Navega no Wrestling PT sem pop-ups

Top Ten #201 – 10 ex-WWE Superstars… que andam a safar-se bem

Bom, já lá vão 200 Top Tens para trás. E não é que continuo aqui? Para continuar depois das primeiras duzentas edições, volto com um novo tema mais abrangente.

Numa altura em que tememos a saída de alguns, depois de já termos visto a de outros antes, ficamos a desejar, no mínimo, vê-los a ter sucesso noutro sítio. Alguns realmente perdem toda a visibilidade que a grande companhia lhes dava. Outros até se safam muito bem e não parecem estar a morrer por uma chamada a perguntar-lhes se gostavam de voltar.

No primeiro da remessa de artigos mais diferentes e soltos do habitual, olhemos para dez ex-Superstars da WWE… que parecem andar a dar-se muito bem fora da companhia.

10 – AJ Lee

O marido não se anda a sair mal, nem precisa de rastejar de volta, está muito bem na vida. Mas não chega a entrar na lista, ainda não conseguiu impor respeito na sua nova carreira. Já AJ Lee, pendurou as botas, ou melhor as suas sapatilhinhas de marca, e não parece andar a precisar de voltar ao ringue, por muito que ande aí boa gente sempre a pedir-lhe.

Tomando partido da sua imagem e da sua fama, tem-se saindo bem como escritora através do seu livro “Crazy Is My Superpower”, que tanto conta o seu percurso no wrestling como a sua vida e dificuldades durante a adolescência, em que lutou com problemas de bipolaridade e consequentes depressões. Uma carreira que ela quer levar mais a sério e levar para a frente, com um segundo livro já a ser trabalhado.

Com vendas de livros bastante favoráveis e como regular porta-voz em campanhas sobre saúde mental, abordando assuntos sobre os quais se identifica, duvido que tenha pressa em voltar aos ringues que desde sempre adorou. Especialmente se for mesmo para a interpretarem como uma doidinha e ter toda a malta a chamar-lhe isso em TV, algo que sempre a sensibilizou um pouco.

9 – Maxine

Vocês lembram-se dela, mesmo que a sua estadia na WWE não tenha sido assim muito longa. E não se lembram dos seus grandes combates, além do inesquecível combatão de uma era que teve com Kaitlyn na terceira temporada do NXT de formato antigo. Até teve bons momentos já no NXT Redemption, mas só as cinco pessoas que ainda viam isso se lembrarão. Lembram-se por qualquer outra razão que esteja à vista, que não sejam os seus dotes em ringue.

Vistosa como ela é, não é caso para terem que se “lembrar” dela. Ainda a vêem frequentemente como Catrina, no Lucha Underground onde controla Mil Muertes, encanta mais uma data deles e lambe qualquer um que seja derrotado. Pronto, há essa parte curiosa. Não consegue evitar ser uma das figuras de destaque dentro daquele bizarro templo e dos principais chamarizes de atenção. Onde raramente luta – estrou agora neste Ultima Lucha – porque vai aproveitando outros dotes que não sejam em ringue. Já que não eram os seus melhores.

A aproveitar esses dotes, vai sempre aproveitando um extra como modelo e também se começa a aventurar como actriz, mesmo que ainda mal conte alguns poucos papéis em filmes independentes sem projecção ou web series. Ainda é no Lucha Underground que é mais notória a sua representação e o que a poderá projectar para outras coisas. Na WWE? Não muito recordada, sequer.

8 – Ethan Carter III

Já lá vai o tempo. Em que um renegado da WWE, que nunca teve a sua verdadeira oportunidade lá, transitava para a TNA e lá atingia sucesso e fazia-se uma estrela, nem que fosse temporariamente. Agora já é mais difícil, e a TNA ou GFW ou Impact Wrestling ou como se chamar esta semana, já não consegue capitalizar nas saídas da WWE e criar estrelas. Já não tem essa projecção.

Pode-se considerar que Ethan Carter III, carinhosamente abreviado sempre para EC3, tenha sido o último desses casos. Vindo da WWE como Derrick Bateman, onde nunca chegou a lançar-se verdadeiramente e foi sempre “rookie”, chegou à TNA como o sobrinho da patroa e dominou. Chegou lá para ser estrela de topo e assim foi. Invicto durante anos e já com reinados como World Heavyweight Champion no saco. Tornou-se praticamente a cara daquela companhia e, sem dúvida, uma das principais razões para a ver.

Até é certo que nem sempre se veja a estabilidade da companhia como confiável para termos a certeza que ele realmente está bem ou seguro. Podemos apenas assumir que ele seja uma prioridade e que possa desfrutar dessa sua posição obtida, que nunca se compararia ao estatuto que tinha na WWE. Apenas ambiciaria o regresso se, realmente, se visse sem a sua empregadora, como já muitos andam a prever há muito tempo. Nesse caso, se voltasse à WWE tinha que ser já como EC3, uma estrela formada e sem qualquer conexão ou recordação do velho Derrick Bateman que era apenas… um gajo.

7 – Camacho

Se calhar não tinham assim grandes expectativas para o gajo que guiava a bicicleta do Hunico. Mesmo que tivesse um sangue espesso, como filho do lendário Haku, mal era reconhecido. Camacho nunca se estabeleceu na WWE e não lhe deram sequer chance de mostrar estofo para mais. Daí que quando saísse, talvez os mais distraídos nunca esperassem ouvir falar mais dele. Mas ele não ficou por aí.

Não foi a sua passagem pela TNA, como Micah que o estabeleceu como alguma coisa. Tão ou mais esquecida como o Camacho. Agora é que se pode dizer que ele esteja nas suas quintas, na outra grande companhia, na New Japan Pro Wrestling, como Tanga Loa. Nome mais interessante que Camacho. Não tão interessante como o seu verdadeiro nome. Vão vocês vê-lo. Não vou escrever aquilo aqui. Podia ser apenas um lutador que conseguiu bom lugar na NJPW e já se pode dar por contente. Mas não se fica por aí. Tem logo que fazer parte dos Bullet Club, grupo mais dominante de todo o wrestling actualmente, onde já foi IWGP Tag Team Champion com o seu irmão Tama Tonga por três vezes.

Sim, parece que está a safar-se bem e que aqui sim começa a sua carreira verdadeiramente. Camacho não é lembrado e Tanga Loa não tem razões para querer voltar. Já o seu antigo parceiro e líder, Hunico, ainda lá está mas tem que se contentar com ser… o Sin Cara. Que faz tanto como raramente aparecer e usar o emblema do Benfica numa máscara. Foge, Camacho, foge!

6 – Bully Ray

Admitamos, este vai sair-se bem para onde quer que vá, já tem nome para isso. Muito nome até para já não ir para qualquer lado, como ele já veio admitir que não vê lugar para si na GFW/Impact Wrestling/Owls Ltd. actualmente. Bubba Ray Dudley e o seu “irmão” D-Von, os Dudleyz, partiram para a TNA, onde passaram a ser Buh Buh Ray e Devon, os “Team 3D.” Sim, dava para perceber quem eram, não houve pânico. E ainda estiveram lá muitos anos e a servir de chamariz para quem ainda não conhecia aquela outra companhia do ringue dos seis lados. Que dava na Eurosport e o caraças.

A coisa foi mudando e Buh Buh, agora Bully Ray, emancipou-se e fez o impensável. Conseguiu renovar-se como um competidor de singulares, já quando não ia para novo. E fê-lo lindamente, tornando-se a melhor peça na programação do Impact Wrestling e chegando mesmo a obter o World Heavyweight Championship. E perfeitamente credível. Já deu para voltar à WWE (juntamente com D-Von) para um último percurso mais calmo, sem hype, para matar umas saudades, elevar alguma malta e lutar descansado, com uma carreira já feita. D-Von retirou-se e manteve emprego lá dentro na WWE. Bully Ray… esse ainda pode e quer andar à porrada. Foi para a Ring of Honor onde já foi 6-Man Tag Team Champion com os Briscoes.

Lá é uma figura de destaque e seria para onde quer que fosse. Já teve ouro na Ring of Honor e mesmo que não seja nenhum “prospect” por lá e desfrute do estatuto de veterano e esteja lá para ajudar a rapaziada nova, é Bully Ray e está muito bem. Ainda há-de voltar à WWE um dia, nem que seja para mais um 3D, para ajeitar mais umas mesas e para receber um anelzinho.

5 – Bobby Lashley

Por acaso é mais um indivíduo que temos vindo a ver na GFW ou Impact Wrestling ou “Still TNA to me, dammit”, mas tem um nome um pouco mais amplo que isso. Favoreceu-lhe ter desfrutado de sucesso na WWE e de receber uma construção para ser um dos tipos de topo. Até chegou a representar um tal indivíduo que conseguiu chegar a Presidente. Foi para a TNA, já a primeira vez, com estrelato suficiente para estrelar mais.

Mas actualmente não é como membro desse plantel ou apenas como um ex-TNA World Heavyweight Champion que ele pode desfrutar de toda a glória. Tem fama lá, sim, mas um percurso em MMA deu-lhe outra face a conhecer e hoje alterna entre uma modalidade a outra, mantendo contacto com grandes nomes de ambas as indústrias. Nem de propósito, a sua história actual é a do gajo que quer sair para se dedicar inteiramente ao MMA porque acha que ali não será suficientemente valorizado. Angle que ainda acho estranhíssimo pela pouca força com que a companhia se vende.

Nunca conseguiu o título grande na WWE – o maior acabou por ser o da ECW – mas já se pode dar por contente por ser um multi-Campeão Mundial em vários territórios e várias modalidades diferentes. Acima dele nesse estatuto ainda só um gajo que ele próprio já admitiu que gostava de enfrentar. Esse mesmo. A ver quem tem a voz mais grossa.

4 – Rey Mysterio

Também difícil seria ver este a passar dificuldades. Tem nome maior que muita companhia e já depois de muitos anos e parecer um nome irremovível da WWE, é normal que tenha uma dimensão enorme como “free agent”. Onde quer que vá, não é vendido abaixo de algo como melhor luchador ou melhor high flyer de sempre. Não é a velocidade mais afrouxada ou a camisola que não sai para não expôr a barriguita que muda alguma coisa: Rey Mysterio Jr. já é uma lenda.

E as suas primeiras actividades pós-WWE até nem foram das mais famosas. Partiu para território familiar, na AAA, onde a lucha libre, o sangue Latino e as máscaras são a principal norma. Claro, uma lenda. Só não fez lá grande coisa de jeito logo. Ainda hoje estará possivelmente traumatizado com a morte do colega Perro Aguayo Jr. durante o início da execução de um 619. E, mesmo sacudindo-se das tragédias perto de si, foi ter um dream match com Myzteziz – Mistico, Sin Cara, esse – na Triplemanía XXIII. Que, dream match ou não, não convenceu muitos, ainda para mais num PPV geralmente terrível.

Mas não seria isso que viria a abalar a carreira e o legado de Rey Mysterio, ainda para mais quando o seu tramado joelho se andava a comportar e não o tramava há muito tempo. Arrebitou mais um pouco quando chegou ao Lucha Underground e causou grande impacto, como um nome da sua dimensão faria. Com certeza que, mais tarde ou mais cedo, retornará à WWE. Mas encontra-se feliz e não regressará por desespero.

3 – Johnny Mundo

É, ainda me recuso a chamar-lhe Johnny Impact. Que tem que ser das piores atribuições de nome que tenha em memória recente. Quem é ele além disso? Chamemos-lhe de tudo. Johnny Nitro Morrison Mundo Impact. O que quiserem. Conhecemo-lo como Johnny Nitro, lutador de tag team, nos MNM, e conhecemos depois John Morrison, um atleta incrível mas eterno midcarder. Era aquele gajo que tem que haver sempre no plantel: que queremos a sua elevação, que nunca acontece, ao ponto de ter uma queda em que já só queremos que ele saia.

E ele saiu. Já levava nome para ser um nome de peso em qualquer cartaz de independente que o recebesse. A atracção principal, mesmo. Mas não foi de imediato que ele se tornou aquele “hottest free agent” que ele agora interpreta, em qualquer programa televisivo por onde passe. Marinou por muitas indys. Mas por onde anda o moço bem-parecido com queda para o parkour, que tão bem integra no seu estilo em ringue?

Johnny Mundo é, mais coisa menos coisa, a maior estrela na AAA, onde já deteve o AAA Mega Championship, o Latin America Championship e o World Cruiserweight Championship. Os três em simultâneo até há bem pouco tempo, até o início deste mês. Actualmente é “só” o Mega Champion, principal da companhia; através da AAA também é um dos maiores nomes no elenco do Lucha Underground onde também foi Lucha Underground Champion por bastante tempo, até agora ao fim da temporada que assistimos esta semana; também através da AAA e da sua parceria, chegou ao Impact Wrestling, onde já é nome de topo e constará no main event do Bound for Glory pelo Global Championship. Mas onde se chama Johnny Impact. Nem tudo podia ser bom.

2 – Cody

Claro que tinha que constar aqui nos lugares cimeiros este rapaz. Aqui não há risco de sermos processados e podemos chamar-lhe mesmo Cody Rhodes. Cody, na WWE, tinha uma particularidade. Fazia resultar bem qualquer coisa que lhe dessem. Fosse a ser “dashing”, a ser um psicopata mascarado perturbado, simplesmente a sacar de um bigode com pouco jeito, ou o Stardust. Ele fazia tudo isso bom e com facilidade. Só havia uma coisa que não lhe confiavam: ser main eventer.

Cansado nem só de não receber recompensas maiores, mas mesmo de obter nada e ser um mero meco no plantel, ele próprio fez questão de sair. Arriscado mas ele tinha confiança no seu nome – que nem podia usar – e nos seus dotes. E não parece haver limite para o que Cody tem vindo a obter. Passou também pela TNA/Impact Wrestling e pela GFW quando ainda era uma outra companhia à parte, mas lá se deve ter apercebido que o nome dele até é maior que as próprias companhias e saiu para se dedicar ao mundo. O mundo tinha muito para lhe dar. Ainda como “free agent” é ROH World Champion e domina a Ring of Honor. Leva o título para outro dos seus principais lares, a NJPW, onde defende o cinto, é uma estrela e uma das maiores peças dos incontornáveis Bullet Club.

Aquela tal definição de “hottest free agent”? É ele sem dúvida, e nem pensariam em mais ninguém, logo ao ler o título deste Top Ten. Representa bem o conceito de dar-se bem fora da WWE e já parece andar a encorajar outros. Ainda pode voltar à WWE um dia, como um confortável veterano e não como alguém que precisa. Aliás, até se encontra numa fase em que, se recebesse uma chamada da WWE a pedir-lhe para voltar… Se não fosse feita pelo irmão, ele ainda se ria na cara deles.

1 – Batista

O Cody é o óbvio primeiro classificado desta coisa. Então porque não o é? Porque não especifiquei que tivesse que ser alguém a dar-se bem noutra companhia de wrestling. Ao Batista já não lhe apetece muito andar a bumpar num ringue. The Rock já é um caso à parte. John Cena ainda é da casa, só vai andando mais ausente. Batista é que ainda é um fresco ex-WWE que começa a dar passos cada vez maiores… em Hollywood.

Teve um mau pontapé-de-saída, com papéis pequenos como no filme de acção “Wrong Side of Town”, onde contracenou com Rob Van Dam, e que era simplesmente terrível. Mas soube recuperar e reerguer-se bem como actor, estando mesmo virado para os Blockbusters. Impôs-se e impressionou tudo e todos como o Dax the Destroyer em ambos os excelentes filmes da franchise “Guardians of the Galaxy”, já pôde desfrutar de ser um vilão para o James Bond no “Spectre”, acompanhou Jean-Claude Van Damme no seu reboot ao clássico “Kickboxer”, subtitulado “Vengeance”, ainda desfruta actualmente de aclamação no thriller de acção mais dramático “Bushwick”, ao lado da bela Brittany Snow e ainda nas actuais salas de cinema, podemos vê-lo no altamente antecipado e aclamado “Blade Runner 2049”.

Ainda acham que são títulos levezinhos ou é preciso começar a listar a malta com quem ele tem vindo a contracenar? Sim, é caso para dizer que Dave Bautista, como agora lhe podemos chamar, anda a sair-se lindamente no seu percurso pós-WWE, que ainda contou com a curta passagem recente. Se o virmos outra vez será pelo gosto, não vejo porque necessitaria de trocar mais um êxito de bilheteiras e aclamação crítica por meia dúzia de Batista Bombs em part-time. Aguardamos os próximos filmes dos Avengers e tudo o que a sua crescente carreira ainda tiver a dar!

E com estes dez, com vidas melhores que a nossa, componho o Top Ten desta semana. Espero que tenham gostado e que vos puxe a comentar estes astros e o que acham das suas actuais carreiras. Acho que já perceberam mais ou menos a ideia do “novo” Top Ten – que é a mesma coisa – e os seus temas mais soltos e abrangentes. Aliás, a partir deste mesmo, já vos deixo com a noção para a próxima edição, que será relacionada:

Então e os desgraçados que devem sentir falta de um chequezinho gordo da WWE actualmente?

Com esse tema, já vos garanto a minha presença para a edição número 202 e na próxima semana. Até lá portem-se bem, haja muita saúde, para a malta por todo Portugal de luto, espero que estejam em segurança. Fiquem bem e até à próxima!

9 Comentários

  1. 13 Cm - há 4 semanas

    O Batista pode não ser tão popular quanto The Rock, mas ele pelo menos esta sabendo escolher melhor os filmes, de gêneros variados e alguns de muita qualidade, já o Rock se limitou a fazer praticamente apenas, filmes genéricos de ação e comédia.

  2. "Awesome" Hater - há 4 semanas

    Confesso que depois do mais recente episódio de Ultima Lucha, com uma quantidade significativa de regressos – quatro, se contarmos a voz do Dragon Slayer – esperava uma tematica relativa a isso, mas não desiludiu, bom artigo.

  3. Uma boa lista. O Mundo do wrestling mudou muito, eles agora conseguem bom dinheiro como “free agents”, longe vai o tempo em que tinha de ser WCW ou WWF para vingarem na vida, ou em que saindo da WWE era a TNA ou nada e a WWE está a começar a ter dificuldades por causa disso, como o provam a demissão do Austin Aries, a “saída” quase anunciada do Neville, mesmo sendo o melhor campeão dos últimos dois anos e até as “férias” que a Nia Jax recentemente tirou. É excelente para os wrestlers, é bom para os fãs e poderá ser bom para a WWE que poderá ter de melhorar o produto, embora possa ser mau para eles financeiramente, pois podem ter de vir a pagar mais aos seus wrestlers para ficarem. Veremos se isto se desenvolve para a AAA, NJPW e ROH ficarem mais fortes, parece que sim.
    Desta lista destaco alguns:
    1) A AJ Lee é pena que tenha desistido. O papel da pequena louca foi o que a fez famosa e que iniciou verdadeiramente a “women’s revolution”, pois ela conseguiu ser o main event da WWE durante muito tempo. Abriu as portas ao trabalho da Paige, da Emma e da Summer Rae, graças a quem Charlotte Flair, Sasha Banks, Becky Lynch e Bayley tiveram os holofotes que lhes permitiu brilhar. É a mulher com mais carisma nos últimos anos e até dava jeito numa divisão tão pequena;
    2) A Maxine é excelente como Catrina e caso acabe mesmo o Lucha Underground, faz falta ao wrestling como manager do Mil Muertes. Já os imaginaram na WWE como os novos Paul Bearer e Undertaker? Mas mais sexy claro, embora duvide que a WWE permitisse aquelas lambidelas e outras poses sexy, com muita pena minha. Por favor não acabes Lucha!!
    3) A TNA que tanta asneira faz, mesmo quando tem boas ideias, conseguiu criar o personagem mais interessante da carreira de Bully Ray. Muito comparam o Bobby Roode ao Triple H, considero o Bully Ray muito mais parecido. Foi uma pena o desaproveitamento dos Aces and 8 que tinham tudo para serem lendários;
    4) Bobby Lashley e Johnny Mundo deveriam regressar à WWE, rumo ao topo. Nunca percebi porque os fãs da WWE nunca aceitaram o Bobby Lashley, que era apenas um dos melhores wrestlers à data. Uma embirração sem sentido, como com o Roman Reigns. Hoje veneram o Brock lesnar, também ele entre a MMA e o wrestling, sem tanto sucesso na MMA e um castigo por uso de drogas, mas em regime de part-time e a ocupar um titulo que não deveria ser dele. Bobby Lashley vs Brock Lesnar? Grande ideia! O wrestling seria excelente. O Mundo, em plena GFW, uma enorme perda para o Lucha Underground se regressar…a ver se a GFW/TNA não faz asneira como quase sempre, para já o nome não ajuda. Com um regresso à WWE seria Johnny NXT? Johnny RAW? Johnny Smackdown? Vão mudar o nome sempre que a TNA/GFW mudar o nome? Na WWE foi muito desperdiçado, principalmente quando mostrou ser material de main event quando passou na ECW como John Morrison, aquelas promos eram fantásticas e no ringue era dos melhores;
    5) O Batista dificilmente regressa, principalmente quando estar a iniciar a carreira de forma bem melhor que o The Rock. Pode parecer polémico eu dizer isto, mas o The Rock nunca fez grandes filmes, salvo a sua presença no franchise “Velocidade Furiosa”. O Batista, além de participar num filme do estilo tão em vouga dos super-hérois, tem presença na saga 007, ganha a qualquer um no Mundo do wrestling só com esta, mesmo que durante todo o filme só tenha dado porrada ao pobre do James Bond e a sua única fala tenha sido “shit”. Ainda contracenou com a lenda do cinema de acção Jean-Claude Van Damme;
    6) Cody, Cody, Cody…deixei para o fim de propósito. Sim senhor, está a conseguir vingar fora da WWE, sem dúvida alguma. Temos de lhe dar o mérito por isso. O que me faz confusão é o seu discurso. Ele diz “não precisa da WWE para nada” mas está sempre a repetir isso mesmo, sempre a provocar a WWE. Alguém que está com tanto sucesso, porque parece um ex-namorado da WWE, amargado com a separação? Homem, estás a ter sucesso, segue em frente! A constante referência à WWE sempre que abre a boca, a invasão que já lhe retirou o “too sweet” e provocou um despedimento na WWE, até a “boca” do John Cena ao Roman Regins ele roubou. E a necessidade de dizer que tem muito sucesso…Parece-me que o Cody e o seu grupo, a sua nova NWO, estão a tentar chamar a atenção de todos através da WWE, o que é engraçado para quem diz que não precisa da WWE. Resultou tão bem com a WCW, não foi?

    • KILL OWENS KILL - há 4 semanas

      Esse final me fez refletir, realmente é muita tolice da parte do Cody e dos membros do BC ficarem fazendo essas “ondas” sendo que eles não precisam disso pra nada. O pior é que sem perceberem, estão “ajudando” a WWE de certa forma sendo lhe fazendo referências, enfim.

      Concordo com a parte da AJ Lee e da Catrina. Porém, concordo sobretudo com a parte sobre o The Rock. Por mais que seja um grande nome, não fez lá trabalhos muito grandiosos. O Batista está mesmo tendo uma carreira bem melhor, se formos comparar.

      • FredRVD - há 4 semanas

        eles não estão a ajudar, muito pelo contrário, com esta coisa agora do Cease and Desist e das promos que fizeram na Global Wars Tour estão a virar fãs contra a WWE, e a resposta da WWE está a atrair fãs para os Bullet Club.

  4. KILL OWENS KILL - há 4 semanas

    Mais um Top Ten top 😀

    Sinceramente, de todos esses o (a) único que gostaria de ver na WWE atualmente é a AJ Lee. Como gostaria de vê-la interagindo com essas garotas atualmente.

    Não quero ver o Mundo e o Cody na WWE por um bom tempo. Ah e fica aqui uma esperança; por mim o Johnny “Impact” se juntava em breve ao BC, pois ele faz muito a cara do grupo…

  5. Juangprata - há 4 semanas

    saudades gold e star dust [I WALK ALOOOOOOOOOONNNNNEEEEE]

  6. Juangprata - há 4 semanas

    mas um top ten daora

  7. Anónimo - há 4 semanas

    lesnar acima do lashley em mma? nao concordo o lashley destruía-o.

Comentar

Editar avatar »