Existem 2 vagas na Equipa do Wrestling PT para publicar notícias. Candidata-te!

Smoke and Mirrors #107 – Unificação: sim ou não?

11 anos depois, voltamos ao mesmo cenário: Um campeão, dois títulos. Esse é o momento mais marcante da semana WWE, e igualmente o mais polémico, aliás esta decisão será alvo de muito debate nos próximos tempos, por ser algo que poderá mudar o cenário do Main-Event da WWE de forma radical. A partir do dia 15 Dezembro nada mais será igual na WWE, e é impossível saber, pelo menos altura, se esta mudança será temporária como o foi da primeira vez, ou se é algo permanente.

Por isso, esta semana irei analisar os prós e contras do cenário de unificação dos títulos principais da WWE, apresentando as principais vantagens e desvantagens deste cenário. Ou seja, não podemos ignorar os possíveis riscos ou desvantagens, tal como não posso não abordar as virtudes desta decisão. E por isso mesmo, o que farei é uma análise das principais consequências positivas e negativas de cada uma das situações, para que vos possa apresentar uma súmula final sobre qual considero ser a situação final onde esta situação deveria ocorrer.

1. Como gerir o Midcard nesta situação?

Um dos principais riscos da situação da unificação está no midcard, porque esta situação tanto pode jogar a favor desta divisão como contra. Ou seja, esta situação até pode ser benéfica para o midcard, mas isso dependerá tudo da forma como a WWE irá construir toda esta situação e desenvolverá esta divisão daqui para a frente. Isto porque, a WWE tem sobretudo duas escolhas: Unificar também os dois título de midcard, ou ficar com os dois mas começar a valorizar esses títulos com feuds com histórias relevantes.

O cenário que mais valoriza o midcard na minha opinião é manter os dois títulos, procurando valorizar os dois como fez na altura da Atitude Era com o European e o Intercontinental Championship. Nessa altura como agora, acho que a WWE benificia do facto de ter dois títulos deste tipo, mas isso implica um investimento neles e criação de histórias relevantes em torno dele. Isso tudo, para que um campeão de um desse títulos possa ser visto como um futuro Main-Eventer tal como acontecia durante a década de 90, pois nessa altura esses títulos eram vistos e tratados como um pré-teste para o Main-Event.

E com a unificação dos títulos principais, é importante que este trabalho com os títulos de USA e Intercontinental seja feito, caso o contrário a unificação acabará por prejudicar ainda mais o midcard do que o fim do Brand Split. Dai eu não concordar com uma unificação dos títulos principais, mesmo com uma só Brand, porque considero que os riscos para a valorização de alguns dos talentos são elevados, nomeadamente os do NXT que teriam ainda mais dificuldade em surgir no main-roster, e em conseguirem destaque no mesmo. Além, que nesse cenário alguns dos nomes do midcard actual acabariam por ficar sem espaço, e arriscávamo-nos a ter uma onda de despedimentos que não iria incluir só lowcarders, mas também alguns wrestlers com talento que iriam ficar insatisfeitos com a escassez de oportunidades.

Por esse motivo, eu prefiro a hipótese de dois títulos de Midcard com a unificação dos títulos de Main-Event. Até porque assim, a WWE resguarda a possibilidade de trabalhar e desenvolver simultaneamente dois talentos que poderão dar o passo para o patamar seguinte, isto caso comprovem serem um valor acrescentado para o Main-Event. E, isso só se consegue com boas performances e feuds que dêem relevância aos campeões de midcard, algo que tem sido muito raro nos últimos anos.

2. Quais são as vantagens de uma unificação dos títulos Principais?

A unificação tem algumas vantagens, claro que também comporta muitos riscos, mas a verdade é que esta ideia divide os fãs da WWE entre os que defendem um único campeão nesta altura, e os que defendem o regresso da Brand Split com dois campeões de topo, ou seja, um para cada um dos shows. Aliás, o principal argumento que muitos utilizam para defender a unificação é que sendo o fim da Brand Split algo aparentemente duradouro, faz sentido que a WWE tenha apenas um campeão principal que seja o foco da companhia.

Desse modo, a WWE consegue centralizar ainda mais um produto que já de si já o está desde do fim da Brand Split, e na visão da direcção da WWE isto vem beneficiar o produto, porque considera que os títulos principais devem concentrar-se num pequeno número de wrestlers. Ou seja, só é campeão de Main-Event mesmo quem tiver um estatuto altíssimo dentro da companhia, e por isso um jovem terá ter muito valor e capacidade de fazer impacto até conseguir uma oportunidade por esse título, o que também tem desvantagens, mas sobre isso falarei posteriormente.

Assim, a principal vantagem que encontro neste cenário é mesmo a possibilidade de valorizar-se verdadeiramente o campeão principal, algo que era mal feito nos últimos anos no World Heavyheight, mas a verdade é que não acho que esse título fosse um caso perdido. No entanto, a WWE considerou que não o conseguia valorizar sem Brand Split e optou por esta decisão muito polémica, mas que considera que irá valorizar o main-event. Mesmo que, numa primeira instância ela centralize o título em 4 ou 5 nomes, que são aqueles que têm estado na rota nos últimos quatro a cinco anos, e isso não é positivo para os jovens talentos.

Claro, que os defensores do projecto da unificação dizem que dessa forma os títulos de midcard podem voltar a ser valorizados, e dessa forma voltar a ser a rampa de lançamento que eram antigamente. E, num cenário ideal, até poderia ser verdade porque ser um bom campeão de midcard seria um futuro main-eventer, mas tenho muitas duvidas que esta seja a melhor altura para acreditar nesse modelo de rampa, pelo estado dos títulos intermédios da WWE. Ou seja, por mais que exista boa vontade nesta modelo, ele apenas pode resultar num cenário utópico, e as suas vantagens podem ser facilmente derrubadas e engolidas pelas desvantagens.

Ou seja, eu não nego que os títulos de midcard poderiam ser mais valorizados com a unificação, mas acho que poderiam ser mesmo sem esse passo, era apenas uma questão de vontade de valorização desses títulos com rivalidades sérias e fortes. E, claro que isso é possível com a unificação, mas esse processo é algo que irá demorar porque neste momento os títulos de midcard ou estão engolidos por uma história principal (no caso de Ambrose), e por um campeão onde a WWE aposta muito mas que continua a não ter o carinho do público que deveria estar a conseguir conquistar. Claro, que isso é algo que ainda demora a ser conquistado, mas não é com combates quase squashes e com rivalidades com o Axel que Big E passará a ser um wrestler importante, e voltará a ser um título respeitado como foi no passado, ou mesmo no reinado de Cody Rhodes.

Além deste factor, outra vantagem que os defensores do modelo apresentam é a possibilidade de valorização de outras feuds que deixam de ser secundárias, mas assim antecâmaras de uma possibilidade de atingir a luta pelo título principal. E, a verdade é que esse modelo resultava na perfeição na Atitude Era, mas devemos referir que esse modelo teve como consequência o facto de alguns dos wrestlers terem sido underrated, pela centralização da luta em alguns wrestlers. Claros, que podemos dizer que alguns wrestlers ficarão marcados pelas suas feuds e não pelos títulos, e isso não retiram qualidade á carreira desses nomes, mas quando olharmos para atrás no final da carreira de alguns nomes, vamos acabar por ver muitos nomes com carreiras com um curriculum inferior ao que poderia ter sido, pelo menos no que diz respeito aos títulos.

Além que a defesa do projecto de unificação sustenta-se sobretudo na valorização do main-eventer com um único título para uma brand, com a possibilidade de surgirem nº1 contenders matches que é algo em desuso nos últimos anos. Mas, também não existe provas que passaremos a ter muitos combates destes, onde poderiam surgir as tais oportunidades para os melhores jovens talentos. Claro, que na teoria isso poderá acontecer com mais frequência com a unificação, mas esse modelo de valorização de um título principal usando os wrestlers consagrados, e apostando em jovens talentos simultaneamente, é algo que é difícil e arriscado e que poderá ser muito positivo. No entanto, é um projecto que demorará muito tempo a funcionar, e por considerar este passo muito arriscado e sobretudo utópico, é que passarei a analisar de seguida os principais riscos da unificação dos títulos principais.

3.Principais riscos da unificação

Na minha opinião, a unificação têm riscos que fazem com que o plano possa falhar, e um dos factores que a WWE terá definir bem é claramente o tempo que pretende que esta unificação dure. Ou seja, é completamente se for algo temporário, do que se for algo permanente, porque o planeamento do produto é diferente nas duas situações. Porque, se for algo temporário e para vigorar apenas durante o período até á Wrestlemania, então a WWE poderá planear o regresso da Brand Split nos meses posteriores ao evento, e assim o novo campeão Mundial seria valorizado porque iria tirar o título ao um campeão unificado.

No entanto, o mais provável é que tenhamos este modelo como o modelo vigente durante os próximos anos, e isso diminuirá as hipóteses de novos elementos atingirem o patamar cimeiro da WWE, ou pelo menos a sua tarefa estará mais dificultada. O que fará com que o título principal fique entregue durante os próximos anos aos mesmos de sempre, e o problema não é ser só o Cena, é igualmente o produto ficar centralizado em nomes como CM Punk, Sheamus, Orton, Big Show e mesmo Daniel Bryan para os próximos 5 anos.

E, por mais que isso dificulte e valorize uma possível conquista de um jovem talento, também acaba por dificultar esse mesmo trabalho, pois torna-se ainda mais difícil romper o caminho para o Main-Event. Ou seja, eu acredito que se foi possível valorizar a divisão de Tag Team, a WWE poderia ter optado por uma credibilização e renascimento do World Heavyheight championship, através de uma valorização do Smackdown como local desse título dando valor, e promovendo histórias fortes envolvendo o mesmo.

Até porque, se o conseguiu fazer no passado, não seria totalmente impossível fazer o renascimento do Titulo Mundial e da Smackdown, até porque este show será uma das principais vítimas da unificação. Ou seja, não vejo como é que a Smackdown poderá continuar enquanto show principal, ou mesmo como programa, quando as histórias que são promovidas na Raw serão exactamente as mesmas que serão desenvolvidas na Smackdown, muitas vezes sem desenvolvimentos importantes.

O que pretendo dizer com isto, é que a WWE ao definir a unificação como modelo do futuro, está provavelmente a condenar á morte o Smackdown, quando poderia ter perfeitamente ter lutado por ele. Para isso, só precisava de ter apostado mais no Smackdown como local do título Mundial, e para isso ajudaria o regresso da Brand Split, e esse regresso era algo viável nesta altura face ao roster que a WWE possui. Dessa forma, a WWE estaria ajudar a promover simultaneamente um título, um programa, e ajudar na criação de novos main-eventers como fez durante o período do Brand Split.

Aliás, o grande obstáculo que coloco á unificação é mesmo a centralização do produto que ela vai causar, porque com isso o percurso para o topo será cada vez mais difícil para os jovens talentos. Ou seja, se nomes como Bryan, Reigns, e Rhodes parecem ser nomes do futuro do main-event da WWE, com a unificação o caminho para o topo para Wyatt, Cesaro, Ambrose, Rollins, e os jovens do NXT será muito mais árduo, por mais valor que tenham como midcards no roster principal da WWE. E na minha opinião, esse é o factor mais prejudicial para o projecto de unificação dos títulos principais da WWE, porque traz demasiados riscos para a nova geração.

Desse modo, e em suma, eu acabo por defender que a unificação só deveria acontecer se for para posteriormente trazer contigo o regresso da Brand Split, porque caso o contrário não sou á partida o maior defensor da ideia. Isto, porque  os riscos e os pontos negativos são muito maiores que os positivos, ou pelo menos a possibilidade desses riscos trazerem mais efeitos negativos a longo termo para a WWE são muito superiores. Assim, sou defensor do modelo em que temos duas brands e dois títulos principais, mas sei que desde de segunda-feira esse caminho é cada vez mais improvável.

Desta forma concluo a edição desta semana do Smoke and Mirrors, numa semana em que o tema por certo será polémico e alvo de muito debate por vossa parte. Para a semana regresso com mais um tema da actualidade do wrestling, mas ate lá despeço-me de vós desejando uma ótima semana, e marcamos encontro no mesmo dia e local na próxima semana.

Figuras da Semana

CM Punk & Daniel Bryan( GOAT´s)- Esta dupla foi uma das figuras da semana, sobretudo pela excelência da sua performance no Survivor Series, já que foi uma das poucas coisas de boa qualidade no evento. Foi brilhante como conseguiram fazer o outro brilhar, e ainda deixaram spotlight para a performance de Luke Harper. O futuro agora será novamente a solo, cada um com as suas próprias adversidades.: Bryan com a Wyatt Family. e CM Punk a começar a sua interação com a Autority.

Mark Henry- Regresso em grande do Mestre do Hall of Pain, com duas vitórias em dois seguidas face aos ex-Paul Heyman Guys. É pena que vá ter uma rivalidade com Ryback no TLC, e só por isso as expectativas nunca poderão ser as melhores para esse embate.

Roman Reigns- Semana extraordinária de Roman Reigns, 7 spears em dois seguidos, e uma valorização extraordinária. Os Shield não tinham até agora uma figura mais destacada, mas esta semana tudo mudou, e ele esteve fantástico tanto nos combates como a lançar a rivalidade com CMPunk com aquele Spear vindo de terra de ninguém.

John Cena- Defendeu o seu título no Survivor Series num combate de qualidade bem abaixo do que seria expectável. No entanto, não pode deixar de ser uma das figuras da semana pelo desafio que lançou a Randy Orton pela unificação dos títulos, e isso é um dos destaques da semana, quer-se concorde ou não com esta decisão da WWE.

Randy Orton- Tal como Cena defendeu o seu titulo noutro combate não muito interessante, mas a verdade é que ele não deixará de ser um destaques da semana pelos motivos óbvios. De resto, devo dizer que ele foi dos que esteve melhor ao nível das promos esta semana ao questionar a decisão de Triple H de unificar os títulos.

Ethan Carter III- Continua Invencível é verdade, mas sempre contra adversários relativamente fáceis, no entanto as indicações que tem deixado são positivas sobretudo no que diz respeito á gimmick. Ficamos á espera do primeiro adversário a sério de EC3 para perceber qual será o seu verdadeiro potencial na TNA.

Funeral dos Aces and Eights- Segmento notável, foi notável a “homenagem” fúnebre com carisma irónica e cómica que Mr.Anderson fez para marcar o fim do Aces. Destaco o momento em o Mike Tenay guarda as pants da Brooke como Souvenir, e claro o momento em que o Bully Ray surge prometendo renascer e vingar-se de Mr.Anderson.

Feud Gunner e Storm-Numa semana onde feud Angle e Roode avançou pouco, eu prefiro destacar a crescente tensão entre Gunner e James Storm, que por certo dará origem a uma das feuds mais interessantes dos próximos tempos da TNA.

Surpresa da Semana

Unificação dos títulos mundiais- Sonhos para uns, pesadelo para outros, esta foi claramente a surpresa da semana. E não podemos negar que acabou por ser uma surpresa, nem que fosse porque muitos não esperavam que ela avançasse já para o TLC.

Desilusão da Semana

Raw pós Survivor Series- Foi a Raw mais fraca dos últimos meses, sendo que os únicos avanços feitos foram mesmo nos títulos mundiais, e na história de Bryan, Punk, Wyatt´s e Shield. O restante show foi um conjunto de rematches dos combates do PPV, mas com qualidade duvidosa, nomeadamente no combate das Divas.

Perguntas da Semana

Concordas com a unificação dos títulos Mundiais? Porquê? E em que moldes gostarias que ela vigorasse?

Quais são as principais vantagens e desvantagens que vês nesse processo?

Concordas com  as figuras, surpresa e desilusão da Semana? Ou escolherias outras opções?

Sobre o Autor

- Escritor do artigo “Smoke and Mirrors”.

48 Comentários

  1. Franciscoxb - há 3 anos

    Excelente artigo,muito bem feito e estruturado

    Concordas com a unificação dos títulos Mundiais? Porquê? E em que moldes gostarias que ela vigorasse?

    Discordo totalmente,porque sem o título mundial, porque sem esse título jovens talentos como o cody o shandaw,o Ziegler o miz … ficaram perdidos no mid card ou até em patamares mais inferiores e atrasaria os shield para o main event, só espero que este brincadeira seja para o punk na WM 30 ganhe os dois títulos e que volte a brand split com o punk e o WHC, usa champion e o world tag teams champion a irem para o SD e o WWE champion,o IC champion, o divas champion e o WWE tag temas champion fiquem na RAW

    Concordas com as figuras, surpresa e desilusão da Semana? Ou escolherias outras opções?

    Concordo com as figuras e surpresa só acho que a desilusão foi o survivor series em si

    • José Sousa - há 3 anos

      Eu também por principio discordo, porque acho que as consequências serão nefastas para o produto dentro de alguns anos. Tal como referes, muitos dos jovens talentos sairão prejudicados com toda a essa situação.

  2. Fandangooo!! - há 3 anos

    Belo artigo José Sousa. Sim eu concordo com a unificação dos títulos mundias porque visto que a WWE só tem uma Brand deveria só ter um campeão mundial. Gostaria que ele viesse com o Intercontinental Championship a ser um título de transição entre o midcard e o main event, já que main eventers vão sair um pouco da rota do título superstars como Del Rio, Ziggler, Kane, Christian, Chris Jericho, Mark Henry e Big Show entre outros poderiam entrar em feud com os novos talentos da WWE. Falo isso do IC já que o United States Champion e acessório dos The Shield não pode ser visto desta maneira. Outra vantagem da unificação é a divisão de Tag que é agora orgulho da companhia, ela esta crescendo com novas tag de midcards e poderia ter mais feuds interessantes já que a WWE poderia focar mais tempo nela.
    Enquanto as figuras da semana destacaria a Nikki Bella que foi survivor nos dois combates e poderá ser a nova N 1 contender e também Brodus Clay que poderá estar fazendo o seu hell turn

    • José Sousa - há 3 anos

      A divisão de Tag Team nao melhorou por causa da unificação, mas sim porque temos boas tags prontas a ecludir. Antes dela tivemos boas divisões de Tag Team e tinhamos dois titulos.

      Quanto ao titulo mundial, eu continuo a dizer que os riscos são muito maiores que a recompensa de pensarmos que temos um só campeão, se o titulo circular entre os mesmos wrestlers.

  3. JoãoRkNO - há 3 anos

    Excelente artigo José, mas acima de tudo, excelente tema.

    Com a unificação o mid card pode ficar a ganhar como pode ficar a perder, agora vai depender deles como vão gerir a situação. No meu ponto de vista, não vai haver unificação dos títulos do mid card, isso era mau demais, já não bastava a dos títulos principais e agora mais esta. Pode ser vantajoso no ponto em que, havendo apenas um título principal, muitas das superstars que já passaram pelo ME, poderão recair por um destes títulos. Falo por exemplo de Del Rio, Rhodes, Sandow, Henry, Wyatt, o próprio Bryan, que se acontecer será uma injustiça, etc etc.

    Como já tive a oportunidade de debater contigo, já sabes que eu sou totalmente contra esta ideia, que agora vai passar a ser real. Sendo os Titulos do mid card valorizados ou não, porque podiam ser valorizados na mesma com dois títulos principais, os ME vão começar a ser cansativos, visto que o WWE Title vai andar sempre a rodar por um dado conjunto de superstars, que nem preciso de dizer quais são. Apenas o vencedor do MITB, que agora deverá passar de novo para a WM, deixando de existir o PPV com essa estipulação, vai ter uma oportunidade de ouro pelo ME, que pode-lhe ser dada, ou que pode ser-lhe negado, exemplificando o Sandow.

    Em relação ás figuras da semana concordo contigo na maioria, mas destaco, sem sombras de dúvidas, o Roman Reigns, que tem estado imparável, mostrando o seu poderio no ringue, e por último o funeral dos Aces&Eights que foi das coisas mais hilariantes que já vi, sobretudo, como bem referiste no momento do Mike Tenay.

    • José Sousa - há 3 anos

      Mas isso na minha opinião é uma falsa vantagem, porque ninguem nos garantiu mesmo essa melhoria das rivalidades pelos titulos de midcard. E é ai que todo o argumento dos defensores para mim vai por água á baixo.

      A Smackdown vai ter uma certidão de óbito, e eu ainda acredito que era possivel o WHC voltar a ser credivel, era uma questao de aposta e construção de novos talentos. Isto é claramente uma fuga para a frente, o caminho mais fácil, porque apostando nos mesmos do costume nao se arrisca.

  4. Suicide - há 3 anos

    Concordo plenamente com tudo o que disseste, esta unificação só seria, na minha opinião, justificada caso levasse a uma nova separação dos titulos (talvez pelo vencedor do RR) na Wrestlemania, o que por sua vez levaria à tão aguardada Brand Split. Adorava que essa Brand Split fosse feita ao estilo da 1a, onde o GM ou representante de cada uma das Brands ia escolhendo os wrestlers que queria. Em relação à propria Brand Split, acho que seria bastante benefico, não só para a valorizaçao do titulo mundial ou dos de Midcard, e respectivos talentos associados, mas tambem iria abrir as portas a muitos dos wrestlers do NXT que poderiam assim subir ao roster principal.

    • José Sousa - há 3 anos

      Só se for nesse cenário. Claro, isto sobretudo parece-me ser contraditorio com o trabalho do NXT, porque tens lá cerca de 6 nomes pelo menos que podem vir para o roster principal e com impaoto. Assim será tudo mais dificil sem duvida.

  5. Frederico_WWE - há 3 anos

    Mas quais vantagens? A história do mid card poder agora ter melhores rivalidades e mais star power pelos títulos secundários é uma falácia… a WWE continuará com a mesma preguiça de sempre… já não bastava não haver o titulo Cruiserweight, nem o titulo Hardcore, nem o European Title, nem o Women’s title nem os World Tag Team titles agora também o titulo Mundial vai deixar de haver… só existem desvantagens na minha opinião… o titulo Mundial TEM que existir… os últimos tempos têm vindo a ser maus… desde a forma como o Bryan é “enterrado” da história de topo… passando pelo Big E ser campeão Intercontinental… passando por um Survivor Series vergonhoso… passando agora pelo Cena ser o próximo campeão unificado… se as coisas continuam a tomar estas proporções deixo de querer saber e só volto para a os PPV’s e para a WrestleMania.

    Antes existiam 2 títulos de Tag Team… o WWE Tag Team e o World Tag Team… ambos foram unificados e agora só existe 1 que por sinal tem um formato horroroso… então o meu feeling é que infelizmente ao dar se mais uma unificação… nem nos próximos 5 anos o titulo Mundial voltará a aparecer… é o meu feeling que pode tar errado… mas a avaliar por unificações anteriores é o que acho.

    Quanto a mim isto de unificar só significa que a brand split é cada vez mais uma miragem… e não me admira que a SmackDown daqui a 5 anos seja um “Main Event” ou um “Superstars” e digo mesmo a SmackDown já esteve bem mais longe de acabar…

    • José Sousa - há 3 anos

      Eu apresentei as vantagens que os defensores referem Fred, porque eu concordo contigo. Eu disse isso durante esta semana já no chat com várias pessoas, essa ideia de melhoria do midcard e de feuds de contenders é idilica, mas acho que é utopica demais e dificilmente terá bons resultados. O WHC era recuperavel, e a Smackdown bastava a Brand Split, e nao digam que com alguns nomes do NXT isso nao era possivel.

      Desta vez fui eu que nao exagerei quando me passei na Raw depois do Hell in the Cell. Eu só nao imaginava que fizessem isto ao Bryan sinceramente,mas aquele reset foi abuso e via-se logo que nao ia trazer coisas boas.

      Finalmente alguem que nao aprecia muito o Big E como eu, eu nao o acho pessimo, mas nao é o poço de talento que estao a pintar. Aliás ele nao tem assim tanto pop como querem, ele é mais o Zeke na minha opiniao.

      • Frederico_WWE - há 3 anos

        Concordo José e as vantagens também sei que achas que são poucas ou nenhumas.

      • José Sousa - há 3 anos

        Quase alguma, devias ter visto a minha reacção quando vi lie na Raw. Fiquei verdadeiramente passado.

      • Frederico_WWE - há 3 anos

        Pois eu até muitas vezes nos comentários que faço parece que tou zangado com quem faz o artigo ou com quem dá alguma noticia… mas não é nada disso… é que estou mesmo IRRITADO xD com esta “unificação”

      • don_ricardo_corlone - há 3 anos

        O WHC era o main event tanto como o WWE. O WHC chegou a ser o titulo máximo do RAW, disputado pelos grandes nomes como o Triple H e o HBK.

      • don_ricardo_corlone - há 3 anos

        Ops, sitio errado. XD

  6. Tibraco - há 3 anos

    Não para responder “sim” ou “não” a este tema. A questão é muito complexa, envolve muitas variáveis, e está completamente dependente do que a WWE queira para o futuro. Os teus argumentos são pertinentes apenas discordo quando dizes que, com a unificação, o caminho para o topo ficará mais complicado. Discordo porque, atualmente, o WHC não é considerado “topo”, logo se o título, por hipótese, continuasse ativo o caminho para o “topo” seria, na mesma, o Título da WWE. Tens o exemplo do Ziggler que foi campeão e passados uns 4 ou 5 meses é um jobber. Seria impossível tal acontecer com um campeão da WWE.

    • José Sousa - há 3 anos

      Sim. Para mim fica sabes porque o WHC nao era um titulo de topo porque nao existe Brand split, o que é pertinente referir é que tens wrestlers no roster e no NXT com capacidade suficiente para isso.

  7. Pedro - há 3 anos

    Sinceramente como se trata de wwe acho que o randy pega o whc, e o Cena pega o titulo da wwe, e os dois queridinhos ganham mais um titulo na sua carreira

  8. The Mentalist - há 3 anos

    Bem que o SHIELD poderiam atacarem o Randy Orton e o Cena para acabar com essa palhaçada de unificação

  9. Mario Magalhaes - há 3 anos

    Grande artigo José, com um tema bastante pertinente.

    Não concordo, porque assim os novos valores custaram a chegar ao main event e o principal cinturão da WWE, nos próximos anos ficará limitado a apenas 4 ou 5 nomes, como Cena, Orton, Punk, quem sabe Bryan e outros nomes que poderiam ser World Heavyweight Champion, para vermos como este cinturão terão suas possibilidades bastante reduzidas.
    Porém como não temos uma divisão de shows, podermos dizer que é benéfica a união, mas assim a própria WWE vai se complicar em relação aos house shows, pois tendo apenas um campeão principal, onde ele se apresentará?
    Esta questão de se elevar os cinturões intermediários como na Attitude Era, acho muito improvável, mas se ocorresse, seria muito bom.
    Já disse e repito, gostaria que o final do combate entre Cena e Orton no TLC, eles apenas trocassem seus cinturões, sendo Orton a pegar o WHC e Cena o WWEC.

    • José Sousa - há 3 anos

      Mesmo o Bryan os proximos tempos estao envoltos em duvida. Depois concordo contigo os jovens saiem prejudicados, os do roster e os do NXT. A Smackdown fica fragilizada ainda mais, e ainda pior essa questao do midcard é utopica porque nao é com feuds Big E e Axel que aquilo melhora.

  10. don_ricardo_corlone - há 3 anos

    Concordo com tudo o que escreveste, assim respondo às duas perguntas. A verdade é que não concordando é, inflizmente, corente com o que vem acontecendo na WWE nos últimos anos. Mesmo nos titulos, começou com a unificação dos titulos de tag team, o fim do Women’s Championship e manutenção do Diva’s Champiship, RAW Supershow, fim do brand split, morte do Smackdown, desvalorização crescente do WHC, o caminho há muito pensado é, inflizmente, este. Isto tem de ter como consequência a valorização dos titulos de mid-card, pois o WHC tinha vindo a cumprir o papel do Intercontinental, e a uma mudança do paradigma do main event, para os moldes das décadas de 80 e 90, menos centralizado nos titulos principais. Tem as vantagens e desvantagens que tu apontaste. Gostava de acreditar que tudo levaria a um regresso do brand split, talvez com o regresso de um Vince McMahon indignado com Triple H e Stephanie, a apoiar o vencedor da Royal Rumble, levando a um combate resoolvesse a contenda, mas eu não acredito, basta ver a história recente da WWE. Desta vez sim, é a morte do WHC, e o regresso da lógia uma empresa e um campeão.
    Concordo com as figuras da semana. Destaco os Aces and Eights, uma stable que me prendeu à TNA durante um ano e que levou à minha grande desilusão com essa empresa, a stable tornou-se um igual a todas as outras, centrada no ego do Bully Ray, muitos sairam porque a TNA se esqueceu de renovar contratos, apenas se importaram com o WHC e com o TV Championship, lixaram-se para tudo o resto, enfim, a montanha pariu um rato.

    • José Sousa - há 3 anos

      Claro mas a culpa foi da propria forma como a WWE fez destruir a Smackdown quando ela tem um passado em criar nomes importantes que foram WHC antes de chegar ao main-event: Cena, Orton, CM Punk, Edge, Daniel Bryan,Batista, Rey Mysterio, Eddie Guerrero, Booker T, etc.

      • Jones - há 3 anos

        Cena, Edge e Eddie foram todos campeões da WWE na primeira vez que foram campeões mundiais. O Orton foi WHC na RAW, como o Batista na primeira vez que foi WHC.

      • YO - há 3 anos

        Cena era da SD quando venceu o WWE title pela primeira vez.Eddie também.Edge e Orton eu concordo com você.

      • don_ricardo_corlone - há 3 anos

        O WHC era o main event tanto como o WWE. O WHC chegou a ser o titulo máximo do RAW, disputado pelos grandes nomes como o Triple H e o HBK.

  11. danielLP21 - há 3 anos

    Antes de mais nada, nós não temos a certeza se vamos ter um campeão unificado no TLC. Posso estar a ser ingénuo, mas não me admirava nada que, no final do combate, cada um dos lutadores ficasse com um título. Ainda assim, provavelmente, teriam uma desforra no Royal Rumble e, principalmente, porque raio iria a WWE criar esta história se não fosse para unificar os títulos? Duvido que façam isto apenas para encher chouriços.

    A minha esperança é que, depois da WrestleMania, tenhamos o regresso da “Brand-Split”. Mais uma vez, pode ser ingenuidade minha, mas caso isso se concretizasse, esta decisão de unificar os títulos seria espectacular. Nos últimos tempos, a WWE tem criado mais “Star-Power”. Basta comparar o plantel que tínhamos há um ano e o que temos agora… Roman Reigns, Bray Wyatt, Dean Ambrose, Cody Rhodes, Antonio Cesaro… Enfim, muitos lutadores que há um ano atrás não estavam credibilizados, e em que tínhamos apenas o CM Punk, os Hell No e o Ryback ( para além do Cena) a terem destaque.

    Eu ainda não pensei muito bem nessa questão da valorização do “mid-card”, mas não me parece que as coisas vão mudar muito. A divisão de Tag Team está muito boa, há equipas que me fazem lembrar Edge & Christian, os Hardy Boyz e os Dudley Boyz pela forma como estão a fazer renascer esta divisão. Os Usos, a meu ver, têm que ser campeões já para o ano. Merecem por tudo aquilo que têm feito.

    Em relação à dificuldade de atingir o “main-event”, não me parece que vá ser muito diferente. Não sou extremista ao ponto de dizer que o Título Mundial tem sido um título de “mid-card”, mas é óbvio que há muito tempo que não está ao nível do Título da WWE.

    Eu acredito piamente que esta situação dos títulos unificados será temporária, caso se concretize. Não imagino o Título Mundial a desaparecer. Seria escandaloso e uma falta de respeito para com a história desse título. A menos que o campeão vá andar sempre com dois títulos, esta situação parece-me temporária. Espero que seja mesmo um passo atrás para dar dois à frente…

    É que não imagino mesmo o Título Mundial a desaparecer de vez. John Cena, Randy Orton, CM Punk, Daniel Bryan, Sheamus, Alberto Del Rio… Só aqui estão 6 lutadores que me parecem estar, no futuro próximo, sempre no topo. Como é que haverá apenas um título para eles todos? Depois temos Roman Reigns, Damien Sandow, Dolph Ziggler, Dean Ambrose, Bray Wyatt… É muito lutador para apenas um título.

    A WWE já tem um plantel suficientemente credibilizado para duas “brands” separadas.

    Raw:

    John Cena
    Daniel Bryan
    Roman Reigns
    Cody Rhodes
    Kane
    Bray Wyatt
    Damien Sandow
    Christian
    The Miz
    Luke Harper
    Seth Rollins
    Goldust ( caso seja para ficar…)
    Antonio Cesaro
    Jack Swagger
    Kofi Kingston
    Jimmy Uso
    Jey Uso
    Santino Marella
    Fandango
    Brodus Clay
    Titus O’Neil
    Darren Young
    Sín Cara
    Zack Ryder
    Curt Hawkins
    Evan Bourne
    Justin Gabriel
    Tensai
    Heath Slater
    Jinder Mahal

    SmackDown:

    CM Punk
    Randy Orton
    Sheamus
    Alberto Del Rio
    Dean Ambrose
    Dolph Ziggler
    Rey Mysterio
    Mark Henry
    Wade Barett
    Big E Langston
    Curtis Axel
    Drew Mclntyre
    Tyson Kidd
    R-Truth
    Xavier Woods
    Hunico
    Camacho
    Diego
    Fernando
    Alex Riley

    Com as Divas a aparecerem em ambos os “shows” e a Divisão de Tag Team a ter dois títulos ou até um que apareça em ambos os “shows”, vão-me dizer que isto não era suficiente para termos duas “brands” suficientemente credíveis e, até, para voltarmos àqueles PPV’s exclusivos da Raw e PPV’s exclusivos da SmackDown à excepção dos “Big Four”? Ainda sobram Big Show, Ryback, Erick Rowan, The Great Khali, Yoshi Tatsu, David Otunga… Enfim, aqueles que, a meu ver, podiam muito bem sair da WWE.

    Vou continuar a sonhar…

    • José Sousa - há 3 anos

      Sim acho que fazes bem, e questao dos talentos é pertinente porque tens nomes como o Sami Zayn, Adrien Neville, Ascension, American Bulldogs, Solomon Crowe, talvez o Kalisto, Rusev, Tyler Breeze, tudo nomes do NXT com talento para virem para o main-roster e com esta decisao podem vir para o roster para ficar num limbo? Acho que nao seria justo.

      • danielLP21 - há 3 anos

        Sim, eu nem sequer referi lutadores que estão neste momento no NXT, porque nem se fala… É o que eu digo, há matéria-prima mais do que suficiente para promover o regresso da “Brand-Split”… A WWE tem um plantel fantástico. E ainda tem que haver espaço para os “jobber’s” de serviço ( Slater, Mahal, Sín Cara, Tensa, etc)…

      • José Sousa - há 3 anos

        Claro. e imaginar o Zayn como jobber é algo que me assusta. Basta ver o combate com o Neville que percebes o enorme talento que ele tem. E nao ser pelo menos IC para mim é um crime ao talento, e carisma que ele tem como face.

      • danielLP21 - há 3 anos

        Vou ver agora esse “main-event” no NXT.

    • ARCM - há 3 anos

      Concordo contigo. Mas se a WWE mandasse lutadores como Big Show, Ryback (que não é assim tão mau como dizem, então como face.. ainda me lembro da arena a gritar Feed Me More), Eric Rowan e David Otunga embora, o que ficariam a fazer Curt Hawkins, Sin Cara, Jinder Mahal, Hunico e Camacho no roster, já para não falar de Fernado e Diego (Primo e Epico), que para mim foram uma péssima aposta da WWE. É que como não têm coragem de os colocar como jobbers tão cedo, põe-nos semprea ganhar aos 3MB, enfim… É que até não são assim tão maus…

      • danielLP21 - há 3 anos

        Curt Hawkins- juntavam-no a alguém. Ainda tenho o pequeno sonho de o ver a reunir-se com o Zack Ryder, retomando a sua equipa, mas e muito difícil…

        Sín Cara- fazem falta “jobbers”, por isso ele até podia ficar, desde que não colocasse a vida dos colegas em perigo.

        Jinder Mahal- pode fazer uma equipa de “jobbers” com o Slater ( como até aqui, mas sem o Drew Mclntyre). Fazem sempre falta.

        Hunico e Camacho- uma equipa interessante. E o Hunico até podia ser um “mid-carder” muito bom como lutador individual. Ele devia ter ficado com a personagem de Sín Cara…

        O Big Show, como eu já disse muita vez, já foi espremido até ao limite. Já não dá mais! Ainda bem que nem vi o combate dele com o Orton no Survivor Series, tirando os últimos 4 minutos, só para ver como aquilo acabava.

        Já apostaram muito no Ryback e está visto que ele não dá. Como eu acho que ele não merece ser “jobber” ( e um gajo com aquele físico não funciona como “jobber”), o melhor seria tentar a sua sorte noutro lugar…

        O Erick Rowan pode ficar como “jobber”, tipo na situação em que o Yoshi, o Ryder, o Riley e outros estão agora, depois de sair da Wyatt Family. É muito mau.

        O David Otunga nunca devia ter entrado na WWE, mas o que vale é que parece que já não luta lá, não passando agora de um advogado. Se continuar assim, até pode ficar lá, desde que não o ponham a ( tentar) lutar.

  12. Questionwwe - há 3 anos

    Uma pergunta. A SmackDown alguma vez foi transmitida em direto ( como o RAW ou PPVs ) ou foi sempre gravada e depois passada na televisão?

  13. Nathan95 - há 3 anos

    Agora que haverá apenas um titulo principal, acredito que o principal campeão terá menos tempo com o título, do que como é hoje

  14. Roberto Barros - há 3 anos

    Ótimo Artigo Jose, concordo com você em vários aspectos, acho que a unificação trara mais desvantagens do que vantagens, se unificar os títulos podemos pregar o caixão da Smackdown, que já não anda bem, e para os próximos anos sempre veremos os mesmos campeões.

    • José Sousa - há 3 anos

      Sim eu acho que a grande desvantagem será mesma essa, a de vermos o titulo sempre nas mesmas mãos. E por mais fã que seja do Punk não o quero ver como um super-herói sempre campeão.

  15. Jones - há 3 anos

    Apesar de respeitar, discordo da manutenção do dois títulos mundiais. Com o final da brand split, a relevância do WHC passou a ser 0 ou perto disso. Enquanto houve, era relevante porque era o título mundial daquele programa. Agora actualmente é um mero título de midcard. A sua importância de ajudar a elevar jovens para futuros campeões mundiais também deixou de ter. Daniel Bryan só agora lutou mais regularmente pelo título da WWE devido à forma como perdeu na WM 28 e também ao seu reinado como Campeão de Tag Team. CM Punk esteve 3 ou 4 anos fora do expectro de lutar pelo título da WWE até pegar no micro. Ziggler foi no que deu. Alberto del Rio está mês sim mês sim a lutar pelo WHC, apesar de ninguém o levar mais a sério. E estes só são uns exemplos. Se mantiverem o título mundial, com o tipo de booking que a WWE está a ter nos últimos anos, é um título “morto”, que só serve para contabilizar reinados. Enquanto houve uma brand split, era relevante. Mas se a WWE não mostra alguma vontade de voltar a esse regime, o WHC infelizmente tem que sair. A mim me custa ver o título no estado a que chegou. É um título com anos de história, que pode ter um fim amargurado a ser reduzido a um título de midcard.

    Agora eu não concordo com esta storyline que está a ser feita pela unificação dos títulos, porque não houve alguma construção prévia para isso. Aliás, a noção de “estar 11 anos para ser feito” é uma falácia, porque só na noite do Survivor Series (talvez percebendo a porcaria de booking feita por ambos os títulos) é que começa a ser feito. A mim, é uma jogada de desespero da parte deles, tendo em consideração o decréscimo dos buy-rates dos PPV.

    • José Sousa - há 3 anos

      Talvez eu percebo o teu argumento. A questão é que para mim nunca deveria ter deixado de existir Brand split, porque a WWE tem talentos suficientes para que ela regresse. Até o plano NXT encaixa melhor numa logica de Brand split do que numa só Brand.

  16. ITS_ME_ITS_ME_ITS_DDT - há 3 anos

    esta rivalidade pelos titulos unificados podia ir ate wrestlemania onde faziam uma ameaça tripla entra o cena o orton e o vencedor do royal rumble (cm punk ou daniel bryan) onde o vencedor do royal rumble vencia os 2 titulos

    • José Sousa - há 3 anos

      Mas nem nessa situação eu passo a gostar da ideia, ou seja isto não é apenas uma questão do campeão ser o Cena, se for o CM Punk poderá ser um momento importante para ele é verdade, mas não sei até que ponto será a melhor escolha para a WWE.

  17. MR Perfection André Santos - há 3 anos

    José uma edição muito boa…imaginei que fizesses acerca deste tema.
    Concordo contigo, a única “coisa” que me deixa um bocado desligado da WWE neste momento é ser outra vez Orton vs Cena….
    A tua analise foi realista, por isso nada a acrescentar.Valha-nos os Wyatt, Shield, Punk, Bryan, Usos, Rhodes Brothers, Real Americans.

    Se a unificação acontecer…O I.C terá a importancia de outros tempos…

    • José Sousa - há 3 anos

      Pelo menos em teoria poderá ter essa oportunidade, esperemos que não seja só teoria e também seja na pratica.

  18. Anónimo - há 3 anos

    Neste momento, encontro estes lutadores que poderiam lutar no main-event pelos títulos principais:
    -Del Rio
    -CM Punk
    -Daniel Bryan
    -John Cena
    -Orton
    -Sheamus
    Orton vs Cena ainda se deve prolongar algum tempo, portanto onde cabem estes lutadores? E não só, para mim, é a história do título. Quando comecei a ver wrestling, o WHC era o principal titulo. Era uma alegria ver Batista, Edge e Undertaker na Tvi ao sabado de manha. Se acabam com este titulo, acabam tambem com uma das minhas principais memorias…

  19. Diogo7 - há 3 anos

    Excelente artigo José. Já calculava que falasses deste tema, visto que foi o mais polémico da semana.

    Já sabes que não concordo com a unificação, tal como tu. São demasiados os riscos e as desvantagens se tal acontecer. Os jovens wrestlers com talento vão ter que trabalhar muito mais para chegar ao ME porque os Main Eventers vão ser sempre os mesmos 4 ou 5.

    A unificação pode valorizar os Títulos de midcard como não pode. Neste momento os Títulos de midcard só têm feuds desinteressantes e pode ser que com a unificação eles mudem isso. No entanto, acho que a WWE se quisesse valorizava os Títulos de midcard com 2 Títulos Mundiais.

    Os 1# contender’s matches devem acontecer mais e isso é uma das poucas coisas que me agrada com a unificação porque assim podemos ter novos contenders ou então não.

    São maiores as desvantagens e os riscos que os pontos positivos com a unificação, na minha opinião. Concordo com isto, só se for para voltar à Brand Split pouco tempo depois, o que eu não me acredito.

Comentar

Login com Facebook

Editar avatar »

Notificações por email:

Wrestling.PT © 2006-2016 / Política de Privacidade / Disclaimer / Sobre Nós / Contactos / RSS Feed / Desenvolvido por Luís Salvador