Faz login e remove a publicidade
Frank casino

Boas a todos nesta grande casa que é o Wrestling PT!

Vivemos tempos difíceis, muitos de nós preocupados com entes próximos que sofrem com o Covid-19, outros de nós enclausurados em casa, longe dos seus amigos e namorados/as. Mas se há coisa que a quarentena nos trouxe foi mais tempo e há que saber utilizá-lo da melhor forma. Eu, especialmente, considero tê-lo feito, trazendo-vos uma série de artigos aqui para o Brain Buster que queria há muito conseguir trazer, mas para os quais o tempo faltava, devido ao trabalho que exigem.

Contudo, desde que fomos obrigados a um recolhimento obrigatório, arranjei tempo para o conseguir e trabalhei duro nesta série, não só por mim, mas também para os meus caros leitores, muitos de vocês na mesma posição que eu, ou bem pior, infelizmente. Como colaborador do Wrestling PT, sinto a responsabilidade de vos trazer bom conteúdo para se ocuparem em casa nestes tempos.

Como já repararam pelo título do artigo, irei iniciar um Fantasy Booking, mais precisamente um “rebooking”. Não irei fazer o booking da WWE daqui para a frente, para o futuro, mas procurar um determinado período no wrestling, neste caso, um ano, e pôr-me no papel de booker, fazendo as storylines desse mesmo ano.

Escolhi o ano de 2016, pois apesar de ter havido alguns pontos positivos, penso que a WWE podia ter feito bem melhor com o roster que tinha à disposição. Lembro-me que no Wrestling PT, o autor do The Bottom Line, Rúben Rosa, também fazia artigos do género. Eu lia-os sempre e eles eram muito bons. Espero estar à altura do desafio. Todavia, há certas condições que eu vou impor neste rebooking. São elas:

– Não posso assinar nenhum wrestler de outra companhia. Devo apenas usar o roster que me é dado durante todo o ano, respeitando inclusivamente as lesões. Apesar de isto estar no domínio do fictício, há que ter um mínimo de verosimilhança com a realidade;

– O booking terá apenas a duração de um ano, começando em Janeiro de 2016 e acabando em Dezembro do mesmo ano;

– Este booking irá conter apenas com os lutadores do main-roster, RAW e SmackDown, lembrando eu aqui que na altura ainda não havia brand split. Não irei fazer o booking do NXT e irei respeitar os seus tempos, utilizando apenas os seus lutadores quando eles estiverem disponíveis, como aconteceu na vida real;

– No início do ano, há ainda histórias por finalizar, por isso irei também respeitar isso;

– Não vou bookar o regresso da brand split, pois considero que a WWE não estava preparada para o fazer na altura e alerto que não vou realizar todos os PPV´s que a WWE realizou durante 2016, pois considero que o número de PPV´s não deve ser tão grande.

Explicadas as regras, vamos começar!

Build up para o Royal Rumble

Relembrando o final de 2015 e início de 2016, a principal história prendia-se com o campeão da WWE na altura, Roman Reigns, que havia derrotado o ex-campeão Sheamus, que era apoiado por Vince McMahon. No caminho rumo ao título, Roman tinha, inclusive, deixado toda a sua frustração num ataque feroz a Triple H no último PPV de 2015, o TLC, e encontrava-se, finalmente, num momento de apoio dos fãs. Deste modo, é do interesse de toda a família McMahon que Roman não seja o campeão da WWE, por isso, Vince anuncia no primeiro RAW de 2016, que Roman irá defender o seu título pela primeira vez, frente a Sheamus no próximo RAW, num No Desqualification match.

Sheamus, com o apoio da sua stable, a League of Nations (Del Rio, Rusev e Barrett), utiliza todas as interferências possíveis para voltar a vencer o título, mas a aura e o momento são de Roman que consegue ultrapassar todas as dificuldades e vencer o combate. No final, Vince, absolutamente irritado, diz que Roman irá defender o seu título no Royal Rumble, mas não contra apenas 1 adversário, não 2, nem 3, nem 4, mas contra 30 outros lutadores no Royal Rumble match e que irá entrar como nº1. No último RAW antes do PPV, Roman vence Wade Barrett e no final diz simplesmente “One vs. All”.

Quanto ao booking de promoção do Royal Rumble match, o habitual, com vários lutadores a anunciar que estariam presentes no combate: Chris Jericho, Bray Wyatt, Sheamus, etc. A destacar a “Besta”, Brock Lesnar, que através do seu manager, Paul Heyman, anuncia que estará no combate pela primeira vez desde que o venceu em 2003, pois é aliciante voltar a vencer o título que nunca perdeu (relembro que o tinha perdido para Seth Rollins no 3-way depois deste ter usado a mala MITB e fazer o pin em Roman Reigns na Mania 31). Mais do que isso, no último RAW antes do PPV, numa brawl com grande parte do balneário, Brock entra no ringue e deixa toda a gente no chão, incluindo Roman Reigns que não se tinha apercebido da sua presença.

Quanto ao título Intercontinental, Dean Ambrose, que havia vencido o título no TLC, ainda não se conseguiu livrar do ex-campeão, Kevin Owens, que tem sido um problema em todos os seus combates e com ataques a cada oportunidade no backstage. Para terminar esta feud, é marcado um Last Man Standing match no Royal Rumble com o título em jogo.

Na divisão de equipas, são os Usos que irão enfrentar os campeões, dado que ainda não tiveram uma oportunidade pelos títulos frente-a-frente e a sós contra os New Day. Num SmackDown, Kofi Kingston vence Jimmy Uso, mas no RAW a seguir, Jey Uso vence Big E. Este é um combate entre as duas melhores equipas da divisão e entre as mais credíveis e era isso que queria que transparecesse na promoção do combate até ao PPV.

Quanto à divisão feminina, os desentendimentos entre a campeã Charlotte e a sua ex-amiga Becky Lynch irão terminar no Royal Rumble quando o título estiver em jogo. A candidata, durante os eventos até ao PPV, dispara na direcção da campeã, aludindo a que ela não é mais a mesma pessoa do momento em que as duas se estrearam no RAW há meses atrás, e que para além da atitude que mudou, também mudou a sua qualidade e capacidade de vencer, pois agora ela só vence com a ajuda de Ric Flair. Charlotte interrompe, sorri, e diz que o seu pai continuará a estar ao seu lado, e que por isso, é a Becky quem tem de lidar com isso, pois o problema não é seu.

Por fim, o último combate marcado para o Royal Rumble, será pelo título dos EUA, pois o campeão Alberto Del Rio encontrou finalmente um adversário à altura, depois de ter defendido o título contra Kalisto no RAW. Após o combate, Del Rio continua a atacar o lutador mexicano, até que Neville aparece para pôr fim às práticas do bully Del Rio. Este, irritado, abandona o ringu e pena num microfone, dizendo que se Neville quer tanto ter o mesmo destino que o seu “amiguinho”, que o vai ter no Royal Rumble, se ele tiver coragem de aceitar o combate. Mais tarde, numa entrevista de backstage, Neville refere que vai dar uma lição de humildade ao Del Rio e que nem a LON o vai parar.

Royal Rumble 2016

– The New Day vencem The Usos e mantêm os títulos de Tag Team.

– Neville vence Alberto Del Rio e torna-se o novo campeão dos EUA. O lutador britânico aproveitou-se das falhas de comunicação da LON para vencer o combate após um Red Arrow. No final, Del Rio abandona o ringue chatead, deixando os seus “camaradas” sozinhos surpresos com a sua reacção.

– Kevin Owens vence Dean Ambrose num Last Man Standing match e torna-se o novo campeão Intercontinental. KO aproveita-se de queda brutal de Ambrose para recuperar o título.

– Charlotte vence Becky Lynch e retém o título das Divas. Mais uma vez, com a ajuda de Ric Flair.

– Brock Lesnar vence o Royal Rumble match e torna-se o novo campeão da WWE. A destacar algumas interacções. A entrar como nº7 temos Chris Jericho, que entra no ringue e distribui uns bons Codebreakers, mas como nº10 entra o “Fenomenal” AJ Styles, que se estreia na WWE para delírio do público e elimina a lenda facilmente. Y2J vai embora bastante frustrado e a olhar fixamente para a nova estrela da WWE; Bray Wyatt, nº16, eliminou o novo campeão dos EUA, Neville, nº12. Por outro lado, Kevin Owens, mesmo combalido e com bastantes dores decidiu entrar no combate como nº26. Aproveita-se de um Dolph Ziggler cansado, pois este entrou como nº5 e ataca-o constante. Mas como nº27 entra Sami Zayn, lutador do NXT, mas com grande história com o “Prizefighter”, que não só evita um maior ataque a Ziggler, como elimina o novo campeão Intercontinental. Os momentos finais do combate são os decisivos. Os últimos dois são Roman Reigns e Brock Lesnar (que entrou em nº18 e eliminou 13 lutadores, batendo o recorde de Reigns em 2014), mas ambos nem chegam a lutar, pois um homem mascarado invade o ringue e ataca Roman eliminando-o. Brock Lesnar vence o combate e o título sem ter de fazer nada e sente-se muito bem com isso.

Pós-Royal Rumble e build up para o Fastlane

O RAW seguinte começa com Roman Reigns a vir ao ringue, obviamente frustrado pela perda do seu título. Diz que quer muito recuperar o título da WWE e derrotar de uma vez por todas Brock Lesnar, mas que primeiro há um assunto pendente a tratar. Ele exige que o homem mascarado que ontem lhe custou o título venha ao ringue e se revele, mas quem acaba por aparecer é Brock Lesnar, o novo campeão que se mostra ao ex-campeão com cara de gozo. Sem contar, o homem mascarado aparece por trás de Roman e ataca-o, revelando-se de seguida: é o Triple H! Brock e Hunter cumprimentam-se como sinal de “inimigo do meu inimigo é meu amigo” e agora juntos atacam Reigns, até que a música de Dean Ambrose toca e já com um Reigns recuperado expulsam os dois veteranos do ringue.

Nas semanas seguintes, as interacções entre os 4 continuam, até que Stephanie McMahon anuncia que no próximo PPV da WWE, o Fastlane, Reigns e o seu marido Triple H têm um encontro marcado. E que se Roman quer enfrentar Brock Lesnar pelo título, terá que vencer. Mais do que isso, é anunciado que o combate será um No Holds Barred match. Até ao PPV os dois envolvem-se em várias brawls e só falam no último RAW antes do PPV, onde HHH coloca dúvidas acerca da capacidade para vencer que Roman acha que tem não ser a mesma que ele efectivamente tem, mas Roman responde dizendo que não se arrepende nem por um segundo das suas acções no TLC e que ter uma oportunidade de as repetir agora no Fastlane lhe saberá muito melhor.

Por seu turno, Ambrose entra directamente em contacto com o campeão Brock Lesnar, chamando a sua atenção numa promo no RAW em que o insulta juntamente com Paul Heyman. Não tendo recebido nenhuma atenção de Lesnar, é então que na semana seguinte, após vencer o seu combate, os insultos aumentam e visam uma nova pessoa, a mulher de Lesnar, Sable. Ambrose diz que quase ninguém sabe que Lesnar é casado com Sable, mas que é curioso que toda a gente conheça Sable “por dentro e por fora”. Aí Lesnar não se contem e aparece para destruir Ambrose, ficando marcado uma defesa do seu título contra o mesmo no Fastlane.

Quanto ao título feminino, depois de vencer Becky, é Naomi quem se apresenta como a próxima candidata depois de vencer Natalya num combate pelo nº1 contendership. É uma fase em que Naomi é heel e tem Tamina como guarda-costas, pelo que iria aproveitar para fazer uma feud heel vs. heel com a Charlotte, em que ambas iriam tentar táticas menos lícitas, mas sempre com a outra a descobrir a tempo o que a adversária iria fazer. No último SmackDown antes do PPV, Charlotte enfrenta Tamina num Non-title match e consegue vencer com um Figure-8.

No SmackDown pós-Royal Rumble, toda a gente fica chocada: Bray Wyatt vence Neville e torna-se o novo campeão dos EUA, ficando o rematch, entre ambos, marcado para o PPV. A minha ideia para o reinado do Bray como campeão dos EUA era o seu desrespeito pelo título físico, pelo belt. Todas as semas ele era desrespeitado de alguma forma, fosse com ele a atirá-lo ao chão, fosse os seus parceiros da Wyatt Family (à época, Erick Rowan e Braun Strowman) a carregarem peças do mesmo. Até ao PPV, Neville consegue uma vitória contra Erick Rowan no RAW.

Uma feud que gostei muito e que aconteceu na altura foi a entre Chris Jericho e o recém-chegado à WWE AJ Styles, e que irei manter, embora em moldes diferentes do que aconteceu na vida real. Numa primeira aproximação teria o Jericho a interromper o AJ que estaria a dar uma entrevista no RAW pós-Fastlane. Nesta, Styles refere que está muito contente por finalmente ter chegado à WWE, mas Jericho, ainda chateado por Styles o ter eliminado do Royal Rumble, diz que se o AJ demorou tanto tempo a chegar à WWE é porque não é grande coisa e que no PPV teve apenas sorte. AJ responde que se o Y2J tem dúvidas sobre a qualidade do “Fenomenal 1”, pode comprovar por ele próprio num futuro combate entre os dois. Esse irá ter lugar no Fastlane.

Na divisão de equipas, Sheamus e Wade Barrett da LON tornam-se os novos nº1 contenders aos títulos depois terem vencido os campeões num Non-title match no RAW, com a ajuda dos seus membros Del Rio e Rusev, parecendo tudo ter voltado ao normal na relação de cooperação entre os elementos da stable. Mas não só. Um Dream match entre os Usos e os Dudleyz também é marcado para o PPV, com o objetivo de determinar os nº1 contenders aos títulos. Os Usos falam de um honra poderem enfrentar uma equipa histórica, mas os Dudleyz referem que ainda têm algo para dar e que irão dar tudo para voltar à rota dos títulos.

Por fim, KO vence Jack Swagger no RAW num Non-title match, mas no final do combate a música de Dolph Ziggler toca e este faz um Superkick ao campeão Intercontinental. No SmackDown seguinte, Dolph diz que não atacou Kevin Owens por este ter aproveitado o seu momento de fragilidade no Royal Rumble, porque ele tinha de fazer o melhor para vencer, mas que ele atacou KO pelas mesmas razões, fazendo assim alguns jogos psicológicos. No RAW seguinte, o ataque repete-se, mas quando Ziggler ia embora, satisfeito com as suas ações, KO anunciou que se é o IC title que ele quer, ele vai ter de fazer por isso no Fastlane e que está farto dos seus joguinhos, e que irá acabar com eles.

Fastlane 2016

– The Usos vencem The Dudley Boyz e tornam-se os novos nº1 contenders aos títulos de Tag Team. No final do combate, os veteranos atacam os Usos e fazem um heel-turn, pondo ambos os Usos por uma mesa a dentro.

– AJ Styles vs. Chris Jericho termina Double Count Out. Depois de 10 minutos equilibrados no ringue, a luta continuou fora dele, numa brawl que teve de ser terminada pelos seguranças do backstage.

– Bray Wyatt vence Neville com um Sister Abigail e mantém o seu título dos EUA.

– Kevin Owens vence Dolph Ziggler com uma Pop-Powerbomb e retém o seu título Intercontinental. Quando o combate termina, KO começa uma promo em que diz que o Ziggler não é lhe parece tão valente agora, e que ninguém o voltará a fazer perder aquele título, nem mesmo Sami Zayn…

– The New Day vencem Sheamus e Wade Barrett e mantém os seus títulos de Tag Team. Mais uma vez, são as falhas de comunicação entre os seus membros que levam a nova derrota da stable. Enquanto Barrett tenta manter o controlo, Rusev ataca Del Rio, mas ambos acabam por levar um Brogue kick de Sheamus, que abandona o ringue de seguida sozinho, enquanto Barrett está do lado de fora sem saber o que fazer.

– Charlotte vence Naomi e mantém o seu título feminino. Tanto Ric Flair como Tamina interferem várias vezes no combate, mas é a campeã que acaba por levar a melhor.

– Roman Reigns vence Triple num No Holds Barrett após um spear e torna-se o nº1 contender ao título da WWE.

– Brock Lesnar vence Dean Ambrose após dois F5´s e mantém o seu título da WWE. Lesnar faz o primeiro finisher, mas fica surpreendido por Ambrose se mexer imediatamente ao primeiro F5. Ambrose levanta-se apoiando-se em Lesnar e dá-lhe um estalo como alguém que esgotou tudo o que tinha. Lesnar faz o segundo F5 e vence. No final do combate. Reigns aparece e está cara-a-cara com Lesnar com o símbolo da WM atrás deles.

Hoje ficamos por aqui.

Até para a semana e obrigado pela leitura.

19 Comentários

  1. Sandrojr2 meses

    Cara que maneiro, eu não teria essa paciência para escrever tudo isso e tentar fazer um booking, aliás vc seria melhor que os bookings atuais da WWE, pois nesses últimos anos eles só vem errando feio nos resultados e nas continuidades das rivalidades. Ótimo artigo

    • Foto de perfil do Facebook

      Muito obrigado!
      Como disse, não teria o tempo, nem a predisposição para escrever artigos deste género se não fosse por causa deste estado de exceção.
      Aparece para a semana que vou bookar a Mania 32.

  2. Richard2 meses

    Que Legal tem meu apoio pra trazer mais bookings fico curioso pra de outros anos como por exemplo 2013

  3. Leleco2 meses

    O booking da WWE com o Roman foi tão mau feito que ele perdeu todo o apoio que ele tinha recuperado no TLC, até a feud dele com o Triple H que era algo que os fans queriam ver a anos, foi desinteressante.

  4. Leleco2 meses

    Também era leitor do The Bottom Line, estava olhando no site, o a última edição foi a 4 anos, o tempo passa rapido.

  5. Leio todas as semanas o brain buster e gosto bastante dos artigos, este aqui em especial pois sou bastante fã de storylines e um bom booking, acho que é uma das partes fundamentais e mais cativantes no wrestling.
    Grande artigo, cá estarei para a semana.

  6. Anonimo2 meses

    roman vai defender contra 29 ou 30?

  7. Anonimo2 meses

    fraquinho

  8. Maike2 meses

    já pode ser um booker de vdd pq é como os q estão lá hj, sem criatividade hahahaha Randy the best

  9. Litos2 meses

    Desde já dou-te os parabéns por esta iniciativa, sou um grande fã de fantasy booking. O ponto maior que queria referir é a “aliança” entre Triple H e Lesnar. A personagem do Lesnar não combina nada com a Autoridade, para além de ele ter combatido com eles recentemente in kayfabe (Seth Rollins e Triple H, nomeadamente). Não acho que isso tinha pernas para andar. O Roman como #1 Contender também não tinha, essa altura foi o pico dos boos dele. Também não gosto disso, mas vou esperar para ver o que fazes. Se for um heel turn, melhor ainda. Ao menos não o meteste num combate em que ele 100% ia vencer como a WWE fez contra o Triple H. O reinado do Bray como US Champion também me está a dar as voltas à cabeça, vou esperar para ver como se desenrola.

    De resto, estou a gostar. AJ vs Y2J é interessante, KO dá prestígio ao IC Title e os New Day estavam no pico de popularidade. Tal como tu, era fã do Bottom Line, por isso coisas destas são sempre interessantes. Continua!

    • Foto de perfil do Facebook

      Obrigado! É comentários desde que eu gosto.
      Em relação à “aliança” entre o HHH e o Lesnar não era para ser entendida dessa forma. Não queria nada de amizades, somente em certos episódios, como eles têm um inimigo em comum, é normal que se usem de forma mútua. Em relação ao facto do Lesnar ter andado em feud com o Rollins em junho de 2015, não a vi dessa forma, porque a feud entre com o Seth e não com a Authority e, principalmente com o Triple H, que foi ele próprio que deu a oportunidade ao Lesnar.
      Quanto ao Roman, só posso dizer para leres a segunda parte na próxima semana… O que dizes faz sentido pela forma como a WWE o bookou, talvez não com a minha.
      A ideia do Bray ser campeão dos EUA sempre foi uma ideia minha para os piores tempos do seu booking. Primeiro acho que a WWE o devia solidificar no mid-card e só depois é que se avançava para o main-event. Como a primeira nunca aconteceu, na minha opinião, este reinado para todo o sentido para o conseguir.
      Mais uma vez, muito obrigado, sinto-me completamente à vontade para discutir e debater ideias, principalmente em algo tão subjectivo como é um Fantasy Booking.