The People’s Elbow # 77 – Turn the Tables

Olá, cá estou de novo para outra edição do vosso artigo das Segundas-Feiras. Hoje irei discutir os rumores do possível regresso de Devon e Bubba Ray Dudley à WWE.

Essa possibilidade surgiu agora que os dois estão fora de contrato pela Total Non Stop Action. Para matar saudades ou deixar-vos de água na boca pelo seu retorno, vou fazer uma retrospectiva dos quase 10 anos entre as suas estadias separadas pela Extreme Championship Wrestling e World Wrestling Federation.

Sendo elogiados como uma das melhores equipas da História, o seu sucesso deve-se aos períodos que aqui serão representados.

Activos enquanto grupo de 1995 a 1999 na Extreme Championship Wrestling, apesar das suas diferenças óbvias quanto à raça e ao aspecto físico, todos diziam ser filhos de Big Daddy Dudley, que havia viajado na América como vendedor ao longo das décadas de 60 e 70.

As suas origens reais são baseadas nos “Hanson Brothers” do filme de 1977 Slap Shot. A sua ring attire era similar, partilhando o uso de óculos à nerd.

O conjunto nasceu da Dudley Family, que se conduziu como “comedy act” e que consistia de vários filhos ilegítimos de Bid Daddy Dudley.

À altura conhecido como Buh Buh Ray Dudley, era um gordo rural que entretinha os fãs a dançar e a lutar ao lado dos seus irmãos pelos títulos de Tag Team da Extreme Championship Wrestling.

D-Von Dudley (o único negro da família) debutaria no ano de 1996, tal como Spike Dudley, que faria dupla junto a Buh Buh Ray contra os Full Blooded Italians.

De início, D-Von era hostil para com a sua família, dizendo que verdadeiros Dudleys não são comediantes, antes de juntar forças a Buh Buh e dispensar todos os membros, excepto Big Dudley e Sign Guy Dudley, tornando-se vilões e conquistando o domínio da divisão.

O seu primeiro título foi retirado aos Eliminators, a 15 de Março de 1997, resultando na rivalidade contra eles e na recuperação pela sua parte no evento Barely Legal.

A 20 de Junho, apareceria o seu segundo reinado numa Handicap Match, iniciando a próxima rivalidade contra os Gangstas, perdendo os cintos a 19 de Julho, numa Steel Cage.

Um mês depois, no Hardcore Heaven, chegaria o seu terceiro reinado, ao derrotar os Gangstas, sendo batidos a 20 de Setembro pela reformulação operada entre os Gangstas e os Eliminators: Gangstanators.

No Verão seguinte, daria início a uma rivalidade contra Sandman e Tommy Dreamer, para os quais perderiam, voltando-se contra o “little brother” Spike, que se havia envolvido na rivalidade.

A 24 de Outubro, o seu quarto título de equipas iria parar-lhes às mãos por via de Sabu e RVD, tendo ele acabado no November to Remember.

Depois de breve feud contra os Impact Players (Lance Storm e Justin Credible), seria a nova equipa de Spike Dudley e Balls Mahoney a dar-lhes água pela barba, indo estes vencê-los em 1999 pelo ouro.

No final do ano, soube-se da possibilidade duma ida para a World Wrestling Federation e julgou-se conveniente oferecer-lhes o sétimo reinado como despedida, apenas para que fosse entregue na noite seguinte. No entanto, houve mudança de planos e não se quis fazer as coisas à pressa: seria batido o recorde de oito campeonatos e pairaria a ameaça de continuá-lo na nova casa, o que seria evitado por Raven e Dreamer. Tendo a transferência sido acordada entre Paul Heyman e Vince McMahon, a sua caracterização seria igual à anterior, tendo Buh Buh passado a ser escrito “Bubba” e a sua ring attire mais virada para algo camuflado.

O duo ascenderia à fama ao trazer mesas como armas, usando o seu Double Team Signature Move “Dudley Death Drop” para fazer os seus oponentes atravessá-las.

Teria destaque o vício de Ray de atirar mulheres contra as mesas, recorrendo a vários golpes contra divas, incluindo Tori, Terri, Trish Stratus, Lita, Jazz, Torrie Wilson, Stacy Keibler, Molly Holly, Fabulous Moolah e Mae Young.

Ao longo de 2000 e 2001, uma feud a três foi despoletada pelo Tag Team Championship contra Edge e Christian e os Hardy’s, o que incorporou duas TLC (SummerSlam e Mania 17).

Mais tarde, juntar-se-ia à Alliance, grupo que consistia em antigos lutadores da ECW e WCW e cuja pretensão era apoderar-se da empresa, liderados por Shane e Stephanie McMahon.

Durante esta época, assumir-se-iam como enforcers da Alliance, interferindo a seu favor e tendo Stacy Keibler como sua manager. Pouco depois, numa Steel Cage, sairiam triunfantes contra os Hardy no Survivor Series para unificar os Tag Team Championships da World Championship Wrestling e World Wrestling Federation. No início de 2002, haveria de novo feud contra Spike e o seu parceiro Tazz, para o qual seria perdido o Tag Team Title. Mexidas importantes estavam para acontecer no seio da empresa, que alteraria a designação para “World Wrestling Entertainment” e o roster seria espalhado por duas brands.

Nisto, os irmãos seriam separados, tendo Bubba virado face ao reunir-se com Spike Dudley numa nova versão dos Dudley Brothers e D-Von tornar-se-ia Reverendo, numa personagem de pregador corrupto que haveria de ter como protegido Batista.

A seguir ao Survivor Series, haveria de suceder a reunião dos dois originais, continuando a apresentar-se na divisão de duplas.

No ano 2004, aliando-se a Paul Heyman, formulariam rivalidade contra Undertaker, tendo ganho o Tag Team Championship. Depois duma temporada de hiato, fizeram o que seria a sua aparição final no One Night Stand 2005, tendo a WWE optado por não continuar as negociações da renovação do contrato por razões financeiras e proibido o uso do apelido, o que levou ao decréscimo da boa relação entre eles, dado que estavam na sua posse desde 1996, muito antes de toda a propriedade da ECW ter sido adquirida. Havia, de igual modo, a crença de que Paul Heyman lhes havia garantido os direitos sobre o nome.

Houve mais gente que reclamou, caso do Raven, que afirmou múltiplas vezes ter sido o criador da ideia, história corroborada por Tazz, adicionando a sua quota parte.

Seria algo natural esta volta, só que receio que as verbas que virão a ser postas no negócio poderão não ser as adequadas a ser gastas nesta altura.

As divergências constatadas neste texto acerca da sua saída há 9 anos e a perda dos direitos de autor poderá ser obstáculo para que se chegue a acordo.

Por outro lado, não fará sentido o debate contratual ser pautado pelo rancor: eles saberão as condições a que se poderão propor e uma atitude chantagista não favoreceria nada aquela que é a função esperada pelo seu ingresso, ou seja, ajudar e não prejudicar.

Ou se chega a acordo de cavalheiros e a dupla parte para o que poderá vir a ser a derradeira investida a grande nível ou a alternativa para o seu futuro terá de ser procurada noutros locais.

Sabendo-se qual a terapia de choque dada a regressados da TNA e o que Vince pensa sobre isso, persiste a dúvida se estará o Boss interessado em trazer tudo de volta da base inimiga quando é esta que tem por hábito servir de “clube satélite”.

Isto conjugado ao aguardado e ainda não divulgado retorno do Angle (proveniente sabe-se donde), poderá inviabilizar tornar actos pontuais rotineiros.

Imaginando que o dono do maior Império do Desporto de Entretenimento engolia o orgulho, será que teria capital para este esforço financeiro?

É preciso contar tudo o que virá para o trigésimo primeiro aniversário da Mania, onde ao medalhado olímpico cogita juntar-se uma infindável lista de lendas.

Não deverá ficar nada barato ao quase septuagenário, que terá de fazer escolhas para não lhe ver levado couro e cabelo.

Isto levanta outra questão pertinente: o horário e a agenda será sazonal ou na íntegra? Será uma colaboração para breve ou longo prazo?

O povo (nós) tem o costume de criticar aqueles cujas regalias no processo de contratação não são justas.
Olhe-se para Lesnar: 2 anos (2002 a 2004) de trabalho e, passados quase 10, reaparece a receber balúrdios por cada aparição.

Dwayne Johnson faz o favor de recordar de onde saiu atento aos ponteiros do relógio para não perder gravações de filmes.

Os únicos dois respeitados que têm vantagens nos seus compromissos com a empresa são RVD e Y2J, porque são entendidas as necessidades de férias de 90 dias do Mister “5 Star Frog Splash” e as restantes responsabilidades de Chris Jericho, que tudo faz quando cá está.

Agora pergunto: qual seria a nossa reacção e a dos próprios colegas de balneário se estes estivessem 100% concentrados naquilo, 365 dias por ano, participando de todos os espectáculos?

Não seria desacreditar o que havia sido feito nos 20, 10 ou até 2 anos de estatuto indiscutível conquistado por suor, sangue e lágrimas?

Não seria humildade excessiva, inocência ou ingenuidade fazer-se crer que havia igualdade entre todos os lutadores quando não se dúvida da superioridade duns quando colocados ao lado dos outros?

Quer se queira quer não, eles não são iguais aos outros e seria estranho vê-los no percurso de início de carreira de novo.

Portanto, poder-se-ia desenvolver parceria interessante correspondente ao valor desta equipa, perita na utilização de mesas, inovadora no que à criação de Finishing Moves conjuntos diz respeito e algo esquecida quando se fala da Atitude e Ruthless Agression Era.

Claro que, voltando, teria de se pôr de parte as velhotas ou as divas a ser esmagadas contra lascas de madeira, podendo, contudo, proporcionar-se bastantes rivalidades talentosas.

Eu seleccionaria a postura face para eles, o que possibilitaria feud contra os Wyatt, os Ascension e, porque não, os Dust Brothers. Efectuando-se o turn, os Usos apresentar-se-ia na “pole position” para os confrontar.

É tudo o que tenho para vós, espero ter sido uma leitura agradável e cá vos aguardo para a próxima semana. Entretanto, têm a caixa de comentários ao vosso dispor.

Sobre o Autor

- Escritor do artigo “The People’s Elbow”. Nascido a 25/2/90 na margem Sul, fã desta modalidade desde 2009.

3 Comentários

  1. Silveira9 - há 2 anos

    Excelente artigo sobre uma das minhas tag teams preferidas :)

  2. Bruno Souza - há 2 anos

    Umas das melhores tag teams de todos os tempos. Fazendo parte da “big 3″(essa é a nomenclatura que eu estou dando para as tres melhores tag team de todos os tempos) com E&C e Hardy Boyz. Mas tomara q eles não voltem, pq eles vão ser super desvalorizados pela WWE, a empresa irar arruinar a grande historia que os Dudleys tem com eles. O BUBBA RAY pelo que eu saiba tem desafetos com algumas pessoas da empresa, então vamos ver o que irá acontecer.

  3. danielLP21 - há 2 anos

    Excelente artigo sobre uma das minha equipas favoritas e uma das melhores de sempre.

    Duvido que voltem para a WWE. Eles próprios têm a sua academia de Wrestling e deverão preocupar-se mais, daqui para a frente, em ajudar novos lutadores a evoluir.

    Nunca me vou esquecer, também, do que o Bully Ray fez na TNA, enquanto heel. Extraordinário atleta.

    “WAZZZZUUUUUUP!” :D

Comentar

Login com Facebook

Editar avatar »

Notificações por email:

Wrestling.PT © 2006-2016 / Política de Privacidade / Disclaimer / Sobre Nós / Contactos / RSS Feed / Desenvolvido por Luís Salvador