Top Ten #188 – Piores Combates “On a Pole”

Sejam todos bem-vindos a um novo Top Ten, que é altura para mais um. E passou o Extreme Rules, tivemos do bom, tivemos do menos bom. Tivemos do comum e tivemos do mais surpreendente. E eu ainda aqui a manter a cisma com o maldito “Kendo Stick on a Pole” que eles foram pescar para a Alexa Bliss defender o título contra a Bayley. Uma má ideia e uma igualmente má execução, limitou as lutadoras ainda mais e pareceu usufruir de todos os esforços para deixar a Bayley extremamente mal vista. Mas não me vou deixar consumir por isso, não estou aqui para um rescaldo do PPV.

Estou aqui para recordar coisas ainda piores que isso, pois claro! Bem à moda do Top Ten, pega-se no infame conceito “On a Pole” que tantos fãs já assombrou ao longo da história, excluem-se os casos bons – hã? – e listem-se os piores. Em termos de ideia, de conceito. Do tipo de coisa que ainda não sabemos como foi ocorrer a alguém e que é difícil de explicar a alguém de fora. Os piores “On a Pole” matches. Algo que se faz tão sozinho…

10 – Pink Slip on a Pole – The Rock vs Mankind

Fica no fundo da lista porque, em comparação, não é a pior coisa que está aqui. Tanto em termos de ideia como de execução. Mesmo que a ideia acabe por se tornar confusa e um pouco trocada. Já lá vamos. Primeiro, há que sublinhar que The Rock e Mankind tiveram uma tremenda rivalidade com tremendos combates, ao longo de 1999. Pelo meio, tentaram algumas coisas esquisitas como angles de despedimento que duram uma semana. E para isso recorreram ao velho combate “On a Pole”, e à velha “pink slip”, os papéizinhos de despedimento, lá pendurada. E é aí que entra a confusão. Quem retraísse a folha… Era o que se safava e mantinha o emprego. Até porque era esquisito ter gajos à bulha pelos papéis que o mandam para o desemprego, para isso já temos o “Feast or Fired”. Quanto à execução, como já disse, grande feud que estes dois tiveram. Química nunca faltou. E eles lá souberam desenrascar minimamente o assunto e não ter o The Rock e o Mankind numa corrida. Isso até seria insultuoso.

9 – Coal Miner’s Glove on a Pole – Jake Roberts vs Sting

Em 1992 a WCW ainda não era o arraial que viria a ser um punhado de anos mais tarde. Foi quando começou a ganhar terreno e a ameaçar verdadeiramente a WWF/E e já tinha muito “star power” e boas feuds de interesse. Mas nem sempre a execução das mesmas era assim tão brilhante. Como é o caso desta feud entre Jake “The Snake” Roberts e Sting, a culminar no main event do Halloween Havoc. Seria determinado o combate numa roleta, o “Spin the Wheel, Make a Deal” e saiu daí um… “Coal Miner’s Glove match”. Lá o que era isso. Apenas assim determinado, eu é que lhe acrescentei o “On a Pole” para manter o padrão. Vamos a ver e afinal só havia uma tal “coal miner’s glove”, traduzindo livre e directamente, uma luva de mineiro, uma luva revestida a metal… Pendurada lá no cimo do raio do poste. O main event do PPV, entre dois grandes Superstars, a culminar uma grande feud, deu num “Item on a Pole”. Curiosamente, o combate viria a ter um spot grotesco. Nada relacionado com a luva, que por acaso foi obtida e utilizada por Sting que a utilizou para conseguir o pin em Roberts. Foi depois disso, quando Damien, a cobra de estimação de Jake Roberts o ataca… Na cara ainda por cima. Coisas horríveis a passar para segundo plano um tal combate muito promovido e vendido como um combate “não autorizado”, para vender perigo… Que tinha uma luva pendurada no cimo de um pau. Pronto.

8 – San Francisco 49ers Match – Booker T vs Jeff Jarrett

Olha, rompi o padrão afinal. Porque por vezes o absurdo não dá para ter um nome simples e quando não há um objecto num poste, mas sim, quatro caixas em quatro postes, pode atribuir-se um nome. “San Francisco 49ers Match”. Mas podia chamar-se “Vince Russo”, o génio por trás disto. Quem mais? Eu podia apenas dizer que isto vem da cabeça do Russo e aconteceu na WCW em 2000. E podia fechar aqui esta entrada e avançar para o número sete. Mas há absurdos que devem ser explicados. Primeiro ponto: era um combate pelo título vago, assim deixado pelo anterior Campeão… Vince Russo. Exactamente, isto foi depois desse cataclismo. No combate, estavam quatro postes, cada um com uma caixa. Três caixas continham uma “arma” diferente e outra continha… Claro, o WCW World Heavyweight Championship, tal era a seriedade com que o tratavam. Mas mais seriedade ainda se viria a descobrir neste combate ao revelar as surpresas dentro das caixas, que lá iam caindo de vez em quando enquanto Booker e Jarrett tentavam combater perto das cordas. Para ter a certeza que tudo aqui é bom. A primeira caixa tinha… Uma boneca insuflável. Para o Russo perder o ar com o riso. A segunda caixa, mais difícil ainda de explicar continha… Uma fotografia de Scott Hall!! Esqueçam a lógica disso, foi mesmo o melhor momento deste combate. A terceira caixa tinha… Holy shit, tinha uma “Coal Miner’s Glove”! Falo a sério, lá fizeram referência ao combate da posição 9. Não sei se era a gozar, com o ar pomposo de que este sim era um combate a sério ou se era um tributo. Luva utilizada e sobra a quarta caixa que tinha o World Heavyweight Championship. Ah contavam que não ficasse para a última? Ingénuos. Então e a comédia ficava onde? Quem ia alcançar a caixa seria Jeff Jarrett mas é atacado por Beetlejuice, assistente anão do radialista controverso Howard Stern, vestido de Super-Homem. Eh pá, é isso mesmo que leram e até quase que há um bocado de contexto mas agora nem interessa, fica assim que fica bem. Esse ataque permite a Booker T recuperar a caixa e… Deixar cair o título que o árbitro pega e lhe oferece, premiando-o com a vitória. E dêem as graças a um qualquer santo pelo Russo estar distraído no momento ou não lhe ter ocorrido, é que o árbitro foi o primeiro a pegar no cinto e ele perdeu uma grande oportunidade de o ter como Campeão! Como se ele nunca fizesse o semelhante. E pronto, é isto. Atentem que Booker T ganhou o título aqui. Logo quando se gaba das suas “Five Time”… Uma delas foi assim. Lembrem-se sempre. E desculpem lá o texto longo, achei que valia a pena descrever isto. Mas continua a valer a pena ver. Vão lá ver. Eu não inventei nada!

7 – Mistletoe on a Pole – 9 Divas

As meninas abençoadas com a oportunidade de uma vida que era este grande combate eram as Bellas, Tamina, Kaitlyn, Aksana, Rosa Mendes, Natalya, AJ Lee e Alicia Fox. Quem era responsável por marcar isto era Mick Foley, o que podia ser suficiente para não o deixar ser General Manager do Raw, como o foi até há pouco tempo. Quem ganhou isto foi Brie Bella, que lá teve que atropelar a própria irmã para alcançar o “mistletoe” e vencer uma oportunidade pelo Divas Championship. Excepto a parte de que aquilo não era por uma oportunidade ao título. Vá lá, tinham um mínimo respeito por ele. Mas era por algo mais prestigioso. Brie Bella ganhava a oportunidade de beijar quem quisesse. Ah assim sim. Foi com este combate de qualidade elevada, – estava na lista do fim de ano de muita gente ou não se acreditam? Isso de melhor ou pior, não me lembro agora – com nove raparigas a correr e a tentar lutar por algo – já é difícil vender isto com dois, quanto mais com nove – que passámos o Natal de 2011. Elas tinham as fatiotas a rigor!

6 – Leg on a Pole – Tyson Kidd vs Yoshi Tatsu

Em tempos ainda relativamente recentes da TNA, Eric Young era um Heel doido que andava a rivalizar e a tormentar o veterano perneta Chris Melendez, culminando talvez no acto mais absurdamente desprezível de um vilão: roubar a perna do adversário. Ver EY a carregar uma perna como um troféu tinha tanto de chocante como de hilariante. E admito. Foi a única altura em que desejei um combate destes para resolver. Para uma história já tão surreal, eu sonhava com um “Leg on a Pole” em que o pobre Melendez lutaria por alcançar a sua própria perna ali pendurada. Não aconteceu, infelizmente. E não é isso que aqui está. Aqui a perna em questão era de um boneco de plástico, a “action figure” de Yoshi Tatsu. O que também parece absurdo. Como contexto: Yoshi tinha imenso respeito pelo seu boneco e guardava-o como uma espécie de amuleto numa espécie de templo (!!) até Tyson Kidd chegar armado em mete-nojo e roubar-lhe o boneco para o provocar. A coisa viria a piorar quando Tyson Kidd exibia a perna do boneco como um troféu – era um Eric Young mais light, basicamente – e Yoshi fazia de tudo para o recuperar. Isto aconteceu no NXT Redemption, o que significa que cerca de 6 a 7 pessoas devem ter visto isto. O melhor de tudo é que o raio do combate até foi bom. Assim como muitos outros combates que ambos tiveram nesta rivalidade. À volta de um boneco. Sinceramente, nem sei. Se calhar podia mesmo ter-lhes dado para pior!

5 – Chair on a Pole – Crowbar vs Meng

Combates com armas lá penduradas para utilização posterior. Não, não resulta. Peguemos no exemplo do passado fim-de-semana. “Kendo Stick on a Pole”. Insisto que desperdiçaram uma oportunidade e limitaram o que já estava limitado e saiu borrada. Recuemos ao Impact Wrestling de há uns anitos atrás, Low Ki atacava Drew Galloway com um tubo de aço a obrigar Galloway a recorrer a medidas extremas. Perde-se qualquer seriedade quando Drew grita, seriamente, à câmara, que o desafia para um “Steel Pipe on a Pole”. Quase que dava para ouvir qualquer intensidade ou credibilidade a estatelar-se quando ele manda essa. Pronto, para representar essas parvoíce, escolho um “Chair on a Pole” entre Crowbar e Meng num episódio do WCW Thunder de 2001, já a companhia estava para falecer. Porquê? Porque este é pior ainda. E eu explico. Uma cana ou um tubo são objectos que requerem procura e que se podem limitar àquele exemplar lá no poste. Já uma cadeira… O ringue está literalmente rodeado delas. Se é para acrescentar alguma emoção à corrida de obtenção da cadeira… Tal foi conseguido imediatamente nos primeiros momentos. Sim, foi uma categoria como podem já imaginar.

4 – Turkey on a Pole – Jake Milliman vs Col. DeBeers

Oh boy. Por onde começar. Pronto, pelo início. AWA em 1989. Dois lutadores recordadíssimos nos dias de hoje como Jake Milliman e Col. DeBeers. Dia de Acção de Graças a aproximar-se. Alguém que caiu à nascença a cargo de ter uma ideia para algo a que chamavam as “Team Challenge Series.” Num desses eventos, levaram os dois lutadores para uma estranha sala cor-de-rosa sem público – diziam eles que era para ninguém interferir, diz-se por aí que era por fraca venda de bilhetes. Não me acredito, isto esgotava qualquer estádio – a lutar por… Um peru. Pronto, é tudo, obrigado e até à próxima. Mas apetece aprofundar. Apetece mesmo voltar a mencionar que dois homens adultos estavam numa sala bizarra a lutar por um peru cru que se encontrava pendurado, para celebrar o Dia de Acção de Graças. E achei eu, por muito tempo, que ter o Lex Luger a celebrar com o Pai Natal era a coisa mais parva que arranjaram para comemorar esse dia. Mas isto aconteceu. E eu, muito sinceramente, felicíssimo por isso!

3 – Piñata on a Pole – Psycosis vs Juventud Guerrera vs Silver King vs Villano 5 vs El Dandy

Já que se fala em Vince Russo, imaginem o quão divertido estava ele quando fez isto acontecer. Já infame pelos seus bookins duvidosos a estrangeiros e que já disse, abertamente, que não havia lugar para lutadores Mexicanos ou Japoneses no wrestling Americano, não tinha medo de se colar a estereótipos negativos para aparente regozijo próprio. Aqui juntou logo cinco luchadores Mexicanos para humilhar e deu-lhes o entusiasmante cargo de… Rebentar uma piñata com um pau. Percebem? Porque são Mexicanos, hã? Para melhorar, a piñata também caía de vez em quando e complicava a vida aos lutadores que não sabiam o que fazer. Para melhorar, no final, num combate em que andavam todos a atingir-se com paus, uma interferência causou uma DESQUALIFICAÇÃO. Para melhorar? OK, pronto, não adianta acrescentar mais. Já é doloroso como está mas confesso que, a este ponto, até eu queria mais banhada.

2 – Viagra on a Pole – Billy Kidman vs Shane Douglas

O nosso favorito. Só não é o primeiro classificado porque isto dos absurdos com este combate e vindos da mesma cabeça não são poucos e são daqueles que pensamos sempre: “Não se arranja pior.” Mas é perfeitamente plausível alguém vir afirmar que realmente não se arranja pior que aquele clássico momento em que colocaram Billy Kidman e Shane Douglas a lutar por um frasco de viagra suspenso sobre o ringue. A história envolve uma “sex tape” entre Kidman e Torrie Wilson a passar no ecrã porque sim, porque isso acontece. Depois o mesmo, com Torrie Wilson de novo – a tal visão que Russo tem das mulheres – com Shane Douglas que aparenta ter alguns certos problemas. Nós percebemos e não julgamos. O combate era inevitável. OK, eu não acredito que disse isso. Mas também não acreditaria que uma garrafa cheia de comprimidinhos azuis mágicos esteve suspensa sobre um ringue de wrestling com dois talentosos Superstars a lutar por ela enquanto os comentadores se esbardalham num festival de trocadilhos. Mas já ando nisto há algum tempo e já conheço a WCW para ter dificuldade em listar alguma coisa que não tenham feito!

1 – Judy Bagwell on a Pole/Forklift – Buff Bagwell vs Kanyon

Ter dois indivíduos adultos a lutar pela mãe de um e tê-la ao dependuro como prémio? Sim, também já o fizeram! Tem que se arranjar outro absurdo muito grande, não é? Kanyon, doido como era, queria a mãe de Buff Bagwell, por alguma razão. Deve ser para tornar as piadas “yo mama” mais fáceis. E lá suspenderam a Sra. Bagwell, ex-Campeã de Tag Team – mas quem é que falou aqui em absurdos? – para os gajos lutar por ela. Mas como a senhora era muito pesada para estar suspensa naquele frágil poste com que fazem estes combates, lá foi a velha para o cimo de um empilhador, dividindo a definição deste combate entre um “Judy Bagwell on a Pole” ou um mais literal “Judy Bagwell on a Forklift.” Clássico incontornável. E já sabem como fazer quando quiserem roubar a mãe de alguém, como toda a gente tem hábito. Resolver as coisas neste ambiente!

E com estes dez clássicos intemporais, fecho mais um Top Ten que espero que vos tenha divertido. Vamos a ver e afinal até precisamos de mais destes e até queremos a WCW com Russo de volta. Só para avacalhar e sem ele saber que era essa a intenção. Mas vá, recuperemos o foco e avancemos. É a vossa vez de comentar estes episódios inesquecíveis e estas ideias fantásticas e acrescentar algum que se lembrem que vos tenha marcado e que podia aqui constar. Tudo o que têm a fazer é comentar, não têm que ir buscar esse direito ao cimo de nenhum poste, isto é bem mais acessível. Pretendo voltar já na próxima semana, aproveitem lá o tempo quente, boas férias para quem já se livrou de aulas para já e portem-se bem, não andem aí a pendurar viagras e afins em sítios inacessíveis e perigosos!

Sobre o Autor

- Escritor do artigo “Top Ten”.

4 Comentários

  1. Rui Ribeiro - há 4 meses

    Bom Top Ten. Destaco o 8, 4, 3, 2, 1. São tão absurdos que até se tornam hilariantes 😀

  2. KILL OWENS KILL - há 4 meses

    Excelente lista hahaha

  3. “Piores combates on a pole” passo a redundância.

  4. "Awesome" Hater - há 4 meses

    Inacreditável, haha.
    Adorei o novo formato com os vídeos no post, facilita muito.

Comentar

Editar avatar »