Estamos a mudar o nosso site. Dá-nos a tua opinião no Facebook!

10 Estrelas que ainda lá não estão… mas que já estiveram – Top Ten #238

Tempo de vos dar as boas-vindas a mais um Top Ten, que esta coisa sai sempre, não pára. Já viram aquele número? Então pronto, a partir daí já tiro a justificação: se acham que é difícil ainda conseguir temas todas as semanas – que é – não se esqueçam que também é difícil, por vezes, apenas arranjar títulos para a ideia que tenha. O caso deste.

Já fiz uma edição – mais até – em que falava daquelas estrelas fora da WWE que ainda não estão lá e que têm muito povo à espera que aconteça. Esta é quase isso. É a malta notável fora da WWE… Que por acaso já lá esteve, mas nem todos se lembram, ou por não terem sido memoráveis, por não associarem à pessoa ou porque pestanejaram no preciso momento em que eles lá passaram. Com certeza há mais casos, tinha uma lista maior e hesitei em muita inclusão e exclusão. Mas para me chamar os nomes todos, é só ao fim, para já, dez exemplos:

10 – Katarina

Pronto, para abrir um caso que seja mais bem sabido. Até é capaz de ainda ser notável por aí como uma ex-WWE. Mas poderá haver algum que nem fazia a tal associação à mesma pessoa ou que nem se lembrasse da história bizarra em que ela estava envolvida. Manifestem-se se são um desses. Mas vamos a recordar o seu percurso.

Actualmente retornada ao Impact Wrestling, onde parecia e dava a pensar que já aqui não era suposto lembrarmo-nos dela, afinal ela própria menciona o seu passado, numa “different season” – espertinha, ela – e que era realmente uma ex-Knockouts Champion. O Grado não sabia, pronto tudo bem, ele é meio distraído, mas nós sabíamos. Então ele com certeza não devia saber daquela vez mais antiga em que ela andava quase a enrolar-se com o irmão.

Numa altura em que Vince McMahon andava a ler Os Maias ou simplesmente estava a ser Vince, Katarina (Waters) passou pelo Raw como Katie Lea Burchill, irmã sexy de Paul Burchill, com quem tinha uma intimidade… Esquisita. Ficou a certeza de que isso era intencional quando o produto transitou para um formato mais familiar e a dupla foi retirada de TV porque já não era tão apropriada. Pergunto-me porquê. A bela Katarina Waters, ocasional actriz, já interpretou de tudo, desde uma entidade encantadora capaz de enfeitiçar ou possuir outra mulher a… Uma moça com tendências para o incesto. Lá currículo tem ela!

9 – Scorpio Sky

A lamentar um tweet

O actual membro – um terceiro membro tecnicamente – dos SoCal Uncensored, trio da Ring of Honor – que não terá aqui a sua última menção – e ex-ROH Six-Man Tag Champion já era um rosto familiar para o público, mesmo que houvesse aquele ou outro que franzisse o olhar a tentar lembrar-se de onde. Se não o seguiam noutros territórios e apenas assistem às promoções maiores, o nome “Scorpio Sky” não será o que vos diz mais.

Já ele fez piruetas na X-Division da TNA como Mason Andrews, podem já conhecê-lo daí mas se isso não é memorável e não é esse o território em questão, então passemos para o que fez na WWE. Não foi propriamente pisar um ringue. Mas foi hilariante e histórico. Scorpio Sky foi Harold, um outro paciente das sessões de terapia de Daniel Bryan e Kane, nos clássicos segmentos que deram início ao fenómeno “Team Hell No.” O principal “butt monkey” das piadas e alvo de Kane e Bryan, que raramente se entendiam, a não ser quando fosse algo contra o pobre desgraçado Harold.

Foi uma passagem com uma personagem que não lutou. Mas o plano foi sempre esse? Talvez não, talvez pudessemos ter vindo a ter mais Harold e, até, Harold em ringue. Acontece que a WWE desassociou-se do performer – e anunciou-o publicamente – após um tweet do lutador que podia ser interpretado como homofóbico, e anunciaram que não tinham planos de voltar a trabalhar com ele. Entretanto já ele se desculpou, não defendendo o tweet em questão e recorrendo um pouco ao velho “tenho muitos amigos gays,” mas ficamos ainda a especular se isso lhe custou qualquer nova chance na WWE. A coisa anda a correr-lhe bem, para já, mas qualquer coisa, que peça aí umas dicas ao Sr. Hogan…

8 – Su Yung

A mais aterradora Campeã que ande por aí actualmente, acredito. Integrante relativamente recente do Impact Wrestling, já fez a vida negra a várias lutadoras, com alguns maneirismos um bocadinho fora da caixa e do mundo comum mortal, capaz de fazer a Rosemary parecer mais mansinha – e chegou a amansá-la mesmo. Tanto que já é Knockouts Champion, realmente.

Não servirá de muito puxar pela cabeça para lembrar uma personagem tão assustadora a passar pela WWE, a fazer as coisas que Su Yung faz lá pela Impact Zone e outras arenas que visite. Porque ela não tinha esta Su Yung como sua personagem, ela lá era simplesmente Vannah, nome retirado de um diminutivo do seu próprio nome civil. E se calhar também não servirá de assim tanto pensar para tentar lembrar de alguma Diva, alguma competidora chamada Vannah, lá pela WWE.

Só se andassem bem atentos aos territórios de desenvolvimento, porque a sua passagem não foi muito longa e foi apenas pela FCW, entre meados de 2010 e o Verão de 2011. Foi numa altura em que pôde trabalhar com outros nomes bem conhecidos nossos como AJ Lee, Naomi ou outras que possam ter escapado da memória como Aksana ou Audrey Marie. Mas nunca foi promovida e partiu para outros campos. E pronto, pifou e deu naquilo que ela anda a fazer agora. Nunca pensam nas consequências dos despedimentos quando os fazem…

7 – Eli Drake

Introduzo, desde já, ligando ao caso anterior. São passagens breves que nunca chegaram a TV principal. Inicialmente não estava para incluir esses casos, mas achei que também eram curiosos. E Eli Drake chegou à TNA/Impact Wrestling como um dos lacaios de Drew Galloway, numa equipa formada por lutadores frustrados com os seus percursos anteriores. Estava pouco mais que implícito que ele era um ex-WWE.

Mesmo que longe de ser uma estrela por lá. Hoje em dia já o é, quem não gosta do barulhento Eli Drake? Até acredito que venha a ter um efeito EC3, um dia, em que regresse à WWE um homem novo, renovado e já com todo o star power que não conseguiu obter por lá. A WWE, com certeza, gostaria de capitalizar nisso um dia. E o próprio Eli Drake já estaria à vontade para voltar porque o factor que o afastou já lá não está. Mas antes de explicarmos esse factor, façamos uma breve revisão ao seu percurso.

Antes de um contrato propriamente dito, também ele foi jobber por lá, quando precisavam de gente para um squashzinho – ora procurem lá nos antigos jobs do Jon Moxley/Dean Ambrose, atentem ao seu parceiro num handicap com o Big Show… Só que aí tinha o genial nome “Dick Rick.” Assinou com a WWE em 2013, já estava no Performance Center, fazia parte do plantel do NXT, já ia lutando em dark matches. Só lhe faltava a personagem, o seu Slate Randall, introduzida em TV. Nunca teve a chance de chamar “dummy” a ninguém lá, acabou por abandonar devido a um enorme factor que ele não considerava dar-lhe condições para fazer parte do plantel. E esse factor chamava-se Bill DeMott. Hoje em dia já sabemos bem que ele tinha a sua razão. E olhando para a sua carreira… Precisou muito dele e dos seus abusos?

6 – American Wolves

Um anda mais dedicado a tornar-se doutor e o outro a interpretar um tolo varrido que é capaz de precisar de um doutor especializado. Estão os dois bem da vida, carreiras a correr-lhe bem. Davey Richards, afastado dos ringues e Eddie Edwards, ex-World Champion na TNA/Impact e onde actualmente adoptou uma postura bem mais violenta e sádica. Antes disso, eram os American Wolves na Ring of Honor e pelo mundo inteiro, onde somaram ouro, inclusive até individualmente, como ROH World Champions.

Já eram estrelas há um tempo, sim. Mas não havia WWE no seu registo. Mas houve, que eles passaram lá. Foi um longo try out de uma semana, em 2013, no qual chegaram a passar pela TV, no NXT, enfrentando os então Campeões Ascension. Não deixa de ser curioso pensar nos Wolves como aquela equipa supertalentosa e veterana e os Ascension como os mais básicos e “WWE based” e imaginar uma enorme disparidade nos dotes… E vermos, durante o combate, quem é que comete os botches. Há nervos e há muitos factores, de facto. Não digo que tenha sido essa a razão, não creio que tenha sido, mas de facto não ficaram na companhia, mesmo depois de já terem competido em TV.

Não eram os Wolves, acharam que isso de ser lobos era muito forte e lá lhe reduziram a raça e denominaram-nos de “American Pitbulls.” Dava para uivar na mesma. Os nomes individuais, minha nossa. Ainda era do tempo em que não aceitavam nomes de fora ou reais e escolhiam-nos com dardos. Davey era Derek Billington e Edwards era John Cahill, boa sorte a lembrar-se desses nomes amanhã. Não ficaram com esses nomes ou com os contratos com a WWE mas não tardaram a assinar com a TNA, mostrando que estavam mesmo dispostos a seguir em frente para novos territórios e novos desafios. Acredito que lhes tenha corrido tudo bem, sim.

5 – James Storm

O “cowboy” está num grupo restrito de antigos “TNA Originals” que ainda não constam no plantel da WWE, depois do desvaste que lhe fizeram quando a malta já não tinha muito objectivo a cumprir por lá ou propostas que realmente os persuadisse a ficar. AJ Styles, Samoa Joe, Bobby Roode, Eric Young… Já foi toda a malta para lá. Abyss, por exemplo, ainda está em casa. Storm anda por aí.

Ou seja, é dos poucos que restam que não estão lá. Mas passou. Nem sei se foi o primeiro! Se não foi mesmo o primeiro, foi dos primeiros. James Storm chegou a apresentar-se no NXT como uma enorme surpresa – a malta agora está sempre à espera que um nome grande apareça lá, na altura ainda surpreendia – e ganhou uns combates sem pretender enganar ninguém em relação ao seu conhecido currículo, todos sabíamos que aquele era o “cowboy.” Mas não se aguentou lá por muito mais do que um par de combates e, na altura de analisar propostas, a TNA colocou muito dinheiro encima da mesa e acabou por convencê-lo a voltar para casa.

Não parece que tenham adicionado muito mais além do dinheiro, visto que a sua carreira não usufruiu de algum boost novo e acabou por estagnar de novo, arrebitando na despedida. Actualmente Storm viaja por aí, inclusive pela ICW, mas não me consta que as portas da E estejam fechadas para ele. Com tanta malta conhecida a trabalhar lá? Ele leva a “Beer” que o outro tem o “Money” e somos capazes de ter uma coisa boa de volta!

4 – Ivelisse

Não é a única cara do Lucha Underground que já passou pela WWE e muitos deles realmente passaram lá suficientemente despercebidos para serem perfeitos para esta lista, sem ter que recorrer a nomes que temos agora que nos habituar a decorar, como Jake Strong. Malta como esta cara bonita aqui. Mas não quis encher esta lista com eles porque já fiz, há um tempo, uma lista exclusivamente voltada a isso e bem sabemos que eu só sou (muito) repetitivo em casos de emergência.

Escolhi a Ivelisse para representar essa malta. E porque é que escolhi a Ivelisse? Porque raio não havia eu de escolher a Ivelisse? A lindíssima latina, que encabeça nessa categoria – o percurso de Catrina na WWE deve ser um pouquinho mais lembrado e, dando todas as preces a essa bombshell também, acontece que eu sou mais gajo de Ivelisse – tem que ser das mais populares de todo o plantel e que muitos gostariam e ainda lhe pedem no Twitter e afins para integrar a nova era evolutiva da divisão feminina da WWE. E ela podia ter feito parte dela mas não quiseram.

Foi integrante do Tough Enough de 2011 – que formou mais gente para o templo como Son of Havoc ou Marty “The Moth” Martinez – e estava lá quando o NXT se renovou para o seu actual formato e foi Superstar por lá com o nome Sofia Cortez e ainda teve tempo para algumas rivalidades notáveis como uma breve com Natalya. Adivinhem qual foi também a razão para a sua saída? Vão a umas entradas acima e releiam: Bill DeMott. Ivelisse é mesmo destacada como uma das primeiras a denunciar e abençoada seja. Ele já lá não está portanto se um dia o templo te fechar as portas…

3 – Sami Callihan

OK pronto, há outro gajo do Lucha Underground que eu possa inserir aqui. Mas este cabeça recém-rapada tem uma escola completamente diferente e não é só no templo que ele dá nas vistas actualmente. Lá é Jeremiah Crane, mas o nome Sami Callihan já era bem conhecido pelos amantes da violência mais desenfreada da CZW, por exemplo, onde foi parceiro e rival de um outro doido a quem chamavam Jon Moxley. Actualmente… É conhecido por amantes de violência mais desenfreada mas no Impact Wrestling, onde é o psicopata residente.

Quem conhece o estilo de luta de Callihan e as loucuras que cometia e ainda vai cometendo, nunca esperaria que este fosse gajo de integrar a WWE. Vai andar agora a lutar limpinho? Não seria o primeiro a transitar, apenas se juntava ao amigo Moxley, por exemplo. Até um Drake Younger mas o posto desse actualmente é outro. Pois bem, não é de se imaginar mas já lá passou, por despercebido que fosse.

Sami Callihan fez parte do NXT como Solomon Crowe e alguns ainda se lembrarão dele mesmo que o seu tempo de antena não tivesse sido coisa que abundasse. Já para não falar no arrasto. Callihan chegou à WWE em 2012. Só em 2013 lhe atribuíram a personagem e um ou outro combate no NXT e uma data de dark matches. Lesionou-se em 2014 e em finais desse ano começaram os teasers para a sua chegada em TV, com uma gimmick de hacker. Foi em início de 2015 que vimos Solomon Crowe competir na WWE por um breve período até sair, mais tarde nesse mesmo ano, possivelmente não como o gajo mais contente naquele recinto. Por acaso é daqueles gajos que não sei se conto com ele a regressar um dia… Ele diverte-se muito a enterrar espetos na cabeça das pessoas para querer deixar essa vida…

2 – Frankie Kazarian

Já aqui listámos Scorpio Sky mas há mais um integrante dos SoCal Uncensored a ter WWE no currículo, ficando só Christopher Daniels de fora, muito possivelmente como um dos maiores nomes a nunca ter experienciado WWE. Refiro-me, claro, a Frankie Kazarian, actual membro da Ring of Honor e com liberdade e passaporte para ir juntando mais uns trocos por todo o lado.

Fez-se bastante conhecido na TNA, onde já foi Campeão da X-Division e de Tag Team, com a sua dupla com Christopher Daniels a manter-se e a deixar muitas saudades. Sim, ainda os vemos juntos, mas Daniels já não tem o vírus da dança no corpo. Fã e músico de heavy metal, uma espécie de Chris Jericho da Liga de Honra nesse campo, Kazarian é um talento inegável e um nome incontornável na listagem de veteranos que não têm um percurso na WWE de que se possam gabar. Por pouco.

Em 2005, assinou com a WWE e começou a competir, aparecendo no programa Velocity antes de lançarem a sua personagem em TV “a sério.” Não era talento de aprimoramento, era mesmo um WWE Superstar à espera da sua “chamada.” Acontece que Kaz soube que não iam revitalizar a moribunda divisão Cruiserweight na companhia e isso tirou-lhe a motivação para continuar, pedindo mesmo para sair um mês depois, ainda invicto. Foi tudo o que ela escreveu. O mais curioso? O seu nome era “The Future” Frankie Kazarian…

1 – Colt Cabana

Hey Colt Cabana, how you doing? Não faltou quem previsse que, após CM Punk agitar as águas da WWE com a sua famosa “Pipebomb” em que chegou mesmo a fazer o “namedrop” do seu melhor amigo e compincha de Chicago, o cómico lutador judaico rumasse à WWE. Não aconteceu e mais difícil será, olhando para a sua contribuição na polémica disputa entre os dois partidos, na altura das acusações de CM Punk à equipa médica da WWE, que originou um processo.

É comentador e ocasional lutador na Ring of Honor, onde já fez muito. É um veterano que não precisa de cumprir muito mais para estar realizado. WWE nunca seria uma prioridade? Acontece que seria um regresso. Colt Cabana já tinha feito parte da WWE, assinando em 2007 e estreando no Smackdown em 2008, com poucas aparições, sofrendo um progressivo desaparecimento até que realmente lhe indicassem a saída e lhe dessem as trouxas para ir embora. Saiu sem deixar qualquer impacto.

E sem marcar o seu nome porque o “Hey Colt Cabana, how you doing?” não podia muito bem ser dirigido a ele, como membro do plantel da WWE. É que lá ele era Scotty Goldman, com gimmick de comediante, o que sempre lhe permitia fazer algo mais como um programa online no WWE.com, que o ocupava mais do que actividade em ringue. Muitos não associam a personagem a Cabana. Talvez o próprio Vince quando deixou Punk “à solta” e quando se falava na contratação, nem devia saber que já o tinha tido lá. Scotty Goldman, um cromo valioso da caderneta. E o acenar e frase “Hey Scotty Goldman, how you doing?” não soaria tão bem…

Aqui ficam estes dez ex-WWE Superstars que podem ter que recorrer à Internet para provar a algumas pessoas que de facto o são. Ou que realmente nunca chegaram a Superstars mas que conhecem minimamente aquelas andanças. Ainda havemos de ver alguns deles por lá como se fosse a sua primeira vez.

O que já também não é primeira vez que vos digo é para participarem, comentarem estes casos, outros que achem pertinente apontar, o tema que espero que tenha sido a gosto, etc. O plano é voltar na próxima semana e depois destas duzentas-e-praí-ou-mais edições é que nenhuma parece a primeira! Até à próxima, preparem-se lá para o SummerSlam (se fazem tal coisa) e continuem a desfrutar das férias e/ou do calor que já dizem que quer vir com a pica toda que muitos andavam a pedir e ainda se vão arrepender. Fiquem bem!

Autor

- Escritor do artigo “Top Ten”.

3 Comentários

  1. simaoP1 há 3 semanas

    O Daniels ja esteve na WWE! Lutou entre 98 e 2001 esporádicamente

    • Chris JRM há 3 semanas

      Pois foi… Bom apontamento. Ainda antes da sua passagem na WCW, que era a única que tinha em mente. Até sabia de ele ter sido um dos “Los Conquistadores” lá na manha do Edge e do Christian, mas nem sabia que ele tinha feito isso já com contrato e outras aparições. Bom apontamento, mais uma vez.

  2. Kick_Ass há 3 semanas

    Até chegou a ganhar um titulo.

Comentar