Faz login e reduz a publicidade

WP A Última Batalha (23/6/2019): WP vence por 8-7

Foto de perfil do Facebook há 4 semanas Notícias 9

Ontem, dia 23 de Junho de 2019, 156 fãs de wrestling – um recorde para o WP – estiveram no Centro Shotokai de Queluz para o último “Batalha” e, possivelmente, o último espetáculo da promotora, com o destino da mesma em jogo: os 50% de Bruno “Korvo” Almeida de um lado (a representar o WP) e os 50% de Luís Salvador do outro (a representar o Wrestling PT).

Com todos os combates a valerem pontos, seriam os resultados conseguidos ao longo da tarde que guiariam uma das facções à vitória.

Vamos ao report.

1 – Marcos Vitória (WPT) vence Bruno “Bammer” Brito (WP)

A Referência e o Veterano abriram as hostes a tentar descobrir quem era o lutador tecnicamente superior. O combate ganhou intensidade na segunda metade, mas nenhum lutador conseguia aplicar o seu golpe final.

Quando Bammer parecia destinado a ganhar, Marcos Vitória vence contra a corrente do combate, com um rápido O’Connor Roll, de que o ex-Campeão não estava à espera.

O Veterano voltava às raízes, vencendo um combate importante com um roll-up. Depois do combate, Bammer oferece-lhe a sua t-shirt do WP, fazendo Marcos regressar ao balneário com as cores de ambas as facções.

Apesar do conflito interno do Veterano, não havia conflito no marcador: o Wrestling PT arrancava bem e o WP tinha agora de perseguir.

Resultado: WPT 1-0 WP

2 – Open Challenge de André Mota (WPT): Ramon Vegas toma o lado do WP e responde ao desafio

Com André Mota no ringue a dizer que tiraria do caminho quem quer que aparecesse – alguém do WP Clássico, do WP Academia, do WP Batalha, um lutador reformado – seria derrotado, em mais um passo para apagar do WP da história do wrestling nacional.

Enquanto falava e esperava, Ramon Vegas, MC de serviço do Wrestling PT, tirava o casaco e colocava a sua cotoveleira. Quando Mota percebeu o que se estava a passar, já estava do pior lado de uma Clothesline do luso-cubano.

Ramon Vegas, que se retirou no WP Ladder Match, estava de volta, a representar a equipa que o trouxe ao wrestling. Possivelmente, os “recados” de Salvador e Mota ao WP Academia e aos lutadores reformados também não ajudaram.

O combate teve duas frentes: de um lado, André Mota a usar todas as oportunidades para castigar Ramon com strikes, e o Luso-Cubano a resistir o melhor que pode a um lutador muito mais ativo no último ano.

A questão da atividade pode ter sido a mais importante do confronto, já que Ramon aplica o seu Fisherman Suplex, mas não conseguiu a vitória. Conseguiu aplicar a sua versão do Rock Bottom mas, mais uma vez, Mota quebrou o assentamento.

Foi aí que Ramon voltou a velhos (e maus hábitos), perdendo o juízo e indo buscar a sua corrente. Quando podia ter batido com ela em Mota, hesitou e parou, evitando a desqualificação. No entanto, quando Mota a tentou usar, o árbitro interveio, colocando-se entre os dois.

Infelizmente, não viu que Mota fez a corrente embater na cara de Ramon, o que o atordoou tempo suficiente para Mota o atingir com a sua joelhada em corrida e ir para o assentamento.

Resultado: WPT 2-0 WP

3 – Open Challenge Sem Desqualificações: Killer Kelly (WP) vence o Guna (WPT) em 21 segundos

André Mota ficou no ringue e pediu o microfone para apresentar o Guna. Faltava o adversário para o que Mota estava confiante seria o 3-0, que deixaria o WP em ainda piores lençóis.

Quem saiu pela cortina parecia ajudar a fazer isso acontecer: Zé de Manteigas. Mas era apenas um engodo.

Depois da sua volta à plateia, Zé apontou para a cortina: aí vinha a estrela do WWE NXT UK, Killer Kelly.

Zé provocou André Mota com a máscara de El Rayo Verde (o disfarce que Mota usou para começar a lutar no WP), fazendo o elemento do Wrestling PT persegui-lo para fora do pavilhão.

O Guna ficava sozinho. Armado com uma cadeira, investiu. O retorno não foi o melhor, já que embateu num Scissors Kick de Kelly que, como não é paga à hora, foi direta para o Vale da Morte para o 1, 2, 3.

Da mesma forma que começou a sua carreira no WP com uma vitória rápida, pôs da mesma forma o primeiro ponto do WP no marcador.

Resultado: WPT 2-1 WP

4 – Campeão de Honra Bernardo Barreiros (WP) vence Luís Salvador (WPT)

Um combate extremamente feroz, em que nenhum dos lutadores queria dar o braço a torcer. Bernardo Barreiros queria defender o Título de Honra e manter o seu “cash-in” ativo. Luís Salvador queria abrir caminho para Duarte Silva ser Campeão no combate principal.

Apesar da rivalidade entre os dois, houve momentos de hesitações, com Bernardo a não usar o Título de Honra contra Salvador e o líder do Wrestling PT a não usar um Punt no seu antigo aliado, que já se estava a queixar da cabeça depois de sucessivas trocas de Forearms e do conflito ter ido para o exterior do ringue.

Esta hesitação pode ter sido fatal, já que Salvador a seguiu com uma tentativa de Log Off, que acabou com o Campeão de Honra a apanhá-lo num Crossface. Com o peso de Bernardo Barreiros por cima dele, Salvador resistiu mas apenas momentaneamente. Foi obrigado a fazer tap-out.

Resultado no final da 1ª parte: WPT 2-2 WP

No entanto, a grande história viria depois do tocar da sineta. Salvador entregou o Título de Honra ao Campeão e parecia-se assistir a um momento de reconciliação entre os dois.

Até que Salvador o atacou pelas costas e o atingiu com um RKO. E, aqui, já não hesitou e seguiu-se um ataque à cabeça com o Título de Honra e o elusivo Punt, que deixou Bernardo no chão até ser anunciado o intervalo, altura em que foi levado para os bastidores pelos árbitros.

5 – Combate de Eliminação 4-Contra-4: João “Pégaso” Sena (WP) é o Único Sobrevivente

Com 1 ponto obtido por eliminação, este tinha o potencial de ser o mais importante da tarde. Nas equipas, tínhamos:

  • Pelo WP, João “Pégaso” Sena, Artur Carvalho, O Artista Formalmente Conhecido e o Campeão de Honra Bernardo Barreiros
  • Pelo Wrestling PT, David Francisco, os Veri Stu e o “Prince of Pain” Alexander James

Bernardo Barreiros não apareceu, provando que o ataque pós-combate de Luís Salvador tinha feito estragos.

Quando parecia que o combate se transformaria num 3-contra-4, tocou a música clássica d’ “O Veterano” Marcos Vitória, que surgiu no pavilhão com a sua t-shirt do Wrestling PT na mão, apenas para a atirar para longe. Voltava, assim, ao Wrestling Portugal e era o 4º membro da equipa.

Depois de um momento inicial em que a equipa do Wrestling PT se recompôs do choque, o fantástico trabalho de doubleteams dos Stus parecia ditar o fim do Artista.

Mas, no momento certo, O Artista conseguiu passar o testemunho. E aí veio “O Veterano”, que rapidamente conseguiu um Ankle Lock em Stefan Stu, colocando o WP a vencer pela primeira vez.

Eliminado: Stefan Stu por Marcos Vitória, WPT 2-3 WP

Seria sol de pouca dura porque, com O Artista de volta, tinha chegado a altura deste fazer das suas: parou o combate para sugerir à equipa adversária que deviam desistir já, porque só ia ficar pior daí para a frente.

A ideia não foi boa, porque permitiu a entrada da estrela da WXW, Alexander James. O Artista tentou corajosamente fazer-lhe frente, mas foi apanhado numa submissão que combinava o Torture Rack com o Stretch Muffler, que levou à segunda submissão do combate.

Eliminado: O Artista por Alexander James, WPT 3-3 WP

Com as contas novamente equilibradas, Artur Carvalho assumiu as rédeas do combate, com Kamehamehas em toda a equipa do Wrestling PT. Michael Stu tentou contornar o ímpeto do WP, mas acabou por sofrer a estreia do Artur Express. 1, 2, 3.

Eliminado: Michael Stu por Marcos Vitória, WPT 3-4 WP

Artur mal teve tempo para celebrar, porque foi atacado por David Francisco com o Curb Stomp, para mais um assentamento.

Eliminado: Artur por David Francisco, WPT 4-4 WP

Permaneciam apenas 2 lutadores de cada equipa. Pégaso e Marcos de um lado, David Francisco e Alexander James do outro.

Alexander James voltou a impor a sua superioridade física, eliminou O Veterano com o King’s Landing.

Eliminado: Marcos Vitória por Alexander James, WPT 5-4 WP

O Wrestling PT voltava a assumir o controlo do combate e do marcador e, do lado do WP, Pégaso estava sozinho.

A partir deste momento, a estratégia do Wrestling PT foi ter Alexander James no ringue, com David Francisco a provocar e a distrair o seu rival.

A estratégia tinha tudo para funcionar e Pégaso esteve várias vezes perto de ser eliminado, mas libertou-se do Torture Rack de James e quebrou o assentamento a seguir ao King’s Landing.

A acusar um pouco de desespero, David Francisco desprotegeu um dos cantos, mas não contava que Pégaso usasse esse truque contra a sua equipa. Depois de Alexander James falhar um Clothesline no canto e embater em David, Pégaso enviou o antigo Campeão Junior Heavyweight da CZW contra o canto desprotegido e seguiu rapidamente como Phenomenal Elbow, para eliminar o norte-americano.

Eliminado: Alexander James por Pégaso, WPT 5-5 WP

E, pela primeira vez no combate, David Francisco não tinha forma de evitar o confronto com Pégaso. Seguiram-se vários minutos de confronto intenso, em que nenhum lutador arredou pé, até Pégaso descobrir novamente uma abertura para o seu Phenomenal Elbow, derrotando o seu rival e sendo o único sobrevivente do combate.

Eliminado: David Francisco por Pégaso

O WP ficava à frente, mas por uma margem irrelevante, já que o combate pelo Título do WP valia 2 pontos.

Resultado Final: WPT 5-6 WP

6 – Duarte Silva (WPT) vence o Campeão do WP Bruno “Korvo” Almeida (WP)

Com Korvo ainda a recuperar de um pé partido e a aparecer no pavilhão em roupa casual, pareceu – por momentos – que se estaria a preparar para abdicar da coroa. Mas, quando ofereceu o Título a Duarte Silva, não deixou que o último o puxasse.

Afinal de contas, como o próprio Campeão disse: “um Korvo a 70% vale mais do que um Meia-Dose a 100%”.

Infelizmente, a frase viria a mostrar-se difícil de provar. Apesar de um bom arranque em que atingiu Duarte com uma Lariat, o pé de Korvo atraiçoava-o cada vez mais à medida que o combate progredia.

O momento crucial do combate chega quando o árbitro foi inadvertidamente esmagado no canto depois de um Irish Whip invertido. Com Korvo atordoado, Duarte Silva foi buscar um tabuleiro ao exterior e, com o árbitro fora de cena, usou-o para castigar repetidamente a perna e pé de Korvo.

Com a sua lesão novamente agravada, o Campeão ficou à mercê do terceiro Sick Kick que o candidato lhe infligiu. Ao primeiro, resistiu. Ao segundo, também. Mas, depois do terceiro, Korvo já tinha deixado tudo no ringue. O árbitro contou até 3.

Novo campeão. E o Wrestling PT virava o resultado.

Resultado: WPT 7-6 WP

Luís Salvador veio ao pavilhão e anunciou no ringue o novo campeão e a vitória do Wrestling PT, oferecendo um Título novo – com o cinto no vermelho do Wrestling PT – a Duarte Silva.

Fizeram a festa e fecharam o espetáculo dirigindo-se para os bastidores.

Mas o espetáculo não estava fechado.

7 – Bernardo Barreiros (WP) faz Cash-In do Título de Honra

Segundos depois de desaparecerem pela cortina, o Campeão e o líder do Wrestling PT estavam de volta. Duarte Silva em fuga, Salvador já atordoado de um ataque.

Bernardo Barreiros estava de volta ao pavilhão. A primeira ordem de trabalho foi deixar Salvador KO com um Roaring Elbow.

Restava fazer o inevitável cash-in.

Duarte Silva tentou manter o Título, atacando Bernardo enquanto este entrava no ringue e preparando imediatamente o Sick Kick. Mas o seu reinado estava destinado a ser curto. Bernardo desviou-se e atingiu-o com o Roaring Elbow. 1… 2… 3.

Novo Campeão. Campeão esse que, por ter feito cash-in e vencido o Título, dava 2 pontos ao WP e a volta ao marcador.

Resultado Final: WPT 7-8 WP

8 – Obrigado

No final do espetáculo, Bernardo Barreiros festejou, deixou os seus agradecimentos e convidou o plantel a vir ao ringue para se despedir do público.

3 temporadas depois, o “WP: Batalha” fechou o seu último capítulo.

Obrigado a todos os que seguiram, apoiaram e fizeram a festa connosco.

9 Comentários

  1. Tenho pena de não poder ver estes espetáculos visto q moro no porto mas pareceu um show muito bom e q certamente gostava de ter visto ao vivo! Parabéns!!

  2. Deve ter sido um espectáculo muito bom. Gostaria de saber agora o que vai ser do wp? Vai voltar? Já há algum plano? Espero que continue pois tem sido espectáculos muito bons.

  3. Sinceramente era um show que gostaria imenso de ter ido, pensei em ir mas por motivos pessoais não o consegui, espero bem que o WP não acabe , visto para mim ser a companhia que mais se dedica em Portugal a apresentar ótimos shows e o foco se dedica única e exclusivamente a wrestlers portugueses , não tirando também o mérito as outras empresas , mas o WP para mim sempre foi o minha primeira companhia de eleição para visitar , pelo report dado foi mais um excelente show , o que se esperava para terminar está season , que tão boa que foi , acho que o resultado foi o que foi , o esperado , não gostava que ficasse por aqui , pois ainda gostava de ver o Marcos Vitoria como campeao do WP, uma feud com o Bernardo iria ser qualquer coisa , mais uma vez gostaria de puder assistir, quem sabe não nos disponibilizam para o YouTube para que possamos ver , pagava para ver , e acho que todos deviam fazer para apoiar esta companhia , o minimo que fosse , era uma ajuda , parabéns malta , Well Done

  4. Tiago Marto há 4 semanas

    Simplesmente genial este show.
    Ja não ia ver um show ha imenso tempo, por razões pessoais, mas pude ir ver este final, felizmente.
    Foi tudo bem feito, combates mesmo até à última com muita intensdade, excepto o da kelly que durou segundos e não ficamos a conhecer quem era o guna….. Mas o show foi excelente.

    Muitos parabéns a todos.

    Ps… Nessa foto final faltou o ze de manteigas… Ou será que não faltou????

    Espero que voltem um dia, até porque Bernardo tem, tecnicamente, dois títulos. O titulo do WPT é o do WP.

  5. Duarte Bernardo há 4 semanas

    #NãoAcabem

  6. Não há nenhum sítio onde se possa ver o evento?

  7. Anonimo há 4 semanas

    Bamer e mesmo o john cena da cena nem no ultimo combate conseguiu elevar o puto e perder limpo ahaha

Comentar