Top Ten #92 – Para todos participarem na WrestleMania

Mais uns passos em direcção à cada vez mais próxima Wrestlemania e eu aqui a maçar-vos com mais um Top Ten que ainda por cima traz um tema algo estranho. Mas é relacionado com a Wrestlemania e com um par de combates que lá veremos. A nova tradição da battle royal em memória a Andre the Giant e o combate pelo título Intercontinental. O que têm em comum? Gentinha que graças-a-deus. Combates bem recheados de Superstars a indicar-nos uma coisa: dar que fazer àquela boa malta para poderem comparecer no grande evento do ano.

É bem pensado e é de uma gentileza por parte deles, darem oportunidade a todos pisar e brilhar no grande palco. Desde que no main event estejam quase sempre os mesmos e os part-timers tenham meia hora ou mais a seu dispor. Fora isso, há oportunidade para todos. Piadas à parte, vejamos exemplos de combates que envolvem muita vida humana num só ringue na Wrestlemania.

10 – Team Teddy vs Team Johnny

http://dai.ly/x28d1yw

Um caso recente, decorrido na Wrestlemania XXVIII. John Laurinaitis e Teddy Long, General Managers do Raw e do Smackdown respectivamente, disputavam o poder de ambas as brands e só havia maneira de resolver isso: um combate na Wrestlemania um contra o outro! Não, foram racionais e optaram pelo caminho lógico de ter duas vastas equipas de Superstars representativos. Seis para cada lado para ter a certeza que conseguiam ocupar o máximo possível de Superstars de calibre médio-alto que andavam desocupados. É que até o main eventer da anterior teve que ir lá parar. Foi ele, The Miz, juntamente com Mark Henry, Dolph Ziggler, Jack Swagger, Drew McIntyre e David Otunga a representar John Laurinaitis, contra a equipa constituída por Santino Marella, R-Truth, Kofi Kingston, Zack Ryder, The Great Khali e Booker T. Se podem questionar o termo “calibre médio-alto” em relação a algumas destas Superstars? Verdadíssima. Que o Ziggler podia arranjar melhor que isto? Mais verdadíssima ainda! Mas lá encontraram onde atafulhar todos estes wrestlers. E o Great Khali.

9 – WWF Championship 14-Man Tournament

http://dai.ly/xpt7p4

Aqui é um pouco de batota, porque não é um combate a inserir variados Superstars, mas sim um torneio com vários combates a envolver 14 homens. Foi o que inventaram para a Wrestlemania IV, não como uma forma de integrar o máximo de lutadores possível – o roster não era assim tão extenso nos 80s – mas para conseguirem considerar muitos como candidatos ao título que se encontrava vago na altura. E para repetir o encontro entre Hulk Hogan e Andre the Giant do ano anterior, com apenas um terço da força, e acabando com um duplo count out a garantir que nenhum desses chegava sequer perto da final. Se desconhecem o evento e precisam da vossa curiosidade saciada, foi o Randy Savage que saiu por cima e venceu o torneio, batendo Ted DiBiase na final.

8 – Fatal 4-Way Tag Team

http://dai.ly/x6m6s9

Não é um caso específico porque é algo que já aconteceu por várias vezes. Mas se é para exemplificar, não temos que ir muito longe e basta recuarmos à Wrestlemania XXX do ano passado que foi nestas condições e regras de eliminação que trataram os títulos de tag team no Kickoff do evento. E já o fizeram por variadas vezes, chegando a existir dois num só card para cobrir ambos os títulos de equipas nos velhos dias da brand split. E é visto de uma forma lógica. Se é para colocar em acção o máximo de competidores possível, na divisão tag team só existe um título e várias tag teams. E não se vai arranjar espaço para eles fora da divisão. Até se pode mas não é fácil. E para ser só uma a competir, qual é a grandeza que uma só equipa carrega para ser um grande evento o palco em que enfrente os Campeões? Até nos tempos dos E&C, Dudleyz e Hardy Boyz, tinham que fazer Triple Threats para incluir as três maiores e melhores! Logo até nem me admirava nada que fizessem algo semelhante este ano. Isso ou alguma espécie de “tag team turmoil”, o que é algo ainda por utilizar e que resulta para o mesmo efeito.

7 – Divas em geral

http://dai.ly/x263hwb

Se parece uma entrada preguiçosa foi o que tive que fazer para incluir tudo porque eles fazem sempre coisas diferentes de modo a incluir todas as Divas ou o máximo possível. Umas vezes colocam-nas em combates tag team de várias meninas e chegou a ser uma curta tradição. Lá vinha aquela vez ou outra em que alimentavam os mais depravados com um daqueles tipos de combate todo fetichista que pouco ou nada deve ao wrestling. Não nos podemos esquecer da battle royal de 25 Divas que nos trouxe alguns nomes nostálgicos de volta e que acabou a ser vencido pela mítica… Santina Marella. E sem ir muito longe, no ano passado deixaram a AJ Lee defender o seu título contra, literalmente, todas as Divas no plantel. Se não for isso este ano, não é algo que ande assim tão longe. E se vos cheirar muito a Total Divas, têm razão de desconfiança!

6 – Multi-Man Intercontinental Championship Ladder Match

Não aconteceu ainda mas vai acontecer. E também acho que me devo proteger de acusações de que está aqui apenas para encher as dez posições porque considero-a importante por dar a ideia deste Top Ten. E já foi a posição 9 que ficou com esse cargo, logo acho que devo já arrumar isso. Mas é um combate que resultará de muitas formas: coloca Superstars de um altíssimo calibre a combater por algo mais que um troféu inventado com o único propósito do tema deste Top Ten; rouba o show e mantém-nos entretidos por bastante tempo; dá valor ao título Intercontinental que vai precisando de roubar o show de vez em quando para lembrar a sua importância. E até preenche o vazio de um combate que costumava constar aqui mas que encontrou o seu lugar no seu próprio PPV.

5 – Money in the Bank Ladder Match

http://dai.ly/xko4km

Que é este aqui que já tanta pérola nos deu. Aliás, as comparações entre este combate e a disputa pelo título Intercontinental são demasiadas e ainda nem aconteceu. O combate que colocava seis, oito, mais se fosse preciso, Superstars a partir-se ao meio por uma mala que garante uma troca directa pelo título principal, ou um dos títulos principais nos tempos dos dois cintos. E que roubava o show e que nos deixava a pular que nem loucos com spots que aquela malta ia inventar. É certo que é o combate que têm de encher com spotfests andantes para resultar e raramente são eles que ganham, mas vale sempre a pena. Agora já não faz parte do valioso card da Wrestlemania e conseguiu o seu próprio PPV que já leva um historial jeitoso – o que ele foi em 2011! – e fica a Wrestlemania com esta vaga por ser preenchida… Por um combate que mete mais midcarders ainda e de vez em quando um outro combate Ladder que seria exactamente igual se não fosse por um prémio diferente.

4 – 19-Man Gimmick Battle Royal

http://youtu.be/INFC7xG77mI

Uma entrada diferente. Tem o número irregular de 19 logo não é daqueles para que dê para encher de Superstars à vontade, é demasiado preciso. E porque não era para ser cheio à vontade por Superstars do plantel. Foi o momento mais nostálgico da Wrestlemania X-7 que nos brindou com 19 gimmicks antigas bem garridas. Para matar umas saudades e conseguir umas risadas. Do tipo de coisa arriscada e com pouco propósito que eles conseguem amanhar de vez em quando. Logo é uma entrada que foge um pouco à regra do tema do Top Ten porque não está aqui para dar uma oportunidade aos midcarders actuais quando tiveram que chamar uma data de midcarders antigos de sucesso limitado! Mas tinha que incluir isto. E qualquer coisa que envolva o Iron Sheik, ainda para mais a vencer, vale a pena ser lembrado.

3 – Hardcore Battle Royal

http://dai.ly/x4ycbc

E agora entramos numa de Battle Royals porque é a saída fácil. Alguém que já tenha jogado “Smackdown!: Here Comes the Pain” já se deve ter deparado com um tipo de combate Hardcore a que chamam “Time Limit” em que têm que conseguir o pin num lutador entre seis e, dentro do tempo definido, deve-se conseguir o pin nesse indivíduo que conseguiu o pin. Assim progressivamente até acabar o tempo e ficar vencedor o último a conseguir um pin. Não há eliminações, aquele que sofreu o pin pode muito bem retribuir e recuperar a sua posição. Se já jogaram já conhecem o conceito. Ou então se viram a Wrestlemania 2000 e se lembram da “Hardcore Battle Royal” de onde retiraram esse conceito. Pelo Hardcore Championship, que era o título perfeito para dar uma ocupação a qualquer um. Literalmente qualquer um, como o Joey Abs. Lembram-se do Joey Abs? Nem ele. Conceito interessante. E final botchado. Porque pouca coisa correu bem na Wrestlemania 2000…

2 – Dark Match Battle Royal

http://dai.ly/x13o5td

Eu disse que tínhamos entrado na brincadeira das battle royals. E esta aqui corresponde a uma tradição antiga que durou uns anos mas que também já foi descontinuada. É um exemplo também diferente do tema porque é um “dark match” e não é transmitido, logo dá uma semi-chance de lutarem na Wrestlemania. Mas por muitos anos se colocaram todos os Superstars do midcard e do lowcard e do esquadrão de jobbers sem lugar no card a competir numa battle royal antes do evento. Para aquecer o pessoal e para lhes engordar o cheque e deixá-los mais contentes. Na maioria das vezes era porque sim, noutras até lhe davam um jeito, como uma candidatura ao título da ECW mais tarde no card – num combate de menos de 10 segundos – ou como na Wrestlemania XXVII em que um embate entre Sheamus e Daniel Bryan – algo em que eles parecem ter cismado a todo o custo – foi despromovido a um “Lumberjack” no dark match e que rapidamente virou battle royal quando se pegaram todos à bulha. Agora pode dizer-se que resgataram a tradição, colocaram-na no card principal e acrescentaram-lhe um troféu. E esse combate é…

1 – Andre the Giant Memorial Battle Royal

http://youtu.be/9F366SLBCQU

Este que guardei para a primeira posição por ser o exemplo mais directo do propósito de dar lugar a todos na Wrestlemania. O descarado propósito da battle royal da posição 2, mas agora já em ecrã e com um troféu. Vendido como suficientemente importante para movimentar alguns midcarders mais importantes. E com o tributo a Andre the Giant a servir como a mera primeira coisa que lhes veio à mente para dar um fim àquela battle royal. Por acaso a inaugural acabou com um momento à Andre the Giant e a criar o paralelismo mas não sei se era a intenção desde sempre, até porque era uma 30-Man Battle Royal e no evento já eram 31 com Cesaro, que não estava a ser promovido como integrante e que já tinha um combate anteriormente, a parecer o 31º integrante. E tinham que conseguir um momento Andre the Giant todos os anos. O que vinha este ano? Alguém ganhar e o Ted DiBiase comprar-lhe o troféu? De facto, é o maior exemplo de um combate inventado de propósito para dar tempo de antena a todos neste evento tão importante. E é muito bem pensado e bem feito. E, mesmo que nunca roube o show, uma battle royal é sempre entretida e este ano cá estaremos nós para ver o Big Show a não ganhar outra vez!

São estes os dez combates, ou espécie de combates, ou série de combates que destaquei para este estranho tema desta edição do Top Ten que espero que tenham gostado e achado interessante para além de pouco usual. Agora o espaço fica vosso para comentarem à vossa maneira, sobre as memórias que têm de combates aqui presentes e se acham que é uma boa medida para todos terem o seu momento no grande palco. Eu cá tentarei estar na próxima semana com um novo tema que trará Wrestlemania no bico outra vez. Quanto a vocês, quero é que se portem bem e que continuem a desfrutar desta sempre agitada Road to Wrestlemania!

Sobre o Autor

- Escritor do artigo “Top Ten”.

5 Comentários

  1. Top ten - há 2 anos

    Concordo plenamente com a presença de todos os wrestlers da wwe no maior palco de todos até mesmo com os jobbers o que não concordo é por exemplo com a atribuição de certos lugares nos combates como é o caso do R-Truth por exemplo. Se ele tivesse tido uma construção decente no decorrer do ano ou pelo menos no nivel do pior dos restantes participantes tudo bem agora assim sem ter importancia alguma e de repente só porque sim coloca-lo neste combate parece-me um erro gravissimo até quando havia nomes bem mais interessantes do ponto de vista do seu estatuto actual para figurarem nos eleitos.

  2. FrancisDreez - há 2 anos

    Bom Top Ten.
    Tenho a certeza que vai ser o MizDown a ganhar esta, depois de eliminar o Miz
    No Top Ten 100, prq n fazes um top ten de todos os teus top tens..Da trbalho mas seria fixe e engraçado

  3. reigns one versus all - há 2 anos

    Gostei deste top ten,muito interessante.
    Realmente a WWE quer dar oportunidade a todos na WrestleMania

  4. Mr. Money In The Bank - há 2 anos

    Na minha opinião, nesse ano o Battle Royal deveria ser em homenagem ao Ultimate Warrior.

Comentar

Login com Facebook

Editar avatar »

Notificações por email:

Wrestling.PT © 2006-2016 / Política de Privacidade / Disclaimer / Sobre Nós / Contactos / RSS Feed / Desenvolvido por Luís Salvador