The People’s Elbow #59 – 619 ou 112?

Bons dias, cá estou eu para vos trazer mais uma edição deste vosso espaço de abertura da semana!

Como puderam reparar pelo título, é sobre Rey Mysterio que irei falar neste artigo.

O “619”, que continua lesionado e não se sabe quando irá regressar, teve a sua reforma adiada por Vince, que quer o seu contrato renovado por mais um ano.

Será esta a decisão mais acertada para o atleta e para a empresa? É no âmbito de descodificar isto que irei buscar os últimos 5 anos da sua vida profissional e tentar perceber se vale a pena continuar.

Rey Mysterio participou na luta Royal Rumble 2009, entrando em primeiro e durando 49 minutos e 24 segundos até ser eliminado, qualificando-se para a Elimination Chamber pelo World Heavyweight Championship na noite seguinte, tendo o seu intuito interrompido pelo Edge. Acabou por aceitar o desafio de JBL pelo Intercontinental Championship na WrestleMania XXV, vencido em 21 segundos.

Ao ser superado pelo Derradeiro Oportunista quanto ao Título Mundial dos Pesos Pesados, foi “obrigado” a fazer o favor de tirar o cinto secundário a John Layfield.

Isto porque o actual comentador estava insuportavelmente dorido e iria-se retirar devido a essas queixas que o impediram de realizar uma última exibição ao nível habitual.

Os segundos mais miseráveis do vigésimo quinto aniversário do maior evento anual foram o sacrifício dum homem quase incapaz de andar. O mexicano mascarado fez o que lhe competia e deu “uma lição ao malvado”.

Durante o Draft, foi movido para a brand azul, tornando o título Intercontinental exclusivo dessa marca pela primeira vez desde 2002.

Então, começou uma extensa feud contra Chris Jericho, defendendo o título no Judgement Day. No Extreme Rules, Y2J desmascarou-o para obter a oportunidade, enquanto o “619” se esforçava para tapar a cara.

O pormenor da máscara tornou-se um obstáculo e uma preocupação para Rey, abrindo mão de tentar contra-atacar o pin e perdendo para que não ficasse com a face a descoberto.

Sucede que, na lucha libre, é uma desonra um luchador ver-lhe retirada a máscara e sabe-se que Rey é dos que maior aproveitamento retira da sua indumentária e da curiosidade que suscita vê-lo à civil, algo que não ocorre nunca quando está a trabalhar ou numa qualquer entrevista ou cerimónia conjecturada pela empresa.

Aqui não pode entrar em confronto ser mais importante permanecer com o cinto ou com a cara tapada, tal acto era exigido pela personagem e pelo desenvolvimento que ela sempre teve.

Chris Jericho ficava com a faca e o queijo na mão, tornando-se imprevisível qualquer manifestação física sua, tanto podendo querer castigar corporalmente o adversário como utilizar jogos mentais ao tentar a humilhação mor da luta livre mexicana.

Isto conduzia quase a que se tivesse pena dele, algo convertido em apoio e em fúria para cada um dos intervenientes derivado da fabulosa performance dos dois.

Como resultado, foi marcado um combate Máscara versus Título para o The Bash, no qual recuperaria ao ser mais inteligente: prevendo o golpe sujo do oponente, levou uma segunda máscara por baixo da outra!

Homem prevenido vale por dois e, desta forma, se concluía a rivalidade em que o orgulho mais esteve envolvido no novo século.

Depois disto, meteu-se numa feud contra Dolph Ziggler, derrotando-o no Night of Champions e SummerSlam.

Entendo que se queira ter dado uma storyline “de avanço” ao pequeno-grande atleta a seguir a toda a sua personalidade e convicção ter sido ameaçada, mas julgo que seria sensato o “exibicionista” ter saído vitorioso. Fica o conforto de ter sido evidenciado todo o talento do loiro e o seu à vontade perante o mexicano voador na sua à data curta incursão a solo na organização.

A 2 de Agosto, foi anunciado que seria suspenso por 30 dias por violar a Wellness Policy. Numa entrevista, declarou a razão da suspensão uma droga (ou remédio) que tomou para tratar os joelhos.

Afirmou ainda ter uma prescrição e que apenas não a apresentou a tempo devido a estar de férias. Desta maneira, perdeu o Intercontinental Championship para John Morrison.

Retornou no Hell in a Cell ao lado de Batista para enfrentar os JeriShow pelos Unified Tag Team Championships, falhando o objectivo.

Pouco depois, foi incapaz de vencer o World Heavyweight Championship numa Fatal 4 Way envolvendo Batista, CM Punk e o campeão Undertaker.

Durante o combate, parou o pin do amigo, custando-lhe o combate, o que foi suficiente para que ele se tornasse heel e o atacasse no final.

Defrontar-se-iam no Survivor Series, onde perdeu, repetindo o resultado numa Street Fight a 11 de Dezembro. Mais tarde, derrotá-lo-ia para ser nomeado Number One Contender ao World Heavyweight Championship, num combate acabado em No Contest por interferência do Animal.

A 1 de Janeiro de 2010, derrotou o seu rival Chris Jericho no torneio Beat the Clock de acesso ao World Heavyweight Championship no Royal Rumble e, interferindo na luta de Batista, impediu-o de bater o cronómetro. Isto levou a ser decidido qual dos dois seria Number One Contender, seguida da interferência do Dead Man.

Por esse motivo, a desforra seria numa Steel Cage, onde Rey Mysterio derrotou o antigo comparsa, falhando no Royal Rumble.

Gostei quando provocou a mudança para vilão do então “Animal amestrado”, que reagiu violentamente a uma suposta traição numa luta em que era cada um por si e amigos amigos, negócios à parte.

Graças a isso, foi fácil discernir que Batista queria tudo à sua maneira e não perdoava que os colegas mais próximos lhe dificultassem o caminho para o sucesso.

Ficou provado que nunca tomara o pequenote como uma ameaça, mas alguém que estaria ali para o ajudar e não se meter onde não era chamado e, ainda que o fosse, ficaria quieto no seu canto.

A alteração na postura do Batista proporcionou-lhe a expulsão de energias negativas libertadas no corpo de Rey através de duas vitórias onde o deixou muito mal tratado, mas não teve o mesmo efeito quando o título se colocou à frente, sendo o “underdog” a cartada principal.

Não desvalorizando o trabalho conquistado, foi-se pondo umas interferências para tornar tudo mais interessante, até que um Batista 100% confiante e desmerecedor da capacidade atlética do antigo amigo preferiu manter-se na jaula quando tinha a porta aberta para sair, sendo previsivelmente surpreendido.

Deixa um amargo de boca ver uma derrota por bazófia, ainda mais quando a única alternativa para isso numa Steel Cage é recusar sair pela porta aberta.

Qualquer outro heel não deixaria escapar essa chance, mas Batista não saiu do colapso nervoso de exercer pressão física sobre o traidor, quando isso deveria ter sido posto de lado mal o ouro começasse a cintilar.

Rey tinha sido espancado duas vezes antes, agora era a altura de conseguir mais qualquer coisa e esquecer remorsos. Afinal, não era ele que importava?

De seguida, qualificou-se para a Câmara da Eliminação pelo World Heavyweight Championship, sendo eliminado por John Morrison.

Iniciou uma feud contra a Straight Edge Society. Durante a celebração do nono aniversário da filha, CM Punk desafiou-o para um combate na Mania 26, o que seria aceite.

A estipulação adicionada pelo líder da stable seria a entrada de Rey em caso de derrota, o que não se concretizaria. Outro combate foi agendado para o Extreme Rules, com a estipulação de que se o mexicano ganhasse, o adversário teria de rapar o cabelo, o que viria a suceder no Over the Limit.

A interrupção da festa de aniversário terá sido o maior momento de Punk dentro da SES por tudo o que se passou, desde o cantar de parabéns mais aterrador da História à ambição de embaraço dum ser-humano diante da família, que se portou lindamente no segmento.

Desta vez, seria ele (Rey) a poder centrar-se no ponto fraco do oponente e naquilo que o distinguia dos demais parceiros de facção.

A hipocrisia ou descaramento de rapar cabelo a homens e mulheres carentes e manter o seu grande e volumoso encheu-o de apupos pelas arenas.

Não parecia justo e tratou-se disso, ainda que o penteado se tenha conservado por um PPV.

Na Quadrilha Fatal pelo World Heavyweight Championship, o “Fenómeno” sofreu uma lesão e foi introduzida uma storyline para explicar a sua ausência televisiva, na qual fora encontrado em estado vegetativo.

A 4 de Junho, começaria a caminhada para a conquista do título, defendendo-o no Money in the Bank, porém, foi vítima da cobrança da mala do Kane.

Mesmo assim, continuou como Number One Contender, recebendo uma “title match” no SummerSlam, de onde sairia derrotado.

A 20 de Agosto, perdeu por submissão para o estreante Alberto del Rio, iniciando uma feud entre os dois, culminando a 7 de Janeiro de 2011, com o aristocrata a levar de vencida.

A 21 de Janeiro, durante combate contra Cody Rhodes, partiu-lhe o nariz com o 619, desencadeando uma feud, resultando no regresso do seu maior receio: a retirada da máscara.

Na Mania 27, Cody Rhodes levou a melhor, tendo Rey direito a desforra vitoriosa no Extreme Rules, numa Falls Count Anywhere, para encerramento da feud.

A rivalidade contra Alberto del Rio foi violenta e teve como base quem seria o grande herói nacional. Tanto nessa como contra Cody, o baixote saiu por baixo na maioria dos acontecimentos, elevando um recém-contratado e um antigo membro da Legacy.

Até o acto involuntário do 619 falhado muito fez pelo Cody, conseguindo reinventar-se para alguém com tão pouca experiência e tão tenra idade.

A derrota na Mania trouxe uma valorização desmesurada ao filho do American Dream, sendo o seu primeiro grande feito a solo e o de maior prestígio individual.

No Draft 2011, foi transferido para a Raw, perdendo uma Ameaça Tripla para determinar o Number One Contender ao WWE Championship e sendo atacado por R-Truth.

Isto levou a um combate entre os dois no Over the Limit, ganho pelo “Lie Detector”. A partir de Maio, voltou à feud com CM Punk, obtendo vitórias consecutivas e algumas derrotas nos episódios da brand vermelha. A feud culminou no Capitol Punishment, a 19 de Junho, com Punk emergindo vitorioso.

Participou no torneio pelo vago cinturão máximo da companhia, vencendo-o e perdendo-o na mesma noite para John Cena, a 26 de Julho, recebendo desforra a 15 de Agosto mas perdendo para o novo campeão Alberto del Rio.

É a partir daqui que se percebe a razão da sua utilização: perder para valorizar estrelas que aparecessem como apostas após remodelação de personagem.

Os minutos de reinado foram um prémio para recompensar todo o esforço e dedicação às novas tarefas.

Em Agosto de 2011, sofreu uma lesão, sendo preparada uma storyline culpando Alberto del Rio. A 26 de Abril de 2012, foi reportado que havia sido suspenso por 60 dias devido à sua segunda violação do programa de protecção de talentos.

Retornou a 16 de Julho de 2012, salvando Zack Ryder do seu rival do México. A 19 de Agosto, no maior evento do Verão, desafiou o Miz pelo Campeonato Intercontinental, sem sucesso.

Durante a luta, sofreu uma concussão, ficando uma semana inactivo. A 16 de Setembro, no Night of Champions, falhou novamente a captura numa Fatal 4 Way envolvendo o Miz, Cody e Sin Cara.

Começou a fazer equipa com Sin Cara para defrontar Primo e Épico e os Prime Time Players, entrando no torneio para determinar os candidatos aos Tag Team Championships, sendo derrotados pelos Rhodes Scholars, a 22 de Outubro.

A 16 de Dezembro, no TLC, perderam para mesma dupla numa luta de mesas pelo lugar de Number One Contenders, sendo colocados de lado numa lesão de storyline num ataque dos Shield.

Isto foi usado para Rey tirar férias e Sin Cara ser submetido a uma operação aos joelhos.

Regressou a 27 de Janeiro no Royal Rumble 2013, derrotando com Sin Cara os Hell No na noite seguinte.

No mês de Março, ausentou-se de novo derivado duma lesão no joelho, explicado em storyline por um ataque do Homem Mais Forte do Mundo.

Voltou no live event de 7 de Outubro e, um mês depois, salvou Punk e Daniel Bryan do ataque dos Wyatt e dos Real Americans, o que levou a um 10 man elimination tag team match no Survivor Series.

No TLC, fez parelha com o Maior Atleta do Mundo para um combate pelos Tag Team Championships contra Cody e Goldust, Rybaxel e Real Americans.

A 26 de Janeiro de 2014, foi o número 30 a entrar no Royal Rumble.

Ao lado do concorrente mascarado, constituiu um par que teve bons desempenhos entre a divisão no main event e mid card.

Resgatou o antigo Místico para uma reconciliação com o público e este rubricou algumas performances agradáveis e sem as falhas do costume.

Serviu como seu tutor e não fosse os desaparecimentos regulares por lesão a coisa podia ter corrido melhor. Chegou a falar-se num conflito para a Mania, mas não se ocasionou.

Acredito que podia sair dali um espectáculo acessível, principalmente com um Sin Cara preparado ao continuar a absorver os ensinamentos do parceiro.

A trigésima entrada que seria destinada a Daniel Bryan foi um duro revés nas coisas boas que ainda ia fazendo, tendo uma péssima recepção no PPV que parecia ter dono e afinal não.

Os tempos recentes não requeriam outra utilização que não uma equipa passageira e umas quantas derrotas a cada aparição.

Óscar Rúbio Gutierrez (nascido a 12 de Dezembro de 1974) foi treinado pelo seu tio, a quem pediu o ring name, aprendendo o estilo High Flyer da Lucha Libre que se tornaria a sua imagem.

Começou a trabalhar pela WWE em 2002, ajudando a reanimar a secção de pesos leves. Foi matéria de diversos DVD, incluindo o documentário sobre a sua carreira e vida pessoal “Rey Mysterio 619”.

Foi produzido também Rey Mysterio: The Biggest Little Man, lançado em 2007 e contando com os seus maiores combates. Nesse ano, saiu o DVD Before They Were Wrestling Stars: Rey Mysterio, relatando o seu percurso no México. A 12 de Julho de 2011, Rey Mysterio: The Life of a Masked Man saiu para o mercado.

Apesar da sua frequência nos nossos ecrãs não ser igual à duns anos atrás por causa dos problemas conhecidos, o seu patrão pretende ou exige até mais um ano como compensação pela temporada parado.

Há a ideia de que ele deve tempo de actuação pela companhia, como se os anos não tivessem passado por ele ou ele apreciasse ter de se afastar pelas dores nos joelhos.

Rey Mysterio é o maior Wrestler High Flyer que passou por qualquer federação do seu país ou dos Sports Entertainment e alguém que se constrói desta maneira não deve nada à indústria ou aos fãs.

Ele e a sua esposa Angie têm dois filhos: Dominic, nascido em 1997, e Aalyah, em 2001, e ele merece vê-los crescer na adolescência e vida adulta.

Aos 39 anos, ele precisa mais de estar lá do que num ringue a saltar para cima de outros homens, não deixando na retina do espectador o brilho de antes, quando usava os seus 1,69 metros e 79 quilos para executar finishing e signature moves como 619, Diving Splash, Springboard Leg Drop e Seated Senton, West Coast Pop (Springboard Hurricanrana), Armbar, Inside Cradle, Bulldog, Bronco Buster, Diving Hurricanrana, Springboard Moonsault, Sunset Flip Powerbomb…

A sua existência neste desporto está registada pelo Wrestling Observer como Best Flying Wrestler (1995-1997 e 2002-2004), Best Maneuver 1995 (West Coast Pop), Match of the Year pelo Tag Team Championship no No Mercy a 20 de Outubro de 2002, Most Outstanding Wrestler 1996…

A sua presença ficará eternamente na memória do amante do entretenimento, do meu ponto de vista, não terá de se sujeitar a mais nada que não a usufruir do lucro destes anos todos.

Foi este o texto de opinião de hoje, deixem o vosso comentário ou o vosso apreço por esta figura ímpar do universo da luta livre.

Para a semana cá vos espero para mais uma dose de cotoveladas!

Sobre o Autor

- Escritor do artigo “The People’s Elbow”. Nascido a 25/2/90 na margem Sul, fã desta modalidade desde 2009.

10 Comentários

  1. CardosoL26 - há 2 anos

    Bom artigo Miguel, obrigado por escreveres sobre o Rey.
    O aposentamento era o mais apropriado, o publico já não vibra tanto como vibrava antigamente com ele, a WWE está muito mudada, este Homem merecia mais no meu ponto de vista dentro da empresa, achei um erro da WWE meter Rey e Sin Cara como equipa, acho que foi mesmo uma palhaçada de equipa. Não à muito a dizer sobre isto o Rey em tantos anos de WWE ganhou apenas 2 títulos Mundiais e 1 título da WWE, falando apenas de títulos principais, olhando para outra estrela mexicana Alberto del Rio, em menos de 2 anos mais ou menos ganhou 2 títulos Mundiais, 2 títulos da WWE, para não falar do Royal Rumble e Money in the Bank, se acho injusto? Sim, acho muito injusto.

  2. John_3:16 - há 2 anos

    Porque é que o vince não deixa o homem acabar uma carreira que ja esta acabada ? façam-lhe uma despedida em grande e a devida homenagem que merece no HOF quiçá já em 2015 em pronto.

  3. Hildo - há 2 anos

    Penso que o Rey ja deu tudo o que tinha que dar, ja venceu o que tinha para vencer, sem duvidas ele é um dos melhores ” High Flyer” de sempre, espero que tenha uma feud de despedida decente e que vá cuidar da sua vida pessoal.

  4. mateus - há 2 anos

    saudades de quando o rey era foda em ring e lutava por titulos

  5. CMelo - há 2 anos

    Quantos mais combates é que achas que o Rey poderá ter?

  6. Alexandre Romano - há 2 anos

    Excelente artigo Miguel.
    Rey teve uma grande carreira mas ,infelizmente, já não nos pode dar o que no dava antes só acho que deveria ter uma despedida no Summer Slam deste ano, reformar-se e Hall of Fame.

  7. Jhonatan Santos - há 2 anos

    comecei a assistir wwe em 2009 quando rey mysterio ainda era um icone para milhões de pessoas fazendo seus movimentos high flyers e mosteando que voce nao precisa ser alto e forte para entrar no wrestling, voce precisa apenas ter coregem e amor pelo que voce faz rey mysterio é de longe meu wrestler preferido e espero que um dia chegue a ser um hall of famer por que pra mim rey foi muito mal utilizado pela wwe mas de qualquer forma teve uma carreira de poucos homens e como miguel disse ele concerteza ira ser lembrado, mas não só pelo seu estilo de luta mas pelo seu coração .

  8. BNB - há 2 anos

    Para mim este homem devia ter uma ultima oportunidade sei la de ganhar um grande titulo e de dar um ultimo combate num grande palco e depois sim retirar-se porque ele é simplesmente o maior high flyer da historia e merece. Ele nao pode simplesmente retirar-se assim pois o seu estatuto nao o permite, a nao ser que as lesões o obriguem.

  9. Tunes9 - há 2 anos

    Excelente artigo, o Rey merecia assim um e fizeste muito bem, Obrigado e Parabéns! Miguel Rocha. :-)

    Concordo com tudo, muito bom.

    Eu comecei a ver WWE em 2004, o Rey Mysterio estreou-se em Junho de 2002, portanto acompanhei quase a carreira toda dele na WWE, sobretudo os seus melhores e mais importantes momentos, e adorou cada segundo, minuto e hora.
    É fantástico, ninguém faz o que ele fazia, é o melhor “High-flyer” que vi e é um dos meus lutadores preferidos de sempre (seguramente Top15), tudo tem um fim e é uma pena vê-lo a retirar-se, mas é o melhor para ele, é a altura certa, mas vou ter saudades, disso não tenho duvidas.
    Ele é simplesmente brutal, o Rey Mysterio vai ficar sempre na minha memoria de fã de WWE, acho que ele merecia mais respeito da WWE, e devia ter tido mais destaque na sua carreira, mas o que está feito, está feito, e há que seguir em frente, espero que lhe façam uma despedida em grande, digna, e que acabe a carreira da melhor maneira, nunca será esquecido. :-) “BOOYAKA BOOYAKA 619!”

    Bom trabalho. :-)

  10. danielLP21 - há 2 anos

    Excelente artigo.

    Pessoalmente, acho que está na hora da reforma. Tal como disseste no artigo, ele merece ter uma vida descansada com a sua família e já não tem condições físicas para lutar ao mais alto nível.

    Sempre gostei bastante dele, principalmente desde que comecei a ver Wrestling em 2003 e ele era um dos ícones da SmackDown até ao ano de 2008/2009. A partir daí, começou a perder algum gás.

Comentar

Login com Facebook

Editar avatar »

Notificações por email:

Wrestling.PT © 2006-2016 / Política de Privacidade / Disclaimer / Sobre Nós / Contactos / RSS Feed / Desenvolvido por Luís Salvador