Existem 2 vagas na Equipa do Wrestling PT para publicar notícias. Contacta-nos!

Top Ten #84 – A manter debaixo d’olho em 2015

Sejam bem-vindos ao Top Ten e já estamos em 2015. Digo isto porque é possível que este assunto vos pareça familiar e tal dá-se porque já o fiz em início de 2014 para várias estrelas que podem ou não ter tido um ano recheado. Volto a fazê-lo para o 2015 que aí vem e volto a pegar em dez nomes activos nos plantéis da WWE e da rejuvenescida TNA para lhes antever um futuro. A percentagem de probabilidade de correspondência entre o que prevejo e o que acontece anda a rodar aí uns 2%. Logo, sigamos com toda essa confiança.

Não vou pegar nem em nomes que já lá estejam há mais tempo – a não ser que só se estejam a revelar agora – nem em nomes que ainda nem lá estão, senão espetava aqui com o NXT todo. E aí é mais arriscado porque não há como saber quando é que alguém subirá. E também não vou fazer a parvoíce da WWE de incluir o Sting numa lista destas. Sim, vamos todos finalmente descobrir o que o Sting é capaz de fazer em 2015!

10 – Adam Rose

Pronto, já devem achar que o início da contagem é um solavanco. Mas vá, está no início por isso mesmo, para estar no fundo da tabela, para não haver como me exceder. E porque não o tinha no plantel no início de 2014, senão incluí-lo-ia com mais alguma simpatia, por não saber a queda que ele ia ter. Mas vá, vejo um 2015 um pouco mais sorridente para Adam Rose, precisamente porque parece que ele vai estar menos sorridente. Após a sua Heel Turn, vemos Rose a ficar cada vez mais obscuro e a alegria toda dos Rosebuds começa a desbotar e a fazer do “party animal” uma personagem mais negra. Mas não o vejo nem quero a transitar para Leo Kruger, porque ia andar ali a seguir os passos do Bray Wyatt, mas com o mesmo conceito que Adam Rose sempre teve, só que no lado negro… Vejo um midcarder em condições. Agora só têm é que trabalhar mas por vezes isso é que é pedir muito.

9 – Koya

Este é mesmo dos que ainda estamos por ver, é que ainda nem vimos o desgraçado a competir. Já o vimos a passá-las negras para integrar a “Revolution” de James Storm. Fosse como Mahabela Shera, como se introduziu, ou Koya como parece ser agora conhecido de modo a ficar muito mais fácil – e a TNA parece gostar de nomes singulares – ainda não conhecemos o seu potencial e temos isso a abrir-nos o interesse para o seu 2015. Peça importante para o desenvolvimento dos Revolution? Peça importante para a sua dissolução? Teremos que ver para saber e teremos que voltar os olhos na direcção do Indiano.

8 – Damien Mizdow

Outro solavanco porque já parece que estou a contradizer o que disse logo na introdução, ao incluir um performer que já lá está há um bom par de anos ou mais. Lá porque Sandow parece o tipo de Superstar que incluiria nisto todos os anos, numa de esperança, aqui foco-me nesta cómica faceta que o salvou da choça. Já fez muito em 2014 e ficou com reacções de gigante, obrigando a ribalta a cair mais sobre ele. Agora temos mesmo que ponderar sobre o seu 2015: continuar nisto a ver o que mais há para fazer com o duplo/espelho até que o acto se gaste ou virar-se contra Miz e abraçar o público que tão facilmente conquistou? Pode ser o “agora ou nunca” de Mizdow/Sandow mas como Superstars têm disso todos os anos, nem dá para saber.

7 – Chris Melendez

Há babyfaces e há babyfaces underdog. E depois há um veterano de guerra que só tem uma perna. Isto para mim é batota! Seria o tipo de performer a quem dariam um push até à Lua se quisessem, mas lá se apercebem a tempo que isso também é discriminação e que se é para haver igualdade, ele também tem que trabalhar para lá chegar e não a dar pena. Ele, que muito trabalhou para chegar a essa igualdade a partir de uma desvantagem, não iria querer doutra forma. Mas têm aqui algo para dar imensas histórias em 2015 e é um inevitável magnetismo de heat para outros. Certamente terá um grande ou muitos grandes momentos de “underdog” a superar as expectativas. Que caia nas boas graças do povo, sem ser naquela de pena e que seja um respeito genuíno!

6 – Bo Dallas

Também não o tinha no início de 2014. E, apesar de ter a sua piada – não tanta como no NXT – teve um início algo tímido. E perdemo-lo de vista para uma lesão, dando a chance de um recomeço agora em 2015. Mesmo que não fosse dos que causasse mais alvoroço, mantendo-se a memória da(s) sua(s) piada(s), é possivel que se levante uma boa reacção ao ouvir-se a sua música num regresso, com um público certo. Há que ter em conta que Bo já teve um mundo contra si enquanto estava no NXT e progressivamente foi dando a volta até se tornar um dos favoritos, pelo menos em personagem, ou seja é bom a utilizar factores a seu favor e a melhorar. Também é certo que isso era no NXT, onde as coisas funcionam de forma diferente, mas gosto de acreditar que podemos ver Bo Dallas a arrebitar em 2015. All we have to do… is BOlieve!

5 – The Ascension

Não começou muito bem. A mudança para uma gimmick demasiado inspirada nos Road Warriors já os queimou ainda antes de estrearem, quando tinham boas personagens no NXT. As promos a rebaixar tag teams lendárias são típicas de Heels, mas parecem alguma coisa desenrascada para pegar nas comparações já feitas anteriormente e transformá-las em heat. E habilitam-se a perder reacção. Com isto, parece que os vão colocar em feuds e storylines contra tag teams lendárias, mas com certeza terão um alvo diferente. O seu 2015 também terá duas formas possíveis: mudar a coisa para ver se melhora ou continuar a tentar moldar sucesso com o heat que têm. Mas se tivessem começado de maneira melhor favorecia-os para qualquer dos lados.

4 – Bram

E eu até já acho que ele teve um 2014 fantástico. Veio já quase a meio do ano para ser um parceiro de Magnus. Mais parece que o engoliu. Roubou-lhe toda a atenção e Magnus, o ex-Campeão Mundial da dupla, parecia um mero sidekick do seu amigo de infância, que parecia estar a conquistar o Impact Wrestling aos poucos, com a sua atitude psicótica. Mostrou-se eficaz nas promos cheias de loucura e mostrou talento para o wrestling mais violento, saindo por cima de vários veteranos e lendas do wrestling hardcore. E isto em menos de um ano. Já consta algures num “Fave Five” meu – também constituído por mais de cinco – da TNA, para que eu saiba que vá mantê-lo bem debaixo de olho ao longo deste ano!

Nota: Alguém vê alguma relação entre o número 4 e o 5? É que foi sem querer, depois é que notei!

3 – Rockstar Spud

Também já não é novo a isto, mas parecem ter algo na manga para ele e convém que não seja muito pequeno – como ele – porque a plateia gosta dele e não é pouco. E lá porque ele tem imenso jeito para a comédia física e cada fato seu consegue ficar mais over que muito bom atleta que se esforça uma vida inteira, não quer dizer que ele não tenha talento em ringue e que eles não possam explorar ambos. A história com EC3 tem que culminar em algo bom para ele e a adoração que o público tem por ele também só pode fazer com que façam tudo para o preservar. Fazendo as coisas como deve ser, há tudo para um bom 2015 para o pequenote Inglês.

2 – Luke Harper

Talvez a minha maior contradição ao que disse na introdução deste texto. Já consta no plantel há mais de um ano e até já foi Campeão Intercontinental. Mas, olhando para o seu potencial, haverá como impedir Harper de continuar a crescer até devastar tudo e todos? Sem que façam asneiras, o que até é esticar muito a corda porque “saber fazer asneiras” parece fazer parte do currículo dos oficiais antes de serem contratados e deve constar entre os hobbies do Vince. Já leva uma boa colecção de grandes combates no seu não tão longo trajecto na WWE e já mostrou ter talento acima da média e ofuscava, com a maior das facilidades, o seu parceiro Erick Rowan. Ao título Intercontinental deviam juntar-se mais títulos ainda e 2015 só pode ser o solo para a construção deles ou para eles mesmos.

1 – Cesaro e Tyson Kidd

Razões para incluir uma tag team feita quase do nada entre dois Superstars estabelecidos e com títulos? Razão para os colocar na primeira posição? Uma mistura entre interminável potencial visto na dupla e na quantidade de talento que ali existe… E aquela esperança de que finalmente se veja algo bem acima do solo com estes dois altíssimos talentos. Por mim, 2015 seria o ano em que “Cesaro & Tyson Kidd” se tornaria uma coisa a sério e não apenas uma junção de dois nomes por conveniência ou desenrascanço. E o ano em que se tornariam Tag Team Champions também. Com Natalya por perto a ajudar a moldar carácter e personagem na dupla, para que não sejam apenas dois gajos que lutam em equipa. Por mim, em 2016 estava a falar sobre o quão bom foi 2015 para Cesaro e Tyson Kidd. Já não é tempo?

E aqui ficam dez sugestões para o ano, visto que não lhes posso chamar previsões. Nem devo. Agora cabe a vós fazer o mesmo, comentando estes dez exemplos e outros que achem que aqui deviam constar. Também podem buscar competidores mais bem estabelecidos, como até eu o fiz, com uma devida justificação e até podem recorrer ao NXT, o que nem seria justo. Senão espetava aqui com aquela melhor malta toda, que sabemos que nem são assim tão poucos. Mas o que importa é que se manifestem e que estejam atentos para o ano que aí vem para estes Superstars e para os outros todos. Que eu possa cá estar na próxima semana, que hei-de trazer algum assunto. Até lá fiquem bem e continuação de um bom Ano, que ainda estejam a manter as vossas Resoluções!

Sobre o Autor

- Escritor do artigo “Top Ten”.

10 Comentários

  1. Sorlei Rui Oltramari - há 2 anos

    Excelente top ten, Chris! Concordo com as posições e acho que está na hora de Cesaro e Kidd terem um push, mesmo que na Tag Team Division.
    Poderia ser incluído também o Dean Ambrose (se eles não fizerem asneira), pois está bastante ‘over’ com o público e a WWE pode querer valorizá-lo após destruir com a credibilidade dele ao fazê-lo ter uma streak negativa em pay-per-views, seja com um heel turn ou não. Confesso que esta é mais uma escolha pessoal do que uma constatação, mas o fato é que sou um grande ã do Dean e espero esse ‘push’, que ele merece a tempos.

  2. 434 Days - há 2 anos

    Um bom top e acima de tudo espero que o Mizdow,Harper e a dupla do Cesaro e o Kidd tenham sucesso em 2015. Incluo tambem o Sami Zayn (se calhar mais em 2016) que eu gostava que tivesse uma grande ascenscão para o main roster.

  3. Pirikito - há 2 anos

    Gostei do top fico muito esclarecido e bem feito alias não curti muito a tag cesaro/kidd mas outrora senti muito carisma pelo harper.

  4. Mr. Money In The Bank - há 2 anos

    Depois da separação da Wyatt Family, virei fã do Luke Harper, espero que ele tenha um grande futuro na WWE!

  5. Don_Ricardo_Corleone - há 2 anos

    Para mim o sucesso seria Cesaro, Tyson Kidd e Natalya, cada um com o respectivo cinto de campeão.

  6. FrancisDreez - há 2 anos

    O Spud naquela foto parecia panã..Eu sei que todos tem direito e é verdade,mas eu não queria um antigo militar com uma perna a menos na minha business.
    O Harper perdeu mt cedo o titulo e vê-se que agora anda meio desaparecido.
    Bom Top Ten Chris…Até segunda..

  7. DiogoCastanho - há 2 anos

    Não incluiste ninguem do NXT de resto bom top ten (Neville.Charllote, Sami)
    Miz vs Sandow na mania

  8. The Mentalist - há 2 anos

    Continuo na esperança de que a WWE enfim de valor ao Cody Rhodes.

  9. danielLP21 - há 2 anos

    Excelente. Espero muito do Cesaro e do Kidd e o Bram estava bem era nos Ascension… Aí sim, eles tinham piada. Agora dizem-me zero.

  10. wwe - há 2 anos

    a wwe tem vários talentos mas o card consegue enterralos, basta ver o rowan até ao tlc foi bem moldado, depois acabaram com ele por causa do acabado do big show, o harper também merecia mais, o titulo de ic durou muito pouco, gostava que dessem mais atenção á malta da wyatt family, não só aos shield, se bem se lembram os wyatts venceram os shield no elimination chamber

Comentar

Login com Facebook

Editar avatar »

Notificações por email:

Wrestling.PT © 2006-2016 / Política de Privacidade / Disclaimer / Sobre Nós / Contactos / RSS Feed / Desenvolvido por Luís Salvador