Existem 2 vagas na Equipa do Wrestling PT para publicar notícias. Candidata-te!

Smoke and Mirrors #204 – Catch Your Breath

Se existe wrestler que cativou os fãs do NXT desde do primeiro segundo, essa pessoa só poderá ser Finn Bálor. Desde da sua estreia que ficou claro para todos que ele tinha tudo para ser uma estrela da companhia, um daqueles nomes que irá marcar a história desta “Brand”, e não só porque é proveniente das Indys, muito embora esse aspecto ajude na sua popularidade e reconhecimento imediato por parte dos fãs.

Contudo seria muito redutor de minha parte se afirmasse que o sucesso de Bálor se deve ao reconhecimento que tinha no Japão enquanto Prince Devitt. Claro que não podemos negar a importância desse facto, até porque no momento em saiu da NJPW era um dos wrestlers mais populares no circuito independente, sendo líder de uma das Stables mais importante do mesmo circuito: os Bullet Club.

Assim, esse percurso não pode ser ignorado por ninguém, até porque foi ele que o trouxe até à WWE e a verdade é que a mesma não o ignorou, muito pelo contrário já o assumiu por várias vezes como foi possível observar no documentário que fizeram sobre a sua história de vida. Porém ele é apenas uma parte do sucesso de Bálor, ele é maior do que o circuito independente, e sobretudo deve-se a outros factores que não a popularidade que possuí na IWC.

Finn Bálor neste momento é um fenómeno no NXT, e o campeão certo, na altura certa. Mesmo que alguns considerem que a sua subida ao main-roster devesse ser mais rápida devido à sua idade. E mesmo que influencie o timing dessa subida, acredito que a WWE não acelerará excessivamente esse processo, até porque existe actualmente uma preocupação com o NXT e com os seus planos.

Desse modo, e tendo em conta isso ele é uma das principais figuras da Brand e assim continuará pelo menos até à altura da Wrestlemania, pois não existem argumentos que justifiquem a sua presença no roster actual, pelo menos neste momento. Daí que a análise que farei se foque sobretudo no seu percurso no NXT, e não tanto na minha opinião sobre o seu futuro na WWE, embora possa abordar esse tema.

No entanto, e apesar do seu curriculum não deixa der ser impressionante a forma como se afirmou na companhia em apenas um ano, não que tenha atingido o topo da montanha, mas ninguém pode negar a forma como se impôs. Claro que os seus mais fiéis seguidores podem dizer que já sabiam que isto iria acontecer, e que não seria difícil ao “Prince” chegar ao título do NXT em menos de um ano.

Todavia, não deixou de ser uma viagem atribulada e cheia de riscos pois o acto de sair de um pais onde estás no topo e que te paga bem, para a maior empresa de wrestling até poderá parecer uma escolha óbvia, mas nem por isso não deixa de ter acarretar algum perigo. A aventura podia ter corrido mal, e neste momento Devitt podia estar longe de ser considerado uma “promessa” da WWE para o futuro, mesmo que esse futuro tenha que surgir em breve.

E será que ele chegará mesmo ao topo da WWE?

Acho que é muito arriscado responder a essa questão. Não nego que possuí todas as capacidades para se tornar numa estrela de topo, seja a face ou a heel. Porém, tendo ele 34 anos caso a WWE queira mesmo apostar nele para o main-event terá que o fazer essa ascensão de forma célere. Não digo que o faça em meses porque isso é utópico, mas no espaço de três anos ele terá que estar no topo, caso o contrário dificilmente veremos este irlandês alcançar o potencial que todos acreditam que ele possui.

Devo assim referir que considero a escolha da WWE de retirar o lado “Demon” da personagem do Bálor nas últimas semanas positiva, por mais que esta fosse parte do encanto dele para alguns fãs. Mas em todo o caso é importante que ganhe uma gimmick por ele próprio, ou pelo menos que não esteja dependente do seu painting, caso o contrário seria apenas mais uma superstar que se pinta e que é apreciada pelos fãs por isso mesmo.

Não que seja esse o caso dos fãs do NXT, mas o processo de desenvolvimento de um wrestler deve ter em conta o futuro e não apenas o presente, daí ser o território de desenvolvimento, mesmo que neste momento seja praticamente uma “companhia dentro da WWE”. Porém, a missão continua a mesma, e nesse sentido acho que o Bálor não pode ficar refém do lado Demónio para seu bem.

Esta posição até poderá parecer radical para alguns de vós, mas a verdade é que nenhum wrestler pode ficar preso a uma única personagem para sempre. E no caso do Bálor acho que não existe algum problema em largar este lado, até porque ele tem capacidade suficiente para alterar a sua personagem e manter-se relevante.

Pois na verdade ele tem carisma, talento, e capacidade de adaptação suficiente para não ficar conhecido como o novo homem das pinturas. E se há um ano atrás a quando da sua estreia esse factor foi importante, neste momento parece-me claro que consegue sobreviver sem esta faceta. Não que não a torne a utilizar, mas que a resguarde para alturas e rivalidades especiais para que o acto em si não se banalize, porque se o acto se banalizar também o wrestler em questão pode correr o risco de se tornar em apenas mais um.

Dai afirmar que o sucesso de Bálor não se baseia unicamente nesse lado, ele é igualmente portador de um carisma natural enorme que o torna em algo importante, ou seja, a figura dele não passa ao lado de ninguém. E isso é algo que começa com o primeiro acorde da sua música de entrada, continua na sua entrada, e acaba no ringue com a sua capacidade de contar uma história no ringue.

Melhor do que isso ele traz uma intensidade às suas performances que o tornam num caso único no NXT, porque é o único que é capaz de se apresentar enquanto um face brutal e igualmente como heel. Claro que ele ainda não é vilão mas é bastante provável que se torne num mais cedo ou mais tarde, mesmo que não seja no NXT, mas não tenho dúvidas que chegará o dia em que ele irá “virar as costas” aos fãs.

E ai acho que a ideia do Bálor Club seria interessante, mesmo que em termos de membros não pudesse ser uma réplica do Bullet Club penso que poderia resultar de modo eficaz com as escolhas certas. Com isto não quero dizer que ele não seria capaz de funcionar como heel a solo, mas esta seria aquela que seria mais apelativa tanto para os fãs como em termos de storyline.

No entanto, esta opção teria risco inerente a esse turn: ele não resultar da melhor forma. Ou seja, quem o conhece das indys sabe que ele é tão eficaz a heel quanto o é a face. Porém, existe a possibilidade de se tornar daqueles vilões populares, e que não conseguem ser odiados pelos fãs por mais que façam actos que deveriam obter reacções negativas. E tal como acontecia com CM Punk, também Finn Bálor corre risco de se juntar à lista de vilões “amados pelos fãs” no momento em que fizer o turn.

Mas seja a face ou a heel, não tenho dúvidas que o seu reinado como campeão do NXT continuará por mais alguns meses. Aliás, o mais provável é que perca o título mais próximo da Wrestlemania, até porque não o vejo a subir para o main-roster antes do grande evento do ano da WWE. Até porque não teriam grandes planos para ele para esse evento, e assim sendo é preferível ficar como campeão mais alguns meses subindo no período pós-Wrestlemania.

Sendo esse período mais favorável para que inicie o seu percurso no roster principal com planos mais definidos, ou pelo menos com planos onde possa ter algum impacto e visibilidade. Claro que podemos dar o exemplo do Neville como alguém que fez esse percurso e que não tem um caminho claro na WWE, no entanto quero acreditar que o Finn terá mais sorte porque tem mais armas que o seu amigo. Ou pelo menos, seria muito mais chocante para mim se alguém que é o pack completo não tivesse sucesso na WWE, mesmo tendo em conta a variável idade.

Mas é com esperança no futuro do NXT e no seu campeão que me despeço esta semana. O Smoke and Mirrors volta para a semana para a antevisão do Hell in the Cell.

Perguntas da Semana

Qual a tua opinião sobre Finn Bálor? E quais as tuas expectativas para o seu futuro?

Sobre o Autor

- Escritor do artigo “Smoke and Mirrors”.

20 Comentários

  1. Marco Túlio - há 1 ano

    Finn é uma estrela nata, não há o que discutir nisso.

    E sobre seu futuro, mesmo ele dizendo que não quer sair dk NXT, que quer ficar lá pois lá estão construindo algo bom, acho muito difícil isso acontecer. Cedo ou tarde ele irá subir pro main roster. Só espero que quando isso acontecer ele seja bem aproveitado. Mas é difícil acreditar que a WWE tenha aprendido com os erros dela mesma, no caso como Neville e Owens foram e estão sendo tratados, o primeiro principalmente.

    Uma única coisa que me incomoda nessas pequenas mudanças que o Finn teve de uns meses pra cá foi entrada. Era algo magnífico, dai resolveram deixar, as luzes todas brancas já, e nos momentos em que ele ergue o braço as outras luzes não tem tanto impacto. Isso parece coisa boba mas é uma parte num todo de uma apresentação.

    • José Sousa - há 1 ano

      Eu acho que ele precisa das mudanças. O Bálor se for apenas o Demonio será sempre adorado mais pelas paints do que pelas suas qualidades.

  2. BRRM - há 1 ano

    Muito bom artigo.

    Estou totalmente de acordo quando dizes que ele não deve ficar totalmente dependente do “Demon”, até porque isso vai, eventualmente, acabar por perder a graça.

    “Qual a tua opinião sobre Finn Bálor?”
    Considero-o um excelente wrestler apesar de não despertar tanto interesse em mim como outros performers do NXT.

    “E quais as tuas expectativas para o seu futuro?”
    Acredito que ele vá ser campeão mundial, aliás a WWE vai estar a cometer um erro muito grande caso isso não aconteça.

    • José Sousa - há 1 ano

      Não é só perder a graça. Se o fizer em todos os PPV´s no main-roster o publico acaba por não ser algo especial, mas sim algo que já sabemos que iria acontecer sempre.

  3. Marques - há 1 ano

    “Acredito que ele vá ser campeão mundial, aliás a WWE vai estar a cometer um erro muito grande caso isso não aconteça.”- Onde é que eu já ouvi isto…
    O Balor tem claramente qualidade para ser campeão mundial mas olha que se ele não for (dado ao passado de erros da wwe) não fico nada surpreendido.

    • José Sousa - há 1 ano

      Concordo. Até porque com a idade dele vai ser sempre arriscado, e dependerá do grau de confiança da companhia nele.

  4. Kick_Ass - há 1 ano

    Adorei o artigo muito bom mesmo.

    Qual a tua opinião sobre Finn Bálor?

    – Na minha opinião o melhor lutador que esta no NXT, que não é nada fácil de o ser, pois o NXT tem lutadores como Samoa Joe, Breeze, Sami Zayn, Apollo … ou seja um roster muito bom.

    E quais as tuas expectativas para o seu futuro?

    – Acho que a WWE vai aproveitar a sua popularidade e as suas grandes capacidades e que ele vai chegar ao titulo principal, seria um grande desperdício se a WWE não o aproveita-se.

    • José Sousa - há 1 ano

      Sim é um Roster tão bom que parece uma Indy dentro da WWE. Mas o Finn tem o It Factor sem dúvida alguma.

  5. Galloway - há 1 ano

    Tocaste num ponto interessante, a das paints.

    Creio que é isso mesmo que estão a fazer, ou seja, separá-lo um pouco desse lado dele mais “dark” para lhe dar uma gimmick com toque mais pessoal para não ser apenas conhecido como o tipo que se pinta quando subir ao main roster.

    Claro que se continuará a pintar, mas isso acontecerá sempre em PPV’s e talvez nem em todos mas nos mais importantes em que participar.

    É importante para a WWE que ele se estabeleça assim, como uma personagem, do que apenas por se pintar.

    E nesse aspecto é claro que há aposta nele e que na altura da WrestleMania a subida dele será inevitável.

    • José Sousa - há 1 ano

      Não só Gallo. Acho que tem que se pintar no PPV certo, e sobretudo nas rivalidades certas. Não se pode tornar em algo trivial.

  6. Bom artigo.
    O Bálor é um grande wrestler mas depende tudo da vontade da WWE, aliás, depende única e exclusivamente da boa ou má vontade da WWE.
    Infelizmente até agora tivemos outros grandes wrestlers, alguns que nada devem ao Finn Bállor, saídos do NXT, alguns no topo, mas que mais cedo ou mais tarde acabaram por se perder ou por perder o ímpeto que tiveram: Kevin Owens, Roman Reigns, Dean Ambrose, Rusev e Neville, para dar alguns exemplos, todos de enorme qualidade, todos com o público do seu lado (excepto o Reigns), todos em grandes condições de ascensão meteórica, de todos eles desistiram, embora o Owens seja campeão intercontinental mas isso na WWE vale 0.
    Uma ascensão do Bálor ao topo em poucos meses não é utópico, é perfeitamente plausível e qualidade para isso o Bálor tem, afinal de contas outros como o Alberto Del Rio o fizeram. Basta a boa vontade da WWE e um bom booking.
    Gostei da ideia do Bálor Club e puxando a brasa à minha sardinha, como fã dos Sons of Anarchy, das gimmicks do Chuck Palumbo, do American Badass Undertaker e dos Aces & 8’s (cujos erros de booking me viraram contra a TNA), se fosse como um gang (ou clube) de motociclistas, melhor ainda: Bálor, Reigns, Ambrose, Cesaro, Ziggler e Balor Corbin (porque se enquadra no grupo). Isto seria o meu gosto pessoal mas desde que sirva para elevar talentos já é muito bom.

    • José Sousa - há 1 ano

      Eu acho que a WWE está e vai apostar no Kevin Owensl Nem toda a gente pode ter logo tudo, mas ele, o Ambrose e o Rusev vao chegar ao topo. Não tenho muitas duvidas disso.

  7. Dolph Ziggler - há 1 ano

    Sou fã dele. Tem uma boa gimmick, uma boa entrada, é razoável em ringue e é um heel espetacular. Não tem estado mal como babyface, mas prefiro-o mil vezes como heel depois de ter visto o que fez com os Bullet Club no Jpão. E acho que as últimas mudanças na sua personagem/entrada indicam também um pouco nessa direção. Espero que dê o turn em breve.

  8. you cant see me - há 1 ano

    Excelente artigo josé. O finn balor é uma grande estrela na new japan pro wrestling e tal como na wwe.
    -O finn balor é um grande lutador ele fundou o bullet club foi campeão na njpw e agora é campeão do nxt foi heel na njpw e é face na wwe acho que foi uma grande mudança para ele já percebi que é melhor heel do que face.
    -Há rumores de um balor club e eu adorava isso quando ele subisse para o main rostor podia ser campeão intercontinental o united states champion na minha opinião.

  9. Reigns one versus all - há 1 ano

    Ótimo artigo,José.

    Acho o Finn Balor um wrestler espetacular,tem um carisma espetacular,cativou-me desde o primeiro dia que o vi,adoro a personagem dele.

    Eu tive um tempo em que eu queria que ele subisse ao main roster,mas neste momento acho que ele é a cara do NXT,uma das principais razões para ver o NXT(a par da Bayley) e o campeão certo.
    Espero que nos próximos tempos ele fique no NXT,e gostava que ele formasse o Balor Club,aproveitando a ideia do Bullet Club,claro sem as mesmas pessoas e sem a mesma ideia de criação,por outras palavras gostava de ver o Balor heel e um Balor Club.
    José,se houver um Balor Club,quem gostavas de ver ao lado do Balor?

    • José Sousa - há 1 ano

      Eu gostaria de uma Tag( por exemplo o Dawson e o Wilder) e talvez um braço direito tipo o Corbin. Acho que o Corbin podia crescer muito ao lado do Bálor.

  10. RFBM - há 1 ano

    Bom artigo, gostaria muito que o Bálor fizesse um heel-turn, por mim, era ele que era responsável pelo ataque ao Hideo Itami e a partir assistia-mos ao nascimento do Bálor Club. Vários membros poderiam fazer parte da stable, como dupla Dawson e Wilder ou até mesmo haver uma parte feminina do Bálor Club.

Comentar

Login com Facebook

Editar avatar »

Notificações por email:

Wrestling.PT © 2006-2016 / Política de Privacidade / Disclaimer / Sobre Nós / Contactos / RSS Feed / Desenvolvido por Luís Salvador