Existem 2 vagas na Equipa do Wrestling PT para publicar notícias. Candidata-te!

The People’s Elbow #24 – Are You Gay?

Ora cá estamos em mais uma semana com um novo artigo do People’s Elbow! Continuando na senda das notícias que vão aparecendo sobre a WWE, vou hoje inclinar-me sobre os Prime Time Players, o seu aumento de vitórias e de notoriedade desde a passagem para faces e tentar esclarecer se tudo isso aconteceu porque um deles se assumiu como homossexual ou se é tudo uma coincidência e esta revitalização da equipa estava preparada antes de tal confissão. Conhecido o tema desta edição, passo de seguida ao seu conteúdo!

Os Prime Time Players são uma Tag Team constituída pelo “Real Deal” Titus O’Neill e pelo “Mister No Days Off” Darren Young. O duo inicialmente foi formado para se tornar candidato ao Tag Team Championship, orientado pelo manager “AW” Abraham Washington. Durante a quinta temporada do NXT (Redemption), O’neill e Young eram rivais, fazendo o primeiro parelha com Percy Watson e o segundo com o seu Pro Chavo Guerrero. A feud foi interrompida quando Chavo foi demitido e Darren suspenso. No episódio do NXT de 16 de Novembro de 2011, regressou e atacou O’Neill. A conclusão da feud chegou quando Titus derrotou Darren num combate sem desqualificação que, ao seu final, teve então um heel turn do “Real Deal”. A 25 de Janeiro de 2012, quis que o seu companheiro Percy Watson voltasse as costas aos fãs tal como ele fizera, porém, ele recusou, e foi bookado um combate entre os dois, levando à vitória de O’Neill, que depois formou uma aliança com o antigo inimigo Darren Young, tendo o seu debut ocorrido a 1 de Fevereiro de 2012. Depois duma feud com os Usos, foi anunciado que tinham sido movidos para o main roster, ao qual tinham pertencido discretamente no passado.

A quinta temporada do NXT trazia participantes das edições 1, 2 e 4 e era uma forma de redenção para quem não tinha vingado no programa. O vencedor não recebe uma oportunidade pela disputa de título algum (os anteriores ganhadores também parece terem perdido esse direito quando entraram no plantel principal…), mas sim uma vaga na sexta campanha do NXT. A falta de data de término e o público cada vez menor, aliado ao esquecimento por parte da WWE, causou a dúvida se aquilo seria um show ou uma telenovela sem desfecho. Tudo isto parece desenquadrado dos Prime Time Players, mas recuei até esta época para fazer notar que os dois elementos da equipa eram razoavelmente conhecidos pelos fãs da empresa e, não tendo sido agraciados à partida com nada melhor que desempenharem algumas aparições como jobbers e umas quantas participações melhor desenvolvidas no Superstars, retornaram ao NXT, com o objectivo de melhorias e a paciência duma segunda repescagem.

A team fez o seu debut para a brand azul a 20 de Abril de 2012 com uma vitória sobre os Usos. Na edição da SmackDown de 1 de Junho, autointitularam-se Prime Time Players. No No Way Out, ganharam uma fatal 4 way Tag Team Match para se tornarem Number One Contenders ao Tag Team Championship, com a assistência de AW, que traiu os seus clientes Primo e Épico a favor dos Prime Time Players, desencadeando uma feud entre as duas Tag Teams. O desafio pelo Tag Team Championship de R-Truth e Kofi Kingston não foi bem sucedido, no episódio da Raw de 16 de Julho. Na SD de 10 de Agosto, derrotaram Primo e Épico numa Number One Contenders Match, via desqualificação, após interferência de Truth e Kofi, e foi anunciado que os PTP receberiam o seu combate pelo campeonato no SummerSlam. Nesse mesmo dia, AW foi liberto do seu contrato.

AW (4 de Julho de 1977, Texas) é um lutador que trabalhava para a WWE no território de desenvolvimento FCW e foi demitido por dizer uma piada sobre o basquetebolista Kobe Bryant. Fez a sua estreia em Fevereiro de 2009 e recebeu a gimnick dum presidente. A 30 de Junho de 2009, fez a sua estreia na ECW, com um momento de entrevistas com o seu nome. Com o fim da marca em 2010, foi mandado de volta para a Flórida para adquirir experiência. Pelas siglas AW, apareceu como um gerente de talentos que oferecia o seu trabalho a quem não recebia o valor que lhes era merecido. A parceria com Primo e Épico não durou muito, pois ele traiu-os no No Way Out, unindo-se aos PTP. Esteve no MITB ao seu lado, numa luta de duplas com os seus anteriores clientes. Numa outra luta dos PTP, proferiu uma piada de contexto social que envolvia uma figura pública e foi demitido.

Agora com 36 anos, chegou tarde à indústria da luta livre, visto que teve a sua estreia em Janeiro de 2004. Se repararmos que esteve na FCW por mais que uma vez com uma idade compreendida entre os 30 e os 35 anos, e que em nenhum dos programas televisivos principais foi convidado a subir ao ringue para lutar, é porque a WWE não via nele capacidade ou qualidade para desempenhar a profissão de lutador profissional. Visualizei alguns combates dele e ele perdia as lutas, não denotando aptidão por aí além. Já a comunicar ao microfone ou dar nas vistas sem usar os punhos, a conversa era outra – ele conseguia ser altamente cativante e para mim ficará sempre guardado na memória o seu show na ECW, com Tony Atlas, em que ele gozava com este hall of famer e fazia questões provocátorias aos seus convidados, com o intuito de incendiar a entrevista. Era perfeito o modo como expunha provocações de forma súbtil e a seguir se escondia numa capa de pessoa séria, como se não tivesse intenção de provocar qualquer distúrbio. Hilariante e irritante ao mesmo tempo!

Parecia que ia provocar um motim quando finalmente surgiu na emissão da WWE, isto porque estava a angariar pessoal que tinha sido deixado de fora das grandes lides, tendo nós chegado a vê-lo com Mason Ryan, por exemplo. Tão radical plano não foi para a frente e ele ficou-se por Primo e Épico até os trocar pelos PTP. A rivalidade das duas duplas foi boa e bem contada, assente na traição dum manager, algo menos visto ultimamente e que trouxe boas desavenças em ringue entre estes indivíduos não tão salientes quanto outros lutadores. Podemos dizer que foi uma boa surpresa dentro do mid-card. AW pegou nos PTP e encaminhou-os para disputas pelo título, apresentou-os na sua entrada com rimas engraçadas e conversava por eles. Se nenhum dos dois é exímio no ringue nem a falar ao público, não se via problema no destaque dado a esta nova Tag Team, porque AW parecia suprimir qualquer debilidade e tornar os combates deles muito mais entretidos. O pior para ele é que tanta anedota e graçola depois, foi despedido por tocar num ponto fulcral – a vida social da companhia. Sim, ele mandou uma piada sobre alguém que pouco tem a ver com wrestling, mas fê-lo numa altura em que a WWE era representada somente pelas inicias, desfazendo-se do “World Wrestling Entertainment” para conseguir desse jeito ser levada em consideração na socialité. Sabendo-se da participação activa na sociedade americana da WWE, uma frase levada em desconsideração acerca dum milionário famoso da NBA (desporto a que Vince recorre para que alguns jogadores estejam presentes nas bancadas nos PPV’s ou tenham acção directa no desenrolar do evento) não caiu bem e ditou a sentença. A magia que contornava os PTP abandonava a empresa e estes perderiam a noção do caminho…

No SummerSlam, foram derrotados pelos campeões. No entanto, na edição da SD de 7 de Setembro, saíram vencedores duma Triple Threat Tag Team Match contra os Usos e os Latin Freebirds para se tornarem mais uma vez number one contenders ao Tag Team Championship. Sem conseguirem ganhar o título depois de tantas tentativas, veio o apito e o pente e caíram no esquecimento, continuando a aparecer tanto nos programas maiores quanto nos menores, mas quase sempre saindo vencidos, coleccionando dissabor atrás de dissabor.

A 19 de Agosto deste ano, tornaram-se faces ao começarem a ganhar combates singulares e de Tag Team aos Real Americans, originando uma feud entre eles. Em parte, o face turn foi feito pela revelação de Darren Young e a consequente resposta positiva pelos fãs de wrestling, porque de resto foi um turn muito simples, eles apenas apareceram como adversários dos Real Americans e sabia-se que, pela lógica, seriam os faces. Nós aqui do site começámos a questionar-nos sobre a verdadeira razão por trás da sucessão de vitórias, que coincidiu com Darren Young a assumir-se gay. Realmente, a nova aposta neles causou estranheza dado os recentes resultados negativos, mas era preciso aproveitar essa mudança de atitude e pô-los a ganhar. Talvez a pergunta de todos seja se Darren fosse heterossexual ou se não tivesse assumido publicamente a sua sexualidade se a passagem para face se tinha concretizado, porque os sucessos a partir do face turn são típicos e normais quando alguém muda de faceta. Relembro que não é uma situação nova eles subirem este degrau, dado que o ano passado como heels foram candidatos em vários PPV’s e realizaram algumas feud’s dignas de registo. Só que quando deixou de haver justificação para eles andarem atrás dos cinturões, na ocorrência de todas as derrotas, não existiu plano secundário e eles deram um trambolhão para o low card, nada de anormal e que não tenha sucedido com outras equipas presumivelmente campeãs. A WWE não trabalha as storylines para as suas equipas, faz durar uma história pelo título durante meses e quando não tem mais corda para esticar quem sofre são elas, que de candidatas ao ouro passam a fazer jobs.

Não me surpreende que os PTP tenham realizado o turn e que tivessem recomeçado a ganhar, é uma Tag Team convincente e dotada em ringue. Claro que se compararmos com outros atletas eles não serão tão bons, mas maus também não são e eu gosto do desempenho deles e eles fazem falta para rejuvenescer a divisão. Se isso ocorreu pelas palavras do Young não sei, a minha opinião é que não será totalmente por aí, se ele fosse competidor singular e começasse para aí a vencer todos era descaradamente essa a razão, mas ele faz parte duma equipa, e ela tem um importante papel para erguer a divisão. Mais tarde ou mais cedo sairiam da situação em que estavam. Havia gente aqui a protestar por eles só perderem, então quando a homossexualidade é revelada e eles vão ganhando uns combates todos criticam. Os gostos sexuais de cada um não devem trazer benefícios, mas não é por ser homossexual que ele e o parceiro estão onde estão, porque já estiveram antes e não me desiludirá que vençam o título lá para 2014, até ficarei satisfeito com isso. Por outro lado, Vince anda sempre a par do que se passa nas vidas pessoais dos seus empregados e, como castigou o cornudo John Morrison por ver Batista comer-lhe a mulher e não reagir, não desprezarei a hipótese de ter enaltecido a coragem de Young com esta recompensa. Sejamos honestos, quantos desportistas, dividindo um balneário com homens nus no duche, são capazes de, ainda em funções, assumirem as suas preferências sexuais? Isso só se vê quando um jogador de basket ou futebol se retira, enquanto pratica a modalidade não, para não ter de ouvir bocas. A reacção dos acompanhantes de luta livre foi igualmente muito boa, se calhar nem o visado esperaria tanto apoio e ainda bem que não tem ouvido comentários jucosos nas arenas. Quanto a saírem maioritariamente por cima dos confrontos com os Real Americans, tenho de considerar algo natural, pois se a transição para faces se deu contra eles não havia alternativa que não umas quantas vitórias para consolidar essa alteração. Não falemos que Jack Swagger tem o rótulo de jobber colado na testa desde que se meteu lá naquilo da droga, porque contra a Wyatt Family os PTP perderam na edição do Main Event de 4 de Setembro, não violando a escala hierárquica de prioridades dentro do roster.

No Night of Champions, competiram num Tag Team Turmoil para determinar os number one contenders ao Tag Team Championship e ganharam, porém, falharam essa missão nessa mesma noite. Falando um pouco mais sobre eles, a taunt do abraço serve perfeitamente na sua nova caracterização, temos visto inclusive os espectadores nas bancadas a imitarem o gesto. Há muito que não temos um golpe de finalização em equipa tão potente e deslumbrante como o dos Dudley Boys, contudo, os PTP têm um finishing move que deviam usar mais, que é uma combinação de backbreaker hold com diving elbow drop, a que se juntam os signature moves double shoulder block e o gourdbuster contra um oponente deitado no ringue. A minha opinião sobre a equipa e a polémica que tem gerado na comunidade online está dada, vou aproveitar para olhar para cada um mais pormenorizadamente, inspeccionando o que têm de pior e melhor para dar.

Titus O’Neill (29 de Abril de 1977) é um lutador e ex-jogador de futebol americano, parte integrante dos Prime Time Player e participante da segunda e quinta temporada do NXT. Tendo feito a estreia nestas andanças em 2009, foi contratado por John Laurinaitis em Abril de 2012, sendo movido para a SD junto com o seu companheiro Darren Young, formando os PTP. Foi uma vez campeão de Tag Team da FCW com Damien Sandow. Em meu entender, ele possui uma estampa física considerável, que lhe permite mover-se sem problemas e lhe facilita a execução de manobras rápidas e pelo ar, como é o caso da sua finalização Clash of the Titus (Litting Sitout Spinebuster) e noutras, nomeadamente Backbreaker, Big Boot, European Uppercut, Clothesline, Shoulder Block etc… Não é que tenha tido grandes chances de falar a um microfone, principalmente desde a sua chegada ao alto escalão da WWE, mas quando o faz não se sai mal. A sua taunt pessoal é um tanto ou quanto esquisita, pois imita o ladrar dum cão e mete as mãos para cima e para os lados, acho desnecessária. Aos 36 anos, deu provas de que sabe dar bons combates e que se desenrasca com qualquer tipo de adversário, por isso, a continuar assim, julgo que o mid card não lhe escapa se ou quando a união com Young terminar.

Fred Rosser (2 de Novembro de 1979) é um lutador que participou na primeira temporada do NXT, sob o nome Darren Young, em 2010. Antes de trabalhar na WWE, ele competiu em promoções independentes, actuando em diversas federações. Fez a sua estreia no Pro-Wrestling em 2002. Durante 2005 e 2006, fez diversas aparições pela WWE nos programas semanais Heat e Velocity e em lutas não televisionadas antes da Raw e SD. Assinou um contrato de desenvolvimento em Maio de 2009 e foi mandado para o território da Flórida, onde passou a competir sob o nome Darren Young. A 16 de Fevereiro de 2010, foi anunciado que ele estaria na primeira temporada do NXT, tendo CM Punk como mentor, que se mostrava apático e se recusava a treiná-lo se ele não aceitasse o estilo de vida Straight Edge. Com o intuito de melhorar, quis juntar-se à Straight Edge Society, mas mudou de ideias por não querer ter o seu cabelo rapado. Aqui entrou o visual alternativo dele, um bocado bizarro e a lembrar uns bonecos que havia quando eu era criança que tinham o mesmo penteado (cabelo todo levantado e espetado para cima). A recusa fez Punk interessar-se pelo seu potencial.

Na semana seguinte ao final do NXT, o grupo de rookies nomeado Nexus interferiu na Raw, atacando e destruindo tudo à sua volta. Numa certa altura, os Nexus lutaram em combates individuais com a condição de que os derrotados deveriam deixar a stable. Darren Young foi derrotado por John Cena, sendo expulso. Retornou à Raw a 6 de Setembro, distraindo e custando uma luta a Wade Barrett contra Randy Orton, tornando-se face. Teve a sua primeira luta individual pós-Nexus no Superstars de 7 de Outubro, sendo derrotado por Sir Regal, e teve a sua primeira vitória na semana seguinte, ao derrotar Primo. Ignorando o facto de ser da Raw, passou a participar do NXT Redemption, para disputar uma vaga na sexta temporada do programa, tendo como Pro Chavo Guerrero, tornando-se vilão novamente. A 6 de Outubro, foi suspenso por um mês após infringir pela primeira vez a política antidrogas da WWE. Ele retornou a 16 de Novembro e, a 1 de Março de 2012, foi oficialmente transferido para a SD. No dia 14 de Agosto deste ano, afirmou ser homossexual.

A mim pouco importa o que ele faz na sua casa ou noutro lado qualquer, eu quero saber é o que ele executa no ringue. Talvez esteja a ser um pouco extremo e tenho a noção que a WWE não funciona assim, se não Benoit e outros que fizeram asneiras ou que puseram o pé na argola não teriam sido apagados do sistema. Neste caso em particular, o “erro” é que ele tem uma orientação sexual diferente, o que não me incomoda, choca ou espanta. Fiquei mais admirado pela recepção positiva dessa notícia junto aos seus admiradores, pois sabemos quão maldosas as pessoas são. Eu não sou apoiante nem a favor dos gays, respeito-os enquanto pessoas e posso não estar de acordo com o seu comportamento sexual, mas cada um sabe de si e do seu corpo. A única diferença é que ele quando está na cama está com um homem e não com uma mulher, sou capaz de aceitar, desde que não seja informado! Não reparei em nenhuma alteração de comportamento do Young, ele é uma pessoa como as outras, e é desses homossexuais que se encaixam perfeitamente na sociedade que eu tenho estima, não aqueles que precisam de andar para aí a mostrar o que são e a fazer no meio da rua o que devia estar destinado a ser feito na privacidade do lar. Não estou minimamente contra o que está a ser feito com os PTP e os seguidores deste desporto devem-se lembrar que eles já foram candidatos ao título de duplas diversas vezes, daí isso de dizerem que só agora é que têm legitimidade à conta disto estar errado. O Mister No Gays Off (perdão… No Days Off!) tem direito a, neste momento, se encontrar no mid card. Quando seguir sozinho, duvido que se aguente aí, mas por mais algum tempo dediquemos alguma atenção a estes “diamantes”. Quero dizer só que no circuito independente ele utilizava o Running Powerslam como finishing move, na WWE mudou para o HeatWave (Full Nelson FlapJack) e como constituinte da equipa com Titus passou a usar um movimento de finalização mais comum – Gut Buster. Alguns dos movimentos secundários são o Belly to Belly Suplex e o Northern Lights Suplex.

Antes de me despedir, quero pedir desculpa pela extensão do artigo, eu acabei por falar de algumas coisas que não estavam previstas e tornou o texto ligeiramente maior que o esperado. Agora sim, deixo a leitura para vocês, desejando uma boa semana!

Sobre o Autor

- Escritor do artigo “The People’s Elbow”. Nascido a 25/2/90 na margem Sul, fã desta modalidade desde 2009.

8 Comentários

  1. MicaelDuarte - há 3 anos

    Bom artigo, Miguel. Apesar de acompanhar os teus artigos, mas nem sempre ter comentado, não sei como de vez em quando não tens mais comentários, mas pronto…maus os teus artigos não são.

    Gostei que relembrasses certos pormenores desta equipa sobre os quais já não me recordava.

    Quanto ao Titus O’Neill, acho-o relativamente bom em ringue e adoro o seu típico “Hura! Hura! Hura!”. Aliás, raramente o público fica indiferente quando O’Neill grita isto. Confesso que ainda tenho alguma dificuldade em imaginá-lo no “mid-card” como Campeão dos Estados Unidos ou Campeão Intercontinental, mas talvez tenha competência para isso, até porque já não vai para novo e não me parece que o futuro passe por separar os PTP. Já em relação ao Darren Young, acho que é impossível negar a sua evolução desde o NXT, até porque, segundo o meu ponto de vista, ele não dava uma para a caixa. Hoje, desenrasca-se muito melhor em ringue, sendo que apenas lhe falta uma “catch-phrase” que puxe pelo público.

    Eu gosto deles como equipa e acho que resultam muito melhor como “faces”. Resta ver onde irão parar, mas acho que têm hipóteses de um dia se tornarem Campeões. Também acho que ninguém deve receber “pushes” por assumir a sua orientação sexual, mas acredito que se foi isso que aconteceu, foi apenas para a companhia mostrar que não lhe interessa (pelo menos, na teoria) a sexualidade dos seus empregados.

    Relativamente ao teu ponto sobre a homossexualidade: não estás de acordo com este comportamente sexual? Se fosses homossexual, irias comportar-te como heterossexual e fingires uma vida que não é o teu verdadeiro “eu”? Ou seja, tu sabendo que eras homossexual irias continuar a engatar gajas só para que o teu comportamente fosse mais aceitável pelos outros? (Quando falo em “comportamente”, falo daquilo que cada um faz entre as quatro paredes.) Porque razão deverias ser informado se ele está na cama com um homem? Por acaso alguém quer saber com quem estás na tua cama? xD Numa coisa estou de acordo contigo, existem alguns que gostam de dar nas vistas e quase que têm na testa “Por favor! Olhem para mim!”, mas não é por serem homossexuais, é porque serem mesmo estúpidos. O facto de não estares contra nem a favor, pressupõe que a situação actual em que os homossexuais se encontram (perante a lei) é justa para ti, mas nisso estou longe de estar de acordo contigo, porque se não concordo que as pessoas sejam beneficiadas pela sua orientação sexual, também não concordo que lhes sejam retirados direitos que todos os outros seres humanos têm (e não me refiro a direitos dos homossexuais, porque isso é simplesmente uma fantochada que não existe, porque o que existe são direitos humanos e devem ser para todos). Mas como vivemos num Mundo de extrema hipocrisia…

    Esta semana és capaz de teres mais comentários, ou não fosse este tema “polémico” para algumas pessoas xD

    • rocha - há 3 anos

      Eu não me quis alongar nesse ponto da homossexualidade porque sabia que ia dar barraca, copio aqui umas linhas do texto em que penso não ter dito nada de mal e de seguida explico o meu raciocínio:

      Eu não sou apoiante nem a favor dos gays, respeito-os enquanto pessoas e posso não estar de acordo com o seu comportamento sexual, mas cada um sabe de si e do seu corpo. A única diferença é que ele quando está na cama está com um homem e não com uma mulher, sou capaz de aceitar, desde que não seja informado! Não reparei em nenhuma alteração de comportamento do Young, ele é uma pessoa como as outras, e é desses homossexuais que se encaixam perfeitamente na sociedade que eu tenho estima, não aqueles que precisam de andar para aí a mostrar o que são e a fazer no meio da rua o que devia estar destinado a ser feito na privacidade do lar.

      O comportamento sexual dos homossexuais terá de ser forçosamente penetração anal e sexo oral, não estou de acordo mas sei que tem de ser assim, já que quem se relaciona possui o mesmo sexo. Quero dizer apenas que me faz confusão dois homens terem esse tipo de relações sexuais, bem como duas lésbicas também encontrarão um método alternativo para retirar prazer uma da outra. Para mim, o normal é um homem procriar com uma mulher, não nego que haja amor entre duas pessoas do mesmo género (os filósofos gregos amavam-se uns aos outros mas tinham contacto carnal com as mulheres, e eu sou um bocado apologista disto).

      Olha, isso que tu dizes de eu fingir ser heterossexual caso fosse homo era muito possível de acontecer, eu próprio o afirmo várias vezes em conversas destas, porque não me estou a imaginar contente por ter essa diferença ou partilhar o orgulho gay.

      Não é tanto o comportamento aceitável pelos outros, era mais esconder a vergonha de ser homossexual, e sim, talvez continuasse a engatar gajas.

      Quando eu escrevi essa parte do ser informado não era bem no sentido da palavra, é do tipo saber que ele sendo homossexual deitar-se-à com homens, mas não querer que essa imagem me passe pela cabeça. Eu posso gostar dele na sua profissão e não querer de todo conhecer ou saber da sua vida intima, é assim que eu sou fã de artistas como António Variações, Freddie Mercury, Ary dos Santos e João Vilaret, traçando os limites que quero explorar das suas biografias. Eu quero ter acesso à obra destes todos, entre outros, mas não necessito de recorrer a fotos ou qualquer outro tipo de arquivo que denuncie as suas preferências. Tenho-lhes respeito mas não quero ir por aí…

      Não, ninguém quer saber com quem estou eu na cama!

      Posso ser acusado de ser antiquado e digo abertamente que sou contra certas coisas como o travestismo e a mudança de sexo. Se alguém do sexo masculino gosta de outro igual, mas comporta-se como um homem na sociedade, apenas tendo uma opção sexual diferente na sua cama, tudo bem, não dá nas vistas, é recatado etc e eu respeito sem problemas. Se for um Castelo Branco, que se exibe por gostar do que nós sabemos e anda para aí a propagar ao mundo, eu não posso aceitar. Costumo dizer que há os benfiquistas e os lampiões, os sportinguistas e os lagartos e os portistas e os tripeiros. Aqui, diferencio os homossexuais dos paneleiros.

      Desculpa lá qualquer cena com a linguagem, mas somos todos crescidos. Só falei um pouco disto no artigo pelos motivos óbvios, não é coisa que eu goste de debater, muito menos no espaço em que estamos. Vou deixar só mais umas frases para releres e que mostram que não disse nada de mal, pelo contrário, se ele é como é deixá-lo ser, não tenho nada a ver com isso:

      A mim pouco importa o que ele faz na sua casa ou noutro lado qualquer, eu quero saber é o que ele executa no ringue.
      …ele tem uma orientação sexual diferente, o que não me incomoda, choca ou espanta.

      • danielLP21 - há 3 anos

        Excelente comentário. Só não concordo contigo na parte de “engatar gajas” sendo homossexual. Isso é ridículo e nojento. Se gostam de homens, estão com homens. Ponto final.

        De resto, concordo. Ainda no outro dia, no metro, vi dois homens a beijarem-se e não gostei do que vi. “Ah e tal, só viste porque quiseste”. Não, vi porque foi exactamente na minha direcção. Não gostei do que vi e não sou obrigado a gostar, tal como os outros não são obrigados a desgostar.

        Gostei da analogia entre paneleiros e homossexuais. É exactamente isso que eu penso. Um homossexual não precisa de ser maricas. Olhem para o Diogo Infante: acabou de se casar com o seu empresário, mas é 100% discreto. Não anda aí a meter nojo. Não é Castelo Branco? Não é Goucha? Pois, bem me parecia.

      • MicaelDuarte - há 3 anos

        Primeiro, deixa-me dizer-te que não te estava a atacar directamente, nem quis arranjar uma “barraca” sobre este tema. Não tens que pedir desculpa pela linguagem, uma vez que somos crescidos e falamos como crescidos. Só arranja “barraca” quem não tem dois dedos de testa para pensar um bocadinho e não sabe falar como deve de ser.

        Quando fiz o meu comentário, tentei não entrar com expressões como “penetração anal” para não ferir algum coitadinho que viesse aqui e ficasse chocado por se falar em tal coisa, mas como (quase) toda a gente sabe o que é…Existem homens que gostariam de pedir às namoradas/mulheres para experimentarem sexo anal, mas muitos deles têm vergonha de o fazer porque acham que a sua mulher irá achar isso uma tendência homossexual quando, na verdade, nada tem a ver. Com isto, não estou a dizer que o sexo anal não é a forma como os homossexuais têm relações sexuais, porque é claro que é dessa forma.

        “Olha, isso que tu dizes de eu fingir ser heterossexual caso fosse homo era muito possível de acontecer, eu próprio o afirmo várias vezes em conversas destas, porque não me estou a imaginar contente por ter essa diferença ou partilhar o orgulho gay.” – Primeiro, deixa-me que te diga que a “tua” sexualidade não é uma opção, ou, por ventura, escolheste ser heterossexual? Sei que esta pergunta soa a cliché, mas é a mais pura das verdades. É a natureza de cada um e cabe a essa pessoa lidar com a sua. Não te estás a imaginar contente com essa tua característica porque isso é algo que se critica e que muitas pessoas não vêem como “certo”. Além disso, a tua natureza não é essa e pôr-nos na pele dos outros nem sempre é fácil. Se, no quotidiano, a homossexualidade fosse visto como outra sexualidade qualquer, tu nem perdias tempo a pensar se isso te deixava contente ou não, nem terias vergonha dessa tua característica. É a tua natureza. Ponto. Essa expressão do “orgulho gay” agora está na moda, mas não existe nada mais ridículo do que isso. Por acaso, algum heterossexual anda a dizer que tem orgulho em ser heterossexual? Por isso mesmo, é ridículo (isto não foi uma critica ao facto de teres usado a expressão, mas sim uma critica à expressão em si que não faz qualquer sentido).

        Confesso que o travestismo me mete alguma confusão e não percebo muito bem disso, mas quanto à mudança de sexo, não sou contra. Acho que passa um pouco por me tentar pôr na pele de quem, sendo um homem psicologicamente, se vê num corpo de mulher que não lhe diz absolutamente nada, ou vice-versa. Contudo, percebo alguma confusão que se crie quanto à mudança de sexo.

        “Se alguém do sexo masculino gosta de outro igual, mas comporta-se como um homem na sociedade, apenas tendo uma opção sexual diferente na sua cama, tudo bem, não dá nas vistas, é recatado etc e eu respeito sem problemas” – eles têm que ser recatados como qualquer outra pessoa pode ser, não é agora porque são homossexuais que têm que se conter mais do que os outros. Aliás, conheço algumas almas que criticam os homossexuais quando estes dão um simples beijo, mas quando vêem um homem e uma mulher a comerem-se no meio da rua já não têm boca para criticar…

        Quanto à tua comparação entre homossexuais e paneleiros, estou de acordo. Por exemplo, eu tenho um amigo que é bissexual, mas comporta-se como outra pessoa qualquer, ou seja, sabe estar. Depois existem outros que quanto mais provocam quem está à sua volta, melhor. E isso sim, não acho que esteja correcto. Afinal, lutam pela igualdade e depois têm comportamentos desses para com os outros?…

        Repito: a minha intenção não foi criar aqui uma mega discussão acerca deste tema, mas já que tentaste expôr melhor o teu ponto de vista, resolvi fazer o mesmo.

      • rocha - há 3 anos

        “Primeiro, deixa-me dizer-te que não te estava a atacar directamente, nem quis arranjar uma “barraca” sobre este tema.” – Eu percebi perfeitamente, não pensei em tal coisa sequer.

        “Primeiro, deixa-me que te diga que a tua sexualidade não é uma opção, ou, porventura, escolheste ser heterossexual?” – Não, não escolhi. Quando era mais miúdo pensava mais que fosse uma escolha ou que eles não se esforçassem por gostar de raparigas, mas com o passar do tempo cada vez mais suporto essa tese de nascença.

        “Por acaso, algum heterossexual anda a dizer que tem orgulho em ser heterossexual?” Aí está, estou totalmente de acordo, podem expressar os seus gostos de outra maneira sem ser nas Parades, onde, para quem pede maior abertura da parte dos outros para que os aceitem, estão se a reunir e a impedir a interacção dos demais. Se é Gay Parade, só estarão lá gays!

        Não é questão de terem de se conter, estamos num país livre. O teu ponto de vista está certo, se vemos tanto “amor” entre homem e mulher por onde quer que passemos, porque havemos de criticar se forem duas pessoas do mesmo género? Um homossexual mostra o quanto gosta do seu parceiro tal como um hetero com a sua mulher. Eles vão para a casa de banho como um casal hetero, fazem-no no carro, na praia, inflamam a relação como em qualquer namoro, só que faz-nos muito mais impressão. Se for o homem com a mulher, até ficamos a ver e provoca erotismo e excitação, se for dois do mesmo sexo dá nojo e repugnância. Eu cheguei a ver na minha faculdade dois homossexuais de mão dada e uns colegas meus deram com eles enrolados numa cabine telefónica. A minha reacção: “Ainda bem que não fui eu a catá-los!” Esses mesmos colegas também viram uns namorados (rapaz e rapariga) a terem sexo em plena luz do dia na faculdade. A minha resposta: Quem dera ter sido eu a encontrá-los! Isto, como vês, vai muito pela educação e influência cultural.

        “Afinal, lutam pela igualdade e depois têm comportamentos desses para com os outros?…” Exacto, é precisamente isso.

        “Repito: a minha intenção não foi criar aqui uma mega discussão acerca deste tema, mas já que tentaste expor melhor o teu ponto de vista, resolvi fazer o mesmo.” E fizeste tu muito bem, está sempre à vontade comigo para discutir ou debater no meu artigo. Eu quis desenvolver mais para me explicar, sei que posso melhorar a minha opinião sobre isto tudo, mas por enquanto são estes os progressos, já fui bem pior! Uma pessoa vai crescendo e aprendendo e estas trocas de ideias servem bastante para o desenvolvimento.

  2. Coisa - há 3 anos

    O Titus dava um grande superstar com uma gimmick muito mais séria

  3. Sergio Fantastico - há 3 anos

    A atual fase dos PTP e claramente por causa do Young ter se ”assumido’ homossexual. Mas eu sou grande fã da dupla desde a época do AW se o AW não fosse BURRO e não tivesse feito a piada a dupla desde o ano passado seria grande na classe tag team da WWE de certeza.
    Bom artigo.

  4. MR Perfection André Santos - há 3 anos

    Bom Artigo Miguel!

    Gosto dos PTP, muito bons em ringue dos dois gosto mais do Young.
    Acredito que a vez dele chegará com um reinado de campeões por equipas mas se a união deles durar, porque parece-me que neste momento estão com menos destaque que outras equipas.

    Excelente retrospectiva individual de cada um dos membros! E não ficou um texto longo…:)

Comentar

Login com Facebook

Editar avatar »

Notificações por email:

Wrestling.PT © 2006-2016 / Política de Privacidade / Disclaimer / Sobre Nós / Contactos / RSS Feed / Desenvolvido por Luís Salvador