Top Ten #120 – Rodapé do Bound for Glory

Sejam bem-vindos a um novo Top Ten! Há muita coisa a passar-se ali para os lados da WWE e ela põe-nos sempre a falar, seja bem ou mal. Bem sabemos a conversa que ela pode dar. Mas… Decidi dar-lhe um descanso esta semana para me focar noutra que talvez desse muito de si para ter um pouco das audiências moribundas que o Raw anda a ter e a causar pânico. Refiro-me, claro, à débil TNA que já viu melhores dias nos seus piores dias.

Como prova disso, foi o decorrer de um Bound for Glory quando já este artigo saiu. Com pouco hype, rápida construção, card colado à pressa… Um evento fragilizado que expõe bem as dificuldades que essa companhia que servia sempre de alternativa ou acréscimo a muitos de nós – o meu era o segundo caso – vai passando. O Bound for Glory deve, por norma, ser o seu grande evento, a sua Wrestlemania. Todos os mais icónicos combates acontecem nesse palco. Normalmente. Nem sempre. Tal como na Wrestlemania, alguns acontecem e acabam varridos para debaixo do tapete sem querer. Quer seja por qualidade mais baixa, pelo absurdo, pela estranheza ou simplesmente por envolver talentos totalmente esquecidos. Aqui ficam algumas notas de rodapé, os últimos combates das listas de combates da história do Bound for Glory.

10 – Ink Inc. vs Eric Young & Orlando Jordan, Bound for Glory 2010

https://youtu.be/8Uybj0_mBBc
https://youtu.be/GavmQQKPkGk

Combates de comédia nem sempre ou nunca são dos que mais marcam um evento mesmo que entretenham no momento. Foi o que aconteceu com este combate de aquecimento do Bound for Glory de 2010 que não só padece disso como de um starpower duvidoso. Ink Inc. estão longe de ser uma das tag teams mais recordadas do seu tempo, mesmo apesar dos seus aspectos peculiares. Orlando Jordan tinha aquela gimmick de fazer a Lady Gaga coçar a cabeça. O Eric Young – o melhor daqui – era doido mas esse nem era o pior dos males porque a malta até gosta dele nessa forma – ele até se consegue safar com qualquer coisa, perguntem ao ladrão de pernas. E é claro que isto teve que ser um combate à la Wacko Young, em que este fez de tudo desde recorrer ao “TNA Rule Book”, fazer de árbitro, virar-se ao seu parceiro e integrar a equipa adversária, perder e celebrar com os vencedores… O costume do doido Eric Young. Quem não achou muita piada foi o Orlando Jordan, que caiu no esquecimento juntamente com este combate. Até é pena porque esta borga toda até teve a sua piada.

9 – Sheik Abdul Bashir vs Consequences Creed, Bound for Glory IV

https://youtu.be/kHc5I8X9GNo?t=1m34s

É apenas um caso de pouco impacto no futuro e um olhar retrospectivo que até engrandece um pouco a coisa. Para já, com estes nomes não dá para vender muito starpower para aqueles que não acompanhassem TNA nesta altura, em 2008, ou que a tenham revisitado mais tarde e aos seus talentos. Muitos ao ler olham para aqui e até podem achar “Ah! Olha eles!”, enquanto muitos outros não reconhecem aqui dois competidores de calibre de um combate de singles no midcard de um grande evento. Troquemos então aquelas esquisitices por Daivari vs Xavier Woods. Esses mesmos. Acrescentemos o importante pormenor de ter o título da X Division em jogo. E que Daivari apesar de não ter deixado uma pegada muito notável nesta companhia – até nem deixou em nenhuma – ainda o considero um X Division Champion subvalorizado. E que ali o Creed não tinha um trombone mas já se safava bem. E que o raio do combate até foi bem bom. O que falha aqui é mesmo a falta de deixar uma marca. Muitos continuariam sem saber que estes dois já se defrontaram num grande palco, por um título. E muitos continuarão sem se lembrar destes seus nomes…

8 – Ethan Carter III vs Norv Fernum, Bound for Glory 2013

http://dai.ly/x16aehq

Vá, não tenho maneiras de achincalhar com isto porque foi perfeito. Uma estreia hilariante e perfeita na caracterização de uma personagem que não pararia de crescer. E ainda tem o estupendo pormenor de que dois anos depois, aí estava ele a defender o TNA World Heavyweight Championship no mesmo evento. Um caso de uma aposta que conseguiram manter, algo que eles – e outras companhias que tais – têm dificuldades em manter quando lançam alguém com muita confiança e ímpeto. Bem… Estreou aqui uma grande estrela da companhia actualmente, fê-lo da forma certa e tem tudo para ser recordado como tal. A sua peculiaridade? É a mesma que notei na altura do evento e que me fez achar o combate mais hilariante ainda: não foi só o combate de estreia de Ethan Carter III. Também foi o combate de estreia de Norv Fernum. Norv Fernum teve a sua estreia no prestigioso Bound for Glory e eu exijo que isso seja registado nos livros!

7 – Joey Ryan vs Al Snow, Bound for Glory 2012

https://youtu.be/65Db36kLqQs

E este até foi bem divertido e um bom uso de um veterano. Até a história que levou a este confronto foi bem pensada e teve o seu interesse. Mas ficou marcada também pelo infeliz desperdício. Joey Ryan foi a melhor coisa a alguma vez ter saído do Gut Check e não passou. Uma infelicidade dessas tinha que ser corrigida a todo custo e isto seria uma história de inserção com o popular javardolas das independentes a invadir a Impact Zone em protesto sempre que podia, especialmente quando alguma outra actividade do Gut Check decorria. Al Snow, como um dos jurados e mentores desses novos talentos não tinha paciência para as palermices de Ryan. Devia ser o único no mundo. Mas até lhe deu a chance de o derrotar no Bound for Glory por um contrato. Parecia interessante mesmo que ficasse lá para o fundo do card. E foi um combate entretido com os maneirismos habituais de Ryan e Snow a mostrar que ainda faz umas coisas. Com direito a uma cameo da “Head” e tudo. Marcado por um final confuso em que Ryan vence graças a interferência inexplicável de Matt Morgan. O que origina uma tag team que quase não durou, ninguém se lembra e, muito infelizmente, foi quase tudo que Ryan fez no seu trajecto pela TNA. Com o Gut Check ou não, Joey Ryan ficou marcado como um desperdício.

6 – Mexican America vs Ink Inc., Bound for Glory 2011

https://youtu.be/69Ue0XgblzU

Mais um caso de algo que bem podia ter tido umas implicações maiores. Afinal tinha os títulos de equipas em jogo! E foi renegado para o pre-show do PPV – esta edição tinha um – e via um confronto de equipas pouco memoráveis. Os Ink Inc… Juro que não tenho nada contra eles, apesar da sua já segunda entrada aqui. Apenas não são uma tag team que marcou. Lembro-me bem da Toxxin por razões que estão à vista de todos; o Shannon Moore, mais depressa me lembro dele a levar estalos do CM Punk por ser um poser ou por ter integrado uma boy band na WCW; o Jesse Neal… Sei que era o Jesse Neal, realmente, ainda não passou daí. Quanto aos Mexican America, tiveram o seu impacto na altura, é certo. Há uma percentagem a dar à Sarita e à Rosita no meio daquilo também, é certo. E lembrámo-nos todos bem do Hernandez, esse já é um marco da casa – a não ser que nos estejamos a referir ao período recente em que ele era apagado do Impact Wrestling por andar a fazer de conta que era um agente livre, nesse caso certamente NÃO nos lembramos dele. Mas depois temos o grande Anarquia! Anarquia, o cepo favorito de toda a gente no seu tempo, com um finisher que mal conseguia aplicar sem mandar alguém para a choça! Tal aptidão para lesionar alguém até dá dó ao Ryback e ao Sheamus! Juntos formaram a equipa que pode ser lembrada pelos bons tempos em que erguiam a bandeira do México sobre o ringue, tapando a vista de uma boa porção da plateia, originando cânticos de “We can’t see!” Tomara o Cena ter desses. E foram estas pombas todas que inauguraram o Bound for Glory de 2011 num combate pelos títulos que foi o que foi – não existem mesmo muitas mais maneiras de o descrever – numa era em que a divisão de equipas na TNA batalhava, pouco antes de obrigar a um torneio que juntava midcarders aleatórios e àquela aliança do Matt Morgan e do Crimson – e aí sim está algo que até me lembro, por muito que eu tente o contrário…

5 – Monty Brown vs Lance Hoyt, Bound for Glory 2005

https://youtu.be/AnZvwx5V2ds

Ora aí estão uns nomes familiares. Ou então talvez não sejam tipos que vejam logo de imediato quem são. Com um grande embate que culminou uma intensa rivalidade. Ou então talvez tenha sido um combate vulgar para encher, entre dois lutadores agendados para participar numa Gauntlet para definir um candidato ao título no main event do mesmo evento mais tarde, sem que eu ainda tenha conseguido decifrar alguma storyline que os tenha movido. Para a malta que só se orienta por WWE, não são caras estranhas. Monty Brown foi Marcus Cor Von na ressuscitada ECW e podem lembrar-se dele por ter um finisher fixe de se fazer a alguém na vida quotidiana. Lance Hoyt foi Vance Archer, gajo que teve uma feud com Shelton Benjamin na ECW e que fez equipa com Curt Hawkins, os Gatecrashers, no Smackdown, entre 2009 e 2010. Carreiras de sublinhar. Se por acaso se lembram de algum deles por este combate, estão a mentir. Parem de mentir, é feio.

4 – ODB, Rhaka Khan, Rhino vs The Beautiful People, Bound for Glory IV

https://youtu.be/wYnAVpp76KM
https://youtu.be/4MmUUmYp_fs

Ora se este não é o tipo de combate em que esperamos e gostamos de ver Rhino na TNA. Qual Monster’s Ball ou combate pelo título no main event do mesmo Bound for Glory, o inaugural? Fixe é um mixed tag team com pouco mais de cinco minutos! Há que lembrar que esta versão das Beautiful People tinha um integrante masculino na forma de Cute Kip. Conhecemo-lo como Billy Gunn. Esse mesmo Billy Gunn que por esta altura devia estar suficientemente confuso para perguntar onde andava o Chuck Palumbo. Estava em feud com Rhino e uma rivalidade entre esses dois tem zero de pecado e é tão bem-vinda como qualquer outra. Logo o único a fazer é juntar Kip a Angelina Love e Velvet Sky e juntar também Rhino às rivais das meninas bonitas, ODB e a Knockout esquecida Rhaka Khan. Num combate misto sem desqualificações, ao qual chamaram “Bimbo Brawl”. Com a Traci Brooks a oficiar porque sim. Pontos altos de carreiras. Este combate foi na mesma noite e até antecedeu o tal embate entre Bashir e Consequences Creed que já foi aqui listado. Sinceramente, à medida que estas posições sobem, cada vez mais me arrependo de incluir tal amostra tão apresentável no meio de muita coisa que para aqui vai!

3 – The Diamonds in the Rough vs Apolo, Shark Boy & Sonny Siaki, Bound for Glory 2005

https://youtu.be/2nrlWtQgCEo

Sabe-se que algo não está bem quando o nome mais familiar no conjunto é o de Shark Boy. Os Diamonds in the Rough foram uma equipa que até conseguiu durar cerca de um ano e meio e aqui era um trio representado por Simon Diamond, David Young e Elix Skipper. Se ficaram a saber o mesmo, aqui aprofundo um pouco: Simon Diamond foi um indivíduo que chegou a passar antes na ECW com pouca notoriedade e, na TNA, fez pouco mais que os Diamond in the Rough. Sei que isso não ajuda muito. David Young era um lowcarder cujo principal destaque da carreira na TNA foi fazer parte dos Diamond in the Rough. Elix Skipper já foi algo mais ao competir na WCW como parte da Team Canada e onde foi Cruiwerweight Champion – chamavam-lhe o “100 Kilos and Less Championship” porque era hilariante. Chegou a fazer parte da Invasion na WWE mas apenas conseguiu um contrato de desenvolvimento por lá. Já na TNA também fez algo mais que os parceiros anteriormente enumerados: fez parte dos Triple X, equipa com Low Ki e Christopher Daniels, com quem venceu 3 títulos de equipas. Eventualmente integrou os Diamond in the Rough antes de desaparecer de vista. Basicamente o conceito da equipa era a de competidores que não tinham grandes chances na TNA e que se reuníam para marcar uma posição. Mas que continuaram sem ter chances e sem ir longe. Já por aí é bom. Do outro lado, a juntar ao nosso amigo Shark Boy, temos o Apolo, lutador porto-riquenho que já passou um pouco por todo o lado e até chegou a ter um contrato de desenvolvimento de meses na WWE. Na TNA foi Campeão de Tag Team com D’Lo Brown. Já o Sonny Siaki era um lutador Samoano que, pasmem, não é um Anoa’i. Não foi isso que o impediu de fazer tag team com Ekmo – Umaga – na TNA e Afa Jr. na Deep South Wrestling quando esta era território de desenvolvimento da WWE. Na TNA foi X Division Champion por uma vez. Se foram necessárias tantas linhas para apresentar o elenco, talvez não seja necessário perder tempo com a explicação do combate. É que a explicação dos Diamonds in the Rough já vale por muito.

2 – Fight for the Right Reverse Battle Royal, Bound for Glory 2007

https://youtu.be/mi9KP6aQmW4

Claro que não podia faltar aqui o meu combate favorito de todos os tempos! Creio que os mais atentos já saibam o tamanho apreço que tenho por este clássico, esta ideia brilhante. Esta pérola que, ao ser apresentada aos talentos que a integrariam, deve ter levado com boas caras e reacções de “Que raio é isto?”. E não, aqui o problema não é nenhuma falta de “star power”. Isto foi vencido por Eric Young e não faltavam estrelas para lá, desde Roodes, Storms, Motor City Machine Guns, Kazarians, Petey Williams, Rikishis. Até o Shark Boy lá andava! Portanto o problema não estava nos seus competidores mas sim no que tinham que fazer. Suficientemente bom para já ter sido feito anteriormente num episódio do Impact! e ter recebido o prestigioso prémio de “Worst Worked Match of the Year”, lá foi repetido o confuso combate de três etapas cuja primeira etapa consiste em… Entrar no ringue. O conceito de “battle royal invertida” consiste numa data de gajos à volta do ringue a tentar entrar. Não consigo pensar em acção mais excitante que essa. Quero um em que simplesmente façam uma corrida até ao ringue.

1 – Bound for Glory 2014

https://youtu.be/XHrnzXuEU4Q

Se alguém se perguntava por onde andavam certos combates do infame Bound for Glory do ano passado, pronto aqui está. Todo o evento globalizado numa entrada só e à qual lhe atribuí a complicada primeira posição. Todos sabemos o quão pobre foi a ideia do Bound for Glory de 2014. Não foi mau em termos de wrestling, foi mau em termos de conceito, parecia tudo menos um Bound for Glory! Isto podia ser o card de um iPPV de uma independente. Mal existiam storylines. Aliás, apenas havia uma e era o main event que colocava The Great Muta e Tajiri a enfrentar James Storm e Sanada. De resto eram meros combates TNA vs Wrestle-1, companhia Japonesa que, na verdade, organizou o evento. O maior evento de uma companhia nas mãos de outra. Conseguiram haver dois combates exclusivos de TNA e um exclusivo de Wrestle-1. Dois títulos estavam em jogo – o título da X Division de Samoa Joe e o título das Knockouts de Havok – mas devido a gravações, já nenhum deles era Campeão e andavam ali a defender um título emprestado. O título Mundial não andava à vista sequer. Repito que o wrestling não foi mau, não faltava aqui talento. Mas todo o conceito gerou uma onda de revolta. O Bound for Glory é, por norma, o grande evento da TNA, onde culminam as grandes rivalidades, onde brilham as suas estrelas, para onde trazem as “big guns”. É a sua Wrestlemania, voltando a simplificar. E aqui ficou como um mero PPV “One Night Only” um pouco mais glorificado. Com certeza que fica no fundo do baú das memórias dos fãs no que à cronologia deste PPV diz respeito…

E aqui fica o meu Top Ten desta semana, espero que tenham gostado apesar de não ser um tema assim tão fácil de compôr. Espero que tenha sido apelativo para fãs da TNA. E aproveito para deixar claro que isto não está, de maneira nenhuma a deitar abaixo a companhia e o evento – claro que o melhor dele será o resto que não estes exemplos. Alinho em piadas actuais sobre o assunto por ser um gajo com sentido de humor mas estou muito mais entristecido que entretido com a difícil situação actual da TNA. Mesmo que não a priorize, continuo a ser fã da TNA e aqui fica apenas um registo para a diversão. E que tenha sido um bom Bound for Glory, o desta noite que passou. Na próxima semana pretendo trazer um novo tema e espero que estejam cá para o verificar e que o apreciem também. Uma boa semana até lá e não se esqueçam: muito juízo!

Sobre o Autor

- Escritor do artigo “Top Ten”.

2 Comentários

  1. RFBM - há 1 ano

    Bom artigo, realmente o Bound For Glory do ano passado não foi mau no que diz respeito à qualidade do wrestling, mas não suou a um grande PPV. Também sou fã da TNA e entristece-me ver a situação à qual ela chegou.

  2. you cant see me - há 1 ano

    Ótimo top ten.

Comentar

Login com Facebook

Editar avatar »

Notificações por email:

Wrestling.PT © 2006-2016 / Política de Privacidade / Disclaimer / Sobre Nós / Contactos / RSS Feed / Desenvolvido por Luís Salvador