Existem 2 vagas na Equipa do Wrestling PT para publicar notícias. Candidata-te!

Top Ten #134 – Angles bizarros de AJ Styles

Sejam bem-vindos a um Top Ten carnavalesco! Mas é só de época, não trago nenhum Top Ten com as ideias para melhores disfarces de wrestlers para o Carnaval, dos melhores combates do Doink the Clown ou uma lista à moda da Bleacher Report de como te vestires como o Miz noutra ocasião quotidiana fora do Carnaval sem ter que dar explicações. Não há nada carnavalesco neste artigo a não ser que ainda andem a atirar serpentinas ao ar com a chegada de AJ Styles.

Porque o Top Ten é focado no “Phenomenal” e cumpro o meu costume de fugir ao óbvio o máximo possível. Melhores rivais, melhores combates, etc… Isso tem muita coisa, para já, não ia conseguir listar só dez. E continuo a gostar de ser diferente. Neste texto destaco dez momentos pouco ortodoxos na carreira de Styles. Apenas angles ou storylines completas bizarras, estranhas, mal feitas, fora de personagem, com pouco nexo ou rumo, etc. Momentos que já podem ter feito coçar a cabeça. Mas que nunca prejudicaram Styles, nem um pouco.

10 – Um Lone Wolf

Calha bem que “bizarrice” faça parte do vocabulário pretendido para este tema porque aqui até era intencional. Com algum factor sombrio também. Os Aces & Eights gostavam de dar cabo de tudo e até parecia que queriam dar cabo de AJ Styles também. Mas isto já depois de um ultimato seu de que andava farto de fazer o correcto e que ia passar a agir por si. Isso fez com que desaparecesse por uns tempos e nos desse segmentos em que o procuravam e consultavam a família, especialmente a sua preocupada esposa que se questionava se o sempre limpo Styles andava a beber e consumir drogas. Eventualmente regressou, virou Heel, dava cabo das pernas ao James Storm e não falava para ninguém. Andava armado em Sting e não dizia nem sim nem sopas quanto à sua posição em relação aos Aces & Eights e até parecia que se ia juntar a eles. Afinal foi só uma silada que o levou a nova Face Turn, ensaboadela de verdades a Dixie Carter, conquista do World Heavyweight Championship, “walk out” e disputa por título duplicado, antes de ir embora. A entrada directa para a décima posição aqui foca-se mais sobre o primeiro angle mas isto deu tantas voltas, a começar num Styles instável e a acabar numa storyline muito familiar. E ficámos sem saber se ele andava metido em maus vícios ou não. O certo é que no segmento de falsa recruta para os Aces & Eights, tragou ali uma cerveja inteira de penálti com uma pinta do caraças!

9 – “Air Raid”

Este é um caso menos conhecido e para o qual se deve recuar um pouco mais no tempo. Aos tempos daquelas coisas que Styles fez de que a WWE pode falar. A sua estadia na WCW. Foi já em 2001 que se juntou ao lutador independente Air Paris para formar uma tag team e integrar uma divisão nova à captura de um título novo porque se havia coisa à qual a WCW se podia dar ao luxo era de inventar coisas. Entraram num torneio pelos Cruiserweight Tag Team Championships! Juntos formavam uma equipa denominada “Air Raid” e ele lutava com o nome Air Styles. Ainda levavam uma particularidade melhor que era a de se dirigirem ao ringue vestidos como pilotos. A cena de voar era levada a séria. Foram eliminados desse torneio logo na primeira ronda e, sendo já 2001, nada se deu daí. Mas ficou o registo. Para a WWE ter hoje qualquer coisinha do passado dele por onde pegar!

8 – Um buraco para outra dimensão?

https://youtu.be/MKftr1Z4lGI

Era o que parecia. Um angle curto que na verdade foi um finish de um combate. E um finish bem TNA, diga-se. Daqueles que ficaram guardados e posteriormente citados como um representante da patetice esquisita da TNA e dos bookers responsáveis – não, Vince Russo não estava longe do alcance para as acusações – um combate viu a sua conclusão com um Chokeslam de Abyss a AJ Styles que o mandou pelo ringue dentro, por um buraco. E o combate acabou porque… Nem sei bem. O que se daria a seguir seria um hilariante – quando não era intenção – momento com vários lutadores a tentar invadir e interferir no ringue… Apenas para cair no buraco. E a acrescentar ao fraco finish e a um momento facilmente conversível para um filme mudo de comédia, ainda reparamos: foi um Chokeslam simples, não houve nada de extraordinário. E não foi a nenhum Super Heavyweight, foi ao AJ Styles. Mas abriu um buraco no ringue. E com isso, à procura de… Qualquer coisa, a TNA conseguiu vender-se como barata, com ringues de fraco material. É assim que se pensa!

7 – O Doppelganger

Mais um caso mais antigo e ainda mais subterrâneo, por assim dizer. Este não é dos conhecidos e até é do seu tempo pós-WCW, na NWA Wildside. Lá encontrou-se com um caso estranho. Um lutador independente, de seu nome Jason Cross, que tinha uma particularidade. Equipava-se igual a AJ Styles e lutava como ele, imitando o seu visual e moveset. Era o seu “doppelganger”, como lhe chamam. Eu talvez até ficasse lisonjeado com algo do género, mas é normal que alguém fique perturbado com uma coisa assim. Saiu a feud. Tipo de coisas que já aconteceu com Undertaker ou Kane, gajos já esquisitos por si e de aspectos monstruosos. Agora o AJ Styles? Eu desconfiava logo!

6 – Os velhos ataques misteriosos

https://youtu.be/3WGZaETJmwo

Até é um angle algo vulgar. AJ Styles era World Heavyweight Champion em 2009 e foi atacado por alguém misterioso e anónimo. A estranheza prolongou-se durante semanas e Styles foi desconfiar de Christopher Daniels e de Samoa Joe, achando que um deles estava por trás disso. Tal levou a um combate de defesa do título contra esses dois numa Triple Threat e já devem estar a ver qual era o propósito disto tudo: vender isto como um épico rematch do famosíssimo Ultimate X entre esses três pelo X Division Championship que fez história como um dos grandes combates de sempre e que ajudou a colocar a TNA no mapa. Era tudo para isto quando nem era nenhum deles por trás disso. E o raio do gajo misterioso já andava com a mesma brincadeira há cerca de dois meses. Ainda não era altura de revelar, no mínimo, a sua intenção? Afinal era só o Tyson Tomko, antigo parceiro de equipa de Styles. Lembrou-se, pronto. O engraçado é que dada a recordação que Tomko deixou de si, é bem capaz de se ter mantido anónimo para muitos mesmo depois de se revelar!

5 – O fim?

Até ele passou por esta fase. No Bound for Glory de 2009, AJ Styles conseguiu manter o seu TNA World Heavyweight Championship contra Sting, num fantástico combate que consta entre os favoritos dos fãs, especialmente desse ano. Mas antes disso, Styles teve que ganhar o título e antes disso precisou de mentoria de Sting que queria passar-lhe a tocha. Mas ainda antes disso e o que fez com que Sting se movimentasse foi uma importante decisão de Styles. Devido a um mau momento, Styles foi ao ringue para anunciar… A sua reforma. Claro que foi tudo preparação para a intervenção de Sting e a consequente história em direcção ao Bound for Glory. Mas seria engraçado em pensar na ideia de o Big Show continuar activo sem fim à vista e o AJ Styles pensar em reformar-se porque perdeu um punhado de combates…

4 – Medalhado

É no que dá ter coisas fixes. Não te deixam que as tenhas. Que o diga Kurt Angle que não pode ser o único wrestler profissional a ter uma medalha de ouro Olímpica que aquilo já tem que servir de brinquedo a passar por outras mãos. Jeff Jarrett já pôde brincar com aquilo. Caramba, até o Eugene já deteve aquela medalha! Ora, o AJ Styles é melhor que esses. E em 2008 teve uma tremenda feud com Kurt Angle, longa, duradoura e com muita troca de vitórias e derrotas. Portanto a medalha eventualmente teve que vir à baila. E, claro está, Styles venceu e conquistou-a. Assim até parece que o Angle nem merece aquilo, nunca consegue mantê-la, como raio a ganhou? O que vale é que ele sempre recupera nos rematches. O curioso. Não recuperou. Styles conseguiu mantê-la num Ladder Match e ficou com a medalha até Jeff Jarrett lhe pedir para a devolver, apenas para pacificar as coisas. Portanto mudem os registos. Angle nunca recuperou a medalha, ela pertence a AJ Styles!

3 – Ms. Karen Styles

Esta é mesmo daquelas que considero muito bizarras. Lá o raio da combinação. Isto foi o que antecedeu a história da medalha. Porque isso veio de algum lado, não foi só o Styles chegar à beira de Angle e dizer que queria a medalha dele, já havia muita história antes. E algo desencadeou isso. E tal foi… Um casamento entre Styles e Karen Angle! Como raio isso acontece? Pois, por acidente, claro. Num momento em que Karen e Kurt renovariam os seus votos de casamento, um padre que acabava de ficar KO graças ao Kevin Nash (?!) confunde-se e acidentalmente casa Karen com AJ Styles. Porque essas coisas acontecem constantemente! Isso originou uma história em que AJ e Karen realmente se tornavam próximos e começavam a provocar ciúmes a Kurt Angle. Eventualmente, quando este achou que viu demais – ela agarrava-se a um Styles ensanguentado que acabava de levar um enxerto de porrada de quatro gajos, o pobre homem – passou-se e virou-se a Styles. Aí começou a feud que foi culminar na medalha. Com um casamento acidental. Como tudo começa.

2 – Montreal Screwjob II

Um problema que havia na TNA nos tempos de Hogan e Bischoff – para além de Hogan e Bischoff – era o de quererem constantemente recriar coisas de outros sítios ou simplesmente utilizar coisas que não eram suas. E por vezes recriavam coisas intocáveis. Tome-se como exemplo na altura em que estavam prestes a formar-se os Fourtune – recriação dos Four Horsemen, lá está – e Ric Flair acabara de recrutar Styles para fazer dele o novo Nature Boy. Styles lutou pelo título e enfrentou Kurt Angle – sim, esse encontro já aconteceu muitas vezes. Ora nesse combate, Styles conseguiu sair de um Ankle Lock e prender o seu… Para que Flair chegasse e ordenasse Earl Hebner – pois claro – a mandar soar a campainha. Assim o fez. Sem Kurt Angle desistir. Styles vence e ganha o título. Porque havia uma necessidade imensa de recriar o Montreal Screwjob! E com Earl Hebner, que aceitou colocar-se na mesma posição outra vez! Melhor que isso só quando Flair “admitiu” mais tarde que foi ele que arranjou o Screwjob original. Recriar momentos históricos não chega… Tinham que tentar alterar os originais! Até hoje ainda se regista esse reinado de Styles com um título que não ganhou, no célebre e recordado Impact Zone Screwjob.

1 – Claire Lynch

Vá, vamos lá a admitir. Todo este Top Ten foi uma fantochada para chegar a isto e a lista temática é só esta entrada mais outras nove. Quem realmente ficou surpreendido e não sabia imediatamente quem ia ficar no topo desta lista que levante a mão. Claro que é a grande Claire Lynch que manda nisto tudo! A história teve muitas fases e nenhuma delas passou sem fazer coçar cabeças. Começou apenas com Kazarian a virar-se a AJ Styles e a juntar-se a Christopher Daniels – sagrada aliança que dura até hoje, graça-a-deus – sem explicação. Depois a explicação já era um segredo que estava num envelope… Que continha fotografias de Styles a ser aparentemente íntimo com Dixie Carter. A inocência de ambos foi comprovada quando revelaram que os encontros secretos eram para ajudar uma jovem toxicodepentende, de seu nome Claire Lynch, que se apresentou num medonho segmento de representação temível. A coisa tornava a piorar quando vinha esta tola varrida dizer que tinha um caso com Styles. Mais segmentos em que ela mal fingia o choro e a nós ele vinha-nos com facilidade. A história fechou com um comunicado lido por um advogado – que já não chorava – que confessava o esquema de Claire Lynch forçada a inventar a história, por Kaz e Daniels. Demorou mas tivemos que aturar isso tudo. Ora, o que fez isto “resultar”, por assim dizer? O factor “so bad it’s good” que nos entretinha precisamente por ser tão horrível; Kaz e Daniels, sempre hilariantes e iguais a si mesmos, salvavam qualquer segmento podre; os combates entre Styles e Daniels que, à excepção de um fraco “I Quit” devido a pobres escolhas de storytelling noutra altura – dão sempre espectáculo de marca registada. Exijo Claire Lynch no TNA Hall of Fame!

Com estes dez momentos que tanto podem constar na lista negra como na lista esquecida como na lista mais prestigiosa da carreira do AJ Styles, concluo mais um Top Ten. O resto fica a vosso critério, quanto ao vosso gosto em relação ao tema, quanto a estes episódios aqui apresentados e as lembranças que têm deles. Podem até comentar em que posição do ranking se insere aqui uma presença no MizTV. É tudo vosso e pretendo dar-vos mais qualquer coisa para falar na próxima semana. Até lá, um bom Carnaval a todos e não se esqueçam de se mascarar do vosso wrestler favorito! Ou o Shockmaster, vão sempre de Shockmaster.

Sobre o Autor

- Escritor do artigo “Top Ten”.

6 Comentários

  1. RFBM - há 10 meses

    Bom artigo, até gostei da sua fase de Lone Wolf, embora não seja claramente a sua melhor fase. Apenas um pequeno erro, o combate entre o Daniels, o Joe e o Styles no Unbreakable 2005 não foi um Ultimate X, mas apenas um 3-Way.

  2. BRRM - há 10 meses

    Excelente artigo!

  3. Anónimo - há 10 meses

    “Mais segmentos em que ela mal fingia o choro e a nós ele vinha-nos com facilidade.” O que eu me ri com isto x)

  4. danielLP21 - há 10 meses

    “Mais segmentos em que ela mal fingia o choro e a nós ele vinha-nos com facilidade.” Ahahahahah!

    Bem, com este artigo descobri que o Karen Jarrett e a Karen Angle são a mesma pessoa… Estamos sempre a descobrir coisas novas!

  5. Chris, você pode tirar a fase “Lone Wolf” dele, pois foi a melhor fase dele, foi a transição de um “bom moço comportado” pra um cara que se preocupava apenas com si mesmo, orgulhoso e sua melhor fase começando, ele fez um retorno épico, angles épicos e combates épicos depois do Lone Wolf, então é completamente sem sentido você colocar angles da melhor fase dele como “angles bizarros”

  6. Muitas das razões pelas quais eu desisti da TNA há uns meses.

Comentar

Login com Facebook

Editar avatar »

Notificações por email:

Wrestling.PT © 2006-2016 / Política de Privacidade / Disclaimer / Sobre Nós / Contactos / RSS Feed / Desenvolvido por Luís Salvador