Existem 2 vagas na Equipa do Wrestling PT para publicar notícias. Candidata-te!

The People’s Elbow #17 – Weed People

Bons dias, caros leitores! Aqui vos trago mais um artigo de minha autoria. Hoje o tema é a Colter Militia, que juntou dois mid carders a um manager absolutamente fabuloso e que muito tem feito por estes dois.

Jacob Hager (24 de Março de 1982) foi contratado pela WWE e teve a sua estreia no território de desenvolvimento a 7 de Setembro de 2006, sob o nome Jack Swagger. Hager era um atleta de dois desportos quando estudou na Universidade (futebol americano e wrestling) e durante o seu primeiro ano ele conheceu Jim Ross, chefe de talentos da WWE, que o encorajou a contactá-lo depois de se formar, o que aconteceu, permitindo-lhe estrear na ECW em 2008 e tornar-se campeão em Janeiro de 2009.

Em 2010, pertencendo ao elenco da Raw, ganhou o combate MITB na WM26 e na Smackdown de 2 de Abril derrotou Chris Jericho e tornou-se campeão mundial dos pesos pesados, ficando com o título por dois meses. Em 2012, ganhou o USA championship. Lendo esta pequena apresentação, alguém não muito entendido ou fora do meio pensará que a carreira deste lutador tem sido recheada de títulos e feitos maravilhosos. Não é de todo verdade e a culpa não foge do próprio nem da empresa que representa.

A 9 de Setembro de 2008, estreou-se na ECW, onde logo se estabilizou como vilão numa rivalidade com Tommy Dreamer, que acabou sem que Jack Swagger tivesse sido derrotado uma única vez.

Parecia ser um bom inicio: foi-lhe dado um adversário veterano e conhecedor e este nunca o conseguiu vencer em nenhum dos combates que tiveram em shows televisivos e PPV’s. Embora Dreamer estivesse a dar as últimas em ringue, a personagem marcadamente hardcore e o estatuto que tinha por ser um ECW original demonstravam-no como um osso duro de roer e uma prova de fogo para o jovem rookie.

Primeira missão completa, seguiu-se o nível seguinte – o título, pelo qual ele desafiou Matt Hardy e o derrotou, a 30 de Dezembro. Ele foi derrotado pela primeira vez por Finlay, contra quem defendeu o seu título,e começou uma rivalidade contra Christian, para quem perdeu após 104 dias como campeão. Devo dizer que a nova ECW de 2006 me marcou muito, pois em 2009 quando eu comecei a assitir esta modalidade com maior rigor e interesse, era essa marca que mais me proporcionava gozo e satisfação.

Estava a aprender o que aquilo era e comecei por aí, daí lembrar-me com alguma facilidade das rivalidades e combates, assim como dos lutadores que por lá andavam. Claro que depois vim a descobrir que aquela não era a verdadeira ECW, mas era a que conhecia e gostava. Isto leva-me, anos mais tarde, a recordar como era Jack nessa época. Considero que a ECW, apesar do seu reinicio ter sido criticado, era o local ideal para inserir novos wrestlers vindos do território de desenvolvimento.

A sua função não era mais deleitar os antigos fãs da ECW com sessões de pancadaria, o seu propósito tinha mudado Jack esteve um bom tempo como campeão e as suas brigas com lutadores de renome ajudou-o a impor-se. Em termos in ring, ele defrontou dois wrestlers com grande história nesta indústria; visto numa óptica menos centrada no kayfabe, ele competia com dois homens de idade abastada.

Penso que a nossa visão irá mais para o primeiro factor e, sendo assim, foi benéfico para ele tê-los confrontado e saído sempre vencedor. Com 2 metros e 116 quilos, Jack aparecia para lhes mostrar que quem mandava ali era ele e não dois individuos que andavam para ali há tempo demais. Vistas as coisas, o olhar mais sério referido acima também resultou – a imposição de superioridade duma geração recente contra a do passado. Foi contra Christian que as coisas começaram a azedar.

Este era muito querido pelos espectadores nas plateias. Era também muito experiente mas estava longe da pior forma que alguns dos outros apresentavam. Era certo que receberia o campeonato, mas a feud entre os dois descredibilizou Jack a partir do momento em que Christian começou a gozar com a sua fala em promos e montagens no titantron. Jack não era bom ao microfone e tinha uma voz sopa de massa e isto não lhe serviu para nada, só o limitou (em personagem) nos seus diálogos e tentativas de contra atacar.

Jack perdeu a postura e Christian veio provar que afinal os mais velhos conseguem dominar um novato. Christian parecia o pai e Jack um puto com a mania que era alguém.

A 29 de Junho de 2009, foi transferido para a Raw. Venceu a luta MITB, ganhando um contrato que poderia ser usado para desafiar qualquer campeão, diferente de ultimamente, em que há duas malas e cada uma com o destino designado. Jack usou o seu contrato na Smackdown de 30 de Março de 2010, onde derrotou Chris Jericho e tornou-se campeão mundial dos pesos pesados. Este foi o meu momento preferido dele. Y2J estava combalido do ataque do seu antigo parceiro Edge, tendo o corpo ligado com ligaduras.

Não havia melhor timing nem tão propícia ocasião para aplicar a sua GutWrench Powerbomb e conquistar o ouro. Gostei mesmo muito, mais ainda por um heel ter aproveitado a fragilidade de outro heel! Reteve o seu título contra Randy Orton e Big Show e em determinadas ocasiões saiu dominador, incluindo no seu reportório o ankle lock, manobra devastadora e que intensificou as suas acções.

A 20 de Junho, ele perdeu para Rey Mysterio. A WWE não estava contente com o seu reinado nem com o seu desempenho, em que as promos não revelavam desenvolvimento nenhum. Jack desleixara-se e traía a confiança que havia sido depositada em si, não se aplicando a fundo nem treinando para aperfeiçoar as suas limitações. O castigo teria continuidade no final de 2010, quando começou a ser acompanhado pela mascote Soaring Eagle, interpretado por Chavo Guerrero (esse é outro que nem vale a pena falar).

Jack não era levado a sério com aquela música de entrada, as flexões e a constante menção ao seu percurso no wrestling amador e isto só veio colocar a cereja envenenada no topo do bolo estragado. Em 2011, foi anunciado como treinador de Michael Cole para uma luta contra Jerry Lawler. O baile seguia e a música era a mesma…

Na Raw de 16 de Maio, a aliança terminaria após Cole relembrar que ninguém se importava que Jack tivesse sido world heavyweight champion. O reinado tinha sido uma porcaria e ainda era preciso sublinhar isso?! A procissão ainda estava no adro…

Na Raw de 15 de Agosto, sugeriria a Vickie que ela fosse sua manager, juntando-se ao seu cliente Dolph Ziggler, ajudando-o a manter o seu USA champioship e enfrentando os campeões de tag team. Na Raw de 16 de Janeiro de 2012, tornou-se campeão dos EUA e perdeu para Santino a 5 de Março. Quando foi preciso decidir quem seria o único cliente de Vickie, a escolha caiu em Dolph, quando este estava pronto para partir a solo e Jack não se podia afastar de maneira nenhuma de alguém que o representasse.

Deixou de aparecer para remodelar a personagem e retornou na Smackdown de 1 de Fevereiro de 2013, exigindo ser colocado na Elimination Chamber pelo campeonato mundial dos pesos pesados. Passou a ser acompanhado por Zeb Colter, um xenófobo participante da Guerra do Vietname, e venceu o evento, tornando-se o desafiante na WM29.

Jack tinha reaparecido com um visual diferente (barba e cabelo maior) e com uma atitude muito mais segura. Tinham-se acabado os embaraços, as flexões e de All american american passou a real american. Não precisava mais de se preocupar em se dirigir ao público (a sua grande lacuna), bastando-lhe pronunciar We The People no final dos segmentos.

A 20 de Fevereiro, quase arruina tudo ao conduzir embriagado e com posse de droga. Sorte a dele que a WWE não se pronunciou sobre isso e fechou os olhos. Ele estava incluído em histórias de destaque e não podia ser removido à última da hora. É preciso ser burro para se meter numa coisa destas sabendo que a empresa se preocupa o suficiente com a imagem que os seus empregados dão a ponto de os punir profissionalmente pelo que fazem cá fora nas suas vidas pessoais. Iria tudo pela sanita abaixo, todo o investimento e aposta nele ao lhe ser concedido um manager. É preciso ter descaramento! Num negócio em que a concorrência está ao virar da esquina, Jack resolveu complicar. A WWE concede-lhe oportunidades para isto.

Ele não voltou a ser acompanhado por nenhuma águia (se Chavo lá estivesse não sei não) mas duvido que volte a ser campeão tão cedo. No seguimento dos acontecimentos, Antonio Cesaro aliou-se a Colter, formando uma dupla com Jack conhecida como Real Americans.

Claudio Castagnoli (Lucerna, Suiça, 27 de Dezembro de 1980) é conhecido pelo seu trabalho no circuito independente, em companhias como ROH, onde foi lutador de duplas, tendo ganho títulos com o seu companheiro Chris Hero, nos Kings of Wrestling, votada dupla do ano 2010.

A sua estreia foi a 24 de Dezembro de 2000 e o longo caminho percorrido conduziu-o ao território de desenvolvimento da WWE de 2011 a 2012. Fez a sua primeira aparição televisiva na Smackdown de 20 de Abril de 2012 e no SummerSlam derrotou Santino para conquistar o USA championship e perdeu-o para Kofi Kingston na Raw de 15 de Abril de 2013. O tempo que dispensou com o cinturão em sua posse foi extenso mas pouco produtivo para si e para a valorização desse campeonato. Falta de carisma, promos e recepção conveniente por parte do público jogaram-no para águas lamacentas, que é como quem diz, um passeio com um título à cintura chato e fatigante.

Recuemos um bocado para achar aspectos interessantes na gimnick de Cesaro e outros que não correram tão bem. Cesaro surgiu ao lado da diva Aksana, desnecessária na companhia seja para que função for, mas que lá teve com que se entreter entre Teddy Long e o novo membro do roster. Foi primeiramente dado a conhecer por esse relacionamento e por saber falar 5 línguas, que utilizava para se pronunciar em ringue.

Nunca gostei que andasse acompanhado de quem andava, mas aquela história do poliglota até tinha a sua graça, até que começou a saturar e a irritar. Não demorou muito para que ganhasse um título de segundo escalão (que acontece com muitos dos debutantes num curto espaço de tempo) e separar-se da namorada.

Quem o conhecia das indies como eu sabia que em ringue era talento nato e exibicionismo garantido, contribuindo para isso o seu uppercut e o finisher Neutralizer, que quando aplicado em gigantes ou monstros exibia toda a destreza e poderio físico. Ninguém podia apontar-lhe nada dentro dum ringue, mas, tirando isso, era uma nulidade para o que uma empresa de sports entertainment precisa. Enquanto uns suspiravam por uma ligação a Cassius Ohno (Chris Hero), outros simplesmente bradavam que era preciso meter alguém ao lado dele.

Num instante, tinha-se acabado a conversa em 5 línguas e pontos de interesse de Cesaro fora do ringue não abundavam. Ficaramos impressionados com os seus moves e a qualidade para enfrentar qualquer adversário, mas não tínhamos mais nada, porque aquela música, o iodle e o agitar da bandeira são tudo menos motivadores de atenção.

Como campeão, as suas defesas de título cingiram-se, sem grande espanto, a mid e low cards desocupados e sem qualquer intenção de serem pushados, foi uma limpeza ao balneário sem sentido que não dignificou Cesaro nem o título, que já andava aos papelotes com decisões deste tipo e outras demais.

A esperança de que lhe arranjassem um manager que acrescentasse “superstar” ao “wrestler” ficou acesa e, na Raw de 17 de Junho, foi revelado como novo associado de Zeb Colter. Entre os managers à disposição, parece-me que foi a escolha acertada, tendo em conta que os managers no activo são Colter e Paul Heyman. Teddy Long, Booker T e Vickie hão-de andar mais na disputa da direcção das brands do que se preocupar em representar alguém, e Brad Maddox também não poderia ser.

Sabemos que nos bastidores estão antigas presenças assíduas em televisão, agora mais recatados como treinadores ou guionistas, entre outros afazeres. Rajin Singh, Joey Styles, Armando Estrada, Michael Hayes ou Gerald Brisco poderiam aparecer de repente, apesar de ser insólito. Não era muito nítido que a WWE quisesse acrescentar mais managers na programação, por isso, Colter foi o activo escolhido para a função.

Se tivermos em conta que este ataca os estrangeiros que vêm para a América e clama que ele defende os americanos verdadeiros, nada melhor que tentar contradizer isso tudo ao colocá-lo a gerir um suíço! É isso que um bom heel faz: dispara em todas as direcções e aponta os defeitos nos outros, mas depois faz o mesmo e tem sempre explicação para os seus actos!

Na Raw seguinte ao MITB, Jack e Cesaro formaram os Real Americans. Eu espero que esta seja uma tag team para valer e que entre na contenda pelos títulos, e não uma equipa para as ocasiões, em que um é o lacaio do outro, como Miz e A-Ry, ADR e Ricardo Rodriguez, Jack e Dolph, Big E e Dolph, Jinder Mahal e Great Khali etc… Sendo heels, como entrar em conflito contra os The Shield?

Um face turn não seria mal pensado, contudo, para isso teriam de se livrar de Zeb Colter e não podem fazê-lo, a não ser que encontrem um manager face. Outra hipótese é o push aos Usos ser maior e estes conseguirem credibilidade para tirar os cinturões a Seth e Roman, nem que seja num golpe de sorte, ou, quem sabe, uma distração dos Wyatt para que possamos ver o que queremos: Wyatt’s vs Shield!

Separando-se, creio que a mudança para face de Jack se possa concretizar, aliás, esse plano esteve na calha aquando do seu reaparecimento. Antonio Cesaro tem de aproveitar enquanto tem Zeb Colter por perto, porque nem sempre terá a vida tão facilitada como agora e se não tirar proveito desta experiência calculo que não fique muito tempo na WWE e que não lhe sejam dadas mais hipóteses.

Jack a mesma coisa – ter a cabeça no lugar e não disparatar quando o sucesso surge, mas sim entregar-se ainda mais e fazer cada vez melhor, porque potencial no ringue ele tem.

Wayne Maurice (29 de Novembro de 1949) é um lutador e manager mais conhecido como Dutch Mantel e, actualmente, Zeb Colter. Apesar de se ter aposentado, faz aparições em promoções independentes, sendo empregado da WWE desde este ano, aproveitando o facto de ser veterano da guerra do Vietname para montar a sua nova personagem.

Ele trabalhou na TNA como roteirista e dos lutadores de quem foi manager enumeram-se Steve Corino, Sting, Undertaker, Ultimate Warrior e Kane. Quando era lutador, o seu movimento de finalização era o scoop slam piledriver. Admito que não conhecia este senhor antes de o ver com Jack Swagger e que aquela barba grisalha e desgrenhada muito ajudou para que eu fixasse o seu nome e a sua imagem.

O kayfabe como homem meio louco e patriota convicto impulsionou-o para um grande trabalho na condução de Jack e mais recentemente Antonio Cesaro. Adoro a humilhação que inflige nos adversários, tapando-os com aquela tarja que diz Don’t Tread on Me. Bom era que a música dos Metallica com esse título fosse o tema de entrada!

Acredito que com ele Cesaro receba mais heat, o que não será dificil para quem era ignorado. Jack voltou renovado e o suíço poderá ir pelo mesmo caminho. Talvez se tudo dê certo, Zeb Colter possa aposentar-se definitivamente com a certeza de dever cumprido.

Bem, o artigo desta semana fica por aqui, decidi trazer-vos algo da actualidade da WWE, o que é incomum por razões que tenho vindo a explicar ao longo das edições ou nos comentários. Para continuar a receber visitas e para que possam deixar a vossa opinião, incluo umas perguntas no final. Da minha parte é tudo, boa semana a todos!

– O que tens achado de Jack Swagger desde que anda com Zeb Colter?
– Jack tem capacidades para o main event?
– Notas melhorias em Antonio Cesaro no que se refere à recepção e reacção do público?
– Devido à idade, quanto tempo consideras que Zeb Colter possa disponibilizar com os Real Americans?
– Será bem sucedido na sua missão com estes mid carders ou eles não têm volta a dar?

Don’t tread on me… We The People!

Sobre o Autor

- Escritor do artigo “The People’s Elbow”. Nascido a 25/2/90 na margem Sul, fã desta modalidade desde 2009.

8 Comentários

  1. mrREP - há 3 anos

    Quando li o titulo pensei outra coisa :D , bom artigo !

  2. danielLP21 - há 3 anos

    Excelente artigo Miguel!

    – O Jack Swagger melhorou bastante na altura da RTWM, quando se juntou ao Zeb Colter. Acredito que, caso não tivesse cometido aquele enorme erro, a sua situação, actualmente, não seria esta. Podia não estar na roa do Título Mundial, mas podia estar numa situação bem melhor que a actual.

    – Sim, nunca fui daqueles que detestam o Swagger, apesar de não ser fã dele. Adorei vê-lo a ganhar o Título Mundial fazendo o cash-in no Chris Jericho, e algumas pessoas no público também ( o que pode, também, ter a ver com a qualidade do “Y2J” como heel, que fez com que muitos desesperassem para vê-lo sem o ouro, independentemente de quem fosse o novo campeão). Também gostei muito dele na altura da ECW, brand com a qual eu também simpatizava bastante.

    – Nem por isso, mas isso também tem a ver com o facto de a equipa não ter grande destaque. Se fossem uma maior aposta por parte da WWE, não duvido que ganhassem “heat” por parte dos fãs.

    – A idade é muito relativa. Depende sempre dos planos da WWE, mas não estou a ver o Zeb Colter com o Cesaro e o Swagger durante muito mais tempo, principalmente, se continuarem nesta situação.

    – Têm volta a dar. Lá está, depende também, e muito, da WWE. Veremos o que o futuro lhes reserva, mas não os vejo a ter grande sucesso/destaque.

  3. CJ Punk - há 3 anos

    Bom artigo!!!

    1- Jack melhorou quando apareceu novamente com Zeb, infelizmente estragou tudo…e perdeu-se uma oportunidade de vermos algo diferente…eu estava apostar forte quando ele apareceu com aquela nova entrada.

    2- Difícil…mas temporariamente…sim…um plano de meses com ele no topo não seria mau…mas não tem grande futuro para lá se manter.

    3- 0%…incrível como um super lutador como ele é…um dos melhores do roster provavelmente, têm as piores mic skills da companhia (acho k não estou a exagerar, pior que ele só mesmo khali, e do género)…em condições normais estaria no main event ou muito próximo disso…mas infelizmente ou bizarramente é o lutador mais desequilibrado e desnivelado da companhia, disso não tenho dúvidas!!!

    4- não sei..de todo que acho isso muito relativo…agora ou eles recebem um push…acho muito improvável ou então…esqueçam que isto acaba já…

    5- sinceramente sem push não passam disto mesmo…

  4. danilo'-' - há 3 anos

    Muito bom o artigo.

    – O que tens achado de Jack Swagger desde que anda com Zeb Colter?
    Bom, como você mesmo disse, Zeb Colter deu uma grande melhorada ao Swagger e sua personagem, agora ele está a falar “Weed The People” no final do que o Colter fala, e convenhamos que o Swagger estragou tudo.

    – Jack tem capacidades para o main event?
    Sim, ele é bom em ring e com o Colter ao lado, ME ele pode, agora se manter é dificil, mas quanto a pergunta é capacidades eu digo que sim.

    – Notas melhorias em Antonio Cesaro no que se refere à recepção e reacção do público?

    Ele ta como jobber, mas poderia dar tudo certo, mas ali tem o fator deles estarem a receber menos destaque que esses “Los Matadores” que nem estrearam ainda, tem sempre aquele fator de oportunidades e se tiverem sem duvidas poderiam ter reações “melhores” para um heel.

    – Devido à idade, quanto tempo consideras que Zeb Colter possa disponibilizar com os Real Americans?

    Não sei, talvez precisem deles para jobbar para os PTP.

    – Será bem sucedido na sua missão com estes mid carders ou eles não têm volta a dar?

    Vão continuar assim mesmo, ou pelo menos a WWE ainda não demonstrou indícios que vão tirar eles dessa situação.

  5. PedroSWWE - há 3 anos

    Excelente Artigo!

    Desde que comecei a ver o Cesaro comecei a gostar muito dele, com o Jack já não foi a mesma coisa.

    Apenas uma pergunta para ti Miguel, se eles dizem WE THE PEOPLE, porque é que puseste no título Weed People?

    – O que tens achado de Jack Swagger desde que anda com Zeb Colter?
    Começou por ser dominante e agressivo, mas como tu disseste a droga estragou-lhe a carreira, e agora quase sempre que ele luta individualmente ou em equipa perde.

    – Jack tem capacidades para o main event?
    Sim, ele tem capacidades, ele tem boas ring skills, eu por exemplo sou muito fã do Ankle Lock, mas resume-se ao facto que ele não pode estar no topo por causa das Promos, mas agora com esta nova guimick podia estar no topo, mas não está porque anda na droga.

    – Notas melhorias em Antonio Cesaro no que se refere à recepção e reacção do público?
    Para uma melhor recepção em público, não sei, devia de merecer respeito, mas o que fazer para receber esse resspeito não sei.

    – Devido à idade, quanto tempo consideras que Zeb Colter possa disponibilizar com os Real Americans?
    Tem 64 anos, já é muita idade, por tanto, penso que mais um ano, e depois já está na reforma (pelo menos em Portugal, porque nos EUA não sei qual é o limite para a reforma).

    – Será bem sucedido na sua missão com estes mid carders ou eles não têm volta a dar?
    O Cesaro tem muita volta a dar, agora o Swagger, depois do que fez só daqui a uns poucos de anos, lá para 2015 pode ser a revelação o Jack, quanto ao Cesaro, ele começou há pouco tempo na empresa portanto, o Cesaro ainda tem muito para dar, ainda por cima ele que tem muito talento.

    Miguel, gostaria que respondesses também à minha pergunta.

    • rocha - há 3 anos

      O título foi uma brincadeira por o Jack ter sido apanhado a transportar erva, que em inglês se escreve weed. We the people tem a mesma sonoridade de weed people, daí ter feito um jogo com isso

      • PedroSWWE - há 3 anos

        Obrigado, não tinha tido conhecimento dessa brincadeira, portanto é que me perguntava a mim mesmo, se eles dizem We the People, porque é que eles escrevem Weed the People ou Weed the People.

  6. MR Perfection André Santos - há 3 anos

    Bom Artigo, muito completo!

    – O que tens achado de Jack Swagger desde que anda com Zeb Colter?
    De inicio foi o melhor que podia ter acontecido…agora nem com o barak obama ele vai ser alguém…

    – Jack tem capacidades para o main event?
    Capacidades atleticas sim falta o resto…carisma

    – Notas melhorias em Antonio Cesaro no que se refere à recepção e reacção do público?
    Um bocado, muito devido ao combate que teve contra Bryan

    – Devido à idade, quanto tempo consideras que Zeb Colter possa disponibilizar com os Real Americans?
    Acho que vai ser por pouco tempo, adupla acabará por acabar

    – Será bem sucedido na sua missão com estes mid carders ou eles não têm volta a dar?
    Cesaro ainda pode dar alguma coisa, Swagger duvido muito

Comentar

Login com Facebook

Editar avatar »

Notificações por email:

Wrestling.PT © 2006-2016 / Política de Privacidade / Disclaimer / Sobre Nós / Contactos / RSS Feed / Desenvolvido por Luís Salvador