Faz login e remove a publicidade
Frank casino

Muito do nosso “trabalho” enquanto fãs é discutir as decisões criativas da WWE e de todas as outras promotoras de Wrestling, e muitas vezes esquecemo-nos que essas decisões criativas não só têm impacto nos programas que vemos, mas também no mundo dos negócios e como os investidores, canais televisivos e outras empresas olham para a WWE e restantes promotoras de Wrestling.

Brandon Ross, Richard Greenfield e Mark Kelley, que trabalham como analistas para a empresa LightShed Partners, depois de fazer um relatório sobre a WWE, afirmam que os investidores não deveriam fazer investimentos na empresa de Vince McMahon.

Estes especialistas mencionam o impacto que a pandemia mundial causada pelo COVID-19, tal como as fracas audiências dos programas televisivos, para além de outros factores, como os maiores problemas para um futuro investimento a longo prazo na WWE.

A maior parte do dinheiro que a WWE ganha, está relacionada com os seus contratos televisivos do Raw e SmackDown. As últimas renovações feitas para os dois programas mudaram o paradigma da empresa a nível financeiro. No entanto, os investimentos na bolsa começaram a piorar, muito porque os contratos no estrangeiro não seguiram a mesma trajectória, com a WWE a receber menos dinheiro agora dos contratos fora dos EUA do que recebia anteriormente.

No futuro não vemos o ecossistema televisivo a melhorar, quer seja para a WWE, quer seja para outros eventos desportivos, isto até pelo menos os gigantes tecnológicos [Facebook, Google, Apple, Netflix…] quererem estar mais envolvidos com esse tipo de programas, no que poderia mudar o modelo actual.

Há algo que tudo isto aponta, é que a margem da WWE vai ser cada vez menor e muito por culpa do produto que não está a agradar aos fãs. As audiências têm vindo a desapontar, em especial desde que os contratos televisivos foram renovados e este declínio do número de telespectadores tem sido interessante de ver, porque os outros desportos não têm sofrido este declínio. Estes grandes contratos foram feitos porque na altura a WWE conseguia obter melhores resultados do que muitos outros programas na televisão.

Agora, uma coisa que também não podemos esconder, é o impacto que o COVID-19 tem tido no mundo e não podemos minimizar isso, porque a WWE é um produto de entretenimento que trabalha à base das reações do público e, sem fãs presentes na arena, o produto ressente-se.

Porém, olhando para as audiências dos três programas televisivos da WWE e também da AEW, todos estão a ter audiências piores do que antes do início da pandemia, mas temos de afirmar que tanto o NXT como o AEW Dynamite têm vindo a melhorar os seus números nas últimas semanas, com o Dynamite a ter subido 11% em Julho em comparação com Abril e com o NXT a ter subido bastante em comparação a Março e Abril.

Já o Raw e SmackDown, que são os dois principais programas da WWE, têm descido constantemente, tanto que se compararmos com o mês de Julho de 2019, as audiências de Julho de 2020 do Raw desceram 37% em comparação ao ano anterior, enquanto o SmackDown, mesmo estando na FOX, desceu 8%. Isto sem contar com os vários mínimos históricos que o Raw tem batido em quase todos os programas.

A verdade é que as audiências devem continuar a piorar, muito em especial porque a NBA vai regressar neste dia 30 de Julho, o que vai aumentar ainda mais a competição contra a WWE.

No final, o grande problema está no processo criativo da empresa e apesar de Vince McMahon já ter afirmado por várias vezes que as coisas precisam de mudar, tirando algumas experiências, a fórmula mantém-se igual há vários anos, com tudo a estar sob a sua supervisão e total controlo, mesmo quando Paul Heyman, Eric Bischoff e depois Bruce Prichard foram contratados.

Um dos maiores problemas continua a ser a dificuldade em criar grandes estrelas, pois o mundo do Wrestling sempre viveu das suas grandes estrelas e todas as eras do Wrestling têm sempre pelo menos uma grande estrela ao leme, sendo que nos últimos tempos, a maior estrela da WWE tem sido Roman Reigns que está agora ausente, sendo que existem outras Superstars que têm conquistado o seu espaço e ganho alguma popularidade, mas que depois chegam aos grandes eventos e perdem para lutadores antigos como Goldberg ou Undertaker. Essas decisões podem ser vistas como um “penso rápido”, mas nunca como uma estratégia a longo prazo.

A WWE ainda tem vários anos até entrar nas próximas negociações dos seus contratos televisivos e existe tempo para melhorar o que se tem feito e de utilizar o NXT da melhor maneira possível, ou seja para criar novas estrelas e não só para competir contra a AEW, e no fundo um plano a longo prazo, quiçá com Paul Levesque [Triple H] ao leme poderá ser a estratégia que a WWE precisa de seguir.


Concordas com todos os pontos negativos que este grupo de especialistas apontou à WWE? Pensas que a WWE iria realmente ficar melhor se fosse Triple H a mandar em vez de Vince McMahon?

18 Comentários

  1. Hugo2 semanas

    Bom…..
    Não há como não concordar. Este relatório vai de encontro ao que eu tenho sempre dito,que a Wwe está amorfa,e com falta de criatividade. E se seria melhor ter Triple h a mandar em vez do Vince,acho que seria uma melhoria basta ver o que ele tem feito no Nxt.

  2. Não há como não concordar, é a mais pura das verdades. É preciso mudança, temos de ficar gratos pelo o que o Vince deu ao mundo do wrestling mas vejo as coisas melhorar com o Triple H. Vemos o trabalho notável que tem feito no Nxt. Com ele a aposta no futuro é garantida, quem subisse ao main roster ia ter muita mais chance de sucesso. É preciso apostar em gajos como o Aleister Black, Adam Cole, Keith Lee, Ricochet, Balor, Riddle e c**** nos Goldbergs da vida. É preciso uma mudança de mentalidade

    • Facebook Profile photo

      Podia passar a parte do Wrestling para o Triple H Shawn e companhia e a parte contratuais, dos direitos dessas merdas backstage os filhos podiam fazer o que sabem fazer melhor!

    • Anónimo2 semanas

      Concordo com vocês.

  3. João da Cena2 semanas

    Acho que o maior problema é mesmo a criação de estrelas. No SummerSlam o Main Event será Drew x Orton. Mas e depois?! Provavelmente teremos Orton x Edge na WM. Mas e depois?! Quem é que virá para dar continuidade? Enquanto isto, tem de se ter ao lado combates de Mid Card com boas storylines que consigam elevar outras superstars para o panorama do Main Event. Porque é que se parou com o push ao Aleister Black? O que é que está o Ricochet a fazer escondido numa divisão de Tag Team também ela obsoleta quando era e é um grande atleta e uma superstar bastante over? Porque é que o Shinsuke não tem mais destaque quando é uma lenda numa das maiores promotoras do mundo? A WWE tem tanta matéria prima que não se percebe como há um ano tinham 3M de espectadores e agora não conseguem nem chegar aos 2M

    • Como é que queres criação de estrelas se de repente aparece um Goldberg e em 2 minutos faz o enterro?
      Tag team? Este reinado dos profits é dos piores que já vi, aquela rivalidade com os viking que tinham tudo para ser uma equipa dominante foi patética

    • João da Cena2 semanas

      Pois. Quem teve a ideia de colocar o Goldberg a vencer o The Fiend nunca mais deveria puder trabalhar numa promotora

    • As estrelas que chegaram ao main roster num período até 2 anos até têm a desculpa da construção, mas Kevin Owens, Samia Joe, Samy Zayn, Finn Balor, Robert Roode, Nakamura, Cesaro, Ziggler e até posso falar de nomes que já saíram da empresa Wade Barret, Neville, Cody Rhodes porquê é que estes nomes ainda não receberam um push valente?

    • Surf2 semanas

      Neste caso foi o proprio goldberg que recusou perder pro the fiend

  4. PedrKo2 semanas

    Impossível não concordar, 2020 pode bem ser um ponto de viragem para a WWE ou mudam drasticamente o produto, ou pode ser o princípio do fim

  5. Acho que umamedida que a WWE podia adotar era mudar a dívisão de tags por completo, ia toda para o RAW ou para o SmackDown, uma vez que cada brand tem no máximo 4/5 duplas e fica muito repetitivo;
    -assim como a divisão femenina ia toda para ou RAW ou SmackDown (ou ficavam com a divisão femenina ou de tags), já que hoje não há profundidade para dividir as lutadoras que tem no MR e aproveitar para criar novas duplas já que hoje há muito poucas;
    -a divisão Cruserweight passava para o RAW, para ajudar a completar as 3 horas de programa;
    -e por fim a criação de um Ranking para cada brand, que seria atualizado a cada show com as vitórias/derrotas e assim defenia-se melhor quem tem capacidade ou não de lutar por títulos.

    • Caique2 semanas

      Concordo muito com esse negócio de ranking pra cada título. Pois hoje não existe mais 1° contender’s..
      Qualquer um pode chegar no ringue e pedir uma chance pelo titulo, e consegue..
      Acho que desvaloriza muito os titulos. Titulos como o US championship e Intercontinental Championship não mais grandes conquistas..

    • Sim, a ideia era por exemplo, só lutadores do top 10 podiam lutar pelo título principal da brand, top 25 pelo título secundário top 40 pelo título de duplas, as lutadoras ficava top 10 titulo principal e top 25 o título de duplas.

    • El Merenguero2 semanas

      Wrestling não é real e o público sabe disso. Fazer um rating tratando Pro Wrestling como fosse MMA ou Boxe faria o grande público dar risada.

  6. Facebook Profile photo

    Eu nem duvido do que li e concordo com grande parte do que foi escrito. O que eu faria, se tivesse no poder da companhia, era uma total renovação da mesma.
    Ora, tinha em mente uma espécie de draft total no que toca aos lutadores e às várias brands e nomeava uns quantos dos mesmos como parte integrante das equipas criativas, para que as rivalidades fossem mais reais e que puxassem mesmo pelos lutadores.
    Por falar em equipas criativas, estas teriam de estar independentes umas das outras, ou seja, RAW é RAW e o resto é o resto. 1 show, 1 identidade e fica-se por aí. Querem guerra de audiências? É entre a própria companhia.
    Quanto a aparição de lendas? Venham elas, são lendas, são bem vindas. Se quiserem lutar, é para ajudar quem lá está todo o ano, caso contrário, nem falta faz.
    A WWE precisa de se organizar, do topo até aos lutadores e quanto mais cedo o fizer, melhor.

  7. Anónimo2 semanas

    É verdade que é preciso haver mudanças na WWE, o Vince tem de deixar de ser teimoso e ver isso. Concordo que se deixassem o Triple H ter mais poder de decisão as coisas podiam melhorar mais.

  8. Bruno902 semanas

    Se o Vince não sair da empresa e passar a responsabilidade ao genro (que tem feito um trabalho absolutamente fantástico com o NxT) e aos filhos, a tendência é esse abismo continuar a crescer e engolir a WWE. Sou muito grato ao velhote por tudo que ele fez, hoje em dia o wrestling é do jeito que conhecemos graças a ele, além de no passado ter tido ideias fantásticas.
    Mas a idade pesa e ele não é excepção.
    O passo seguinte seria valorizar mais os títulos, inovar nas arenas (pode não parecer, mas causam um grande impacto visual), porque reparem que antigamente todos os PPV tinham uma arena bem diferenciada, agora elas são todas muito parecidas (lembrando que me refiro ao período antes do covid).
    A WWE perdeu a noção do que é um booking decente, desvaloriza lutadores, títulos e também os fãs, porque não entendem que hoje em dia, na era da informação, a malta consegue entender muito melhor o wrestling, tem muitas mais opções, o que significa que não engolem coisas que engoliriam há pouco mais de uma década atrás e antes disso.
    Desculpem o tamanho do texto. ^^

  9. A WWE precisa essencialmente de pessoas que façam o público ligar a TV para os ver,para encher arenas(quando for possível).
    Muitas vezes a WWE aposta num talento durante algum tempo e depois perde perante uma lenda só por nostalgia e porque sim