Top Ten #66 – Armas Pouco Comuns

Sejam bem-vindos a mais uma edição deste Top Ten, que já cá está de novo com novo tema e a entrar no meio da ressaca do SummerSlam. No entanto, os grandes momentos não se ficaram só pelo SummerSlam e no Raw seguinte já existiram razões para querer ver. Seth Rollins e Dean Ambrose até são uns nomes de estimação jeitosos para se dar a esses momentos. Fecharam o Raw em grande com um segmento brutal a mandar cumprimentos à CZW, ao enterrar a cabeça de Ambrose no cimento, com um CurbStomp. Miúdos, não tentem isso em casa.

É tirado dos livros da CZW, mas é muito bruto para a WWE e não é costume ver-se. De cadeiras, canas, mesas e degraus já estamos nós habituados. Noutros tempos e por outras zonas, quando querem elevar a escala da violência, também recorrem a arame farpado e pionés, que já são clássicos. Mas de vez em quando, também podem usar umas coisas que até nem são costume. Vejamos lá os objectos, alguns bem esquisitos, que até podiam constar mais nas listas de preferências.

10 – Botas

Confesso que abro a contagem com este aqui por cisma. Porque ainda não aceito que se recorra a uma bota vazia como uma arma fatal. Como é que uma bota vazia – ainda por cima uma bota de wrestling – pode ser credível como sendo mais eficaz que uma bota com um pé lá dentro que a encha e a possa conduzir com mais força e precisão? É que já o vi a ser feito, como manobra de desespero e só fiquei a pensar “Hã? Uma patada na boca não era opção e não tinha mais efeito?”. É verdade que se tirarem um sapato e mandarem a alguém o petardo certo, dói e bem. Mas, se tiverem o atletismo certo e a possibilidade de o fazer, um banano nas trombas não terá mais efeito? Mas registam-se os casos. Johnny Nitro já venceu um título Intercontinental às custas de uma bota de Melina, que até podia ser de salto alto, mas nem disso ela tirou partido. E até o Del Rio, o gajo que sabe como mandar uma patada bem assente, já teve que recorrer a isto. Mas ele também era o homem que embrulhava o punho no cachecol para socos. Ele, no fundo, era um bom rapaz para os adversários, só.

9 – Blocos de cimento

O caso do último Raw e que já não é estranho para a CZW. Mas não vou encher isto de casos da CZW, senão ia ser bonito. Lâmpadas florescentes iam para a lista e lá são mais comuns que gravilha. E existe sempre o skill especial em saber enterrar uma seringa na testa do outro. Coisas fantásticas. Mas os habituais blocos de cimento que lá são arremessados (encostados) contra cabeças e onde se sofrem body slams, chegou ao Raw para receber um beijo de Dean Ambrose, com ajuda do pé de Seth Rollins. Ao menos não tirou a bota para isso. Não é das coisas mais vistas pela TV da WWE e duvido que se torne a ver com facilidade e que se torne algo vulgar em qualquer combate Falls Count Anywhere, No Holds Barred, No Disqualification ou outros que tal, assim tão diferentes e distintos. Uma coisa é certa: não confiava naquele cimento para obras minhas!

8 – Guitarras

Mas estas ainda encontram o seu lugar, quando há condições para isso. Para o Honky Tonky Man ou para o Jeff Jarrett era como a oração do dia. Também não queria guitarras daquele material, à maneira que elas se desfazem. Mas há outras circunstâncias como combates de estipulações bizarras, como houve com Dolph Ziggler e Damien Sandow. E sempre que alguém levar uma banda para o palco para celebrar algo – especialmente Mariachis – já sabemos que nem todos aqueles instrumentos ficarão inteiros até ao fim. Mas pronto, de vez em quando, lá vem uma altura em que um indivíduo tem vontade de fazer parte dos The Who e começa a destruir instrumentos. Só que na cabeça dos outros. E dessa forma, tocam melhor que muitos que andam por aí!

7 – A urna

Também não é qualquer um que tem acesso a isto. Não esperem ver o Adam Rose ou o Justin Gabriel a utilizar uma urna como arma. É rara e é exclusiva também. Utilizada apenas por e contra um homem: Undertaker. Se há uma urna, há Undertaker por perto e há sempre uma doentia tendência a roubá-la, porque não há nada que proporcione mais prazer que andar a carregar as supostas cinzas de outra pessoa. E, de vez em quando, pode usar-se como uma arma porque aquilo até aleija. Tantas vezes por Undertaker como contra Undertaker. Pronto, não é caso para se achar algo assim tão ofensivo… A não ser que dêem uma ao CM Punk.

6 – Telemóveis

Encaremos já uma coisa: os telemóveis evoluíram muito com os anos. Para sentirmos bem a eficácia de um telemóvel, temos que recuar ao início da década de 90 e aos tremendos tijolos que eram o estouro só porque era um telefone que não tinha fios. E o Paul E. Dangerously gostava muito deles e gostava muito de os usar da forma errada. E agora imaginem levar com um desses na cachola. Iam demorar mais tempo a recuperar os sentidos do que a apanhar rede no maldito aparelho. Entretanto, as coisas foram evoluindo e os telemóveis foram decrescendo, tornando-os inúteis como armas – talvez ainda se aproveitassem alguns Nokias e tal. O certo é que agora com os smartphones e com a mania de querer fazer a vida toda nos desgraçados, eles já estão a crescer outra vez e já devem dar para rachar uma cabeça ou outra. Podem utilizar-se telemóveis como arma nos tempos modernos? Perguntem ao Tyler Breeze!

5 – As garrafas de água do mal

O que procurar quando se sai do ringue e se vai à zona dos “announcers”, “time keepers”, etc? Tem sempre lá cadeiras onde se podem sentar. Toda a gente usa essas. Os cabos podem servir para estrangular alguém. Mas é violento demais. Tem sempre lá a campainha e essa dói e bem, perguntem ao Cody Rhodes. Mas também já se usa de vez em quando. Então, coloquem-se no lugar do R-Truth e, por instinto, vão ter ao mais mortífero e perigoso objecto que possa colocar em risco o bem-estar físico do adversário: uma garrafa de água de plástico! Vendida pelo adversário como se estivesse a levar um tiro! Miúdos… Não tentem mesmo isto em casa! Já viram a água que desperdiçam?

4 – Carrinho de compras

Já nós próprios, no supermercado, temos uma vontade interna de nos tornarmos criativos com o carrinho de compras e sair a deslizar por um corredor fora, assim que nos aparece um vazio, até que o mais desprevenido obstáculo nos detenha. No mundo do wrestling também já houve maneira de chegarem os carrinhos de compra aos ringues e não era para fazer compras. Pelo menos não acho que fosse a intenção do Raven. Até dá jeito para levar as armas todas, sem ter que as carregar todas a tiracolo. Nem isso dá jeito a caminhar e pode sempre ficar alguma pelo caminho. Logo, sim, dá jeito este carrinho. Contudo, não sei se dá assim tanto jeito colocar um marmanjo lá dentro e arremessá-lo contra alguma parede. Nem pelo passeio e pelo divertimento do colega dá, porque a parte final dói. Mas eles lá sabem o que fazer com eles. Assumo eu que se encontrasse dois indivíduos num supermercado a brigar com carrinhos de compras, que a coisa se estaria a tornar feia!

3 – Moedas

Não se punham propriamente a atirar trocos para o chão para o adversário se distrair a apanhá-los e a seguir vencer o combate. Assim não tem qualquer ofensiva propriamente dita. Talvez seja a maneira de derrotar o Ric Flair actualmente, mas não passa disso. Tem que se dar uso ao peso e dureza de uma moeda. Ou de várias. Logo é juntar os trocos todos que vão juntando – em alguns casos de wrestling antigo, até havia de ser o que restava após uma semana – metê-los dentro de uma meia ou de um saco e assentar bem aquilo na testa do adversário que ele fica a ver cifrões a bailar à volta da cabeça. A inconveniência: o árbitro ver o chão cheio de trocos e não fazer nada – a não ser que ele automaticamente considere ali um suborno. E a perda de dinheiro também é trágica. Felizmente, agora recorre-se mais a soqueiras para o golpe rápido e mais discreto.

2 – Clorofórmio

É, até isto. Realmente havia de ser bonito se todos se lembrassem disto. Para quê perder tempo a tentar incapacitar o adversário com wrestling quando pode deixá-lo logo a dormir ao fazê-lo cheirar um paninho? Combates rápidos demais e muitos “no contests” se fossem todos lembrar-se disso e desmaiar ao mesmo tempo. Felizmente, só um cepo se lembrou de fazer isso e foi logo na Wrestlemania. Com certeza no pior combate na carreira de Undertaker, Giant Gonzalez recorreu a estas tácticas sujas para deitar abaixo o “Dead Man” e dar-lhe a paupérrima vitória por desqualificação. Para mim a maior mancha na streak do Undertaker. E importo-me muito mais com isto do que com a streak a acabar. Mas pronto, para já o clorofórmio fica fora dos ringues. E, espero bem que também fique fora dos backstages, porque sabemos que tem lá meninas vistosas e eu não confio no Jerry Lawler!

1 – Perna de pau!

Vamos ser directos. Pode-se usar, basicamente, qualquer coisa como arma, desde que dê para pegar e acertar no alvo pretendido. Uma perna-de-pau até me parece bastante fácil de manusear para estes propósitos. Por acaso não foi nenhum lutador com uma perna falsa que pôde usufruir da sua própria. Era o Diesel, que já esteve mais longe disso, por acaso. E recorreu a um “fã” – lutador retirado, precisamente por ter uma perna a menos, Maurice “Mad Dog” Vachon – na plateia para agredir com aquela notória arma. A mais adequada que encontrei para a primeira posição. E agora a piada fácil que estavam à espera: só por ser o Diesel, ele arranjou maneira de romper o quadrícepe àquela perna!

Com estas dez únicas armas que já foram utilizadas em ringue fecho o Top Ten. Sim, só dez, o que não deve ter faltado foram objectos pouco ortodoxos a servir para fazer asneiras num ringue. E deixo essa parte para vocês, que dê para muita conversa, acrescentem algumas armas deste calibre para me recordar e me apresentar mais. A bola está no vosso campo, logo já me posso retirar. Espero que tenham gostado e espero poder cá estar na próxima semana. Em princípio estou cá. Até lá, bons finais de Agosto e aproveitem enquanto o Verão ainda quer dar as últimas – isto é se ele não quiser estar com força em Outubro. Até à próxima semana!

Sobre o Autor

- Escritor do artigo “Top Ten”.

8 Comentários

  1. JoãoRkNO ® - há 2 anos

    Excelente trabalho Chris . Deixo aqui uma sugestão . Podias fazer um Top 10 para os ” Most Botched Match´s ” do presente ano ou até mesmo do ano passado .

  2. Joao Filipe - há 2 anos

    Uma bota não dói nada. Agora um stick de hóquei… já fui parar ao hospital por levar com um stick na boca.
    Bom top10, como sempre.

  3. FrancisDreez - há 2 anos

    Excelente trabalho Chris e o Heyman na foto tava mt fixe..Cuidado que ele ainda engat uma. (No fim acabou por engatar uma besta).
    No próximo traz o top-ten dos combates mais ridículos e humorísticos de sempre .
    Fica a dica

  4. JeanJCS - há 2 anos

    Ate aqui vejo CZW….Onde vamos parar…

  5. Zé Tomé Dias - há 2 anos

    Boa lista, só faltou a chave de parafusos

  6. The Truth - há 2 anos

    Não sei porque mais lembrei de Guardiões da Galaxia no primeiro lugar HAHA
    Mais um excelente Top Ten!

  7. DiogoCastanho - há 2 anos

    muito bom top ten para quem acordou bué cedo abrir o pc e ler isto é uma boa maneira de começar o dia bom trabalho

  8. Roberto "THE VIPER" - há 2 anos

    Belo top 10 Chris.
    Destaco o 6,4,3,2 e o 1
    Seria awesome se tivesse bastões de baseball, teclado de computador, tablets, entre outros objetos SUPER Hardcore :P. Deixo aqui uma sugestão, Top Ten maiores finishers da WWF/E.

Comentar

Login com Facebook

Editar avatar »

Notificações por email:

Wrestling.PT © 2006-2016 / Política de Privacidade / Disclaimer / Sobre Nós / Contactos / RSS Feed / Desenvolvido por Luís Salvador