrestling é feito de paranoia. Toda a gente quer aquele lugar máximo e fazem de tudo para o conseguir. Ninguém confia em ninguém. Não confiam no seu adversário, não confiam no Writer e com certeza nem na senhora do catering confiam. O mundo do wrestling é baseado em paranoia e se não compreenderes isto, vai ser um dia muito complicado.

Antes de apresentares uma storyline/Angle a um wrestler, tens de conhecer o seu passado, o seu dia a dia e os seus hábitos e compreender, antecipadamente, que riscos podes correr ao apresentar-lhe a tua storyline. O problema é que a maioria dos wrestlers não conseguem ver a floresta para lá da árvore. Em palavras mais simples, ele só conseguem ver o que vai acontecer naquele dia e não no futuro, ou seja, só querem saber daquilo que vão fazer no presente e não no que vai acontecer na semanas seguintes.

Muitas vezes, os atletas esquecem-se que estamos todos do mesmo lado – pelo bem do colectivo – e que tu estás lá para ajudá-los e que trabalhas para eles. Para ajudá-los a terem sucesso de todas as formas que és capaz de inventar.

4. Trata toda a gente da mesma forma

Enquanto eu trabalhei na indústria, eu fazia questão, ou pelo menos tentava, de tratar todos os atletas da mesma forma. Fossem eles lutadores de abrir o card ou Main-Eventer’s. Mostrava respeito e honra para com eles. Porquê? Muito simples. Porque os Lower Carder’s de hoje podem ser os Main-Eventer’s de amanhã.

russo

Lembram-se do “Ring Master” Steve Austin? Eu sim. E ele é um exemplo perfeito. Nunca desrespeites um lutador, NUNCA. Trata-os a todos como se fossem uma Main Eventer da Wrestlemania. Nunca se sabe….

3. Gimmick Matches = Ratings

Ao longo dos anos, eu sempre fui acusado de bookar demasiados Gimmick Matches. Aliás, muitos criticos até acreditam que fui eu o criador dos combates “On a Pole”. Claro que não fui, gostava de ter esse crédito, mas infelizmente não tenho.

Se eu for condenado por bookar muitos Gimmick Matches, eu cumpro o periodo de prisão muito satisfeito. Porquê? Porque se olharamos para os números, 99.9% dos Gimmick Matches na televisão ultrapassam, por larga margem, os combates clássicos em termos de ratings. Isto é um facto, não é uma opinião.

Agora o senso comum pergunta “Então se os Gimmick Matches dão assim tantos ratings, porque é que as empresas não os utilizam mais? Pois, isso é o que eu também quero saber. Afinal, nós temos de dar às massas o que elas querem ver, para que elas voltem na semana seguinte e que fiquem definitivamente connosco.

2. Não te deixes influenciar e não influencies ninguém.

No wrestling, é extremamente comum que os rapazes – os wrestlers – te digam o que acham, para tentarem levar a sua avante. Verdades, mentiras, indiferenças. Não interessa. Eles vão tentar influenciar-te, tentar convencer-te que a maneira deles de fazer as coisas é a melhor. Mas porque raio é que a maneira deles é a melhor, perguntas tu? Bem, normalmente porque eles acham que é o melhor para eles, é o melhor para a personagem deles. Ajuda-os a ficar over. Por isso, qualquer conversa com eles tem de ser feita com um pés atrás.

No entanto, não tentes ser como eles. Não tentes influenciar ninguém. Como tu sabes que os wrestlers te estão a tentar influenciar, eles também sabem quanto tu estás a tentar influencia-los. Por isso não o podes fazer, nem sequer tentar. Sê sempre honesto e verdadeiro, independentemente das consequências. A verdade é o que te vai levar ao rumo certo.

1. Bookers e Wrestlers não podem ser amigos

Na posição em que eu estive em três companhias diferentes, esta foi a lição e o conselho que mais vezes me deram. Muitas e muitas vezes. Não podemos ser amigos do talentos. Nunca. Nem sequer tentar criar laços de amizade. Porquê? Porque a maioria – a maioria, não todos – vão usar essa amizade para terem o que querem.

Eles vão tentar fazer-te acreditar que a vossa relação “profissional” é algo mais e vão usar isso para vantagem deles. Infelizmente, quando estás numa posição em que não os podes ajudar, as chamadas telefónicas amigas vão ser cada vez menos. E aqueles cafézinhos que costumavas tomar à borla, vais ter de começar a pagá-los. Acabaram-se as borlas de café e gasolina.

Vince Russo

See you next week, here on WPT!

Sobre o Autor

- Escritor do artigo “Pensamentos”.

25 Comentários

  1. Rúben Rosa - há 2 anos

    Perfeito :).Total Swerve!

  2. danielLP21 - há 2 anos

    Gostei bastante. Ele até parece ter uma visão acertada daquilo que é o mundo do Wrestling.

    • “The Brand”. Se há coisa que o Russo sempre foi bom é a promover-se. Ele sabe dizer as coisas de maneira a que parece que ele está corretissimo, mas é prejudicado por ser um incompreendido. It’s all about The Brand.

      • José Sousa - há 2 anos

        Sem dúvida Jorge. A isso chama-se a arte de passar uma mensagem, e fazer com que ela seja vista como verdade. E quando não é compreendida acaba por ser visto como um underdog, aquele que não foi compreendido.

      • É isso mesmo. Ainda há uns dias li um “artigo” dele em que ele falava nos 10 coisas que mais se arrependia na sua “carreira” e só me fez lembrar aquelas entrevistas de emprego em que te perguntam os teus pontos fracos e acabas por dizer coisas que afinal são virtudes disfarçadas de defeitos, tipo “sou teimoso, quando me foco em alcançar algo só descanço quando o consigo”.

        Ele é um tipo muito criativo, tens muitas ideias e fala muito bem, mas ele só se preocupa em defender a sua “Brand”. O Russo gosta da indústria, não gosta de wrestling (ele próprio o disse) e tem sobrevivido como uma barata ao longo deste 23 anos que anda nisto.

      • José Sousa - há 2 anos

        Exacto. Sem falar que os momentos mais negros da TNA( coincidências ou não) envolvem os tempos em que ele esteve mais activo. E mesmo na WWF o mérito não é só dele, mas claro que ele como bom vendedor diz que é, e o pessoal compra essa versão.

      • E grande Avatar :D

      • José Sousa - há 2 anos

        O senhor Camaleão merece diga-se. o Devitt é um talento enorme.

  3. Cadu2204 - há 2 anos

    Eu continuo a achar que este homem é um génio incompreendido xD Se cometeu erros? Sim cometeu… mas todos os bookers o cometem… caraças vejam a RAW todas as semanas, vejam o Impact algumas semanas… é difícil agradar a toda a gente hoje em dia, imaginem nos tempos áureos :s

    E quem pode esquecer o “OH SHIT, It’s Vince Russo!”? xD

    Obrigado RicardinhoO por continuares a trazer destes artigos aqui ao site e continua o bom trabalho :)

    • Realmente há gostos para tudo…

      • danielLP21 - há 2 anos

        Jorge, mas não lhe reconheces mérito nenhum? Convenhamos que quando ele foi para a WCW, a coisa já não estava famosa…

        O que me parece (vale o que vale) é que ele é “extravagante” na forma como trabalha/pensa o negócio. Para ele, it’s all about the ratings, e isso, a meu ver, está errado, porque hoje em dia os ratings, com o crescimento do papel da internet e com a possibilidade de as pessoas verem os shows um par de horas depois dos shows, são relativos.

        De resto, não me parece que ele seja o Demónio que muitos apregoam, mas também é verdade que eu não tenho conhecimento suficiente sobre o assunto.

      • Claro que reconheço mérito Daniel, nem o acho culpado do destino da WCW, pois em última análise ele foi apenas mais um prego nesse caixão.

        Eu vejo o Vince desta forma…Ele de certeza que cresceu a ver algum wrestling e o que ficou na memória dele são aqueles momentos como o Hogan a vencer o Andre The Giant, o body slam do Luger ao Yokozuna, o Flair a passar o testemunho ao Sting no Clash of Champions, os combates com estipulação entre o Flair e o Ricky Steamboat, o Warrior a correr para o ringue, o Iron Sheik a ser apupado…acredito que em tempos ele terá sido fã de wrestling e que tem presente estes momentos e outros tantos.

        No entanto ele pensa que um show de wrestling é feito só destes momentos. Ele não considera sequer que para que um combate entre o Sting e o Ric Flair tenha o significado que teve no final dos anos 80, é preciso construir o Sting como o jovem e promissor atleta, a estrela do futuro e o Flair como a super-vedeta e que esse combate termina num empate, sem interferências externas, porque o foco está no equilibrio de forças entre o melhor de hoje e o melhor de amanhã. O conceito de crash TV é penoso, mas é a lógica do Russo. Ele próprio o diz que não quer saber da história e de lógica, para ele não há bons, nem maus. Ele defende que uma pessoa que esteja a mudar de canal naquele momento e que tropece num segmento pensado por ele, vai ficar a ver. Ele esquece-se que o absurdo até pode atrair as pessoas num determinado momento, mas ninguém ficará para ver uma coisa que não tem lógica, nem continuidade.

        A minha questão como o Russo é esta, ele é excelente a inventar conceitos e ideias, mas se não tiver ninguém em cima dele capaz de filtrar e de organizar as ideias, ele vai construir um produto totalmente caótico, sem se preocupar com os fãs, sem pensar em construir novos atletas, sem criar histórias.

        Viver para o momento e viver para as audiências foi o principal erro da WWF, da WCW e nos últimos anos da TNA. Para mim, o wrestling não é uma cadeia de spots. Apesar de aquilo que nós fãs recordamos são “flashes” de shows a que assistimos, para que esses segmentos tivessem significado houve uma construção que levou meses, algumas anos. Se o Russo não concorda com isto, ele nunca pode estar a comandar seja o que for pois vai levar o produto dele à ruina.

      • danielLP21 - há 2 anos

        Sendo assim, concordo plenamente. Isso tudo que tu referiste é a tal “extravagância” a que eu me referia (deve ser do nome “Vince”…).

      • Cadu2204 - há 2 anos

        Eu concordo que o homem é extravagante e abusa em muitas coisas. Agora dou-lhe o mérito de muita coisa que sei que passou por ele (e isto vindo de pessoas como o Bischoff, o Heyman, JR, etc…) Também há que ver que o tipo de mentalidade nos States na época era muita diferente da de agora e acho que é isso que ele não entende. Geração MTV a ver “Beavis & Butt-head” e tretas desse género acabou.
        E enquanto as pessoas foram mudando, ele não mudou e falta-lhe a tal capacidade de filtração que tu falaste e bem…

        Como disseste há gostos para tudo e o Russo, cinicamente ou não, quando fala são ideias que fazem sentido… e tu só escolhes se acenas e dizes que o gajo tem razão ou então só está a dizer monte de merd** para se promover… eu acho que são os dois e não é para todos. Um verdadeiro “John Cena”: you either love him or hate him ahah

      • Dás-lhe mérito de quê?

      • Cadu2204 - há 2 anos

        Por ter a “maluqueira, estupidez” ou o que lhe queiras chamar, de defender aquilo que na altura ele achava que dava ratings à WWF e seguir as suas ideias…
        Egoísta? Sim. Arriscado? Sim. Mas era ele que tinhas as ideias e na altura funcionaram…

      • Estava à espera de uma resposta concreta, mas parece-me que compraste a versão dele da história então…Ideias ele tinha, mas o mérito está muito longe de pertencer a ele, pelo menos no grau que ele diz. E sim, podes ir ver o que o Jim Ross e outros dizem sobre isso. Começa por procurar um pouco sobre o Steve Austin e a partir contrói a tua investigação. Depois continuamos a conversa :)

      • Cadu2204 - há 2 anos

        Austin: “I enjoyed working with him. He came up with a lot of great ideas. Uh… if he didn’t have any restrictions on him, then he would go totally overboard and f*ck a lot of sh*t up… he was a guy I certainly looked forward to working with. He was very enthusiastic, and did have a lot of great ideas — some sh*tty ones too, as you all do. But I would say that my experience with Vince Russo was very positive… uh, I think I’ve seen over the internet many times… he might have tried to take a little too much credit for some of the stuff that ‘Stone Cold’ Steve Austin did, and I wanted to say that he was entirely successful for that but that would not be the case. Did I enjoy working with Vince? Absolutely”.

        ^ Googled it só para continuar a conversa ahah

        Eu continuo a insisitir que não discordo totalmente do que tu dizes(principalmente na parte do filtro… o gajo é lunático, sim) e não quero tornar esta conversa numa daquelas discussões para te fazer gostar do Russo ou para provar que tenho razão, percebes? Tudo na paz ahah

        E o push do Booker T na WCW no meio daquele rebaldaria da NWO não partiu do Russo? Li algures que sim há uns tempos (sem certezas, mesmo assim XD)

      • Lá está, bom tipo, cheio de ideias, que tenta ter crédito a mais por coisas que não são dele. :)

        Podes ler também a opinião do Jim Ross na altura. Afinal é assim que vamos aprendendo estas histórias de bastidores. No fim do dia, temos de confiar na verdade de alguém, mas eu não compro a do Russo.

  4. FAlmeida_10 - há 2 anos

    Excelente artigo Ricardo!

    Pessoalmente nunca gostei do Russo. Sei que teve boas ideias, mas a quantidade de más ideias é tão superior, que acabam por encobrir as boas ideias. Sei que o homem teve os seus bons momentos, mas também tivemos de ver muitas ideias estúpidas vindas dali. Por vezes as pessoas exageram ao falar deste homem, talvez por causa da passagem pela WCW que também não ajudou nada. Analisando mais o trabalho do homem concretamente, eu acho que o Russo pode trabalhar bem, se tiver alguém ao lado dele que o faça ver as coisas, uma espécie de filtro. Em 50 ideias que o Russo manda, 48 são más, uma é boa, e a segunda é de génio. O Filtro poderia aproveitar essas boas ideias do Russo.

  5. THE_WOLVERINE - há 2 anos

    Gostaria de saber o q o pessoal deste site tem contra este homem???

  6. Ricardo Silva - há 2 anos

    O pessoal deste site não tem nada contra ninguém. Se não gostarmos de alguém, dizemos. Normalmente somos até capazes de justificar a nossa opinião! Não perdemos tempo a falar mal para ser fixe.

  7. Ricardo Silva - há 2 anos

    Custa-me imenso a aceitar a lição nº1. Porque se eu fosse um booker da WWE, ia querer dar-me minimamente bem com os talentos, até para saber que tipo de cenas eles estão mais à vontade. Acho que bookers e wrestlers podem ser amigos desde que se saibam separar as águas: amigos, amigos… negócios à parte.

Comentar

Login com Facebook

Editar avatar »

Notificações por email:

Wrestling.PT © 2006-2016 / Política de Privacidade / Disclaimer / Sobre Nós / Contactos / RSS Feed / Desenvolvido por Luís Salvador