Faz login e navega sem pop-ups

Espaço do Fontes #6 – Os “Ups and Downs” do Money In The Bank

É um dos mais aguardados PPV’s do ano, será quase inquestionável dizê-lo e começa a ganhar já um volume de prestígio que o faz aproximar dos “Big Four”, no entanto a verdade é que se a grande maioria dos já realizados foi muito bom, nem todos os Money In The Bank até hoje foram de qualidade extrema.

Esta é uma história que começou em 2005, na Wrestlemania 21, com a realização do combate com o mesmo nome; teve o seu primeiro “special” em 2010 e se prolonga até aos dias de hoje, provocando sempre enorme “hype” e antecipação nos fãs, quando o dia da realização de mais um destes PPV’s começa a chegar.

Esta semana optei por isso por relembrar toda a história dos “MITB’s, de 2010 até 2017 , classificando-os de 1 a 8, de forma decrescente.

É claro que qualquer análise deste tipo é sempre opinativa além de que, naturalmente, a memória não nos permite lembrar de tudo o que se passou em cada um deles. No entanto, o que é facto, é que todos eles marcaram de alguma forma – com maior ou menor intensidade – devido a um ou mais momentos, combates, segmentos, o próprio “card”… bem, o que seja pelo que a lista que irão ler abaixo tentará comtemplar tudo isso.

Vamos lá então:

8 – Money In The Bank 2017

Não foi, sinceramente, um bom PPV.

Exclusivo do SmackDown e transmitido da terra de Randy Orton, St Louis, no estado do Missouri, teve como main event, um combate entre este e Jinder Mahal, pelo WWE Championship. E foi mau, muito mau: 20 minutos de “total dragging” com o “Indiano” a reter no final, para descontentamento geral.

Este foi também o MITB que viu a estreia do combate Feminino, por todos aguardado com enorme espectativa: que tenha sido um homem a tirar a mala, agudizou ainda mais o sentimento de termos sido defraudados.

No final, salvou-se o masculino, que acabou por ser um enorme combate, ainda que ganho por alguém como… Baron Corbin. Foram, no entanto, as prestações de Nakamura, AJ Styles, Sami Zayn e Kevin Owens que ficaram para a história e salvaram minimamente um PPV para não lembrar.

7 – Money In The Bank 2010

Parece que ter lugar no estado do Missouri, acaba por funcionar como que uma maldição para o MITB: tal como o 2017, também este teve aí lugar – desta vez em Kansas City – e como seu homólogo, sofreu de um main event medíocre, desta vez um “cage match” entre John Cena e Sheamus que se arrastou por mais de 23 minutos e que viu o Irlandês sair vitorioso.

Ainda assim, teve uma novidade: pela primeira, uma “briefcase” ganha na noite, foi utlizada para fazer “cash-in” … na mesma noite!

É verdade: no “opener” – o “ladder match” do SmackDown – Kane teve umas das melhores prestações que o vi fazer em toda a carreira e venceu um combate que sofreu com a falta de “aerials” mas que, ainda assim, cumpriu. Mais tarde, irromperia para tirar o Título a um Rey Mysterio cansado de um combate pelo World Heavyweight Championship, frente a Jack Swagger … e estava feita história!

Já o outro “ladder match”, da marca vermelha, prometia muito devido a nomes como Chris Jericho, Randy Orton ou Edge mas acabou por ser bastante “regular”, tendo dado a vitória a alguém que, a partir daqui, ganharia asas: The Miz.

Só por isso, aliás, já teria valido a pena…

6 – Money In The Bank 2013

Foi o quarto MITB PPV da história e teve várias curiosidades: os The Shield, por exemplo, estiveram no Pre-Show, num combate frente aos Usos.

Hoje em dia falaríamos de um inquestionável main-event.

Por outro lado, Ryback derrotou Chris Jericho e por aqui percebemos também que são muitas as vezes em que a WWE enlouquece…

Entrando nos “matches” que realmente interessam, este foi o PPV que viu a vingança de John Cena, após o celebre – e brilhantemente produzido, diga-se –  discurso de retirada de Mark Henry. Cena conseguiu submeter o “world strongest man” para obter uma vitória mais do que esperada.

Já o combate pelo World Heavywheight Championship, entre Alberto Del Rio e Dolph Ziggler – que foi bom, diga-se – terminou por desqualificação, devido a interferência por parte de AJ Lee, que ao tempo acompanhava este último.

E bem, olhando a tudo o que atrás escrevi, o PPV terá sido medíocre, certo?

Errado. Faltam os dois “ladder matches” que,  devido á sua ação no ringue – no caso do SmackDown – e aos seus “plot twists “– no que diz respeito ao Raw – acabaram por salvar o “special”, elevando razoavelmente a fasquia.

O primeiro combate de que falei foi excelente, com prestação memoráveis de Cesaro e Dean Ambrose e um vencedor-surpresa, na figura de Damien Sandow, que depois a WWE não saberia, escandalosamente, aproveitar.

Já o “ladder match” da marca vermelha foi também bem construído, destacando-se o “heel turn” de Paul Heyman – mas alguém pode pensar que este homem pode ser um “good guy”?  “No way”! – já perto do final, que permitiu a vitória de Randy Orton.

Uma belíssima forma de terminar o PPV e de cimentar o que viria depois a ocorrer no Summerslam.

5 – Money In The Bank 2014

Realizado na terra natal de John Cena, Boston, Massachusetts, este foi um “special” que viveu de dois grandes combates, que acabaram, tal como no que vimos anteriormente, por elevar a qualidade do PPV a um nível satisfatório de razoabilidade.

Claro que teve também o seu “miss matches”: ver Adam Rose derrotar Damien Sandow ou os irmãos Dust – Gold e Star – defrontar os Rybaxel – e se a equipa era má, o nome era ainda pior – não abonou em nada, no entanto, como para entrada tínhamos sido presenteados com um dos melhores combates desse ano – a destruição completa entre The Usos e The Wyatt Family – a paciência e tolerância foi um pouco maior.

Quanto aos “ladder matches”, foram dois, mas não os que estarão provavelmente a pensar, de SmackDown e Raw. Nada disso: um deles foi por um contrato pelo WWE Championship, como habitualmente e o outro… pelo próprio Titulo, que estava “vacated” devido á lesão de Daniel Bryan.

O melhor dos dois foi sem dúvida o primeiro, que ainda que tenha visto Kane a entregar de mão beijada a mala a Seth Rollins, foi um combate cheio de ação e onde o grande destaque foi mesmo o próprio Archictet.

Já no segundo, tratando-se do WWE Championship, adivinham quem ganhou, não é? O R-Truth, claro!! Não, estou mesmo a brincar, claro que foi o John Cena…

Resultado de imagem para money in the bank 2015

4 – Money In The Bank 2015

Bem e a história deste PPV ser salvo por dois grandes combates, parece estar a tornar-se um padrão. Aqui voltou a ocorrer, mas… que “matches”, senhores!!

Dizer antes de mais, que este foi um evento com apenas um “Money In The Bank ladder match” – e que, ainda assim, foi “passable” – mas com dois …”ladder matches”. Confusos? Bem, existiu outro, na realidade, mas pelo WWE Championship, onde Seth Rollins derrotou Dean Ambrose.

Esse confronto viu 35 minutos e 40 segundos de ação nem sempre frenética, mas com grandes momentos e uma história entre dois “irmãos”, que tentavam destruir-se um ao outro. No final , um “main event” respeitável e um dos bons combates do ano.

Não ficou, no entanto, por aqui. Havia ainda John Cena vs Kevin Owens: depois da surpreendente vitória de KO no Elimination Chamber, num “match” memorável, este acabou por não ficar atrás, com os dois lutadores a trocar manobras, “finishers” e “near falls” extraordinárias e com a vitória a sorrir a “Super Cena” no final.

O resto do PPV foi fraco, é certo, mas dois combates deste nível fazem com que salte diretamente para quarto lugar desta lista!

3 – Money In The Bank 2012

Um PPV que oferece um Bryan / Punk tem de estar no topo de qualquer lista!

Ainda que o fato do combate ter sido disputado a meio do evento possa ter tirado um pouco do seu caracter decisivo – o envolvimento de AJ Lee também não terá sido do agrado de todos – a verdade é que quando estes dois se encontram, o publico reage e tudo em volta sobe imediatamente de nível.

Foi o caso. E se a isto juntarmos o “Money In The Bank ladder match “mais pequeno da história em numero de participantes – apenas 5, que acabaram por oferecer um tipo de combate completamente diferente de todos aqueles que tínhamos visto até aí – pertencente ao Raw e ganho por … John Cena (quantas vezes não repeti já este nome no artigo) e outro, por parte do SmackDown, que sem ter sido um combate do outro mundo, soube manter as pessoas sempre interessadas e a delirar com a vitória final de Dolph Ziggler, ficamos com um PPV bem respeitável e que facilmente entra para a categoria dos mais consistentes de sempre, no que ao “special” dos escadotes diz respeito.

Já o combate de 3 minutos, entre Kaitlyn, Layla e Tamina Snuka e Beth Phoenix, Natalya e Eve, apesar de ser um “cool down” , seria perfeitamente dispensável …

2 – Money In The Bank 2016

O PPV onde Seth Rollins derrotou Roman Reigns pelo WWE Championship e onde, de seguida, Dean Ambrose fez o “cash in” da sua “briefcase “– no mesmo Seth Rollins – ganha momentos antes no Money In The Bank “ladder match”!

Só este “turmoil “de vermos o Título a passar entre os três membros dos The Shield – grande ideia, WWE! – na mesma noite seria suficiente para colocar este evento lá bem no alto. Se dissermos, no entanto, que ainda por cima o combate Money In The Bank foi “só” dos melhores de sempre, com brilhantes prestações de Sami Zayn e Kevin Owens e que o main event entre Rollins e Reigns foi, também ele, um respeitável “match”… bem, ainda melhor, não é assim?

Mas não fica por aqui! Pensavam que ficava, era? E então o AJ Styles vs John Cena, não conta para nada? Pois é, também este foi um excelente combate, com 24 minutos de puro “in ring work” e uma vitória do “Phenomenal One” que, á altura, não deixou de ter a sua dose de surpresa.

Se estes três combates “fizeram” o PPV, a verdade é que a vitória de Apollo Crews sobre Sheamus e os combates de equipas entre os The Lucha Drangons e os Dudley Boyz – no Pre Show – e New Day vs Club vs The Vaudvillains vs Enzo Amore & Colin Cassady acabaram por oferecer distração mais do que suficiente para que este fosse considerado um dos melhores Money In The Bank’s da história.

1 – Money In The Bank 2011

Não foi só o melhor MITB de sempre, foi um dos melhores PPV’s que a WWE já produziu.

Desde a All State Arena, em Chicago – casa de um dos intervenientes do “main event”, CM Punk – e com um publico ávido por ver Wrestling de qualidade, este foi um daqueles casos em que as estrelas se alinharam para realizar um espetáculo de sonho!

E não foi apenas o combate principal: também o “match” que tinha em disputa o Word Heavyweight Championship, apesar de ter terminado por Desqualificação, viu Christian arrecadar o Titulo pois esta era exatamente a estipulação: se Orton fosse desqualificado, perderia o “belt”. E perdeu.

Tivemos também dois bons “Money In The Bank ladder matches” – ainda que não excelentes – com vitórias de Daniel Bryan e Alberto Del Rio.

Mas o “main event”, ai… o “main event”, que combate: uma “crowd” em completo delírio e 33 minutos do melhor “storytelling” alguma vez visto, numa história contada em ringue de forma excecional pelos dois intervenientes.

No final, seria o “hometown boy” Punk a levar a vitória, mas do que todos nos lembramos ainda hoje é do que foi este combate.

Foi aliás tão bom, tão bom que até os “matches” de 5 minutos em que intervieram Mark Henry, Big Show, Santino Marella, Vladimir Koslov, David Otunga ou Kelly Kelly passaram despercebidos …

E vocês, o que acham?

  • Concordam com a lista?
  • Qual destes MITB mais vos impressionou?

O Espaço do Fontes estará de volta para a semana, até lá… que o Wrestling esteja convosco!

2 Comentários

  1. 1º Concordo com a lista

    2º O MITB de 2012 e 2016. Sorry mas tive que escolher os dois :p

    Ainda hj não entendo porquê que o combate do CM Punk VS Daniel Bryan pelo WWE Championchip com a AJ Lee como arbitra não foi ME.

    • Facebook Profile photo

      @awesome one, obrigado por teres comentado : eh pá, concordo contigo, foram sem dúvida os dois melhores mas para mim aquele Punk/Cena foi dos melhores combates de sempre na WWE, o que faz com que o próprio PPV esteja sempre em lugar de destaque na minha memória. E podes crer, terem posto o Punk/ Bryan a meio do show terá sido das decisões mais incompreensíveis de sempre… Grande abraço !

Comentar