Faz login e navega sem pop-ups

10 Gimmicks Pré-Fama – Top Ten #230

É tempo para mais um Top Ten enquanto se aproxima mais um Money In The Bank e vamos ansiando por ver corpos a cair de escadas abaixo, porque somos todos uns sádicos. Para esta semana, até vamos pegar em algo que não tenha propriamente algo a ver. É mesmo um daqueles temas.

Dos mais descontraídos, sem grande compromisso de ranking, uma mera lista de diversão e curiosidades, das que podem ser retomadas mais tarde com outros dez exemplos. Gimmicks dos tempos iniciais, amadores, independentes, antes do estrelato que bem conhecemos agora. Uns mais conhecidos que outros, alguns surreais. Vejam dez exemplos e vejam quem reconhecem logo!

10 – Nicky / Caddie

Como já disse, é um Top Ten mais descontraído no que diz respeito ao ranking, sem que haja grande peso significativo nas posições. Mas achei por bem abrir com um caso já bem mais familiar, que ainda todos nos lembramos e que ainda não é surpresa para ninguém. Mas que é bastante representativo deste tema.

Bem sabemos que Dolph Ziggler atravessou um período conturbado com alguns problemas de identidade. OK, pronto, ele teve isso recentemente. Teve um pouco ao longo da sua carreira toda. Ele é isso. Mas ao início, ele nem sequer se estabelecia sequer como a mesma pessoa. E bem nos lembramos das suas duas primeiras experiências: a primeira como caddie de Kerwin White, momento mais alto da carreira de Chavo Guerrero. Nem sei se o moço tinha nome, mas assumo que fosse simplesmente Nick Nemeth. Nome do qual a partir se criou a nova alcunha carinhosa, Nicky.

Não, não ia ao ringue com uma irmã gémea, essa era outra Nikki. O Nicky era membro dos Spirit Squad, o infame quinteto de cheerleaders masculinos. Nem andava assim tão longe de ser uma Bella Twin realmente. Levou algum tempo até ser Dolph Ziggler, gajo que… Cumprimentava toda a gente nos bastidores e apresentava-se como Dolph Ziggler até ser suspenso. Para o quanto custou pegar, até diria que a carreira dele tem corrido muito bem…

9 – Drew McIntyre

Olhem que giro, colocar dois actuais parceiros seguidos. Também muito giro pegar em alguém que teve que as passar negras. Mas este foi fazer-se gente fora para voltar com a pica toda. Também é gira a outra relação com a entrada anterior: é referente a uma gimmick obscura dentro da WWE e não dos seus tempos de independente.

Eu sei que se lembram bem do “Chosen One”, o que talvez não se lembrem é que essa não foi mesmo mesmo a sua estreia. Drew Galloway, apresentou-se já com o nome Drew McIntyre, mal assinou com a WWE e apareceu no Smackdown… Em 2007. A sua gimmick? Um rapaz simpático que precisava do apoio dos fãs para ser legalizado nos Estados Unidos. OK. O durão Escocês aqui ainda era um rapazinho simpático que pedia as coisas com jeitinho. Um imigrante semi-legal. Estranho.

Se ainda se estão a perguntar porque não se lembram dessa passagem de McIntyre, não se preocupem. O seu percurso reduziu-se a uma vitória no Smackdown, transferência para o Raw, uma vitória lá e regresso ao território de desenvolvimento. Precisou de muito mais treino para integrar os 3MB ser legalizado.

8 – Spanky

Nome e gimmick iniciais de Brian Kendrick no seu percurso independente e até na sua primeira passagem na WWE. Um nome como Spanky até pode sugerir que seja alguma referência a masturbação. É o Brian Kendrick… Claro que é uma referência a espancar o palhaço!

Excêntrico como sabemos bem que ele é, não estava muito preocupado em aparentar ser mais maduro que o que realmente era e adoptou uma gimmick com esse nome e umas calças de pijama para a sua estreia absoluta, saído da escola para os ringues a sério. Também levou o Spanky para a sua primeira passagem na WWE até dar mais umas voltas, conquistar algum respeito e talvez pensar que realmente podia ser mais que alguém que passa muito tempo sozinho em frente ao computador e regressou à WWE, mais tarde, com o seu verdadeiro nome.

Depois até começou a exigir respeito a mais quando começou a pedir o completo “The Brian Kendrick” que mantém até agora. Quanto ao nome Spanky. Foi uma ideia dele. E é mesmo uma referência a isso que já falámos. Mas também era uma alcunha que ele já tinha. Se calhar quanto menos soubermos disso, melhor…

7 – American Dragon

Pronto, mais dois seguidos que estão relacionados. Muito relacionados. Não, não vejo a associação aqui a este jovem ao tal acto que deu nome ao outro. É mesmo porque ambos cresceram juntos e se lançaram ao mesmo tempo. Estas suas gimmicks iniciais foram decididas ao mesmo tempo e foram as suas primeiras. E não, este não é o Jake Long, é o outro.

O nosso Daniel Bryan, ou Bryan Danielson, como ele realmente se fez conhecido, meramente como ele mesmo, já tinha “American Dragon” como alcunha ao longo da sua carreira independente. Mas, em tempos iniciais, esse era o seu derradeiro nome e a gimmick completa, como podem notar, bem ao nível das independentes mais amadoras, com um nome pouco profundo – ideia de Shawn Michaels – e um assunto algo genérico. Mas foi o que o começou a fazer dar nas vistas.

Relata-se que, enquanto foi facílimo para Spanky sair-se com a sua gimmick, não foi tão fácil para Danielson. Como um lutador ainda pouco expressivo, foi-lhe recomendada uma máscara. Tinha um estilo de luta que se assemelhava ao estilo Japonês. Sai daí o American Dragon. Um lutador Americano à Japonesa, tão striker e bem mais high flyer que o que nos lembramos agora. E que não me consta que fizesse as… Cenas… Que o Spanky fazia.

6 – Drew Gulak

Sim, o Drew Gulak costumava ser o Drew Gulak. Acho que é a entrada mais surpreendente que aqui tenho. Que sirva como uma retrospectiva e recordação engraçada do seu percurso pré-WWE. Gulak é uma lenda na CZW, onde já foi Campeão e onde já teve algumas das suas rivalidades de topo. A sua gimmick actual de activista político anti-high flying… Uma mera remodelação da sua antiga gimmick.

De facto, Gulak sempre foi assim. Na CZW, a sua conversa era outra. Ele era um activista político com manifestações e cartazes… Contra o wrestling ultraviolento característico da CZW, e mais a favor de um wrestling clássico e técnico. E depois levava na boca forte e feio, por aquela malta que gosta de usar uns brinquedos que aleijam. Tal como agora leva na boca da rapaziada acrobática que gosta de fazer umas piruetas.

Curioso que, à sua chegada, Gulak parecesse um daqueles competidores com todo o talento do mundo mas sem carisma ou personalidade. Simplesmente porque não lha quiseram dar. Foi só dar-lhe o que ele já sabia fazer, com um novo alvo e com uns powerpoints à mistura e tornou-se a melhor cena ali no 205. O que lhe falta para ser mesmo como antigamente? Um títulozinho!

5 – Very Mysterious Ice Cream

Queriam vocês que lá andasse hoje em dia alguém com este nome. Ia sempre torcer para que tivesse os títulos todos. Mas não será 100% estranho para todos os leitores. Quem já conhece a Chikara, sabe que reside lá, desde há muito tempo até agora, uma das mais míticas e peculiares Tag Teams a já ter pisado um ringue. Los Ice Creams, são eles chamados.

E não se podem ficar só pelo nome hilariante colectivo, todo o seu conceito, equipamento e até os nomes individuais, tão sérios como Ice Cream Jr. e El Hijo del Ice Cream, sugerindo que isto é já uma dinastia de vários lutadores focados em gelado ou… Que são gelado, é a parte que ainda não processei totalmente. Por vezes eram auxiliados por um terceiro membro. Houve um curto período em que foram auxiliados por um terceiro membro muito misterioso. E caso isso não estivesse já explícito, o sacana chamava-se mesmo Very Mysterious Ice Cream. Só com isso, já é uma lenda.

Mas quem era? Lá tiveram que o desmascarar e descobriram que era um retornado ao território, uma metade dos Kings of Wrestling – tag team quase tão lendária como os Ice Creams. Um Ice Cream muito bom em uppercuts, Claudio Castagnoli era o seu nome. Hoje conhecemo-lo muito bem como Cesaro e hoje em dia anda demasiado atrapalhado com panquecas para querer sequer um geladito à parte.

4 – “The Right Stuff” Brodie Lee

Quer seja um Bludgeon Brother, um membro da Wyatt Family que não parece ter um bom relacionamento com chuveiros, ou simplesmente um gajo esquisito com o melhor Twitter de algum WWE Superstar, Luke Harper não parece dos tipos mais convidativos e aprazíveis. Não consta que o homem por trás da personagem tenha algo de errado, mas o personagem que já lhe deu títulos na WWE é que não é o gajo mais simpático do mundo.

Mas se recuarmos um pouco e vasculharmos as suas origens, vemos que Brodie Lee já parecia um tipo mais acessível e até mais aparadinho, em aspecto. A gimmick não tinha muita ciência mas se tivermos em conta que “The Right Stuff” era um hit dos New Kids on the Block e algumas das suas vestimentas mais questionáveis, vemos que a boa onda e relaxamento de Brodie Lee podiam ser um pouco demais. Luke Harper não era só um tipo mais simpático… Parecia simpático demais.

Sem cair no exagero de ser algum aspirante a teen heartthrob, saído de alguma boyband manhosa, Brodie Lee parecia muito mais o tipo a quem pedias umas dicas para sacar gajas no liceu, do que o gajo esquisito que anda pelos cantos e que mais possivelmente colecciona cabelos das gajas todas do liceu. Mas não se admirem… Muitas vezes esses acabam por ser a mesma pessoa!

3 – Leviathan

Conhecem o nome e poderá ser referente a muita coisa. É originalmente um monstro marinho e já deu nome e inspiração a tudo e mais alguma coisa. Não é nenhum monstrengo de conhecidos romances, não é nenhuma das centenas personagens de videojogos que já adoptaram o nome. Quem ande por esses meios, reconhecerá uma banda de membro único de black metal com este nome mas também não tem a ver. O único que anda nos dois campos, para já, é o Ultramantis, já que se falou na Chikara ainda agora.

Também não é nenhuma das organizações vilanescas da DC ou da Marvel – sim, cada uma delas tem uma diferente. Mas espantem-se, ainda é com a Marvel que se pode criar algum paralelismo. É que este Leviathan afinal é o Drax. E enquanto esperamos que esse volte das cinzas – vá lá, já passaram semanas mais que suficientes, já viram o filme duas vezes e as piadas na internet centenas de vezes – vamos recordando os vários tempos em que essa enorme estrela de Hollywood era apenas o nosso Batista. Calma Dwayne, que já não és o único, tens outro a caçar-te e este se calhar, só com esta franchise já te está a passar à frente.

Lembramo-nos do Batista, o “Animal” mas não nos lembrámos que antes de ser esse “Animal” e o tal monstro Guardião da Galáxia, era… Uma espécie de vampiro. No território de desenvolvimento da WWE, a OVW, adoptou essa personagem com o nome Leviathan e integrou os Disciples of Synn. Já foi mais esquisito imaginá-lo nesses preparos mas depois de chegar a Hollywood… Temos que o ver de todas as formas e feitios. Curiosamente, a sua subida para o plantel principal talvez seja também com algo pouco recordado… Mas podemos falar do Deacon Batista numa outra edição…

2 – “Heavy Metal Jesus” Logan Shulo

Brilhante. “Heavy Metal Jesus” é apenas uma alcunha genial que por acaso nunca me chamaram porque, no dia-a-dia real, seria parvo. Mas já me chamaram só a parte do Jesus. Não só porque… O J do meu nome é realmente de Jesus, que faz mesmo parte do meu nome, mas porque lá conseguem assimilar algo fisicamente. É engraçado. Era também o caso deste jovem.

Curioso que Jesus tenha a tal imagem de profeta com seguidores. Literalmente, que caminhavam com ele. Que é algo que ele muito promove hoje em dia e que, alega-se, seja o verdadeiro significado da sigla WWE e eu acredito. Isso e o seu background musical, o homem não larga a música orientada por guitarra, seja ela qual for. Logan Shulo – que já seria um bom nome – divertia-se imenso como o Heavy Metal Jesus, personagem com que ganhou os seus primeiros títulos aí por territórios pequenos.

Actualmente, não sabemos se será embaraçoso para Elias, desvendar que esse genial cantor folk, na verdade tem passado no heavy metal. Alguém que lhe diga que não há razão para isso, é muito honroso e muito bom, mas o gajo tem assim umas preferências esquisitas. Pergunto-me se Michael Cole seria igualmente fã do Heavy Metal Jesus como é de Elias…

1 – The Prototype

Bom, para fechar como abri. Se as posições não são muito significativas neste tipo de Top Ten, abri com um caso mais familiar e fecho igual. Já muitos estão familiarizados com este franganote já bem sequinho que parecia querer fazer-se gente num ringue. “The Prototype” o nome que davam a um tal de John Cena, que se calhar até ia a algum lado ou não. Muitos conhecem-no.

Nome curioso, porque pode mesmo ser visto como um protótipo do John Cena como o conhecemos. O personagem era robótico, que é o que mais diferia do bom samaritano Cena. Mas pode ser visto como prototípico na mesma, um Cena mesmo robótico a anteceder o Cena automatizado de sequências robóticas em ringue. Um background que lhe é relativamente conhecido, para lembrar que também ele teve que começar por baixo e trabalhar no duro para ser a estrela de Hollywood da WWE que é hoje.

E vejam lá quem é o maninho sempre de mão dada com ele. Com quem ele chegou a partilhar o topo da WWE e, pouco depois, a rivalizar? Batista. A quem é que o Prototype ganhou o título da OVW? Ao Leviathan. Que filme estava a dar na sala ao lado da sala onde vi o “Infinity War”? O “Blockers.” (“Empatas”) Temos que aceitar que, desde 2005, as nossas vidas foram e serão sempre a capa do WWE: Smackdown vs Raw 2006!

Aqui estão dez bons exemplos de que toda a gente tem que começar de alguma forma e passar por várias coisas até encontrar o caminho derradeiro. Nem garantias temos de que os caminhos actuais de alguns destes aqui listados sejam os seus definitivos. Mas é sempre curioso recordar e até dar a conhecer isto, por isso achei que seria um tema divertido de trazer para aqui e, à semelhança de um outro Top Ten, e de outros para os quais talvez conseguirei tema, possa ter a sua continuação. Comentem o que acham disso, o que acham acerca destas personagens prototípicas – e não só o Prototype mesmo – e podem até lembrar alguma curiosidade que se adeque a estas ou que possa entrar numa segunda edição.

É tudo vosso, vocês é que mandam, o que se quer é que participem à vontade. O mesmo para a próxima semana, quando voltarei talvez com algo mais regular. Venham cá ver e ficam a saber. Fiquem bem, malta estudante… Está quase a acabar. Para todos cá deste lado do Atlântico… Verão quase aí. Toca a desfrutar tudo! Fiquem bem e até à próxima!

1 Comentário

  1. Eu entendi a referencia do Jake Long.

Comentar