Mais directo e menos críptico e misterioso que uma promo do Roman Reigns num house show, é o honesto Top Ten do costume! Os temas vão-se mantendo muito simples e vamos olhando sempre à durabilidade de carreiras, tanto falando de casos longos como curtos. De coisas com longevidade ou coisas imediatas.

Para a edição desta semana voltamos aos que conseguem chegar ao topo, como os veteranos de carreiras longas e espaçadas da semana passada, e até o conseguem logo. Acontece às vezes, pelo meio do medo em construir alguém novo, terem uma fé repentina assim em alguém. Verão que realmente há muito caso antigo aqui.

Por vezes um anito, algumas vezes até menos, e uma estrela nova já está lá no topo. Se fica ou não, é outra história. O que distinga aqui de “chegar ao topo” é mesmo um título Mundial, para facilitar a selecção no meio de casos de muito push que tentam e ainda conseguem chegar, a certo ponto.

3 Comentários

  1. JOAOPEDROOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO1 mês

    Fantástico. O do Kurt foi mesmo merecido. Tudo nele foi pensado e construído com calma, apesar da rápida ascensão. É também o grande vencedor da HIAC onde estão 6 das maiores superstarts daquela época (Taker, HHH, Rikishi, Austin, The Rock e Angle). Diria que, naquele momento, só Benoit e Jericho seriam nomes tão grandes para caber ali, portanto, já conseguimos perceber o quanto essa vitória significaria para a sua carreira.
    Já que referiste a feud com o HHH, no primeiro match entre eles, faria todo o sentido ter sido o Angle a ganhar, até porque foi ele a ir atrás do título (que na altura estava com o The Rock), apesar de ter perdido no PPV anterior.

  2. El Cuebro1 mês

    Bom artigo sem dúvidas, bem informativo, acho que a única das subidas que talvez não deveria ter acontecido era a do Khali, o cara não fazia nada, era só mais um cara alto jogado no roster da WWE, hoje em dia temos dois assim por lá!

  3. Kurt Angle foi sem dúvida mais que merecido! Intenso, agil e muito tecnico lara nao falar do carisma e atitude!