Faz login e reduz a publicidade

Espaço do Fontes #8 – Report: WWE NXT UK Tournament

Se em relação a Monday Night Raw e Smackdown Live, muitas vezes temos razão de queixa relativamente aquilo que são os conteúdos – a “feud” entre Bobby Lashley e Sami Zayn é o último exemplo acabado disso mesmo – já do NXT e seus derivados, não poderemos dizer o mesmo.

Depois de um Takeover Chicago II verdadeiramente espetacular, pouco mais de uma semana passou e fomos presenteados com mais um produto de qualidade máxima: o NXT UK Tournament.

Dividido por dois dias – mas onde no segundo já não existiam combates relativos ao torneio – trouxe-nos aquilo que o Wrestling Britânico tem de melhor, juntamente com prestações de wrestlers de nacionalidades tão distintas quanto Nova Zelândia, Austrália ou … Portugal!

No “Espaço do Fontes” desta semana, vamos concentrar-nos naquilo que foi o primeiro dia, onde em concreto se disputou o UK Tournemant e mais dois combates, um “triple threat” Feminino e um “six man tag “Masculino.

Apesar do objetivo ser a avaliação do torneio – e por isso, á frente de cada combate, entre parêntesis, estará a nota que lhe foi atribuída por mim, numa escala de 0 a 5 – vou também debruçar-me sobre estes dois últimos “matches” na medida em que fizeram também parte do primeiro dia.

Vamos lá a isso então!

Este especial da WWE começa com uma “intro” excelente, em que o UK General Manager, Johnny Saint aparece sozinho, no meio do ringue, perante um imponente Royal Albert Hall completamente deserto.

De seguida, os apresentadores, Mauro Ranallo e Nigel McGuiness apresentam a “bracket,  que divide os 8 lutadores ainda em prova.

E não poderíamos começar melhor: “Gentleman “Jack Gallagher vs “Liverpool´s Number 1 “Zack Gibson. E que combate: agressividade, técnica, “chants” de “this is awesome” e uma vitória do magnifico “heel” Gibson, com um “finisher” que iria fazer estragos ao longo da noite: o “Shankly Gates” (um “grounded wrist lock”). Logo para começar, um dos melhores “matches” da noite! (NOTA: 4,20).

De seguida, Joe Coffey vs Dave Mastiff, dois nomes grandes da cena independente Britânica. Num confronto entre “big mans” – mais Mastiff do que Coffey – os momentos de destaque passaram por 3 variações de “suplexs” (um “snap”, um “german” e um “belly to belly”) por parte deste último e pela intensidade pura de Mastiff. No final, um “Discus Lariat” de Coffey dar-lhe-ia a vitória e o avanço para as meias-finais (NOTA: 3,60).

Para terceiro combate destes Quartos de Final, um confronto entre o “The Mod Father” Flash Morgan Webster e Jordan Devlin… e que confronto!

A um Webster com um estilo mais “highflying” respondeu Devlin com um “strong style” cheio de atleticismo. Esta mistura resultou num “match” de qualidade elevada e cheio de “moves” incríveis: “tope suicidas “– e sinceramente ainda não percebi, qual é a diferença que Mauro Ranallo estabelece entre esta manobra e um “suicide dive” …, mas adiante – “moonsaults” ou “summersault sentons”, de tudo um pouco se viu neste confronto, que terminou com uma vitória de Flash Morgan Webster, através de um “tilt a whirl DDT”.

Tivesse sido mais consistente e provavelmente teríamos assistido aqui ao combate da noite (NOTA: 4,10).

E chegávamos ao último “match” desta primeira fase: “The Kiwi Buzzsaw” Travis Banks vs Ashton Smith.

Se Banks é o atual Progress World Champion, Smith é alguém a quem é apontado um potencial de excelência. Era por isso um combate esperado com expectativa e… não foi mau, mas terá ficado aquém daquilo a que se poderia aspirar. Num confronto extremamente equilibrado, o “Kiwi Buzzsaw” acabou por vencer – com o seu “Kiwi Crusher”, um “fisherman driver” – e assegurar o último lugar nos “last four” (NOTA: 3,50)

Antes das meias -finais, dois momentos de destaque: o #1 Contender Triple Threat Match pelo NXT Women´s Championship entre Toni Storm, Isla Dawn e … a Portuguesa Killer Kelly!

E que orgulho! Que batida forte no coração ouvir “from Lisbon Portugal … “e depois Mauro Ranallo a informar-nos que a Kelly “tem boa genética na família, a sua mãe foi concorrente no Concurso Miss Mundo (na segunda noite, além de ter referido o passado de nadadora e ginasta, Ranallo complementou a sua informação, acrescentando que esse concurso de Miss Mundo tinha ocorrido exatamente… no Royal Albert Hall! Nunca o conceito de “full circle” fez tanto sentido…)!

Mas vamos lá ao combate: sem ter sido um “five stars”, foi interessante, com as três lutadoras e trocarem golpes e “suplexes” no meio do “mat” e a dividirem o “match” entre si.

Toni Storm acabaria por vencer – como esperado, acrescente-se – com o seu “Storm Zero”, fazendo o “pin… em Isla Dawn!

“Well done “, Kelly! (NOTA: 3,10).

De seguida, novo momento de destaque, com a entrada do COO da WWE, Triple H. Juntamente com Johnny Saint, anunciariam o nascimento de uma nova “brand”: o NXT UK!

Grandes espetáculos nos irá trazer, com toda a certeza!

Bem, e chegou a hora das meias finais, para começar: Flash Morgan Webster vs Zack Gibson.

A um grande inicio de Morgan Webster – excelentes “headscissors takedown” e “missile dropkick” – respondeu Gibson, com o seu estilo totalmente agressivo. No final, acabou por mais uma vez aplicar o seu “Shankly Gates”, depois de um “suicide dive” arriscado de Webster.

Num combate curto mais intenso, estava encontrado o primeiro finalista: Zack Gibson (NOTA: 4).

Na outra meia-final, Travis Banks defrontava Joe Coffey, num “match” que se aguardava de alta qualidade. E não dececionou!

Além de um combate intenso e agressivo, que grande história contaram estes dois em ringue: um Coffey constantemente a trabalhar a zona lombar do adversário, através de “leg and knee strikes” e “strechers” e um Travis Banks a mostrar todo o seu espirito combativo, com “stiff strikes “e “flying knees”.

Para o fim, já depois de vários “chants” de “this is awesome” e com o cansaço a apoderar-se de ambos, é o Neozelandês quem acaba por roubar a vitória, algo que não agradou a Joe Coffey, que o atacou sem piedade: um “discus lariat” e um ombro contra os degraus do ringue depois e Travis Banks saia com a vitória, mas já em desvantagem para a Final que aí vinha. (NOTA: 4,30).

Antes do momento decisivo, tempo ainda para o Combate da Noite, que não fez parte do torneio, mas teve, ainda assim, talento Britânico: o “Bruiserweight” Pete Dunne & Mostache Mountain (Tyler Bate e Trent Seven) iriam defrontar os Undisputed Era, nas figuras de Adam Cole, Kyle O´reilly e Roderick Strong.

Um “match” intenso, totalmente disputado, com manobras incríveis, que mostraram todo o repertório destes seis homens e que acabaram por fazer deste, um combate inesquecível.

Que maneira de anteceder a final do UK Tournament! (NOTA: 4,60)

E chegávamos ao momento pelo qual todos esperavam: Zack Gibson iria defrontar Travis Banks e apenas um deles poderia ser declarado vencedor e ganhar um “shot” pelo UK Championship, na noite seguinte, frente a Pete Dunne.

Banks entrava com o braço esquerdo praticamente inutilizado,  devido á “beating” que sofrera às mãos de Joe Coffey, nas meias finais, algo que o agressivo Gibson não iria deixar de explorar.

E apesar de ripostar inicialmente, a verdade é que o Neozelandês viu o seu braço atirado contra as barreiras, depois aos degraus do ringue e por fim ainda pisado pelo “Liverpool´s Number 1”.

Ainda assim, tentou responder: um “suicide dive” e um “legdrop” do “turnbuckle” deram-lhe a primeira “near fall”.

O “match” seguiu disputado, mas o fato de ser o terceiro da noite para qualquer destes homens começou a pesar, com a fadiga a instalar-se: Banks escapou a dois “Shankly Gates” e a um “Helter Skelter” e Gibson fez o mesmo a um “Slice of Heaven” (um “sprinboard inziguiri), no entanto, á terceira foi de vez e Gibson venceu mesmo, com um terceiro “Shankly Gates”. (NOTA: 4,40)

O “Liverpool´s Number 1” Zack Gibson foi declarado vencedor do NXT UK Tournament por Triple H, Shawn Michaels e Johnny Saint, no entanto, quando iniciava a sua “promo” de vitória, foi interrompido pelo “Bruiserweight” Pete Dunne: estava lançado o grande confronto pelo NXT Championship na noite seguinte!

E vocês?

  • O que acharam do NXT UK Tournament?
  • Zack Gibson foi um justo vencedor?
  • Qual foi, para vocês, o combate da noite?

O “Espaço do Fontes” volta para a semana, até lá… que o Wrestling esteja convosco!

Comentar