A AEW realizou este domingo, dia 4 de Setembro, o seu terceiro pay-per-view do ano, o All Out, a partir da NOW Arena em Chicago, Illinois.

O AEW All Out é transmitido na FITE TV. Subscreve aqui!

Resultados

– AAA Mixed Tag Team Champions Sammy Guevara & Tay Melo venceram Ortiz & Ruby Soho (Zero Hour)
– FTW Champion HOOK venceu Angelo Parker (Zero Hour)
– AEW All-Atlantic Champion PAC venceu Kip Sabian (Zero Hour)
– Eddie Kingston venceu Tomohiro Ishii (Zero Hour)
– Joker venceu ROH World Champion Claudio Castagnoli, ROH Pure Champion Wheeler Yuta, Penta Oscuro, Rey Fenix, Dante Martin, Rush e Andrade El Idolo (Casino Ladder Match)
– The Elite (Kenny Omega & Young Bucks (Matt & Nick Jackson)) venceram “Hangman” Adam Page & Dark Order (John Silver & Alex Reynolds) (Final do AEW World Trios Championship Tournament)
– TBS Champion Jade Cargill venceu Athena
– TNT Champion Wardlow & AAA, IWGP & ROH World Tag Team Champions FTR (Cash Wheeler & Dax Harwood) venceram Jay Lethal & Motor City Machine Guns (Alex Shelley & Chris Sabin)
– Powerhouse Hobbs venceu Ricky Starks
– AEW World Tag Team Champions Swerve In Our Glory (Keith Lee & Swerve Strickland) venceram The Acclaimed (Anthony Bowens & Max Caster)
– Toni Storm venceu Britt Baker, Jamie Hayter e Hikaru Shida (AEW Interim Women’s World Championship Fatal 4-Way Match)
– Christian Cage venceu Jungle Boy
– Chris Jericho venceu Bryan Danielson
– Darby Allin, Sting & Miro venceram House of Black (Malakai Black, Brody King & Buddy Matthews)
– CM Punk venceu AEW World Champion Jon Moxley

Vídeos

Watch Wrestling

Report

– AAA Mixed Tag Team Champions Sammy Guevara & Tay Melo venceram Ortiz & Ruby Soho (Zero Hour): O Zero Hour começou com uma brawl fora do ringue entre Ortiz & Ruby Soho e Sammy Guevara & Tay Melo, tendo o “Spanish God” sido atropelado mais uma vez por um carro de golfe.

Só depois duma brawl de vários minutos é que o combate começou de forma oficial e os AAA Mixed Tag Team Champions no meio da pancada que estavam a levar conseguiram ter algum ímpeto, quando primeiro isolaram Ruby Soho e depois Ortiz, e com isso dominaram durante alguns minutos.

O domínio não durou muito tempo, nem com a ajuda de Anna Jay, e no meio do caos parecia que poderíamos ter novos campeões, mas Anna Jay voltou a ajudar a sua melhor amiga e Tay Melo com o Tay-KO venceu este embate.

– FTW Champion HOOK venceu Angelo Parker (Zero Hour): HOOK entrou a mostrar a sua maior técnica contra Angelo Parker, mas sem o árbitro ver, Matt Menard atacou o jovem lutador e abriu espaço para que “Cool Hand” ficasse no controlo durante alguns momentos.

O jovem nunca se deixou controlar a 100% e depois de alguns momentos de equilíbrio, conseguiu aplicar o Redrum e venceu este combate.

Assim que o embate terminou, “Daddy Magic” atacou HOOK e o ataque durou até que o músico Action Bronson veio ajudar o jovem lutador.

– AEW All-Atlantic Champion PAC venceu Kip Sabian (Zero Hour): Kip Sabian entrou de forma agressiva e isso apanhou PAC desprevenido, com o recém-regressado lutador a dominar durante alguns minutos, mas fora do ringue o “Bastard” conseguiu virar o ímpeto a seu favor.

Kip Sabian nunca se deu por vencido e a sua agressividade fez com que PAC tivesse de subir a parada e com isso as quase vitórias foram começando a aparecer.

Quando Kip Sabian parecia que podia causar uma surpresa, começou a olhar para a caixa que colocou na sua cabeça durante meses, o que fez com que PAC virasse o combate de tal forma, que no final acertou o Black Arrow e reteve assim o seu título.

Assim que o combate terminou, Tony Schiavone entrevistou PAC, mas este mal teve hipótese de falar pois foi interrompido por Orange Cassidy, algo que irritou o “Bastard” que afirmou que o “Freshly Squeezed” não é um lutador, mas sim uma piada.

– Eddie Kingston venceu Tomohiro Ishii (Zero Hour): Os dois lutadores começaram a trocar chops logo nos primeiros segundos deste combate e tivemos a esperada “guerra” entre estes dois lutadores com nenhum dos dois a querer dar parte fraca.

O dano feito ficou evidente desde cedo, mas os dois lutadores nunca baixaram os índices de agressividade e o equilíbrio entre Eddie Kingston e Tomohiro Ishii foi a nota de destaque deste embate.

A contagem de 3 foi ficando cada vez mais perto para os dois lutadores e quando parecia que a vitória iria sorrir ao “Stone Pitbull”, o “Mad King” acertou uma Nothern Lights Bomb e conquistou a vitória.

– Joker venceu ROH World Champion Claudio Castagnoli, ROH Pure Champion Wheeler Yuta, Penta Oscuro, Rey Fenix, Dante Martin, Rush e Andrade El Idolo (Casino Ladder Match): Wheeler Yuta e Rey Fenix abriram este Casino Ladder Match de forma equilibrada e quando o ROH Pure Champion estava a levar a melhor, tivemos a entrada de Rush no combate. “El Toro Blanco” aumentou a agressividade deste opener, sendo que Andrade El Idolo foi o quarto lutador a entrar neste Ladder Match, o que fez com que La Faccion Ingobernable ficasse no domínio, mas o quinto lutador a entrar foi Claudio Castagnoli e este usou a sua força para virar o combate do avesso.

Dante Martin entrou a 100 à hora e estava-se a colocar no controlo, isto até Penta Oscuro entrar e os Lucha Bros usaram a sua ofensiva louca para deixar a La Faccion Ingobernable fora de de jogo.

De forma inesperada, o grupo de homens mascarados atacou os lutadores em ringue, tendo um deles subido o escadote e tirado a ficha, tendo a seguir desmascarado-se e mostrado ser Stokely Hathaway. Quando foi a altura do joker entrar, entrou um outro lutador mascarado que pegou na ficha gigante e venceu este Casino Ladder Match.

Já depois do combate terminar, parecia que íamos saber quem era este lutador misterioso, mas este saiu do ringue sem tirar a sua máscara.

– The Elite (Kenny Omega & Young Bucks (Matt & Nick Jackson)) venceram “Hangman” Adam Page & Dark Order (John Silver & Alex Reynolds) (Final do AEW World Trios Championship Tournament): A final do torneio que irá definir os primeiros AEW World Trios Champions começou com a dupla de Dark Order e “Hangman” Adam Page, mas The Elite conseguiu meter a velocidade que mais gostam e com isso conseguiram isolar o ex-AEW World Champion.

O domínio durou alguns minutos, mas o cowboy favorito da AEW conseguiu aguentar a ofensiva e fazer o tag a John Silver que entrou com tudo e com a ajuda de Alex Reynolds virou o combate do avesso e quase o venceu.

Porém, Kenny Omega mostrou porque é um dos melhores lutadores da sua geração e voltou a equilibrar o combate, sendo que o caos foi começando a aumentar com o passar do tempo e com isso a vitória foi ficando cada vez mais perto.

O público ficou ao rubro quando “Hangman” Adam Page e Kenny Omega começaram a trocar strikes um com o outro, com o “The Cleaner” a quase vencer depois do Tiger Driver 98, já o cowboy quase venceu com um golpe incrível da terceira corda.

Logo a seguir, “Hangman” Adam Page quase venceu com o seu Buckshot Lariat, mas um momento de compaixão quase lhe custou o combate, pois abriu espaço para os Young Bucks acertarem o BTE Trigger, mas Alex Reynolds quebrou o pin. A vitória foi ficando cada vez mais próxima e no fim, “Hangman” Adam Page de forma involuntária acertou o seu Buckshot Lariat em John Silver, o que abriu espaço para Kenny Omega fazer o pin final.

– TBS Champion Jade Cargill venceu Athena: Athena entrou com tudo neste embate, tendo quase vencido com o O-Face, mas as Baddies tiraram a lutadora do ringue. Já depois de ter arrumado Leila Grey, a “Fallen Goddess” voltou ao ringue e isso abriu espaço para Jade Cargill começar a usar a sua força, porém Athena nunca deixou a campeã ter muito ímpeto.

Quando chegou a parecer que poderíamos ter uma surpresa, Kiera Hogan criou a distração necessária, para que Jade Cargill virasse finalmente o ímpeto a seu favor e depois com o Jaded manteve o seu título, naquela que foi a vitória mais difícil da sua carreira.

A seguir, tivemos imagens de CM Punk a chegar à NOW Arena, com este a dizer que nunca esteve a 100% para um combate e que sabe que o seu pé é um alvo, mas hoje não irá lutar sozinho e que todas pessoas de Chicago estão do seu lado.

– TNT Champion Wardlow & AAA, IWGP & ROH World Tag Team Champions FTR (Cash Wheeler & Dax Harwood) venceram Jay Lethal & Motor City Machine Guns (Alex Shelley & Chris Sabin): Wardlow e os FTR entraram melhor e controlaram durante alguns minutos, mas os Jay Lethal & Motor City Machine Guns nunca se deixaram ficar e tiveram de recorrer a alguma batota para ficarem no controlo.

Este trio conseguiu isolar Dax Harwood durante alguns minutos, mas este conseguiu fazer o tag a Cash Wheeler que veio decidido a virar o combate a favor da sua equipa, mas Alex Shelley fez da perna esquerda do seu adversário, o alvo preferencial de ataque.

Cash Wheeler foi dominado durante vários minutos, mas conseguiu aguentar o ataque dos seus adversários e quando teve uma abertura fez o tag a Wardlow que usou a sua força para colocar o ímpeto do seu lado, isto até que Satnam Singh atacou-o nas costas do árbitro.

O caos foi começando a aumentar e com isso o trio de Motor City Machine Guns & Jay Lethal foram ficando cada vez mais perto da vitória, mas o problema é que Wardlow estava na outra equipa e quando este usou a sua força para virar o ímpeto a favor da sua equipa, ficou sozinho em ringue com Jay Lethal e conquistou a vitória após a Powerbomb Symphony.

Já depois do combate terminar, o grupo liderado por Jay Lethal preparava-se para atacar os FTR e Wardlow, e foi então que tocou a música do ROH TV Champion Samoa Joe e este não perdeu tempo a atacar Satnam Singh e a meter Sonjay Dutt em ringue.

A noite do manager ficou ainda pior quando a filha de Dax Harwood entrou em ringue e lhe partiu o lápis, tendo feito um pin a Sonjay Dutt depois do seu pai ter dado um murro ao rival.

– Powerhouse Hobbs venceu Ricky Starks: Os dois antigos amigos entraram de forma bastante agressiva e Powerhouse Hobbs usou a sua força para dominar durante vários minutos. Ricky Starks nunca se deu por vencido e começou a ter alguma ofensiva e a querer equilibrar as contas deste combate, porém, quando tentou aumentar a velocidade, Powerhouse Hobbs apanhou-o com o seu incrível Spinebuster e conquistou a vitória.

– AEW World Tag Team Champions Swerve In Our Glory (Keith Lee & Swerve Strickland) venceram The Acclaimed (Anthony Bowens & Max Caster): De forma algo inesperada, este embate começou de forma técnica e os Acclaimed levaram a melhor tanto nessa vertente como quando aumentaram o ritmo, porém quando Keith Lee meteu a sua força em jogo, isso fez com que os campeões ficassem no controlo.

Os Swerve In Our Glory mantiveram Max Caster isolado durante alguns minutos, mas este conseguiu uma abertura para fazer o tag a Anthony Bowens que virou o combate do avesso e quase o venceu sozinho, mas Swerve Strickland acabou por lesionar o joelho do seu adversário e os campeões voltaram a estar no controlo.

Anthony Bowens aguentou o ataque e fez o tag a Max Caster que entrou com tudo e depois dum desentendimento entre os campeões, quase tivemos novos AEW World Tag Team Champions.

As quase vitórias foram sendo cada vez mais frequentes de parte a parte, sendo que os Acclaimed quase conquistaram os títulos por várias vezes, mas para desagrado dos fãs na arena, os campeões conseguiram sobreviver quando acertaram a sua Powerbomb com o Stomp.

– Toni Storm venceu Britt Baker, Jamie Hayter e Hikaru Shida (AEW Interim Women’s World Championship Fatal 4-Way Match): Este combate começou de forma caótica, com Britt Baker a fazer de tudo para fugir do ataque das suas adversárias, sendo que a força de Jamie Hayter foi fazendo a diferença nestes minutos iniciais. As quatro lutadoras foram atacando-se mutuamente tanto dentro como fora do ringue, sendo que Britt Baker e Jamie Hayter atacaram Hikaru Shida de tal forma que esta teve de ser assistida pela equipa médica.

Com isto, as duas lutadoras foram atacando Toni Storm a seu bel-prazer, isto até Hikaru Shida aparecer com dois kendo sticks e atacar as suas rivais e com isto o caos voltou a aparecer nesta Fatal 4-Way.

As quatro lutadoras foram ficando cada vez mais perto da vitória, com vários ataques e contra-ataques, em especial Jamie Hayter que só não venceu por causa de Britt Baker, que momentos depois ia roubando a vitória a Toni Storm.

No final, Britt Baker preparava-se para ser novamente campeã, mas Toni Storm tirou-a de ringue com um DDT, tendo em seguida acertado um outro DDT em Jamie Hayter que lhe deu a vitória e o AEW Interim Women’s World Championship.

– Christian Cage venceu Jungle Boy: Ainda Jungle Boy estava a entrar, quando de forma inesperada Luchasaurus apareceu e atacou o seu amigo, tendo-lhe feito um Chokeslam contra o stage da arena, antes de ter feito o seu amigo atravessar a mesa do timekeeper.

Quando o combate começou de forma oficial, Christian Cage acertou um Spear, antes de acertar o seu Killswitch e conquistar a vitória.

Nos bastidores, foi anunciado que os Best Friends irão enfrentar os Death Triangle no próximo Dynamite, tendo o AEW All-Atlantic Champion PAC voltado a recusar-se a aceitar Orange Cassidy como uma ameaça.

– Chris Jericho venceu Bryan Danielson: Este “dream match” começou num ritmo lento, com os dois lutadores a usarem toda a sua técnica e também agressividade para tentarem ganhar controlo sobre o seu oponente.

Quando parecia que Bryan Danielson ia começar a ter o ímpeto do seu lado, Chris Jericho conseguiu virar o ímpeto a seu favor, mas já se sabe que o “American Dragon” nunca se dá por vencido.

Os patamares de agressividade nunca diminuíram, o que fez com que o equilíbrio fosse a nota de destaque neste combate entre duas lendas. Com o passar dos minutos, o cansaço foi sendo cada vez mais evidente e com isso as quase vitórias foram começando a surgir de forma cada vez mais frequente.

Os dois lutadores começaram a mostrar toda a sua habilidades com submissões e quase desistiram por várias vezes, sendo que o “Lionheart” começou a ficar frustrado com a resistência de Bryan Danielson, que pouco depois quase venceu com o Cattle Mutilation.

No final, Bryan Danielson parecia que ia mesmo vencer, mas Chris Jericho bloqueou a visão de Aubrey Edwards e acertou um low blow no seu adversário e em seguida aplicou o Judas Effect e conquistou a vitória.

– Darby Allin, Sting & Miro venceram House of Black (Malakai Black, Brody King & Buddy Matthews): A equipa de Darby Allin, Sting e Miro entrou melhor, mas este último foi isolado pela House of Black que dominaram durante vários minutos.

Darby Allin foi aguentando a ofensiva dos seus rivais, até que fez o tag a Sting, que entrou com tudo, mas a House of Black voltou ao domínio, mas a primeira grande false finish pertenceu a Darby Allin com o seu Coffin Drop.

No meio da confusão parecia que Malakai Black ia apanhar Sting com um Roundhouse Kick, mas o “Icon” de forma inesperada cuspiu a black mist na cara do líder da House of Black, tendo este depois sido apanhado com o Last Supper de Darby Allin.

No backstage, Daniel Garcia ia ser entrevistado, mas Chris Jericho interrompeu-o e mostrou-se irritado por o jovem não ter vindo festejar a sua vitória contra Bryan Danielson, tendo Daniel Garcia mostrado-se desagrado por o seu mentor ter feito batota.

O “Lionheart” afirmou então que se Daniel Garcia não quis festejar a sua vitória, então terá de enfrentar o ROH Pure Champion Wheeler Yuta sozinho.

– CM Punk venceu AEW World Champion Jon Moxley: CM Punk entrou com tudo neste main event tendo acertado o seu GTS para uma contagem de 2.9, que quase nos deu um novo AEW World Champion.

De forma algo inesperada, os dois lutadores acabaram a lutar no meio do público e também de forma inesperada, foi CM Punk que levou a melhor nesta brawl, mas Jon Moxley conseguiu atirar o “Second City Saint” contra o poste e deixou o homem da casa a sangrar.

O “Purveyor of Violence” foi dominando de forma agressiva e num ritmo lento, com CM Punk a tentar de tudo para se manter vivo, mas o AEW World Champion aproveitou para começar a atacar o pé lesionado do candidato principal.

No apron, CM Punk conseguiu fazer do braço esquerdo de Jon Moxley, um alvo de ataque e com isso conseguiu começar a equilibrar este main event, e os dois lutadores foram tentando fazer o seu adversário desistir com várias manobras de submissão.

Jon Moxley também teve uma contagem de 2.9 quando acertou o seu Paradigm Shift, mas o “Second City Saint” manteve-se na luta, tendo acertado mais um GTS, com os dois lutadores a ficarem um em cima do outro, o que abriu espaço para que CM Punk acertasse o terceiro GTS da noite e assim reconquistou o AEW World Championship.

Quando CM Punk estava a festejar, as luzes apagaram-se e começámos a ouvir uma mensagem de Tony Khan a dizer que esqueceria o facto do lutador ter abandonado a empresa e que lhe daria um lugar no Casino Ladder Match no All Out, sendo que a seguir vimos parte de uma promo de CM Punk na ROH, antes de vermos MJF a retirar a sua máscara antes de se encaminhar para a zona de entrada.

O All Out terminou com os dois rivais a olharem um para o outro e com MJF a dizer que quer ser AEW World Champion.


O que achaste deste AEW All Out?

29 Comentários

  1. Daniel1 mês

    MJF o Joker?????

  2. A minha teoria parece estar certa…. o joker é o MJF, a mim pareceu…

  3. The Name1 mês

    Mjf era o joker, de certeza absoluta, pela forma de caminhar parecia ser ele!

  4. Dark Nash1 mês

    Aquela passadinha de pé no ringue entregou muito que era o Mjf.

  5. Tiago Rodrigues1 mês

    Juro que tentei ver o Casino Ladder Match mas é um conceito completamente ridículo, onde pelo que percebi 1 dos 2 que entra primeiro pode ganhar logo sem que os outros participem (??)

    • Ya, e estúpido mas aquele finish deixou um gajo intrigado e a salivar para o próximo capítulo

    • Tiago Rodrigues1 mês

      Não é o ser estúpido, porque estúpido temos também as steel Cage match da WWE onde o pessoal trepa a jaula com uma porta á beira… É mesmo o facto de fazer 0 sentido, juntando ao facto de haver pelo menos 2 equipas com ambos os membros no combate…

    • Acbb4 semanas

      A lógica é simples
      Se tu és um dos últimos a entrar, quando entras és o mais fresco e os outros já estão cansados e por isso torna-se mais fácil ficar por cima do combate, por outro lado corres o risco de não entrar no combate de todo.
      Se és um dos primeiros tens a oportunidade de disputar a vitória no início contra só um adversário, mas à medida que o comabte avança vai ficando cada vez mais difícil para ti.

      Eu prefiro um ladder match tradicional, mas acho que isto até tem uma lógica, e é uma ideia engraçada. Sempre é mais justa que uma Elimination Chamber por exemplo, em que não podes ganhar logo o combate, mas podes perde-lo

  6. À tempos eu não ficava triste com um resultado, como foi dessa derrota do The Acclaimed. A crowd estava incrível e era um cenário perfeito. Combate excelente aliás.

  7. The Name1 mês

    Swerve in our Glory vs Acclaimed foi o combate da noite até, Acclaimed mereciam ganhar pela noite de hoje, que grande combate e a crowd sempre muito activa, Acclaimed esta muito over, era a altura certa para ganharam os títulos, o pop seria incrível!
    Mas também percebo a decisão.

  8. The Name1 mês

    Swerve in our Glory vs Acclaimed foi o combate da noite até agora, Acclaimed mereciam ganhar pela noite de hoje, que grande combate e a crowd sempre muito activa, Acclaimed esta muito over, era a altura certa para ganharam os títulos, o pop seria incrível!
    Mas também percebo a decisão.

  9. Dark Nash1 mês

    Acclaimed merecia essa hein. Nos últimos anos eu nunca vi uma dupla tão carismática quanto esses caras. Foram de heels a heróis e cresceram de forma impressionante.

  10. Dark Nash1 mês

    Esse PPV foi fraquissimo, esse main event precisa de um plot twist muito bom pra salvar isso ai …

    • Fraquissimo? Teve pontos altos e baixos como qualquer outro show, combates que até exederam as expetativas como o tag team match e bom storytelling também…

  11. Dark Nash1 mês

    MJF salvou esse final terrível …

  12. The Name1 mês

    The devil is back!
    MJF está de volta wooooooooo 🔥🔥🔥

  13. Facebook Profile photo

    A entrada do MJF no Casino Ladder Match foi muito óbvia… Mesmo com a máscara, do momento em que ele entra até sair fez vários movimentos característicos! Até quando fingiu que iria tirar a máscara! Mas no entanto não deixou me bastante entusiamafo porque fiquei logo a pensar que não ia ficar por ali! O diabo voltou mas não nos podemos esquecer que deve voltar com uma nova stable! Finalmente o melhor heek da atualidade está de volta!

  14. Arn1 mês

    Chicago a gritar por MJF. 😮

    Props para quem fez isto!

  15. Mr T1 mês

    Christian dando aula de como ser heel.

  16. I2G1 mês

    Uma ilação a tirar deste PPV é que não devem existir tantos combates, faz alguma saturação, a meu ver 10 combates é mais do que suficiente e não 15 como acabou por acontecer. Ficará gente de fora do card? Paciência, na WWE também acontece e pode sempre ser compensado depois nos shows semanais.
    Quanto ao PPV tivémos o roster quase a 100%, tento faltado apenas a campeã feminina e os Undisputed Elite. Bons combates na sua maioria e resultados acertados a meu ver, apenas não gostei dos Acclaimed terem perdido. O grande destaque vai sem dúvida para o regresso e a forma épica como foi introduzido o MJF, claramente o Tony Khan já percebeu que tem em mãos o maior diamante da empresa e precisa tratá-lo da forma correta e com isso agradar os fãs da forma que acabou por acontecer. Não consigo perceber se isto tudo foi storyline desde o início ou se a situação foi real e finalmente ambas as partes chegaram a acordo, mas isso agora também já não importa e em breve teremos o maior heel de sempre campeão mundial da empresa, só lamento pelo Punk voltar a ter mais um curto reinado.

  17. Facebook Profile photo

    Nunca mais é quarta-feira

  18. BRRM4 semanas

    Eu digo isto em todos os PPV’s da AEW mas a verdade é que todos eles sofrem do mesmo: demasiados combates. É lixado arranjar paciência (e tempo) para tanto. E quando alguns momentos e combates não têm o tempo que mereciam torna-se ainda mais questionável a decisão de encaixar tantos confrontos na mesma noite. Não quero com isto dizer que foi um mau evento, esteve longe disso. Houve muito bom wrestling, mas gostava de ver a empresa a mudar a forma como faz as coisas neste aspeto.

    O ponto alto do pre-show foi claramente o combate super físico entre o Ishii e o Kingston. PAC vs Kip foi sólido, Hook vs Parker foi o que se esperava e o mixed tag match não fez nada por mim tbh.

    Casino ladder match – não gosto mesmo nada deste tipo de combate, acho que resulta em vários momentos que não têm lógica nenhuma (como o RUSH a entrar com toda a calma do mundo enquanto o Yuta estava a escalar o escadote). O fim foi um pouco awkward mas pelo menos teve algo de interessante e que levou a um enorme pay-off no final do evento, com o retorno do MJF.

    Elite vs Dark Order – não sou grande fã de combates assim com um ritmo alucinante, mas aqui o storytelling acabou por compensar. É algo que diferencia os membros da Elite de grande parte das equipas da AEW.

    Jade vs Athena – num card tão preenchido já era de adivinhar que nem todos os combates podiam ser longos, mas este foi curto de uma forma mesmo desapontante. A divisão feminina é a mais fraca da AEW e decisões deste género não ajudam em nada. Podia ter sido o maior teste da Cargill até agora mas acabou por ser uma espécie de pausa entre aquilo que realmente interessa.

    FTR & Wardlow vs MCMG & Lethal – teve um ritmo elevado mas sem a quantidade absurda de moves que outros trios matches da companhia costumam ter. O segmento final com o retorno do Joe e o envolvimento da filha do Dax foi nice. Agora venha daí FTR vs MCMG

    Hobbs vs Starks – sinceramente, se era para acabar o combate de forma tão súbita e anti climática mais valia terem feito isto num Dynamite (e assim sobrava tempo para o TBS title match, por exemplo).

    Swerve in our Glory vs Acclaimed – no início a crowd estava muito mais investida no combate do que eu mas devo admitir que a performance dos envolvidos juntamente com a atmosfera acabou por me convencer. O trabalho na perna do Bowens foi bastante bom, o Lee e o Swerve adaptaram-se bem ao papel mais heel e houve muita emoção.

    Fatal 4-way – combate com muita ação em que todas as envolvidas tiveram a oportunidade de brilhar. A Storm devia ter tido uma celebração mais prolongada pós-combate mas pronto, já nem posso dizer que estou surpreendido. De volta àquilo que disse no outro combate feminino da noite.

    Christian vs Jungle Boy – se fez sentido tendo em conta a personagem do Christian? Sim, mas voltamos à questão de marcar tantos combates para um evento. Será que não tinha sido melhor deixar isto para um Dynamite? Fazer isto num PPV acaba por ser mais surpreendente e este tipo de coisa até ajuda a “desenjoar”, mas num evento em que algumas storylines não tiveram o tempo que mereciam deixa um sabor estranho…

    Jericho vs Bryan – um ótimo wrestling match que acabou quando o Jericho se viu obrigado a recorrer a um low blow para ganhar. História bem contada e que decerto terá influência naquilo que se segue para o Daniel Garcia

    Miro/Sting/Darby vs House of Black – combate com uma psicologia bastante bem trabalhada

    Punk vs Moxley – combate brutal com um storytelling de excelência. O Punk esteve exímio no que toca ao selling e o Moxley mostrou-se duro, determinado e impiedoso como ele tão bem sabe na forma como atacou o agora novo campeão. Adorei mesmo, só foi pena a storyline se ter desenrolado em pouco tempo mas pronto, se não tivesse culminado em Chicago não seria a mesma coisa.

    • coiso4 semanas

      O Jericho está tão lentinho, faz impressão.

    • BRRM4 semanas

      Ele vai fazer 52 anos e ainda consegue ter grandes combates e fazer moves como o Lionsault. Queres mais o quê?

  19. AAA Mixed Tag Team Titles – ⭐️⭐️⭐️ ¼
    FTW Championship – ⭐️⭐ ¾
    All-Atlantic Championship – ⭐️⭐️⭐️
    Tomohiro Ishii vs. Eddie Kingston – ⭐️⭐️⭐️ ½
    Casino Ladder Match – ⭐️⭐️ ½
    AEW World Trios Tag Team Championship – ⭐️⭐️⭐️⭐️ ¾
    TBS Championship – ⭐️ ⭐️
    FTR & Wardlow vs. Lethal & MCMG – ⭐️⭐️⭐️ ½
    (Dax’s Daughter vs. Sonjay Dutt – ⭐️⭐️⭐️⭐️)
    Ricky Starks vs. Powerhouse Hobbs – ⭐️⭐️ ½
    AEW World Tag Team Championship – ⭐️⭐️⭐️⭐️
    AEW Women’s World Championship – ⭐️⭐️⭐️ ¾
    Jungle Boy vs. Christian Cage – ⭐️ ¾
    Chris Jericho vs. Bryan Danielson – ⭐️⭐️⭐️⭐️
    House of Black vs. Miro & Sting & Allin – ⭐️⭐️⭐️ ¾
    AEW World Championship – ⭐️⭐️⭐️⭐️

    🤢 15 combates numa noite é absolutamente overbooking desnecessário e devia ser um alerta para o Tony Khan sobre o que se anda a passar na sua empresa. Mais, em combates com a maior percentagem de storyline desenvolvida acabaram rapidamente, de forma confusa, ou apressada e digo, amadora; desde falharem break-pin-attempts, a botched pinfalls.
    Acrscento o hot-potato no título principal que so existiu por uma razao: ratings e audiências, e em nada beneficia nenhum dos envolvidos.

    🤷‍♂️ vitórias previsíveis em algubs combates como o de Jericho, Toni Storm e uma falta de tomates de pull the trigger em favor de “mais tarde” ou para causar interesse desmedido e antinatural para o Dynamite de Quarta-Feira

    💥 Quando estava bom, estava bom. Mas não foi um bom PPV, overall, para a AEW. Marks à parte, há que admitir. MJF regressou, como esperado. Não acredito que seja 100% angle mas… a história o dirá.

  20. Gostei de muitas coisas neste ppv mas há algumas que deixam a desejar como a derrota dos the acclaimed.
    O combate de trios para uma final também não foi grande coisa mas talvez por já se saber quem venceria.
    O combate do cm punk vs moxley gostei apesar de não fazer sentido lutarem logo na próxima semana após perder por tão pouco tempo.
    Toni storm finalmente é campeã, ainda que a interina.
    E o combate que conseguiu irritar-me mais do que a derrota dos the acclaimed foi o do título TBS, não esperava esta vitória, comando até a parecer o Roman reigns.
    Enfim, foi um PPV que estava à espera de mais mas acabou por não ser mau, especialmente devido ao MJF finalmente estar de volta.

  21. Gostei:
    – Final do torneio pelos AEW World Trios Titles. Fantástico combate com grandes spots. A história que rodeou, em especial, Kenny Omega e Adam Page foi contada quase na perfeição e, apesar de ter achado o resultado previsível e óbvio, foi a escolha certa e segura.
    – 6-Man Tag. Este combate teve uma build fraca, portanto não me interessava muito, mas foi sólido e deu para exibir bem os babyfaces. O momento pós-combate com o regresso de Samoa Joe e a filha do Dax foi querido.
    – Swerve In Our Glory (c) vs The Acclaimed. Fantástico combate! Comecei o combate a tomar como garantido que os campeões iam reter, mas a meio, tal como a crowd, estava completamente do lado dos Acclaimed e queria ver novos campeões! Os campeões tomaram o papel de heels e fizeram um ótimo trabalho e Bowens com um excelente sell ao seu joelho! As false finishes no final foram igualmente de outro nível.
    – Baker vs Shida vs Hayter vs Storm. Este combate merecia ter tido bem mais destaque e merecia ter estado numa melhor posição no card. Um ótimo combate, que traz uma nova campeã que merecia o título, e que começa a construir uma feud entre Baker e Hayter.
    – Bryan Danielson vs Chris Jericho. Foi um ótimo combate mas, a meu ver, podia ter durado menos (o que beneficiaria outros combates) e o final foi fraco.
    – 6-Man Tag. Foi sólido. Acho que a escolha do vencedor foi errada, a House of Black devia ter vencido isto. Mas, aparentemente, o Malakai vai tirar algum tempo para se recompor. Que volte depressa!
    – CM Punk vs Jon Moxley (c). Um fantástico combate para fechar a noite, com o MJF ainda a aparecer para uma reação enorme! Vai ser interessante como a feud entre Punk e MJF vai prosseguir. Entusiasmado para ver a continuação de uma das melhores feuds, senão mesmo a melhor, dos últimos 10 anos.

    Não Gostei:
    – Casino Ladder Match. Tirando um ou outro spot do Dante Martin, achei um combate medíocre. Rush e Andrade tiveram boas chances para ganharem mas não lhes apeteceu, depois as escadas não quiseram ajudar o Claudio… O final salvou um bocado o combate, porque foi algo único e que teve uma conclusão muito satisfatória no final da noite.
    – Jade Cargill (c) vs Athena. Combate curto e muito dominante da parte da Jade. Podia ter ficado guardado para outra altura.
    – Ricky Starks vs Powerhouse Hobbs. Uma história intrigante, das que mais interessava a malta para o PPV: squash. Decisão horrível.
    – Jack Perry vs Christian Cage. Mais uma squash. Sabendo que Christian está lesionado, entende-se. Mas esta feud não merecia uma squash. Além disso, Luchasaurus faz o seu 3º turn num espaço de poucos meses. Big Show much?

    Overall: 7.5/10. Um PPV da AEW abaixo do nível a que estamos habituados. O grande problema é muito simples, o mesmo que a WWE teve durante alguns anos com a Mania: demasiados combates. Alguns destes podiam ter ficado para o Dynamite/Rampage. Destaco: a final do torneio, Swerve In Our Glory vs Acclaimed, Baker v Shida v Storm v Hayter, Danielson vs Jericho, o main event e, claro, consequente regresso do MJF.

  22. Anónimo4 semanas

    Um bom PPV no geral. Casino Ladder Match não foi nada demais. Ótimo combate pelos AEW World Trios Titles. O combate entre o Ricky Starks e o Powerhouse Hobbs, desiludiu, esperava muito mais, era dos combates que mais queria ver e acabou de uma maneira ruim. Eles mereciam ter tido muito mais tempo. Ótimo combate pelos títulos de Tag Team. Ótimo combate entre o Bryan vs Jericho. Ótimo main event entre o Punk vs Moxely. Destaco também o regresso do MJF e a vitória da Toni Storm. Mais uma vez achei exagerado o número de combates, depois alguns não têm o tempo que merecem, como foi o caso do Ricky Starks e Powerhouse Hobbs. PPV abaixo do esperado, mas no geral foi bom.