Faz login e reduz a publicidade

Canto New Japan #49 – Análise Wrestle Kingdom 12, NYD

Depois de uma muito boa edição de antevisão, o Canto New Japan regressa para mais um episódio com toda a análise ao Wrestle Kingdom 12 e aos destaques do New Year Dash.

O Wrestle Kingdom registou um enorme sucesso, quer na qualidade do evento como no aumento de assistência. Mais pessoas, mais assistência paga, um aumento considerável de estrangeiros a viajarem para Tóquio, tudo se conjugou no passado dia 4 de Janeiro.

O New Year Dash vira a página para um novo ano de histórias e do início da caminhada rumo ao próximo Wrestle Kingdom. Como é hábito, deste show saíram as principais rivalidades para os eventos do New Beginning (em finais de Janeiro e Fevereiro), com as habituais surpresas.

O ataque de Jericho a Naito, Omega a salvar Ibushi e Jay White a fazer frente a Omega são só alguns dos destaques.

Para a semana, um episódio dedicado ao “Switchblade” Jay White com a análise ao mais recente membro dos CHAOS, bem como o explorar dos cards do New Beginning.

Ps: Sim, horas depois da gravação, a NJPW meteu cá fora os cards, obrigado New Japan…

Como sempre os comentários estão abertos e espero que tenham gostado destes 2 dias recheados de acção!

Até para a semana e até ao próximo Canto New Japan!

4 Comentários

  1. Rui Portugal há 11 meses

    Ola

    Quanto ao Wrestle Kingdom, ja abordei no artigo do evento, e penso nao ter muito mais a acrescentar ao que disseste aqui também. Apenas duas notas: uma extra à crítica do combate AlphaOmega que foi o “disfarce” que o Omega trouxe para o ringue. Se no ano passado o terminator ainda fez algum sentido aqui, com a construção do combate altamente pessoal, nao fazia sentido ir para ali a brincar. Seria melhor ter ido mais sério porque foi essa a circunstância que eles criaram.

    Depois apenas um comentario geral à vitória do Okada, em especial depois do que aconteceu no Dash. Sendo que estas coisas, especialmente na New Japan, deixam sempre alguma duvida no ar sobre o que pode acontecer, o facto de o Naito ter conseguido aplicar o Destino depois de se livrar do Cobra Clutch no ultimo road to show era sempre um mau sinal, porque se havia sitio para finalmente se livrar disso seria no combate do WK. Por outro lado, sabendo que o contrato do Jericho ja estaria assinado, podemos apontar para aí porque nao fazia sentido ter o Jericho a desafiar um Naito recém-campeao quando ja tinham construido um motivo para terem um combate. Mas apesar de tudo a maneira como o combate foi perdido pelo Naito (e neste caso foi mesmo mais perdido pelo Naito do que ganho pelo Okada) foi da melhor maneira possivel, dando espaço para um rematch que vai certamente acontecer, mantendo o Naito a arder para o proximo Wrestle Kingdom e mantendo o Okada como campeao. Se o G1 deste ano acabou por parecer obvio (e de certa forma desapontante por isso mesmo) o facto de ter levado ao que levou acabou por levar a historia para a frente. Se lembrou um pouco o desfecho do WK9 em que tanto Okada como Ibushi se calhar podiam ter ganho, pelo menos no caso do primeiro vimos isso a ser ainda mais benefico a médio e longo prazo. Como nunca é feita tabua rasa ao passado, veremos estes momentos a serem usados ao longo de anos na construção do que se segue. Temos visto o Gedo no topo durante pelo menos 7 anos e sinceramente nenhum dos outros grandes bookers durou tanto tempo, manteve a criatividade e conseguiu crescer a empresa em que trabalhava durante tanto tempo e de forma tao consistente, sem períodos maus. A matéria prima é boa mas é sobretudo uma vitória dele.

    Pegando na tua apreciação da prestação do SANADA no WK, e dando-me a ideia de ser mais popular (no ocidente pelo menos) do que o EVIL, a verdade é que depois do push inicial a seguir à estreia, tem estado sempre atrás. No ano passado até se tinha gerado alguma expectativa relativamente ao que poderia ter feito quer na NJC quer no G1 (embora nao tenha percebido exactamente porque é que tinha surgido essa expectativa), que viu por outro lado o EVIL ter uma ascensão enorme (e que cumpriu perfeitamente). Será por nao ser um produto do dojo como o Watanaabe? Ou será porque apesar do seu estilo superatletico quando está ao ataque ainda nao ter aperfeiçoado aqueles momentos à Ricky Morton, de saber sofrer e de mostrar alguma emoção e levar o publico atras dele? A verdade é que ele (talvez pela própria gimmick) tem sido sempre um pouco inexpressivo mas nesse combate mostrou ja muito mais e esta nova oportunidade contra o Okada seja tanto uma prenda como nova ocasiao para mostrar o que sabe (e em 2017, combates single foram praticamente todos no G1). Se quando se estreou era ainda dos mais novos do plantel, agora ja nao é bem o caso e se nao agarrar estas oportunidades pode ja nao conseguir chegar a um patamar mais elevado. Espero que 2018 seja enfim o ano em que ele dê aquele salto e comece a mostrar um pouco mais de emoção que também acaba por ser pro wrestling.

    A ligação do Dash ao WK foi boa e criou muito mais do que apenas os cards para os proximos eventos. O Jericho sempre fica para pelo menos mais um combate, a situação dos Bullet Club continua a evoluir e, ligada a essa, os Chaos acabaram por receber mais um membro no dia a seguir ao Dash. Não deixa de ser curioso que, 3 dos 4 elementos da ultima geração de young lions (ou os 3 que foram em excursao) tenham parado todos nos Chaos. Se calhar é mais tema para a proxima semana, mas adorei esta ligação tenue entre White e Chaos e penso que nao sera de tao curto prazo (pelo facto de que se fosse para acabar cedo, tentariam que isso fosse uma surpresa e nao seria assumido logo de inicio). O Goto embora tenha entrado como substituto do Nakamura, nunca assumiu ser “de caras” o nº2 da facção e até viu o seu estatuto descer porque enquanto Sekkigun so estava mesmo abaixo do Tana. Com o Ishii também apesar de tudo a abrandar um pouco nestes dois ultimos anos (nao em termos de intensidade mas a estar mais em tags, com as devidas excepçoes), e com o Yoshi-Hashi aparentemente a voltar para trás depois do grande G1 de 2016 (incrivel como num combate com o Gedo e o Bushi foi mesmo ele a comer o pin no Dash) fazia falta uma especie de nº 2 com alguma coisa para provar e que fosse uma lufada de ar fresco.

    Esta expansao das facções (os LIJ mantêm-se os 5 magnificos, e aos Suzuki-gun se calhar fazia falta outro heavyweight se o Zack nao aparecer de forma consistente) decorrerá muito provavelmente também da tal expansao americana. Se os Bullet Club se partirem em 2 ou se apenas libertarem os The Elite, teremos sobretudo um rendilhado cada vez mais pormenorizado das relações entre clãs, um pouco à semelhança das histórias clássicas, especialmente japonesas e chinesas das lutas entre reinos e xóguns. E a personagem do Jay White vai se enquadrar aí de forma maravilhosa.

    • Rui Portugal há 11 meses

      Bem, no podcast de hoje do Jericho explicam a cena do traje. Enfim.. de qualquer das formas pareceu-me despropositado e fora do espírito do combate. Às vezes as coisas têm de ser guardadas para quando fazem mais sentido, mesmo que o Omega esteja a preparar a saída e pense que nao tera muitos mais Wrestle Kingdoms pela frente

  2. The Demon Jorge há 11 meses

    Boas.

    Bom podcast creio que falas te de tudo o que havia para falar. Se para a semana o tema é o Jay White (excelente escolha na minha opinião) hoje não me irei focar muito nele.

    Análise do Wrestle Kingdom 12:

    New Japan Rumble: Depois de saber a história do Masahito Kakihara (a história do Takayama já conhecia) creio que não poderia haver melhor vencedor. Além disso dar os parabéns ao Masahito que está prestes a vencer a luta mais importante de todas, a sua luta contra o cancro.

    IWGP Jr Tag Championships: Concordo com o resultado, e foi um bom combate, muito bem vendidas as lesões nas costas. O meu spot favorito foi aquele em que o Sho e o Nick chutavam à vez as costas do Matt e do Yoh respetivamente.

    Gauntlet: Foi bom dentro das expectativas. Destaco o Sabre Jr e o Beretta.

    Ibushi vs Cody: Superou muito as minhas expectativas, pois o Cody aproveitou bem o facto de estar a lutar contra o Ibushi, não brincou e o Ibushi fez o resto. Aquele Cross Rhodes da apron para o chão foi brutal, parecia que tinha matado o Ibushi. Gostei muito do facto de o Kota ter voltado a aplicar o Phoenix Splash. O Ibushi ten vindo a falar de algo em grande que tem preparado para este ano, estou muito curioso.

    IWGP Heavyweight Tag Championships: Grande combate, muito bem bookado. Adorei ver os KES a dominar completamente e a destruir tanto os LIJ como também os Young Lions. O Sanada vendeu muito bem, grande performance. O fim foi muito bem feito e ambas as equipas saíram muito fortes deste combate.

    NEVER Openweight Championship: Excelente combate, também superou muito as minhas expectativas. O resultado não era o que imaginava, mas se for bem aproveitado não tenho nada contra o pormenor do Suzuki ter cumprido a sua palavra, demonstrando a sua honra como lutador foi muito bem executado. Tenho pena é que tenha perdido aquele cabelo característico que tanto contribuía para a sua aura. Por enquanto a New Japan deu um novo e muito bom rumo ao Suzuki, espero que ganhe. E desta vez espero que o Goto tenha um excelente reinado. Para já um excelente primeiro adversário.

    IWGP Jr Championship: Excelente combate, que elevou muito o ritmo do show. Felizmente os wrestlers conseguiram fazer com que não fosse apenas um spotfest, mas sim um combate com momentos espetaculares, com histórias bem contadas, principalmente a protecção do Hiromu.

    IWGP Intercontinental Championship: Não concordo com as críticas excessivas ao Jay White. Creio que foi um bom combate para a sua estreia. Na minha opinião apenas pecou por não ter sido, ainda mais agressivo em relação ao joelho do Tanahashi, devia ter atacado o joelho de uma maneira impiedosa, algo que provavelmente vai acontecer com o Suzuki.

    IWGP US Heavyweight Championship: Excelente combate, superou a um nível estratosférico as minhas expectativas. Não vinham para entregar um combate de 5 estrelas mas parece que o Meltzer tem uma opinião diferente. E vira ache esta pontuação algo overrated, este foi para mim o melhor combate No-DQ dos últimos anos. O Jericho foi espectacular, pormenores deliciosos. Insultar o Red Shoes por este o tentar parar por o Omega ter agarrado as cordas, atacar o Red Shoes e aplicar o Walls of Jericho no Shota Umino (não sabia que era filho do Red Shoes), tirar a câmera e tirar fotos enquanto insulta o público e atacar de forma impiedosa o Omega, que vendeu muito bem. O Omega esteve excelente como sempre mas o meu destaque vai para o Jericho. Ainda tenho mais respeito por ele depois desta performance fantástica e do seu trabalho espetacular na New Japan até ao momento.

    IWGP Heavyweight Championship: Fiquei muito desiludido com o resultado, quem leu os meus comentários anteriores sabe que sou um enorme fã do Naito. No entanto consigo perceber que tenha sido a melhor decisão de booking. Percebi que o Naito ia perder depois de ver o último vídeo do Real Neat Puro que infelizmente foi apagado por queixa da New Japan. Este vídeo fez me perceber que o Okada tem de bater o recorde do Tanahashi e estabelecer se como um dos maiores de sempre. O booking deste combate foi do outro mundo. O Naito não sai descredibilizado, antes pelo contrário, pois este perdeu por culpa própria. Primeiro o objetivo do Naito era o main event do Tokyo Dome e não propriamente o IWGP Heavyweight Championship. Depois às suas emoções criaram lhe problemas de identidade. Este deixou de ser o “El Ingobernablé” e quis vencer como “Stardust Genius”. Contra o Okada é proibido cometer estes erros, pois está noutro nível, nível este alemãs atingível pelo Naito se estiver em modo “Tranquilo”. Espero que seja o Naito a acabar com o reinado do Okada depois de este bater o recorde.

    Em suma, foi um excelente show, com um nível muito constante, em vez de combates fracos no início e excelentes no fim, tivemos bons combates no início, e muito bons no fim. Este WK serve como fim e também continuação de várias histórias e deixa me com água na boca para o resto do ano.

    Em relação ao New Year Dash. Foi um bom show. Não teve aqueles momentos chocantes como a expulsão do Styles e subida do Omega, ou também como o regresso dos Suzuki-Gun, mas teve momentos muito bons, que nos deixam com vontade de ver o resto do ano, e que são o desenrolar de histórias enormes. O momento do Omega a salvar o Ibushi, não só nos deixa a pensar em que estado está a relação dos Golden Lovers (aquela frase do Kenny para o Cody “I told you, anyone but him” foi espectacular no BTE), levado a um possível combate, como também aumenta as tensões no Bullet Club. Primeiro entre o Omega e o Cody, e segundo, entre o Omega e os BCOG’s (aquela frase do Tama “Maybe he was asked by the wrong person”). As tensões dentro do BC, são para mim a storyline mais interessante e bem contada a seguir à do Naito com o Okada. O ataque do White foi muito bom, para a semana falo melhor.
    O ataque do Jericho foi excelente. É impressionante como é que numa brawl as personagens são tão bem protegidas. Os LIJ menos o Hiromu permaneceram perfeitamente tranquilos enquanto o seu líder era atacado ficando apenas a observar. O Naito mesmo tendo sido atacado pelas costas gozou completamente com o Jericho com as suas poses tranquilo e aquele momento da cadeira foi espectacular. Estou ansioso por este combate, que deve acontecer no Strong Style Evolved com desenvolvimentos constantes até lá.

    Em relação aos desafios dos LIJ para mim são muito bons. O Sanada finalmente vai ter a sua oportunidade para brilhar ao mais alto nível que eu tanto ansiava, espero que aproveite com todo o talento que tem. O Goto vs Evil vai ser muito interessante. O Ospreay vs Hiromu vai ser espectacular.

    Sem dúvida a New Japan cada vez mais me faz ter a certeza de que é este wrestling que eu quero acompanhar e que me faz ser fã de wrestling. Ansioso por este novo ano da New Japan e vou acompanhar ao pormenor tudo o que acontecer.

    Cumprimentos,
    Jorge

Comentar