Frank casino

Boas a todos nesta grande casa que é o Wrestling PT!

Há não muitas semanas, aqui no Brain Buster, redigi uma lista das minhas promotoras preferidas da atualidade. Se os meus caros leitores se lembram, talvez também não se tenham esquecido da fed que ocupou a 5ª posição desse top: a DDT Pro-Wrestling; uma empresa que comecei este ano a acompanhar e que se tornou, quase que imediatamente, uma das marcas sobre as quais gosto de saber tudo, e ver quase tudo o que posso.

Ficou, na altura, uma espécie de “promessa” no ar, de que iria fazer um artigo dedicado à DDT. Ora, esse artigo chegou esta semana. À semelhança de muitas outras rubricas que escrevi no passado, sobre a Dragon Gate, ou sobre a MLW, por exemplo, o objetivo do artigo de hoje é dar a conhecer uma fed menos conhecida, explorar o seu produto, procurando dissecar o estilo que apresenta nos seus vários eventos, conhecer os seus principais nomes, etc. Hoje chegou o dia da DDT, num artigo que vos posso confessar que, certamente, será um daqueles que mais gosto me deu escrever.

O nome DDT representa as palavras “Dramatic Dream Team”, que até foi o nome inicial desta promotora, durando assim do seu início (1997) até 2004, quando assumiu o nome DDT Pro-Wrestling. É uma fed largamente conhecida pelo seu humor, paródias e comédia, embora também apresente muito e bom wrestling. Tornou-se numa das companhias de wrestling de topo do Japão, sendo que, atualmente, é também considerada, em termos de popularidade, a promotora nº2 do wrestling japonês atrás da NJPW, e penso que isso já é dizer bastante.

No entanto, o produto que a DDT apresenta não é, nem de perto nem de longe, algo que qualquer fã de wrestling goste, ou melhor, não é sequer um produto que a maioria dos fãs de wrestling, principalmente fora do Japão, considere como wrestling propriamente dito. Dirão um certo tipo de fãs que comedy wrestling não é wrestling, ou até irão mais longe, e dirão que aquilo que a DDT apresenta afeta e danifica a essência do wrestling e do que ele é suposto ser.

Se concordo com a posição deste tipo de fãs? Não. Mas se compreendo a sua opinião? Sim. Vejamos, aqui no Brain Buster sempre critiquei qualquer empresa que fosse por tentar fazer coisas como os combates cinematográficos, dedicando uma artigo até a falar disso e a criticar todos os aspetos dos mesmos, e também sou bastante crítico de todo e qualquer tipo de estipulações que roçem o ridículo do não acreditável, como foi o caso, de entre outros, do Eye for na Eye match entre Rey Mysterio e Seth Rollins este ano na WWE. Acho que este tipo de “combates”, principalmente os cinematográficos, não se relacionam com o wrestling, principalmente com o wrestling de TV nacional, como é o da WWE, AEW ou Impact Wrestling, pois se as pessoas ligassem a TV para verem filmes ou séries, não as ligavam à hora e no canal em que sabem que vai passar wrestling.

A DDT também já fez combates cinematográficos, mas tudo se trata do que cada empresa diz que vende, pois, a DDT, ao contrário da WWE ou AEW quando os fazem, vende exatamente aquilo que vende. A DDT diz aos fãs que quem gostar de wrestling de comédia, de coisas absurdas e, muitas vezes, também de paródias de wrestling, se pode ligar ao seu produto. A WWE diz que vende sports enterteinment, sendo que o seu estilo durante anos foram os combates e promos, e nunca coisas cinematográficas e, no caso da AEW, ainda mais, porque quando foi criada referiu que iria consistir num desporto de competição.

Desta forma, acabo até por aceitar coisas que a DDT me dá, que não aceitaria de qualquer outra promotora dos EUA, pois quando ligo DDT é para ver wrestling de comédia, entre outras coisas absurdas como cinematches, mas quando ligo NXT ou AEW, é para ver o wrestling mais aproximado do propriamente dito. Mais uma vez, tudo se resume à expectativa que me criam quando me ligo ao produto de cada promotora, e a DDT é a mais verdadeira e leal, não só com os seus fãs, como para com os seus futuros fãs.

Mas agora também darei o braço a torcer aqueles fãs bastante críticos da DDT, é que não posso considerar muitos dos combates de comédia como wrestling tradicional e, muitos deles, nem como wrestling. Wrestling, para mim, no seu estado mais puro e o que deve ser a sua essência são duas pessoas, dentro de um ringue, a procurar uma contagem de 3 quando estão em cima dos ombros do adversário, ao mesmo tempo que contam uma história prévia, e criam momentos que deixam o público acreditar na história que aquelas duas pessoas têm. Podemos até incluir aqui o wrestling japonês mais competitivo, que não tenha grande história, e que se limita ao wrestling de competição, coisa que a AEW até faz muitas vezes.

Ora, a DDT tem combates que não se inserem nem numa categoria, nem noutra. Tem, realmente, combates em que tudo o que menos importa é a procura da contagem de 3, a legitimidade da história que conta, a sua seriedade e, principalmente, a credibilidade daquilo que fazem resume-se a zero. Pessoas a jogar ao “pedra, papel, tesoura”, a dançar a meio do match, a lutar ao ritmo de uma música, etc., não se pode encaixar na essência daquilo que é o wrestling.

Estarei eu a dizer que DDT Pro-Wrestling não é wrestling? Não, de todo, e já vou reiterar bem esta ideia a seguir. Estou sim a dizer que a DDT, não deixando de ter e ser wrestling, tem combates e, algumas vezes, eventos completos, em que não apresenta qualquer tipo de wresting, para além das suas paródias e comédia. É por esta razão que a DDT não é para todos os fãs de wrestling, mas só para aqueles que se encontram em uma das seguintes posições: consideram que wrestling de comédia é wrestling; ou, não o considerando, passam um bom bocado a vê-lo, divertindo-se e rindo com toda aquela “palhaçada” (sim, não tenho medo da palavra, nem me afeta como fã de DDT), que é exatamente o meu caso. Não há dia que esteja mais em baixo ou que me tenha corrido mal que a DDT não resolva, que mude o meu sentido de humor, e a perspetiva que tinha sobre esse dia.

Por outro lado, estes combates de comédia têm as suas vantagens, não só em relação a eles mesmos, mas também quando à utilidade que eles trazem para os eventos em que se inserem. Primeiro, não são simplesmente um grupo de rapazes a fazerem coisas sem sentido só para fazerem as pessoas rir. Normalmente, são combates que seguem uma determinada “história”, embora engraçada e com o objetivo de divertir as pessoas, mas que têm um fio condutor, de acordo com as personagens envolvidas. A personagem que tem tendência a tropeçar como Antonio Honda, o gay wrestler Danshoko Dino, ou o palhaço tarado Donaruto têm combates que são fiéis às suas personagens, com as quais jogam de acordo com os seus adversários, e potenciam ao máximo as suas personalidades, mesmo que viradas para a comédia.

Segundo, quantos de nós, fãs de wrestling japonês, já assistiu a vários shows em que os combates preliminares de tag team no card, que antecedem os titles matches e os main-events se mostraram bastante secantes, dando-nos vontade de passar logo ao que interessa? Ora, na DDT, é muito difícil que isso acontece, exatamente porque os comedy matches valorizam o show no seu todo, que não deixa de ter os title matches e main-events que toda a gente quer ver, mas que conta, igualmente, com tag team matches preliminares aos quais os fãs darão atenção, porque esperam passar um muito bom bocado, com o comedy wrestling apresentado.

O que a DDT também tem feito até, ultimamente, é ter menos combates de comédia nos shows mais importantes, porque tem os main-events e title matches que toda a gente quer ver, e ter mais humor nos eventos menos importantes, até alguns que só têm disso, como quando o show é composto de street fights, bem bizarras, que decorrem num parque de diversões.

Sei que para quem nunca viu DDT e, por alguma razão, está a ler isto, tudo lhe parece muito estranho, e não achem que isto é anormal, mas um das características e pontos fortes de comparação com as outras promotoras é mesmo que a DDT, em todos os seus eventos, vai pôr os fãs a falar sobre o que viram, seja de que maneira for. Mas voltando à questão dos shows mais importantes terem menos comédia, também não é 100% verdade, de todo. Mais uma vez, tudo depende de que lutadores cada combate terá, pois um combate com uma personagem que tende para a comédia, não será tão engraçado, mais se tiver dois ou três, quer dizer que foi bookado mesmo com esse intuito.

Mas até agora só tenho estado a falar da parte da comédia, parecendo que a DDT se limita a isso. Não! A DDT é muito mais do que isso! A DDT tem um roster incrível, recheado de nomes com ótimas capacidades no ringue, sendo que, na minha opinião, no wrestling apresentado, a DDT consegue ombrear com a NJPW e até ultrapassá-la várias vezes e, se eu digo que algo está à altura do melhor wrestling do mundo, que é a NJPW, penso que já é dizer bastante da qualidade do wrestling propriamente que a DDT também tem. Estrelas como o Harashima, Tetsuya Endo, Konosuke Takeshita, Yukio Sakaguchi, Kazusada Higuchi, entre muitos outros, fazem as delícias dos fãs que adoram wrestling, e dão combates espetaculares a cada evento que passa.

Por outro lado, a DDT tem sido um lugar que muitos lutadores jovens têm procurado. Mike Bailey já teve bom sucesso na DDT, Sammy Guevara também a procurou e Drew Parker tem tido boa presença. No entanto, o caso mais improvável de se ter tornado num nome sonante da DDT, mas que o conseguiu, foi o britânico Chris Brookes. Lembro-me de, em 2018, num show da RevPro, o Brookes dizer que tinha recebido uma proposta para fazer parte da brand NXT UK da WWE, mas que havia recusado. E ainda bem que recusou!

Não porque pôde continuar no wrestling independente britânico que caiu cada vez mais com a criação do NXT UK, mas porque o seu destino e rumo na carreira o levou à DDT, tendo-se o mesmo tornado num dos principais nomes do seu roster, sendo até o atual DDT Universal champion, vencido nomes como Takeshita e Sasaki, e tendo a oportunidade de ter sido um dos main-events do Kurakuen Hall com o seu amigo britânico Drew Parker, sendo que, num futuro próximo, os dois já têm combate marcado pelos títulos de tag team. Penso que estes dois exemplos já servem bastante para ilustrar o quão sucesso lutadores mais jovens como estes estão a ter na DDT.

Mas nem só do presente vive a DDT, também há um inúmero e numeroso produto do passado que vale a pena pesquisar e ver. Os Golden Lovers, Kenny Omega e Kota Ibushi, têm o seu trabalho na DDT, sendo dois dos maiores nomes de sempre da empresa. Ambos tiveram um combate no maior evento anual da DDT, o Peter Pan, em que o Ibushi se tornou o único homem a safar-se do One Wing Angel do Omega, por exemplo, datado de 2012. Ambos também enfrentaram a equipa do Endo e do Takeshita, em 2014, num combate que quase oficializou a mudança da tocha, pois o Endo e o Takeshita são as duas maiores estrelas da DDT atualmente, o primeiro sendo o campeão principal atual, o KO-D Openweight champion, e o segundo já tendo obtido 4 reinados em anos anteriores.

Encontramos inúmeros combates que nos interessam, desde prestações do Shuji Ishikawa, que atualmente está mais ligado à AJPW, do Naomichi Marufuji e, mais recentemente, o trabalho do Masato Tanaka como KO-D Openweight champion, que teve dos melhores reinados de 2020, apresentando combates memoráveis com Harashima, MAO, Takeshita, Sakaguchi e Tetsuya Endo. Por isso, se alguém ficou curioso por ler este artigo e quer começar a ver DDT e não sabe por onde começar, que comece exatamente pelos combates deste reinado antes de ir ao produto atual.

Posto isto, acho que fica fácil, depois deste artigo, perceberem porque a DDT, mesmo que recente na lista de wrestling que apresento, se tem tornado rapidamente numa das minhas promotoras prediletas da atualidade. Não só passo um excelente tempo a divertir-me com a comédia, como ainda nos dão um ótimo wrestling para fechar o show, impedindo tag team matches mais desinteressantes e desnecessários, e procurando um show em que todos os combates estarão na cabeça dos fãs e nos quais os mesmos prestarão atenção.

Poder-me-ão dizer que estas duas vertentes não se misturam, que não conseguem ver um show em que depois de verem tanta “palhaçada” não conseguem levar a sério o que supostamente é para tomar como sério, e eu respeito essa posição pois, mais uma vez, DDT não é para todos. Acho que encontro uma frase para explicar a relação que temos com a DDT: ou a odiamos, ou a amamos!

Mas a DDT não se encontra isolada no mundo do wrestling, e não estou a falar do facto de já pertencer ao mesmo grupo da NOAH, a Cyberfight, é que, sem certeza absolutamente nenhuma, uma parceria com a AEW, mesmo que mínima não é de descartar. O estilo da DDT não se encaixa com o estilo de TV nacional, mas há muitos e bons lutadores que a AEW podia usar, e vice-versa. Esta hipótese pode parecer-vos bastante remota, mas o que é facto, é que a NJPW não está para aí virada, pelo menos para já, e depois precisamos de nos lembrar do sítio que tornou o Kenny Omega no Kenny Omega.

Mais! O Omega voltou à DDT o ano passado, e o vencedor do King of DDT foi o KO-D Openweight champion que escolheu Kenny Omega como seu adversário. Claro que o match não pôde acontecer para já, porque os voos não estão muito bem regularizados por causa do Covid-19, mas tendo o Kenny respondido através de um vídeo que aceitava o combate assim que pudesse ir ao Japão. Esta relação do Kenny Omega e da DDT poderá ser uma ponte de ligação com a AEW, ou até não, mas achei por bem deixar aqui esta possibilidade. Também lembrar que a TJPW, empresa de joshi (wrestling feminino japonês) também pertence ao grupo da DDT, e vários dos seus nomes até já estiveram na AEW, como a Yuka Sakazaki e a Shoko Nakajima. Mais, uma vez, é uma hipótese remota, mas que vale a pena referenciar.

Hoje ficamos por aqui.

Até para a semana e obrigado pela leitura.

8 Comentários

  1. 13 cm4 semanas

    Excelente artigo.

    Sempre aprecio quando alguém comenta sobre outras promotoras, o mundo do Wrestling é incrível e com inúmeras possibilidades, e as pessoas que se limitam à apenas a uma promotora, estão perdendo muita coisa boa espalhada pelo mundo.

    Eu sempre gosto de ter experiências novas, e prendendo conhecer o produto da DDT.

    Vou te fazer a mesma pergunta que te fiz no artigo da MLW, eu gostaria que você me indicasse alguns grandes da DDT, combates que mostram o que essa promotora tem a oferecer.

    • Sandrojr4 semanas

      Não sou ele, mas lhe recomendo ver Konosuke Takeshita vs Tetsuya Endo, HARASHIMA vs Konosuke Takeshita e Chris Brookes vs Konosuke Takeshita.

    • Facebook Profile photo

      Obrigado! E Obrigado Sandrojr por ter recomendado muitos e bons matches.
      13 cm, eu referi vários ao longo do artigo: todos os combates do reinado do Tanaka, Kenny Omega vs Kota Ibushi (Peter Pan 2012), Golden Lovers vs Endo e Takeshita, entre muitos outros.
      Podes pesquisar relíquias como Kota Ibushi vs Naomichi Marufuji, Kota Ibushi vs Shuji Ishikawa na internet também, pois vais achar muito interessante!

    • 13 cm4 semanas

      Excelente, valeu pelas recomendações, pretendo ver as Matchs que vocês me recomendaram.

      Estou muito curioso para ver finalmente o que a DDT tem a oferecer.

  2. Willian Dos Santos4 semanas

    Muito Bom artigo como de costume !!!
    Muito Obrigado.

    Concordo com vc em tudo,exceto com a parte em que vc diz que o wrestling japones e a AEW as vezes “deixam de contar histórias e fazem algo totalmente voltado para a ação”.

    Eu já fui um que julgava a DDT sem ter visto um único show e muitas vezes tive um certo
    pré-conceito em relação ao wrestling comedy !!!
    Quando resolvi dar uma chance, tive o sentimento de arrependimento por julgar algo sem conhecer e por perder grandes momentos da empresa por pura ignorância e teimosia.
    A DDT pra mim em termos de wrestling masculino japones está atrás apenas da NJPW e Noah.
    Gosto da DDT justamente pelo fato de terem um produto diferente e acolhedor,feito para todos os tipos de fãs.
    Tem combates de todos os generos que variam sempre entre comedia,Drama,Ação,mas todos com excelentes histórias !!!
    Inclusive para mim o melhor combate do ano passado pra mim foi Takeshita vs Endo.
    Esse combate teve de tudo !!!
    ação,Drama bom Wrestling e uma historia muito bem contada pelos dois envolvidos na match.
    Concordo muito quando vc diz que a DDT em termos de bom wrestling não deve em nada para a NJPW,pois pra mim Takeshita e Endo são dois lutadores que estão no top 10 de melhores wrestlers do mundo.

    Outros combates que eu recomendo são:

    – Chris Brookes vs Takeshita vs Sanshiro Takagi
    – Chris Brookes vs Takeshita
    – Chris Brookes vs Tanaka
    – Endo vs Tanaka
    – Takeshita vs Sasaki e Takeshita vs Harashima
    – e qualquer combate que envolva T-Hawk,Riho e Yuka Sakazaki !!!

    Mais uma vez obrigado pelo excelente artigo e parabéns pelo Ótimo trabalho !!!

    • Facebook Profile photo

      Obrigado pelo comentário, mais um bem construído e construtivo. Confesso que também não comecei a ver DDT mais cedo por esse “preconceito” e, como o tempo é pouco, fui adiando ver, e hoje também me arrependo um pouco, mas nada que não se resolva em pesquisar coisas interessantes do passado da DDT.
      Acho que a DDT está à frente da NOAH até, mas compreendo que gostes mais da NOAH, pois também tem ótimo wrestling.
      Esse combate entre o Endo e o Tanaka é dos meus preferidos este ano, e já que falaste no T-Hawk, que belíssima final do KoDDT ele nos deu juntamente com o Endo! Também é combate que recomendo.

  3. Sandrojr4 semanas

    Ricardo, ótimo artigo, neste pouco tempo em que vc acompanha a DDT, qual wrestler lhe chamou mais a atenção, o que vc mais gostou? ( O meu foi o Takeshita).

    • Facebook Profile photo

      Obrigado! O Takeshita tem tudo o que é preciso: físico, aura, carisma, ótimo wrestling, etc., sendo, sem dúvida, a estrela que a DDT mais pode usar para se promover.
      Mas confesso que há dois lutadores que a mim me chamam mais a atenção: desde longo, o Tetsuya Endo, que me parece muito, mas muito parecido com o AJ Styles quando este era mais novo. A sua forma de se mover é muito semelhante à do Styles. Tenta reparar nisso!; o segundo é o Kazusada Higuchi, que para além do físico e look impressionantes, é uma besta no ringue. Tem o mesmo estilo do WALTER, por exemplo, mas é muito mais rápido e assertivo nos seus moves e strikes. Confesso que é o lutador principal de quem quero ver mais e mais daqui para a rente.