Signature Move #2 – Gerir a Violência

Ora sejam muito bem-vindos ao 2º Signature Move, a crónica semanal de yours truly “Pedrito” Suely Juarez. Antes de avançar para o tema da crónica, quero dar aquele tipo de agradecimento verdadeiro a todos os que deixaram uma palavra na caixa de comentários do meu primeiro artigo. Nunca pensei obter tantas e tão boas reações. A barra das expectativas ficou bem mais alta do que aquilo que esperava e encaro com grande responsabilidade esse grande desafio que é manter ou superar o vosso feedback positivo!

Quanto ao tema do 2º artigo, gostava também de deixar uma nota: graças a vários pedidos estive para fazer uma crónica relacionada com um wrestler da TNA à semelhança do registo da  semana anterior, um lutador que conheço bem e admiro imenso e sobre o qual tenho boas impressões fora do ringue mas houve algum atraso num pacote de combates que baixei e queria ver envolvendo-o, assim como com uma dose de 3 horas de shoot interviews antes de escrever algo sobre ele… assim, o tal artigo ficará prometido para uma futura edição do Signature Move.

Enquanto isso não acontece, prefiro alterar ligeiramente o registo da crónica anterior e passar para temas mais atuais.

Gerir a Violência

null

O Main Event do Turning Point está marcado e teremos Jeff Hardy contra Austin Aires na desforra pelo título Mundial da empresa num Ladder Match no próximo Domingo. Mas antes de chegarmos ao PPV da TNA, tivemos Alberto Del Rio e Randy Orton na passada terça-feira envolvidos num Falls Count Anywhere nas gravações da SmackDown.

Aceito perfeitamente a estipulação do main event do Turning Point da TNA. Há algum tempo que o principal título da companhia não é defendido num gimmick match, e a violência tem sido bem gerida pelos responsáveis da empresa. A dita estipulação é algo em que Jeff se tornou especialista alcançando um estatuto de lenda do mesmo, enquanto Aires é super versátil. Para além disso, é algo que encaixa muito bem na rivalidade entre ambos e uma maneira lógica de deixar Hardy com o título mas não “enterrar” Aires ou mesmo elevar ainda mais o ADouble.

Quanto ao combate entre Del Rio e Orton- apreciei muito o desenvolvimento do combate, assim como tudo o que esteve por detrás do mesmo. Isto é, foi um combate que se aceitou pelo que se passou antes, teve lógica na sua marcação (booking) porque os dois lutadores não gostam um do outro e teriam de ter mais do que um simples combate para expor a sua raiva para fora dos seus corpos. Só pecou pelo timing por ser merecedor de PPV… mas tenho a certeza que a WWE tem algo especial reservado para Randy Orton no Survivor Series e que por alturas do TLC estará a intrometer-se entre Show e Sheamus pelo título Mundial.

Fica exposto o meu ponto de vista particular sobre ambos, mas ainda não cheguei ao ponto principal deste artigo que é a gestão da violência. Ambos os combates chegam em alturas em que se sente que é refrescante havê-los, não tendo havido muitos gimmick matches desse género nos últimos tempos.

Os spots no combate de Del Rio e Orton foram muitíssimo bem geridos, não ferindo a sensibilidade de pessoas mais sensíveis nem desagradando a quem procurava ver um combate, vamos chamar-lhe pelo nome, hardcore. Provou-se que mais pode ser menos ao intervalar-se alguns highspots com striking e grappling na dose certa.

Este exemplo é fulcral para o meu ponto principal: se pegarmos num individuo tipo standard de um fã de wrestling, e este ser banhado todas as semanas com gimmick matches agressivos, este vai chegar a um ponto de dessensibilização tal que a violência já não lhe faz impressão tornando-se muito mais difícil vender uma queda diretamente para uma mesa ou uma cadeirada nas costas. Passa a ser banal aos seus olhos haver sangue e deixa de haver originalidade e frescura no produto. Farta-se, provavelmente.

Por outro lado, se esse mesmo indivíduo for brindado com combates simples todas as semanas, e houver um show a cada 6 ou 7 a brindá-lo com  um combate sem as regras padrão (tendo este uma boa justificação), este seria muitíssimo mais bem apreciado e muitíssimo mais bem vendido.

Pondo esta análise à escala global, e mesmo admitindo que há muitos fãs de hardcore sangrento e sedentos de carnificina espalhados entre os fãs de wrestling, será ainda assim muitíssimo mais sustentável aplicar um modelo de negócio à indústria semelhante ao 2º. Assim consegue-se continuar a cativar o fã de um show, gerando lealdade.

É como dar um bolo a um miúdo todos os dias (salvo as devidas proporções, claro): no primeiro dia fica feliz, no segundo também, mas a partir do quarto ou quinto já conta com essa garantia. Com o passar do tempo, ele já só passa a ficar empolgado com um bolo e mais alguma coisa. Porque o bolo está garantido.

Os bookers e administrativos das duas maiores companhias de wrestling, felizmente, perceberam isso e é algo que devo louvar enquanto fã e apoiante do ramo.

Assim, um brinde a Orton e Del Rio e a quem esteve por de trás desse combate e a Jeff e Aires e respectivos bookers. E um desejo para que só voltem a marcar algo do género num futuro relativamente distante.

Sobre o Autor

-

22 Comentários

  1. Cris - há 4 anos

    Mais um artigo brilhante, parabéns!
    O tema também é muito relevante e a metafora que usaste do miudo e do bolo mostra bem o que se deve ou nao fazer.

    Continua assim

  2. danielLP21 - há 4 anos

    Epá excelente,muito bem! Haja alguém que concorde comigo,já ando para aqui a dizer isto há meses e finalmente alguém concorda!

    Mais,eu até acho que o sangue é absolutamente indiferente,mas isso já é uma opinião pessoal. O combate entre Bobby roode e James Storm no BFG seria pior sem o sangue? Não me parece…

    • valugi - há 4 anos

      Mas ali o sangue deu dramaticidade maior, A tna e normal ter combates mais hardcores, praticamente todo ppv tem pelo menos 1 hehe

      • Vinícius Nunes - há 4 anos

        Menos o Hardcore Justice, o que eu acho muito curioso…

      • Valugi - há 4 anos

        E verdade vinicus mas o ultimo teve varios combates hardcore. O artigo esta muito bem escrito mesmo

      • Frederico_WWE - há 4 anos

        O sangue para mim conta!
        Dá um tom dramático há coisa é importante mas sim deve ser gerido… mas agora nunca haver sangue também irrita e eu acho que o ter havido tanto sangue no combate Roode vs Storm deu um tom mais épico ao combate por isso para mim vou discordar de quem disser que o sangue é a mesma coisa do que nada porque não é :)

        Acho apenas que os teus artigos pecam por ser escassos acho que podes desenvolver mais porque tens potencial para isso :)

      • danielLP21 - há 4 anos

        Pois Frederico,para mim o sangue é mesmo indiferente. Na minha opinião,não acrescente nem tira nada a um combate. Se houver sangue,muito bem. Se não houver,muito bem na mesma,desde que o combate seja bom.

    • Mintz - há 4 anos

      A cena do sangue deu pra dar mais drama ao combate. E acho que ate era necessario. MAs isso sou eu. lol

      Comentando o texto- excelente, concordo em absoluto com a cena de dar um bocado de cada vez aos fas de forma a deixa-los “presos”!

    • José Sousa - há 4 anos

      Daniel eu já tinha dito isto num dos meus primeiros artigos no site, talvez na altura ainda não acompanhavas muito o meu espaço. Mas desde sempre que defendi que o sangue é apenas um pormenor e não aquilo que faz um combate melhor. Ou seja o Hardcore deve servir o prepósito de uma feud( aliás eu referi isso na antevisão do Hell in the Cell).

      Ser hardcore só por ser para mim não tem piada também, por isso sem duvida que concordo contigo e com o o meu colega Juarez, a estipulação Hardcore tem que surgir como definidora de um momento de uma rivalidade e não sendo violencia gratuita só porque sim.

      • danielLP21 - há 4 anos

        Acompanho o site há um ano,mas só comecei a comentar em Fevereiro. Ainda me lembro do primeiro comentário eheh :D

        Não me lembro de ver um artigo teu sobre isso,mesmo quando apenas lia sem comentar. Mas sem dúvidas que concordo contigo.

      • danielLP21 - há 4 anos

        Aliás,vi agora o meu primeiro comentário aqui no site e foi no dia 6 de Março… Meu Deus,eu naquela altura não percebia 5% de Wrestling do que percebo hoje… Sem exagero,este site contribuiu e muito para a evolução da minha pessoa.

        Na primeira Raw que eu comentei,disse que o Santino merecia ser Campeão dos EUA… WTF?! Onde é que eu tinha a cabeça? Ahah

        Mas é bom ver que 8 meses depois evoluí muito em relação a esta nossa paixão,e agradeço ao Flávio Bruniera,ao Jorge Rebelo,ao José Sousa,ao Juarez,ao Luís Salvador,ao Mário Magalhães,ao Ricardinho,ao Rúben Rosa,à Salgado e ao Tiago Silva (por ordem alfabética,para não haver cá histórias. Quem estava ontem no chat sabe ao que me refiro…). Já agora,confesso que sinto alguma falta do Pepsi Plunge… Espero que o Tiago volte em breve.

        E peço desculpa por este comentário que nada tem a ver com o tema do artigo,e ninguém me pediu a opinião nem me perguntou nada,mas pronto… :D

      • Pedrito Juarez - há 4 anos

        Eu é que agradeço a ti. Significa muito ter o meu nome aí escrito. Gracias!

  3. Vinícius Nunes - há 4 anos

    Bom artigo Juarez, o seu começo é muito bom, e quero só ver quem será esse lutador da TNA, já me deixou ansioso para o próximo artigo, o que é bastante positivo.

    Confesso que sou fã de hardcores matchs e que acho o sangue importante neles em vários casos, mas claro que tem que ser na hora certa, e em uma feud que tenha um desenvolvimento para tal, como foi Roode e Storm, aquela feud tinha que ter uma luta daquelas, mas concordo que esses hardcores matchs tem que aparecer de vez em quando, pois como você mesmo disse, o fato de ser raro os tornam mais especiais, e espero que Aires e Hardy tenham uma excelente ladder match, e tenho certeza que vão ter, porque os dois são ótimos, e porque o ano da TNA é tão bom que só espero o melhor dela e dos seus combates.

  4. José Sousa - há 4 anos

    Bom artigo, e tal como disse em cima ao Daniel concordo contigo, para mim o Hardcore tem que surgir num contexto de desenvolver ou definir uma conclusão para uma feud, e nunca violencia ou sangue so pelo prazer de o ver. tem que surgir dentro de um momento lógico de uma storyline.

    E tal como diz o Vinicius eu espero bastante para Domingo mas mais não posso dizer, se não arruino o meu artigo de amanhã e já ninguem o quer ler.

    Mas sinceramente continua assim exclente, é de colegas como tu que precisamos neste site.

  5. TheCodebreaker11 - há 4 anos

    Mais um exelente artigo! Pequeno e exelente!

  6. A WWE é burra porque podia ter mais fãs se tivesse a ECW contratava JeffHardy RVD Sandman Sabú Dreamer e depois outros como o Ryback trocavam de brand com ele gostava mesmo de ver RVD vs Ryback vs Goldberg seria um Excelente combate

    Opinião da Semana:
    -porque eu só falar da ECW e não da WWE normal
    R:Porque a WWE de agora é só tretas e não vale nada e dantes quando tinham a ECW era a melhor
    Fim da minha opinião
    Eu vou mandar a biografia da ECW para todos saberem

  7. VinceYESYES - há 4 anos

    Gostei imenso do artigo mas vou ter de discordar, para mim o sangue dá sempre um toque significativo à luta.. De resto penso que concordo com tudo. Apesar de também achar que existe falta de hardcore, concordo quando dizem que não deva ser algo comum e que se torne banal, mas neste momento é quase inexistente, na WWE então..

    Mas é apenas a minha opinião como fã de ECW e TNA, logo sou suspeito xD

    De resto excelente artigo !

  8. Master of Chaos - há 4 anos

    Parabéns Juarez.

    Tocaste num assunto que gosto muito. Adoro ver combates antigos hardcore e a TNA é uma empresa que contém alguns combates que eu considero hardcore, mas nem sempre.

    É muito bom ver combates mais violentos às vezes, mas realmente, ver aquilo sempre enjoa, então, que seja como disseste. Dêem ao gajo lutas normais e depois de um tempo uma luta do estilo mais hardcore que seria brilhante para qualquer lutador.

  9. Jhon William - há 4 anos

    Excelente artigo, Juarez cada vez mais estou gostando destes artigos do “Signature Move” e aguardo impacientemente pelo próximo!
    Só acho mesmo é que devias alargar mais o conteúdo, pois já tem complexidade só falta mesmo a “quantidade”! ;)Em relação ao tema, não vejo TNA há pelo menos 1/2 anos, mas lembro-me perfeitamente dos combates hardcore eram fantásticos com mesas, cadeiras e até raladores! O único combate que me lemvro mesmo bem foi a team Hernandez (não me lembro do outro) contra adversários desconhecidos (também não me lembro :D) e foi fantástico hernandez com o seu splash… Fica bem ;)

  10. MikeD - há 4 anos

    Brilhante!

  11. JoanaDFX - há 4 anos

    NÃÃÃO! Por favor não alongues o texto. Eu nao tenho mt tempo pra ler cronicas e há muita gente que escreve, divaga e divaga e divaga e nao chega ao ponto. tu fazes isso, chegas ao ponto e a leitura é agradavel.
    MAN, NÃO ALARGUES O TEXTO. PF xD

    Mais um excelente artigo!

  12. Pedrito Juarez - há 4 anos

    Pessoal, mais uma vez muitíssimo obrigado pelos comentários e pelo apoio. Cada vez mais fico bem surpreendido com o que dizem destes artigos, é mesmo muito bom!

    Quanto a aumentar ou não o artigo eu não tenho problemas em adaptar-me ao que o pessoal quiser. Aliás, o feedback serve para isso mesmo. Se continuar a haver pessoal a pedir, posso aumentar o texto e alongar-me nas reflexões. É como quiserem. Embora eu deixe a coisa mais reduzida, mesmo para haver mais “interactividade telepatica”, se é que me entendem…

Comentar

Login com Facebook

Editar avatar »

Notificações por email:

Wrestling.PT © 2006-2016 / Política de Privacidade / Disclaimer / Sobre Nós / Contactos / RSS Feed / Desenvolvido por Luís Salvador