Existem 2 vagas na Equipa do Wrestling PT para publicar notícias. Candidata-te!

Top Ten #80 – Histórias Abortadas

E dou-vos as boas-vindas a mais uma edição do Top Ten em que desato a enumerar coisas giras com um tema em comum em que dê para eu arranjar dez dessas coisas giras. É uma boa maneira de explicar todo este espaço. Mas como já o conhecem, não adianta estar a descrevê-lo, o que interessa aqui é o novo conteúdo. E vou logo buscar a ideia ao regresso do célebre General Manager do Raw anónimo esta semana. Regresso esse que fez todos os fãs celebrar quase tanto como com a estreia do Sting.

Decidiram resgatar das cinzas a história do GM anónimo… Ignorando uma revelação já feita anteriormente. Que, tendo em conta quem era, até foi para o melhor. Mas se olharmos para trás e recordarmos… Alguém se lembra de algum fecho concreto àquela balda de história? Simplesmente desvaneceu e como ela houve muitas. Recordem estas dez histórias e relembrem os seus desfechos que não aconteceram, foram abruptamente abortados ou seguiram noutra direcção bizarra. Recordem lá.

10 – Tarver, o mirone

Antes de mais nada, talvez precise de vos recordar quem era o Michael Tarver sequer. Lembrem-se dos Nexus e dividam em grupos: os que tiveram sucesso, os que viraram jobbers, os que desapareceram de TV e o Michael Tarver. Se não ajudar, tentem lembrar-se do angle que tentaram para o seu regresso de lesão em que ele simplesmente aparecia no background a vigiar… Alguma coisa. Nem se encontrava ainda padrão nos segmentos em que ele aparecia. O que é que ele queria? Ninguém soube, foi despedido antes de se resolver o assunto. Se calhar só queria um copo de água, direcções para um WC ou instruções sobre como ficar over. Mas lá ficou como a sua passagem final da WWE uma espécie de gimmick em que era apenas um mirone que às vezes cumprimentava pessoas. E então, sempre se lembram dele?

9 – Little Johnny > Little Jimmy?

Recuemos um bom bocado no tempo. Até porque eu apenas sei disto mas não acompanhei isto, ainda foi um pedaço antes de me tornar um mark. E corresponde à estreia de Heidenreich antes da estreia de Heidenreich. Sim, gimmicks abortadas em que os gajos são mandados de volta para o desenvolvimento há muitas, mas esta tinha mesmo uma história por resolver. Heidenreich, o performer, baseou-se na sua infância e criou uma gimmick em que falava para um urso de peluche a que chamava “Little Johnny”, de forma algo… Excêntrica, no mínimo. Ele fazia as coisas e destruía os adversários pelo Little Johnny, representado naquele boneco. Sugeria-se que o Little Johnny fosse mesmo alguém que o controlasse ou que ficasse apenas algo simbólico como a Sister Abigail, ou apenas alguma prova de que o gajo era tolo varrido. Nunca se chegou a saber, foi Heidenreich e foi Little Johnny de volta para o desenvolvimento, até que o grandalhão regressasse como Heel para escrever poesia, violar o Michael Cole e ter diálogos homo-eróticos com o Snitsky. Vendo bem, até nem correu mal. Já o Little Johnny também foi para desenvolvimento e treinou mais alguns anos para voltar como Lil’ Jimmy e tornar-se um dos personagens invisíveis mais over da história. Muito mais over que o Michael Tarver, sublinhe-se.

8 – Os disparates de Ryback

Um caso misto de “história abortada” e “gajo sem rumo”, dada a maneira como o fizeram. Considero-o para aqui, porque até andava a gostar disto. Numa altura em que não se parecia atinar com nada para fazer com Ryback, este decide atrair atenção de outra forma: no Twitter. O gajo escrevia cada disparate que até devia deixar o Scott Steiner orgulhoso. E tentaram levar essa faceta ao ecrã, dando-lhe aparições sem propósito. Ainda aponto o episódio do Main Event em que ele entrou no final de todos os combates e segmentos apenas para andar à volta do ringue a gritar disparates como o meu momento favorito da sua carreira. Era bem capaz de andar só perdido porque não se pegou mais nisso. Por muita piada que eu lhe tivesse achado e que gostasse de vê-lo a andar a fazer o mesmo. Em qualquer lado. No ringue, no parque de estacionamento, no meio do público, no backstage onde encontrava o seu antigo parceiro, Michael Tarver. Só ficou com uma tag team com o Curtis Axel, afinal. O que se mantém: ele muito fino não é.

7 – Nation of Jobbernation

Vamos ver onde esta coisa do “New Day” vai dar. Para já, já arranjaram algo que fazer com eles, o que para mim é bom. É sempre bom ocupar os talentos que têm. Mas isto já é a segunda tentativa de fazerem algo com eles, se nos lembrarmos do falhanço que foi a primeira. Xavier Woods, como bom orador que é, consegue persuadir Big E e Kofi Kingston a mudar de atitude e a juntar-se a ele. Formaram um grupo com atitude e tendências Heel, algo de novo e exclusivo para alguém como Kofi. Parecia que iam criar uma espécie de “Nation of Domination” mas mais lá embaixo no card. Afinal apenas juntaram três negros com quem não tinham que fazer e decidiram revolucioná-los. Por sorte não encontraram o Michael Tarver no backstage e o recrutaram. Mas por aí se ficou. O trio desapareceu e alguns dos seus membros foram jobbando ocasionalmente, a solo, como Faces. E andaram varridos de TV até virem estes “New Day”. Que isto resulte para os três promissores atletas, então!

6 – Undertaker e grupos

Assim até parece que há algum padrão, com Undertaker a ser tramado por grupos e a deixar vingança no ar, sem que esta se concretize. Primeiro deu-se com os Nexus e Wade Barrett safou-se de boa de o ter atacado e retirado de TV. O plano inicial seria colocar Barrett atrás da streak na Wrestlemania, mas mudaram de ideias e o grupo de rookies saiu ileso. Undertaker regressou sem querer saber disso e apenas trocou olhares com Triple H a contar toda uma história. A seguir foi com os The Shield, após estes o arremessarem por uma mesa de comentadores dentro e deixá-lo de baixa. Antevia-se mais uma vingança. Que ficou em casa. O plano inicial seria reunir os “Brothers of Destruction” contra os Shield mas deixaram isso de lado, devido à saúde de Taker. E Undertaker volta muito bonzinho outra vez e a perdoar, voltando-se para Brock Lesnar, o que acabou por não ser boa ideia, mais valia ir aos Shield. Ou ele não tem problemas com ser atacado por grupos ou ganha medo ao ver-se em desvantagem numérica. Especialmente quando os Nexus tinham o Michael Tarver!

5 – Vince vs Triple H

Uma observação: isto vai acontecer, mais tarde ou mais cedo. É daquelas coisas que já estão escritas e não há como as desviar. Podia já ter acontecido no ano anterior mas deram a volta à coisa. Vince e Triple H mostravam os seus primeiros sinais de tensão e a coisa agravava-se quando Triple H quis enfrentar Curtis Axel com uma concussão e Vince o proibiu, para rebeldia deste. Logo aqui o azedume disparou. Depois veio o factor Daniel Bryan: lutador que Vince não aprovava como cara da companhia mas Triple H sim. Vince queria alguém grande e forte, talvez um Michael Tarver lhe servisse. Triple H não achava que isso importava, tendo também em conta alguns dos seus melhores amigos. Já se viam faíscas. Até chegar á altura e Triple H virar Heel e passar a ser o Vince da história, na crusada Anti-Bryan. Foi para surpreender, mas se olharmos para trás… A rivalidade entre sogro e genro já estava construída até metade, com o culminar já ali tão perto. Aquilo tresandou a mudança de planos. E até nem foi para pior.

4 – O General Manager anónimo

Tanta coisa à volta de um PC portátil que tinha um apitar irritante e que deu uma catchphrase parva e igualmente irritante a Michael Cole. Lutadores rivalizaram com um computador e até um Hall of Famer como Edge se passou da cabeça até ter que questionar porque é que ele estava a discutir com um computador – ora essa, já ameacei o meu tantas vezes. Meses que arrastaram isto. Aumentava o burburinho sobre quem estaria por trás daquele anonimato. E eles lá andaram. Lá andaram. E lá andaram até nos apercebermos que o raio do pódio já não estava lá e o GM tinha ido á sua vida sem nos dizer quem era. É assim mesmo. Melhor que isto só a resolução tardia em que a mente genial por trás deste esquema era… Hornswoggle, claro. Uma nota positiva: pelo que o seu recente regresso sugeriu, já não se sabe outra vez quem é. Ou estão a jogar a carta do “nunca aconteceu” ou assumimos que o Hornswoggle era o GM naquela noite apenas. Eu nem quero estar aqui a criar padrões ou running gags, mas cá para mim é o Michael Tarver e era isso que ele andava lá a tramar!

3 – OMG KEVIN NASH, THOUGHT HE WAS DEAD, LOL!

Foi uma coisa que ia dar numa coisa e que acabou por dar… Em qualquer coisa. Tinha o CM Punk acabado de fazer história com a sua pipebomb e a ter combates clássicos com John Cena, quando se dá o choque e Kevin Nash decide interferir com o ataque a Punk. Tudo parecia orquestrado por Triple H e era nisso que Punk acreditava, ainda para mais quando havia uma SMS enviada do telemóvel de Triple H para Nash a dar ordem. Estava instalado o mistério para o decorrer da história: quem enviou a SMS? Consta-se que o plano inicial fosse John Laurinaitis para obter poder, mas em vez disso mudaram de ideias e apressaram uma boa: recorrendo às câmaras de vigilância do backstage, as únicas que sabem o que lá se passa para além do Michael Tarver, descobre-se que a mensagem foi enviada… Pelo próprio Kevin Nash. A ele mesmo. Sem rebentar o quadrícepe no processo. Porque é tolinho ou estava muito solitário. E deu num combate estranho entre Nash e Triple H, em vez de Nash e Punk, em que havia uma escada e uma marreta por propósitos pouco esclarecidos. Passamos de grandes combates entre Punk e Cena para um combate muito constrangedor entre Hunter e Nash, com gente a enviar mensagens a eles mesmos pelo meio. O que mudanças de planos fazem!

2 – E lá se vai um push

Quando um Superstar promissor vê as suas pernas cortadas quando sobia em direcção ao topo, dói ver. E causa uma cólera para com a companhia e os seus oficiais em cancelar aquilo que podia ter dado em tanta coisa boa, como por exemplo, quem sabe, um Michael Tarver. Mas quando sabemos que eles devem ter engolido em seco, tremido e sentido suores frios na situação, antes de cortarem o plano, sabemos que estamos perante uma situação diferente. Muhammad Hassan andava em feud com Undertaker e parecia encaminhado para se tornar Heel de topo e World Heavyweight Champion, capaz de atrair uma espectacular quantidade de heat, quando até tinha razão nas suas ideias – eram as suas acções que o tramavam. Nessa feud com Undertaker, usufruem de uma manobra arriscada ao utilizarem atacantes encapuçados, a lembrar terroristas, a atacar Undertaker… Numa altura em que um horrendo atentado se tinha acabado de dar em Londres. Ainda conseguiram cortar as imagens da gravação antes do Smackdown ir para o ar em solo Americano, mas já elas tinham dado em solo Inglês, precisamente o que estava mais sensibilizado. Como reacção às queixas, cancelaram a história e Hassan foi despedido, infelizmente. Quem sabe no que poderia ter dado se não fosse aquele pobre timing!

1 – Vince is dead!

Deixei este para a primeira posição porque me parecia evidente. Uma história tão grande, abortada por um incidente real tão gigante. Tínhamos uma storyline maluca em mãos, a envolver Vince McMahon a meter-se numa limusine que explodia a seguir. Nas seguintes semanas, o Raw tornar-se-ia uma série policial em que se tentava descobrir o assassino de Vince. Era uma história do caraças e do mais doido que se podia arranjar para um programa de wrestling. Mas lá iam eles. Até que um certo senhor sem nome decide fazer um certo acto atroz, sem descrição, à sua família que permanecerá anónima e a si mesmo. Obrigou Vince a romper o kayfabe, dirigir-se ao público em relação ao sucedido e abortar a história. E ficamos sem desfecho para aquele bizarro segmento que viu todo o plantel a alinhar-se no backstage com olhares suspeitos, que nem Michaels Tarvers, como se estivessem a preparar alguma. E todos sabemos bem que foi o Paul London, viram bem aquele risinho?

Nota: A história planeada, segundo alegado. A culpada seria Linda McMahon (!!!) e no Raw assistir-se-ia ao testamento de Vince, gravado pelo próprio, no qual ele deixava uma fortuna e uma confissão: grande parte da sua herança iria para o seu filho ilegítimo, Mr. Kennedy! Isto dar-lhe-ia o push da sua vida como Heel de topo, com poder e títulos Mundiais a chegar, até que um McMahon emprestado viesse reclamar os bens de volta. Esse era Triple H que derrotaria Kennedy em plena Wrestlemania, como já viria a ser habitual na carreira de Triple H, fazer coisas dessas. Vince voltaria com vida e revelava tudo como uma tramóia, incluindo à sua pobre esposa acusada. Uma história marada que saía daí e que nunca saiu. Resgataram a história do filho ilegítimo e era para retomar o plano com Mr. Kennedy mas, de novo, planos abortados devido à sua batalha com lesões e suspensões pela Wellness Policy. E bem que levamos com o Hornswoggle. Olhar para isto e pensar… O que poderia ter sido o Mr. Kennedy até aos dias de hoje!

Com estes dez casos concluo e já podem descansar porque também já é sinal de que não falo mais no Michael Tarver! Agora toca a vós comentar estes casos, o que acharam deles, se ficaram com pena dos seus cancelamentos, quer os justificados como os não justificados. E, claro, não falta disto e até me foquei muito em anos recentes. Logo convido-vos e encorajo-vos a acrescentar mais casos destes que se lembrem, acho que até pode ser algo interessante de se falar. Especialmente se for conhecido o plano inicial e nos deixar a pensar no que podia ter acontecido. Como seja, espero que tenham gostado deste artigo que é sempre feito para vocês e é para vocês que planeio voltar na próxima semana e assim o espero fazer. Até lá fiquem bem e continuação de uns bons dias bem geladinhos para todos vós!

Sobre o Autor

- Escritor do artigo “Top Ten”.

15 Comentários

  1. The Truth - há 2 anos

    Este artigo foi quase tão bom quanto assistir as incríveis perfomaces de Michael Tarver!
    Há como eu amo o Top Ten

  2. kidwonder - há 2 anos

    já vi que não gostas nada do michael tarver XD bom top 10 :D

  3. lmfcp2012 - há 2 anos

    mais uma vez que grande artigo ate me deu vontade de ir ver combates do michael tarver

  4. FranciscoAP - há 2 anos

    Muito bom!

  5. Don_Ricardo_Corleone - há 2 anos

    O caso do Muhammad Hassan foi um absurdo, a história tinha tudo para ser grande e nessa altura tinha os ingredientes que mais faltavam: a controvérisia máxima. Podemos ter séries sobre terrorismo, às vezes séries e filmes que giram à volta de acontecimentos veridicos de terrorismo, mas quando toca ao wrestling perdem todos a cabeça. A WWE foi cobarde e é a única culpada disso, despediram um grande wrestler por medo…absurdo. Quando foi a guerra na Ucrânia e a queda do avião tive medo que o mesmo fosse acontecer ao Rusev, felizmente tiveram a coragem que antes não tiveram e julgo que não tiveram porque faltou à WWE vontade em combater o racismo que girava à volta do Hassan, mesmo antes do atentado terrorismo. Lembro-me bem dos constantes artigos em jornais a acusar o Hassan de ser terrorista por o personagem ser árabe! Era o que giostava no Hassan, um grande wrestler completo, que era heel por dizer apenas verdades inconvenientes. É triste a falta de coragem da WWE.
    Reparei num pormenor, sempre que a WWE quer desistir de uma história que gira à volta de uma identidade secreta…chamam o Hornswoggle.
    Sempre achei que o Tarver era dos melhores que lá estava, não, não estou a gozar. No entanto estranhamente desistiram dele e acabou despedido…depois enterrou-se ao atacar violentamente o John Cena no twitter, claro que nunca mais voltou, já conhecemos a WWE. Também não faz lá falta agora e nunca mais ouvi falar dele, até agora…várias vezes. :P
    Desistir de história depois de começarem na TV é um absurdo que nucna deveria acontecer, mostra desorganização e incapacidade de planeamento. Só há desculpa para o caso do Benoit, era a homenagem a um dos seus melhores wrestlers, claro que ele voltou.
    PS: Deixa o Tarver em paz pá! XD

  6. Jorge - há 2 anos

    Falta aí o mais recente com Erick Rowan, que andou 2 ou 3 episódios atrás de alguém que parece ter sido esquecido, olha, tal como o Michael Tarver.

    Outro que me lembro é do Orton a defender o titulo dos USA que era do Booker T contra o Benoit. O Booker T, prometeu ficar a dever-lhe uma e acho que nunca mais retribuiu.

  7. 434 Days - há 2 anos

    Excelente artigo com um toque cômico fantástico. Um regresso do Michael Tarver no Royal Rumble é que era XD.

  8. danielLP21 - há 2 anos

    O melhor Top Ten até hoje xD

    A história da 1ª posição é um clássico. Faço ideia se tivesse ido para a frente…

  9. BRUNOju - há 2 anos

    Não assisti na época da 1 colocação. Porém vi vários vídeos e mais.
    Simplesmente incrível! !

  10. vitorxd - há 2 anos

    xD excelente top Ten o melhor até Hoje hahahaha

    Nem és fixado pelo Michael Tarver.Quando começou essa odiação pelo Tarver?

  11. Anónimo - há 2 anos

    Excelente artigo, o Michael Tarver ficou em todas as 10 posições, xD.

  12. The Mentalist - há 2 anos

    Hilário!! No ano passado teve umas também…

    – Kane com a Wyatt Family
    – Big Show, Daniel Brayn e Rhodes Brothers que após tanta intriga com a Authority simplesmente parecem ter esquecido a existência da mesma.

  13. MicaelDuarte - há 2 anos

    Muito bom.

  14. Vinícius Nunes - há 2 anos

    Belo artigo, me fizeste lembrar do grande, do inigualável, do main-event playa, MICHAEL FUCKING TARVER!

Comentar

Login com Facebook

Editar avatar »

Notificações por email:

Wrestling.PT © 2006-2016 / Política de Privacidade / Disclaimer / Sobre Nós / Contactos / RSS Feed / Desenvolvido por Luís Salvador