Existem 2 vagas na Equipa do Wrestling PT para publicar notícias. Candidata-te!

The People’s Elbow #45 – Ladrão que Rouba Ladrão…

Bem-vindos a mais uma edição do vosso artigo de Segunda-Feira! Hoje será a divisão de Tag Team a protagonista do artigo, mais especificamente as trocas do título que têm ocorrido nos últimos meses.

Cody e Goldust cumpriram o desejo de trabalhar juntos e podem ver adiada a separação da equipa e um embate em plena Mania; os foras-da-lei mais fixes de sempre vieram ajudar a melhorar a secção e entregaram o ouro a dois irmãos que o vinham merecendo.

É neste cenário que vou descrever o que me parece ter acontecido de bom e mau de volta destas três duplas e projectar o que virá agora que os Usos detêm o cinturão.

A 2 de Setembro do ano passado, Cody foi forçado a pôr o seu emprego em risco quando enfrentou o campeão Randy Orton, como castigo por ter desafiado a autoridade tirana do COO Assassino Cerebral.

Perdeu e foi despedido em storyline, para que na realidade casasse e fosse de férias com a esposa. Jogos psicológicos começaram a surgir entre os McMahon e os Rhodes, com o seu irmão Dustin (Goldust) a enfrentar a Víbora pela sua recontratação e o pai a tentar convencer Stephanie a devolver-lhe o emprego

Então, a filha do patrão e o seu marido propuseram-se a aceitar a readmissão não só de Cody como de Dustin se estes conseguissem vencer Roman Reigns e Seth Rollins.

Se perdesse, seriam banidos definitivamente e o seu pai seria despedido da função de treinador. A 6 de Outubro, receberiam os seus lugares de volta ao vencer os Tag Team Champions.

A primeira injustiça cometida pela Corporação não surtiu efeito prolongado, apesar do sofrimento provocado no seio duma família ligada a este desporto.

Foi utilizado o casamento de Cody como manobra de diversão e exercício de poder, já que a Autoridade pôde manusear a seu favor o clima que se instalaria num casal sem dinheiro.

Esta curta história evidenciou os laços e apontou a direcção que Steph e Hunter queriam tomar, favorecendo Orton como um obstáculo intransponível, não sendo por ele que os irmãos recuperaram o seu posto. Saía fortificada a faceta vilã de todos, até porque o volte-face gerado não os prejudicou.

A 14 de Outubro, saíram vitoriosos novamente e com a captura dos títulos, retendo no Hell in a Cell contra os Hounds of Justice e os Usos. A 22 de Novembro, mais uma defesa bem sucedida contra os Real Americans, repetida no TLC numa Fatal 4 Way contra esses, Rybaxel e Big Show e Rey Mysterio.

A primeira vitória de 2014 viria ao derrotarem a Wyatt Family. A 6 de Janeiro, venceriam de novo os Real Americans, até que perderam duas vezes contra os regressados “Bandidos da Nova Era”, a 17 de Janeiro e no Royal Rumble, ficando sem os títulos e não os conseguindo reaver numa Steel Cage.

Pensei que no momento em que ficassem sem os títulos se iniciariam divergências. Nada disso sucedeu, nem quando o “maquilhado” eliminou acidentalmente o mano no Royal Rumble deste ano.

Ele podia ter sido confrontado por Cody, ao que responderia que ele lhe fizera o mesmo a 26 de Janeiro do ano passado (altura em que se cogitou a feud, impossibilitada pelo acordo para o regresso duma noite, tal como confirmado por ele em entrevista).

Com isto, era só escolher qual alterava a postura e começar a preparar o conflito na Mania. Razões para os dois lados não faltam: Cody podia queixar-se de andar a perder tempo com um aposentado, Dustin podia revelar ter estado à espera de suplantar o seu irmão e resgatar a fama que tivera na Atitude Era.

Factos verídicos como a relação tempestuosa do mais velho com o pai, colocando-o do lado do mais novo e uma vez mais ignorando-o, ou a notória queda para ser Cody a sofrer o Pin nas derrotas que tiveram podem ser incluídas a qualquer hora neste guião.

Falando nisso, não pude deixar de reparar quem em certas circunstâncias não era protegido quem devia sê-lo e era destacado quem voltara supostamente para valorizar o futuro.

Não sendo exagerado ou propositado, esse detalhe pode manchar o objectivo da volta de Goldust. Não posso ser ingénuo ao ponto de não observar que este aproveitou a boleia do irmão para pisar trilhos há muito perdidos. A 11 de Julho de 2011, começara a trabalhar nos bastidores como produtor e partiria a 6 de Maio de 2012, logo, esta era a ocasião para voltar a competir ao mais alto nível.

Surpreendentemente para quem o vira como jobber, o retorno deu-se numa forma física aplaudível, aos 44 anos, realizando exibições de encher o olho, misturando a sua técnica conhecida com um formato moderno e apropriado para a actualidade.

Não sei se ele decidirá reformar-se contra o seu irmão, só quero que esse combate aconteça. Para o tornar mais pessoal, ele devia abandonar as pinturas, principalmente se for o face, algo que devia ter feito em algumas situações no seu reaparecimento contra os Shield e Autoridade.

Os NAO começaram a marcar presenças avulsas em 2012 para uma reunião duma noite dos DX, na Raw 1000, depois do seu final no No Way Out 2000 e da rescisão do contrato de Road Dog em 2001 por adição a drogas e de Bill em 2004.

A 26 de Dezembro, reuniram-se para enfrentar os Rhodes Scholars num house show e a 4 de Março do ano seguinte derrotaram Primo e Épico em TV.

A 6 de Janeiro de 2014, estiveram no canto de Punk durante o seu combate com Roman Reigns. 4 dias mais tarde, acompanharam-no num Six Man Tag Team Match contra os Shield.

Abandoná-lo-iam numa desforra, tornando-se heel. A associação subtil ao Game e a participação na rivalidade que estava para nascer deste contra o Straight Edge ajudam a explicar essa mudança.

Contudo, eles sabiam ao que vinham e essa alteração não teve tanto impacto por não ser duradoura e ter os planos definidos. Não consigo prolongar a sua estadia para além dos parâmetros que vieram colmatar.

Eles estão deslocados e interceptados com algo que não existe há anos: D-Generation X. A nostalgia mata qualquer hipótese de reinício, as pessoas querem ouvir aquela maneira radical de pronunciar as palavras e torcer por eles. Se não fosse assim, eles teriam deixado essa frase-feita habitual antes das lutas quando pararam de ser faces, pois um vilão quer é ser odiado e eles mantiveram a receptividade do público com essa promo de apresentação que pede manifestação exterior.

Derrotariam os Tag Team Champions Brotherhood e, a 20 de Janeiro, foi anunciado que os desafiavam pelo Tag Team Championship no Royal Rumble, onde se tornariam campeões pela sexta vez na sua carreira.

Retiveram numa desforra dentro duma Steel Cage e na Elimination Chamber contra os Usos, a quem cederiam os cintos pouco depois. Era isso que estava escrito quando se converteram em “bad guys” e retiraram os títulos duma equipa face pronta a desmoronar-se.

A sucessão lógica seria a entrega aos Usos e isso cumpriu-se para nossa satisfação. Quando muitos voltam com a expectativa de ajudar os novos talentos e depois saem de lá com os bolsos cheios e com horários benéficos entre outros proveitos, há que agradecer a estes senhores terem-se sujeitado ao que é “best for business”. Nunca sendo uma equipa aclamada pela multidão, construíram uma base fiel de seguidores, algo semelhante àquelas bandas de culto underground.

Jesse James vai envelhecendo com aquele visual de quem está aí para as curvas e o Bad Ass mostra de onde veio o cabelo loiro escorrido e o Leg Drop Bulldog do Dolph Ziggler.

A busca pelo Tag Team Championship da parte dos Usos intensificou-se a 24 de Junho do ano transacto, quando receberam uma luta pelo título dos Shield no Money in the Bank, com quem começaram a feudar.

O desafio não foi bem sucedido, todavia, tornar-se-iam Number One Contenders frequentemente, falhando a vitória no Hell in a Cell. Em 2014, começariam uma breve feud com a Wyatt Family, começando a exigir uma Tag Team Championship Match aos NAO devido aos bons resultados alcançados.

A title shot surgiria sem sucesso na Elimination Chamber, cenário alterado pouco depois. Defenderiam os títulos contra os Los Matadores, no Main Event.

Desejo que durante este reinado comprovem as qualidades e a evolução que tiveram até terem adquirido a credibilidade que ostentam nos dias de hoje.

O mais sensato seria a posse do cinturão até ao Verão, no mínimo, sucedendo-lhes depois a Wyatt Family. Eles estão mais que preparados para continuar a mostrar valor com esse peso aos ombros e a impor-se cada vez mais como uma solução válida. Conseguem ter carisma suficiente através da sua entrada e das habilidades expostas no ringue, portanto é prosseguir!

Visualizo uma situação positiva para a divisão de duplas, na qual as três aqui referidas terão papel essencial. Fica por aqui o artigo desta semana, debatam na caixa de comentários!

Sobre o Autor

- Escritor do artigo “The People’s Elbow”. Nascido a 25/2/90 na margem Sul, fã desta modalidade desde 2009.

7 Comentários

  1. Guest - há 3 anos

    Já te vi fazer mwlhoe

  2. joaop - há 3 anos

    Já te vi fazer melhor. Ainda assim, foi uma boa analise.

  3. 434 Days - há 3 anos

    Bom artigo. Em relação a cada uma das duplas, acho que os Rhodes neste momento estão um pouco perdidos no roster, pois nesta altura imaginaria-se um confronto entre ambos para o ‘Mania. Os NAO são um bom exemplo da nostalgia do Attitude Era e gostei muito o facto de terem perdido os titulos para os Usos, que já vinham merecido há muito tempo. Acho que a divisão Tag Team só tém é margem para progredir e espero que os campeões atualmente sejam os lideres disso mesmo.

  4. Afonso.A.Q17 - há 3 anos

    Bom artigo, mas não tão bom como os outros que fizeste.

  5. Brunoag852 - há 3 anos

    Nao foi mau o artigo!!! mas poduia ter sido melhor!!

  6. Rolls Reus - há 3 anos

    entendo que nem sp e facil trazer um artigo de excelente qualidade, nao e que esteja u=mau, mas nao como outros, mas continua, foi um de menor qualidade no meio de 45!

  7. Bad News Barrett - há 3 anos

    Eu acho que inicialmente o trabalho do Cody Rhodes e do Goldust foi extremamente valorizado com vitorias importantes contra equipas importantes e esperava muito sinceramente que o guião de grandes reinados após hell no e The Shield iria continuar. Infelizmente isso nao se verificou. Ao inicio eles eram valorizados como deveriam e para além de grandes combates obtinham também grandes vitorias. Mas vasse la saber porquê a WWE nao tinha intenção de lhes dar o valor que dei a Bryan e Kane e aos The Shield e o seu reinado começou a tornar-se muito menos importante. Se pelo menos isso significasse que ambos iriam ter o tal combate na wrestlemania que iria dar um push ao Cody Rhodes mas isso é algo que é quase certo nao acontecer!! Nem sequer discuto o enorme talento dos Hell No e dos The Shield pois é um facto inegavel que todos eles possuem uma qualidade unica e sao dos melhores do roster actual. Só lamento a wwe nao ter seguido o mesmo caminho com estes dois irmãos extremamente talentosos. Nao digo que Goldust pudesse fazer com Cody o que Kane fez com Bryan mas pelo menos poderia ajudar a tornar o irmão alguem querido para o publico e apoiado e actualmente o publico é praticamente indiferente à dupla face ao booking que a wwe lhes tem preparado e que pelo menos a mim me da e enteder que nao querem que eles sejam valorizados!!

Comentar

Login com Facebook

Editar avatar »

Notificações por email:

Wrestling.PT © 2006-2016 / Política de Privacidade / Disclaimer / Sobre Nós / Contactos / RSS Feed / Desenvolvido por Luís Salvador