Navega no Wrestling PT sem pop-ups

Top Ten #202 – 10 ex-WWE Superstars… que devem ter saudades

Chega um novo Top Ten, sejam todos bem-vindos! Disse que cá estaria para trazer o tema ligado ao anterior, este já estava anunciado e já o sabiam com antecedência. Se na semana passada falei dos felizes da vida que devem os seus agradecimentos à WWE mas que agora, emancipados, andam a desenrascar-se muito bem, para esta semana trago o contrário.

Malta que saiu mas que não tinha o estofo ou a esperteza ou a sorte dos outros para singrar bem. A níveis diferentes uns dos outros, aqui ficam dez ex-WWE Superstars que devem sentir falta de um velho chequezinho da WWE de vez em quando…

10 – Ted DiBiase Jr.

Não se tem ouvido falar dele. Que conste, porque também não é suposto. O que se sabe é que não tem andado por ringues e que esteja actualmente retirado, quer seja definitivamente ou não ainda está por saber. Logo não faz muito sentido que um gajo que nem sequer tenha interesse em voltar ao wrestling, esteja mortinho por voltar à WWE. Que ia lá fazer? Ser Rosebud? Já não há disso!

O curioso é apenas o quão despercebido passa hoje e o quão esquecido está o seu nome. O que não deixa de ser irónico porque o seu nome é exactamente o nome do pai, um lendário e inesquecível Hall of Famer. A diferença que faz um “Jr.” Mesmo o seu percurso na WWE não é dos memoráveis, recordado maioritariamente como membro dos Legacy e com uma tentativa de se impôr como midcarder a solo, que nunca chegou a descolar assim para muito longe. Chega ao ponto que se não se recordam da fenda entre o primeiro “The Marine” com o John Cena e o terceiro, quando começou a ser com o Miz, é porque pelo meio houve mesmo um “Marine 2.” Com este gajo!

Até pode nem ser um lutador activo com o bichinho de voltar à WWE. Mas até deve ter as suas saudades de ainda ter alguma fama com o seu nome, como midcarder ascendente e a andar a fazer de conta que a Maryse é a namorada dele. Porra, o Miz tirou-lhe tudo!

9 – Jack Swagger

Ele já devia sentir saudades de trabalhar na WWE quando ainda estava na WWE. O quão útil ele era. De Superstar promissor a Campeão, a jobber, a racista com um push, a jobber outra vez, a gajo que não confias os teus filhos por perto. Mais ou menos o percurso do nosso Swaggie. Já anda nas independentes. E sabem qual é a gimmick dele agora? Clickbait humano! Eu explico.

Muitas independentes de pouco renome e de baixo conhecimento gostam de anunciar um convidado especial desta forma: ex-Campeão Mundial da WWE a anunciar! E a malta fica toda excitada durante os primeiros cinco segundos até se lembrar. “É só o Swagger.” E é mesmo só o Swagger. Actualmente é gajo à espera da chamada do amigo Dutch Mantell a mandá-lo ir para o Impact Wrestling, para poder ao menos lutar em frente a câmaras e mais um punhado de pessoas.

Está certo que a sua saída da WWE ainda é relativamente recente, logo há tempo de ele se reerguer e safar-se bem noutro sítio. Mas actualmente ele é aquele típico ex-WWE que vai lutando em ginásios e passando pelas independentes pequenas, além daqueles nomes que sugam tudo o que seja ex-WWE. Não se tem ouvido falar dele. Até pode estar contente a ser activo e com o estrelato de “ex-WWE” a dar-lhe uma grande dimensão num lago pequeno. Mas já foste World Heavyweight Champion, meu!

8 – Alberto del Rio

Pronto, mais um caso curioso. É que este noutros tempos nunca estaria aqui, ou pelo menos eu nunca o consideraria. Já foi tempo em que ele teria um lugar cimeiro no Top Ten da semana passada. Saiu e foi enorme por onde passou. Foi ao seu berço, o México, ser gigante e ganhar o título principal na AAA, aparecer no Lucha Underground, rebentar arenas na Ring of Honor, até se dava ao luxo de recusar a TNA. O tal “hottest free agent”. O que o Cody é agora. Alberto “El Patrón” Del Rio já o foi. Mas isso na sua primeira saída da WWE. Assim que regressou e voltou a sair… as coisas já não foram bem iguais.

Já saiu com mais heat e com muito menos razão que na sua primeira saída, não estava nem um décimo tão over como estava quando chegou. E bem queria tentar o mesmo estrelato que na primeira saída. Mas já não dava muito para isso. Já não voltou aos ringues grandes por onde já tinha passado. Já tinha que lutar em independentes mais desconhecidas – como aquela onde a Paige apareceu a pedir-lhe em casamento. Agora já não se deu ao luxo de recusar a TNA/Impact Wrestling e foi lá parar. E eles é que ainda se deram ao luxo de o suspender para garantir que nem sequer temos visto o gajo em lado nenhum ultimamente.

Agora mais associado a sarilhos domésticos, à relação com Paige que muitos ainda consideram duvidosa e que parece estar a encrencar a carreira dela na WWE, e a fazer vídeos aparentemente intoxicado a agradecer a Deus por não estara trabalhar mais naquela companhia – que lhe dessem outra oportunidade de rastejar de volta para lá, que eu queria ver. Já não é o Del Rio da sua primeira saída. E até ele já deve ter saudades de entrar numa arena grande com um carro diferente todas as semanas. Até porque essa foi a sua melhor fase.

7 – Carlito

Até nem está assim tão mal, não é daqueles que bateu no fundo. É um nome muito activo no circuito independente. E até tivemos uma visita dele cá em Portugal há pouco tempo! That’s cool! Mas não são pelas arenas mais concorridas que ele tem passado ultimamente e tem sido o gajo que passa pelos ginásios e “bingo halls” mesmo que até tenha um nome grande e reconhecível. That’s not cool!

Mas não se pode dizer que esteja numa fase negra da carreira. Até acho que já esteve pior. Simplesmente já não tem a chance de andar a cuspir maçãs para a cara de nomes grandes. Mas desde que não lhe tirem as maçãs, não lhe tiram a vida. Ainda é muito solicitado e até os fãs da WWE se lembram bem do ex-Campeão Intercontinental e vão ocasionalmente pedindo-o de volta. Não lhe tem faltado trabalho, ao menos e haja saúde.

A vontade de voltar pode ser, nem que seja só pelo nojinho. Nem que seja só por ter o irmão e o primo lá – que têm o seu protagonismo através das suas associações a ele e ao pai – inactivos, sem fazer nada e sem aparecer, enquanto aguardam a recuperação da lesão de um deles. E mesmo assim se calhar a ganhar mais do que ele. É tramado!

6 – MVP

Aí está um midcarder alto que ainda nos recordamos bem. Pode ser caso para perguntar o que é feito dele actualmente, mas nem sempre foi assim. Já soubemos dele. Ele até se andou a desenrascar bem e a singrar bem com estrelato e a aparecer noutras companhias médias e grandes como MVP e a saber estabelecer-se. Muito sinceramente ele deixou de aparecer por ele próprio fazer borrada. Porque ele estava nos sítios!

Primeiro na TNA, ainda o vimos lá durante bastante tempo e até foi um nome de topo com bastante protagonismo. Trouxe-nos o Lashley de volta e tudo. Mas desapareceu por sua própria burrice. Andou a pressionar tudo e todos na companhia para contratarem o Hernandez de volta. E eles assim fizeram. Sem querer saber da parte em que ele ainda tinha contrato com o Lucha Underground e não lhe era permitido aparecer noutros sítios. Corta-se Hernandez de TV e corta-se MVP de TV porque andavam juntos. Saiu dessa forma discreta. Mas de seguida ele foi para o outro lado dessa estrada. Foi ele para o Lucha Underground. Lembram-se dele lá? Pois não. Não o viram. Porque foi para lá romper outro contrato e começou a convidar os membros do plantel para o seu podcast e acabou por ser cortado da TV do Lucha Underground também. Não aparecia em lado nenhum por esperteza própria.

Actualmente não anda contratado às escondidas por nenhum lado que se saiba. Tem uma carreira discreta como rapper mas não sei se lhe enche as medidas. Talvez gostasse de regressar à WWE. Mas pelo que vejo, acho que se ele voltasse, acabaria por fazer alguma parvoíce como aparecer com uma máscara do Chris Benoit ou sei lá o quê…

5 – Mr. Kennedy

… Kennedy! Por lá foi sempre a estrela ascendente que nunca chegou ao main event mas parecia que já lá tinha o seu lugar garantido. O barulhento estava over e pareciam gostar dele. Mas não deu para mais. Ele próprio já era voltado para a encrenca e ainda foi arranjar problemas com gajos mais problemáticos que ele. Lá foi à sua vida, sem ter saboreado um título dos grandes, mesmo que ainda tivesse tido um razoável estrelato.

E não se pode dizer que se tenha dado mal logo a seguir. Descrevendo-o como o descrevi no anterior parágrafo, chega-se à conclusão que ele tinha o perfil perfeito para uma coisa: para ser TNA World Heavyweight Champion. E foi. Lá era uma estrela e a malta gostava de ver o gajo de novo. Até tinha a entrada igual. Só gritava o seu verdadeiro nome: Anderson. Que não impedia os fãs de gritar, na pausa por “Kennedy.” Anos depois. Acontece. Mas os anos foram passando e o seu papel na companhia foi ficando cada vez menos claro ao ponto de já nem sabermos se ele ainda lá estava. Uma “F Bomb” numa independente esclareceu-nos que não.

É agora um agente livre e até já foi passando pela Ring of Honor, mas já não é a mesma coisa. Nada de extraordinário, simplesmente acontece. Já passou a sua melhor fase e agora já está mais “washed up.” Voltar à WWE, oxigenar o cabelo de novo e gritar o seu nome falso na entrada não lhe faria algum milagre. Mas ainda deve ele pensar que mais lhe valia ter andado a fazer de conta que era filho do Vince…

4 – Damien Sandow

Sim, é verdade. Nós também já queríamos vê-lo a sair dali para se livrar daquilo. Não havia forma de Sandow ter o tratamento merecido. O gajo podia ser a coisa mais over dentro daquela arena – que chegou a ser – que eles ainda assim não capitalizavam nele ou faziam-no por pouquíssimo tempo. Mesmo depois da gimmick intelectual “não ter pegado” – só aos olhos deles – tiveram uma óptima chance em “Damien Mizdow” mas mandaram-no de volta à choça.

Óptimo, um tipo com estofo para o estrelato que se recusavam a dar-lhe. Demorou um pouco mas ainda o vimos a chegar à TNA, como Aron Rex onde não pôde deixar de mandar as bocas ao empregador anterior. Às vezes deve estar no contrato, perguntem ao gajo da entrada anterior. Até foi Impact Grand Champion e tudo. Desapareceu e remodelaram-no com uma gimmick metrossexual, tão flamejante que até o Gorgeous George devia achar esquisito. E adivinhem lá, ele fazia aquilo resultar! Também foi Sol de pouquíssima dura, não tardava nada e estava fora da companhia.

Agora nem é nome que se veja por aí. Já revelou que se a sua carreira até aqui tiver chegado, já se dá por satisfeito, sugerindo uma paragem. Mas será mesmo assim? Estará ele mesmo satisfeito? O certo é que não o vemos, não sabemos dele, sempre gostámos bastante do gajo e agora nem sabemos bem que nome lhe chamar. Não é que seja preciso, se não há razões para falar dele. Voltar à WWE? Para o mesmo? Ia valer a pena? Aquela já nem era a sua primeira passagem! Todos se lembram do Idol Stevens?

3 – Adam Rose

Um dos maiores exemplos de uma subida desastrosa do NXT. Até já perdoo os Ascension, porque esses têm sido hilariantes ultimamente. Adam Rose, um “party animal” que era sempre seguido por um grupo de malta tão ou mais tola que ele. Um bom aglomerado de futuras estrelas da WWE – vão lá ver o Strowman de fralda – ou de independentes em tryout, como já lá passou a nossa Shanna. Os tais “Rosebuds”, por acaso até já falei aqui deles.

Passou para o plantel principal e não faziam mínima ideia do que fazer com aquilo e desceu a pique. Virou Heel, entrou em rivalidade com um gajo vestido de coelho (?!), chateou-se e passou a ser o gajo que estragava festas, teve um breve encontro com outro coelho, este negro (!!) e acabou por se juntar aos Social Outcasts. A sua carreira já não estava para ir a lado nenhum, mas uma segunda suspensão por violação da “Wellness Policy” e acusações de violência doméstica deixaram-no em piores lençóis. Acabou por ir embora.

Desde então podemos vê-lo a competir… Não o vemos. Anda pelas pequenas independentes, a dar uso a ambas as suas gimmicks na WWE, o Leo Kruger (Krugar) e o Adam Rose (Aldo Rose). Foi mais notório a fazer coisas estranhas como lançar uma t-shirt com a foto da sua mugshot da detenção do caso de violência doméstica. Até já anunciou que este será o seu último ano como wrestler. Era um gajo airoso e fácil de gostar e actualmente parece que conseguimos mesmo ver o seu ar abatido. Confesso que não tenho a certeza se me deverei preocupar com o futuro deste rapaz ou não…

2 – Ryback

Este era para ser uma estrela de topo, via-se ao longe. O Skip Sheffield? Aquilo é que era uma gimmick! OK, não era bem esse. Assim que o remodelaram e voltaram a apresentar como Ryback, andou a squashar jobbers durante uma eternidade e, logo de seguida, já estava atrás do WWE Championship que, por acaso, nunca viria a conquistar.

Passou por várias fases, de bully, de doido, de Heel, de Face. Em todas tinha subidas e descidas e chegou mesmo a ter uma fase muito bizarra para o que nos deram a conhecer dele: fase de jobber. Foram várias as vezes que ele demonstrou descontentamento. Até que realmente se chateou de vez e foi embora. Tinha o estofo para ser uma estrela em qualquer lado. Tirando a parte de que, até então, não o tem sido, mesmo que ele até esteja feliz e contente com a sua vida.

Nem de propósito, afirma sempre que não precisa da WWE, mas tem feito boa vida às custas de… falar da WWE. Com podcasts, livros e mais não-sei-o-quê, como já disse, ele parece estar muito feliz e bem na vida. Mas a WWE que não lhe falhe, senão ele fica sem nada para falar. Nos ringues… Não há companhia grande que o pegue e vai-se contentando em ser o nome grande no cartaz pequeno. Agora alguém duvida que se lhe fizessem só uma chamadinha lá de Connecticut…

1 – Sunny

Pronto, um caso especial na primeira posição. A única Hall of Famer que aqui entra. E é certo que o que não falta são Hall of Famers à rasca, mas eles lá vão alternando entre estar no fundo do poço graças a eles próprios e a ser ajudados pela WWE e por contratos de lendas. Até estamos numa altura em que cada vez vemos mais malta antiga a redimir-se. Sunny… Mostra um outro desespero e já a vimos – ou “vimos”, eu não fui ver aquilo – a recorrer a outros certos métodos.

Já não se inclui aqui a Chyna que já estava mesmo com uma carreira nessa área. Não só porque já não está entre nós mas também porque ela já tinha deixado bem explícito que queria ser perdoada e voltar e o seu desespero já era público. Paz à sua alma e fica a pena por não ter tido outra oportunidade. Já Sunny, ainda está na fase arrogante e em que, tirando algum tarado preso na década de 90 ou que se contente com pouco, ninguém a leva a sério.

Inicialmente com sessões de maroteiras no Skype, a já envelhecida e abatida pela má vida Sunny via-se naquele método desesperante de fazer uns trocos. Que o mais certo é que fossem para os vícios. Mas lá quis dar o derradeiro passo e já lançou ao público, as suas obras cinematográficas, o seu filmezinho pornográfico para regozijo de… Eu diria ninguém, mas havia mesmo quem estivesse à espera daquilo. Bem mais descontraída que a tramada Paige e os seus leaks não intencionais, Sunny dá a imagem de que está felicíssima. E nós nem sequer conseguimos fazer de conta que acreditamos. Faz-lhe jeito mas com que cara alguém lhe oferecia agora um contrato de lendas?

E é com esta malta saudosa que me retiro do Top Ten. Se calhar é tudo uma treta e esta malta está toda muito bem na vida, melhor que na WWE e eu para aqui a disparatar só porque acharia mesmo giro eu próprio estar lá. Mas agora comentem o assunto, estes dez ex-Superstars, outros que considerem na mesma situação, quem trariam de volta para lhes fazer o jeito.

Esta malta ainda está para fora mas houve quem já tivesse regressado para se contentar. E com isso, consigo para a próxima semana mais um tema relacionado com estes dois:

Então e aquela malta que foi esperta e aproveitou para regressar e ter as suas regalias de volta?

Marquem presença, espero que tenham gostado e que estejam receptivos ao próximo. Uma continuação de bom Outono gélido a todos, como realmente está a ser e vejo-vos na próxima semana! Portem-se bem!

6 Comentários

  1. 13 Cm - há 3 semanas

    Mais um bom artigo.
    Faltou o Michael Tarver.

  2. Rollins4everfan - há 3 semanas

    desses todos so tenho saudades do MRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRR KENEDYYYYYYYYYYYYYYYYYYYYYYYYYYY

  3. Rui Ribeiro - há 3 semanas

    Bom artigo.
    Como foi dito em cima faltou aqui o lendário Michael Tarver ahah

  4. KILL OWENS KILL - há 3 semanas

    Excelente artigo.

    Tem uns casos bem tristes nessa lista, como Carlito, Kennedy, MVP e o mais triste de todos, Damien Sandow. A WWE mesmo iniciava o push do último e lhe cortava quando ficava over, não sei que prazer é esse que sentem em sabotar os proprios wrestlers.

  5. Bom artigo, nem todos deixam saudades. Fiquei contente quando o Ryack se foi. Sem carisma, sem qualidade no ringue, até demasiado duro, pelo que dizem. Sou o único que preferia o Skyp Sheffiled. Assim que o vi com o “feed me more”, vi uma imitação barata do Goldberg e se já acho o Goldberg mau…A Sunny só deixa outro tipo de saudades, para os saudosistas que sintam a falta de outras superstars dos anos 90. Eu nunca a conheci muito bem, confesso, por isso, saudades não me deixa.
    De resto, temos aqui várias vítimas do booking errático da WWE, que aposta nos wrestlers com a mesma facilidade com que desiste. Alguns estiveram na fase em que a brand split estava morta, no tempo do RAW Supershow que deixava o Smackdown com um titulo mundial tratado pior que o actual CW. Um tempo em que a WWE não apostava em ninguém, o main event tinha de ser John Cena, Triple H, Randy Orton, Batista, Edge e Undertaker. Outros foram anteriores mas a WWE pura e simplesmente desistia, como com o Dolph Ziggler. Outros foram vitimas de politicas de backstage, porque a WWE às vezes é pior que uma escola secundária.
    Ted DiBiase Jr., Jack Swagger (que dizem estar em má forma), Carlito, MVP, todos eles podiam e deviam ter chegado mais longe, todos foram apostas, tiveram um push, que morreu porque sim. Do MVP, a situação que falam, do Hernandez, parece-me mais culpa da TNA e do Hernandez (que eram os que deviam saber do contrato com o Lucha Underground) que do MVP. Se a TNA fez dele o bode expiatório, a culpa é apenas e só da TNA.
    O Mr. Kennedy foi vítima do Randy Orton. Podem falar das lesoes, da violação da welness policy na pior altura, mas já tivemos casos bem piores que fizeram sucesso (como o próprio Randy Orton), mas foi aquele combate no regresso do Mr. Kennedy que o afastou da WWE, quando o Randy Orton acusou o Kennedy de ter feito mal uma manobra que o fez aterrar de cabeça, o que as imagens provam ser mentira. Já o Kofi Kingston viu um push para o main event enterrado pelas birrinhas da menina Orton, que se pôs feita histérica aos berros em directo por um erro do Kofi.
    Tanto o Kennedy como o Damien Sandow, são dois grandes talentos, cheios de carisma, ambos a WWE desistiu porque sim. Se o primeiro foi para fazer a vontade ao Orton, já o segundo, foi uma palhaçada. Como é possivel darem a pasta de Money In The Bank ao Sandow para depois, “estive a pensar melhor e já não lhe quero dar o push”?!
    O Adam Rose é um caso especial. Ele era fantástico como Leo Kruger mas patético como Adam Rose. Dizem que ele não gostava do Kruger mas alguém lhe deveria ter dito que naquelas figuras não chegaria a lado nenhum e que o Kruger tinha escrito main event na testa. Ironicamente, hoje temos uma gimmick que é uma fusão entre o Adam Rose e o Rico, que está a ter sucesso no NXT, porque para aquele público qualquer coisa parva faz sucesso, mesmo que seja uma menina da escola aos abraços com toda a gente. Eu sei que alguns insistem no Prince, mas nunca vi o Prince obcecado por outro homem como o Velveteen Dream está com o Aleister Black. Aquilo é uma gimmick gay, patética e que espero que acabe depressa. Nada contra gays, não me interpretem mal, mas aquilo ser uma gimmick é até homofóbico, um estereótico gay ambulante.
    O Alberto del Rio já é outro caso. Na primeira vez foi logo aposta, até que o contrato estava a acabar e ele não queria renovar. Como a WWE não ia fazer como a TNA tanta vez fez, como com o AJ Styles ou o Samoa Joe, que lhes deu pushes para os convencer a renovar e depois saíram, porque não são assim tão burros, desistiram dele. Mas, para uma empresa que se juntou aos nazis do politicamente correcto, despedir uma vítima de racismo, é uma aberração que até agora estou para perceber. Mas, para um empresa que foi incapaz de defender o Muhammad Hassan dos ataques racistas dos média americanos, acaba por ser coerente.
    Da segunda vez, não percebi. Porque o foram contratar, meter numa stable cheia de enormes talentos se depois desistiram tanto da stable como dele, e não fizeram absolutamente nada com eles?! Para mim é burrice, não há outra palavra. Para isto deixavam o homem ir à sua vida.

  6. KILL OWENS KILL - há 2 semanas

    A League of Nations só foi criada para por o Roman over, essa é a verdade.

Comentar

Editar avatar »