Smoke and Mirrors #75 – Changing Styles

Tal como um cameleão, um wrestler tem que por vezes mudar a sua camuflagem, de modo a que seja bem-sucedido na sua carreira, e desse modo consiga atingir os seus objectivos. Dessa forma a camuflagem do wrestler é a sua gimmick, já que utiliza as suas personagens para convencer o público que não é apenas um lutador com talento, mas igualmente um enterteiner, um actor que procura convencer os fãs que a sua personagem é verosímil e convincente.

Mas como actores, que são nem todos os wrestlers são capazes de desempenhar vários papéis ao longo da carreira – aliás para alguns desempenhar um papel já é difícil. E, por isso mesmo, apenas os mais talentosos é que desempenham várias gimmicks de forma bem-sucedida ao longo da carreira, enquanto outros passam uma carreira a trocar de gimmick sempre á procura da especial, aquela gimmick que o transforma num símbolo, e que confirma o seu talento enquanto wrestler de topo.

O homem que irei abordar esta semana, faz parte do grupo dos wrestlers que sendo fantástico e com um enorme talento dentro do ringue, não é fenomenal nas suas promos, embora tenha conseguido momentos interessantes nas várias facetas que teve durante a sua carreira. Mas mesmo assim, e apesar do destaque merecia por ser um dos membros originais do Impact Wrestling, e um dos maiores talentos made in TNA, este homem sempre que atingia o topo, via quase sempre alguém vindo de fora que lhe retirava o protagonismo, e que por esse motivo obrigava-o a mudar de atitude, e renovar a sua gimmick para este trabalhador esforçado e talentoso voltasse a obter o reconhecimento da empresa e dos fãs.

Isso, porque esse reconhecimento seria totalmente, justo uma vez que o talento deste wrestler está espelhado no seu fantástico curriculum na TNA, e antes da TNA nas indys como a Ring of Honor- onde faz dupla com um tal de Matt Skydal. Sendo esse mesmo curriculum digno de uma lenda da TNA, uma vez que inclui múltiplos títulos Mundiais e da X-Division, e títulos de tag Team com diversos parceiros de equipa.

Aliás ele começa a sua carreira na TNA no primeiro Impact, sendo apresentado como “Fenomenal” e fazendo tag com Low Ki e Jerry Lynn num combate em que acabou por perder. No entanto, a semana seguinte iria trazer o primeiro momento de glória da sua carreira ao tornar-se o primeiro campeão da X-Division ao derrotar Psicosis e Low Ki, para conquistar esse mesmo título.

E ao terceiro PPV da história da TNA conquista com Jerry Lynn os títulos de Tag Team da NWA que se contravam vagos, ao vencer um combate contra Lenny Lane e Bruce. Mas esta parceria estava destinada ao fracasso, e perante as constantes picardias entre ele e o seu parceiro, Allen Jones acabou por perder o título de X-Division para Low Ki, e posteriormente, também iria perder os títulos de Tag Team para Ron Killings e Jeff Jarrett, dando origem a uma feud brutal entre Jones e Lynn.

Feud essa, que foi a primeira feud mais significativa da sua carreira, e que graças a ela, ele e Jerry Lynn proporcionaram-nos momentos soberbos, como aquele fantástico 10 minutes Iron Match. Mas essa feud continuou ao longo desse ano de 2002, e apesar das tentativas quase sempre foi Jerry Lynn que saiu por cima dessa feud,e a prova disso é que apesar da reconquista do título da X-Division por parte de Jones, num combate contra Syxx Pac, ele voltaria a perder o título para Jerry Lynn, e nunca mais conseguiu reconquistar esse mesmo título das mãos de Lynn.

Mas em 2003, tem a sua primeira oportunidade pelo título Mundial da TNA, que na altura se denominava de NWA World Championship, e que estava nesse momento na posse de Jeff Jarrett. E, Allen Jones conseguiu essa oportunidade ao vencer David Flair num combate para contender, aliando-se de seguida a Vince Russo e á sua stable, o Sports Entertainment Xtreme Faction, que procurava o domínio da TNA.

Mas nessa altura aconteceu, um dos erros mais típicos da TNA nessa altura, que passava pelo constante uso e abuso dos turns nas gimmicks dos wrestlers, o que fazia com que alguns wrestlers que eram dos favoritos dos fãs fizessem heel turns, e passado alguns meses voltassem a fazer um turn, o que não beneficiava em nada á construção das personagens.

E nesse ano de 2003, apesar da afirmação como campeão Mundial nessa feud com Jeff Jarrett, Jones teve demasiados faces turns e heel turns durante essa mesma rivalidade, mas mesmo assim “o Fenomenal” teve a sua afirmação enquanto campeão Mundial durante os anos de 2003 e 2004. Essa afirmação começa no dia 11 de Junho de 2003 quando vence Jeff Jerrett, e torna-se campeão Mundial, e volta a ser heel devido á sua aliança com Vince Russo, isto quando tinha feito um face turn por ter recusado o auxilio da stable de Russo no primeiro combate com Jarrett – combate esse que Jones acabou por perder.

Esta feud prosseguiu, com novo turn de Jones, após ter perdido o título novamente para Jeff Jarrett, no mês de Outubro de 2003.No entanto, a feud continuou durante o resto do ano de 2003, e início de 2004 acrescentando ao longo do tempo Abyss, e após a reconquista do título por parte de Allen Jones em Abril, a TNA culminou a feud com Jarrett.  E, quando todos pensariam que ele iria ter um reinado relevante, a TNA optou por dar o título Mundial um mês depois para Ron Killings, devolvendo o “ Fenomenal” para a X-Division novamente.

Claro que essa decisão afastou-o do main-event, mas também foi nesse período, em que assistimos a reinados fantásticos de Allen Jones como X-Division Champion, e de Tag Team com Christopher Daniels. E, durante esse período temporal essa dupla proporcionou-nos excelentes combates e feuds, destacando-se os combates em que lutaram como parceiros, mas também os combates da feud entre os membros do Fallens Angels, em momentos que ficam na história da TNA como dos melhores momentos da história da X-Division e da Divisão de Tag Team.

E graças a essa parceria, Allen atraiu a confiança de Christian Cage e fez parte da Christian Colloation, durante a feud com Kurt Angle, que culminou num brutal Lethal Lockdown entre os membros das duas alianças. Tendo este percurso contribuído, para um reforço da imagem de Jones, como um dos mais importantes “Wrestlers made in TNA “, sendo que, neste percurso só critico o longo afastamento de Jones da rota do título Mundial – o afastamento deu-se de 2004 a 2009. E, esse período de tempo pareceu-me exagerado para o talento de Allen Jones, e só se justificaria esse afastamento tão prolongado, pela menor capacidade de promos de Jones, sendo que o considero mais eficaz enquanto heel do que face.

E como sentia-se injustiçado e desvalorizado, Allen Jones a 20 de Agosto de 2009 anuncia o seu afastamento do wrestling, mas Sting evita esse acontecimento apresentando-o como o seu sucessor enquanto cara da TNA. E graças a essa interferência participa num torneio por uma oportunidade pelo título Mundial, oportunidade essa que Jones aproveita para conquistar novamente o título no No Surrender, derrotando num 5 Way Match Sting, Matt Morgan, Hernandez (que possuía a mala do Feast or Fired), e o campeão mundial Kurt Angle.

É neste reinado, que temos o Allen Jones mais convincente de sempre enquanto campeão Mundial, e main-eventer, uma vez que defendeu o seu título contra oponentes de respeito como Sting, Samoa Joe, Christopher Daniels, Desmond Wolve, e Kurt Angle. Sendo essa vitória face a Sting histórica, uma vez que derrotou-o no Bound For Glory, terminando com a streak de Sting no maior PPV da TNA.

Mas, este reinado fica igualmente marcado pela aliança entre Ric Flair e Allen Jones, numa tentativa de apresentar Jones enquanto sucessor de Jones, através de uma gimmick muito similar á de Flair. Mas, essa tentativa de “imitação” não correu muito bem para Allen Jones, até porque ele não tem o talento necessário nas promos para ser brilhante como era Ric Flair com a sua gimmick no auge da sua carreira.

No entanto, esta aliança com Flair apresentou um dos momentos mais brilhantes da história da TNA, uma espécie de novo Montreal Screwjob, onde Flair comprou um arbítro para que desse tap out a um Ankle Lock que Jones aplicou a Kurt Angle, num combate, que era uma rematch de outro fantástico combate entre Allen Jones e Kurt Angle, que tinha ocorrido no Genesis de 2010.

Aliás, graças a este reinado Allen Jones tornou-se no campeão com o maior reinado de campeão Mundial da TNA, com um reinado de 211 dias, terminando no Impact seguinte ao Lockdown, ao perder o seu título para Rob Vam Dam. Mesmo assim, este reinado foi fantástico e comprovou o enorme talento de Allen Jones, que na minha opinião é dos melhores wrestlers do ponto de vista técnico do roster da TNA, e poderia ser ainda mais brilhante se tivesse a capacidade de mic skills ao nível de Bobby Roode e Austin Aries. No entanto, a qualidade deste reinado é atestada no número de dias e na qualidade dos combates em que Jones defendeu o título, até porque o seu recorde só foi batido em 2012 durante o reinado como campeão Mundial de Bobby Roode.

Após a perda do título Jones, junta-se a Kazarian, Wolve, James Storm e Bobby Roode para formarem os Fortune, que segundo Ric Flair seriam os novos Four Horseman, e onde Allen Jones seria o novo” Arn Anderson”. Aos membros iniciais juntaram-se Doug Williams e Matt Morgan, e é com esta formação que atacam os EV 2.0, e derrotam-nos num Lethal Lockdown em pleno Bound For Glory. Sendo que, a feud entre estas duas stables culmina com a entrada em cena da Stable heel de Hulk Hogan, os Immortal, aos quais os Fortune inicialmente aliaram-se, mas que posteriormente traíram fazendo o seu face turn.

Durante esta feud, a TNA fez demasiados faces e heel turns, em qualquer uma das stables envolvividas, e optou por desmantelar os Immortal sem nunca ter culminado a feud entre eles e os Fortune de forma credível. Mesmo assim, e para revitalizar a sua personagem a TNA usou Bully Ray para afastar Allen Jones dos ecrãs, sendo que este regressa como face regressando aos Fortune. Mas a Stable desagregou-se com a a traição e saída de Bobby Roode, que foi seguida pela saída de James Storm, mesmo assim, e com a stable mais reduzida garantiu uma oportunidade pelo título Mundial de Bobby Roode, naquilo que foi um fantástico 30 minutes Iron Match, e que terminou com a vitória de Roode em “Morte Súbita”.

Após esta oportunidade, os Fortune acabam por terminar coma a traição de Kazarian a Jones, aliando-se a Christopher Daniels, e dando origem á formação da tag actualmente conhecida como os Bad Influence. E, é em feud com os Bad Influence que Allen Jones passa quase todo o ano de 2012, quer sendo com singles matches com Christopher Daniels, como em combates de tag team pelos títulos de Tag Team ao lado de Kurt Angle.

No entanto esta feud teve um lado muito negativo, que foi a excessiva extensão da sua duração, o que levou a momentos dispensáveis, como a pretensa relação de Allen Jones com Dixie Carter, ou a falsa gravidez que estes pretendiam esconder. Mesmo assim, se tivesse que escolher um momento alto desta a derrota de Jones no Final Resolution contra Daniels, naquele que foi dos meus combates preferidos do ano de 2012.

Porém, não posso negar que todo este tempo em que Allen Jones foi face, e esteve sujeito a uma streak de derrotas só foi prejudicial para a sua carreira, ajudando bastante a um desgaste da sua gimmick, que claramente precisava de ser modificada tendo em vista a um heel turn, que na minha opinião seria o passo correcto para o futuro de Jones na TNA.

E sinceramente é isso que espero que aconteça, desde do seu afastamento da rota do título (durante um ano, desde do Genesis), e tudo indica, que será esse o passo que Allen Jones dará de seguida na sua carreira. Todavia, nas últimas semanas que a dúvida paira sobre as atitudes negras e agressivas de Jones, que tem atacado James Storm, e tem estado sobre a pressão de Hulk Hogan e dos Aces and Eights, para tomar partido de um lados, e definir as suas verdadeiras intenções.

Não querendo fazer futurologia, ou apresentar-me como dono da verdade, considero que seria prejudicial para Allen Jones continuar como face no final desta história, já que considero que a sua personagem como face encontra-se muito desgastado, e por isso mesmo não concordo com a perspectiva que poderá estar misterioso, e acabar por ser o infiltrado nos Aces ou o herói no final da história. Aliás, isso só teria fundamento se a TNA planeasse dar um reinado de campeão a Bully Ray que durasse até ao Genesis do próximo ano, caso o contrário o reinado deve mesmo terminar no Bound For Glory, e como Styles não pode ser campeão nessa altura, é correcto afastá-lo do caminho da equipa TNA e do lado dos faces, pelo menos na minha perspectiva.

Não quero, é com isto dizer que considero que o futuro dele deva passar pela entrada nos Aces and Eights, até porque acho que não deve ser essa opção de Allen Jones. Claro que até poderá ser a opção que a TNA fará para culminar com o seu heel turn, mas sinceramente acho que a sua personagem apenas traria mais benefícios para os Aces, do que para Allen Jones, que acabaria por ter apenas um papel de possível candidato da stable á X-Division. E, por mais que isso valorizasse a divisão, considero que Allen Jones está numa altura da carreira em que precisa de ser colocado definitivamente como um caso sério de main-event na TNA.

E para isso acontecer, acredito que devia continuar esta feud com James Storm como independente, ou seja sendo um heel misterioso, de poucas falas, mas revoltado, porque dessa forma poderá criar uma gimmick diferente. Tão diferente, que poderá marcar pela diferença dentro do roster da TNA e dessa forma conquistar um espaço no main-event da TNA. Até porque o talento no ringue, e mesmo estando mais misterioso, Allen Jones nunca deixa de ser o “Phenomenal” AJ Styles, e como fã dele espero que toda esta história que a TNA criou em torno dele, acabe por trazer o melhor Styles de sempre, para que este possa regressar para ao ano á rota e á conquista do título Mundial da TNA.

Assim culmino esta edição do Smoke And Mirrors, espero que o tema tenha sido do vosso agrado, e espero que seja motivo de debate pelo seu contéudo e tema, e não por pequenos aspectos gramaticais, como na semana anterior. Despeço-me, desejando-vos um óptimo fim-de-semana, prometendo regressar para a semana com mais um tema fora do contexto WWE.

Momentos da Semana

Perguntas da Semana

Qual a tua opinião sobre as diversas fases da carreira de AJ Styles?

Qual das 3 opções apresentadas consideras a melhor para o futuro de AJ Styles na TNA? e Porquê?

Concordas com os momentos da semana?

Sobre o Autor

- Escritor do artigo “Smoke and Mirrors”.

28 Comentários

  1. Supermex - há 4 anos

    Acho que é até melhor um período de Heel turn para Styles, e até que eu gosto da ideia dele se tornar heel. Por favor TNA não estrague essa historia de um dos maiores wrestlers da TNA. Uma coisa que eu não queria que acontecesse é de AJ ser um A8 senão essa história não teria um “fim” (digamos assim).Acho que Styles deveria seguir sozinho e uma ideia: Seria muito show se ele não se juntasse a ninguém e começasse a atacar todos que o querem ele ao seu lado( digo dos A8 e TNA)
    Momentos da Semana:
    CM PUNK: Gostei bastante de como ele estava triste porém senti que o público ainda estava do lado dele.
    A8: Para mim, uma ótima stable da TNA (ainda não ganha dos Immortals), porém suas promos e seus ataques estão começando a ficar um pouquinho repetitivos

    • José Sousa - há 4 anos

      Sem dúvida SuperMex eu também preferia, que o AJ Styles ficasse a solo, e acabasse por ter uma oportunidade pelo título Mundial, quando puder, que é só para o próximo ano. Mas porque não, eu gosto da ideia do Aj enquanto lobo solitário e heel á conquista do título Mundial.

  2. Jorge Rebelo - há 4 anos

    José desde já parabéns por esta edição do Smoke and Mirrors, que fica com uma das melhores na minha opinião.

    Fizeste um trabalho extraordinário de visitar a história do AJ Styles e ficou bem presente que ao longo dos quase 11 anos de ligação entre ele e a TNA, o Styles foi sempre capaz de pequenas transformações que o tornaram interessante e o mantiveram relevante, fosse ele o Phenomenal One, o Mr. TNA, o futuro da organização ou o Nature Boy Junior. Mas o que estamos a assistir agora é um mudança dramática. A TNA conseguiu pegar num lutador que parecia ter deixado de apelas aos fãs, por manter o mesmo gimmick, a mesma imagem e o mesmo estilo dentro do ringue, tudo isto enquanto deixava de ser relevante para lutar pelo titulo mundial, e transformou o AJ Styles num personagem “negro”, rancoroso, um lobo solitário.

    A história dos Aces and 8s está de facto a ganhar muita “embalagem” desde a vitória do Bully Ray no Lockdown, mas neste momento o futuro do AJ Styles é bem capaz de ser a minha storyline preferida do momento. A TNA está a conseguir não apressar e está com muita atenção aos detalhes, ao ponto de como alguém referiu há duas semanas, no confronto entre o James Storm e o Styles, a câmara filmar o Storm, mas focando a imagem espelhada do Styles nos óculos do Cowboy.

    Eu não sei qual o futuro do Styles, mas fiquei impressionado quando o Bully Ray diz com todas as palavras “All of your heroes are now victims, You have no heroes left”. É uma frase tremenda e o público apressou-se a gritar “We want Sting”. Mas não será o Sting a salvar a TNA. Acredito que será o AJ Styles que acabará por renascer das cinzas.

    Numa edição do Impacto! já tinha referido que era importante que AJ na altura continuesse a perder combates e desaparecesse de cena, o que aconteceu e permitiu que a TNA elaborasse sobre o lado mais psicológico e emocional de Styles, mostrando as suas inseguranças, receios, ambições…as possibilidade que daí podem surgir são tremendas. Styles pode desenvolver a ideia que toda a gente na TNA foi ingrata para ele e tornar-se numa espécie de “lobo solitário”, apenas interessado nos seus próprios objectivos, mas esse também é o mote ideal para ele ultrapassar essa sua fragilidade num derradeiro combate pelo título mundial, contra Bully Ray e os Aces.

    Só tenho pena que esta história, tal como a dos Aces, talvez seja demasiado complexa para os espectadores mais casuais perceberem o enorme trabalho criativo (com todas as limitações de orçamento, pessoal, custo de produção, etc) por detrás de tudo isto.

    • José Sousa - há 4 anos

      Muito obrigado Jorge, semana passada tinha tido um artigo controverso, e esta semana queria provar a sério, que era capaz de fazer um artigo mesmo brutal, e este tema na minha opinião era o ideal para o fazer.

      Sem dúvida que é a alteração mais drástica da carreira do AJ Styles, mas enquanto fã dele assumo que espero que seja uma alteração que o relançe definitivamente para um credibilização dele como main-eventer Jorge.

      Eu não queria que ele fosse o heroí no final da história, mas é uma possibilidade como é lógico. O pior é que não tenho tantas certezas que o Bully será campeão até ao Genesis.

  3. danielLP21 - há 4 anos

    Excelente artigo, um dos melhores, a meu ver, dos últimos tempos.

    Não posso responder à primeira pergunta porque não acompanhei a carreira do AJ Styles de uma forma 100% presente. Entre 2006 e 2012 não vi a TNA, logo, não posso comentar.

    A resposta à segunda questão é simples: na minha opinião, o AJ Styles deve continuar sozinho. Nem Aces, nem TNA. Não acho que ele tenha que ser um heel, ou, pelo menos, um heel vulgar ( cobarde, maricas, etc.), simplesmente um lutador solitário que não quer ajudas e quer apenas seguir o seu caminho.
    Talvez lá para a frente ele pudesse ser aquele que acabaria com os Aces and Eights, mas estou um pouco céptico em relação a essa possibilidade…

    Concordo com os momentos da semana. Espero que o Punk fique ausente durante muito tempo ( embora não acredite muito nisso) e os Aces and Eights estão finalmente a mostrar-se perigosos e credíveis.

    • José Sousa - há 4 anos

      Sem dúvida Daniel, na minha opinião se for para ser ele a acabar com os Aces que seja como tweener, ou como heel mas no registo que tem tido ultimamente ou seja o lobo solitário que não se importa com lados.Ainda neste Impact foi impecável ver a atitude dele durante o combate com o Storm, e a reacção ao ataque dos Aces e o momento com os Bad Influence.

      Tal como tu, também tenho as minhas dúvidas que o Bully seja ainda campeão no Genesis( que é quando o Aj Styles pode lutar pelo título Mundial)

  4. GJD - há 4 anos

    Qual das 3 opções apresentadas consideras a melhor para o futuro de AJ Styles na TNA? e Porquê?
    Eu considero que o melhor seja ele seguir como um heel sozinho, porque os Aces já estão com muitos lutadores , o Aj não vejo ele tendo grande papel nos Aces, também não gostaria que ele sofresse outro face turn e fosse o responsável pelo fim dos Aces, acho que é o momento dele se concretizar como heel.
    Concordas com os momentos da semana?
    Sim, Cm Punk espero que tenha pelo menos 2 meses de folga mas , Os Aces deixaram o Impact muito interessante e mostraram domínio sobre a Tna.

  5. Tibraco - há 4 anos

    Penso que o melhor elogio que posso fazer a este texto é que deste-me vontade de começar a acompanhar a TNA. Muito bom, José ;)

    • José Sousa - há 4 anos

      Oh muito obrigado Tiago, sinceramente fico orgulhoso.Apenas segui o teu conselho da semana passada, manter os meus planos de escolha dos temas sem seguir os conselhos dos “criticos”. Acho que as críticas deram-me vontade de me afirmar mais pessoalmente esta semana, mantendo os meus critérios de escrita e de escolhas.

      Não custa nada tentar ver, esta storyline e dos Aces vale a pena seguir pelo menos. Prepara-te para montes de combates mais técnicos, num estilo mais próximo das indys que na WWE,mas claro que vais ver caras que não te são estranhas.

  6. Vinícius Nunes - há 4 anos

    Qual a tua opinião sobre as diversas fases da carreira de AJ Styles?

    R: Pelo que acompanhei, o AJ é um lutador, apesar das mic-skills discutíveis, que consegue se reinventar sempre que necessário, o que é fundamental para qualquer wrestler. Mas a personagem Phenomenal One é a melhor de todas na minha visão. Creio que o grande momento foi quando ficou com o título mundial da TNA por 211 dias em um reinado com feuds e lutas memoráveis, não acompanhei na altura, mas através de pesquisas, consegui me certificar disso.

    Qual das 3 opções apresentadas consideras a melhor para o futuro de AJ Styles na TNA? e Porquê?

    Eu acho que a melhor opção é ficar sozinho, porque eu não gosto dos Aces and 8s, acho que o grupo com vários membros só tem 3 interessantes, 4 se for contar com o Tazz, por isso não quero ver o AJ junto deles. Ficar no time da TNA podia colocá-lo no mesmo lugar que estava antes, por isso prefiro não vê-lo por lá. Por mim ele nem precisa ser heel, apenas uma pessoa normal que quer conseguir atingir os seus objetivos sem precisar fazer alianças.

    Concordas com os momentos da semana?

    Concordo com o da WWE e discordo do TNA. Creio que o momento dessa semana, e o grande momento da TNA atualmente, é o AJ Styles, é o que me fascina a acompanhar a TNA nesse momento, espero não sair desapontado com esse angle que está muito interessante.

    Muito bom artigo José, um dos melhores de sempre do Smoke and Mirrors.

    • José Sousa - há 4 anos

      Sim sem dúvida que o AJ Styles tem mic skills discutiveis, mesmo assim é melhor que o Cesaro a criar gimmicks(não resisti a fazer esta piada). Para mim o melhor nele é como, mesmo sem promos ele consegue intrepetar até bem a personagem no ringue, e depois é fantástico como wrestler no ringue. Não tens a noção, foi nessa altura que começei a acompanhar TNA e e adorei o homem, pronto dispensava a parte do Ric Flair, mas pronto podia ser pior.

      Sim ele até pode ser um tweener,e assim manter a personagem que tem tido nos últimos tempos, de lobo solitário, independente e com uma agenda própria ,e que pretende atingir os seus objectivos porque sente-se revoltado e desvalorizado.

      Sobre os momentos da semana: Eu queria por o momento em que o AJ vira costas á invasão dos aces(mas não estava a conseguir colocar a imagem, porque o meu portátil estava maluco).

      • Vinícius Nunes - há 4 anos

        Que maldade do Cesaro, ele até está cantando agora! Mas cada vez me convenço que ele não é padrão WWE, apesar de ser um lutador bastante provrado em ring-skills e com um porte interessante.

        Pelo que li e ouvi falar, o Nature Boy Jr foi um grande fiasco, acho que na alutra os expectadores devem ter achado aquilo bem ridículo.

      • José Sousa - há 4 anos

        Sem dúvida, ou ele encontra um manager que o salva, ou vida dele na WWE não vai ser fácil. Ele é brutal no ringue mas fora dele não consegue ter impacto algum. Olha outra saída era junta-lo ao Ohno e voltarem a fazer os Kings of Wrestling na WWE, talvez pudesse ser uma forma de o tornar mais util no roster e dessa forma fazia a subida ao roster principal do Ohno(que bem precisa).

  7. José Sousa - há 4 anos

    Sem dúvida que acho que está na altura do Styles continuar sozinho como heel ou no máximo como Tweener, mas nunca tomando partido por um dos lados.

    • José Sousa - há 4 anos

      Na minha opinião GJD, o Punk fica mais que dois meses fora da WWE, ele volta perto do Summerslam ou por altura do Survivor Series.

      • GJD - há 4 anos

        Acho que nem a wwe sabe já surgia até especulações que seria no Summerslam , depois especulações que seria no Payback , agora falam até que em maio ele volta .

      • Renato - há 4 anos

        José, e que tal voltar no Rumble para vencer o combate e ganhar no main event da Wrestlemania 30? “Era so a WWE ter-lhos no sitio”

      • José Sousa - há 4 anos

        Eu espero que seja no Summerslam sinceramente. Já no proximo mês era mau demais, nem dava tempo para ele ter o seu descanço, e depois não vejo nenhuma feud válida para o Punk nesta altura. Por isso é mesmo, é melhor esperar algum tempo para termos o Punk de novo na WWE.

        A ideia do Rumble era interessante, mas só se for mesmo para ganhar o Rumble~. Mas depois punha-se a questão de quem seria o campeão na altura, mas isso é algo para ser analisado posteriormente.

  8. Renato - há 4 anos

    Bom artigo José para nao variar! Acho que o artigo da semana passada nao foi nada mau, foi diferente do que se esperava e isso causou um pouco de polémica, mas esquece la isso! É por estas e por outras vezes que me começa a aptecer acompanhar mais regularmente a TNA! Obrigado José, Jorge e Daniel!

    • José Sousa - há 4 anos

      Eu sei que não foi mau, apenas esta semana queria marcar posição, e demonstrar como consigo fazer algo bom sem ser por escolha temática do leitores. Se voces gostam do que eu escrevo tem que ser porque confiam no escritor, quem não confia não lê.

  9. Darth Mordred - há 4 anos

    Parabens pela matéria.
    Styles é talento puro, é significado de show qdo ele entra no ring. E voltou em grande forma. Com todo esse talento, nem precisa fazer promo hehe

    • José Sousa - há 4 anos

      Oh claro que podia melhorar sempre um pouco nesse aspecto, mas concordo que o que ele faz consegue apagar essa limitação dele. No ringue ele é fantástico.

  10. FranciscoAP - há 4 anos

    Artigo interessante José. Actualmente o AJ é capaz de ser o ponto de maior interesse relativo à TNA, muito pela incógnita que é o seu futuro. Inclusive já tinha pensado abordar a sua situação num artigo mas vou deixar mais lá para a frente, ainda quero ver no que isto dá. Sinceramente não vejo como a TNA pode não relacionar o AJ com os Aces/Equipa TNA e mantê-lo ao mesmo tempo em destaque nos programas. Contundo, acredito que se mantenha sozinho no sentido de manter o protagonismo que lhe tem sido dado, e que tem resultado. Mas também sou um daqueles que aposta que ainda há-de ser uma peça fulcral no desenrolar da história

    Por fim, só um pequeno reparo: reparei que por vezes usas mal a vírgula, o que torna a leitura do texto algo complicada. Não acompanho os teus artigos o suficiente para saber se é uma questão de falta de atenção ou o que for, por isso interpreta isto como achares mais conveniente.

    • José Sousa - há 4 anos

      Na boa. Quando denotares esses erros, apresenta um excerto onde errei, para dessa forma, conseguir corrigir essas mesmas lacunas na edição seguinte. Assim ajudam-me, a tornar este espaço, cada vez melhor, e interessante.

      Sim é bem possível, que isso aconteça. Mas eu preferia, que o AJ Styles o fizesse, enquanto tweener, e nunca como face. Embora saiba, que essa possibilidade existe.

  11. Enigma - há 4 anos

    Um dos melhores S&M que já escreveste nessas 75 semanas e sobre m dos melhores Wrestlers de sempre, pelo menos pra mim.

    Excelente mesmo José, parabéns.

    Ja agora, grande avatar do Seth Rollins, uma das maiores esperanças para o futuro da Big E, talvez nesse futuro eu volte a gostar de ver aquilo denovo.

    • José Sousa - há 4 anos

      Muito obrigado, por gostares do artigo e do Aj Styles;).

      Ai o avatar, eu mal o encontrei tive que o por. Primeiro porque sou fã do Rollins, depois é imagem em acrilico o que torna o avatar muito porreiro.

  12. MR Perfection André Santos - há 4 anos

    Bom Artigo Jose!

    (Isto é a minha opinião…)Acho que a história de AJ está muito semelhante á de Sting nos tempos da WCW, basta pesquisar no youtube e verás que muitas vezes a NWO queria dar a T-shirt a stingm para ele se juntar aos black and white.

    Gostei da personagem de AJ quando tinha Flair ao seu lado, e penso que o seu futuro passará por ser o lider da equipa da TNA para vencer os ACES.

    Parabéns!

    • José Sousa - há 4 anos

      Eu sei, eu já vi isso, não vivi na altura, mas vi esses episodios na net. E sem dúvida que tem ponto em comum, sem dúvida alguma.

      Ah! agradeço uma vez mais a ajuda para o tema da semana passada(é sobre passado, só não posso é dizer mais).

Comentar

Login com Facebook

Editar avatar »

Notificações por email:

Wrestling.PT © 2006-2016 / Política de Privacidade / Disclaimer / Sobre Nós / Contactos / RSS Feed / Desenvolvido por Luís Salvador